Eu, 30 anos depois

arvoreExatamente hoje, 5 de agosto de 2014, completam-se 30 anos de uma decisão que mudou inexoravelmente o curso de minha vida. Bendita por uns, maldita por outros, o fato é que dela jamais tive qualquer fiapo de arrependimento.

Foi o dia em que me filiei a A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Nesse meio tempo, assim como teria ocorrido com qualquer um, cresci em diversos aspectos, especialmente na circunferência abdominal. Só uma coisa foi interrompida a partir daquela data: a fase de busca por certas respostas espirituais que descrevo em detalhes neste artigo.

Essas três décadas serviram para confirmar que eu não poderia ter tomado decisão mais acertada, mesmo no período em que não fiz por merecer suas reconfortantes benesses.

Espiritualmente falando, saí da condição de mudinha de planta para a de árvore frondosa. Cresceu muito meu conhecimento sobre Deus e Suas obras. Solidificou-se a certeza que eu trazia desde a adolescência de que temos um Salvador e Redentor, Jesus Cristo. Mais importante que tudo: desenvolvi um relacionamento íntimo e pessoal com Ele como jamais imaginei ser possível.

Passei a compreender melhor a mente de Deus, encontrando respostas para muitas perguntas. Sei exatamente qual é meu propósito nesta vida e o que Ele espera de mim no contexto da eternidade. Aprendi que posso me tornar como Ele e persigo essa meta sem descanso, sabendo que a busca prosseguirá muito além desta vida e que é uma meta perfeitamente tangível — literalmente!

São conhecimentos que adquiri por meio de uma relação de causa e efeito que confirma a veracidade de tudo que agora sei ser verdade — não uma “verdade” proferida pela boca de meros mortais falíveis e parciais, mas conhecimento puro advindo diretamente da mente do Criador.

Sei que Ele vive tanto quanto sei que estou vivo. Eu sei! Não é um mero desejo de acreditar, mas um conhecimento tácito perfeito.

Nada disso me teria sido possível — ou talvez apenas uma pequena parte o teria — não tivesse eu cedido aos influxos do Espírito do Senhor que incutiam em minha mente e em meu coração a certeza da veracidade do Livro de Mórmon, da missão divina do Profeta Joseph Smith e da restauração da Igreja de Jesus Cristo.

Como sou feliz e grato por isso!

Não, minha vida não é um mar de rosas, longe disso. Mas saber que vivo num contexto eterno bem definido dá sentido a ela. Faz-me sentir seguro e confiante. Não temo o futuro, nem a morte, nem o sofrimento, nem os dissabores da vida, pois compreendo que tudo tem um propósito divino que apenas a alma que está afastada de Deus não consegue aceitar e que, no frigir dos ovos, acaba se revertendo em meu próprio bem.

Então, quem seria eu hoje se tivesse tomado outra decisão há 30 anos? Jamais saberemos. Só sei que, diante de quem e do que sou hoje, eu jamais trocaria minha vida atual por qualquer outra, nem se fosse para viver nababescamente. Já dei provas disso a mim mesmo e a Ele.

Que venham os próximos 30 anos. 😉

 

(Visited 349 times, 1 visits today)

Artigos relacionados:

Publicado em Diário pessoal com a(s) tag(s) , , . Adicione o link permanente deste artigo a seus favoritos.

11 comentários em Eu, 30 anos depois

 

REGRAS PARA COMENTAR NOS ARTIGOS:

  1. Não use agressividade, provocações, insultos, ironias, deboches, maledicências, palavrões e coisas desse tipo, ou seu comentário será sumariamente apagado. Aceito críticas, sim, o que não aceito é falta de educação e de respeito.
  2. Não use e-mail falso ou seu comentário poderá ser apagado.

Deixe uma resposta para Marcelo Todaro Cancelar resposta