Alegrete, janeiro de 1986

198601 (27K)
Eu (à esq.) e um de meus companheiros em Alegrete/RS

Janeiro começou bem. Meu companheiro foi transferido e não consegui nem quis esconder minha felicidade por isso. Não que o desprezasse, mas sua personalidade e temperamento eram minha pedra no sapato. Então fiquei livre de muitos dos desnecessários problemas que ele criava.

Sendo óbvia a veracidade do Livro de Mórmon e concretas as bênçãos recebidas por quem o lê em espírito de oração, meu desejo sempre foi o de anunciar tão sublime verdade ao mundo. Meu propósito na missão é fazer com que alguns cheguem a conhecer a restauração do Evangelho e da Igreja de Jesus Cristo na Terra. Não creio que haja coisa alguma neste mundo que pague o preço do sacrifício que milhares de jovens fazem em todo o mundo neste momento, pagando o dízimo de suas vidas com a obra missionária.

Foi com tal certeza em mente que fui ter minha primeira entrevista com o presidente depois que cheguei ao campo missionário. Ele perguntou qual o propósito de minha vinda para a missão e respondi-lhe o que escrevi acima. “Este é o seu segundo propósito”, corrigiu, e acrescentou: “Converter-se ao Evangelho é o primeiro”. Não entendi totalmente o que ele quis dizer, pois eu era um membro converso da Igreja, estava na missão por vontade própria e tinha um forte testemunho do Evangelho restaurado. O presidente referia-se à conversão profunda, de um tipo que quem não passa por uma missão dificilmente tem. Eu só perceberia isso anos mais tarde.

Com meu novo companheiro já tive algumas experiências interessantes. Uma delas, muito válida apesar de desagradável, aconteceu quando tentávamos dar uma palestra que até aquele momento havia sido a única do dia. Foi tão desprovida do Espírito que nossas línguas praticamente se travaram. Havia qualquer coisa naquele lugar que O impedia de manifestar-Se. “Senti-me como se estivesse em Sodoma e Gomorra”, comentou meu companheiro ao sairmos.

Recebi a primeira carta de casa desde que cheguei ao campo missionário. As palavras escritas nela demonstravam frustração e inconformismo por minha ida para a missão, embora não tratassem diretamente do assunto. Li-a uma única vez e não quis lê-la novamente.

Houve um dia no qual fui parar no hospital com febre alta e fortes dores na perna direita causadas por um ferimento infeccionado no calcanhar. O médico que me atendeu prescreveu alguns medicamentos e recomendou pelo menos vinte e quatro horas de repouso. Fiquei inconformado por não poder cumprir os compromissos marcados para aquele dia e para o seguinte, pois eu estava empolgado com o trabalho.

Independentemente, minha saúde não ia bem. O médico que me examinou no hospital disse que minha pressão está baixa demais e recomendou alguns exames com certa urgência. O calor sufocante daqueles dias podia estar agravando o mal-estar. Soube que a temperatura passou dos 43 graus! Sentia-me mal, fraco e abatido.

(Visited 45 times, 1 visits today)

Artigos relacionados:

  • Nenhum artigo relacionado
Publicado em Missão de tempo integral. Adicione o link permanente deste artigo a seus favoritos.

 

REGRAS PARA COMENTAR NOS ARTIGOS:

  1. Não use agressividade, provocações, insultos, ironias, deboches, maledicências, palavrões e coisas desse tipo, ou seu comentário será sumariamente apagado. Aceito críticas, sim, o que não aceito é falta de educação e de respeito.
  2. Não use e-mail falso ou seu comentário poderá ser apagado.

Deixe seu comentário - mas observe as regras acima!