A rededicação do Templo de São Paulo

Referente a fevereiro de 2004

No fim de semana de 21 e 22 de fevereiro nosso amado profeta, o Presidente Gordon B. Hinckley, esteve no Brasil para a rededicação do Templo de São Paulo, que esteve fechado por dois anos para reforma. Três eventos contaram com a participação dele: no sábado, 21, uma reunião com todos os membros da Igreja no Brasil e, à noite, um show cultural de música e dança representando o folclore e as várias culturas regionais que compõem a cultura brasileira. No domingo, aconteceu a rededicação do templo. Todos esses eventos puderam ser assistidos via satélite nas sedes de estaca de todo o país e também por uma estaca em Utah formada por brasileiros que lá vivem.

O show do sábado à noite (21) deve ter sido notável para nosso profeta. Infelizmente, nossos irmãos norte-americanos nada conhecem da diversidade cultural existente em nosso país. Muitas vezes nem nós, brasileiros, damo-nos conta disso. Este país vastíssimo, quase vários países dentro de um só, é único no mundo nesse sentido. Creio que essa apresentação surpreendeu nosso profeta, que não imaginava que nossa terra pudesse abrigar tamanha diversidade.

Ele também deve ter se surpreendido ao saber do amor e dedicação dos membros, notadamente os jovens, em realizar em tão pouco tempo uma apresentação como aquela. A idéia de tudo, segundo soube, surgiu em uma conversa entre o profeta e o Élder Andersen, Presidente da Área Brasil Sul, por ocasião da Conferência Geral de Outubro do ano passado. Preparar em tão pouco tempo uma apresentação envolvendo mais de 10 mil dançarinos, todos amadores, foi um feito notável. Muitos deles viajaram por até 8 horas, durante a madrugada de sexta para sábado, para chegar às 7 da manhã no Estádio do Pacaembu, concentrar-se e fazer o primeiro e único ensaio geral.

Nos arredores do estádio havia milhares de ônibus, dizem que 1.285 — talvez o maior congestionamento de ônibus no Pacaembu em toda sua história. A esmagadora maioria dos membros ativos dos Estados vizinhos de São Paulo estava lá, fosse apresentando-se no gramado ou assistindo nas arquibancadas.

Ouvi dizer que uma estaca de Curitiba levou, só ela, 30 ônibus! 30 ônibus x 50 lugares = 1.500 pessoas. Isso dá bem a dimensão do apoio e adesão dos membros. É tocante. Depois da brilhante apresentação debaixo de chuva, eles enfrentaram a dura viagem de volta para, às 9:30 h da manhã seguinte, estarem sentados reverentemente nas sedes de estaca, assistindo a rededicação. Isso também deve ter sido levado ao conhecimento do profeta, que deve ter voltado para casa muito impressionando com nosso país. Imagino que uma página de ouro foi escrita na história da Igreja no Brasil. Imagino que Lago Salgado nunca mais nos verá da mesma forma.

Outro fato notável foi a coincidência da rededicação do templo com o aniversário da cidade de São Paulo. O templo foi mais um presente, o mais importante de todos, em seus 450 anos.

Esta celebração foi única. Não sei se houve algo parecido em qualquer outra dedicação ou rededicação de um templo. Foi uma manifestação de amor à Igreja, à obra vicária e ao profeta.

Por mais templos que se construam no Brasil, o de São Paulo terá sempre um significado todo especial. Foi o primeiro em toda América do Sul e foi nele que recebi minha investidura e fiz meus convênios.

Foi o fim de semana mais memorável dos últimos tempos.

Enquanto o show de sábado à noite transcorria, fiquei ponderando sobre a importância das manifestações culturais na vida de uma sociedade. Pensei no que poderia estar se passando na cabeça de nosso amado profeta, que não deve ter estado em outro país com tamanha diversidade cultural e folclórica quanto a nossa.

De todas as manifestações culturais que presenciei no show, confesso que aquela com a qual mais me identifiquei e pela qual mais me sinto atraído é a gaúcha — não apenas porque fiz missão lá, mas por ter residido no Rio Grande do Sul doze anos antes da missão. Para mim, aquele é o melhor pedaço de chão deste país. De toda forma, foi interessante ver como nossas diferentes culturas foram representadas no show.

Foi interessante também notar como os nordestinos adoram a própria cultura. Quando a legenda “Região Nordeste” foi exibida na tela marcando o início da parte do show reservada a ela, a capela quase veio abaixo. Todas as músicas e danças nordestinas exibidas no show foram acompanhadas pelos presentes com muito mais entusiasmo e animação que as que representavam as outras regiões do país.

Todavia — e aqui me aconteceu uma significativa experiência espiritual —, não houve momento em que me senti mais à vontade e feliz do que quando, no fim do show, foram cantados os hinos “No Monte a Bandeira” e “As Famílias Poderão Ser Eternas”. Diferente de todas as outras, aquelas eram músicas celestiais. Foram as que fizeram-me sentir espiritualmente exultante e deram-me a nítida sensação de estar de volta em casa depois de um passeio pelo mundo. Creio ter recebido um cálido vislumbre das sensações que poderei ter depois que vencer a corrida da fé e retornar ao meu lar celestial.

Essa experiência mostrou-me, novamente, a diferença entre sensações temporais e espirituais. Enquanto tudo mais embalou-me a mente e o corpo, aqueles hinos falaram diretamente a meu espírito, trazendo-me mais alegria e paz do que qualquer outra coisa que o mundo e sua cultura possam oferecer. Foi uma experiência que eu não poderia deixar de registrar e vem se juntar àquelas que têm me sido dadas em cumprimento das promessas feitas pelo Senhor a quem se dedica a viver Seu evangelho.

Na manhã seguinte, assisti a rededicação do templo. Eu nunca havia assistido uma dedicação ou rededicação de templo antes. Foi uma experiência única. Ao final, o profeta convidou-nos a cantar o hino “Tal Como um Facho”, que foi o mesmo hino cantado na dedicação do primeiro templo moderno, o de Kirtland, dedicado pelo profeta Joseph Smith, e também no de Salgo Salgado. Não consegui cantar o hino inteiro, pois já na metade eu estava debulhando-me em lágrimas de emoção. E não fui o único: vários dos presentes próximos a mim também estavam.

(Visited 375 times, 1 visits today)

Artigos relacionados:

Publicado em Diário pessoal com a(s) tag(s) , . Adicione o link permanente deste artigo a seus favoritos.

4 comentários em A rededicação do Templo de São Paulo

  1. marina disse:

    oie olha so eu estou procurando esse evento nao tenho o cd e gostaria de rever esse evento maravilhoso!!
    vc pode me dizer onde conseguir?
    obrigada

    • Marcelo Todaro disse:

      Aqui no Brasil ele está à venda no Centro de Distribuição (estou supondo que você esteja em Portugal por estar usando um e-mail com domínio .pt).

      Um abraço!

      • marina disse:

        oi Marcelo na verdade eu estou nos EUA, ai tava olhando sites sobre a igreja e vi este e logo de cara vi o evento a celebracao! minha filha tinha ,16 anos e dancou naquele dia! dava ate pra ver o rosto dela e as amigas da orm!bom pra guardar ne!
        Entao qdo mudamos pra ca eu perdi o dvd!,e aqui nao encontro, mas obrigada por me informar vou encontrar um jeito de compra-lo!
        Eu lembro da daquele dia !! foi realmente maravilhoso,tava chovendo mas ninguem queria ir embora o espirito daquele momento vai ficar guardado em minha memoria!
        grande abraco!

  2. Matheus disse:

    Meu amigo….que Celebração maravilhosa…estava presente neste evento…aonde dançei até mesmo para nosso amado Profeta!!!Dia inesquecivel,memoravel!!!

 

REGRAS PARA COMENTAR NOS ARTIGOS:

  1. Não use agressividade, provocações, insultos, ironias, deboches, maledicências, palavrões e coisas desse tipo, ou seu comentário será sumariamente apagado. Aceito críticas, sim, o que não aceito é falta de educação e de respeito.
  2. Não use e-mail falso ou seu comentário poderá ser apagado.

Deixe seu comentário - mas observe as regras acima!