A mais nova ameaça à liberdade religiosa

Liberdade ReligiosaTodo o homem tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, isolada ou coletivamente, em público ou em particular.

É nesses termos que o artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada pela ONU em 10 de dezembro de 1948, define a liberdade de religião e de opinião.

A questão da liberdade religiosa é extremamente complexa e delicada. Complexa porque a compreensão desse tema depende de uma abordagem interdisciplinar e, por conseguinte, de incursões que vão além da ciência jurídica (direito), envolvendo também história, teologia, antropologia, ciência da religião e filosofia. Delicada porque revela o desafio de se conviver num mundo plural, em que a intolerância religiosa ainda está presente em vários países do mundo, como China, Paquistão, Irã e Arábia Saudita.

Mas, mesmo em países que se orgulham em ostentar o estandarte da liberdade religiosa, a questão começa a preocupar por haver grupos e organizações empenhados em retroceder a evolução social aos níveis de séculos atrás, em que as pessoas não podiam professar livremente suas crenças sob risco de serem presas e condenadas.

Élder Dallin H. Oaks, do Quórum dos Doze Apóstolos

Élder Dallin H. Oaks, do Quórum dos Doze Apóstolos

O élder Dallin H. Oaks (foto), membro do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, alertou recentemente para o fato de que a liberdade religiosa nos EUA está sendo ameaçada por forças sociais que intimidam pessoas que desejam expressar publicamente seus pontos de vista religiosos.

Tendo estado na linha de frente da observação do que chama de “significativa deterioração do respeito à liberdade religiosa” na vida pública, o élder Oaks falou recentemente a estudantes do campus de Idaho da Brigham Young University sobre a importância de preservar as liberdades religiosas garantidas pela constituição americana.

Antes de ser chamado para servir como membro do Quórum dos Doze, o élder Oaks teve uma brilhante carreira no Direito. Serviu como juiz da Corte Suprema do Estado de Utah, foi professor da Escola de Direito da Universidade de Chicago e da Escola de Direito J. Reuben Clark da Brigham Young University. Foi também secretário do juiz Earl Warren, da Suprema Corte dos EUA.

Em sua palestra aos estudantes da BYU, ele comparou os incidentes ocorridos por ocasição da aprovação da Proposição 8 na Califórnia (que baniu o casamento homossexual naquele estado) à amplamente condenada intimidação sobre eleitores negros em estados do sul daquele país.

Ele disse que os membros da Igreja não devem se sentir coagidos a manter-se em silêncio por causa de ameaças. “Temos que insistir em nosso direito constitucional e no dever de exercer nossa religião, de votar de acordo com nossa consciência em questões públicas e de participar de eleições e debates públicos e nas salas de justiça”.

O élder Oaks disse que a liberdade religiosa está sendo ameaçada por alegações de novos supostos direitos humanos. Como exemplo, citou um conjunto de princípios publicados por um grupo internacional de defesa dos direitos humanos que pressiona governos a assegurar que todas as pessoas tenham o direito de praticar suas crenças religiosas independente de sua opção ou identidade sexual. O élder Oaks disse: “Isso aparemente propõe que os governos exijam das igrejas que ignorem as diferenças de gênero. Qualquer esforço no sentido de pressionar governos a invadir religiões e passar por cima de doutrinas religiosas deve ser combatido por todos os praticantes”.

Nesse sentido, ele deu cinco conselhos aos membros da Igreja:

  1. Falar com amor e mostrar paciência, compreensão e compaixão pelos que têm pontos de vista diferentes;
  2. Não se deixar coagir pela intimidação de opositores, insistindo que as igrejas e seus membros devem poder falar de seus pontos de vista sem retaliações;
  3. Insistir na liberdade de pregar as doutrinas de sua fé;
  4. Ser sábio no ativismo político, mantendo uma postura respeitosa em relação a quem não compartilha de sua crença e contribuindo com um debate razoável;
  5. Ter cuidado de nunca apoiar ou atuar em favor da idéia de que uma pessoa precisa assumir um conjunto específico de crenças religiosas para que lhe seja permitido qualificar-se a algum ofício público.

“Os valores religiosos e as realidades políticas estão tão interligados na origem e na perpetuação desta nação que não podemos perder a influência do Cristianismo na area pública sem ameaçar seriamente nossas liberdades”, disse o élder Oaks. “Insisto que este é um fato político, bem qualificado para a discussão no cenário público por religiosos cuja liberdade de crer e agir precisa sempre ser protegida pelo que pode ser apropriadamente chamado de ‘Primeira Liberdade’, o livre exercício da religião”. (Veja transcrição do pronunciamento completo do élder Oaks.)

Um amigo residente nos EUA manifestou-se alarmado com a perspectiva de aprovação de projeto de lei que inclui homossexuais na definição de crimes de ódio. Para ele, isso eventualmente poderá trazer graves consequências à Igreja, que não aceita a filiação formal de homossexuais praticantes.

Quando lhe perguntei o porquê de tanta preocupação, ele explicou:

No Canadá existe uma lei muito parecida com esta e um pastor de uma igreja deu um discurso dizendo que homossexualismo era pecado. Uma organização de gays soube disso e processou o pastor e sua igreja.

Aqui nos EUA, nossa Igreja está sendo muito perseguida pelos gays e pelos que apóiam o casamento entre pessoas do mesmo sexo. A Igreja foi e está sendo muito perseguida, especialmente na Califórnia, pois ela incentivou seus membros a contribuir para uma organização ecumênica contra o casamento gay.

Essa nova lei, que se espera passar e ser promulgada, poderá impedir que a Igreja impeça gays casados de entrar no templo ou que se fale no púlpito contra o homossexualismo. Bastará um bispo de uma ala qualquer proferir um discurso que diga que homossexualismo é pecado e, se na congregação houver um simpatizante gay, aquele bispo e a Igreja poderão ser levados à justiça. O movimento gay é muito organizado e tem um apoio financeiro quase ilimitado. Eles estão sempre procurando uma brecha na lei para processar nossa Igreja e essa lei poderá ser a brecha que tanto buscam. Poderão nos acusar de discriminação e perseguição e, se perdermos, poderíamos até perder nossa condição de isentos de impostos.

Aqui nos EUA, muitas vezes, organizações financeiramente poderosas levam pessoas ou outras organizações à justiça e ganham a causa. Por que ganham? Porque a defesa pode custar milhões de dólares e a pessoa ou organização acusada às vezes vai à falência no processo. Na maioria dos casos, não existe justiça de fato e de direito, quem ganha a causa é quem tem mais dinheiro para contratar o melhor advogado.

Existe uma organização aqui nos EUA que é conhecida pela sigla ACLU (American Civil Liberties Union). A ACLU é uma organização de esquerda, ultra-liberal, que certamente irá defender a causa gay. Essa organização defende causas de direitos humanos. Ela tem um apoio financeiro sem limites e tem por hábito processar igrejas e organizações que supostamente violam prováveis direitos humanos. Essa organização é responsável pela proibição de orações nas escolas e qualquer menção religiosa, mesmo em redações. Uma criança pode fazer uma redação falando de Satanás, mas é proibida de fazer uma redação falando de Jesus Cristo, mesmo como personalidade histórica. Ultimamente estão tentando retirar uma cruz que está no meio de um deserto na Califórnia que foi erigida 75 anos atrás em homenagem aos combatentes mortos em guerras passadas. A cruz está num terreno de propriedade do governo e, portanto, devido à separação entre religião e estado, dizem que a cruz é inconstitucional. Devido a essa organização, não é mais permitido monumentos aos Dez Mandamentos que antes eram costumeiros nas cortes americanas. Governos estaduais estão gastando milhões de dólares na remoção e reconstrução de lugares que antes tinham uma lápide ou monumento que continham as placas dos Dez Mandamentos e outros símbolos de conotação religiosa. Uma organização como essa, se estivesse no Rio de Janeiro, por exemplo, iria processar o governo e obrigá-lo a retirar o Cristo Redentor do Corcovado por estar em terras públicas.

A separação entre estado e religião na constituição dos EUA tinha como finalidade proibir que o governo criasse uma religião oficial, como havia na Inglaterra, e não para proibir qualquer menção religiosa em propriedades públicas. Naquela época, na Inglaterra, se um individuo não fosse anglicano, perderia o direito inclusive a possuir propriedades. Aqui nos EUA, no sul do pais, antes da promulgação da Constituição, não era permitido que católicos possuissem terras. De fato, desde a primeira reunião do congresso americano, em 1776, se faz uma oração de abertura. Se a constituição tivesse a intenção de proibir qualquer menção religiosa, a oração teria sido a primeira coisa abolida, mas até hoje a tradição é levada a cabo. A ACLU cada vez mais está tirando Deus do governo e do povo, estão tentando até retirar a frase “In God We Trust” das notas de dinheiro.

A declaração de independencia dos EUA diz: “We hold these truths to be self-evident, that all men are created equal, that they are endowed by their Creator with certain unalienable Rights, that among these are Life, Liberty and the pursuit of Happiness”. Veja a menção ao Criador na declaração. Todos os homens são criados iguais e dotados pelo seu Criador.

As coisas aqui cada vez mais estão sendo deturpadas, dando uma interpretação diferente da original.

Creio que deu pra entender as consequências que esta lei poderá trazer à nossa Igreja e à demais nos EUA.

Minha resposta a ele:

Ficou faltando contar alguns detalhes relevantes: tudo bem que o pastor e a igreja canadenses foram processados, mas foram condenados? Se sim, recorreram? A coisa já foi para última instância? Qual foi o resultado?

Por que essa tal ACLU não tenta processar os autores da Bíblia também?

Olha, não vejo como quem quer que seja consiga forçar a Igreja a aceitar o que não quer. Podem até tentar, mas daí a conseguir vai uma distância. E eu DUVIDO que o Senhor permita isso! Se a Igreja fosse uma organização de homens eu nem diria nada, mas não é.

E, mesmo que Ele permita, algum sábio propósito Dele deverá haver.

Em qualquer dos casos, não vejo motivo para alarme. Ele está no comando. Então, confiemos Nele e sigamos em frente. Como o próprio Senhor disse: “se estiverdes preparados, não temereis” (D&C 38:30, veja também este discurso do Pres. Gordon B. Hinckley).

 

(Visited 485 times, 1 visits today)

Artigos relacionados:

Publicado em Notícias da Igreja com a(s) tag(s) , , , , , , , . Adicione o link permanente deste artigo a seus favoritos.

35 comentários em A mais nova ameaça à liberdade religiosa

  1. Antonio Carlos Pimenta disse:

    Como uma pessoa pode afirmar que Deus nao existe, relatando o contrario, apoiado em fatos cientificos e filosoficos? A pessoa acredita na tricotomia do ser humano;(corpo, Alma e Espitirto) Defende um conhecimento adquirido atraves de leitura, palestas e uma diversidades de fontes e aniquila a principal que é Biblia .Qual a funcao do corpo? (a funcao do corpo é notoria; “se vê”). Qual é a funcao da alma? (A alma é o assedio do sentimento, o que nos faz chorar, amar, pensar, ter saudades, etc.)E qual é a funcao do Espirito? (É a forma de se contactar com O Criador, é a composicao do homem buscando a forca sobrenatural de DEUS;SABE AQUELES MOMENTOS QUE VOCE É SÓ VOCE,QUANDO A TRISTEZA TE ASSOLA E TE FAZ CHORAR,QUANDO VOCE FAZ UM EXAME DE CONCIENCIA E ENTRA DENTRO DO SEU INTIMO BUSCANDO SUA PROPRIA VERDADE, ONDE ESTAO OS FLUIDOS DE SUA NUA REALIDADE QUE SÓ VOCE CONHECE. ESSA FORCA QUE MOVE ESSE SENTIMENTO É A COMPOSICAO DO HOMEM BUSCANDO A DEUS). Pense nisso com carinho, até os ateus em momentos singulares creêm em Deus; estou me levantando em apoio aos defensores da Biblia; onde tem ferro tem ferrugen,sempre existiram grupos de pessoas e organizacoes contarias a verdade, mas a verdade sempre prevaleceu e esta do lado das pessoas que lutaram e lutam a seu favor; parabens Todaro que Deus te abencoe.

  2. Thaís Brandão disse:

    Olá Irmão Marcelo,

    Está tramitando no Senado o Projeto de Lei Complementar – PLC 122/2006, que proíbe que instituições religiosas preguem que o homossexualismo é pecado.
    No site oficial do Senado (http://www.senado.gov.br ), tem na página inicial, lado direito inferior, uma enquete que pergunta se você é a favor ou contra a lei.
    Eu votei que sou contra a lei, pois entendo que estamos observando em nossa sociedade um desvio de foco do que é essencial para vida e promovendo a liberalidade e um cerceamento a liberdade de escolha para o que é espiritual e correto. A liberdade de escolha é defendida por nós como doutrina, mas é preocupante o fato de quererem proibir que as pessoas sejam alertadas sobre o pecado. Ao meu entender, é algo gravíssimo.

    http://www.senado.gov.br/agencia/default.aspx?mob=0

    http://legis.senado.gov.br/mate-pdf/69548.pdf Este é o projeto de lei!!!

  3. José Geraldo Marques disse:

    irmão Oswaldo, muito caro,

    Fique feliz com a sua compreensão, muito feliz mesmo, pois desde o início senti uma vontade sincera de incluí-lo entre os amigos/irmãos.

    Muito obrigado. Mando um fraternal araço, irmão José Geraldo

  4. Oswaldo de Moura disse:

    Marques, você quer me dizer que pode amar a Paulo, que cometeu atrocidades contra cristãos daquela época e pode ter sido inclusive reponsável pela morte de Jesus Cristo, (Paulo pertencia ao sinédrio, o SNI da época) mas tem raiva do irmão, que era do SNI? Porque dois pesos e duas medidas? Porque pode pensar que o arrependimento de Paulo é aceitável mas não pode aceitar o arrependimento do irmão? Voce sabe o que acontecia com militares que não cumprissem as ordens do generais daquela época no Brasil? Paulo tambem cumpria ordens com zelo desmedido? Como é que o irmão pode ser seletivo em seu perdão? O senhor tem provas de que aquele irmão cometeu algum ato de tortura? Como disse, me da a entender que seu ato de perdão é seletivo. Se o irmão conhece o pecador o irmão não perdoa, mas se o pecador é um personagem biblico o irmão perdoa. Caso o irmão não saiba, após a segunda guerra mundial, haviam muitos membros alemães, militares nazistas que também foram perdoados pela igreja e continuaram a ser membros da igreja e não se fala mais disso, foram perdoados.
    Eu, por exemplo e como disse anteriormente neste blog, fui levado várias vezes preso pela policia militar, a GARRA e a ROTA, em São Paulo em 1972 e 1973, simplesmente porque estava sem documentos ou andando na rua. O diretor do DEIC, naquela época era membro da minha Ala em São Paulo. Nunca responsabilizei aquele irmão pelos atos de seus subalternos que estavam cumprindo ordens expressas. Até hoje sou amigo daquele irmão e ele, inclusive, seviu de chofer pra mim e minha esposa no dia de meu casamento, ele tinha um Ford Galaxi preto do ano em 1978. Excelente pessoa e grande amigo. Nunca uitilizei sua influencia para ser solto da cadeia e sempre fiquei preso, de 4 a 6 horas. Aqueles eram dias diferentes, Assim também foram diferentes os dias em que o Grande Jeová mandou que os Judeus exterminassem homens, mulheres, crianças e animais e amaldiçouo os Judeus porque não cumpriram à risca seu mandamento.
    Quanto ao assunto de homossexuais, que parte da escritura “Levítico 20:13 Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominaçäo;” o senhor tem dificuldade em entender? Hoje o Senhor nos ordena pregar contra o pecado e não odiar o pecador, naquela não só homossexuais eram odiados como também a lei era que fossem apredrejados até a morte. Pecado é pecado e odiar é pecado eu não odeio gays e lésbicas mas prego que se homem deitar com homem e mulher deitar com mulher é pecado.
    Eu tenho um bom amigo que, antes de se batizar, morava conjugalmente com outro homem por 15 anos. Ele se batizou e deixou para tras sua vida homossexual. Ele nem por isso deixou a amizade de seu amigo. Eu conheci ambos e fui no enterro de seu amigo que também era uma excelente pessoa. Meu amigo continua sem ter atração pelo sexo oposto mas deixou para tras sua vida de pecado. Ter tendências homosexuais não é pecado, ter relações sexuais homossexuais é pecado.
    Tenho outro amigo que é evidentemente afeminado mas é selado no templo a 35 anos e tem duas filhas e dois filhos. Os dois filho são gays e ambos tem uma vida conjugal com outros homens e ainda assim vão pra igreja e se consideram mormons. Meu amigo não peca mas seus filhos sim pecam. Nem porisso odeio seus filhos.
    Eu tive um bispo que foi excomungado por ter tido uma relação homossexual com outro homem. Ele se arrpendeu, sua esposa nunca se divorciou dele e o perdou, foi re-batizado e é muito ativo até hoje e selado no templo. Excelente pessoa o admiro muito por sua determinação ao controlar seus impulsos homossexuais.

    • José Geraldo Marques disse:

      Meu caro irmão Oswaldo, creio que há algum desentendimento sobre o que escrevi. Peço, portanto, ao irmão que, por favor, retorne ao meu texto. Você verá claramente que o mesmo não transmite raiva em relação ao irmão. Aliás, quando o reencontrei nem foi mesmo raiva o que senti, mas uma grande necessidade de não tê-la, daí o exercício interior a que me referi. Foi um exercício para mim mesmo: para dobrar-me ante as necessárias compaixão e misericórdia de que eu carecia naquele momento.Eu sei muito bem que devemos perdoar a todas as pessoas e sei disso, irmão, porque precisei perdoar os assassinos do meu próprio Pai! Perdoar, no entanto, o irmão bem sabe, não é coisa que acontece no automático: são necessários uma vontade e um difícil domínio de paixões (como está em Alma: só dominando nossas paixões, nos enchemos de amor).

      Se entrei na questão do SNI, o irmão bem viu que fiz com o máximo de prudência e apenas com intuito de exemplificação histórica.Tomei inclusive todo cuidado para não citar o nome de ninguém. O irmão foi quem sugeriu que pode ser alguém – e talvez nem seja a esse alguém que me referi! Prefiro continuar mantendo discrição, pois, em relação ao tema não tenho pessoas como alvos. Sou professor de História da Igreja e apenas trazia à tona o que é inevitável: não um trecho de História da Igreja no Brasil, um trecho da história de vida de membros da Igreja.Fi-lo como um contributo e no momento, prefiro encerrá-lo, antes que, prematuramente, enveredemos por um vespeiro. Sim, eu conheço o galaxi de 1978, mas tudo isso, concordo, deve ficar para trás (politicamente no automático e espiritualmente à medida do arrependimento que por acaso se faça necessário).

      Lutei ativamente aqui no Brasil para que tivéssemos uma anistia ampla, geral e irrestrita. Minha posição nunca foi a de pedir um Nuremberg.

      Quanto ao comportamento de homossexuais, a minha posição, do ponto de vista espiritual, tem sido a de acompanhar sempre e da forma mais estrita os pronunciamentos da Igreja sobre o assunto, desde a “Carta a um Amigo” do Presidente Kimball em 1978, passando pelo discurso do Élder Packer, até os mais recentes artigos n’A Liahona. Estes últimos convergem inteiramente com o meu ponto de vista. Creio que é isto o que cada membro da Igreja deve fazer, sem acrescentar nem tirar nada.No entanto, sei tratar-se de questão extremamente complexa e que exige uma compreensão da sua complexidade ao lidar tanto com o tema quanto com as pessoas envolvidas. No meu caso particular, conheço a complexidade pela via biológica, pois sou doutorado e pós-doutorado em biologia humana e leciono e pesquiso, tangenciando o tema, em duas das melhores universidades do Brasil, uma delas uma das melhores do mundo (UNICAMP). Mesmo assim, ainda tenho consiciência de quão pouco compreendo da complexidade que o tema exige!

      Quantos crimes e pecados a própria biologia cometeu com relação a pessoas homossexuais, servindo de suporte para ideologias ultraconservadoras e direitistas: a castração química do grande matemático Turing (com o seu consequente suicídio!) é apenas a ponta de um vergonhoso iceberg. Mesmo assim, embora favorável a uma revisão, não clamo por um Nuremberg.

      É isso aí, irmão. O último discurso do Presidente Monson na Conferência Geral liquidou de vez com os meus ímpetos raivosos. Foi mesmo, irmão. Ele falou com tal poder que meu coração corrigiu-se de vez. Prestei até testemunho sobre isso no último primeiro domingo.

      Por favor, não tenha raiva de mim. Muito fraternalmente, irmão José Geraldo

      • Marcelo Todaro disse:

        Quanto ao comportamento de homossexuais, a minha posição, do ponto de vista espiritual, tem sido a de acompanhar sempre e da forma mais estrita os pronunciamentos da Igreja sobre o assunto, desde a “Carta a um Amigo” do Presidente Kimball em 1978, passando pelo discurso do Élder Packer, até os mais recentes artigos n’A Liahona.

        A Igreja também tem um livreto dirigido aos que sentem atração pelo mesmo sexo que, se você ainda não conhece, deve conhecer. Chama-se Deus Ama Seus Filhos e o PDF pode ser baixado aqui.

        Um abraço!

      • Oswaldo de Moura disse:

        Caro irmão Marques, desculpe se entendi mal o que o irmão intencionou dizer anteriormente. Este é o grande problema da escrita, desprovida de inflexão que, as vezes, só verbalmente se consegue transmitir, temos como exemplo a confusão de religiões cristãs que se baseiam na escrita da bíblia dando, as vezes, uma interpretação diametralmente oposta de seu contexto.
        Agora posso entender seu ponto de vista. Em momento algum tive qualquer resquicio de raiva ou mágoa do irmão.
        Abraços,
        Oswaldo

  5. José Geraldo Marques disse:

    Pois é Oswaldo, meu caro irmão, lembro-me de Paulo, sim e o amo. E ele arrependeu-se, não foi?
    Quanto ao passado sujo do SNI, prefiro vê-lo mais no atacado e não mais no varejo. Prefiro vê-lo como um fenômeno histórico que, como História, não deve ser apagado. Quanto aos seus participantes individualmente, prefiro esquecer, por isso cito exemplos e não nomes. Apenas acho, pelo que muito bem conheço, que ninguém chegaria a Diretor naquela época por suas qualidades de defensor de direitos humanos e/ou civis e muito menos por defender a liberdade. Mas quanto a pessoas, deixemos para lá, é o melhor, pois águas passadas, se deixarmos, movem moinhos (inclusive de vento)…
    Minha preocupação é com o agora, com as novas emergências. Se sou a favor da união civil entre homossexuais? não, não sou: sou contra. Não tenho posições ambivalentes a respeito. Acho a própria expressão “casamento gay”, no entanto, altamente preconceituosa e portadora de maus sentimentos. Se sou a favor da redefinição legal da família? Não, não sou, sou também contrário sem meios termos.Não tenho posições ambivalentes a respeito. Por outro lado, se sou a favor de que ATOS DE ÓDIO (MATERIAIS OU VERBAIS) contra homossexuais, ou contra negros, ou contra mulheres, ou contra mórmons, ou contra judeus, ou contra quem quer que seja venham a ser considerados crimes e assim venham a ser julgados? SOU SIM, INTEIRAMENTE A FAVOR, SEJAM ELES COMETIDOS EM PRAÇAS, EM PARTIDOS OU NAS IGREJAS. NAS ESQUINAS, NOS BARES, NOS LARES OU NOS PÚLPITOS. Aqui no Brasil, há pais que educam os filhos ensinando-os a como atirar em travestis!
    Quanto à Constiuição Americana. Creio que a mesma foi inspirada para os Estados Unidos e os seus princípios são belos. No entanto, não deve ser copiada por transplante para realidades diferentes. Sei também que Joseph Smith profetizou que a mesma “ficará por um fio e que será salva pela Igreja”. Creio nisso também, como também creio que a ameaça de que ele falou acontecerá por vias políticas, por ameaças de tiranização, por ascensão de ideologias que visem usurpar as liberdades fundamentais.
    Aqui no Brasil, nosso compromisso agora deverá ser pela defesa da Constiuição de 1988, atualmente em vigor e sem dúvida com possibilidades de sérias ameaças por portadores de ideologias más, anti-democráticas.

    Muito fraternalmente esperando contar com, se não for possível sua concordância, pelo menos com sua compreensão, mando um abraço verdadeiro, José Geraldo Marques

  6. LUCIANO FERREIRA disse:

    marcelo da uma olhada neste site e faz uma materia sobre este assunto

    http://www.femormon.com.br/artigos/pedradaarvoredavida.htm

  7. José Geraldo Marques disse:

    Concordo com a opinião de Kent Larsen de que devemos ter muito cuidado com opiniões preconceituosas de pessoas ultraconservdoras ideologicamente comprometidas com desrespeito aos direitos humanos, inclusive atuantes como sustentáculos de tiranias, tal como aconteceu com membros da Igreja no Brasil que foram agentes do famigerado SNI na época da ditadura (um deles, no Recife, muito bem conhecido, chegou a ser seu Diretor; talvez algum deles esteja lendo-me e se for o caso, bem merece a carapuça!) e que deram apoio irrestrito ao golpe militar que levou Augusto Pinochet ao poder no Chile. Neste país, por exemplo, “educadores” mórmons chegaram a proibir a leitura de livros de Isabel Allende!

    Quanto ao episódio da Califórnia, já temos um pronunciamento a respeito que a Primeira Presidência fez, o qual é bastante e definitivo. Dentro dos princípios do Evangelho, sem ódio, rancor ou preconceitos, o mesmo apela para o bom senso, para que ambos os lados se desarmem e para que se encaminhe para um ponto final pacífico.

    Lembremo-nos do que fizeram conosco no caso da poligamia!

    • Kent Larsen disse:

      “membros da Igreja no Brasil que foram agentes do famigerado SNI na época da ditadura”

      Nossa! Eu não sabia!

      Sabe como eu poderia saber mais?

      • José Geraldo Marques disse:

        Larsen, sobre membros que foram do SNI… Prefiro não citar nomes, pois fomos uma sociedade inteligente e boa o bastante para fazermos uma anistia que foi ampla, geral e irrestrita. Com isto, nas democracias, os crimes políticos tornam-se coisas do passado. No entanto, quem tiver interesse histórico é só consultar os jornais da época publicados no Recife, pois o nome do Diretor do SNI está lá (felizmente não o associa ao nome da Igreja). Um dia desses tive que estar com ele frente a frente em uma reunião da Igreja e confesso, eu que fui uma da pessoas que sofreram bastante durante a ditadura, precisei fazer um interno exercício de amorosidade e perdão para contornar o mal-estar que então senti…Espero que ele esteja arrependido do pecado (dos pecados? já que tanta gente, inclusive eu, fomos inocentemente incriminados com base em mentirosas informaçãoes do SNI) … cometido(s?). E se estiver suficientemente arrependido que mereça o perdão advindo do sacrifício expiatório do Senhor Jesus Cristo.

        Pois é: pecado é pecado e há mais pecados entre o céu e a terra do que imaginam nosssas vãs ideologias!…

        José Geraldo Marques

        • Oswaldo de Moura disse:

          Marques, perece que sei de quem voce esta se referindo sobre o irmão que pertenceu ao SNI. Eu o conheço desde que fui missionário em Brasilia em 1975. Somos muitio amigos e renovamos nossa amizade quando fui Bispo em Recife em 1986. Não creio que seja bom julgá-lo por ações que outros do SNI perpetraram. Esse irmão foi de muita ajuda para o estabelecimento da Igreja e proteção de seus direitos durante a época da ditadura. Nem todos que participaram do SNI foram responsáveis das atrocidades cometidas naquele período. Eu mesmo fui várias vezes detido antes de minha missáo e colocado na cadeia e depois solto, simplesmente por ter esquecido a carteira de identidade em casa. Nem porisso faço responsável todos os integrantes do governo militar. Esse irmão sempre foi muito dedicado e fiel e lider da igreja desde os tempos que morava em Brasilia. Não se pode julgar que todos os militares daquela época fossem crápolas. Meu ex-presidente de missão foi militar tambem e um Major do exército e um excelente homem. Helvécio Martins também pertencia ao governo naquela época e sempre foi um grande homem e excelente amigo. Eu batizei em Brasilia um senhor que era um alto funcionário do governo, também um grande homem. Nem todos que participavam do governo naquela época estavam de acordo com aquela situação, e nada podiam fazer contra aquela situação sem sofrer repercussões terríveis.
          Lembra-se de Paulo? Pois é, ele tambem foi parte de um governo que cometeu atrocidades contra o povo judeu. Governo esse que, inclusive, toruturou e assassinou Jesus Cristo. Se voce um dia estiver frente a frente com Paulo, voce vai tambem precisar fazer um exercício de amorosidade para contornar o seu mal estar por estar perante um ex-integrante do Sinédrio perseguidor de cristãos?
          O Senhor perdoa a quem Ele quiser mas a nós é dado o mandamento de perdoar a todos.

  8. Kent Larsen disse:

    O amigo do Marcelo nos EUA disse:

    Existe uma organização aqui nos EUA que é conhecida pela sigla ACLU (American Civil Liberties Union). A ACLU é uma organização de esquerda, ultra-liberal, que certamente irá defender a causa gay. Essa organização defende causas de direitos humanos.

    Ele está conversando demais com gente da ultradireita. A ACLU não é exatamente uma “organização de esquerda,” e tenho certeza de que a maioria das pessoas nos EUA não pensa que a ACLU é “ultraliberal.” Eu conheço membros da Igreja que trabalham na ACLU.

    É verdade que a ACLU defende a causa de direitos humanos. Talvez infelizmente, a moralidade não entra em seus cálculos. Os humanos tem o direito de fazer imoralidade, não só segundo a ACLU, mas também segundo o evangelho (a idéia de livre arbítrio requer que possamos escolher o mal). Como os membros da Igreja devem saber, é importante ter quem defenda os direitos humanos (já tivemos os nossos violados).

    Não acreditem em idéias ultraconservadoras. Seus pensamentos são iguais aos dos militares do Brasil em 1964.

    Ela tem um apoio financeiro sem limites

    O quê? Ninguém tem apoio financeiro sem limites. A ACLU existe pelas doações de seus membros (tem mais ou menos 400.000 membros que pagam uma doação de pelo menos US$ 20). No total, o orçamento da organização é US$ 32 milhões. Esse é o limite do apoio financeiro.

    Mas é verdade que muitos advogados doam os seus serviços pro bono publico.

    e tem por hábito processar igrejas e organizações que supostamente violam prováveis direitos humanos.

    Por favor, forneça um exemplo. A ACLU geralmente processa governos e órgãos governamentais. Se está a processar uma igreja ou uma pessoa é porque o governo local não quer colocar em vigor uma lei que envolve direitos humanos (por exemplo, nos anos 60 processou restaurantes que não atenderam aos afroamericanos quando os governos locais recusaram-se a fazê-lo).

    Essa organização é responsável pela proibição de orações nas escolas

    Você deve ler mais sobre isso. A oração pode chegar a ser uma maneira de alienar os membros de religiões minoritárias. Escrevi um artigo sobre isso há vários anos:

    http://www.mormonstoday.com/000625/N1SchoolPrayer02.shtml

    Como muitas pessoas (incluindo até membros da própria ACLU), eu discordo com muitos dos casos da ACLU. Mas reconheço que a ACLU faz um papel muito importante. E, devido ao seus esforços no passado na defesa dos direitos dos afroamericanos e das mulheres, não posso maldize-lo facilmente, como acontece com os membros da Igreja na ultradireita que falam sem pensar ou saber.

    • Oswaldo de Moura disse:

      O amigo a que o Marcelo se refere sou eu.

      Aqui vão duas evidências, traduzidas por mim, nas quais baseio minhas conclusões:

      Madrid – Um padre de uma paróquia, na Espanha, o segundo nas últimas semanas, tornou-se alvo de uma ação judicial alegando “humilhação pública” de um militante homossexual que desejava receber a Comunhão. O Padre Domingo Garcia DOBAO, pastor da Igreja da Imaculada Conceição, em Jaén, Espanha, foi processado por JuanDiegoFuentesMedina após o padre ter-lhe negado a Comunhão públicamente por ter registrado sua união gay com Angel de los Reyes, com funcionários locais.

      Padre Garcia explicou sua decisão, salientando e tornando formalmente pública , uma situação que a Igreja ensina é imoral “, eles não podem receber a Comunhão”. “Eu apenas apliquei (a lei) …

      Fonte: http://www.highbeam.com/doc/1G1-131362951.html

      Governo (Canadense) ao pastor: Renuncie sua fé!
      Agora proibido de expressar oposição moral ao homossexualismo.
      09 de junho de 2008
      22:00 Hora do Leste
      © 2009 WorldNetDaily

      Um tribunal canadense de direitos humanos ordenou um pastor cristão a renunciar à sua fé e nunca mais expressar oposição moral ao homossexualismo, de acôrdo com uma nova reportagem.
      Numa decisão datada de 30 de maio em fase de sanção dos procedimentos quase-judiciais executados pelo Tribunal de Direitos Humanos de Alberta, o pastor evangélico StephenBoisson foi proibido de expressar sua perspectiva bíblica do homossexualismo e condenado a pagar $5.000 (dólares canadenses) por “dolo e sofrimento”, bem como pedir desculpas ao ativista que se queixou por ter sido ferido.
      Boisson escreveu uma carta ao editor do seu jornal local o RedDeer, de Alberta, em 2002, denunciando o avanço da militância homossexual como “Perversa” afirmando que: “Crianças de cinco e seis anos de idade estão sendo submetidas psicologicamente e fisiologicamente a uma literatura pró-homossexual prejudicial assim como orientação nas escolas públicas, tudo sob o disfarce fraudulento de direitos iguais”.

      Fonte: http://www.wnd.com/index.php?fa=PAGE.view&pageId=66704

      Se o acima delineado não constitue uma ameaça, não só à nossa Igreja como também às demais instituiçoes religiosas, não sei o que mais seria necessário.

      • Kent Larsen disse:

        Mas Oswaldo, esses não tem nada a haver com o ACLU! São governos, e não fazem parte dos EUA — o governo da qual o ACLU importa.

        Eu reconheço que tem uma ameaça de pessoas com outras idéias sobre os direitos humanos e sobre a liberdade religiosa. Mas isso não faz as outras coisas que você disse sobre o ACLU verdadeiras.

        Acho que devemos enfrentar a lógica usado e não aviltar as pessoas ou organizações.

        • Oswaldo de Moura disse:

          Kent uma lei igual a essa esta prestes a passar aqui nos EUA, e como o povo americano é o povo mais litigioso que já conheci, espere e verá a mesma concequencia. O país que foi fundado com base em conceitos religiosos judaico-cristãos está cada vez mais longe de seu fundamento, pouco a pouco destruindo a constituição que serviu de modelo para as demais constituições do mundo.

  9. José Geraldo Marques disse:

    Marcelo, meu caro, por favor notifique-me sobre futuros comentários. Zé Geraldo

  10. José Geraldo Marques disse:

    Marcelo, muito caro irmão e dos meus melhores amigos,

    Você como sempre, argumentativamente brilhante.

    Sou a favor, sim, com provas já dadas em vida, da mais plena liberdade religiosa: liberdade religiosa para todos, para todas as religiões. Sou também inteiramente a favor da separaão radical entre Igreja e Estado (união que só se justificaria em estados verdadeiramente teocráticos, coisa de que estamos em realidade bem distante). A realidade americana é uma, a nossa é outra. No nosso caso, temos o privilégio de desde 1889 termos Igreja e Estado separados por letra constitucional. Nossa luta aqui, deverá ser por manter tal privilégio intocado e de lutarmos como cidadãos para que sua implementação (ainda incompleta), seja de fato completada. Com calma, claro. Como SUDs não podemos perder a perspectiva de que somos uma pequena minoria imersa numa imensa maioria católica. E a questão de maioria/minoria é fundamental em estados democráticos. E viva a democracia!
    Quanto a pronunciamentos, discursos e sermões na Igreja, de fato de vez em quando vemos alguns que são feitos com sentimentos odiosos e tentando atirar pedras nas pessoas. Prestemos bem atenção em quem assim procede: muitas vezes não se passa muito tempo para que sejam levadas a conselhos disciplinares e excomungadas exatamente por praticarem os atos que tão veemente e desamorosamente condenaram.

    Pecado é pecado. Ódio é ódio. Ódio é pecado.

    Muito fraternalmente, irmão José Geraldo

    PS.: estou muito desconfiado de que as maiores ameaças à Igreja, atualmente, estão dentro dela, dentro de muitos de nós, e não fora.

    • j.camargo disse:

      Graaaande Jose GERALDO Gostei do final do seu comentario. O pior dos perigos são os internos. As vezes o cupim tem mais exito ao derrubar uma arvore, do que as bicadas do pica pau. Foi assim no caso de CRISTO o inimigo estava entre os doze, era o proprio tezoureiro, Judas Iscarotis.

  11. Cara, nunca comentei aqui expressando minha real opinião porque não quero entrar em conflito com você. Mas dessa vez não dá. Sinceramente, todos devemos respeitar e ser respeitados e as religiões são as que mais desrespeitam. Sejamos sinceros, o fato do cara ser gay não o torna melhor ou piór, não tira nenhum direito dele. O que o torna melhor ou piór são suas qualidades, defeitos e ações. Infelizmente os mais religiosos conseguem ser pióres porque eles simplesmente querem ser hipócritas e não aceitar as diferenças. Sou totalmente a favor desse tipo de lei. O mundo já se atrasou muito por causa desses preconceitos imbecis. Gays, lesbicas e transexuais são pessoas como qualquer uma outra, eles apênas tem uma opção sexual diferente. Do mesmo jeito que eu gosto de Jaguar, outra pessoa pode gostar de Ford e isso não a torna melhor ou piór que eu. Apênas gostamos de carros diferentes, a mesma coisa sobre os homosexuais e bisexuais, apênas gostam de uma coisa diferente. Nós não devemos aceitar, nós TEMOS que aceitar. É uma obrigação de todo cidadão aceitar as diferenças, afinal o mundo é feito de diferenças. Já pensou só se todo mundo fosse pedreiro? Nunca teriamos nada na vida, exeto casas. O mesmo jeito para opiniões, religiões, opções sexuais, gostos, modos de se vistir e etc. Ainda bem que existem diferenças. Se homosexual é algo extremamente normal, qualquer um pode ser ou não ser. É algo fisico, a pessoa nasce assim querendo ou não, é genético. Já viu algum ex-gay? Eu não, isso é impossivel! Se eu fosse gay, teria orgulho disso e não toleraria esse tipo de coisa. Tem mais é que correr atrás pra acabar com a discriminação. Se você não conseguir entender, se ponha no lugar deles! Suponha que você é hetero e que os heteros são discriminados pelos gays porque eles tem alguma crença boba.

    • Marcelo Todaro disse:

      Oi, Fernando.

      É muito fácil responder seu argumento. Se eu, como hétero, quiser frequentar uma Igreja de gays que reserva seus maiores direitos e privilégios somente a eles, tenho o direito de querer que a igreja mude suas regras para adaptar-se a mim? Ou será que eu é que tenho que me adaptar às regras da igreja deles?

      Isso mata toda sua argumentação.

      Veja bem, a Igreja é de Jesus Cristo (está até no nome). Ele é quem manda na própria Igreja. São as regras Dele, não nossas. E as regras Dele dizem que homossexuais praticantes não podem ser aceitos pelo batismo nem gozar de todos os direitos e privilégios reservados a quem se dedica a obedecer às regras Dele. Os gays não têm o direito de querer mudar isso, muito menos à força, como eu não teria se fosse o contrário.

      E, me desculpe, discordo veementemente da suposição de que alguém nasça gay, ou que não possa haver um ex-gay. O fato de você nunca ter visto um não significa que não possa existir. “Há mais mistérios entre os céus e a terra do que pressupõe vossa vã filosofia”, já dizia Shakespeare.

      Um abraço!

      • Primeiro, Jesus nunca veio aqui pra falar. Não existem provas concretas de que ele existiu. Ok, um livro antigo e mofado, quem garante que não era só um desocupado tentando achar o que fazer? Ou um escritor querendo contar uma história que ele acha legal? Sim, as pessoas nascem gay. Isso já foi comprovado:

        http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL602802-5603,00-HOMEM+GAY+TEM+CEREBRO+FEMININO+COMPROVA+ESTUDO.html

        Nunca ví um ex-gay mesmo, talvez tenha algum bisexual que gostava mais de homens e agora gosta mais de mulheres. Sim, há bem mais mistérios, principalmente naquela época em que não podia se explicar nem porque chovia e etc. São mistérios que podem ser provados com ciencia.

        Só não consigo entender de onde tiraram essas coisas todas. Todo religioso fala que Jesus dizia que temos que aceitar os nossos “irmãos”, os gays são pessoas também, eles tem sentimentos, pensam, cometem erros e acertos. Consequentimente eles são nossos “irmãos” também.

        Se você não considera que os gays tem direito de mudar a igreja, a igreja também não tem direito de querer mudar a vida deles! A começar pela Posição 8 que teve não só um dedo, mas várias mãos ali dos mormons. Se houver uma igreja para gays que discrimine os heteros, minha posição vai ser a mesma! Também é errado, discriminar é errado. Sabe porque eu odeio religiões? Elas discriminam muito! Só fazem atrocidades em nome de deus, jesus e bla bla bla.

        Acorda! Você precisa de uma baude de água fria pra voltar a pensar. Deus nunca apareceu aqui para dizer se ele existe ou não, se ele é contra algo ou não. Esse tipo de coisa me preocupa. Aonde vamos parar?

        Não quero parecer groceiro ou nada disso, mas TODA religião é contraditória. Não tem como seguir exatamente e as pessoas acabam seguindo pela piór parte.

        • Marcelo Todaro disse:

          Fernando,

          Você já está divagando por temas que pouco têm a ver com o assunto do artigo que estamos comentando, portanto, para evitar entrarmos num debate interminável, convido-o a continuarmos em particular.

          Antes, porém, eu gostaria de apresentar-lhe meus últimos argumentos:

          Primeiro, Jesus nunca veio aqui pra falar. Não existem provas concretas de que ele existiu. Ok, um livro antigo e mofado, quem garante que não era só um desocupado tentando achar o que fazer? Ou um escritor querendo contar uma história que ele acha legal?

          Quem garante é o próprio Deus, nosso Pai. Ele tem boca e fala. Quem quer que exercite seu dom intrínseco de ter fé será capaz de ouvi-Lo falar.

          E, quando falo em fé, não estou me referindo a um mero “desejo de acreditar”. Fé é algo bem mais profundo e abrangente que isso.

          As provas que você quer são de caráter espiritual. Fatos espirituais só se comprovam espiritualmente (e, novamente, não estou me referindo a um mero “desejo de acreditar”). É tão tolo e inútil pedir provas materiais de fatos espirituais quanto esperar que água e óleo se misturem. Tenho um artigo inteiro escrito sobre isso, o qual convido-o a ler aqui.

          Sim, as pessoas nascem gay. Isso já foi comprovado

          Discordo do “foi comprovado”. Você leu o artigo? Lá fala que foram estudadas 90 pessoas (isso mesmo, noventa!). O que são 90 em 6,5 bilhões? É 0,0000013%, ou seja, um infinitésimo estatístico. Será preciso mais décadas de estudo e dezenas ou centenas de milhares de pessoas estudadas para que a ciência dê a coisa como líquida e certa. Enquanto isso, é só teoria, suposição.

          Todo religioso fala que Jesus dizia que temos que aceitar os nossos “irmãos”, os gays são pessoas também, eles tem sentimentos, pensam, cometem erros e acertos. Consequentimente eles são nossos “irmãos” também.

          Não há ninguém dizendo o contrário.

          Sim, há bem mais mistérios, principalmente naquela época em que não podia se explicar nem porque chovia e etc. São mistérios que podem ser provados com ciencia.

          Não é o caso ainda.

          Se você não considera que os gays tem direito de mudar a igreja, a igreja também não tem direito de querer mudar a vida deles! A começar pela Posição 8 que teve não só um dedo, mas várias mãos ali dos mormons.

          Em primeiro lugar, a Igreja de Jesus Cristo está, sim, querendo mudar a vida deles porque conhecemos um estilo de vida melhor. Falo extensamente sobre isso em meu artigo Por que sou contra o casamento gay. Mas esse desejo de mudar não é imposto. O que fazemos é convidar as pessoas a estudar o assunto, meditar e orar sobre ele. Isso é MUITO diferente de coagir alguém a agir conforme achamos que deve.

          Em segundo lugar, você parece não compreender o que está realmente acontecendo no caso da Proposição 8. A Igreja manifestou-se contra a mudança na definição de família. Simplesmente não podemos ser favoráveis a isso e o que fizemos foi exercer nosso direito constitucional de expressar nossa opinião. A Igreja incentivou os membros a contribuir com essa causa, mas não foi a única: várias e várias entidades civis e religiosas uniram forças a nós para evitar que esse disparate fosse imposto à sociedade por força de uma lei sobre a qual a maioria da população do estado da Califórnia soberanamente manifestou-se contra. Leia meu artigo Se uma guerra não pode ser evitada, que seja de idéias, não de pedras para entender melhor o caso.

          Acorda! Você precisa de uma baude de água fria pra voltar a pensar. Deus nunca apareceu aqui para dizer se ele existe ou não, se ele é contra algo ou não. Esse tipo de coisa me preocupa. Aonde vamos parar?

          Eu me consideraria espiritualmente miserável se precisasse de provas materiais para saber que Deus existe. Não preciso vê-lo para saber que Ele vive pelo mesmo motivo pelo qual não preciso ver um átomo para saber o mesmo. Ele fala comigo, responde minhas orações, me dá revelações, confirma minhas decisões certas e me alerta sobre as erradas… Se tenho um relacionamento íntimo e pessoal com Ele, pra quê eu ia querer vê-lo para saber que existe? Só se eu fosse muito desprovido de inteligência.

          Portanto, é inútil tentar me aconselhar a “pensar”. Aliás, é justamente por pensar que sou devoto seguidor Dele e de Seu Filho, Jesus Cristo. Depois de todas as provas que já obtive ao longo da vida sobre a existência e influência Dele em minha vida, eu seria muito estúpido se não O seguisse.

          Isso explica porquê defendo minhas convicções com tanta veemência e firmeza. Elas me foram dadas por Deus. Não posso negar o que sei. Parte de minha responsabilidade por ter recebido Dele esse conhecimento é justamente o de compartilhá-lo e prestar meu testemunho sobre o que sei. Foi o que fiz durante minha missão de tempo integral de dois anos, é o que faço quando falo no púlpito da Igreja e é o que faço neste blog. Se você não gosta, sinto muito, não posso deixar de manifestar minha opinião por haver quem não gosta dela, nem se para isso eu tiver que ser condenado à morte tal como fizeram com Jesus por ter afirmado ser o Messias. Quer me chamar de fanático por isso? Fique à vontade. Não espero que você compreenda, pois, como disse o apóstolo Paulo, “o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente” (1 Coríntios 2:14).

          Um abraço!

        • j.camargo disse:

          Fernando.. afinal… perguntar não é ofensa.. vc é gay? tem procuração para falar por eles? tem alguem achegado de familia q

          • Não sou gay. Tenho vários amigos gays e acho sacanagem a descriminação contra eles. Não custa nada aceitarmos eles. Do mesmo jeito que eles devem nos aceitar por sermos heteros. Inclusive, devem respeitar nossa opção e vice-versa.

    • Oswaldo de Moura disse:

      O fato de uma pessoa ser gay não o torna melhor ou pior que qualquer outra pessoa. Todo mundo tem o direito de um estilo de vida que não interfira com o direito de outrem. O problema existe quando gays tentam impor seu estilo de vida e obrigam igrejas a aceitar algo que fundamentalmente é contrário às escrituras judaico-cristãs. O problema existe quando gays fazem passeatas contra igrejas, boicotam estabelecimentos comerciais e ameaçam pessoas de bem que utilizam seu poder de voto para preservar o direito de casamento somente entre pessoas heterossexuais, preservando assim a unidade familiar. O problema existe quando se impõe um estilo de vida doutrinando crianças em pré-primário ensinando que uma união antinatural é normal e tem que ser aceita. O problema existe quando tentam calar, à força de lei, um direito de expressão que ministros e pastores religiosos tem de pregar contra algo que milenarmente é tido como pecado e vai de encontro às suas convicções religiosas.

      Ser homossexual não é pecado assim como ser heterossexual também não é. Pecado são a fornicação e o adultério. Relacionamento sexual é, segundo as escrituras judaico-cristãs, um direito de pessoas casadas. Qualquer ato sexual entre pessoas que não sejam casadas é fornicação. Ato sexual entre pessoas casadas com outro ou outra que não seja seu esposo ou esposa é adultério. Isto é o que está nas escrituras. Pregar contra tais atos é um dever do crente.

      Alguém aqui argumenta que tem mormons que trabalham na ACLU, dando a entender que, se tem mormons lá, a organização tem que ser boa. Muito bem, em Las Vegas há centenas se não milhares de membros trabalhando em cassinos e isto não faz com que jogatinas sejam atividades saudáveis ou aprovadas pela igreja. A ACLU e os cassinos são atividades legais. A ACLU tem um papel importante na sociedade americana, mas não deixa de ser uma organização que prefere dar ouvidos surdos às causas que se referem à preservação de moral e organizações religiosas. Não se pode legislar moralidade, este é um papel em que as igrejas tem um melhor resultado.

      Para informação dos que não sabem, aqui vão algumas escrituras nas quais as igrejas judaico-cristãs se baseiam em sua condenação da hossexualidade:

      Levítico 18:22 Com homem näo te deitarás, como se fosse mulher; abominaçäo é;

      Levítico 20:13 Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominaçäo;

      1 Coríntios 6:9-10 Näo sabeis que os injustos näo häo de herdar o reino de Deus? Näo erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, NEM OS EFEMINADOS, NEM OS SODOMITAS, nem os ladröes, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdaräo o reino de Deus.

      • Marcelo Todaro disse:

        Oswaldo,

        É inútil citar escrituras para os gays e seus defensores, pois eles acham que essas passagens (e qualquer outra contrária à opinião deles) não se aplicam a eles. Se cressem nelas, não seriam gays. Eles extraem das escrituras só o que lhes interessa e solenemente ignoram o resto. Fazem-no sob o fragilíssimo argumento de que “Deus é amor” (ou simplesmente declaram-se ateus). Foi isso, aliás, que ouvi de uma convidada da festa do casamento gay transmitido ao vivo na edição do programa Superpop, da Luciana Gimenez, de que participei no ano passado. Infelizmente, não tive oportunidade de responder dizendo que Ele é amor, sim, mas não é contra Seus próprios princípios, e o fato de amar o pecador não significa que ame também o pecado.

        • j.camargo disse:

          Marcelo Todaro bom dia… porque voce acha que houve a destrição de SODOMA e GOMORRA. NÃO ADIANTA DAR MURRO EM PONTA DE FACA. certos programas tem apoio de SATANAS, o mesmo que tentou JESUS CRISTO apos seu jejum de quarenta dias. Note que essa “criatura” angelica muda sua tatica na terceira tentaçaõ ao pedir apenas um ato de adoração (um faz de conta) finge que voce esta me adorando, que te darei todos reinos da terra, os existentes e os que vierem no futuro. Portanto essa civilização marcha para o fim sem duvida ainda antes desse 1º quarto de eculo XXI.

    • j.camargo disse:

      Fernando Valente..voce tambem tropeça no seu comentario. O que a pessoa disse é que não aceitamos “a crença” e não a pessoa fisica. Se não, caimos na mesma causa da falta de liberdade. Pelo que parece voce fomenta a ideia de que todos tem que ser homossexuais para estarem certos. A escolha de cada um deve ser respeitada, mas não aceitada para si; que tambem é um direito de liberdade a ser preservado.

      • Bom cara, liberdade é algo que os descriminados nunca tiveram. Concordo com liberdade, mas tem limite. Você gostaria que alguém tivesse a liberdade de sair matando, torturando, estuprando e roubando? E não cara, nem todos os homosexuais estão certos. São pessoas como eu ou você. Todos erram, acertam, vivem, respiram, comem, são formas de vida baseadas em carbono e etc.

    • Oswaldo de Moura disse:

      Caro Fernando,
      1 – Tem razão, devemos respeitar, mas não TEMOS que aceitar. As escrituras são contrárias ao sexo fora do casamento e entre pessoas do mesmo sexo. Como poderemos aceitar algo contrário aos mandamentos?
      2 – Ser hipócrita não é uma exclusividade de religiosos. Ser hipócrita seria aceitar sexo entre pessoas do mesmo sexo e dizer que é seguidor de Cristo.
      3 – O mundo não se atrasou por causa de preconceitos imbecis. O mundo se degenerou por que, mais e mais pessoas pensam como você.
      4 – Você se contradiz ao expressar que: “Gays, lesbicas e transexuais são pessoas como qualquer uma outra, eles apênas tem uma OPÇÃO sexual diferente”. E depois diz: “É algo fisico, a pessoa nasce assim querendo ou não, é genético”. Se é genético, normalmente, não é uma opção (mesmo fatores genéticos podem ser controlados, existe um gene chamado “gene do guerreiro” que faz com que a pessoa seja agressiva, essa propensão tem que ser controlada e não pode ser usada como desculpa para agressividade). Se é uma opção nada tem a haver com genética. E ainda mais nunca se concluiu que ser gay ou lésbica é um fator genético.
      5 – Não sei com quem você se relaciona, mas conheço vários “ex-gays” alguns casados e outros não.
      6 – Tem razão, temos que acabar com descriminação. Mas não podemos mudar os mandamento do Senhor: Não cometerás adultério, ainda voga e não pode ser mudado. Não é uma crença BOBA.
      7 – Se você gosta de Jaguar, é porque nunca teve um. Só tem nome mas não é um carro bom. Prefiro um Ford. A minha esposa tem um BMW, que também é tão ruim quanto o Jaguar. Mas dá status, né?

      • 1) Se os mandamentos de alguma religião fossem contra algum direito seu. Por exemplo, se algum mandamento de uma religião permitisse que as pessoas te espancassem no meio da rua. O que você faria?

        2) Não sou seguidor de Cristo(sou ateu). Há trocentos evangélhos cristãos. Alguns aceitam homosexuais.

        3) Prove! Não tem como, né? Bom, vamos a algumas verdades. Hittler atrasou o mundo, ele pensava de forma bem diferente de mim. Osama Bin Laden fez o mesmo, e advinhe? Ele não concorda comigo! Santa Inquisição? Creio que você saiba que eles não toleravam gays. Bom cara, as pessoas que realmente fizeram o mundo andar são as de cabeça aberta. Procure por Albert Einstein, Alan Turin, Steve Wozniak entre outros. Me responda se eles eram preconceituosos. As maiores desgraças da humanidade foram causadas por causa de religião.

        4) Vou fazer o que se o termo “opção sexual” é antigo? Apenas estou falando o Português corretamente! E nem tudo que é genético se controla. Conheço vários gays. A maioria não se aceita no inicio. Cê acha mesmo que alguém escolhe ser gay? Pode apostar que não, pois eles sofrem muito!

        5) Você conhece bisexuais. Mais de 50% da população é bisexual, e muitas vezes as pessoas preferem algo numa época, depois preferem a outra.

        6) Sou contra adultério. Não por motivos religiosos, mas acho que isso é igual falar de alguém pelas costas. Porém, se você não é casado, logo não pode ser traição. E existe casamento gay.

        7) Nunca tive mesmo! Mas acho um carro legal e não ligo pra status. Tanto que não me importo de andar com roupas baratas e coisas assim. Alias, costumo fingir que tenho uma situação financeira pior do que realmente tenho. Sabe porque? Não ligo pra isso, além de tudo odeio inveja. Mas eu compro o que me interessa, por isso se eu acho Jaguar legal, eu compraria um. Não pelo status, mas porque eu gosto.

        • Marcelo Todaro disse:

          Se os mandamentos de alguma religião fossem contra algum direito seu. Por exemplo, se algum mandamento de uma religião permitisse que as pessoas te espancassem no meio da rua. O que você faria?

          Vou dar-lhe a mesma resposta que você deu ao Oswaldo no item 3: “Prove! Não tem como, né?” 🙂

          O fato é que, por algum bizarro motivo, você INSITE, TEIMA e BATE O PÉ na suposição errada de que a religião tira o livre arbítrio das pessoas. Isso não me surpreende, pois é um ateu falando de fé, ou seja, algo do qual você não tem a menor compreensão. Seria o mesmo que eu, que nunca escrevi uma única linha de código de programação para iPhone, resolvesse criticar os algoritmos que você escreve para ele.

          Então, por favor, tenha um pouco de humilde para aceitar um ensinamento de alguém que tem um pouco mais de conhecimento e experiência que você nessa área.

          Na verdade, basta-me repetir um argumento que apresentei a você lá em cima e você nunca conseguiu contestar:

          Se eu, como hétero, quiser me associar a uma Igreja de gays que reserva seus maiores direitos e privilégios somente a eles, tenho o direito de querer que a igreja mude suas regras para adaptar-se a mim? Ou será que eu é que tenho que me adaptar às regras da igreja deles?

          Isso mata toda sua argumentação.

          Então, Fernando, veja se consegue entender isto: você não é OBRIGADO a filiar-se a igreja nenhuma. Mas, caso decida fazê-lo, é natural de se esperar que se submeta às regras dela. Se uma igreja não permite a filiação formal de homossexuais, eles não têm o direito de querer mudar isso, muito menos à força, como eu não teria se fosse o contrário. Afinal, eles não são obrigados a filiar-se a essa igreja e só o fariam por livre e espontânea vontade.

          Assim como também qualquer um que já seja filiado e esteja descontente com ela, tem todo direito de sair.

          Consegue entender isso?

          As maiores desgraças da humanidade foram causadas por causa de religião.

          Você convenientemente se esquece de que o antigo comunismo soviético e o atual comunismo cubano, chinês e norte-coreano são ateus, no entanto eles faziam e fazem um bem danado com prisão, torturas, assassinatos, etc. contra cidadãos comuns que ousam pensar diferente deles. Que belo exemplo dado pelos ateus, não?

          O problema, Fernandinho, é que as pobres mentes que falam essa asneira contra os religiosos não conseguem perceber que as tais desgraças foram cometidas por HUMANOS e não pela religião, aí então espalham a falácia de que a culpa é dela. Os terroristas suicidas muçulmanos, por exemplo, não estão seguindo o islamismo, pois o islã não prega o que fazem. Ninguém que tenha torturado ou matado alguém alegando agir em nome de Deus vai escapar de Seu juízo, pois essas coisas são diametralmente contrárias a Seus mandamentos. Quem quer que realmente siga os mandamentos de Deus jamais vai matar, roubar, torturar, mentir, trair…

          Não existe qualquer relação entre as “desgraças” mencionadas por você e a religião. Vou usar esse seu mesmo raciocínio para provar quão errado você está: é muito fácil associar um corrupto a um pastor ervangélico, assim como um padre católico à pedofilia, assim como um mulçumano ao suicidio. Criamos estas associações empíricas baseados no que escutamos e acabamos filtramos só o que nos interessa. Ou seja, se eu quiser ser contra o catolicismo sempre que ouvir sobre padres pedófilos, vou generalizar. Mas não significa que todo padre é pedófilo, assim como nem todo negro pobre é criminoso.

          Então pare de crer nessas fantasias ateístas contra os religiosos e procure estudar melhor o assunto antes de sair por aí falando do que não sabe, sim?

          Cê acha mesmo que alguém escolhe ser gay? Pode apostar que não, pois eles sofrem muito!

          Eu não apostaria nisso se fosse você.

          Mais para cima você citou uma suposta pesquisa para concluir que os gays já nascem gays. Contestei sua afirmação destacando que a amostra de pessoas estudadas representa uma insignificância estatística bem longe de ser representativa o suficiente para que se assuma a conclusão como verdade universal.

          Agora segura esta: estudiosos já concluíram que ninguém nasce gay, como o sociólogo americano John Gagnon, que é professor emérito da Universidade do Estado de Nova York, um dos pioneiros no estudo sobre sexo e já publicou 12 livros e 100 artigos científicos sobre o assunto. Leia entrevista dele publicada na revista Época em 8 de maio de 2006. Mas leia MESMO!

          E agora, José? 😉

          Mais de 50% da população é bisexual, e muitas vezes as pessoas preferem algo numa época, depois preferem a outra.

          Mais uma generalização rasteira que você não tem como provar.

          É, Fernando. Como já dizia Jesus Cristo, “é duro recalcitrar contra os arguilhões” (Atos 26:14). 😉

        • Oswaldo de Moura disse:

          Einstein disse: “Exitem duas coisas infinitas: A estupidez humana e o universo. Mas não estou muito certo quanto ao universo”.
          Quando uma pessoa crê, não há necessidade de provas. Quando uma pessoa não crê, nenhuma evidencia será suficiente.
          Fique com suas falsas estatísticas tiradas do traseiro e sua falta de crença. Ninguém fará mudar sua maneira errônea de pensar.
          Seu argumento 1 é tão pueril que não dá pra continuar o debate com alguém de tão parca habilidade argumentativa. Você entrou numa guerra de ideias totalmente desarmado.

 

REGRAS PARA COMENTAR NOS ARTIGOS:

  1. Não use agressividade, provocações, insultos, ironias, deboches, maledicências, palavrões e coisas desse tipo, ou seu comentário será sumariamente apagado. Aceito críticas, sim, o que não aceito é falta de educação e de respeito.
  2. Não use e-mail falso ou seu comentário poderá ser apagado.

Deixe seu comentário - mas observe as regras acima!