Por que sou contra o casamento gay

FamíliaEste artigo é longo porque o assunto é complexo. Peço-lhe que o leia com calma e atenção até o fim.

Eu gostaria de começar a explicar minha posição contrária ao casamento gay dirigindo-me a eles primeiro.

Uma palavra aos gays

Antes de mais nada, eu gostaria de deixar claro o seguinte:

Não odeio nem tenho preconceito contra gays!

Do contrário, estaria demonstrando não ter aprendido nada nas mais de três décadas em que sou membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Preconceito é indício de falta de amor e de vivência das lições do Mestre. Na parábola do bom samaritano, por exemplo, Ele ensinou que uma das chaves do verdadeiro discipulado é tratar os outros com bondade e compaixão a despeito de diferenças políticas, raciais ou religiosas (ver Lucas 10:25–37). Eu não poderia praticar esse princípio e, ao mesmo tempo, ter preconceito contra os gays. Seria incoerência e hipocrisia. Não é o caso.

Isto posto, quero que saiba que meu propósito com este artigo é usufruir do mesmo direito à liberdade de expressão do qual a militância gay também usufrui. Assim como aqueles que promovem o casamento gay têm direito a um tratamento respeitoso, aqueles que se opõem a ele também o merecem, sem sofrer retaliação ou punição. Me xingar e colocar estereótipos por defender minhas convicções é justamente o que não querem que seja feito com eles, certo?

Se você quiser entender meu ponto de vista, por favor, leia este artigo até o fim.

A lição da evolução

Repare nos animais na Natureza, homem inclusive. Salvo raras exceções (os seres hermafroditas, por exemplo), a anatomia favorece a cópula apenas entre macho e fêmea. Parece bem óbvio que essa anatomia não foi concebida para que os órgãos sexuais e reprodutivos fossem usados entre indivíduos do mesmo sexo.

O fator anatômico por si só já é um forte indício de que nunca foi intenção do Criador (ou da evolução, se preferir) que houvessem relações homossexuais ou homoafetivas. Essa conclusão não só é compartilhada por gays como os famosos estilistas italianos Domenico Dolce e Stefano Gabbana como também é referendada por pesquisadores como John Gagnon, professor emérito da Universidade do Estado de Nova York, um dos pioneiros no estudo sobre sexo e autor de 15 livros e mais de 100 artigos científicos sobre o assunto. Segundo ele, ninguém nasce gay (leia entrevista dele publicada pela revista Época). Até mesmo a escritora lésbica Camille Paglia afirmou o mesmo no best seller Vamps & Tramps: New Essays, acrescentando que “a ideia é ridícula”.

Não por acaso e corroborando as conclusões do Dr. Gagnon, pesquisas recentes publicadas pela conceituada revista científica Nature apontam FATORES AMBIENTAIS ligados à genética como influenciadores da opção homossexual.

Mesmo se o homem fosse fruto de mera e casual evolução biológica, como crêem os céticos, o que explicaria a atração pelo mesmo sexo se isso não serve a propósito evolutivo algum? Diante da teoria da seleção natural de Darwin, a homossexualidade não faz sentido. É uma característica que não se esperaria que persistisse, como afirma o excelente artigo O quebra cabeça evolucionário da homossexualidade (em inglês).

Essa resposta ainda está para ser conhecida. Nosso Pai Celestial (ou a ciência, se preferir) já revelou e continua revelando a razão de muitas coisas que o homem não compreendia, mas ainda há muitas outras que estão para ser reveladas. A razão da existência da atração pelo mesmo sexo é uma delas. O conhecimento necessário para compreendê-la nos será dado em momento oportuno.

Mas nem é por isso que me oponho ao casamento gay, e sim por outros motivos mais abrangentes. Por favor, continue lendo.

Casamento não é invenção humana

Se fosse verdade que o grande ato da Criação é uma mera casualidade, não seria preciso haver uma formalidade chamada casamento, bastaria fazer como os animais na Natureza: macho e fêmea simplesmente se juntam e procriam. Tão mais prático, não?

Mesmo entre os céticos, o evento social em que o casamento se tornou geralmente começa com uma cerimônia que inspira alguma espiritualidade conectada a alguma força, energia, entidade, ordem, luz, vibração ou misticismo similar. Você já parou para pensar no porquê disso? Se ninguém está interessado na opinião do Criador ou dessa qualquer-coisa-de-algum-etéreo-plano-metafísico-por-aí, invocar espiritualidade pra quê?

Em momentos como o de uma união conjugal as pessoas geralmente sentem-se inspiradas a se conectar a esse “plano superior” porque, mesmo que não tenham consciência disso, casamento é mandamento de Deus (ver também Gênesis 2:24, Mateus 19:4-6, Abraão 5:18, D&C 49:15), tanto quanto honrar pai e mãe, não matar, não roubar, não adulterar, etc.

Todos os mandamentos de Deus são espirituais (ver D&C 29:34-35) e têm um propósito espiritual bem definido. O casamento também é um mandamento espiritual.

Para que o propósito de nossa existência eterna seja cumprido é preciso constituirmos famílias. O casamento é parte desse processo. É um mandamento de Deus porque isso é essencial para o êxito de Seu plano.

Mais que a mera formalização da união de dois indivíduos perante a sociedade em que vivem, o casamento é um convênio ou contrato legítimo que torna o par unido perante Deus. Antes de haver casamento civil havia a obediência a esse mandamento. Disso derivou o que mais tarde se tornaria uma convenção social e seria regulamentada também pela lei do homem.

O casamento foi instituído por Deus e surgiu muito antes do casamento civil. Não é uma moda inventada pelo homem.

O primeiro casamento

O primeiro casamento de que se tem notícia foi o de Adão e Eva, ainda no Jardim do Éden. Segundo as escrituras, Adão e Eva foram dados por Deus em casamento um ao outro (veja Gênesis 2:18–25; Moisés 3:7, 18, 21–25; Abraão 5:14–21). Ali o Criador estabeleceu Seu padrão de casamento: homem com mulher. Em lugar algum das escrituras lemos que em alguma época Ele tenha dado dois homens ou duas mulheres em casamento. Não há evidência alguma de que Ele aprova esse tipo de união (mas há várias evidências em contrário: Levítico 18:22; 20:13; Deuteronômio 23:17; Isaías 3:9; Romanos 1:26-28; I Coríntios 6:9–10; I Timóteo 1:9–10; Judas 1:7).

O padrão homem-mulher é um padrão que o próprio Deus segue. Somos filhos de Pais Celestiais, ou seja, também temos uma Mãe Celestial. Nenhum de nós é filho ou filha de dois pais ou duas mães celestiais.

Mudanças na lei do homem não mudam — e realmente não podem mudar — a lei moral que Deus estabeleceu. Ele espera que apoiemos e guardemos Seus mandamentos, independentemente de opiniões divergentes ou tendências sociais.

Além desta vida

Uma das muitas gloriosas promessas que nosso Pai Celestial nos faz como recompensa por nossa obediência a Ele é a de que nossos relacionamentos familiares podem ser mantidos na outra vida. Significa que o casamento realizado sob a lei do evangelho e do santo sacerdócio pode unir famílias que se amam pela eternidade, sob condição de retidão — os casamentos realizados sem essa autoridade terminam na morte (ver D&C 132:7; 131:2–3). Homem e mulher assim selados em matrimônio podem continuar sendo na outra vida marido e mulher tal como foram nesta. Os filhos nascidos sob esse convênio podem ser unidos aos pais também pela eternidade, e estes aos deles, e assim por diante, formando uma longa cadeia familiar eterna tanto de descendentes quanto de ascendentes.

Creio que todos os que lêem este artigo devem amar seus filhos (caso os tenham) e seus pais. Então que tal tê-los como filhos e pais na outra vida também? Ou que tal ter seu cônjuge amado na condição de cônjuge também pela eternidade? Se você responder que isso seria bom, então saiba que, para ser possível receber de Deus tal bênção, é preciso fazer as coisas à maneira Dele. E a maneira Dele não prevê a união entre pessoas do mesmo sexo. Isso é absolutamente contra o que Ele planejou para a perpetuação da família do ponto de vista da eternidade.

O mandamento dado por Ele para que nos multiplicássemos e enchêssemos a Terra continua em vigor. Homossexuais não podem desfrutar desse privilégio. Gays e lésbicas que desejam ter filhos continuarão dependendo de quem possa fazer o que eles e elas não querem: gerar filhos. Essa visão inclusive é referendada por recente resolução da ONU em defesa da família tradicional.

Os filhos têm o direito de nascer dentro dos laços do matrimônio e de ser criados por pai e mãe que honrem os votos matrimoniais com total fidelidade. A felicidade na vida familiar é mais provável de ser alcançada quando fundamentada nos ensinamentos de Jesus Cristo.

“Mas o que você tem a ver com isso?”

Você pode argumentar que, apesar de todas essas advertências, é seu direito optar pelo que achar melhor. É verdade. Nunca poderei interferir em seu livre arbítrio, como nosso Pai também não interfere.

Mas isso não faz com que eu deixe de me importar com suas escolhas por dois motivos:

  • Eu sinceramente desejo, do fundo de meu coração, que meus irmãos e irmãs homossexuais sejam herdeiros das mesmas recompensas terrenas e celestiais que me empenho em conquistar. Com o casamento gay realizado com a bênção dos homens em vez de com a bênção de Deus, ficará ainda mais difícil para eles conquistar as maiores e melhores recompensas prometidas pelo Mestre. Não lhes desejo isso.
  • Também não desejo que a sociedade encare como normal e legal (mais) essa violação da lei de Deus. Às vezes me pergunto que critérios a sociedade usa para decidir qual dessas violações deve se tornar legal só porque um grupo minoritário assim o quer. Veja estes três exemplos (apenas três entre muitos):
    1. Casal de irmãos que teve quatro filhos luta para legalizar o incesto;
    2. Partido político holandês pretende legalizar a pedofilia e a pornografia infantil. Sob a mesma desculpa do jargão gay de que “toda forma de amor é válida”, alguns holandeses acham que sexo com crianças é só mais uma forma de expressão de amor, por isso defendem a tese de que as crianças também “amam” e a sexualidade delas foi reprimida pelos padrões e regras da sociedade, dos quais pretendem libertar as crianças;
    3. Satanistas tentaram processar o estado do Missouri (EUA) e os Estados Unidos sob a alegação de que as leis que restringem o aborto violam sua liberdade religiosa. Para eles, o aborto é um “sacramento” (!!!). (Felizmente, porém, a Justiça americana deu-lhes o chega-pra-lá que merecem.)

    Não foi sob o mesmíssimo argumento de “liberdade e diversidade” que começou a história do casamento gay? Por que gays podem e incestuosos, pedófilos e satanistas não, sendo que a violação da lei de Deus é a mesma? Dois pesos e duas medidas?

Direitos, direitos e mais direitos

Depois que a Suprema Corte americana aprovou o casamento gay no país, há quem ache que agora tem o direito de reivindicar a legalização da poligamia. Se você duvida que acabarão por conseguir, basta saber que aqui mesmo no Brasil já temos casos legalizados de uniões estáveis poliafetivas, como entre um homem e duas mulheres e entre três mulheres.

Nos EUA, um senador luta pelo direito de permitir que um pai case com o próprio filho adotivo.

Isso mostra que, quando se dá direitos a um grupo, outros acham que merecem também. Prova disso são as reivindicações de incestuosos, pedófilos, satanistas e polígamos dos exemplos acima. Se a moda pega, cada vez mais grupos minoritários também vão querer mudar a lei em favor de qualquer coisa que julguem ser direito deles.

Onde isso vai parar?

Torno a perguntar: por que a minoria gay pode e as outras minorias não? O que os gays têm de mais especial que os outros?

Não lhe parece óbvio que precisamos de um padrão social, moral e ético superior e perfeito para que a coisa não vire baderna? Quem pode ter um padrão desse senão nosso onisciente Criador e Pai Eterno?

Deus é amor — mas também é justo

Repudio veementemente o conceito geralmente aceito pela sociedade para justificar o casamento gay de que “o que vale é o amor”. Tenta-se até usar Deus nessa justificativa com o fragilíssimo argumento de que “Deus é amor” e de que Ele nos mandou amar uns aos outros.

Há dois grandes problemas nesse argumento:

  1. O amor de que Ele fala nesse mandamento é amor cristão, não amor romântico ou sexual. Heterossexuais e homossexuais devem, sim, amar-se uns aos outros como amam a si mesmos, mas no sentido fraternal.
  2. Quem imagina que toda a lei de Deus se resume a amarmos uns aos outros como a nós mesmos não tem a menor noção do que mais Ele espera de nós. Como Ele mesmo disse: “Errais, não conhecendo as Escrituras” (Mateus 22:29).

É verdade que Deus é amor, mas também é verdade que Ele não é contra Seus próprios princípios! Quem conhece Sua lei sabe que Sua misericórdia não pode roubar Sua justiça. Ele ama o pecador, sim, mas, nas palavras Dele próprio: “Quem sou eu que fiz o homem, diz o Senhor, para considerar inocente o que não obedece aos meus mandamentos?” (D&C 58:30). “Pois eu, o Senhor, não posso encarar o pecado com o mínimo grau de tolerância” (D&C 1:31).

Portanto, que ninguém se engane: o fato de Ele amar o pecador de forma alguma significa que será conivente com seus pecados (e isso também não significa condenação ao inferno ou algo assim, antes que alguém pense essa bobagem), assim como qualquer pai amoroso e responsável não pode deixar de repreender, corrigir e até castigar seus filhos ao vê-los cometendo erros capazes de prejudicá-los (ver Provérbios 13:24).

Em resumo: o amor, por si só, está bem longe de ser suficiente como justificativa para o casamento entre iguais pelo ponto de vista de Deus. Se assim não fosse, que problema haveria em legalizar o incesto, a pedofilia e a poligamia dos exemplos acima?

Até quando a sociedade vai achar que pode ignorar o que Deus REALMENTE pensa a respeito — e não o que ela ACHA que pensa — sem sofrer as consequências?

Livre arbítrio

Se, apesar de tudo, gays e simpatizantes quiserem continuar ignorando os mandamentos de seu Criador e julgando-os coisa sem valor, têm a liberdade de fazê-lo. Mas não podem esperar que Ele os abençoe. Se acham que podem viver sem isso, são livres para tentar. Mas não deve ser difícil imaginar que uma vida destituída das bênçãos e do favor de nosso Pai Celestial deve ser uma vida que, quando comparada à que poderiam ter, é vazia, com alegrias efêmeras, conquistas temporárias e recompensas passageiras. Pela perspectiva da eternidade, isso é como uma fumacinha levada pelo vento.

A vida não precisa ser assim!

Estado laico — mas não por muito tempo

Creio que ninguém duvida de que as perversas e insolucionáveis mazelas sociais ao nosso redor são o mais indiscutível indício de que o mundo está doente. Justamente para evitar que mergulhasse nesse estado de coisas é que desde o princípio o homem recebeu de Deus mandamentos. A sistemática violação deles força a sociedade a colher o que ela mesma planta. As mazelas sociais nada mais são do que o alto preço a pagar pela própria desobediência.

“As únicas soluções reais para os muitos problemas graves que o mundo atual enfrenta são espirituais, e não políticas ou econômicas. O racismo, a violência e os crimes de ódio, por exemplo, são problemas espirituais, e sua única solução real é espiritual.” (Élder Wilford W. Andersen, Religião e Governo, A Liahona, julho de 2015.)

Nesse contexto, apelar para o caráter laico do Estado para justificar o casamento gay e a controversa questão da adoção de crianças por casais gays, além de só piorar a situação, não representa nenhuma solução permanente. Seria bom se a sociedade já fosse se acostumando à ideia de que no grande Milênio, que será inaugurado com o retorno de Cristo, as coisas não serão como são hoje.

“Um dia o Salvador vai voltar. É Seu direito governar e reinar como Rei dos reis e nosso grande Sumo Sacerdote. Então, o cetro do governo e o poder do sacerdócio se tornarão um só.” (Ibidem.)

Quando isso acontecer, Ele assumirá o governo da Terra e consertará tudo que estiver errado em todas as esferas. O mundo será como na época do Jardim do Éden: todos viverão em retidão. A lei que estará em vigor é a mesma lei de Deus hoje desprezada pela sociedade. Tudo que não estiver de acordo com Sua lei será removido do mundo, o que inclui casamentos e relacionamentos homoafetivos. Esse tipo de união sempre esteve e continua condenada à extinção.

Não acredita? Então espere para ver. 😉

Conclusão

O motivo pelo qual sou contra o casamento gay é o mesmo pelo qual sou contra aborto, drogas, prostituição, pornografia, adultério, homicídio, roubo, etc., ou seja, porque isso tudo viola a lei de Deus.

Grandes bênçãos fluem quando obedecemos a Seus mandamentos, mas consequências inevitáveis se seguem se os ignorarmos.

Por isso, simplesmente não posso fazer de conta que Ele não existe apenas para ser politicamente correto e ganhar a simpatia de alguns. Também não posso esperar que Ele modifique Seus princípios e Sua lei só para agradar quem insiste em achar que sabe mais que o onisciente Criador do universo o que é melhor para si, independente de sua opção sexual.

Sua lei da castidade é clara: as relações sexuais só são lícitas entre homem e mulher que sejam legal e legitimamente casados como marido e mulher.

Lamento se gays e simpatizantes não gostam disso, não fui eu quem quis que as coisas fossem assim. Se há quem ache que alguém deve ser responsabilizado por isso, deve responsabilizar o próprio Deus (caso tenha essa audácia), não a mim.

Mais uma vez: não me censure por dizer o que penso. Não estou julgando os homossexuais. Não permito que ninguém os humilhe na minha frente. Não permiti que se tentasse publicar muitos comentários incitando ódio e preconceito contra gays neste artigo, como demonstro nesta resposta a uma tentativa de publicar um desses. Não sou inimigo deles, como são aqueles que executam gays jogando-os do alto de prédios, portanto não há razão para que eles seja de mim.

Devo amar os homossexuais com o mesmo amor que o Senhor nos ordenou ter uns pelos outros. É justamente por isso que lhes deixo o conselho de voltarem-se para Ele para que desfrutem das bênçãos de uma vida vivida sob os preceitos de Seu evangelho. Só assim é que terão alegria e felicidade duradouras, e não passageiras. Isso é o que lhes desejo de todo coração.

Uma palavra aos demais

Se pararmos para pensar, fora do evangelho de Jesus Cristo realmente não há motivos convincentes para nos opormos ao casamento gay. Não fosse por isso, muito provavelmente eu também estaria levantando uma bandeira a favor da causa gay e teria ido ao programa da Luciana Gimenez para aplaudi-los. É justamente isso que faz quem desconhece o evangelho (se conhece, não o entende; se entende, não o vive). Por isso, todo o barulho feito pela comunidade gay acaba ocupando dentro das pessoas o espaço que deveria estar preenchido pelos ensinamentos do Salvador (que estão bem longe de ser que meramente nos amemos uns aos outros). Eis porquê a ideologia gay conquista mais e mais a simpatia da sociedade.

Nos bastidores do Superpop a gerente de produção me contou que são muitos os contrários ao casamento gay (inclusive dentre os próprios gays!) e que vários representantes dessa corrente foram convidados a participar do programa junto comigo para expôr suas idéias. Mas fui o ÚNICO que teve a coragem de mostrar a cara.

Por que o restante se acovardou? Uma possível resposta: “É da natureza humana que as pessoas, quando se deparam com uma situação complexa, tendam a evitá-la. Isso é verdade, particularmente quanto à atração pelo mesmo sexo. Temos tão poucas informações confiáveis a respeito disso que os que desejam ajudar sentem-se um tanto inseguros.” (Élder Jeffrey R. Holland, Ajudar Os Que Lutam Contra a Atração pelo Mesmo Sexo, A Liahona, outubro de 2007.)

Não evitei e não evito a situação por um motivo bem simples: o conhecimento e a vivência do evangelho no dia a dia trazem-me confiança e segurança para enfrentar os desafios da vida. Quem não deve, não teme. Não tenho medo de dizer que o casamento gay é contrário à lei e à vontade de Deus. Não fui eu quem quis que fosse assim. Eis porquê senti-me tremendamente à vontade diante das câmeras em rede nacional ao vivo para expôr a todo o país meus motivos para ser contra o casamento gay.

Mesmo que os contrários não compreendam muito bem os motivos que os levam a sentir que o casamento gay é um erro, é improvável que consigam algo pelo qual não se manifestam. Portanto, qualquer que seja seu motivo, se você também acha que o casamento gay é um erro…

…então manifeste-se!

Que nossa voz também seja ouvida. Não defendo uma abordagem agressiva como a deles, com espalhafato, ousadia e ameaças. Devemos, contudo, sincera e honestamente, fazer chegar a quem de direito nossa voz. Que não fiquemos restritos às redes sociais e falemos também aos que elaboram as leis, aos que governam a nível local, estadual e nacional, aos administradores de escolas e a todos os formadores de opinião em qualquer esfera.

Se desejar algo em que se inspirar nessa batalha, recomendo a leitura do artigo Oposição ao mal, de Gordon B. Hinckley.

Este artigo representa um pequeno esforço no sentido de cumprir a admoestação de Hinckley. Se você tem bons argumentos adicionais contra o casamento gay e desejar contribuir com meu esforço, não deixe de expressar seus pensamentos na área reservada a comentários, abaixo. Obrigado.

[ATUALIZAÇÃO em 28/07/11] — Ibope divulga resultado de pesquisa mostrando que a maioria da população brasileira é contra a união estável gay. Leia a notícia aqui.

[ATUALIZAÇÃO em 13/11/12] — Recomendo fortemente a leitura do excelente artigo Parada gay, carne e espinafre, de J.R. Guzzo, publicado na edição na edição 2295 (14 de novembro de 2012) da revista Veja.

[ATUALIZAÇÃO em 12/04/13] — Confirmando resultado da pesquisa do IBOPE mencionado acima, recente enquete promovida pelo site G1 mostrou que a maioria da população continua contra o casamento gay. Confira o resultado neste link.

[ATUALIZAÇÃO em 26/06/15] — Nesta data a Suprema Corte dos EUA aprovou o direito de casais do mesmo sexo se casarem pela Constituição, legalizando o casamento gay em todos os 50 estados americanos. Em nota à imprensa, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias reconhece que agora o casamento gay é legal no país, mas observa que isso em nada muda a doutrina do Senhor de que o casamento é a união entre um homem e uma mulher, ordenado por Deus. “Enquanto demonstra respeito pelos que pensam diferente, a Igreja continuará a ensinar e promover o casamento entre homem e mulher como parte central de sua doutrina e práticas”, disse a Igreja.

Digno de nota é o fato de a Suprema Corte americana ser composta por apenas 9 pessoas, homens e mulheres — todos liberais e basicamente ateus. Ou seja, num país predominantemente cristão e protestante, nenhum dos 9 representa a maioria do pensamento e da população do país. Esses nove que não representam a nação tomaram uma decisão vista como mero ativismo judicial. Que triste…

Todos os dias tentam nos fazer crer que “permitir a casais do mesmo sexo o acesso à designação de casamento não irá retirar o direito de ninguém”. Bem, lamento dizer, mas isso é uma mentira. Ao contrário do que se pensa, o casamento gay erode direitos fundamentais. Essa decisão da Suprema Corte também é uma violação de linguagem.

Vale lembrar que essa mesma Suprema Corte foi a que, 40 anos atrás, decidiu que mães têm o direito constitucional de assassinar seus filhos.

Aos contrários ao casamento gay, como eu, resta agora lutar pela manutenção da liberdade religiosa, bandeira que a Igreja tem veementemente levantado nos últimos tempos. Ainda resta esperança enquanto até isso não nos for tirado.

E que a Segunda Vinda ocorra o mais rápido possível!

[ATUALIZAÇÃO em 30/06/15] — Em virtude da notícia acima, muitos usuários do Facebook utilizaram o aplicativo criado pela rede social para colorir suas fotos de perfil em apoio à causa gay. Da noite para o dia, viu-se uma enxurrada de pessoas ostentando a mesma foto de perfil de antes, mas colorida com as cores do arco íris. O observador desavisado poderia pensar que a causa estava ganhando apoio maciço, mas, não surpreendentemente, foi só impressão. O próprio Facebook constatou que menos de 2% dos usuários utilizaram a ferramenta (1,8% para ser mais preciso). O que isso nos diz? Que a maioria da opinião pública continua contrária ao casamento gay. Que assim permaneça! Mas que a maioria não se cale e também se manifeste, pois omissão também é submissão.

 

Artigos relacionados:

Este artigo foi lido 37.084 vezes

Publicado em Diário pessoal com a(s) tag(s) , , , , , , , , . Adicione o link permanente deste artigo em seus favoritos.

230 comentários em Por que sou contra o casamento gay

  1. *** disse:

    Antes de mais, não pretendo de maneira nenhuma ser insultuosa ou agressiva, acho que não leva a lado nenhum. E só para que saiba, li tudo com atenção até ao fim, apesar de não perceber algumas referências, já que sou ateia.
    Sou uma jovem de quinze anos com ideias extremamente fixas sobre este tipo de assunto, e apenas gostaria de defender a minha opinião e apresentar argumentos válidos, e vai ser nisso que me vou centrar, não em apenas criticar os seus.
    Eu, como já referi, sou ateia, mas tenho muitos amig@s católicas, e respeito muito a religião. Também compreendo que dentro da religião se possam tomar diferentes posições relativamente a diversos assuntos.
    Eu estou triste porque, como o senhor diz, infelizmente sou uma minoria na minha comunidade e até já decidi parar de discutir questões como essa porque originavam sempre conflitos para além de que, conhecendo as ideias opostas das outras pessoas, a sua imagem muda. Eu não gosto de insultar, tento simplesmente fazer as pessoas verem e entenderem a forma como penso( que penso ser a razão e a mais correta) mas á conta disso já fui chamada de hetrofóbica (para deixar claro, não tenho qualquer tipo de preconceito em qualquer assunto sobre orientação sexual-existência, casamento, adoção…).
    Em primeiro lugar, acho que com a sua publicação continuo sem perceber quais são os motivos por que as pessoas ateias deviam ser contra o casamento por casais homoxessuais, já que se centra mais no propósito de Deus. E mesmo assim, eu tenho uma amiga católica que concorda, e sei de outras pessoas que também o fazem.
    A homoxessualidade existe tanto no reino animal como no reino humano, é um facto. Porque qualquer ser pode amar qualquer ser. E o amor não se baseia em reproduzir-nos, não é por isso que vivemos, acho eu. Eu não conheço muito bem o cristianismo, por isso não vou estender-me sobre o assunto, mas pelo que sei, ele ama-nos desde que nascemos, ou seja também ama os homoxessuais, porque essa orientação faz parte da sua vida tal como ter olhos castanhos. Então desde já não é errado, nem pecado, já que não se podem culpalizar orientações sexuais. Eu também acho que Jesus quer que amemos e sejamos felizes e constituemos família, pelo que o senhor disse… e os homoxessuais podem fazer isso (adoptando que, já agora, é uma ação muito bonita pois dão a uma criança abandonada carinho e uma verdadeira família).
    Portanto, imaginando, um homoxessual ama e quer fazer promessas eternas, acredita em Deus e obedece aos Seus mandamentos, quer constituir família ajudando crianças sem lar, e não pode casar. Por mais que remoa nisso não consigo dar-lhe sentido. O homem foi feito para a mulher, e tal, mas é nisso que se baseia o casamento? Num mero facto genético, e não num sentido espiritual mais profundo de uma vida amorosa partilhada a dois? Será isso que a Fé pretende transmitir? Não poderão ter os homoxessuais os mesmos direitos que nós? Não bate certo, já que não pecaram e creem em Deus e seguem os seus ideais…
    Por fim, para não ficar um comentário enorme que explique tudo ao pormenor, queria só dizer que é ridículo e desrespeituoso comparar homoxessuais a pedófilos. Não necessita de explicação. Não tenho mais nada a dizer. O meu conselho é que tenha noção de que estamos no séc. XXI e felizmente para o caso o mundo mudou. E mudar ou não a foto de perfil de facebook não prova a nossa posição de maneira alguma. Eu sou totalmente a favor da associação LGBT e a minha não é a sua bandeira (apesar da imagem de fundo do telemóvel ser, já agora).
    LOVE IS LOVE

    • Marcelo Todaro disse:

      Olá!

      Obrigado por teu comentário, sobre o qual eu gostaria de tecer algumas observações:

      Eu não gosto de insultar, tento simplesmente fazer as pessoas verem e entenderem a forma como penso (que penso ser a razão e a mais correta) mas á conta disso já fui chamada de hetrofóbica

      Talvez porque o respeito que demonstraste no expressar de tua opinião não tenha sido percebido por teus interlocutores. Neste caso, uma abordagem mais empática e bondosa pode fazer diferença.

      para deixar claro, não tenho qualquer tipo de preconceito em qualquer assunto sobre orientação sexual-existência, casamento, adoção…

      Dizes não teres preconceito, mas ao mesmo tempo dizes teres “ideias extremamente fixas sobre este tipo de assunto”. Não seria esta uma forma de preconceito? O que é preconceito senão um “conceito prévio” sobre algo?

      Também podes me chamar de preconceituoso pelas minhas ideias extremamente fixas sobre o assunto, mas a diferença é que não uso meus conceitos prévios para discriminar ninguém (também não estou dizendo que é o que fazes). Em meu artigo sobre ser contra o casamento gay não estou a julgar ninguém, apenas a colocar minha opinião sobre casamento gay pelo ponto de vista espiritual em que me baseio. Assim é que afirmo com todas as letras e sem medo de errar que o casamento gay é um erro, mas não digo que gays e simpatizantes da ideologia gay são isto ou aquilo. Estou a falar de ideias, não de pessoas.

      Em primeiro lugar, acho que com a sua publicação continuo sem perceber quais são os motivos por que as pessoas ateias deviam ser contra o casamento por casais homoxessuais, já que se centra mais no propósito de Deus. E mesmo assim, eu tenho uma amiga católica que concorda, e sei de outras pessoas que também o fazem.

      Como bem disseste, não percebeste. Essa resposta está em meu próprio artigo:

      “Se pararmos para pensar, fora do evangelho de Jesus Cristo realmente não há motivos convincentes para nos opormos ao casamento gay. Não fosse por isso, muito provavelmente eu também estaria levantando uma bandeira a favor da causa gay e teria ido ao programa da Luciana Gimenez para aplaudi-los. É justamente isso que faz quem desconhece o evangelho (se conhece, não o entende; se entende, não o vive).”

      Tua amiga pode até ser católica, mas ela não encontrará nas escrituras sagradas nenhum fundamento para apoiar o casamento entre pessoas do mesmo sexo (veja as referências que mostro no artigo). Daí porque eu disse que apoiar o casamento gay é o que faz quem desconhece o evangelho (se conhece, não o entende; se entende, não o vive).

      A homoxessualidade existe tanto no reino animal como no reino humano, é um facto.

      Curiosamente tu respondeste outros comentários neste artigo, mas aqueles nos quais apresento resposta a esse argumento não respondeste e repetes o argumento aqui. 😉

      Então permite-me dar Ctrl-C/Ctrl-V no que eu já disse sobre isso:

      Não podemos ver o que nos parece ser relações homossexuais entre os animais com os mesmos olhos com que vemos ato idêntico entre seres humanos. Tive em casa dois cães, um maior e mais velho e outro menor e mais novo. Ocasionalmente o mais velho pegava o mais novo para fazer o que a princípio podia parecer uma transa gay, mas um veterinário já tinha me esclarecido que esse comportamento denota uma afirmação de liderança do maior sobre o menor, como quem diz “quem manda aqui sou eu”. Portanto, não se tratava de uma atração homossexual ou satisfação de um desejo lascivo, e sim uma forma de comunicação entre seres dessa espécie. Usar o exemplo do reino animal para justificar o homossexualismo humano é o mesmo que rebaixar o homem à esfera das criaturas que agem por mero instinto, o que é simplesmente inaceitável, além de pouco inteligente.

      Aliás, já que queres falar de Natureza, notei que não fizeste nenhum esforço para explicar a incompatibilidade anatômica existente entre seres do mesmo sexo como indício de que não era intenção do Criador (ou da evolução, se preferires) que houvessem relações homossexuais ou homoafetivas, nem também explicaste a falta de sentido da homossexualidade pelo ponto de vista da evolução. Por que será? 😉

      Eu não conheço muito bem o cristianismo, por isso não vou estender-me sobre o assunto, mas pelo que sei, ele ama-nos desde que nascemos, ou seja também ama os homoxessuais, porque essa orientação faz parte da sua vida tal como ter olhos castanhos. Então desde já não é errado, nem pecado, já que não se podem culpalizar orientações sexuais.

      Para saberes se é ou não pecado precisas primeiro saber o que é pecado.

      Pecado é a desobediência intencional aos mandamentos de Deus.

      Ele deu mandamentos a respeito do casamento e da família (vê as referências no artigo). Então, o que não está de acordo com esses mandamentos — como o casamento gay — é pecado.

      Ele ama o pecador, sim, mas há uma severa diferença entre amar o pecador e tolerar o pecado. São coisas bem diferentes (mais uma vez, vê as referências no artigo).

      Eu também acho que Jesus quer que amemos e sejamos felizes e constituemos família, pelo que o senhor disse… e os homoxessuais podem fazer isso (adoptando que, já agora, é uma ação muito bonita pois dão a uma criança abandonada carinho e uma verdadeira família).

      Tenho um artigo sobre adoção de crianças por casais gays que talvez queiras ler também.

      Portanto, imaginando, um homoxessual ama e quer fazer promessas eternas, acredita em Deus e obedece aos Seus mandamentos, quer constituir família ajudando crianças sem lar, e não pode casar. Por mais que remoa nisso não consigo dar-lhe sentido. O homem foi feito para a mulher, e tal, mas é nisso que se baseia o casamento? Num mero facto genético, e não num sentido espiritual mais profundo de uma vida amorosa partilhada a dois? Será isso que a fé pretende transmitir? Não poderão ter os homoxessuais os mesmos direitos que nós? Não bate certo, já que não pecaram e creem em Deus e seguem os seus ideais.

      Os homossexuais que obedecem os mandamentos de Deus têm os mesmos direitos que os heterossexuais que se empenham em fazer o mesmo. Os direitos são os mesmos para todos.

      O fato de os homossexuais não conseguirem sentir atração por alguém do sexo oposto para cumprir o mandamento do casamento com essa pessoa não os torna culpados de transgressão caso se mantenham castos — castidade, aliás, requerida também dos héteros, inclusive dos casados, como eu (a Lei da Castidade requer abstinência sexual antes do casamento e fidelidade ao cônjuge do sexo oposto depois). Como Ele é justo, Ele os compensará à maneira Dele, seja nesta vida ou na próxima.

      Por exemplo, temos o mandamento de alimentar nosso espírito por meio do estudo das escrituras e da oração, mas se algo me impedir de fazê-lo (como uma doença mental ou um acidente, por exemplo) não serei considerado culpado de transgressão a esse mandamento e serei compensado no tempo Dele e à maneira Dele pelas bênçãos que deixei de ganhar em decorrência de minha obediência.

      Com os gays é a mesma coisa. Se não podem cumprir o mandamento de se casar com alguém do sexo oposto e se se mantiverem fiéis, serão considerados inocentes e compensados por não terem recebido as bênçãos da obediência ao mandamento do casamento, pois Ele é justo.

      É uma questão de fé. Independente de nossa opção sexual, se tivermos fé e formos fiéis a Ele seremos recompensados com as bênçãos e promessas que Ele faz a quem Lhe é fiel (e posso testificar, por experiência própria, que Ele cumpre o que promete).

      queria só dizer que é ridículo e desrespeituoso comparar homoxessuais a pedófilos. Não necessita de explicação.

      A única explicação necessária aqui é porquê confundiste as coisas que coloquei de maneira tão clara e inequívoca. Não comparei gays e pedófilos, o que comparei foi a transgressão a mandamentos e a reivindicação de direitos. Não é a mesma coisa. Mais uma vez, não percebeste que estou a falar de ideias, não de pessoas.

      Esclarecido? 😉

      O meu conselho é que tenha noção de que estamos no séc. XXI e felizmente para o caso o mundo mudou.

      Como digo no artigo que disseste teres lido:

      “Mudanças na lei do homem não mudam — e realmente não podem mudar — a lei moral que Deus estabeleceu. Ele espera que apoiemos e guardemos Seus mandamentos, independentemente de opiniões divergentes ou tendências sociais.”

      Um abraço!

  2. Ronaldo disse:

    Não há nada de errado com a homossexualidade. A homossexualidade é perfeitamente respeitável. A forma como ela vem sendo retratada, por várias tradições religiosas, como pecaminosa e prejudicial, origina-se da ignorância. Não há nada de errado em se sentir atraído por pessoas do mesmo sexo. Na verdade, a preferência pelo mesmo sexo ou pelo sexo oposto não é tão fixa e rigidamente dividida, como muitas pessoas pensam. Uma pessoa pode ser heterossexual e ser atraída por pessoas do seu próprio sexo. Existe uma escala móvel entre heterossexualidade e homossexualidade, e não uma fronteira fixa. A sexualidade está na alma, e não no corpo. Não é o corpo que direciona a sexualidade da pessoa.

    O ser humano é bissexual por natureza. Há muitas teorias espiritualistas que afirmam isso, inclusive alguns estudiosos da psicologia também afirmam que o ser humano possui os dois sexos dentro de si, ou seja, que ele é andrógino. Porém, o grau de masculinidade e de feminilidade no ser humano varia. Um homem, por exemplo, pode ter dentro de si (em sua alma) uma porcentagem feminina bem maior do que a masculina. Nesse caso, a tendência de ele vir a se interessar por homens tem uma probabilidade bem maior. Mesmo um homem que tenha uma porcentagem feminina pequena dentro de si pode vir a ser homossexual. Basta que surjam oportunidades, experiências, educação, etc. É por isso que se veem homens másculos, mas homossexuais, ou seja, porque dentro de todo ser humano existem as duas sexualidades, e cada uma delas pode se sobressair por algum motivo.

    Até mesmo no reino animal existe homossexualidade. Pesquisadores afirmam que o comportamento homossexual é bastante comum na natureza, e não é restrito a mamíferos; aves e insetos também o apresentam. E quem nunca viu um cão transando com outro cão? Alguém chamaria dois animais do mesmo sexo transando de imorais? Será que eles têm consciência da moral e dos bons costumes? Não. Faz parte da natureza. E quem criou essa natureza foi Deus. Ou alguém acha que os animais são conscientes dos seus atos?

    Deus não criou apenas seres heterossexuais, criou também homossexuais, bissexuais, assexuados, hermafroditas, etc. Tudo é natural, e nada está errado.

    As pessoas precisam ser respeitadas pelo que são, e não pelo que fazem da sua vida sexual. Há homossexuais que são pessoas maravilhosas, verdadeiros seres humanos, pessoas valiosas, que ajudam muitas pessoas com seu trabalho e solidariedade. Há heterossexuais que são assassinos, ladrões, estupradores, traficantes… e que se autodenominam “homens”, “heteros”. O que é mais importante? Está aí uma prova de que preferência sexual não tem nada a ver com moral.

    É uma bobagem e perda de tempo combater a homossexualidade, porque é uma realidade da natureza que sempre existiu e que sempre existirá. Quem não tem um homossexual na família? Quem não tem, logo terá. E essa pessoa merece o desprezo, a rejeição, a crítica, a condenação?

    Os grandes mestres da humanidade, sabiamente, não se pronunciaram sobre a homossexualidade. Eles sabiam que Deus não está preocupado se a pessoa é homo, hetero ou bi. Assim como Ele não está preocupado se a pessoa é feia ou bonita, rica ou pobre, casada ou solteira, tem curso superior ou não, etc. O que interessa para Deus é o aprimoramento moral. É tornar-se bondoso, tolerante, paciente, calmo, alegre, solidário, honesto, justo, etc.

    Do ponto de vista espiritual, o que importa nos relacionamentos sexuais é como um se conecta com o outro de alma para alma. Sempre que existe uma conexão profunda, marcada por uma parceria verdadeira e respeito mútuo, o fato de o relacionamento ser entre homem-mulher, homem-homem ou mulher-mulher realmente não importa.

    Autores diversos

    Todos têm direito a ser felizes, independentemente de suas crenças ou opiniões. As pessoas confundem ‘incomum’ com ‘anormal’. Tudo é normal, embora nem tudo seja comum. Ser contra a união homossexual é andar na contramão da evolução social e humana.

    • Marcelo Todaro disse:

      Ronaldo (ou seja lá quem você realmente for),

      Encontrei esse mesmo texto seu reproduzido nos comentários de diversos artigos em diferentes sites e blogs por aí, postado por pessoas que assinam com diferentes nomes. Ou seja, nada do que está escrito acima é realmente original e autêntico. É só o regurgitar de uma ideia que se tenta massificar na mente da opinião pública na esperança de que se torne universalmente aceita — postura típica de ditadores e regimes totalitários que tentam estuprar a consciência coletiva empurrando sua ideologia goela abaixo na sociedade, como aquela mentira que, repetida à exaustão, passa a ser aceita como verdade. É exatamente isso o que o ativismo gay faz.

      Se você tivesse lido meu artigo com calma e atenção, do começo ao fim, tal como encarecidamente peço a quem se dispõe a lê-lo, talvez nem tivesse dado Ctrl+C/Ctrl+V no texto acima. Talvez tivesse percebido que nunca foi minha intenção falar de homossexuais e homossexualidade, e sim de casamento gay, o que não é a mesma coisa.

      Muito embora essas ideias não sejam, infelizmente, realmente suas, vou comentar alguns trechos.

      Não há nada de errado com a homossexualidade.

      Não há nada errado na opinião de quem?

      Seu texto já começa desconectado do meu logo na primeira frase. Se você tivesse lido meu artigo teria notado que nele deixo claro que minha postura contra o casamento gay é uma questão espiritual, não material, carnal ou temporal. Isto posto, é preciso que se entenda que, espiritualmente falando, a opinião do mundo é a que menos me importa. A opinião que me importa é a de nosso Criador.

      Por tudo que já aprendi a respeito da mente e da vontade Dele, posso afirmar com todas as letras, sem medo de errar, que o casamento gay é contra a mente e a vontade Dele (leia o artigo se quiser saber por quê). Assim sendo, também sou contra. Não há rigorosamente nada que você (ou o mundo todo) diga ou faça capaz de mudar isso.

      A forma como ela vem sendo retratada, por várias tradições religiosas, como pecaminosa e prejudicial, origina-se da ignorância.

      Romanos e gregos, que também aceitavam a pedofilia, aceitavam normalmente as uniões gays. Só que suas sociedades sucumbiram pela perda de seus próprios valores e foram substituídas pela moral cristã. A história já se incumbiu de mostrar que os valores gays não são sólidos o bastante para se autossustentar.

      E agora, de quem é a verdadeira ignorância? 😉

      Até mesmo no reino animal existe homossexualidade. Pesquisadores afirmam que o comportamento homossexual é bastante comum na natureza, e não é restrito a mamíferos; aves e insetos também o apresentam. E quem nunca viu um cão transando com outro cão?

      Vira e mexe alguém regurgita essa bobagem nestes comentários. Como já dei essa mesma resposta ad nauseam, não vejo escolha a não ser dar um Ctrl+C/Ctrl+V no que eu mesmo já escrevi:

      Os animais não são regidos pelas mesmas leis dadas por Deus ao homem. Se assim não fosse, seria preciso que os animais também tivessem capacidade de exercer fé em Deus, arrependerem-se de seus pecados, serem batizados, obedecer aos mandamentos, etc. Os animais pertencem a uma esfera diferente da Criação na qual as leis dadas ao homem não se aplicam e vice-versa.

      Exatamente por isso é que não podemos ver o que nos parece ser relações homossexuais entre os animais com os mesmos olhos com que vemos ato idêntico entre seres humanos. Tive em casa dois cães, um maior e mais velho e outro menor e mais novo. Ocasionalmente o mais velho pegava o mais novo para fazer o que a princípio podia parecer uma transa gay, mas um veterinário já tinha me esclarecido que esse comportamento denota uma afirmação de liderança do maior sobre o menor, como quem diz “quem manda aqui sou eu”. Portanto, não se tratava de uma atração homossexual ou satisfação de um desejo lascivo, e sim uma forma de comunicação entre seres dessa espécie. Usar o exemplo do reino animal para justificar o homossexualismo humano é o mesmo que rebaixar o homem à esfera das criaturas que agem por mero instinto, o que é simplesmente inaceitável, além de pouco inteligente.

      Deus não criou apenas seres heterossexuais, criou também homossexuais, bissexuais, assexuados, hermafroditas, etc.

      Favor mostrar onde Ele disse que a bissexualidade e a homossexualidade humanas são parte de Sua criação e não o mero achismo de quem escreveu essa pérola.

      Tudo é natural, e nada está errado.

      Por essa lógica, então todos podemos sair por aí cometendo assédio sexual, estupros, incestos, pedofilias e a lista vai longe. Afinal, “tudo é natural” e “nada está errado”, certo?

      Só rindo mesmo… 🙂

      Eles sabiam que Deus não está preocupado se a pessoa é homo, hetero ou bi. (…) O que interessa para Deus é o aprimoramento moral. É tornar-se bondoso, tolerante, paciente, calmo, alegre, solidário, honesto, justo, etc. Do ponto de vista espiritual, o que importa nos relacionamentos sexuais é como um se conecta com o outro de alma para alma. Sempre que existe uma conexão profunda, marcada por uma parceria verdadeira e respeito mútuo, o fato de o relacionamento ser entre homem-mulher, homem-homem ou mulher-mulher realmente não importa.

      O autor faz presunções baseadas numa visão estreita do evangelho de Jesus Cristo. Por que o autor não cita tudo que Ele diz a respeito em vez de apenas a parte que lhe convém?

      A afirmação maluca de que “Deus não está preocupado se a pessoa é homo, hetero ou bi” é a prova mais inconteste de que o autor não sabe do que está falando. Sua ignorância (essa, sim, a verdadeira ignorância) não lhe permite saber que a lei de Deus está MUITO longe de requerer de nós apenas o que ele acha que requer. Como Ele mesmo disse: “Errais, não conhecendo as Escrituras” (Mateus 22:29).

      Ser contra a união homossexual é andar na contramão da evolução social e humana.

      Essa é a única afirmação de todo o seu texto que parece ser legitimamente sua. Pena que seja só essa. E pena que esteja tão desconexa da mente e da vontade de Deus.

      Como eu disse acima, ser contra o casamento gay é para mim uma questão espiritual. Assim sendo, não estou minimamente interessado na “evolução social” de uma sociedade insana e doente. Quando essa “evolução social” for capaz de resolver todas as perversas e insolucionáveis mazelas sociais ao nosso redor, aí sim, estará demonstrando que talvez possa me ditar algum padrão. Enquanto isso não acontecer (e nada indica que algum dia aconteça), a única “evolução social” que realmente me importa é aquela perfeita e infalível estabelecida pela única Autoridade onisciente capaz de fazê-lo.

      É por meio do canal de comunicação que tenho com Ele (e que qualquer um pode ter também, desde que esteja disposto a pagar o preço) que sei que casamentos homoafetivos são contra Sua lei e vontade. Toda minha já formada e inabalável opinião baseia-se unicamente nisso.

      Por isso, se preciso escolher entre ficar do lado Dele ou da “evolução social”, prefiro ficar do lado Dele. Você não é o primeiro a me criticar, nem será o último. Mas se nem Cristo agradou a todos, que se dirá de mim?

      Não sei se reparou, mas lá em cima, no subtítulo do blog, está escrito: “Não escrevo coisas que agradam ao mundo, mas que agradam a Deus e aos que não são do mundo” (1 Néfi 6:5). Não estou interessado no seu louvor ou no de quem quer que seja (nem mesmo no dos que concordam comigo). O único louvor que me interessa é o Daquele a quem sirvo.

      “Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim.” (João 15:18)

      Aliás, Ronaldo, caso não tenha notado, a “evolução social” que você enaltece é de maioria contrária ao casamento gay. Veja os links no fim do artigo. Você é minoria.

      Caso deseje continuar comentando, por favor, leia meu artigo, sim? Obrigado.

      Um abraço!

  3. José Ferraz Celebrante disse:

    Por que sou contra a opiniões incovinientes sobre o por que ser contra o casamento gay.

    Uma palavra ao Marcelo

    Antes de mais nada, gostaria de deixar claro o seguinte:

    Não o odeio nem tenho qualquer preconceito contra a você ser religioso e pertencer a três décadas a Igreja de Jesus Cristo dos Santos do Últimos Dias (mórmons).
    Do contrário estaria demonstrando total desconhecimento do Art. V da Constituição Brasileira, que garante a todos a liberdade de consciência e de crenças (VI) e a livre manifestação do pensamento(IV) e estou aqui apenas exercendo o iten V que é o direito de resposta uma vez que você foi postar sua “opinião” em meu post. (coloco entre aspas por que a opinião é um posicionamento subjetivo sobre algo que nem sempre representa a Realidade, pois é baseada no sistema de valores que cada pessoa toma para si, naquilo que acredita ser um parâmetro da Realidade e depende das aspirações pessoais e do nível de maturidade de cada pessoa, sendo muitas vezes divergentes da dos outros que podem as considerar disciminatórias e ofensivas. Como p.ex. suas afirmações “suas bandeiras coloridas nas espalhafatosas paradas gays ao redor do mundo” ou “Afinal, dizer o que pensam não é o que vocês fazem?”

    Se quiser entender meu ponto de vista sobre sua opinião, por favor leia este até o fim.

    A lição da evolução

    O fator anatômico como você coloca por si só já é um forte indício do SEXO BIOLÓGICO das pessoas, deixando de fora, em se tratando de Sexualidade, a IDENTIDADE DE GÊNERO, a EXPRESSÃO DE GÊNERO e a ORIENTAÇÃO SEXUAL dos seres humanos. Favor visualizar o “Biscoito Sexual” no desenho no final deste artigo, que também é referendada por pesquisadores e que perfeitamente vem de encontro aos renomados pesquisadores apresentados em vosso artigo, pois ninguém nasce gay sob o ponto de vista BIOLÓGICO, este determina apenas o aspecto anatômico e não os demais como a Identidade e Expressão e nem a Orientação Sexual.
    Quanto ao momento oportuno para a resposta sobre a atração pelo mesmo sexo já é conhecida, mas jamais será compreendida por homens que ficam esperando uma revelação de Deus para isso.
    Mas nem é por isso que me oponho a sua opsição ao casamento gay e sim por outros motivos mais abrangentes. Por favor, continue lendo.

    Casamento não é invenção humana

    E nem divina e não precisamos citar o “Doutrina e Convênios” do Sr. Smith, para compreender isto, por que antes da Era Cristã, após o surgimento da agricultura e com ela a necessidade de manter agrupamentos coletivos permanentes, entre os povos ditos “pagãos” o casamento existia tomado pela poligamia, incestos e uniões entre pessoas do mesmo sexo e, por conta de um crescente conflito entre as concepções pagã e cristã, ora condenando determinadas práticas, ora outras, mas sempre em acordo com os interesses políticos e religiosos de cada época. E assim passou-se da poligamia dos vikings e do homossexualismo dos gregos e platonismo dos romanos para o “maritalis affectio” ou “dilectio conjugalis” no sec. X. E a concepção de casamento que temos hoje sofreu com certeza a influência não só da resolução deste conflito por parte da doutrina cristã, bem como de sua “evolução” em direção a santificação, disfarçada no reais interesses da transmissão de bens, submissão da mulher, expansão dos territórios, o direito de propriedade, o celibato dos padres, obtendo como resultado uma união monogâmica voltada para a procriação. Sendo que a instituição do casamento civil seguiu as mesmas regras do momento político e histórico em que se institucionalizou.

    O primeiro casamento

    E segundo o antropólogo Timothy Taylor, em seu livro A Pré-História do Sexo: quatro milhões de anos de cultura sexual humana, 1ª Ed, Batam Books, 1997, 344p , encontrou os primeiros vestígios arquelógicos que apontam para supostos “primeiros casamentos” datados de aproximadamente 4 bilhões de anos, o que deixa os aproximados 4 mil anos da Éra Cristã no Jardim de Infância da história e sua afirmação “O primeiro casamento de que se tem notícia aconteceu muito antes de se tornar uma convenção social. Foi o de Adão e Eva, ainda no Jardim do Éden. “ se apresenta no mínimo inapropiada para o contexto e concebível somente nos padrões bíblicos e cristãos e para os quais sua outra afirmação: “Ali foi estabelecido o padrão Dele de casamento: homem com mulher. “ soa como no mínimo pretensiosa ao estabelecer “padrões” para Deus.

    Além desta vida

    Sem comentários no concerne à sua crença, o que respeito, mas afirmar que os homossexuais não poderão desfrutar do previlégio Crescei e Multiplicai-vos, é no mínimo desconhecer que esta não é uma opção só dos homossexuais, mas de todos os que acreditam de que este mandato só é concebível dentro das fronteiras restritas de uma concepção cristã da família com o objetivo restrito de procriação, o que se mostra superado e arcaico na sociedade moderna, cujo a concepção de família já prevê a não concepção de filhos e admite núcleos familiares monoparentais, pluriparentais, homoparentais entre outros concebíveis juridicamente. E dizer que os ensinamentos do Senhor Jesus Cristo não prevêem a opção do casamento gay é estreitar ensinamentos universais como “Amai à Deus sobre todas as coisas e o próximo com a Ti mesmo” citado no evangelho de Marcos: “Aproximou-se dele um dos escribas que os tinha ouvido disputar, e sabendo que lhes tinha respondido bem, perguntou-lhe: Qual é o primeiro de todos os mandamentos?E Jesus respondeu-lhe: O primeiro de todos os mandamentos é: Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes. Marcos 12:28-31”

    “Mas o que você tem a ver com isso?”

    Nada! Se você se incomoda com as escolhas livres dos outros fique para sí ou discuta com quem deseja discutir, só não fique postando na timeline de quem não perguntou sobre sua opinião ou suas incomodações.

    Deus é amor, mas também é justo

    Concordo com esta afirmação, mas o restante que escreve demonstra uma estreitesa de realidade ainda maior, ao afirmar p.ex: “Em resumo: o amor, por si só, está bem longe de ser suficiente como justificativa para o casamento entre iguais pelo ponto de vista de Deus. Se assim não fosse, que problema haveria em legalizar o incesto e a pedofilia dos exemplos acima?” Sinceramente não consigo entender de que Amor se refere, se for o bíblico, não consigo relacioná-lo com incesto e pedofilia e se você afirmar que são os homens que fazem esta relação, perguntaria, qual a diferença entre a interpretação deles e a sua em relação ao amor entre pessoas do mesmo sexo? Você esta a justificar a felicidade familiar ou as conquistas humanas como efêmeras e prega uma Teocracia com a vinda de jesus acima das instituições civis e de direito? Está a colocar a cidadania em detrimento a uma “vida de bençãos” de uma interpretação tão pessoal de um Deus amoroso? Com que autoridade você prega a remoção do mundo das conquistas humanas e sociais, de um Estado Laico em detrimento a uma suposta Teocracia, cujos fundamentos estão baseados em concepção tão estreita dos valores sociais?
    Querido irmão, a vida não precisa ser assim!
    Não existe nada fora do Amor de Deus, eu, você, os gays, as lésbicas, todos da sigla LGBT, os cristãos, mas também os evangélicos, os muçulmanos, até os ateus. Caso contrário não seria Deus e sim um deus criado por homens a sua imagem e limitada semelhança. O que você apregoa como Lei de Deus ou a existência de uma Teocracia são concepções das exegeses, hermenêuticas, teologias, cristologias e tantas outras logias, que se não forem concebidas de joelhos, a Luz do Amor, como dizia D. Boaventura Koblemburg, serão apenas filosofias. E quem disse que você não mudou a Lei Dele também? Como podes fazer afirmações tão graves como as que faz em seu artigo? Falas deste Deus em terceira pessoa! Querido irmão, a vida não precisa ser assim!
    Ame mais, julgue menos,
    pratique mais argumente menos!
    Deus não precisa de defensores, mas de testemunhas: “Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis.Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.”João 13:34,35

    Conclusão

    Não foi você, nem Deus que quis que as coisas fossem assim. Foi o ódio disfarçado em pregação cristã, a intolerância disfarçada em mandato divino, e a ousadia não estaria em atribuir ao próprio Deus estas afirmações, uma vez que as mesmas são baseadas em SUA interpretação, de uma exegese e uma teologia baseada no pensamento de Joseph Smith a quem chamam de Profeta? Novamente, com que autoridade você dá conselhos aos homossexuais, prometendo uma felicidade duradoura?
    O que lhe desejo de todo o meu coração é que possas experimentar o Amor de Deus, no mais longinquo reconcavo do teu ser, para que não reste nele, nenhum resquício de julgamento disfarçado em correção fraterna, ou de soberba disfarçada em mandato divino.
    Que o Deus Verdadeiro possa estar em vosso coração, para que não necessites de nenhuma bíblia, de nenhuma exegese, de nenhuma teologia ou Doutrinas e Convênios, para Amar de Verdade teus irmãos, sejam eles gays ou não.

    • Marcelo Todaro disse:

      José Ferraz Celebrante escreveu:

      Por que sou contra a opiniões incovinientes sobre o por que ser contra o casamento gay.

      Já escrevi o mesmo comentário em um sem número de outras postagens e, muito embora tenha havido respostas sobre o assunto, nunca ninguém achou meu comentário “inconveniente” nem se sentiu ofendido, como você. Foi a primeira vez.

      Aliás, se eu tivesse ido na sua postagem para elogiar o casamento gay, você se ofenderia também? Será que isso significa que você não aceita opiniões contrárias às suas? Porque me manifestei contra, você viu motivo para me acusar de ser antiético e ter essa reação tão exagerada e desproporcional?

      Enfim, como dizia minha avó, “cada cabeça é uma sentença”. Respeito sua opinião, embora discorde veementemente dela.

      opinião é um posicionamento subjetivo sobre algo que nem sempre representa a Realidade, pois é baseada no sistema de valores que cada pessoa toma para si, naquilo que acredita ser um parâmetro da Realidade e depende das aspirações pessoais e do nível de maturidade de cada pessoa, sendo muitas vezes divergentes da dos outros que podem as considerar disciminatórias e ofensivas

      Poderia me explicar por quê exatamente você acha que isso não se aplica a si mesmo também? Ou por que sua opinião é mais válida ou mais correta que a minha?

      Por essa justa razão é que precisamos da liderança e orientação de uma onisciente Inteligência Superior que nos indique o que está certo e o que não está. Você já a consultou para saber qual é a opinião dela a respeito do casamento gay?

      Eu já. Eis porque estou onde estou, digo o que digo e não me desculpo. E você pode reclamar, xingar, espernear e chorar à vontade que não mudará a opinião Dele. Nem a minha.

      Não é Ele que tem que baixar a cabeça para a nossa vontade, e sim o contrário. O que você está tentando fazer é subverter essa ordem. Não conheço ninguém que tenha sido bem sucedido nessa tentativa. Se quiser continuar tentando, boa sorte.

      O fator anatômico como você coloca por si só já é um forte indício do SEXO BIOLÓGICO das pessoas, deixando de fora, em se tratando de Sexualidade, a IDENTIDADE DE GÊNERO, a EXPRESSÃO DE GÊNERO e a ORIENTAÇÃO SEXUAL dos seres humanos.

      Notei que você não fez nenhum esforço para explicar a incompatibilidade anatômica existente entre seres do mesmo sexo como indício de que não era intenção do Criador (ou da evolução, se preferir) que houvessem relações homossexuais ou homoafetivas, nem também explicou a falta de sentido da homossexualidade pelo ponto de vista da evolução. Por que será? 😉

      Quanto ao momento oportuno para a resposta sobre a atração pelo mesmo sexo já é conhecida

      Conhecida por quem, se nem mesmo na comunidade científica há consenso sobre isso? Se você já conhece a resposta, talvez queira ir lá acabar com a dúvida dos cientistas. 😉

      Teria sido interessante você ler o artigo O quebra cabeça evolucionário da homossexualidade antes de dizer que conhece uma resposta que nem os cientistas conhecem…

      mas jamais será compreendida por homens que ficam esperando uma revelação de Deus para isso.

      Quão espiritualmente miserável é o homem que acha que não precisa da onisciência do Criador para ampliar seu conhecimento e sua ciência!

      Como disse um antigo profeta das Américas:

      “Oh! A vaidade e a fraqueza e a insensatez dos homens! Quando são instruídos pensam que são sábios e não dão ouvidos aos conselhos de Deus, pondo-os de lado, supondo que sabem por si mesmos; portanto sua sabedoria é insensatez e não lhes traz proveito. E eles perecerão.” (2 Néfi 9:28)

      Casamento não é invenção humana. E nem divina (…)

      Ah não? Se não é humana e nem divina, é de quem? De ETs? 🙂

      José Ferraz Celebrante, o fato de você negar a Criação não significa que ela não existiu, apenas que você não acredita nela. Isto posto, você também não tem elementos para afirmar que o casamento não é invenção divina, já que nada sabe sobre isso.

      Você acredita que o casamento não é criação divina. Já eu SEI que é. Isso é o que todos também saberão quando Cristo voltar. Você não tarda por esperar. 😉

      E segundo o antropólogo Timothy Taylor, em seu livro A Pré-História do Sexo: quatro milhões de anos de cultura sexual humana, 1ª Ed, Batam Books, 1997, 344p , encontrou os primeiros vestígios arquelógicos que apontam para supostos “primeiros casamentos” datados de aproximadamente 4 bilhões de anos, o que deixa os aproximados 4 mil anos da Éra Cristã no Jardim de Infância da história

      Você precisa se informar melhor, José Ferraz Celebrante. Não há consenso entre as religiões sobre a Terra ter só poucos milhares de anos. Eu mesmo não acredito nisso. E, aparadas algumas arestas, acho perfeitamente possível conciliar evolucionismo e criacionismo. Mas não vou entrar no mérito dessa questão aqui, pois o assunto é casamento gay.

      Note também que, segundo o que você mesmo disse, para Taylor os vestígios encontrados por ele do que teriam sido os primeiros casamentos são uma mera suposição dele. Suposições e teorias não são prova de coisa alguma, são apenas a melhor explicação para algo que não se pode provar. Uma coisa é ter uma ideia do que as pessoas faziam, outra é ter certeza disso. Taylor mesmo reconhece que chegar a uma verdade absoluta a esse respeito é quase impossível.

      Ele pode até ter encontrado vestígios de uniões entre duas pessoas, mas isso não necessariamente implica em casamento, até porque (1) o livro dele é sobre sexo, não sobre casamento, e (2) a noção de casamento a que me refiro neste artigo só foi introduzida no mundo com Adão e Eva.

      As provas que tenho e das quais preciso para ditar minhas opiniões e ações são espirituais. Então, espiritualmente falando, para mim está suficientemente provado que o casamento gay é contra a lei de Deus. Assim sendo, também sou contra. É uma questão espiritual. E não há o que você ou o mundo inteiro diga ou faça capaz de mudar isso.

      Quer me chamar de tapado, fanático, radical, preconceituoso, lunático ou qualquer outra coisa? Fique à vontade. A respeito desse tipo de assunto, a opinião que me importa é a do meu Pai Celestial, não a de homens falíveis e parciais.

      e sua afirmação “O primeiro casamento de que se tem notícia aconteceu muito antes de se tornar uma convenção social. Foi o de Adão e Eva, ainda no Jardim do Éden. “ se apresenta no mínimo inapropiada para o contexto e concebível somente nos padrões bíblicos e cristãos e para os quais sua outra afirmação: “Ali o Criador estabeleceu Seu padrão de casamento: homem com mulher. “ soa como no mínimo pretensiosa ao estabelecer “padrões” para Deus.

      José Ferraz Celebrante, leia as escrituras. Foi Ele mesmo que estabeleceu o padrão, não eu. Pelo menos tenha alguma noção do que está dizendo, sim?

      afirmar que os homossexuais não poderão desfrutar do previlégio Crescei e Multiplicai-vos, é no mínimo desconhecer que esta não é uma opção só dos homossexuais, mas de todos os que acreditam de que este mandato só é concebível dentro das fronteiras restritas de uma concepção cristã da família com o objetivo restrito de procriação

      Que viagem, José Ferraz Celebrante! Independente de ser cristão ou não, a lei divina de crescer e multiplicar só é possível de ser cumprida por quem é capaz de procriar. Homossexuais não são. Vai negar isso também?

      o que se mostra superado e arcaico na sociedade moderna, cujo a concepção de família já prevê a não concepção de filhos e admite núcleos familiares monoparentais, pluriparentais, homoparentais entre outros concebíveis juridicamente.

      Como eu disse acima, ser contra o casamento gay é para mim uma questão espiritual. Assim sendo, não estou minimamente interessado nas concepções jurídicas de uma “sociedade moderna” insana e doente sobre o casamento. Quando essas concepções jurídicas forem capazes de resolver todas as perversas e insolucionáveis mazelas sociais (cujas raízes também são espirituais) dessa “sociedade moderna”, aí sim, estará demonstrando que talvez possa me ditar algum padrão. Enquanto isso não acontecer (e nada indica que algum dia aconteça), as concepções jurídicas que me importam são aquelas perfeitas e infalíveis estabelecidas pelo único Legislador onisciente capaz de fazê-lo.

      É por meio do canal de comunicação que tenho com Ele (e que qualquer um pode ter também, desde que esteja disposto a pagar o preço) que sei que casamentos homoafetivos são contra Sua lei e vontade. Toda minha já formada e inabalável opinião baseia-se unicamente nisso.

      Por isso, se preciso escolher entre ficar do lado Dele ou da “sociedade moderna”, prefiro ficar do lado Dele, nem que isso me custe execrações públicas como a que você está promovendo contra mim. Você não é o primeiro a me criticar, nem será o último. Mas se nem Cristo agradou a todos, que se dirá de mim? Sua reação nada mais é que o cumprimento de diversas profecias. Nada mais previsível. Você está só chovendo no molhado.

      Não sei se reparou, mas lá em cima, no subtítulo do blog, está escrito: “Não escrevo coisas que agradam ao mundo, mas que agradam a Deus e aos que não são do mundo” (1 Néfi 6:5). Não estou interessado no seu louvor ou no de quem quer que seja (nem mesmo no dos que concordam comigo). O único louvor que me interessa é o Daquele a quem sirvo e por causa de Quem padeço as penas de uma execração como a sua — que, mais uma vez, não é a primeira nem será a última.

      “Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim.” (João 15:18)

      Aliás, José Ferraz Celebrante, caso não tenha notado, a “sociedade moderna” que você enaltece é de maioria contrária ao casamento gay. Veja os links no fim do artigo. Você é minoria.

      E dizer que os ensinamentos do Senhor Jesus Cristo não prevêem a opção do casamento gay é estreitar ensinamentos universais como “Amai à Deus sobre todas as coisas e o próximo com a Ti mesmo” citado no evangelho de Marcos:

      Como diz o velho ditado, “não tente ensinar o padre a rezar missa”. Você não está qualificado para isso.

      Já que você quer citar o evangelho, vou citar o próprio Jesus em Mateus 22:29: “Errais, não conhecendo as Escrituras”.

      Você se prende a apenas um versículo das escrituras e convenientemente ignora todo o resto. Por que não cita tudo que o evangelho diz a respeito em vez de apenas a parte que lhe convém?

      Na época de Jesus havia muita gente fazendo isso. Sabe o que Ele disse sobre tal atitude? “Condutores cegos, que coais um mosquito e engolis um camelo!” (Mateus 23:24)

      Eis aqui o camelo que você está engolindo (que, aliás, consta no artigo, mas que você convenientemente resolveu ignorar): “Não há evidência alguma de que Ele aprova esse tipo de união (mas há várias evidências em contrário: Levítico 18:22; 20:13; Deuteronômio 23:17; Isaías 3:9; Romanos 1:26-28; I Coríntios 6:9–10; I Timóteo 1:9–10; Judas 1:7).”

      Se você se incomoda com as escolhas livres dos outros fique para sí ou discuta com quem deseja discutir, só não fique postando na timeline de quem não perguntou sobre sua opinião ou suas incomodações.

      Então você faz uma postagem pública sobre um assunto controverso que está bem longe de ser universalmente aceito e não espera receber eventuais opiniões contrárias? Sai na chuva e depois se zanga por ter se molhado?

      Quanta coerência, José Ferraz Celebrante!

      Se você não queria correr o risco de receber opiniões contrárias, não deveria ter feito uma postagem pública. Ou deveria ter colocado nela o aviso “só aceito elogios, críticas não”.

      Francamente…

      Sinceramente não consigo entender de que Amor se refere

      Amor romântico e sexual. É nesse contexto que os defensores da causa gay, do incesto e da pedofilia o colocam. Então, dentro desse contexto, eu disse e repito: “o amor, por si só, está bem longe de ser suficiente como justificativa para o casamento entre iguais pelo ponto de vista de Deus”.

      Com que autoridade você prega a remoção do mundo das conquistas humanas e sociais, de um Estado Laico em detrimento a uma suposta Teocracia, cujos fundamentos estão baseados em concepção tão estreita dos valores sociais?

      Autoridade nenhuma. Não estou reivindicando isso. Estou dando uma opinião baseado em meu conhecimento da lei de Deus e do que sei ser a maneira como Ele pensa.

      Você pode até rejeitar esse meu conhecimento alegando que se trata meramente de uma interpretação pessoal minha. Mas, cada vez que você o fizer, me dará o direito de alegar o mesmo em relação a você. Afinal, o que você sabe sobre a mente de Deus para afirmar que estou errado? Se tudo que sabe é que Ele nos mandou amarmos uns aos outros, lamento dizer, mas você está MUITO longe de compreender o que isso significa.

      É como digo no artigo: “Até quando a sociedade vai achar que pode ignorar o que Deus REALMENTE pensa a respeito — e não o que ela ACHA que pensa — sem sofrer as consequências?”

      Não estou pregando remoção do mundo de conquista humana e social nenhuma, exceto aquelas que vão contra a lei de Deus.

      No fim, veremos de quem era a verdadeira “estreiteza”. 😉

      E quem disse que você não mudou a Lei Dele também?

      Se você a conhecesse, nem teria feito essa pergunta.

      Como podes fazer afirmações tão graves como as que faz em seu artigo?

      Posso, faço e não me desculpo. O conhecimento que tenho a respeito da lei de Deus e o testemunho espiritual que recebi Dele me permitem isso.

      E nem você, nem ser humano ou qualquer tipo de poder sobre a Terra, jamais poderá dizer que não recebi Dele o testemunho que tenho ou mesmo poderá tirá-lo de mim!

      Isso é o que me permite afirmar o que afirmo. Não me calarei e continuarei a fazê-lo enquanto Ele não disser o contrário ou enquanto as concepções jurídicas dessa nossa insana e doente “sociedade moderna” não me tirarem o direito à liberdade de expressão e de religião.

      Se quer que eu mude de ideia, deve pedir a Ele que me faça mudá-la, pois, tão certo quanto sei que estou vivo, sei também que estou fazendo o que Ele espera de mim, independente de você acreditar nisso ou não. No que diz respeito a assuntos espirituais, é a Ele que obedeço, não à “sociedade moderna”. Eu seria um louco se o fizesse.

      Ame mais, julgue menos

      Olhe-se no espelho ao dizê-lo, sim? Pois, do começo ao fim, seu artigo nada mais foi que um julgamento contra mim. Pratique aquilo que prega, a começar por aqueles que discordam de você (afinal, amar e não julgar somente aqueles que nos elogiam é muito fácil, né?). “Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis?” (Mateus 5:46)

      Deus não precisa de defensores, mas de testemunhas: “Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis.Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.”João 13:34,35

      Novamente: “Errais, não conhecendo as Escrituras” (Mateus 22:29).

      Você está demonstrando não ter a menor noção daquilo que o Pai espera de quem O segue. Está muito, muito longe de ser meramente que nos amemos uns aos outros.

      Ah, meu caro, quanto a isso você ainda tem tanto a aprender…

      Não foi você, nem Deus que quis que as coisas fossem assim. Foi o ódio disfarçado em pregação cristã, a intolerância disfarçada em mandato divino, e a ousadia não estaria em atribuir ao próprio Deus estas afirmações, uma vez que as mesmas são baseadas em SUA interpretação, de uma exegese e uma teologia baseada no pensamento de Joseph Smith a quem chamam de Profeta?

      Citando você mesmo: “opinião é um posicionamento subjetivo sobre algo que nem sempre representa a Realidade, pois é baseada no sistema de valores que cada pessoa toma para si, naquilo que acredita ser um parâmetro da Realidade e depende das aspirações pessoais e do nível de maturidade de cada pessoa, sendo muitas vezes divergentes da dos outros que podem as considerar disciminatórias e ofensivas”.

      O que você disse é apenas e tão somente a SUA opinião. Por que sua opinião é mais válida e/ou mais certa que a minha?

      Sobre esse assunto, a opinião que me importa é a de Deus, que sabe mais que você. Ponto.

      Novamente, com que autoridade você dá conselhos aos homossexuais, prometendo uma felicidade duradoura?

      Sei de coisas que você não sabe. E, enquanto não quiser saber também, jamais entenderá. Simples assim.

      Aprenda isto, José Ferraz Celebrante: “O homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.” (1 Coríntios 2:14)

      “Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus.” (1 Coríntios 3:19)

      Aprenda isto também: como disse Shakespeare, “há mais coisas entre o céu e a terra do que sonha a nossa vã filosofia”.

      Novamente, no fim, veremos de quem era a verdadeira “estreiteza”. 😉

      O que lhe desejo de todo o meu coração é que possas experimentar o Amor de Deus, no mais longinquo reconcavo do teu ser, para que não reste nele, nenhum resquício de julgamento disfarçado em correção fraterna, ou de soberba disfarçada em mandato divino. Que o Deus Verdadeiro possa estar em vosso coração, para que não necessites de nenhuma bíblia, de nenhuma exegese, de nenhuma teologia ou Doutrinas e Convênios, para Amar de Verdade teus irmãos, sejam eles gays ou não.

      Meu caro José Ferraz Celebrante, no que me diz respeito você não sabe o que está dizendo.

      A existência de fatos espirituais como os que você critica só não é comprovável para quem não quer comprová-la. Sei que esses fatos são verdadeiros porque tenho um relacionamento íntimo e pessoal com Ele. E, antes que você diga ou pense alguma bobagem, não é um mero crer ou desejo de crer: eu realmente SEI que é verdade. E ninguém pode dizer que não sei, ou que não tenho com Ele o relacionamento que afirmo ter. O fato de você eventualmente duvidar disso não significa rigorosamente NADA diante da realidade de minha comprovação empírica da veracidade desses fatos. Não há nada que alguém possa dizer capaz de me fazer duvidar do que sei por conhecimento tácito. Seria querer eliminar meus resultados práticos com simples e reles especulações. E o fato de você não ser capaz de comprovar esses fatos por si mesmo não significa que ninguém mais seja.

      Portanto, é por meu conhecimento tácito de Deus e de Sua opinião sobre o tema que sei que posso afirmar, com todas as letras e sem medo de errar, que Ele não aprova o casamento gay. Por conseguinte, eu também não. Dia virá em que você será obrigado a reconhecer isso, então será convencido pelos fatos quando lhe forem apresentados.

      Se quer saber, eu queria que a Segunda Vinda acontecesse hoje. Isso colocaria ordem nessa zona toda, aí veríamos quem tinha razão. Estou plenamente convicto de que pra mim será um dia agradável e feliz. Espero que seja pra você também. 🙂

      Um abraço!

      • Glauco disse:

        Excelente resposta, Marcelo! O Senhor é contra e ponto!! Não tem meio termo, é antinatural e antiespiritual, fere todo o Grande Plano de Deus em Sua empreitada de criar e povoar novos mundos.

        Espero o dia em que teremos o Senhor em pessoa para mostrar seus fortes argumentos.

        Cada um vive como quiser, desde que sua vida e seus modos não me sejam impostos. Insinuar que o casamento entre homem e mulher é uma mera formalidade humana é no mínimo uma ignorância enorme.

        Buscar deturpar as escrituras com as ridículas e batidas “divisões escriturísticas” para tentar debilmente fundamentar uma opinião pessoal é coisa de amador. Não existe justificativa nas escrituras antigas e modernas para a prática do casamento gay.

        Repito: quem quiser casar com alguém do mesmo sexo, faça-o. A lei dos homens lhe faculta esse direito. Só não deturpe a palavra de Deus buscando aprovação, pois isso não encontrará!! Desafio qualquer um a me mostrar uma passagem no Velho ou Novo Testamento onde foi celebrado com a benção de Deus uma união homoafetiva!! FICA O DESAFIO!!! (Passagem verdadeira , sem truques ou falsa interpretação.)

      • Fernanda disse:

        Dificil a questão do homossexualismo em geral! Sou contra e a sociedade me obriga a ter uma falsa aceitação, dizendo q se vc se manifesta contra é preconceito. Preconceito são os gays quererem impor programas de televisão, novelas, musicas, restaurantes, vestimentas, alteraçoes no corpo, enfim, uma gama de invasões a minha privacidade e de minha família. Hoje preciso explicar p minhas filhas porque o irmão da goleguinha namora outro menino, ver meninas q mais parecem meninos… Enfim, me desculpem, não pertenço a nenhuma religião, embora acredite em Deus, tampouco sou estudiosa a ponto de discutir cientificamente o assunto, mas não me venham com esta de que ser gay é fisiologico (p mim ta mais para confusão psicológica)
        O fato é que a mídia exagerada sobre o assunto está tirando dos jovens a experiencia hetero. Estao induzindo as pessoas que homossexualismo é legal, que o gay é melhor sucedido, que a vida fica mais emocionante… E ai não tem estrutura familiar que baste para lutar contra isto.
        a verdade é que precisamos nos unir para melhor orientarmos àqueles que pensam que homossexualismo é o caminho
        Desculpem, foi apenas um desabafo de quem não aguenta mais esta situação

        • Marcelo Todaro disse:

          Pois é, Fernanda. Delicada a nossa situação, basicamente porque a maioria contrária ao casamento gay não se manifesta e não enfrenta de cabeça erguida a atitude de nos ser empurrada goela abaixo a ideologia gay.

          Portanto, convido-a a fazer coro comigo para fazermos nossa voz ser ouvida também.

          Um abraço!

      • César disse:

        Marcelo,

        Não sou religioso, mas ADOREI a maneira como você desmonta a argumentação desse celebrante! Parabéns!!!

  4. Matheus disse:

    Por isto que eu digo.
    O problema não é Deus e sim o fã clube dele.
    Se vc é feliz vivendo sob a égide aa palavra do deus cristão ou de qq outro Deus, viva, ma deixe os outros viverem como querem.
    Quem vai casar são os gays. Quem vai prestar contas são eles.
    Se deus quisesse advogados, Jesus voltaria periodicamente!

    • Marcelo Todaro disse:

      Matheus,

      Você provavelmente é ateu, estou certo?

      Se sim, lamento dizer, mas você não está em posição de afirmar o que Deus iria ou não querer, já que sequer O aceita, concorda?

      Suponha que houvesse um movimento social defendendo, digamos, a legalização da zoofilia e querendo que por meio de uma canetada legislativa uma abominação dessas se tornasse legal, empurrando isso goela abaixo na sociedade de maioria contrária só porque uma minoria assim o quer. Você assistiria isso passivamente ou abriria a boca para denunciar esse absurdo?

      Se você sente que não poderia ficar calado, então entende por que também não posso.

      Do ponto de vista espiritual, casamento gay, adultério, pornografia, pedofilia, estupro e um monte de outras coisas são erros. Todos são alvo de meu repúdio, igualmente.

      Então, para definir o que é certo e errado do ponto de vista de uma ordem moral superior e perfeita, nada melhor do que saber o que Deus tem a dizer a respeito.

      E o que Ele tem a dizer sobre tudo isso, casamento gay inclusive, Ele já disse e continua dizendo. Eis por que me oponho. Prefiro ficar contra a ideologia gay do que ficar contra Deus.

      Um abraço!

  5. Marcelo Todaro disse:

    O comentário do leitor Gabriel Gusson (e-mail gabrielgusson@h…) foi apagado por ter sido grosseiro e desrespeitoso, contrariando a instrução em vermelho de não se fazer comentários com tal teor e demonstrando ainda não ter aprendido a lição básica de que, atentando contra a ética e a moral que ele próprio apregoa, ser gay e ateu não significa ser grosso. Ele poderá tentar comentar novamente se estiver disposto a demonstrar pelos outros a mesma consideração e respeito com que espera ser tratado. Aceito críticas, sim (os comentários abaixo estão cheios delas), o que não aceito é falta de educação.

    • Ateu Gay disse:

      Cara, sou gay e ateu, mas reconheço que alguns de meus compadres ainda têm muito o que evoluir, a começar pelo fato de não estarem dispostos a demonstrar o respeito às diferenças que cobram naqueles que pensam diferente deles. Ainda não aprenderam que “meu direito termina onde começa o seu”. Em nada demonstram ser melhores do que quem criticam. E chamam isso de “sociedade moderna”. Triste…

  6. Arthur Lima disse:

    Cara, bom pensamento gostei do texto. É tão difícil ser hétero e ter a vida baseada nos ensinamentos de Deus hoje em dia, ser gay se tornou algo normal, algo natural, ser contra a homossexualidade se tornou quase um crime, ninguém mais pode se expressar contra aonde chegamos? Deus é contigo 🙂

  7. Joao disse:

    Eu sou mórmon, acredito na teoria da evolução e eu te digo que sua publicação foi totalmente grotesca. Primeiro, vc usou uma pesquisa de um sociólogo para falar sobre nascimento gay e não um biólogo. Já começou errado. Segundo, homossexualidade é uma característica multifatorial, inclui biologia, inclui fatores sociais, entre outros campos. Terceiro, não é esse o motivo que a Igreja é contra o casamento gay. A Igreja é contra pois o casamento, sendo feito no civil ou no religioso é um convênio com Deus, independente da crença ou não crença da pessoa, além de ser necessário para o plano de Progresso Eterno. Sim, pessoas nascem gays, há um estudo que conforme uma população cresce em demasia, a comunidade percebe um aumento no numero de espécimes homossexuais e assexuadas. Especula-se que seja uma medida da natureza para diminuir o crescimento demográfico. Quarto, o próprio PROFETA falou que não se sabe pq as pessoas nascem assim, isso quer dizer que elas NASCEM ASSIM. E por ultimo, até o momento nenhum apóstolo disse que foi o Senhor que ordenou que a Igreja fosse contra. Nos EUA a opinião da Igreja é dividida sobre o tema, inclusive em UTAH os homossexuais possuem diversas leis civis que são aplicadas ao conjuge. A Igreja defende que eles tenham todos os direitos de conjuge, apenas que nao seja feito o casamento, pois se entende que estaria escarnecendo de um convênio sagrado.

    • Marcelo Todaro disse:

      Você disse:

      vc usou uma pesquisa de um sociólogo para falar sobre nascimento gay e não um biólogo.

      Você tentou conhecer o trabalho dele antes de desqualificá-lo só por ele não ser o que você acha que deveria ser?

      Vá lá, leia os livros dele, estude as publicações científicas dele, procure saber se ele já teve que se retratar por algo que tenha publicado e depois volte dando uma opinião minimamente abalizada.

      Terceiro, não é esse o motivo que a Igreja é contra o casamento gay.

      Em momento algum me propus a falar da opinião da Igreja, e sim da MINHA opinião.

      No entanto, já que você tocou no assunto, a opinião da Igreja sobre o assunto está publicada aqui (em inglês) e aqui (em português). Lá encontra-se escrito com todas as letras:

      “A posição doutrinária da Igreja é clara: a atividade sexual deve ocorrer apenas entre homem e mulher casados.”

      há um estudo que conforme uma população cresce em demasia, a comunidade percebe um aumento no numero de espécimes homossexuais e assexuadas. Especula-se que seja uma medida da natureza para diminuir o crescimento demográfico.

      Você disse bem: especula-se. Especulação não é prova de coisa alguma. Recomendo-lhe a leitura atenta e cuidadosa do excelente artigo O quebra-cabeça evolucionário da homossexualidade (em inglês).

      Além do mais, tenho uma má notícia pra você: um terço dos cientistas mente. Eles mesmos admitiram isso, numa pesquisa realizada em 2005 pela revista Nature. De 3247 cientistas, 33% confessaram (anonimamente) que fizeram pelo menos uma coisa antiética ao elaborar seus estudos. Por exemplo: 1,5% cometeu plágio, 15,5% adulteraram o método ou os resultados do estudo e 12,5% usaram dados que sabidamente não eram confiáveis. E na maioria dos casos é de propósito mesmo. Segundo este artigo do jornal The New York Times, em 2010 o biólogo americano Grant Steen analisou 788 retratações que tiveram de ser publicadas devido a erros ou fraudes em artigos científicos. Conclusão dele: cerca de 53% dos artigos fraudulentos foram escritos por fraudadores reincidentes. E os pesquisadores mentirosos costumam se associar uns aos outros, que tendem a colaborar com cientistas que também se retrataram por outros trabalhos.

      Portanto, como vê, não dá pra confiar cegamente no que os cientistas dizem. Acho que você terá que arrumar outro argumento. 😉

      Nos EUA a opinião da Igreja é dividida sobre o tema, inclusive em UTAH os homossexuais possuem diversas leis civis que são aplicadas ao conjuge. A Igreja defende que eles tenham todos os direitos de conjuge

      Não é bem assim. O que a Igreja está defendendo é a proteção das liberdades religiosas e a sensata e justa garantia aos direitos das pessoas LGBT, especificamente nas questões de moradia, emprego e transporte público, que não existem em muitas partes dos EUA. Isso é bem diferente de dizer que a Igreja está defendendo o casamento gay ou meramente os direitos de cônjuge e está bem claro no pronunciamento oficial da Igreja.

      Para terminar, devo dizer que se você voltar aqui com termos como “totalmente grotesco” novamente, vou apagar sumariamente seu comentário sem nem me justificar. Aceito críticas, sim, o que não aceito é falta de educação. Se quer discordar, faça-o com educação e respeito.

      Um abraço!

      • Daniel disse:

        Prezado Marcelo,
        Achei que o comentário do João toca num importante ponto. Como mórmon, acho que a Igreja deu importantes passos nos últimos anos em direção à uma postura mais serena na maneira de tratar os seus próprios membros gays. O fato de as autoridades da Igreja reconhecerem que os homossexuais nascem dessa forma e que isso não os distancia de nosso Pai Celestial é algo para ser comemorado. Igualmente, o simples fato de um membro hoje poder se declarar gay sem que com isso pese de imediato uma ex-comunhão é outro ponto que deve ser reconhecido. Contudo, como já me manifestei outras vezes aqui, a Igreja está diante de um grande desafio. Isso porque, se a Igreja reconhece que faz parte do Plano de Deus que nasçam nesse mundo pessoas que sentem atração pelo mesmo sexo, fico me perguntando: Por que Ele fez isso se elas não serão capazes de se casarem dentro da Igreja? Por que incluir elas num Plano de Salvação que não as contempla de maneira completa?
        Se o plano de Deus é perfeito, por que ele criaria uma atração pelo mesmo sexo que nunca poderia se realizar no mundo? Por que ele submeteria um número considerável de pessoas ao celibato, quando o próprio celibato é visto dentro da Igreja como uma condição passageira, necessária apenas até o momento do casamento? Porque, você bem sabe de disso, uma pessoa celibatária, por melhores que sejam as suas obras, ainda assim não atingirá o mais alto grau de glória no mundo celestial. Então, por que Deus permitiria que alguns de seus filhos nascessem nesse mundo para atingir um grau de glória menor do que aquele destinado às pessoas que se casarão e terão filhos?
        Sinceramente, cada vez mais, eu tenho a impressão que toda essa discussão já não passa mais pelo lado da busca de um fundamento teológico. Porque, se fosse teológico o problema, o casamento gay já teria sido aprovado. Todas as tentativas de tornar a homossexualidade como uma prática pecaminosa através da Bíblia não passam de interpretações ligeiras e anacrônicas. Agora, toda esta aparente contradição entre o Plano de Salvação e a existência de pessoas que sentem atração por outras do mesmo sexo apenas permanece por uma questão pura e simplesmente política. Assim, como a questão do sacerdócio para negros até metade do século XX era.
        Como gay e como mórmon, eu não defendo que a Igreja realize um casamento no templo entre pessoas do mesmo sexo de imediato. Não acho que simplesmente criar uma nova cerimônia seria a resolução do problema. Não porque eu não reconheça o direito dos gays de se casaram legalmente, de construírem famílias estáveis e de se amarem com a mesma profundidade e dignidade de um casal heterossexual. Simplesmente acho que seria um desgaste profundo e exigiria uma revisão de toda a doutrina que, nos nossos dias, as autoridades da Igreja não parecem preparadas para realizar. O que eu defendo é que a Igreja, uma vez que ela tem aceitado e reconhecido as leis seculares que garantem direitos aos casais gays legalmente casados, faça o mesmo em relação aos seus membros gays. Que ela não os condenem a serem membros de segunda classe pelo simples fato de serem gays e desejarem construir uma família com outra pessoa do mesmo sexo. Que a Igreja, mesmo não reconhecendo o casamento gay dentro da sua doutrina, ao menos permita que homens e mulheres gays, que vivam dentro de uma relação estável e legalmente reconhecida pelo Estado, possam ser tratados em pé de igualdade com os demais membros. Que eles possam frequentar os templos, realizar as ordenanças para os seus entes queridos e que eles possam pregar o Evangelho sem nenhum temor em seu coração de serem rejeitados por bispos ou presidentes de Estaca. Que eles possam ter cargos importantes dentro da Igreja sem sofrerem o peso do preconceito e da desconfiança. Que essas pessoas, que são gays, mas que escolheram viver dentro de uma relação estável e reconhecida pelo Estado, possam ser tratadas de maneira igual dentro da Igreja, mesmo que o casamento dentro do templo não seja uma opção para elas.
        Para mim, a Igreja está vivendo um momento de grande contradição. Se ela reconhece as leis que garantem direitos aos gays e se ela igualmente afirma que ser homossexual não é uma escolha, mas sim algo que faz parte da Criação, então por que continuar a barrar os seus membros gays de progredirem dentro da hierarquia da Igreja simplesmente porque eles não passaram pela cerimônia do casamento? Porque, no caso dos casais gays legalmente casados e dentro de uma relação estável e monogâmica, eu não vejo motivo algum para a Igreja condenar isso como uma quebra da lei da castidade. Porque eles estão fazendo a mesma coisa que um casal heterossexual teria que fazer, com a exceção do casamento no templo. E a critica em relação a suposta “esterilidade” de um casal gay caiu por terra com todos os avanços da medicina e a possibilidade de se recorrer a adoção e/ou barrigas de aluguel.
        Muitas autoridades da Igreja construíram uma imagem tão negativa dos homossexuais, que sempre que se está debatendo a questão do direito a união civil entre pessoas do mesmo sexo eles restringem tudo a apenas uma questão de sexo. Ou pior do que isso, eles acham que todos os gays do mundo vivem em constante estado de fornicação. Dois gays que se amam e desejam viver juntos e construir uma vida em conjunto não estão apenas pensando em sexo quando tomam essa decisão. É igualmente uma questão de amor. Ou por acaso o sentido do matrimônio é simplesmente o sexo que permite o nascimento de um filho? Não. O sentido do matrimônio vai além do simples ato físico de uma relação sexual, ele diz respeito igualmente a amor, confiança, companheirismo, o desejo em comum de construir uma vida e de construir uma família, o desejo de união para a ação como cidadãos plenos dentro de suas comunidades. Se o matrimônio não é apenas a respeito de sexo, igualmente uma relação gay durável e legalmente reconhecida não deve ser tratada como quebra da lei da castidade. E o fato de não serem aceitos para o casamento dentro do templo, não deveria restringir qualquer direito deles de viverem como mórmons dignos e ativos dentro da Igreja.

        • Marcelo Todaro disse:

          Daniel,

          Além de tudo o que eu exaustivamente já lhe disse em diversas outras respostas, o que me parece haver em comum em todas as suas palavras — e que parece ser senso comum em todas as manifestações dos que se dizem mórmons gays — é uma coisa só: falta de testemunho.

          A impressão que tenho é a de que vocês assumem que a Igreja de Jesus Cristo é uma organização humana sujeita a regras ditadas por homens mortais falíveis e que mudam ao sabor do vento da moda.

          Enquanto vocês não se decidirem a aceitar o fato de que a Igreja é de Jesus Cristo e não de homens, continuarão vivendo uma vida de ansiedades e frustrações, esperando em vão por mudanças que jamais ocorrerão. A Igreja é de Jesus Cristo! É Ele que a governa pessoalmente, é a doutrina Dele, são as regras Dele, é Ele quem manda e quem decide como as coisas devem ser feitas. Sinto muito se vocês não gostam disso. Se querem uma igreja de homens, a quem vocês podem influenciar livremente para que mudem as regras ao gosto do freguês, procurem outra.

          Quanto ao que seriam declarações de autoridades da Igreja reconhecendo que os gays já nascem assim, quero ver referências. Até agora só vi disse-disse. O que sei é que muitos anos atrás houve uma conferência para terapeutas do LDSFamily em Salt Lake City com a participação de um dos maiores cientistas no assunto, que era australiano, e muitos outros que foram convidados para falar da natureza científica da atração pelo mesmo sexo. O que foi definido — e isso ainda está em vigor — é que não há suficiente conhecimento científico para afirmar que uma pessoa nasça gay, mas também não há em contrário. Daquela época em diante, nenhum líder, apóstolo ou profeta, jamais disse novamente que ser gay é apenas uma escolha.

          Como resultado daquela conferência foi compilado este manual, que é usado até hoje no LDSFamily, explica que a vida não começa quando nascemos e não fala abertamente que uma pessoa nasce com atração pelo mesmo sexo. Uma verdade dita nele de forma simples e popular é: “ninguém sabe exatamente”.

          O Élder Dallin H. Oaks explica nesta entrevista justamente isso, ou seja, que enquanto não conhecemos exatamente as causas, sabemos com certeza que as pessoas nascem com o potencial de saber controlar seus instintos e retornar ao Pai, sejam elas heterossexuais ou homossexuais. Agora, se cada um vai optar por controlar seus instintos ou se deixar controlar por eles, é questão de escolha pessoal.

          Portanto, você, sendo gay, pode perfeitamente viver em pleno gozo de seus direitos como SUD (e eu já lhe disse isso antes) desde que se submeta às leis de Deus e da Igreja. O que me parece é que você prefere tentar mudar a Igreja a mudar a si mesmo. Não funciona. Lamento.

          Pare de se iludir, Daniel. Ou você se adequa à lei de Deus tal como ela é, sem tentar mudá-la, ou viverá eternamente frustrado. A escolha é sua.

          Um abraço!

          • Daniel disse:

            Caro Marcelo,
            Fico um tanto surpreso com o seu comentário altamente mal educado e desrespeitoso das minhas palavras. Permita-me justificar o porquê de eu achar isso:
            1. Você cria aqui uma página com comentários para o seu texto e se propõe a discuti-lo com os demais participantes. Porém, quando alguém lhe apresenta um argumento mais complexo, você simplesmente recorre a simples justificativa de que todos os “argumentos humanos” são puras simplificações e de que estou dando “Conselhos” para Deus. Além disso, você diz que por se tratar da Igreja de Cristo, ela está intocável de qualquer tentativa de debate racional e que basta apenas ouvirmos as palavras que Deus já teria dito supostamente condenando a homossexualidade como prática. Contudo, permita-me reiterar aqui, ao você fazer isso, é você que parece estar afirmando estar acima dos demais homens, se colocando como o grande conhecedor da Palavra de Deus, o que me parece ser uma postura bastante temerosa. Além disso, as palavras de Deus não são dadas no vácuo, mas sempre são mediadas pela capacidade humana de interpretá-las. Qualquer ato de leitura, por mais simples que seja, é um ato de interpretação humano, o que torna a sua própria postura simplesmente mais uma no meio de um rio de interpretações. Se você é tão avesso ao debate mais ponderado, o debate para além das meras simplificações, você acaba defendendo uma postura fundamentalista que nem as próprias autoridades da Igreja defendem.
            2. Um dos exemplos da sua falta de humildade está no fato de julgar que todos os mórmons que possuem a coragem necessária para se aceitarem como gays e que desejam o seu espaço garantido dentro da Igreja como qualquer outro membro digno seja classificado como pura “falta de testemunho”. Permita-me dizer a você que, até onde eu sei, você não é capaz e nem tem o direito de imputar um julgamento desse tipo a respeito da experiência religiosa de outras pessoas. Fazer isso é profundo desrespeito e é afastar-se dos próprios preceitos do Evangelho que pregam, além da humildade, a bondade e o amor ao próximo. Além disso, se você for ler as atuais posições da Igreja, você notará que nem o Presidente Monson e nem uma das autoridades diria que gays mórmons sofrem de falta de testemunho. Pelo contrário, a Igreja encoraja as famílias e demais lideres da Igreja a abraçarem os seus membros gays numa postura de abertura, de respeito e de amor. Além disso, o padrão de moralidade da Igreja é o mesmo para todos, independentemente do sexo pelo qual a pessoa se sinta atraída. A grande questão é que no caso de gays que tenham se casado legalmente, essa posição em relação à lei da Castidade deveria ser revista. Para que ela seja revista, é preciso deixar de se considerar a homossexualidade uma prática pecaminosa. Muitos teólogos reconhecem que houve inúmeros erros nas passagens bíblicas que falam sobre práticas homossexuais e que, no caso, a Biblia estaria fazendo referência mais explicitamente não a qualquer relação de natureza homossexual, mas sim, as relações violentas, que violavam o direito de escolha da outra pessoa, como o caso do estupro. Desse modo, se a Igreja e as suas autoridades preferem manter a sua posição, considerando a prática como pecaminosa (ainda que eles tenham voltado atrás e reconhecido que uma pessoa que sente atração por outra do mesmo sexo não está pecando por sentir isso), essa manutenção se deve muito mais a uma questão política do que teológica.
            3. Se todos os gays mórmons sofrem de falta de testemunho e frustração, eu te sugiro entrar na página oficial da Igreja em inglês repleta de histórias de membros que são abertamente gays e que igualmente são membros ativos. Além disso, a Igreja criou essa página: http://mormonsandgays.org/. Na discussão lá, você não irá encontrar qualquer tipo de referência a falta de testemunho. Como logo no início da página já diz, esta é uma questão que requer sensibilidade. No seu comentário anterior, eu não acredito ter me deparado com uma posição sensível. Tudo o que eu pude ver foi a postura defensiva de alguém que se sentiu afugentado e recorreu a uma posição fundamentalista que a própria Igreja não estimula.
            4. Testemunho é uma experiência pessoal. Está na base do protestantismo e que igualmente inspirou o profeta Joseph Smith na restauração da Igreja. Recusar a ligação pessoal de uma pessoa com Deus pelo simples fato de ela ser gay é um pecado. Além disso, permita-me afirmar, você não conhece nada a respeito do meu testemunho da Igreja.
            5. Eu não acho que a Igreja deve mudar ao sabor do vento, mas acho que ela deve mudar e o fato de eu acreditar que a mudança é possível e batalhar por ela não me faz um membro menos digno. Defender que os gays tenham o direito de constituir famílias, se casarem e frequentar a Igreja não coloca em risco qualquer padrão da Igreja e nem muito menos me faz uma pessoa contrária ao lugar sagrado da família no Plano de Salvação. Se a Igreja fosse completamente imutável, a poligamia não teria sido revista e nem muito menos a questão do sacerdócio para Negros. Você vai me dizer que foram revelações divinas dadas aos profetas da Igreja. Sim, eu não discordo de você nesse ponto. Mas igualmente, foram revelações que aconteceram mobilizadas pelo próprio contexto político e histórico de cada época específica. As revelações não acontecem desconexas dos problemas do presente. E o fato de haver toda uma luta pela igualdade dos direitos dos negros não deve ser subestimada dentro do contexto da revogação do impedimento da ordenação ao sacerdócio para estes membros. As palavras de Deus são imutáveis, mas os homens não são enquanto estiverem nesse mundo e nem as sociedades. Foi por isso que as Leis do Antigo Testamento se modificaram ao decorrer do tempo. O próprio Cristo trouxe a mudança para Terra e seria absurdo acreditar que passagens completamente secundárias da Biblia, como é o caso daquelas que se referem a homossexualidade, deveriam ser as únicas que não poderiam sofrer uma nova interpretação.
            6. A Igreja é de Deus, mas ela é governada nessa terra por homens e, até onde eu sei, não há homem algum nesse planeta que possa, sem cair em pecado, afirmar ter atingido a perfeição. E isso vale para as próprias autoridades da Igreja. Elas são representantes de Deus na terra, mas elas continuam humanas a despeito de qualquer outra coisa. O governo perfeito nesta terra somente virá depois da vinda de Cristo. Então, até lá, qualquer decisão inspirada por Deus nessa terra passa, inevitavelmente, pelo crivo da imperfeição humana. Qualquer coisa, te sugiro perguntar ao Quórum dos Doze Apóstolos ou a Primeira Presidência se algum deles se considera acima do erro e do pecado.
            7. Cuidado com o discurso que você construiu, porque ele é bastante sectário. Você dividiu o seu último comentário entre um “nós” (que representa os membros heterossexuais da Igreja e supostamente mais dignos) e um “vocês” (que representaria os membros gays). Esse tipo de divisão apenas intensifica o ódio e transforma qualquer diálogo impossível. Como um bom cristão que você é, te sugiro a rever igualmente esse ponto. Não há um “nós” e um “vocês”. Todos somos filhos do mesmo Pai Celestial, que nos ama e nos criou para sermos testemunhos do seu amor nesta terra. Todos possuem direitos iguais de buscarem as bênçãos divinas por Ele prometidas e todos possuem direitos iguais de serem tocados pelo Espírito Santo. E, naturalmente, existem deveres. Eu até hoje vivo os padrões da Igreja. Contudo, não acho que gays que tenham se casado legalmente e que vivam uma relação estável e digna sejam considerados pecadores por viverem o seu amor. Eu não estou dizendo que todos os membros gays estão livres para transar a qualquer hora. Eles também deveriam esperar pela pessoa certa e casarem-se primeiro. Naturalmente, você discorda de mim nesse ponto, mas o seu direito de discordância não é maior do que o meu.
            Se você acha que tudo isso é ilusão, não sou eu quem poderá discordar. Cada pessoa vê o mundo através das molduras que as suas próprias interpretações lhe impuseram. Contudo, não critique o direito dos demais de verem através das suas molduras imagens diferentes. Fazer isso, é cair em profunda grosseria.
            Se você ainda quiser ver tudo o que eu escrevi como puro sinônimo para frustração, você igualmente está com o seu direito garantido para fazê-lo. Mas, ao fazer isso, da forma como você parece já ter feito, você igualmente está correndo o risco de julgar de maneira errada a situação e, ao julgar o teu próximo sofrer as consequências do teu próprio julgamento. Você não conhece a minha história e não sabe nada a respeito da natureza do meu testemunho do Evangelho. Mas, se isso serve como uma pista, eu aprendi a ler através dos livros da Igreja e tive um avô que foi um dos pioneiros da Igreja na minha região. Eu tenho certeza que ele e o Pai Celestial estão orgulhosos da minha vida e das minhas ações. O fato de eu achar que a Igreja precisa mudar não significa que eu estou renegando a sacralidade do Evangelho e nem muito menos o meu testemunho.

            Abraço

            • Marcelo Todaro disse:

              Daniel, Daniel…

              Sua postura me faz lembrar a de Saulo no caminho de Damasco, quando o Senhor lhe disse: “Dura coisa te é recalcitrar contra os aguilhões.” (Atos 26:14)

              Vamos lá:

              Fico um tanto surpreso com o seu comentário altamente mal educado e desrespeitoso das minhas palavras.

              Lamento que tenha achado isso e peço perdão, não foi minha intenção ser mal educado nem desrespeitoso. Creio que você se doeu por eu ter dito que acho que você não tem testemunho, já que repetiu essa queixa em diversos pontos do seu comentário. Não sei de que outra forma eu poderia tê-lo dito, o fato é que essa é minha opinião: se você tivesse testemunho, não estaria tentando mudar a Igreja do Senhor, e sim a si próprio.

              Desrespeitoso e mal educado eu estaria sendo se estivesse menosprezando você como pessoa e fazendo juízo de valor de você. Estou falando de ideias, não de pessoas, e não estou sendo rude nem indelicado.

              Você cria aqui uma página com comentários para o seu texto e se propõe a discuti-lo com os demais participantes. Porém, quando alguém lhe apresenta um argumento mais complexo, você simplesmente recorre a simples justificativa de que todos os “argumentos humanos” são puras simplificações e de que estou dando “Conselhos” para Deus.

              Continuo achando isso. Continuo achando que você se enroscou numa teia de racionalismos humanos para justificar seu desejo de querer que Deus mude Suas regras em vez de você se adaptar a elas. Não funciona. Sinto muito.

              as palavras de Deus não são dadas no vácuo, mas sempre são mediadas pela capacidade humana de interpretá-las. Qualquer ato de leitura, por mais simples que seja, é um ato de interpretação humano, o que torna a sua própria postura simplesmente mais uma no meio de um rio de interpretações.

              É justamente por isso que temos o direito à necessária e indispensável inspiração e orientação do Espírito Santo para interpretar a lei e a vontade do Senhor corretamente, justamente para que “não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente” (Efésios 4:14). Lembre-se também que “nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação” (2 Pedro 1:20).

              Foi justamente esse “rio de interpretações” que levou à apostasia e continua dando poder a Satanás para desviar os homens do caminho correto. É justamente esse “rio de interpretações” que leva alguns a querer que Deus afrouxe suas regras para aceitar o casamento gay. Afirmo ousadamente com todas as letras, sem nenhum medo de errar, que essa não é uma aspiração inspirada por Deus. É uma ideia oriunda do anseio de quem não quer se sujeitar àquela parte da lei de Deus que vai contra seu ponto de vista, ignorando o fato de que não é Ele que tem que baixar a cabeça para a vontade do homem, e sim o contrário.

              Um dos exemplos da sua falta de humildade está no fato de julgar que todos os mórmons que possuem a coragem necessária para se aceitarem como gays e que desejam o seu espaço garantido dentro da Igreja como qualquer outro membro digno seja classificado como pura “falta de testemunho”.

              Não distorça minhas palavras. Qualquer um que leia o que escrevi será capaz de atestar que eu não disse nem dei a entender nada disso.

              A falta de testemunho a que me refiro está na intenção de querer que o Senhor Jesus Cristo mude as regras de Sua Igreja para acomodar anseios contrários à lei Dele. Não concebo alguém que tenha testemunho do fato de a Igreja ser dirigida pessoal e diretamente pelo Senhor achar que Ele tem que mudar Sua lei para agradar quem teima em fazer certas coisas de forma diversa da determinada por Ele.

              Ninguém está excluindo os gays dos direitos e privilégios da Igreja. Qualquer um que se disponha a obedecer aos mandamentos de Deus e regras da igreja terá todos os seus direitos e privilégios assegurados, tal como qualquer outra pessoa. A lei é a mesma para todos.

              A grande questão é que no caso de gays que tenham se casado legalmente, essa posição em relação à lei da Castidade deveria ser revista. Para que ela seja revista, é preciso deixar de se considerar a homossexualidade uma prática pecaminosa.

              “A lei de conduta moral do Senhor é a abstinência de relações sexuais fora do casamento legal, e fidelidade no casamento. As relações sexuais são corretas apenas entre marido e mulher, adequadamente expressas dentro dos laços do matrimônio. Qualquer outro contato sexual, incluindo fornicação, adultério e COMPORTAMENTO HOMOSSEXUAL MASCULINO OU FEMININO é pecaminoso.” (Carta da Primeira Presidência, 14 de novembro de 1991, destaque meu.)

              Se você afirmar que essas são palavras de homens e não de Deus, volto a afirmar que você não tem testemunho.

              E, se são a palavra de Deus, é contra Ele que você está lutando, não contra a Igreja ou os líderes. Não conheço ninguém que tenha sido bem sucedido lutando contra Deus.

              Mudança alguma haverá na Igreja se Ele não ordenar. Portanto não são os líderes ou a Igreja que você tem que pressionar, é Ele diretamente. Vejamos se você consegue fazê-Lo mudar de ideia. Boa sorte. 😉

              Muitos teólogos reconhecem que houve inúmeros erros nas passagens bíblicas que falam sobre práticas homossexuais e que, no caso, a Biblia estaria fazendo referência mais explicitamente não a qualquer relação de natureza homossexual, mas sim, as relações violentas, que violavam o direito de escolha da outra pessoa, como o caso do estupro.

              Ou seja, mais uma do “rio de interpretações”, esta cunhada para agradar gays e simpatizantes, certo? Que conveniente!

              Será que essa interpretação está de acordo com a mente de Deus e é inspirada por Seu Espírito?

              Se estivesse, por que será que Ele já não autorizou Sua Igreja a praticá-la? Por que será que desde Adão e Eva não lemos sobre Deus casando dois homens ou duas mulheres? Por que, já na Restauração, o Novo e Eterno Convênio do Casamento (D&C 132) não prevê o selamento entre iguais?

              Se você responder que é porque profetas e outros líderes de todas as épocas precisavam e precisam abrir a cabeça, volto a insistir no ponto da sua falta de testemunho. O cabeçalho da Seção 132 começa com a palavra “Revelação”. Ou seja, é a mente do Senhor, a palavra do Senhor, a vontade do Senhor, não de profeta nem de homem nenhum!

              No seu comentário anterior, eu não acredito ter me deparado com uma posição sensível. Tudo o que eu pude ver foi a postura defensiva de alguém que se sentiu afugentado e recorreu a uma posição fundamentalista que a própria Igreja não estimula.

              Opinião sua, a qual respeito mas da qual discordo. Problema nenhum nisso, certo? 😉

              Se a Igreja fosse completamente imutável, a poligamia não teria sido revista e nem muito menos a questão do sacerdócio para Negros. (…) As palavras de Deus são imutáveis, mas os homens não são enquanto estiverem nesse mundo e nem as sociedades. Foi por isso que as Leis do Antigo Testamento se modificaram ao decorrer do tempo.

              Esse comentário demonstra que você não compreende direito nenhuma dessas coisas. Então permita-me ajudá-lo.

              Em primeiro lugar, o casamento plural nunca foi nem nunca será um princípio imutável. Foi uma lei dada por Deus a uma parte de seu povo em épocas e circunstâncias específicas. Isso fica claro no artigo Esclarecendo os casamentos plurais de Joseph Smith. Lá está a resposta do porquê a prática foi iniciada e depois descontinuada. Recomendo também A revista Veja e as ‘várias esposas’ de Joseph Smith.

              Mesmo caso da lei de Moisés, com seus ritos e ordenanças sumários. A lei de Moisés era um princípio imutável? Não, do contrário não teria sido abolida em Cristo. Tinha data marcada para ser abolida desde quando foi implementada. Teve sua serventia e deixou de ter quando cumpriu seu propósito.

              Caso análogo é o da proibição do sacerdócio aos negros. Como esse é um assunto mais extenso, recomendo ler os artigos deste site. Então talvez compreenda que, também quanto a este assunto, “há muito mais coisas entre o céu e a terra do que supõe nossa vã filosofia”. 😉

              A Igreja é de Deus, mas ela é governada nessa terra por homens e, até onde eu sei, não há homem algum nesse planeta que possa, sem cair em pecado, afirmar ter atingido a perfeição. E isso vale para as próprias autoridades da Igreja. Elas são representantes de Deus na terra, mas elas continuam humanas a despeito de qualquer outra coisa. O governo perfeito nesta terra somente virá depois da vinda de Cristo. Então, até lá, qualquer decisão inspirada por Deus nessa terra passa, inevitavelmente, pelo crivo da imperfeição humana. Qualquer coisa, te sugiro perguntar ao Quórum dos Doze Apóstolos ou a Primeira Presidência se algum deles se considera acima do erro e do pecado.

              Então, pela sua lógica, a Primeira Presidência e o Quórum dos Doze podem estar interpretando errado a lei de Deus sobre casamento e castidade e a interpretação correta é a dos gays, é isso?

              Então quer dizer que em D&C 132, quando o Senhor fala, claro como cristal, em casamento entre HOMEM e MULHER, a Primeira Presidência e os Doze deveriam estar interpretado como entre dois homens e duas mulheres também, certo?

              O que você está dizendo é que por milênios os gays foram e continuam sendo injustiçados por causa de interpretações erradas da vontade de Deus por Seus profetas e que, por todo esse tempo, Ele tem assistido passivamente esse erro se propagar e perpetuar sem tomar qualquer providência. É isso mesmo, Daniel?

              Francamente!

              Ao contrário daquilo em que você prefere acreditar, o fato de os profetas e apóstolos não serem perfeitos de forma alguma justifica sua crença de que podem estar, todos ao mesmo tempo e em todas as épocas, errando no entendimento e cumprimento da palavra e da vontade de Deus — argumento que, aliás, sinto muito, é meramente uma desculpa sem provas para justificar o injustificável —, como se não houvesse o Espírito Santo para ajudá-los a entender e cumprir a vontade de Deus. Mesmo se a risível e absurda ideia de erro de entendimento por parte de todos os profetas e apóstolos de todas as épocas fosse verdade, não acha que Deus teria poder e sabedoria suficientes para consertar isso sem deixar Sua Igreja se desviar do caminho traçado por Ele e fazendo valer Sua onipotente vontade?

              Eis porque insisto no ponto da sua falta de testemunho. Quanto mais você fala, mais me convenço disso!

              Você dividiu o seu último comentário entre um “nós” (que representa os membros heterossexuais da Igreja e supostamente mais dignos) e um “vocês” (que representaria os membros gays).

              Errado. A divisão foi entre quem humildemente se submete à lei de Deus tal como é (independente da opção sexual) e quem não. Simples assim.

              não acho que gays que tenham se casado legalmente e que vivam uma relação estável e digna sejam considerados pecadores por viverem o seu amor.

              O que você ou eu achamos não tem a menor relevância, Daniel. O que realmente importa é o que Deus acha. Ele não precisa da nossa opinião para validar a Dele. Se algum dia Ele revelar ao Seu profeta que o casamento gay passará a ser aceito em Sua Igreja, resignadamente pedirei perdão a você por tudo o que disse e me calarei para sempre.

              Enquanto isso não acontecer — e estou plenamente convicto de que jamais acontecerá —, mantenho tudo o que disse e não me desculpo. Sinto muito se você não gosta de como as coisas são, não fui eu que quis que fossem assim. Se você acha que alguém tem que ser responsabilizado por isso, deve responsabilizar o próprio Deus (caso tenha essa audácia), não a mim.

              Você não conhece a minha história e não sabe nada a respeito da natureza do meu testemunho do Evangelho. Mas, se isso serve como uma pista, eu aprendi a ler através dos livros da Igreja e tive um avô que foi um dos pioneiros da Igreja na minha região.

              Com todo respeito que lhe devo e à sua história de vida, você há de convir que ter nascido na Igreja não é garantia de nada, certo? A história da Igreja está repleta de casos de gente que nasceu e foi criada nela e mesmo assim apostatou. Ter nascido na Igreja não é garantia de testemunho nem prerrogativa para reivindicar o direito de mudar suas regras em função do que você acha certo ou errado.

              Se você realmente tem testemunho da Igreja, deve saber que há alguém na Terra hoje com autoridade para falar em nome de Deus como se fosse Ele próprio. Ele disse:

              “Pois suas palavras recebereis como de minha própria boca, com toda paciência e fé.” (D&C 21:5)

              A Igreja dirigida pessoalmente pelo Senhor por meio daquele de quem devemos receber Suas palavras “como de minha própria boca, com toda paciência e fé” e da qual você diz ter testemunho tem em seu site diversas publicações nas quais se manifesta sobre a atração pelo mesmo sexo. Você pode encontrar uma compilação dessas publicações aqui (em inglês) e aqui (em português). Lá você encontrará escrito com todas as letras:

              “A posição doutrinária da Igreja é clara: a atividade sexual deve ocorrer apenas entre HOMEM e MULHER casados.” (Destaque meu.)

              Se você tem testemunho da Igreja, como diz ter, deve saber que isso veio do Senhor. Questione isso, e estará questionando a Ele diretamente. E quem é você para dar conselhos a Deus sobre como as coisas deveriam ser?

              Não tenho a intenção de ser mal educado ou desrespeitoso, apenas a de manifestar livremente minha opinião, como você fez.

              Eu poderia continuar comentando o resto do seu comentário indefinidamente, mas acho desnecessário. O que eu tinha que dizer já resumi acima.

              Se quer saber, eu queria que a Segunda Vinda acontecesse hoje. Isso colocaria ordem nessa zona toda, aí veríamos quem tinha razão. Tenho certeza de que pra mim será um dia agradável e feliz. Espero que seja pra você também. 🙂

              Um abraço!

            • Glauco disse:

              Não vou comentar longamente por ser desnecessário! Só creio que se por um motivo começar a acreditar que a igreja precisa se adequar a isso, ou mudar aquilo PERDI meu testemunho de que ela é guiada por revelação! Ai é hora de ir embora!!! Ser Mórmon e ser Gay, assim como ser Mórmon ( no sentido de ser plenamente ativo, estar digno, ir ao templo e etc) e adúltero, e por ai vai são coisas completamente impossíveis! Por isso admiro alguns dissidentes como os que praticam a poligamia la nas montanhas!! em vez de ficar enchendo o saco pra igreja liberar a prática, eles se isolaram e foram curtir a loucura deles bem longe. Nesse ano uma mulher nos EUA foi excomungada por ficar exigindo junto com outras sem noção o recebimento do sacerdócio. Não existe registro oficial de que isso tenha sido feito algum dia!! Se alguém crer nisso baseado em livros contra a igreja e pessoas mal intencionadas, foi enganado!! perdeu sua fé!! e está só perdendo seu tempo!! Resumo da ópera : Jacó 4:10 “Portanto, irmãos, não tenteis dar conselhos ao Senhor, mas, sim, recebei conselhos de sua mão. Pois eis que vós mesmos sabeis que ele aconselha com sabedoria e justiça e grande misericórdia em todas as suas obras” OU SEJA A IGREJA DELE, AS REGRAS DELE!! SE VC NÃO CONCORDA PODE IR EMBORA!! melhor do que ficar enchendo o saco!! O SENHOR PRESIDE SUA IGREJA!! SE VC PERDEU ESSE CONHECIMENTO ESTÁ NO LUGAR ERRADO.

  8. Carlos A. Oliveira disse:

    Você usa a teoria da evolução para justificar sua tese, diz que como dois gays não procriam e logo não teriam como perpetuar essa característica.
    Mas você esquece que existe uma multidão de gays e lésbicas que vivem uma vida hétero de aparências, para agradar a sociedade família. Gente enrustida que procria para agradar os outros. Enfim, é possivel entao perpetuar seus genes e suas características, se elas forem genéticas.
    Quanto ao casamento, ninguém esta pedindo benção de pastor, padre ou de nenhuma religião, o que se quer é ter direitos. Pois todos são iguais e merecem os mesmos direitos civís, já que todos pagam impostos.
    Na suas igrejas vocês casam quem quiser e com quantos quiserem, mas não podem impor a todos.

    • Marcelo Todaro disse:

      Carlos disse:

      Você usa a teoria da evolução para justificar sua tese

      Carlos, se você tivesse lido meu artigo até o fim, como logo no início peço que se faça, não teria dito isso. Não uso a evolução para justificar minha tese. O que uso é o Evangelho de Jesus Cristo. É por causa dele que sou contra o casamento gay (veja a conclusão do artigo). Apenas citei a teoria da seleção natural de Darwin como indício da falta de sentido da homossexualidade. Mesmo se do ponto de vista da seleção natural a homossexualidade fizesse sentido, ainda assim não faria para o Evangelho, o que por si só já seria motivo suficiente para que eu não aceitasse o casamento gay.

      Recomendo-lhe a leitura do excelente artigo O quebra cabeça evolucionário da homossexualidade (em inglês) para você compreender melhor o assunto.

      existe uma multidão de gays e lésbicas que vivem uma vida hétero de aparências, para agradar a sociedade família. Gente enrustida que procria para agradar os outros.

      Do ponto de vista da seleção natural, não são homossexuais. Os homossexuais a que me refiro no artigo são aqueles que não se relacionam sexualmente com o sexo oposto, independente do viés sociocultural que se queira dar a isso.

      Quanto ao casamento, ninguém esta pedindo benção de pastor, padre ou de nenhuma religião, o que se quer é ter direitos. (…) Na suas igrejas vocês casam quem quiser e com quantos quiserem, mas não podem impor a todos.

      Mais uma vez, você não leu meu artigo inteiro (ou não prestou atenção ao que leu). Então, por favor, role a tela para cima e continue lendo-o daquela parte até o fim (ou releia-o). Obrigado.

  9. Leandro Lobos disse:

    Eu não sou gay, mas logo que comecei a ler o artigo, eu parei de ler. Pois existem diversas espécies de animais que praticam a homossexualidade sim.

    E existem teorias que afiram que a homossexualidade tem fim evolutivo sim. E este seria o controle populacional.

    E fim de papo. Ainda bem que a Razão tende a vencer a ignorância, ainda que isto leve centenas de anos.

    • Marcelo Todaro disse:

      Lendro, em primeiro lugar, não preciso me basear em teorias e especulações para fundamentar minha opinião. Por exemplo, você disse que “existem teorias que afirmam que a homossexualidade tem fim evolutivo”, mas não apresentou nenhuma prova da existência dessas teorias (muito provavelmente porque não há teoria nenhuma e isso é meramente opinião sua). Mesmo que eventualmente existam, não passam disso mesmo: meras teorias. Como qualquer pesquisador sabe, teoria não prova nada.

      Aliás, se o propósito da homossexualidade é o controle populacional, está mais que provado que para isso ela não funciona. 😉

      Além do mais, tenho uma má notícia pra você: um terço dos cientistas mente. Eles mesmos admitiram isso, numa pesquisa realizada em 2005 pela revista Nature. De 3247 cientistas, 33% confessaram (anonimamente) que fizeram pelo menos uma coisa antiética ao elaborar seus estudos. Por exemplo: 1,5% cometeu plágio, 15,5% adulteraram o método ou os resultados do estudo e 12,5% usaram dados que sabidamente não eram confiáveis. E na maioria dos casos é de propósito mesmo. Segundo este artigo do jornal The New York Times, em 2010 o biólogo americano Grant Steen analisou 788 retratações que tiveram de ser publicadas devido a erros ou fraudes em artigos científicos. Conclusão dele: cerca de 53% dos artigos fraudulentos foram escritos por fraudadores reincidentes. E os pesquisadores mentirosos costumam se associar uns aos outros, que tendem a colaborar com cientistas que também se retrataram por outros trabalhos.

      Portanto, como vê, não dá pra confiar cegamente no que os cientistas dizem. Acho que você terá que arrumar outro argumento. 😉

      Quanto às supostas “transas gays” de certos animais, isso já foi exaustivamente comentado e refutado nos comentários deste artigo, mas como você aparentemente não os leu, está chovendo no molhado. Então permita-me dar um Ctrl+C Ctrl+V no que já foi dito:

      Os animais não são regidos pelas mesmas leis dadas por Deus ao homem. Se assim não fosse, seria preciso que os animais também tivessem capacidade de exercer fé em Deus, arrependerem-se de seus pecados, serem batizados, obedecer aos mandamentos, etc. Os animais pertecem a uma esfera diferente da Criação na qual as leis dadas ao homem não se aplicam e vice-versa.

      Exatamente por isso é que não podemos ver o que nos parece ser relações homossexuais entre os animais com os mesmos olhos com que vemos ato idêntico entre seres humanos. Tive em casa dois cães, um maior e mais velho e outro menor e mais novo. Ocasionalmente o mais velho pegava o mais novo para fazer o que a princípio podia parecer uma transa gay, mas um veterinário já tinha me esclarecido que esse comportamento denota uma afirmação de liderança do maior sobre o menor, como quem diz “quem manda aqui sou eu”. Portanto, não se tratava de uma atração homossexual ou satisfação de um desejo lascivo, e sim uma forma de comunicação entre seres dessa espécie. Usar o exemplo do reino animal para justificar o homossexualismo humano é o mesmo que rebaixar o homem à esfera das criaturas que agem por mero instinto, o que é simplesmente inaceitável, além de pouco inteligente.

      Lá na frente, quando o mundo como o conhecemos acabar, veremos de quem era a verdadeira ignorância. 😉

  10. Thyago Santos disse:

    Deus Vive ! Cristo é o nosso Salvador e o nosso Redentor. Esse Cristo morreu por nossos pecados , isso tem um significado imenso para aqueles que buscam conhecer o nosso Pai Celestial e seu infinito amor …
    Deus tem um modelo familiar criado muito antes de nossa existência e esse mesmo modelo se perpetua hoje em dia e para sempre . As Famílias poderão ser Eternas no Plano do Senhor e para com Ele viver para sempre …

    Deus ama o pecador , mas abomina o pecado . Que possamos dia a dia nos aproximar de Deus e conhecer esse plano de felicidade que Ele tem para cada um de nós .

  11. Guilherme Wolfgang disse:

    oi irmãos e irmãs, em primeiro lugar quero dizer que não conheço pessoalmente o Pastor Marcos Gladstone, não tenho contato com ele, e somente eu resolvi copiar aqui o que está no site da Igreja Cristã Contemporânea, abaixo está um cópia da história da Igreja Cristã Contemporânea, se quiser poderá ver tudo se acessar o site.

    [Texto suprimido pelo dono do blog]

    • Marcelo Todaro disse:

      Caro Guilherme,

      Se a Igreja Cristã Contemporânea e o pastor Marcos Gladstone têm seus próprios sites e meios de divulgação, não vejo por que eu deveria concordar em ver meu blog ser usado para divulgar uma ideologia com a qual de forma alguma posso concordar por toda longa lista de motivos expostos em meu artigo.

      Como você parece não tê-lo lido, eu gostaria de convidá-lo a ler e comentar, se desejar.

      Um abraço!

  12. Charles disse:

    Olá Todaro!

    Desejo a Graça e a Paz de Cristo a todos que estão lendo este comentário. Sou ex-mórmon e atualmente membro da Assembleia de Deus no Rio de Janeiro. Deixo claro que não vim aqui no seu blog falar sobre religião e sim sobre valores familiares.
    Vejo hoje e creio que você concorde, uma enorme distorção da realidade imposta pelo ativismo gay para toda a sociedade. A muito tempo eles pararam de apenas se defender das “injustiças e preconceitos”, para tornarem-se abusivos e favorecidos por uma justiça extremamente falha. Concordo que como seguidor de Jesus Cristo, não devo odiar ou fazer acepção de pessoas, mas não sou obrigado a tolerar ou achar bonito que dois homens (ou duas mulheres) se beijem em praça pública como se fosse a coisa mais normal do mundo. Onde vamos para desta forma?

    Creio que é o momento de falarmos a mesma língua. Imagine que maravilha seria Evangélicos, Mórmons, Católicos, Kardecistas, Muçulmanos, Judeus e etc, realizando juntos uma passeata em defesa dos valores da família verdadeira: homem, mulher e filhos.

    Que Deus esteja com todos nós.

    Charles

    • Marcelo Todaro disse:

      Charles, apaguei seu endereço de e-mail porque não é bom expô-lo publicamente, como você teve a intenção de fazer.

      Concordo com você em tudo que disse. Quando passeatas e paradas em defesa dos valores familiares instituídos por Deus forem organizadas, serei o primeiro a estar nelas.

      Um abraço!

      • Charles disse:

        É uma pena que nesse “país maravilhoso” as pessoas só se mobilizem por futilidades como BBB e futebol…também aguardo ansiosamente estas passeatas em defesa da família…

        Um abraço e fique com Deus.

  13. Daniel disse:

    Prezado Sr. Marcelo,

    Sou estudante universitário e tenho 24 anos de idade. Há algum tempo atrás eu havia comentado o seu texto aqui. Eu o fiz logo depois de me assumir como gay para toda a minha família e meus amigos. Depois de quase um ano vivendo minha sexualidade abertamente, sinto-me muito realizado e feliz. Durante o último ano, entrei em contato com inúmeros jovens homossexuais e participei de algumas organizações, nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha, de apoio psicológico a jovens que enfrentam dificuldades em se assumir como gays. Infelizmente não temos organizações como estas no Brasil ainda, mas espero que elas possam se desenvolver nos próximos anos em nossa terra. Meu principal objetivo como voluntário nessas organizações foi levar uma palavra de esperança a jovens atormentados pelo medo e pela vergonha, jovens que estavam profundamente tristes. Busquei demonstrar que ser homossexual não anulava nenhum projeto de vida que eles poderiam nutrir (mesmo o projeto de ter uma família) e que ser homossexual não precisava significar uma renúncia de seu relacionamento com Deus. Hoje tenho orgulho de ser homossexual e saber esse fato não me difere de qualquer outro rapaz de 24 anos no mundo. Meus pensamentos e minhas obras testificam o amor de Deus e tenho vivido uma vida baseada não apenas em simples palavras, na sim, na prática efetiva dos preceitos que acredito.

    Peço desculpas desde já pelo que irei escrever aqui em seu blog. Contudo, gostaria que o senhor lesse o meu post com atenção. Não pretendo criticar nenhum ponto específico de seu texto (coisa que já fiz anteriormente), mas apenas chamar-lhe a atenção para as consequências de seus argumentos.

    O senhor pretende colocar palavras na boca de Deus em prol tão somente de uma atitude de intolerância e preconceito; uma atitude que se recusa a compreender o que de fato é a homossexualidade e o que de fato são os sentimentos nutridos por uma pessoa do mesmo sexo. O senhor certamente me dirá que minhas palavras não possuem fundamento algum diante de presumíveis desígnios eternos de Deus. Contudo, recuso-me a acreditar nesta ladainha e nas suas admoestações pelo simples fato de que o mundo de onde as palavras da bíblia nasceram era outro. Para os profetas que a escreveram o mundo não era maior que a extensão do oriente médio. Desconheciam-se por completo outras culturas e outras regiões do mundo. O Deus da bíblia, especialmente aquele Deus do Velho Testamento, era apenas o deus que a consciência dos homens daquela época permitia que tivessem.

    Existem muitas passagem no Velho Testamento que hoje praticamente todas as religiões cristãs abandonaram de praticar e, portanto, se recusam a interpretá-las de maneira literal; como uma passagem em deuteronômio que diz que uma criança que desobedecesse aos pais deveria ser morta ou uma mulher adúltera apedrejada até a morte. Por que não colocamos essas passagens em prática nos dias atuais? Pelo simples fato de sabermos que elas respondiam a uma prática mortal e histórica daquele momento. Então por que continuar a usar as controversas passagens do velho testamento sobre relações sexuais entre dois homens como se fosse uma verdade eterna? Não figura nenhuma referência ao homossexualismo entre os dez mandamentos e, Jesus Cristo, no novo testamento, resumiu o seu evangelho a dois grandes preceitos: amar a Deus sobre todas as coisas e ao teu próximo como a ti mesmo. Naturalmente, sabemos que esse amar a Deus significa também seguir as suas palavras. Contudo, é muita irresponsabilidade colocar algumas passagens isoladas sobre relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo, que aparecem de forma tão escassa em toda a Bíblia, como um desígnio eterno e irredutível de uma presumível natureza humana criada por Deus que obrigaria a todos os homens a serem simplesmente heterossexuais.

    Contudo, um fato mais importante do que essas disputas inférteis sobre quem está certo ou errado na interpretação das presumíveis palavras de Deus na Bíblia, é alertar para o rastro destrutível de intolerância que posições como a sua alimentam na cabeça de inúmeras pessoas, inclusive dos próprios homossexuais que temem aceitar a sua própria natureza e a sua própria sexualidade. A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos dias aceita a existência da homossexualidade entre seres humanos, mas se recusa a apoiar esta prática e, portanto, sugere uma vida baseada na abstinência sexual de seus membros gays, incentivando-os a permanecer na igreja, seguir os seus preceitos, mesmo que eles não possam desfrutar de todas as benções que os demais membros heterossexuais poderão usufruir. Os gays não terão acesso ao mais alto grau de glória no mundo celestial pelo simples fato de serem gays; terão que passar todas as suas vidas renunciando a seus desejos sexuais naturais, mesmo que dentro de uma relação monogâmica com outra pessoa do mesmo sexo. Tudo isso, a meu ver, é um profundo dano às vidas destas pessoas; elas terão que renunciar a si mesmas em prol de preceitos errôneos, criados tão somente pelo preconceito e a intolerância humana. Além disso, este tipo de prática religiosa pode ocasionar em profundos danos psicológicos, especialmente em relação a adolescentes e jovens.

    Eu passei toda a minha adolescência lutando contra a minha homossexualidade, orando diariamente para deus e me punindo todas as vezes que meu coração batia mais forte não por uma moça, mas sim por um rapaz. Passei toda a minha adolescência e o início da minha vida adulta recusando a minha sexualidade, sempre baixando os olhos e guardando a aflição para mim mesmo. Nunca transgredi a lei da castidade e nunca me permiti cair “em tentações”. Mas o único resultado que obtive foi uma angústia cada vez maior que parecia tirar toda a alegria de minha vida e que me tornava uma espécie de robô, vazio de sentimentos. Entendo que deus é o mesmo ontem, hoje e sempre. Contudo, isso não significa que certas práticas sejam as mesmas e isso não impede que suas palavras sejam confrontadas com novas realidades colocadas por uma sociedade que nunca é a mesma, que está sempre mudando. Devo lembrar que a própria igreja está sempre mudando. No século XIX era impensável o sacerdócio entre pessoas negras e os homens daquela época se posicionariam como o senhor agora, dizendo que seria um verdadeiro sacrilégio dizer o contrário. Há pouquíssimas evidências de que o templo, como aquele existente no velho testamento, tenha sido adotado pelos primeiros cristãos e Jesus Cristo, ao menos na Bíblia, pouco se deteve a falar sobre rituais religiosos. Os rituais foram se modificando ao decorrer do tempo, ganhando novas feições de acordo com as exigências de cada sociedade.

    Os índices de suicídio entre jovens gays é assustador em todo o mundo. Inúmeras organizações e instituições governamentais são unanimes em afirmar que boa parte dessas mortes poderia ter sido evitada se os pais e amigos desses jovens antes de julgá-los e se recusar a entendê-los parassem e simplesmente ouvissem o que eles tinham a dizer a respeito de seus sentimentos. Há muitos jovens que certamente não desejariam ser homossexuais, mas já desde crianças manifestaram que eram diferentes. O senhor não faz ideia o quão angustiante é passar toda a sua vida desejando amar uma mulher, mas simplesmente nunca conseguir. O senhor não faz ideia da tristeza que é sentir o seu coração bater mais forte por um rapaz e, numa conversa de domingo em família, quando todos estão falando de suas paixões, você nunca poder contar por quem realmente se apaixonou. Nunca poder falar, como outras pessoas, que você sentiu um frio na barriga quando ele sorriu na sua direção. Enquanto todos os jovens de minha idade se divertiam a falar de seus amores, eu não podia nunca dizer nada sobre os meus. Eu dançava com moças nas festas da igreja enquanto meu olhar sempre fugia de meu controle em direção aos rapazes. Eu temia perder a amizade das pessoas que amava, temia perder o respeito e a confiança de meus pais caso contasse a verdade. Até hoje eu não entendo como o simples fato de eu gostar de outro rapaz poderia figurar para algumas pessoas como um sério empecilho ao meu bom caráter, como se ser gay anulasse todos os meus bons sentimentos, minha fé em Deus e meus atos de bondade. O senhor não faz ideia da sensação de ser privado de viver os seus verdadeiros sentimentos em prol de uma farsa criada pelo julgamento apressado de outras pessoas que nem ao menos compreendiam o que eu sentia.

    Nunca poder falar de seus verdadeiros sentimentos e ser sempre interrompido por pastores que apresentam uma resposta pronta na ponta da língua, que passam por cima dos sentimentos mais nobres em prol de uma fé cega e fria. Eles simplesmente possuíam seus ouvidos fechados demais para ouvir as minhas palavras e seus olhos cerrados demais para compreender o que eu realmente queria dizer. Eu nunca desejei nada diferente de outro rapaz de minha idade, eu nunca me comportei de modo diferente. Minha única diferença era que em vez de uma namorada eu teria um namorado, nada mais do que isso. Não entendo como este simples fato possa afrontar a tantas pessoas, causar o temor a congregações inteiras e fazer com que tantos homens de deus usem sua inteligência num sentido errado, se permitindo a adotar visões grosseiras das palavras escritas na Bíblia. Uma fé cega, marcada pelo ódio e pela intolerância é, a meu ver, tão infértil quanto uma fé sem obras.

    • Marcelo Todaro disse:

      Daniel,

      Não obstante o fato de você aparentemente ter se prendido a apenas uma pequena parte de meu artigo e convenientemente ignorado todo o resto (já que não teceu consideração alguma sobre nada que não diga respeito apenas a esse pequeno trecho), você produziu uma peça de rancor e ressentimento longa demais para que eu comente e contraponha todos os muitos e lamentáveis equívocos de uma argumentação emaranhada numa teia de racionalismos humanos cunhados para justificar sua opção sexual. Não tenho tempo nem disposição para isso.

      O que escrevi em meu artigo (todo ele, e não só a parte citada por você) baseia-se no que conheço da mente de Deus a respeito. E conheço não apenas por constar nas escrituras, mas porque tenho um canal de comunicação direta com Ele por meio do qual obtenho muitas respostas Dele a respeito de muitas coisas (e você JAMAIS poderá dizer que não tenho esse canal ou que não recebi de Deus luz e conhecimento sobre o assunto). Por isso escrevi o que escrevi, mantenho tudo o que disse e não me desculpo. Sinto muito se você não gosta disso, não fui eu que quis que as coisas fossem assim. Se acha que alguém deve ser responsabilizado por isso, deve responsabilizar o próprio Deus (caso tenha essa audácia), não a mim.

      Não me faz rigorosamente nenhuma diferença se você me julga um fanático preconceituoso ignorante portador de uma fé cega e blablablá. O julgamento com o qual me importo é o de Deus, não o seu. É por Ele que quero ser honrado, não pelos gays nem por homem algum. Estou absolutamente em paz com minha consciência e com Ele. Isso me basta.

      O que me consola em todo esse samba do crioulo doido é saber que a segunda vinda de Cristo está aí e logo saberemos quem tem razão. Aguado esse dia com grande ansiedade. Estou absolutamente seguro de que para mim será um dia agradável e feliz. Espero que seja para você também.

      Viva feliz com sua escolha que viverei com a minha. Como o Senhor mesmo disse: “Que julgue Deus entre mim e ti e te recompense de acordo com teus feitos.” (D&C 64:11)

      Felicidades, sucesso, tudo de bom pra você e sua família. 😉

      • Daniel disse:

        Prezado Marcelo,

        Fico surpreso que você consiga conhecer a “mente de Deus”, mas não o saúdo pela excessiva confiança que você mantém com relação ao isso, pois diria que esta sua afirmação é um exercício muito perigoso que poderia culminar numa atitude completamente distante daquela ensinada pelo próprio Deus de maneira clara em suas escrituras: a humildade e a sobriedade. Naturalmente, eu não posso colocar em dúvida a natureza de suas revelações pessoais e, sinceramente, jamais me passou pela cabeça fazer isso. Contudo, já que estamos falando sobre isso, você sabe melhor do que eu dos perigos de se confundir entre inspiração divina e inspiração humana que reclama algo de divino. Deus manifesta suas palavras de uma maneira bastante clara e simples e o fruto de suas palavras somente poderá ser o bem.
        Mas, acredito que você não compreendeu a intenção do meu último comentário e, provavelmente, o leu rápido demais. Como reiterei acima, não era meu propósito fazer uma discussão em pormenores das suas idéias, porque eu já havia feito isso em comentários anteriores nesta mesma página (e creio que não teria mais nada a acrescentar quanto a isso). Eu apenas escrevi este novo comentário para destacar o que considero ser um dos problemas da intolerância em relação aos homossexuais; destacar como esta intolerância é corrosiva na vida de um jovem gay.
        Causou-me surpresa e desapontamento que você tenha visto minhas palavras como uma “peça de rancor e ressentimento longa demais”. Da minha parte, não considero que haja rancor ou ressentimento no que escrevi, pois apenas fiz um relato de uma experiência pessoal e a contrapus ao que conheço de outras histórias de jovens gays. Naturalmente, este relato não deve ser cômodo de ser lido por pessoas que pensam de maneira distinta da minha. Contudo, por se tratar de um simples relato pessoal, me surpreende que você queira falar em “lamentáveis equívocos de uma argumentação emaranhada numa teia de racionalismos humanos…” criadas para justificar minha “opção sexual”. Concordo com você de que é um relato criado para justificar minha orientação sexual e de que ele é reflexo do racionalismo humano. Todos os seres humanos recorrem à racionalidade, ainda que de modos bastante diferentes. Todos os seus argumentos contra o casamento gay são igualmente pura racionalidade humana, já que suas justificativas e suas correlações não estão dadas diretamente em lugar algum; pelo menos, não do modo como você as endereça. Porém, me causa espanto que você queira colocar em dúvida os meus próprios sentimentos. É justamente contra este tipo de atitude que eu escrevia. Um tipo de atitude que é muita rápida no julgar, mas completamente displicente no ponderar e no ouvir o que está sendo dito. Que se atêm mais aos preceitos do que as pessoas que estão diante dela. Talvez seja este um dos grandes desafios para os lideres religiosos de todo o mundo; eles precisam compreender que seus discursos não devem ficar isolados numa torre de marfim distante de pessoas reais, de carne, ossos e coração.
        Não há rancor com relação ao meu passado de membro da Igreja. Tenho plena certeza de que jamais teria desenvolvido minhas idéias, como as manifestei nos meus comentários aqui, se não tivesse vivido minha juventude como mórmon. Apenas quis alertar você para um fato que creio que você não pode negar: o fato de que, nas intermináveis batalhas religiosas contra a homossexualidade, muitos jovens acabam perecendo, perdendo suas esperanças na vida e em si mesmos, tudo porque, um grupo de pessoas que sente autorizado por Deus se recusa a pelo menos buscar compreender os seus sentimentos mais simples. Naturalmente, é muito cômodo para todos os que se manifestam contra os homossexuais apresentar histórias de depravação e promiscuidades, alertar para os perigos que corre a família tradicional, contudo, quando se trata de eles reconhecerem o rastro de destruição que seus discursos deixaram pelo caminho, todos adquirem uma postura defensiva e fecham os olhos para fatos corriqueiros como o índice de suicídio entre jovens gays e a completa falta de apoio e a completa solidão que muitos enfrentam sem ao menos compreender exatamente o porquê de tamanha intolerância. Acredito que todos devem ter o direito de defender suas opiniões, mas também devem ter o dever de reconhecer as conseqüências de seus argumentos, a extensão de suas palavras no mundo. Naturalmente, você não deve tomar as minhas palavras como uma acusação. Seria algo completamente distante de meu objetivo.

        • Marcelo Todaro disse:

          Vou repetir o que eu disse antes: a segunda vinda está aí e logo saberemos quem tinha razão. Espero que você esteja preparado para dizer ao Senhor tudo o que me disse. Veremos se Ele aceitará sua argumentação.

          Repetindo também: viva feliz com sua escolha que viverei com a minha. Como o Senhor mesmo disse: “Que julgue Deus entre mim e ti e te recompense de acordo com teus feitos.” (D&C 64:11)

          Um abraço!

    • Karina disse:

      Bom, como você pode dizer que Deus não é contra esse tipo de coisa?
      Já leu a bíblia inteira? É mais do que claro que Deus não aprova esse tipo de união!

      Todos nós nesse mundo temos dificuldades e não somos 100% felizes em todos os momentos, já passou pela sua cabeça que o seu desejo por pessoas do mesmo sexo seja algo que você precisa enfrentar dentro de si mesmo, e não enfrentar diante da sociedade.

      Pegando um exemplo hétero:

      Sabemos que a bíblia é contra o ato sexual antes do casamento, um casal de namoradinho héteros precisam se segurar muito para não cair em pecado, e isso é uma dificuldade que eles precisam enfrentar, seria errado agir apenas por impulso. Antes que você diga que ninguém casa virgem mais, que isso não existe e tal, saiba que essa é minha intenção!

      A bíblia deixa bem claro que a Deus não agrada o ato sexual fecal, como faram então um com o outro? Sabemos que atualmente casais héteros também fazem isso, mas não significa que não seja pecado.

      Não procure distorce o que a bíblia diz, como as pessoas que elaboram a bíblia gay.

      Se tiver condições sugiro que leia a bíblia nos textos originais capturados no Mar Morto, mas se não souber hebraico, aramaico e grego, leia A BÍBLIA DE JERUSALÉM que é traduzida direto os originais, as chances de distorções são menores comparadas as traduções vulgatas.

  14. Marcelo Todaro disse:

    O comentário do leitor Fábio (e-mail fabiozetum@y…) foi apagado por violar os termos do aviso “IMPORTANTE”, abaixo, e por sua óbvia intenção de meramente denegrir, tumultuar e criticar por criticar.

  15. Renato disse:

    Eu não acredito que seja inteligente usar argumentos religiosos para combater o direito de outras pessoas de se unirem umas às outras. Jamais ficou comprovada a existência de deus ou não. Os homossexuais são um fato, eles existem, eles convivem entre todos nós e vêm sofrendo há tempos imemoriais, padecendo de perseguições inenarráveis.
    É necessário que eles sejam inseridos na sociedade, concedendo-lhes os direitos que ainda não possuem. Discussões sérias acerca de políticas de inserção e combate ao preconceito, não um monte de falácias religiosas. Não precisa gostar de gay e nem concordar, mas o respeito é fundamental e vedar seu acesso a certos direitos é ridículo.
    Quanto à função do casal. Não imagino porque permitem que casais estéreis unam-se, sendo que não cumprem com seu papel reprodutor, não obedecendo aos desígnios do evangelho de ide e multiplicardes.
    A boca foi feita para comer, vocês a usam para beijar. Independentemente da região do corpo que lhes gerem prazer, é prazer, é orgânico, é natural.
    Enfim, você está muito errado.

    • Marcelo Todaro disse:

      Renato,

      Obrigado por manifestar sua opinião. Todavia, como digo na resposta ao seu outro comentário, a opinião que mais considero é a de Deus. Leia a citação que escrevi no subtítulo do blog: “Não escrevo coisas que agradam ao mundo, mas que agradam a Deus e aos que não são do mundo.” (1 Néfi 6:5)

      Por conhecer a opinião Dele é que sei que o homossexualismo, o casamento gay, etc., são diametralmente contrários ao propósito da Criação. Não estou com isso dizendo que sou contra os gays, e sim contra a alteração na definição de casamento para que se inclua a opção de matrimônio entre pessoas do mesmo sexo, pelos motivos que exponho no artigo.

      Quanto aos direitos que você acha que os gays ainda precisam ganhar, eu gostaria novamente de recomendar-lhe a leitura do excelente artigo Parada gay, cabra e espinafre, de J.R. Guzzo, publicado na edição 2295 (14 de novembro de 2012) da revista Veja. Sobre o assunto específico dos direitos dos gays, Guzzo diz: “de tanto insistirem que os homossexuais sejam tratados como uma categoria diferente de cidadãos, merecedora de mais e mais direitos, ou como uma espécie ameaçada a ser protegida por uma coleção cada vez maior de leis, os patronos da causa gay tropeçam frequentemente na lógica — e se afastam, com isso, de seu objetivo central”. Saiba por que lendo o restante do artigo, é bastante esclarecedor.

      Por fim, a existência de Deus só não é comprovável para quem não quer comprová-la. Sei que Deus existe porque tenho um relacionamento íntimo e pessoal com Ele. E, antes que você diga ou pense a bobagem a seguir, não é um mero crer ou desejo de acreditar: eu realmente SEI que Ele existe. E ninguém pode dizer que não sei, ou que não tenho com Ele o relacionamento que afirmo ter. O fato de você eventualmente duvidar disso não significa rigorosamente NADA diante da realidade de minha comprovação empírica de Sua existência. Não há nada que alguém possa dizer capaz de me fazer duvidar do que sei por conhecimento tácito. Seria querer eliminar meus resultados práticos com simples e reles especulação. E o fato de você não ser capaz de comprovar a existência Dele por si mesmo não significa que ninguém mais seja.

      Portanto, é por meu conhecimento tácito de Deus e de Sua opinião sobre o tema que sei que Ele não aprova o casamento gay. Por conseguinte, eu também não. Dia virá em que você será obrigado a reconhecer isso, então será convencido pelos fatos quando lhe forem apresentados.

      Não acredita? Então espere pra ver!

      • Ivan Borges Brito disse:

        Se tu só encaminha sua fala a quem acredita em Deus, e melhor, acredita nele como você o enxerga, aplique suas leis apenas a tais pessoas.
        Aqui não coloco nem em dúvida a sua argumentação, apenas a validade de você colocar isso como lei para toda uma população que pode ou não compartilhar de sua crença.
        Se mesmo assim ainda acha que é seu dever moral e religioso impor suas convicções para todos, desejo-te sorte e cuidado.

        • Marcelo Todaro disse:

          Ivan disse:

          Se tu só encaminha sua fala a quem acredita em Deus, e melhor, acredita nele como você o enxerga, aplique suas leis apenas a tais pessoas.

          Não entendi por que você acha que só me dirijo aos que crêem em Deus. Dirijo-me a todos, indistintamente. E é justamente aos céticos que digo: “Não acredita? Então espere pra ver.”

          Aqui não coloco nem em dúvida a sua argumentação, apenas a validade de você colocar isso como lei para toda uma população que pode ou não compartilhar de sua crença.

          Você está me interpretando mal. Não tenho o poder nem o direito de colocar lei alguma para ninguém. A lei quem coloca é quem tem esse direito e esse poder.

          Meu artigo inteiro e todos os meus comentários baseiam-se em meu conhecimento da lei de Deus. Uma das diferenças entre a lei de Deus e a do homem é que a desobediência à lei de Deus pode não trazer consequências tão imediatas quanto a do homem, mas são de profundidade e duração muito maiores. Uma pessoa pode passar sua vida inteira desprezando a lei de Deus sem sofrer qualquer aparente consequência imediata por isso, mas as consequências virão (e aqui é que digo aos céticos que, se não acreditam, esperem para ver).

          Esse é o caso dos que defendem o casamento gay. O casamento gay é uma violação da lei de Deus tanto quanto o homicídio, o roubo, a mentira, o adultério, a cobiça, etc., etc. A diferença é que parece haver consenso de que estes últimos são atos errados que ninguém deve praticar, sendo que o casamento gay também é uma violação da lei divina. Então, como digo no artigo, às vezes me pergunto que critérios a sociedade usa para decidir qual dessas violações deverá tornar-se legal só porque um grupo minoritário assim o quer, citando como exemplo os defensores e praticantes do incesto e da pedofilia. Tudo isso — casamento gay inclusive — viola a lei de Deus.

          Novamente, não estou colocando lei pra ninguém. Estou afirmando haver uma lei maior, divina, que nos proíbe de fazer todas essas coisas. E afirmo também que a violação a essa lei traz consequências temporais e eternas.

          Se mesmo assim ainda acha que é seu dever moral e religioso impor suas convicções para todos, desejo-te sorte e cuidado.

          Interessante. Então você acha que estou tentando “impor” minhas convicções, mas os que me xingam, criticam, insultam, ultrajam e agridem por causa da defesa de meu ponto de vista não estão tentando impor as deles, certo? Quer dizer que eles têm o direito de empurrar a ideologia gay goela abaixo em todo mundo e todos têm que baixar a cabeça e dizer amém, sendo que isso não é impor nada, é isso?

          Sinto muito se você não gosta do que digo, Ivan. Não escrevi este artigo nem me defendi nos comentários para agradar ninguém ou me fazer popular. Meu propósito não é angariar o louvor da sociedade. Veja o que digo lá no subtítulo do blog: “Não escrevo coisas que agradam ao mundo, mas que agradam a Deus e aos que não são do mundo.” Eu simplesmente defendo o que sei ser verdade pelo ponto de vista de Deus. O universo inteiro pode discordar de mim, mas o conhecimento que tenho me foi dado por Deus e só Ele pode tirar de mim o que me deu. Por isso é que defendo meu testemunho até minha última gota de sangue, se for preciso. Sei que serei odiado por isso até a hora de minha morte e que uma legião de debochados e escarnecedores poderá ir dançar e festejar sobre meu túmulo quando eu passar para o outro lado do véu, mas isso em nada mudará o fato de que o casamento gay viola a lei de Deus e essa violação (assim como qualquer outra) cobrará seu preço em seu devido tempo.

          E, novamente: não acredita? Então espere para ver.

          Um abraço!

    • Karina disse:

      Meu caro,

      Casamento por si só já é religioso, se não acredita em Deus por que quer casar?
      Não venha com essa: Só queiro o civil.
      O civil é apenas para garantir direitos, nesse caso um contrato de união estável também serve. Ou vc quer casar apenas para modificar o estado civil do RG?

      Se vocês querem ter o direito de namorar, namorem, mas ai fazer com que achemos isso normal é demais!

  16. Alexandra disse:

    Desculpe concordar com o Senhor, mas o casamento simboliza a união afetiva do casal, a admiração e junção de dos seres que se amam e querem ficar juntos.
    Você sendo um cristão deveria saber melhor que todos os outros que Deus jamais julgaria qualquer pessoa, Ele é bondoso, paciente e acima de tudo RESPEITA A TO,DOS.
    O ser humano é um, entre em média 300 outras espécies de animais, que são homossexuais, ou seja, a homossexualidade não foi invetada, e sim sentida.Ela sempre existiu, mas pelo histórico das épocas passadas era quase IMPOSSIVEl um ser humano admitir sentir-se atraido por um outro ser humano do mesmo sexo. E se alguem ousasse “sair da linha” era violentado pela igreja, familiares e desconhecidos.
    Enfim, para de excretar pela boca, viva sua vida e deixe as pessoas viverem as dela.
    A polêmica do casamento gay é a relativa a polêmica da mulher trabalhar no sec. XIX, tudo gira em torno de uma única palavra e ato, o PRECONCEITO.
    Preconceito = pessoas ignorantes o possuem, por isso são considerados sêmens.
    Preconceito é um ato irritante que vem de pessoas medíocres e sem escrúpulos, PRECONCEITO MACHUCA, tanto fisicamente( como tem ocorrido ultimamente com as surras que todos os gays estão levando de semens que pensam da mesma forma que você ), como psicológica mente.
    Espero que Deus abra seus olhos e te tire dessa alienação a respeito, seja feliz meu querido!! desejo o melhor para ti e para todos que existem nesse mundo! um abraço e fique com Deus.. só para recorda-lo, todos SER HUMANO TEM DIREITOS IGUAIS, ou seja, se você pode casar tranquilamente com sua mulher/marido, o gay também pode casar com seu marido/mulher. O direito do casamento gay é nobre. ABRAÇO

    • Marcelo Todaro disse:

      Alexandra, aparentemente você não leu meu artigo. Se leu, não o leu por inteiro, ou não o entendeu. Então, recomendo que volte a ele e o leia com calma e atenção, do começo ao fim. Depois que o ler e o compreender, fique a vontade para comentá-lo.

      Um abraço!

    • marcilio leão disse:

      Cara Srta Alexandra

      1) O homossexualismo acontece entre algumas espécies de animais como ato fortuito, por exemplo entre macacos bonobos, golfinhos, e eté leões. não é generalizado entre TODAS as espécies de animais. Mesmo assim, os animais NÃO substituem sua forma procriativa por uma associação do mesmo sexo, pelo contrário eles as usam como estratégia de manutenção da prole, ou para atingir o objeto de procriar com parceiro de outro sexo. ex: certos insétos se mimetizam (disfarçam) de fêmeas para sorrateiramente ter acesso às fêmeas, sem enfrentar os machos dominantes, não que eles sejam “travestis”, é só estratégia. Algumas espécies de peixe mudam de sexo realmente, desenvolvem todos os órgãos necessários para procriar como machos, quando nasceram fêmeas! NÃO se trata de sapatão mas machos genéticos. .Enfim… na natureza não homosexuais escolhendo sê-lo por prazer, o que existe é mimetização para poder reproduzir – exatamente o contrário do que ocorre entre humanos. Não há casais de leões que preferem sexo entre machos, mas de leões que se associam para ter melhor acesso às fêmeas!

      2) Na natureza existe o “infanticídio”, o canibalismo, o sacrifício do mais fraco, etc…… não é porque exista tal coisa que seja ela admitida como “normal”

      3) O homosexualismo é uma patologia, doença psico-social classificada como distúrbio de comportamento até 1973, quando por pressão do lobby homossexual, foi retirado do index de doenças. Contribuiu para isso o relatório Kinsey – um homossexual doentio e pedófilo que falseou dados de pesquisa para chegar ao resultado de que todos, em algum grau, são homossexuais.

      4) Como você deve saber, toda doença tem seu grau de afetação, de sintomas, de danos etc….. alguns homossexuais são tão discretos e com libido tão proxima do normal, que repudiam o gay ostensivo e afetado, inclusive têm prazer sexual com indivíduos de outro sexo. Por outro lado, existem gays cujo distúrbio é tão evidente que coloca em cheque a neutralidade da posição dos “Conselhos de Psicologia”. É o caso do indivíduo que tem pênis, testículo, escroto, pomo de adão, esperma, etc….MAS se percebe como mulher, chegando a mutilar-se, estirpando órgãos, colocando silicone nas nádegas, nos seios, envenenando-se com hormônios, etc….. tuodo para aparentar ser de outro sexo.Aqui há uma clareza absurda sobre as patologias que acometem esse indivíduo: perda de parecepção da realidade, conflito de identidade, rejeição ao corpo, identificação delirante, complexo de falsa memória (suas memórias são de mulher), mimetismo de comportamento indevido ao sexo, e o mais óbvio de todos os delírios perceber-se uma mulher “presa” no corpo de um homem.

      5) Simplemente é ridículo que os Conselhos de Psicologia NEGUEM o tratamento a esses indivíduos que VOLUNTARIAMENTE o procuram, sob a desculpa esfarapada e irresponsável de que estariam contribuindo para o preconceito! Na verdade estão se desmoralizando como ciência efetiva, capaz de aceitar as evidências mais claras.

      6) Existe preconceito sim! preconceito é um concepção, uma idéia, formada à priori, sem conhecimento de causa, na base da ignorância. Existe também muito “mau – conceito”, ou seja passoas que não gostam do homossexualismo , não por serem ignorantes quanto à questão mas sim porque não aprovam este tipo de comportamento.

      7) A repulsa ao homossexual é uma questão cultural, seja por preconceito ou “mau-conceito”, não tem sentido a sociedade regular as preferências sexuais de alguém, nem Deus faz isso!. Todos são livres para escolher o seu caminho. Contudo, o inverso também é verdadeiro!, ninguem pode ser obrigado a concordar com este tipo de coisa – “gostar” do homossexualismo ou de seus praticantes, o que nos leva a outra questão: vivemos em sociedade. As leis existem para regular nossas condutas civis, o casamento juridíco é uma forma de organização social – a mais basilar de todas – sem as famílias não existe sociedade.E não se pode flexibilizar essa estrutura, como fez o STF, as consequências serão diversas e drásticas desde insegurança jurídica à deficit previdenciário!

      Concluindo: lamento pelo sofrimento que o preconceito lhe traz, as pessoas deviam tratar os demais com igualdade, já concordar com elas é questão totalmente diferente! o pior mesmo é tentar OBRIGAR a anuência comportamental, via leis tipo pl122/2006 por supressaõ e criminalozaçõa de opiniões.

      • Renato disse:

        Caro Marcílio,
        As relações entre negros e brancos também foram consideradas anormais durante séculos. A comparação que você faz entre relação homoafetiva e pedofilia é descabida, porque uma criança é incapaz de entender um relacionamento, os sentimentos envolvidos e suas consequências, por isso é uma doença. A homossexualidade é uma expressão da sexualidade humana e é absolutamente normal e recorrente.
        Ninguém quer obrigar as pessoas a gostarem de gays, o que se procura é uma alternativa para coibir crimes cometidos contra o homossexual. O crime de racismo é grave e inafiançável, as pessoas sentem-se coibidas a não agredir um negro em razão de sua cor. O meu dessabor é em crer que muitos crimes não-homofóbicos sejam julgados como tal.
        As relações homoafetivas podem sim constituir família, não gerando nenhuma consequência ruim à criança. Gays nascem de pais heterossexuais. É uma condição sexual: nasce gay, morre gay. Quem é gay sabe que nunca houve atração por alguém do sexo oposto. A teoria de que isso é um comportamento, ao meu ver, é errônea. Voltando, o casamento entre pessoas de mesmo sexo não destruirá o casamento já existente (e que já está em processo de falência, sendo substituído por simples uniões estáveis, recentemente). Uma coisa não impede a outra de ocorrer.

        • Marcelo Todaro disse:

          Renato disse:

          A homossexualidade é uma expressão da sexualidade humana e é absolutamente normal e recorrente.

          Normal pelo ponto de vista de quem?

          Em meu artigo aplico ao assunto uma conotação predominantemente espiritual e é assim que vou continuar tratando dele nestes comentários e em quaisquer conversas que eu vier a ter pelo resto da vida.

          Para mim, a opinião que importa é a do Criador de todos nós. Ele já Se manifestou ad nauseam sobre o assunto, mas, como a humanidade insiste em não dar ouvidos a Ele, preferindo adotar o ponto de vista que mais lhe convém (como o de achar que o homossexualismo é algo normal), Ele continua Se manifestando por meio de Seus representantes autorizados na Terra e assim continuará até que Ele próprio venha e ponha termo ao que não está de acordo com Sua lei. Aí veremos o que é normal e o que não é em termos de prática sexual. E então, espero que os que acham o homossexualismo “normal” gostem de surpresas.

          Ninguém quer obrigar as pessoas a gostarem de gays, o que se procura é uma alternativa para coibir crimes cometidos contra o homossexual.

          Recomendo-lhe fortemente a leitura do excelente artigo Parada gay, cabra e espinafre, de J.R. Guzzo, publicado na edição na edição 2295 (14 de novembro de 2012) da revista Veja. Dentre outros argumentos muito sóbrios, Guzzo diz: “Não há nenhum delito contra os homossexuais que já não seja punido pela legislação penal existente hoje no Brasil. Como a invenção de um novo crime poderia aumentar a segurança dos gays num país onde 90% dos homicídios nem sequer chegam a ser julgados? A ‘criminalização da homofobia’ é uma postura primitiva do ponto de vista jurídico, aleijada na lógica e impossível de ser executada na prática”. Leia o artigo inteiro, inclusive a continuação deste parágrafo, é bastante esclarecedor.

          As relações homoafetivas podem sim constituir família, não gerando nenhuma consequência ruim à criança.

          Você tem como provar o que está afirmando?

          Os estudos sociológicos são controversos e politicamente tendenciosos no que diz respeito aos efeitos a longo prazo sobre essas crianças. Como observou um colunista do jornal The New York Times, “o casamento entre pessoas do mesmo sexo é uma experiência social e, como na maioria das experiências, levará tempo para se compreender suas consequências”. (Douthat, “Gay Parents and the Marriage Debate”.)

          O último e mais minucioso estudo encontra desvantagens significativas relatadas por jovens adultos que têm um dos pais envolvido num relacionamento homossexual antes de o filho ter 18 anos de idade (ver Mark Regnerus, “How Different Are the Adult Children of Parents Who Have Same-Sex Relationships? Findings from the New Family Structures Study”, Social Science Research, vol. 41, 2012, pp. 752-770.)

          Como se não bastasse, ser criada num lar gay traz à criança a consequência perniciosa de perder a noção de família conforme instituída por Deus e fortalecer a cultura gay, que é flagrantemente contrária à lei de Deus. Só isso já é motivo suficiente para que não se permitisse a adoção de crianças por casais gays, como digo no artigo A controversa questão da adoção de crianças por casais gays.

          É uma condição sexual: nasce gay, morre gay. (…) A teoria de que isso é um comportamento, ao meu ver, é errônea.

          Uma autoridade científica no assunto já se manifestou contrário a essa opinião. Segundo ele, ninguém nasce gay. Até onde me consta, você não é cientista, nem pesquisador do assunto. Então, entre a opinião dele e a sua, fico com a dele — até porque a opinião dele como cientista se coaduna melhor com o propósito da Criação.

          o casamento entre pessoas de mesmo sexo não destruirá o casamento já existente (e que já está em processo de falência, sendo substituído por simples uniões estáveis, recentemente)

          Pesquisa do Ibope mostrou que 55% das pessoas são contra união estável gay. A mesma pesquisa mostrou que a maioria da população é contrária à adoção de crianças por casais gays. Por que você acha que isso ocorre? Simples: porque a maioria da população tem noção do caráter sagrado da família e sente ser errado subverter esse caráter para atender os anseios de um grupo minoritário, ainda mais sabendo que tais anseios são contrários à lei de Deus.

          Dizer que o casamento conforme instituído por Deus está “em processo de falência” não encontra nenhum fundamento lógico ou estatístico, especialmente considerando que só quem sustenta essa tese são os que não acreditam no caráter sagrado da instituição matrimonial. Felizmente, contudo, o pensamento ateu é pouco representativo no mundo, portanto o percentual dos que acreditam em Deus é substancialmente grande para manter a crença de que o casamento é uma necessidade e um mandamento divino e, consequentemente, vai continuar existindo.

      • *** disse:

        Marcilio… tenho pena de ti. Permite-me discordar de tudo o que disseste. os homoxessuais não são doentes. Na minha opinião quem está doente, diagnosticado com a pior doença possível, PRECONCEITO, és tu. Eu ainda argumento e tento perceber pontos de vista de concordo/não concordo, agora chamar à homoxessualidade uma doença é descer muito baixo e demonstra que não conseguiste arranjar forma de comentares contra de uma maneira razoável.

  17. Emma Soares disse:

    Prezado Marcelo,

    Acho louvável que você defenda sua fé e os princípios do cristianismo na perspectiva mórmon. Mas não posso eximir-me de manifestar-me acerca de pontos de vista que você defende e que são, inclusive, perigosos para a preservação da liberdade religiosa.

    Antes de qualquer coisa, quero dizer que fui socializada, desde criança, antes mesmo da idade de batismo, nos princípios da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Meus pais ocuparam postos de liderança na igreja. “Enfim, cresci num ambiente propício para que jamais me ‘tornasse” “lésbica” (prefiro dizer gay). Aliás, não sei como as pessoas enfatizam tanto que ninguém nasce gay, uma vez que nenhum estudo científico confirmou isso ou mesmo o contrário. Aliás, acho difícil alguém se tornar gay em função do ambiente, principalmente num cenário anterior aos movimentos pró-orgulho gay, uma vez que esse “comportamento” (como gostam de dizer aqueles que defendem que isso é adquirido e não nato) sempre recebeu “reforço negativo”. Até então não tínhamos os designados movimentos LGBTs que buscaram mostrar uma outra perspectiva de existência, sem ser necessário suicidar-se ou mortificar-se por isso. Em muitos lugares do mundo existem leis que matam uma pessoa, legalmente, se ela for gay. E ainda assim, os gays não foram “eliminados”. Quando o gay não é morto literalmente, vive uma morte pior: a morte social. Geralmente é banido da família , do convívio com amigos, pois pode ser uma “má influência”. Sinceramente, essa pode ser a “opção” de alguém? Ser depreciado, não ser admirado, enfim, ser apontado como um ser “marginal”. Será que alguém deseja isso para si? E não estou fazendo um discurso de vitimização.

    Vivi de acordo com os princípios mórmons até boa parte de minha vida adulta. Nas moças aprendi um lema “defender sempre a verdade e a retidão”. Você me classificaria como uma moça de fé e de valor. Entretanto, desde os seis anos de idade sentia afeição por meninas. E tenho certeza que você não consegue, nem de longe, imaginar como isso pode provocar o sofrimento de alguém: você desejar fazer parte de uma vida cristã, acreditar ter fé em Deus, mas sentir-se excluído em função de sua orientação sexual não adequar-se com certas “normas”. Vivi “retamente” durante toda minha adolescência. Mas sempre com esse conflito, não coadunar-me com as expectativas integrais do que se pode considerar como “ser mórmon”. Portanto, porque será que me tornei “gay”? Tinha essa sensação antes mesmo da idade do batismo. Mesmo com todos os reforços positivos que a sociedade criou para adequar todas as pessoas ao universo hétero.

    Mas, o que me preocupou foi seu desprezo pelo Estado laico. E isso assustou-me, até pela própria história da igreja. Gostaria de lembrá-lo que os mórmons foram muito perseguidos na fundação da igreja. Sofreram violência; foram mortos. Eram a chamada “minoria religiosa” no “democrático” Estado norte-americano. Portanto, assusta-me ver seu desprezo pela chamada “minorias”. Até porque os mórmons também compõem essa minoria. Estado laico é uma categoria criada pela ciência política dos homens. Portanto, é totalmente equivocado você dizer que o Estado laico é um erro, usando o argumento de que “quando Cristo governar teremos um “Estado teocrático”. Sei que Teo é Deus no centro, mas é totalmente nublar o pensamento misturar uma categoria criada pelos seres humanos para dizer como será o governo de Cristo. Até porque isso é da ordem do divino. O estado teocrático ao qual as categorias da ciência política se referem ( e tenho certeza que você sabe disso, posto ter um refinamento intelectual) e que o fazem em contraponto ao estado laico, trata de GOVERNO DE HOMENS exercido em NOME DE DEUS, ou melhor, na imposição de UMA (e não de uma pluralidade religiosa) religião. Não significa que o próprio Cristo está no “poder”, não se refere a um governo que será exercido por Cristo na Segunda Vinda. Até porque ele exercerá o governo junto com outros deuses, posto que os humanos que seguirem a doutrina da “verdadeira igreja” se tornarão deuses. Portanto, não vamos confundir as pessoas. Esse governo teocrático ao qual nos referimos é esse governo exercido por seres humanos, falhos e imperfeitos e não o que será exercido pelo próprio Cristo, perfeito, bondoso e justo.

    Marcelo, a história humana que a ausência do estado laico não é bom para ninguém, principalmente para manutenção de uma pluralidade religiosa. Na idade média a igreja católica estava associada ao Estado. Todos conhecemos o resultado. Nos países do Oriente médio, onde existe teocracia, outros grupos religiosos, que são minorias, até como o próprio cristianismo, são excluídos, desde a proibição de reunião de seus seguidores, até com sanção de morte. Portanto, Estado Laico significa um Estado que não adota uma religião, condição essencial para garantir a liberdade religiosa de outros grupos, minoritários, como se enquadra, até hoje, a Igreja de Jesus Cristo. Já imaginou um Estado outro Estado teocrático (católico, umbandista, judaico, muçulmano, enfim, qualquer outro) que impedisse a você exercer sua fé Cristã a partir dos princípios da Igreja SUD? Portanto, não vamos nublar mentes e pensamentos com informações equivocadas, que não têm respaldo na história humana, pois, por enquanto, estamos falando de governo de homens. Indiferentemente de eu acreditar ou não na segunda vinda (não vou posicionar-me sobre isso não faz a menor diferença nesse debate), num governo de Cristo, não devemos usar categorias humanas para pensar nesse governo, que acima, de tudo, vai ser justo. Essa certeza tenho: da capacidade de Justiça de Deus. Portanto, só tome cuidado com esse discurso ao contrário do estado Laico e do discurso das “minorias”, pois lembro que sua liberdade, livre arbítrio para estar defendo sua religião, é fruto dessa conquista do estado Laico – responsável por garantir liberdade religiosa – e pelo discurso da respeito às minorias – caso dos mórmons. Minorias não se referem apenas a Gays; mas a minorias religiosas. Portanto, condição da existência do mormonismo.

    Assombrou-me também seus “conselhos” ao Daniel. Quando ele disse que não se sentiria bem em casar com uma mulher e tratá-la de modo “frio” ele estava sendo honesto, fiel à essa mulher. Como te disse, na Igreja aprendi que devemos sempre defender “a verdade”. Ele está sendo verdadeiro com ele e com essa mulher. Com será deitar-se todos os dias com alguém, acordar, apoiar e saber-se tendo outros pensamentos? Afinal, de acordo com a doutrina, peca-se até mesmo em pensamento. Inevitável, meu caro. Pode-se cantar, orar, mas o pensamento é inevitável. Você pode manter-se casto. Mas nunca poderá evitar o pensamento. Você, como pessoa de fé, também, irá dizer que eu que não tenho fé, que possa orar e ser fiel a um suposto marido, ter filhos, etc. e cumprir os desígnios que Deus tem para mim, como mulher, nessa vida. Mas , por mais que você cite um único exemplo (do Antenor), existem outros “depoimentos”, outras vozes que mostram justamente o contrário.

    Tal como Daniel, não me identifico com a “cultura gay”. Tenho princípios muito próximos dos SUD, mas concordo, não se pode dizer que é mórmon e gay. Pode-se dizer que sente afinidades com os princípios, mas o fato de ser gay nos “descredencia” de ser mórmon, Como disse o Daniel, a igreja se funda na família, no casamentos. Nem os solteiros héteros, herdarão o galardão. Portanto, não querendo ser arrogante, mas também não quero ser “cidadã de segunda categoria. Um aforismo. Se você diz que eu não tenho que deixar de ser gay, porque até você já cheguei a conclusão que ninguém deixa de ser gay, você está dizendo que tenho que manter-me na igreja, mas solteira, para não ser desonesta com meu suposto marido. E receber o grau que cabe aos solteiros. Sinceramente, tal como Daniel, já orei muito e sinto-me muito em paz quanto a isso. Não creio mais que o Deus que sente e sinto até hoje, pela minha própria formação na igreja, não seria justo. E isso não tem nada a ver com fornicação, adultério e tudo mais. Poderia viver todos os princípios, mas não posso casar-me com um homem. Isso seria o mesmo que obrigar você a casar-se com um homem. Você já imaginou essa situação? Pois é assim que um “gay” se sente em relação ao sexo oposto. Não o detestamos, mas simplesmente não podemos nos relacionar sexualmente com eles pois isso agride totalmente o que somos.

    Você disse que Deus é imutável. Deus sim, mas os princípios da Igreja não. Você sabe que em certo momento um princípio “imutável de Deus foi a poligamia. Outro foi o fato de negros não poderem receber o sacerdócio. Pois bem, e justamente por termos “um profeta” vivo, que fala com Deus , esses princípios mudaram. Foi Deus que mudou? Não creio, já que como você mesmo disse “ele é imutável”.

    Sinceramente, reforço que acho louvável que defenda sua fé. Só não acho que você deva misturar ciência com religião. Diga apenas que você acredita fielmente nisso, porque existe um profeta que fala com Deus e que você tem um testemunho, porque sente do fundo de seu coração que os gays jamais terão o perdão ou aprovação do Senhor Jesus Cristo. Mas não cite supostos conhecimentos científicos para respaldar seus argumentos, uma vez que você utiliza apenas aqueles que lhes convém. Pois você só acredita na ciência que alimenta sua fé. E fé é simplesmente a ”capacidade de acreditar em coisas que não se vê, mas que se sabem ser verdadeiras” (Isso me lembro da época do seminário, está no livro de mórmon). Por exemplo, a ciência já comprovou que existem animais que vivem com seus pares: fêmea com fêmea e macho com macho. Isso está documentado, está filmado. Mas existem cientistas que continuam dizendo o contrário, mesmo quando isso já foi provado. Porque, como sabemos, a ciência se pretende neutra, mas os cientistas são humanos e muitas vezes confundem com seus objetos. O exercício de imparcialidade reside nos métodos científicos. Mas sabemos que muitas vezes alguns “patrocinadores” afetam os resultados das pesquisas, ou publicam parte dela.

    Não quero “tirar sua liberdade de expressão” lembro que não se refere apenas a linguagem oral, a liberdade de expressão também se “expressa’ pelos gestos, pelos corpos. Portanto, ao dizer que os gays devem limitar-se a suas alcovas, você está tirando a liberdade de expressão que alguém, que quando não se expressa na fala, expressa-se no ser, alguém que está dizendo: sou diferente de você e essa é minha liberdade de ser de expressar-me).

    Também não quero convencê-lo de que seus argumentos apresentam espaços vazios, hiatos. Só quero apresentar outras perspectivas.

    Despeço cordialmente, desejando que possamos construir um mundo terreno em que as pessoas de fato possam exercer seu livre arbítrio. Mesmo que isso represente que deverão estar frente a frente com Cristo no juízo final, e que poderão ser privadas desse galardão. O plano do Senhor Jesus Cristo se fundamenta nesse princípio de liberdade. Portanto, o casamento entre pessoas do mesmo sexo jamais ameaçará o plano divino, pois ele é de outra ordem. O casamento é um direito civil; ele assegura direitos. E é um direito positivo, significa que ao ser concedido, ele não tira o direto de ninguém. Você não pode tirar ou querer excluir os gays do mundo; eles sempre existiram e existirão, mesmo sendo perseguidos, sofrendo violência psíquica e ouvindo de pessoas como você “de que temos uma vida VAZIA. Quem deve ter medo do julgamento de Cristo, já que tornou-se o grande julgador da vida dessas pessoas? Você é livre para ter suas crenças; é livre para ensinar que pela doutrina da Igreja e que pelo Plano de Cristo isso é pecado com condenação eterna. Mas, não perceber que as pessoas, no plano terreno, têm o direito e O LIVRE ARBÍTRIO de ter garantido sua propriedade e seus laços afetivos construídos ao lado de uma pessoa do mesmo sexo a partir do ESTADO LAICO, não tem argumentos racionais ou divinos que suportem isso. Pois a estrutura do Plano divino do senhor Deus é o LIVRE ARBÍTRIO. As pessoas devem poder responder por suas escolhas. E para isso, deve ser assegurado se quero ter uma união com uma pessoa do mesmo sexo. Não estamos defendendo o casamento religioso. ESTAMOS DEFENDENDO NOSSOS DIREITOS COMO CIDADÃOS. E como filhos de um Deus justo que nos garantiu o livre arbítrio nessa Terra.

    Emma.

    • Marcelo Todaro disse:

      Olá, Emma.

      Vamos às respostas que seu longo comentário enseja.

      Aliás, não sei como as pessoas enfatizam tanto que ninguém nasce gay, uma vez que nenhum estudo científico confirmou isso ou mesmo o contrário. Aliás, acho difícil alguém se tornar gay em função do ambiente, principalmente num cenário anterior aos movimentos pró-orgulho gay, uma vez que esse “comportamento” (como gostam de dizer aqueles que defendem que isso é adquirido e não nato) sempre recebeu “reforço negativo”.

      Isso você tem que argumentar com o cientista autor do artigo, não comigo. A afirmação de que ninguém nasce gay é dele, não minha. Ele é um cientista e você (até onde sei) não. Eu mesmo não tenho qualquer subsídio para contestá-lo e creio firmemente que você também não tem, além da sua própria opinião. Além do mais, a afirmação dele faz mais sentido do ponto de vista do evangelho de Jesus Cristo. Por isso, entre a palavra dele e a sua, fico com a dele.

      Mas, o que me preocupou foi seu desprezo pelo Estado laico. E isso assustou-me, até pela própria história da igreja. Gostaria de lembrá-lo que os mórmons foram muito perseguidos na fundação da igreja. Sofreram violência; foram mortos. Eram a chamada “minoria religiosa” no “democrático” Estado norte-americano. Portanto, assusta-me ver seu desprezo pela chamada “minorias”. Até porque os mórmons também compõem essa minoria.

      Mesmo sendo um grupo minoritário, não me consta que em algum momento a Igreja ou os membros da Igreja tenham tentado mudar as leis dos Estados Unidos para atender seus interesses, como os defensores da causa gay querem fazer. Isso inclusive seria contrário à nossa 12ª Regra de Fé: “Cremos na submissão a reis, presidentes, governantes e magistrados; na obediência, honra e manutenção da lei” (destaque meu). Nem mesmo quando a autoridade secular tornou ilegal o casamento plural, que os membros da Igreja aceitavam como um princípio religioso, as leis do país foram alvo de alguma campanha SUD em favor de mudanças. Então citar o exemplo dos pioneiros na tentativa de colocá-los na mesma situação dos gays não tem validade alguma no contexto de grupo minoritário, já que os gays querem mudar a lei e a Igreja não. Pelo contrário, o que a Igreja quer é que a lei NÃO seja mudada.

      Além do mais, do ponto de vista da lei de Deus, não importa se a reivindicação vem da maioria ou de uma minoria. O que importa é o que diz a lei Dele. Se a maioria da população fosse a favor do casamento gay, coisa que felizmente não é, eu continuaria sendo tão contra quanto. O que define se apóio ou não uma causa não é o tamanho do grupo que a defende, e sim se está ou não de acordo com a lei de Deus.

      Estado laico é uma categoria criada pela ciência política dos homens. Portanto, é totalmente equivocado você dizer que o Estado laico é um erro, usando o argumento de que “quando Cristo governar teremos um “Estado teocrático”.

      Você parece estar tentando tirar minhas palavras de contexto. Eu nunca disse ou dei a entender que o estado laico é um erro. Isso não está escrito em lugar algum de meu artigo.

      O que eu disse é que a falta de uma lei maior e perfeita, como a de Deus, pode criar problemas para o estado laico, por isso seria melhor que não fosse. Tanto é verdade que nenhum estado será laico no Milênio. Se isso fosse o melhor para a sociedade, não seria necessário que o Senhor mudasse a forma de governo quando voltasse.

      Entendeu agora?

      Sei que Teo é Deus no centro, mas é totalmente nublar o pensamento misturar uma categoria criada pelos seres humanos para dizer como será o governo de Cristo. Até porque isso é da ordem do divino. O estado teocrático ao qual as categorias da ciência política se referem ( e tenho certeza que você sabe disso, posto ter um refinamento intelectual) e que o fazem em contraponto ao estado laico, trata de GOVERNO DE HOMENS exercido em NOME DE DEUS, ou melhor, na imposição de UMA (e não de uma pluralidade religiosa) religião. Não significa que o próprio Cristo está no “poder”, não se refere a um governo que será exercido por Cristo na Segunda Vinda. Até porque ele exercerá o governo junto com outros deuses, posto que os humanos que seguirem a doutrina da “verdadeira igreja” se tornarão deuses. Portanto, não vamos confundir as pessoas. Esse governo teocrático ao qual nos referimos é esse governo exercido por seres humanos, falhos e imperfeitos e não o que será exercido pelo próprio Cristo, perfeito, bondoso e justo.

      Em momento algum me ative à definição formal de laicidade ou de teocracia para explicar o que eu quis dizer naquele trecho. O leitor mediano que não entra nesse nível de detalhes entende perfeitamente o que quero dizer: que o governo exercido por Cristo no Milênio não será laico. Se também não será uma teocracia, conforme a definição dada por você, é irrelevante. O que importa não é o que será, e sim o que não será.

      Isto posto, reafirmo o que eu disse: que no estado não laico de Cristo no Milênio não haverá casamentos gays ou uniões civis homossexuais pelo simples fato de que tais coisas são contrárias à lei de Deus. Então, como digo no artigo, esse tipo de união sempre esteve e continua condenada à extinção. Portanto, pra quê começar agora o que terá que ser desfeito depois?

      Marcelo, a história humana que a ausência do estado laico não é bom para ninguém, principalmente para manutenção de uma pluralidade religiosa.

      Não haverá pluralidade religiosa no decorrer do Milênio, Emma. Essa questão é totalmente irrelevante no contexto da Segunda Vinda. Para entender o que quero dizer, você precisa esquecer o mundo como o conhece hoje. Esqueça estados laicos. Isso não vai existir. Ponto.

      E não sou eu quem está dizendo isso: são as escrituras e os profetas.

      Afinal, de acordo com a doutrina, peca-se até mesmo em pensamento. Inevitável, meu caro. Pode-se cantar, orar, mas o pensamento é inevitável. Você pode manter-se casto. Mas nunca poderá evitar o pensamento.

      Sim, e daí? Isso não é desculpa para ceder à sugestão dos pensamentos, é?

      Há não muito tempo o Élder Boyd K. Packer, do Quórum dos Doze, fez um discurso numa Conferência Geral (eu gostaria de me lembrar da referência do discurso para citar aqui e o farei quando conseguir encontrá-lo) em que ensina que ter impulsos sexuais inapropriados não é o que constitui o pecado, e sim ceder a eles. É claro que ninguém chega a cometer algum ato pecaminoso sem ter pensado nisso primeiro, por isso somos tão incentivados a manter nossos pensamentos puros, ou seja, para cortar o mal pela raiz. Mas o fato de nem sempre conseguirmos controlar nossos pensamentos não implica necessariamente na quebra da Lei da Castidade se mantivermos nossos impulsos e desejos sob controle. Então o fato de um gay não conseguir se sentir atraído pelo sexo oposto não é desculpa ou justificativa para que ceda à atração pelo mesmo sexo. A atração em si não é pecado, mas ceder a ela é.

      Então, mesmo a pessoa sentindo atração pelo mesmo sexo, a responsabilidade dela perante a Lei da Castidade é rigorosamente a mesma de quem sente atração pelo sexo oposto: abstinência sexual antes do casamento e fidelidade ao cônjuge do sexo oposto depois. Se não há cônjuge do sexo oposto, abstinência (seja hétero ou gay). Cumpra isso e você estará em dia com esse mandamento.

      O problema é que muitos gays acham que não dá para cumpri-lo, daí entregam-se à lascívia e à fornicação, preferindo rejeitar o mandamento (ou o próprio Autor dele) do que submeter-se a ele, o que de forma alguma os livra de estarem sujeitos ao julgamento de um Deus justo tanto quanto qualquer hétero que viole o mesmo mandamento. A lei é a mesma para todos. Não sei de nenhuma exceção aberta aos gays por Deus.

      Você disse que Deus é imutável. Deus sim, mas os princípios da Igreja não. Você sabe que em certo momento um princípio “imutável” de Deus foi a poligamia. Outro foi o fato de negros não poderem receber o sacerdócio. Pois bem, e justamente por termos “um profeta” vivo, que fala com Deus, esses princípios mudaram. Foi Deus que mudou? Não creio, já que como você mesmo disse “ele é imutável”.

      Emma, você está misturando as bolas. Precisa estudar mais esse assunto.

      Em primeiro lugar, o casamento plural nunca foi nem nunca será um “princípio imutável”. Foi uma lei dada por Deus a uma parte de seu povo em épocas e circunstâncias específicas. Mesmo caso da lei de Moisés, com seus ritos e ordenanças sumários. A lei de Moisés era um “princípio imutável”? Não, do contrário não teria sido abolida em Cristo. Tinha data marcada para ser abolida desde quando foi implementada. Teve sua serventia e deixou de ter quando cumpriu seu propósito.

      Caso análogo é o da proibição do sacerdócio aos negros. Como esse é um assunto mais extenso, recomendo ler os artigos deste site. Então talvez compreenda que, também quanto a este assunto, “há muito mais coisas entre o céu e a terra do que supõe nossa vã filosofia”. 😉

      Mas não cite supostos conhecimentos científicos para respaldar seus argumentos, uma vez que você utiliza apenas aqueles que lhes convém. Pois você só acredita na ciência que alimenta sua fé. (…) Por exemplo, a ciência já comprovou que existem animais que vivem com seus pares: fêmea com fêmea e macho com macho. Isso está documentado, está filmado. Mas existem cientistas que continuam dizendo o contrário, mesmo quando isso já foi provado. Porque, como sabemos, a ciência se pretende neutra, mas os cientistas são humanos e muitas vezes confundem com seus objetos. O exercício de imparcialidade reside nos métodos científicos. Mas sabemos que muitas vezes alguns “patrocinadores” afetam os resultados das pesquisas, ou publicam parte dela.

      Interessante você criticar a parcialidade de certos cientistas quando você mesma também está sendo parcial. 😉

      Que credenciais você tem para afirmar qual cientista está ou não sendo parcial ou qual pesquisa atende interesses de patrocinadores?

      O que te faz pensar que você também não está usando “supostos conhecimentos científicos para respaldar seus argumentos, uma vez que você utiliza apenas aqueles que lhe convém”?

      E ainda não entendi a que “conhecimentos científicos” você se refere se não me lembro de ter assumido nenhuma prerrogativa sobre eles.

      Caso esteja se referindo ao relato que fiz da “transa gay” dos meus dois cães machos, talvez você não tenha entendido direito o que escrevi. Eu disse que a justificativa para o que ocorreu entre eles foi dada por uma autoridade médica veterinária competente. Eu não inventei nada, nem assumi pretensos conhecimentos científicos que não tenho. E o que eu disse também é que querer usar esses exemplos do reino animal para justificar o homossexualismo é o mesmo que rebaixar o homem à categoria dos animais que agem por mero instinto. Eu disse ainda que os animais não são regidos pelas mesmas leis dadas por Deus ao homem e que, se assim não fosse, seria preciso que os animais também tivessem capacidade de exercer fé em Deus, arrependerem-se de seus pecados, serem batizados, obedecer aos mandamentos, etc. Os animais pertecem a uma esfera diferente da Criação na qual as leis dadas ao homem não se aplicam e vice-versa.

      Entendeu agora?

      Portanto, ao dizer que os gays devem limitar-se a suas alcovas, você está tirando a liberdade de expressão que alguém, que quando não se expressa na fala, expressa-se no ser, alguém que está dizendo: sou diferente de você e essa é minha liberdade de ser de expressar-me).

      Mais uma vez, tirando minhas palavras de contexto. Você citou só uma parte do que eu disse e engoliu o resto. Vou copiar abaixo a frase inteira pra você ver que a parte que você omitiu muda significativamente o entendimento do que tentei expressar:

      “Se os gays querem expressar toda sua homossexualidade, que o façam dentro de suas alcovas sem que toda a sociedade seja obrigada a engolir isso como se fosse a coisa mais normal e natural do mundo — e, pior, na ilusão de que Deus é a favor disso!

      Bem diferente do que você quis dar a entender que eu disse, não?

      O casamento é um direito civil; ele assegura direitos. E é um direito positivo, significa que ao ser concedido, ele não tira o direto de ninguém.

      Por favor, leia meu artigo novamente. Vou citar abaixo o trecho que você parece não ter compreendido:

      “…casamento é um mandamento de Deus, tanto quanto não matar, não roubar, etc. (…) Mais que a mera junção de dois indivíduos, o casamento é um convênio ou contrato legítimo que torna o par unido perante Deus. Vem da primitiva obediência a esse mandamento o que mais tarde se tornaria uma convenção social, vindo a ser regulamentada também pela lei dos homens. O casamento foi instituído por Deus e surgiu bem antes do casamento civil. Portanto, não foi o homem que inventou essa moda.”

      Se os defensores da causa gay querem alterar essa ordem, mudando a forma como o casamento foi originalmente instituído por Deus, que pelo menos tenham a fineza de mudar o nome “casamento” para qualquer outra coisa. Sei lá, pode até ser “união civil homossexual”, se quiserem, mas casamento não. Casamento sempre foi e deve continuar sendo apenas entre homem e mulher, tal como ordenado por Deus.

      Você não pode tirar ou querer excluir os gays do mundo; eles sempre existiram e existirão, mesmo sendo perseguidos, sofrendo violência psíquica e ouvindo de pessoas como você “de que temos uma vida VAZIA”.

      Emma, tenha santa paciência. Deixe de ser apelativa. Nem vou me dar ao trabalho de copiar o que escrevi, vá lá, leia e tente fazer um esforço de compreender A FRASE INTEIRA ao invés de só o trecho que lhe convém.

      Mas, não perceber que as pessoas, no plano terreno, têm o direito e O LIVRE ARBÍTRIO de ter garantido sua propriedade e seus laços afetivos construídos ao lado de uma pessoa do mesmo sexo a partir do ESTADO LAICO, não tem argumentos racionais ou divinos que suportem isso. Pois a estrutura do Plano divino do senhor Deus é o LIVRE ARBÍTRIO.

      Interessante como você defende apenas a parte do plano divino que lhe interessa e ignora todo o resto. Se o plano divino consistisse apenas no livre arbítrio eu nem diria nada, mas (felizmente!) está bem longe de ser só isso. O plano divino é muitíssimo mais abrangente.

      O homossexualismo não pode ser aceito por Deus por um motivo bem simples: homossexuais não podem gerar filhos. A geração de filhos é um dos alicerces do grande plano divino a que você se refere, estabelecido por Ele para nossa felicidade eterna. O homossexualismo simplesmente não se encaixa nesse modelo pelo fato de não permitir a perpetuação das famílias e a da própria espécie.

      O que Deus ordenou foi o casamento entre homem e mulher. Ponto. Sinto muito se você não gosta disso, não fui eu que quis que as coisas fossem assim. Se acha que alguém deve ser responsabilizado por isso, deve responsabilizar o próprio Deus (caso tenha essa audácia), não a mim.

      As pessoas devem poder responder por suas escolhas. E para isso, deve ser assegurado se quero ter uma união com uma pessoa do mesmo sexo. Não estamos defendendo o casamento religioso. ESTAMOS DEFENDENDO NOSSOS DIREITOS COMO CIDADÃOS. E como filhos de um Deus justo que nos garantiu o livre arbítrio nessa Terra.

      Emma, eu também tenho direito a esse livre arbítrio, certo? Então, dentro desse direito, posso perfeitamente lutar para evitar que a definição de casamento (o qual, lembre-se, é uma instituição divina, não humana) seja mudada em função do que deseja um grupo minoritário. Os gays podem formar pares afetivos o quanto quiserem, pelo tempo que quiserem, mas daí a querer mudar a lei para ir de encontro a seus anseios, impondo a vontade de um grupo minoritário à vasta maioria heterossexual por força de uma canetada legislativa, é com o que não posso concordar. Como digo no artigo, se a moda pega daqui a pouco outros grupos minoritários — pedófilos, adúlteros, homicidas, traficantes, contrabandistas, sonegadores, fanáticos religiosos… — também vão querer mudar a lei em favor de qualquer coisa que julguem ser direito deles. Aliás, pedófilos e incestuosos já estão tentando isso (leia no artigo). Então por que os gays podem querer mudar a lei e pedófilos e incestuosos não, sendo que a violação da lei de Deus é a mesma? Dois pesos e duas medidas?

      Vou, sim, continuar levantando uma bandeira contra essa idéia, tal como fez a Igreja ao incentivar os membros da Califórnia a votar a favor a Proposição 8.

      Um abraço!

  18. Daniel disse:

    Prezado Marcelo,
    Gostaria de parabenizá-lo pelo seu blog e pelo artigo a cima. Apesar de não concordar com todas as suas opiniões, reconheço a coerência no que você escreveu. Concordo totalmente com você quando se refere ao fato de “gay” e “mormon” serem palavras totalmente excludentes. Não há espaço para isto no Evangelho da Igreja. Durante dez anos lutei contra a homossexualidade. Como membro da Igreja me empenhei em cumprir todos os preceitos e orava todos os dias para que eu pudesse levar uma vida normal. Me empenhava nas atividades, saia com os missionários, participava dos encontros para jovens. Planejava uma família… O grande problema é que nunca consegui, mesmo com todos os meus esforços e fé, deixar de me sentir atraído pelos homens. Nunca quebrei a lei da castidade e nem me deixei envolver por pensamentos pecaminosos. Mesmo assim, nunca senti nada pelas mulheres, apesar de toda força que fazia para sentir. Por fim, decidi sair da Igreja. Não achei justo condenar uma mulher a ficar com um homem frio ao seu lado… Não seria um casamento feliz… Quando era membro, li diversas vezes as escrituras e diversas das publicações dos presidentes da Igreja, entre eles Doutrinas da Salvação e os Discursos de Brigham Young, meus preferidos. Entendo totalmente os seus argumentos e conheço as ordenanças do templo. Tenho ainda hoje um profundo respeito pelo Templo, a Casa do Senhor.
    Por outro lado, não consegui compreender seu conceito de preconceito. A meu ver, maioria do que se fala sobre homossexualidade sempre será um “pré-conceito”, porque jamais entenderão o que é sentir isto na pele. Neste sentido, por mais que entenda as suas boas intenções, considero que você possui algum preconceito. Além disso, o argumento de que devemos amar o nosso próximo é muito comovente, ainda que seja quase impossível extrairmos a sinceridade daqueles que o declaram.
    Mas eu também sou contra a homossexualidade como ela é vinculada pela mídia e pelos movimentos glst. Isto tudo é promiscuidade e fornicação. Mas existem muitos homossexuais que vivem uma vida digna e não atentam contra a natureza, como é o meu caso.
    Além disso, eu diria que é muito fácil para uma pessoa que nunca foi homossexual pregar a total abstinência dos que são. Isto simplificaria tudo e encobriria o problema. Não transar, não imaginar qualquer coisa errada, pode afastar uma pessoa das práticas homossexuais. Mas, nem sempre este método consegue torná-la uma pessoa hetero. No máximo, uma pessoa solteirona, sozinha e repleta de auto-piedade… Não acredito que o Pai Celestial tenha concebido este modo de vida como uma parte de seu plano de salvação. Mas trata-se apenas de uma crença minha…
    Concordo com você quando afirma que não há um terceiro sexo. Deus criou homem e mulher, nada mais. Não me parece haver nada aí que impeça o homossexualismo. Um homem pode ser homem gostando de outro homem… Claro que há todas as passagens da Bíblia que condenam este ato. Mas, acredito que devemos fazer uma pequena análise do contexto onde a bíblia foi escrita. Sociedades tradicionais, baseadas na agricultura, como foi o caso da dos hebreus, tinham a questão do casamento e da reprodução como algo central, por uma questão de sobrevivência. Seria impossível conceber outra prática. Você poderia então rebater dizendo que este argumento é puramente racional. Sim, concordo. Mas também devo dizer que não há nada que o impeça de ser possível e, nem muito menos, de entrar em conflito com a Palavra de Deus. Neste ponto, uma interpretação não exclui a outra. Além disso, nossa sociedade hoje vive num contexto de aumento populacional e esta máxima da reprodução não deve ser levada tão ao pé da letra. Da mesma forma, a evolução na medicina permite que filhos sejam gerados sem uma relação direta entre homem e mulher. Deus é o mesmo, ontem, hoje e sempre, mas as sociedades, não. E, por isso, suas palavras devem ser adaptadas a novos contextos. E, se partirmos do pressuposto de que os progressos da humanidade podem ser inspirados pela vontade de Deus, então, talvez, haja aqui um sinal de mudança.
    E defender isto tudo não significa que eu seja a favor da fornicação, da depravação, da imoralidade, do abuso sexual, etc. Sou a favor do direito de pessoas do mesmo sexo terem uma relação estável, calcada nos preceitos da monogamia, dignidade e respeito. Sei que tudo isto é impossível dentro das normas de Igreja e por isso não tenho o objetivo de convencer ninguém.
    Quanto ao casamento gay, também sou contra. Não pelos motivos que você manifesta, mas pelo fato de que as palavras casamento e matrimônio se referem a uma união entre homem e mulher. Etimologicamente elas não compreendem a união de pessoas do mesmo sexo. Sou a favor da união estável homossexual, mas reconheço que precisamos de um conceito melhor para representá-la. Seria um tanto ridículo se dizer “eu os declaro marido e marido”. Estas palavras são para casamentos hetero…
    Quanto ao fato de o homossexualismo ser uma ameaça a família, tudo depende do tipo de homossexualismo que estamos tomando como padrão. Eu também reconheço que muitos são uma ameaça, mas nem todos. Não há nada na natureza que indique o sucesso familiar tão somente pelo fato de haver um homem e uma mulher unidos.
    Por fim, sobre a questão de o homossexualismo ter cura. Não acredito mais nisto. Além disso, existem inúmeras teorias a respeito, tanto contra quanto a favor. Mas o fato é que, por mais que eu tentasse, nunca consegui sentir atração por mulheres. Você provavelmente vai dizer que minha fé foi pequena, que não observei os preceitos do evangelho corretamente, que meu coração não é sincero. Mas o Pai Celestial sabe da sinceridade das minhas orações e dos desejos de meu coração.
    Realmente não se pode tratar os homossexuais como coitadinhos, mas o que me entristece é ver que maioria das pessoas tomam como exemplo de homossexualismo apenas aqueles casos de depravação e fornicação, de homens efeminados ou mulheres masculinizadas… Eu posso afirmar que nem todos são assim.
    Mas, meus argumentos sempre serão argumentos vazios enquanto as pessoas decidirem se esconder atrás de um tipo de fé que se recusa a dialogar. Talvez, se a união homossexual fosse reconhecida, bem como os seus direitos, muitas pessoas poderiam ser salvas de situações degradantes, como é o caso da prostituição, da fornicação, da Aids, das drogas… E isto também reduziria o apelo midiático em volta desta questão. E, com isto, todas as Igrejas poderiam descansar em paz, com seus fiéis.

    • Marcelo Todaro disse:

      Daniel,

      Acho ótimo quando aparece alguém capaz de produzir um comentário bem redigido e articulado, coisa rara hoje em dia. Dá gosto debater com alguém assim.

      Eu gostaria de comentar algumas coisas que você disse:

      Por fim, decidi sair da Igreja. Não achei justo condenar uma mulher a ficar com um homem frio ao seu lado… Não seria um casamento feliz…

      Acho estranho você dizer que saiu da Igreja por esse motivo. Os membros ativos da Igreja que sentem atração pelo mesmo sexo permanecem nela por causa da Expiação de Cristo, não para agradar alguém. O fato de sentirem atração pelo mesmo sexo em nada as impede de cumprir os mandamentos de renovar seus convênios tomando o sacramento todos os domingos, servir ao próximo em seus chamados na Igreja, ensinar, aprender… Então acredito que você pode ter decidido sair da Igreja por qualquer motivo, menos pelo alegado.

      Além disso, eu diria que é muito fácil para uma pessoa que nunca foi homossexual pregar a total abstinência dos que são. Isto simplificaria tudo e encobriria o problema. Não transar, não imaginar qualquer coisa errada, pode afastar uma pessoa das práticas homossexuais. Mas, nem sempre este método consegue torná-la uma pessoa hetero. No máximo, uma pessoa solteirona, sozinha e repleta de auto-piedade.

      Em primeiro lugar, nunca foi intenção da Igreja transformar um gay em hétero, até porque ninguém na Igreja acredita que isso seja possível. A intenção é ajudar as pessoas a moldarem suas vidas de acordo com os padrões do evangelho de Jesus Cristo. Um desses padrões está expresso no que conhecemos como Lei da Castidade, que requer abstinência sexual antes do casamento e fidelidade ao cônjuge do sexo oposto depois. Não é porque os homossexuais não sentem atração pelo sexo oposto que, do ponto de vista de Deus, estão liberados da obediência a essa lei, pelo menos no que diz respeito a abstinência sexual. Isso é o que o Senhor espera deles, por mais que alguns prefiram convencer-se do contrário.

      Você acha que é muito fácil para um hétero pregar a total abstinência dos homossexuais, mas esquece que a abstinência é exigida dos héteros solteiros também. Não é “privilégio” dos gays. Não obstante, que tal ouvir essa pregação de um membro da Igreja que também não consegue atrair-se pelo sexo oposto? Aqui mesmo neste blog surgiu uma pessoa que testificou ser esse seu caso. Você pode ler o testemunho dela neste comentário e nos subsequentes depois dele assinados por “Antenor”. O testemunho dele prova ser tão possível para um homossexual viver casto quanto o é para qualquer solteiro. O fato de ser homossexual não é desculpa para fugir dessa responsabilidade perante o Senhor.

      Não acredito que o Pai Celestial tenha concebido este modo de vida como uma parte de seu plano de salvação. Mas trata-se apenas de uma crença minha…

      Como escrevi no artigo, o casamento entre o homem e a mulher foi ordenado por Deus e é essencial para Seu plano eterno. Sem isso, o plano Dele fracassa — e obviamente Ele não permitirá que isso aconteça. Como Ele mesmo disse: “Lembra-te de que não é a obra de Deus que se frustra, mas a obra dos homens” (D&C 3:3).

      Os filhos têm o direito de nascer dentro dos laços do matrimônio e de ser criados por pai e mãe que honrem os votos matrimoniais com total fidelidade. A felicidade na vida familiar é mais provável de ser alcançada quando fundamentada nos ensinamentos do Senhor Jesus Cristo, os quais não prevêem a opção do casamento gay ou de qualquer tipo de relacionamento afetivo entre pessoas do mesmo sexo.

      O Plano de Salvação de nosso Pai prevê a criação e perpetuação das famílias. Homossexuais não podem gerar filhos, portanto entre eles seus órgãos reprodutores perdem a utilidade para a qual foram concebidos no sublime ato da Criação, donde é fácil concluir que esse modo de vida não pode estar de acordo com o planejado por Ele.

      Isso, contudo, não impede os homossexuais de tentarem viver uma vida distinta da prevista por seu Pai e Criador. Como também digo no artigo, se apesar de tudo os homossexuais quiserem continuar unindo-se de uma forma diferente da criada por Ele, têm a liberdade de desejá-lo. Mas não podem esperar que Deus abençôe essa união. Se acham que podem viver sem isso, são livres para tentar. Mas não deve ser difícil imaginar que uma vida destituída das bênçãos e do favor de nosso Pai Celestial deve ser uma vida que, quando comparada à que poderiam ter, é vazia, com alegrias efêmeras, conquistas temporárias e recompensas que não satisfazem mais do que por um breve momento de sua existência mortal. Pela perspectiva da eternidade, isso é como uma fumacinha levada pelo vento.

      Se você se contenta com pouco e é isso o que espera da sua existência, então vá em frente. Mas se acha que pode obter mais mesmo sendo homossexual, então precisa fazer por merecer esse mais por meio da obediência aos mandamentos de Deus, não importa quanto sacrifício isso lhe custe. No meu caso, por exemplo, os sacrifícios que tenho que fazer não são de natureza sexual, mas também tenho meus espinhos na carne e mantê-los sob controle custa-me sacrifício. Só o faço por confiar em nosso Pai e, por experiência própria, saber que Ele cumpre o que promete. Se você confiar Nele da mesma forma, poderá receber uma porção maior de recompensas nesta e na outra vida. Mas tem que estar disposto a pagar o preço.

      E esse é o problema da maior parte da humanidade: ela não está disposta a pagar o preço. Por isso o mundo está como está.

      Concordo com você quando afirma que não há um terceiro sexo. Deus criou homem e mulher, nada mais. Não me parece haver nada aí que impeça o homossexualismo. Um homem pode ser homem gostando de outro homem… Claro que há todas as passagens da Bíblia que condenam este ato. Mas, acredito que devemos fazer uma pequena análise do contexto onde a bíblia foi escrita. Sociedades tradicionais, baseadas na agricultura, como foi o caso da dos hebreus, tinham a questão do casamento e da reprodução como algo central, por uma questão de sobrevivência. Seria impossível conceber outra prática. Você poderia então rebater dizendo que este argumento é puramente racional. Sim, concordo. Mas também devo dizer que não há nada que o impeça de ser possível e, nem muito menos, de entrar em conflito com a Palavra de Deus. Neste ponto, uma interpretação não exclui a outra. Além disso, nossa sociedade hoje vive num contexto de aumento populacional e esta máxima da reprodução não deve ser levada tão ao pé da letra. Da mesma forma, a evolução na medicina permite que filhos sejam gerados sem uma relação direta entre homem e mulher. Deus é o mesmo, ontem, hoje e sempre, mas as sociedades, não. E, por isso, suas palavras devem ser adaptadas a novos contextos. E, se partirmos do pressuposto de que os progressos da humanidade podem ser inspirados pela vontade de Deus, então, talvez, haja aqui um sinal de mudança.

      Isso tudo me parece uma mera tentativa de buscar justificativas para o seu homossexualismo, Daniel.

      Entenda que o que importa aqui não é o que você ou eu ou quem quer que seja pensa. O que importa é o que Deus pensa. Será que Ele está de acordo com o seu raciocínio?

      Posso apontar-lhe uma série de buracos na sua argumentação, mas isso me tomaria um tempo e uma disposição que não tenho. Por isso, limito-me a dizer que, de acordo com as escrituras, com a palavra dos profetas vivos e com o conhecimento e inspiração que já adquiri ao longo de meus quase 30 anos como membro da Igreja, sei com a mais plena e absoluta certeza que Deus não está de acordo com isso. E, sinceramente, espero que você não queira esperar chegar na outra vida para só então convencer-se disso.

      E defender isto tudo não significa que eu seja a favor da fornicação, da depravação, da imoralidade, do abuso sexual, etc. Sou a favor do direito de pessoas do mesmo sexo terem uma relação estável, calcada nos preceitos da monogamia, dignidade e respeito.

      Só que para isso as leis não precisam ser mudadas, Daniel. Os gays podem formar pares afetivos o quanto quiserem, pelo tempo que quiserem, mas daí a querer mudar a lei para ir de encontro a seus anseios, impondo a vontade de um grupo minoritário à vasta maioria heterossexual por força de uma canetada legislativa, é com o que não posso concordar. Se os gays querem expressar toda sua homossexualidade, que o façam dentro de suas alcovas sem que toda a sociedade tenha que engolir isso como se fosse a coisa mais normal e natural do mundo — e, pior, na ilusão de que Deus é a favor disso!

      Não há nada na natureza que indique o sucesso familiar tão somente pelo fato de haver um homem e uma mulher unidos.

      O que pode garantir o sucesso familiar é a obediência à lei de Deus. E essa lei ordena a união entre homem e mulher, somente. Quem quer que opte por não obedecer a essa lei e adotar um código de conduta próprio está por conta e risco próprios. Se você se acha apto para correr esse risco, é livre para tentar, mas é fácil concluir que o resultado final de agir diferentemente do padrão estabelecido por Ele não pode ser bom.

      Por fim, sobre a questão de o homossexualismo ter cura. Não acredito mais nisto. Além disso, existem inúmeras teorias a respeito, tanto contra quanto a favor. Mas o fato é que, por mais que eu tentasse, nunca consegui sentir atração por mulheres. Você provavelmente vai dizer que minha fé foi pequena, que não observei os preceitos do evangelho corretamente, que meu coração não é sincero. Mas o Pai Celestial sabe da sinceridade das minhas orações e dos desejos de meu coração.

      Eu não diria nada disso, Daniel. Quer tenha sido neste blog ou fora dele, já tive conversas com homossexuais em quantidade, conteúdo e relevância suficientes para compreendê-los um pouco melhor e vê-los com mais empatia. Por isso sei que a condição homossexual é algo que não pediram para ter e muitos deles abdicariam alegremente dessa condição se pudessem.

      O fato é que nosso Pai é um Deus misericordioso e recompensará todo e qualquer esforço que você fizer para manter-se fiel aos mandamentos Dele. Ele mesmo disse:

      “Eu, o Senhor, estou obrigado quando fazeis o que eu digo; mas quando não o fazeis, não tendes promessa alguma.” (D&C 82:10).

      Então, se você fizer o que Ele ordena, terá um Deus pessoal, amoroso e tangível dando-lhe suporte. Do contrário, estará por conta e risco próprios.

      O que você prefere?

      Realmente não se pode tratar os homossexuais como coitadinhos, mas o que me entristece é ver que maioria das pessoas tomam como exemplo de homossexualismo apenas aqueles casos de depravação e fornicação, de homens efeminados ou mulheres masculinizadas… Eu posso afirmar que nem todos são assim.

      Sei que não são, mas essa é, infelizmente, a face mais visível do homossexualismo justamente por ser a que mais choca e chama a atenção, ou a que dá mais “ibope”.

      De qualquer forma, sejam discretos ou apelativos, do ponto de vista de Deus os gays estão sob a mesma sagrada responsabilidade de obediência e devoção ao Senhor do que o resto da humanidade. As bênçãos e promessas Dele, concedidas mediante condição de obediência, estendem-se a todos, indistintamente. O problema, como comentei mais acima, é que nem todos estão dispostos a sacrificar-se pela obediência. Aí ficam por conta própria.

      Mas, meus argumentos sempre serão argumentos vazios enquanto as pessoas decidirem se esconder atrás de um tipo de fé que se recusa a dialogar. Talvez, se a união homossexual fosse reconhecida, bem como os seus direitos, muitas pessoas poderiam ser salvas de situações degradantes, como é o caso da prostituição, da fornicação, da Aids, das drogas… E isto também reduziria o apelo midiático em volta desta questão. E, com isto, todas as Igrejas poderiam descansar em paz, com seus fiéis.

      Reconhecer a união homossexual com o intuito de salvar alguns de situações degradantes como prostituição, fornicação, Aids e drogas, seria tentar corrigir um erro cometendo outro. Essas situações degradantes não decorrem da falta de reconhecimento da união gay, e sim da sistemática violação da lei de Deus. Se há alguém vivendo essas situações é por transgressão a essa lei. A solução para isso não é legalizar o casamento gay, e sim fazer com que os transgressores se arrependam. Quando isso acontecer, não haverá mais ninguém vivendo em situações degradantes.

      Um abraço!

      • Daniel disse:

        Prezado Marcelo,
        Só consegui ler a sua resposta agora! Agradeço pela sua análise detalhada do meu comentário anterior.
        Como disse anteriormente, não é meu intuito tentar convencer ninguém, uma vez que, tenho plena consciência dos preceitos pregados pela Igreja. É impossível qualquer discussão quando se trata de dogmas e apenas se iludem aqueles que acham que conseguirão atingi-los com argumentos racionais. Qualquer tentativa de minha parte de tentar deslegitimar o que você afirmou seria um profundo engano, já que estamos a tratar de um assunto ligado diretamente à fé de cada um. Talvez seja pelo esquecimento deste último fator, que muitas pessoas deixam-se levar por discussões profundamente fracas e deselegantes, tal como a justificativa de que “Deus é amor”. Portanto, desde já, reconheço as limitações de tudo o que posso escrever e escrevo apenas para esclarecer alguns dos pontos de meu comentário anterior. Se estivéssemos discutindo esta questão num outro âmbito, talvez houvesse mais pontos em comum.

        Contudo, seus argumentos não são novos para mim. Tive a oportunidade de aprender todos estes preceitos enquanto membro da Igreja e eu mesmo os repeti diversas vezes… Espero não estar sendo rude, não é esta a minha intenção, mas devo dizer que hoje não tenho problemas em reconhecer que sou homossexual e nem, muito menos, de pagar o preço por isto. Vivo uma vida que, se fosse possível ainda utilizar a linguagem da Igreja, está baseada em praticamente todos os preceitos do Evangelho, inclusive na lei da castidade. Mas faço tudo isto pela profunda fé que mantenho no Pai Celestial e, se não estiver enganado (como você certamente pensará), sinto-me feliz e em paz.
        Como disse anteriormente, ainda é possível notar o preconceito em muitas de suas palavras. Um exemplo está neste parágrafo que você escreveu:
        “Se os gays querem expressar toda sua homossexualidade, que o façam dentro de suas alcovas sem que toda a sociedade tenha que engolir isso como se fosse a coisa mais normal e natural do mundo — e, pior, na ilusão de que Deus é a favor disso!”
        As palavras utilizadas falam por si só. “Alcovas”, “engolir”, “ilusão” e “expressar toda a sua homossexualidade” são expressões no mínimo irônicas.
        Você também disse:
        “Então acredito que você pode ter decidido sair da Igreja por qualquer motivo, menos pelo alegado”.
        Apesar de não estarmos discutindo esta questão, posso afirmar que minha saída da Igreja não teve outro motivo senão o já exposto no comentário anterior. Isto porque sempre foram bastante claros para mim os dogmas que estruturam as suas doutrinas. Sei muito bem que as ordenanças do templo são centrais na vida de um mórmon e que o selamento e a geração de filhos é o elemento fundamental da fé. Desta forma, mesmo com a expiação, o mais alto grau de glória no mundo celestial está reservado, segundo a Fé da Igreja, para aqueles que nesta vida casaram-se e tiveram filhos e constituíram uma “família”. Eles serão como o Nosso Pai Celestial e terão o poder de também gerarem filhos espirituais… Neste sentido, a tentativa da Igreja de incluir os homossexuais em sua fé é, em muitos pontos, conflituosa. E eu não queria me tornar um membro de segunda ordem. Não era para isto que eu depositava toda a minha devoção. Além disso, sabemos muito bem que, a despeito das recomendações da Igreja sobre este assunto, maioria das lideranças locais age com preconceito e desconfiança em relação aos membros que assim se declararem. Sim, a Igreja é formada por homens e estes têm suas falhas. Mas, trata-se de algo disseminado em todos os lugares… Por isso, reconhecendo minhas possibilidades limitadas dentro do evangelho, decidi ser honesto comigo mesmo e com a própria Igreja e acabei saindo. Felizmente eu nunca passei por qualquer constrangimento enquanto era membro, mas vi muitas pessoas passarem por isso, serem apontadas nos corredores e nunca conseguirem uma recomendação para o Templo. Mas nossa discussão não é esta e talvez eu apenas esteja citando casos isolados…
        Você também diz:
        “O Plano de Salvação de nosso Pai prevê a criação e perpetuação das famílias. Homossexuais não podem gerar filhos, portanto entre eles seus órgãos reprodutores perdem a utilidade para a qual foram concebidos no sublime ato da Criação, donde é fácil concluir que esse modo de vida não pode estar de acordo com o planejado por Ele.”

        Este argumento da utilidade dos órgãos reprodutores é no mínimo estranho. Considero que não devemos justificar supostos preceitos de Deus tão somente por uma questão anatômica, pois a possibilidade de generalização desta afirmação poderia incorrer em sérios perigos para a humanidade.

        É um fato óbvio que a existência do homossexualismo desafia alguns princípios da fé Cristã, tal como foram interpretados até nossos dias. Por isso, a meu ver, é necessário um estudo teológico mais sério a respeito desta questão.
        As interpretações sobre as passagens da Bíblia que se referem ao homossexualismo não oferecem qualquer saída definitiva. Muitas Igrejas, como é o caso da Igreja Protestante da Alemanha, da Igreja da Inglaterra e da Igreja Protestante da Dinamarca, estão empenhadas em discutir este assunto de um ponto de vista mais sóbrio. E, neste caso, um dos fatores centrais está ligado ao tipo de hermenêutica que se deve assumir. De um lado, há a interpretação literal dos textos, que não considera particularidades como o contexto social e histórico. Neste caso, a tendência é equivaler ou dotar todas as passagens com o mesmo valor, não diferenciando entre o Evangelho como princípio e os contextos particulares de aplicação. Outra interpretação, no entanto, enfatiza justamente o contrário, reconhecendo as particularidades históricas do texto, as diferenças entre o todo e a parte, etc. E, se seguirmos esta última vertente, nos veremos na obrigação de se perguntar se as passagens bíblicas sobre o homossexualismo condenam a “condição propriamente dita” ou apenas casos específicos de fornicação, promiscuidade e/ou estupro.
        Pode até ser verdade que a Igreja não pretende transformar um homossexual em um heterossexual, mas, a meu ver, esta afirmação é mais uma tentativa de diplomacia do que uma prática efetiva. Eu conheço o princípio da lei da castidade e não estou dizendo para ninguém quebrá-la a priori. Porque, os heteros a guardarão até casarem-se, mas um homossexual terá que se tornar um celibatário, já que, ao contrário das outras pessoas, jamais, em toda a sua vida, poderá ter qualquer relação sexual. Por trás desta imposição é possível detectarmos certo juízo de valor que constrói uma hierarquia entre as pessoas devido a sua condição sexual.
        Além disso, espero não ser desrespeitoso com você, mas considerei muito injusta a relação que você estabeleceu em seus argumentos entre homossexualidade, infidelidade e instabilidade, como se os casamentos heterossexuais, por natureza, pudessem estar isentos destes problemas. Tenho plena consciência de que uma boa parte dos relacionamentos homossexuais está baseada em princípios deploráveis da poligamia, da infidelidade, da fornicação. Mas, a meu ver, não há nada que indique que este tipo de relacionamento, por natureza, esteja fadado à infidelidade. Do mesmo modo, mantenho minha opinião sobre a possibilidade da construção de uma família saudável independente de estar baseada na união entre homem e mulher. E isto também vale para a questão da reprodução. Muitas pessoas que se manifestam contrárias ao homossexualismo tendem a vê-lo como uma ameaça a família, como se eles pudessem seduzir todos os heterossexuais existentes. Isto é um profundo erro.
        Você também escreve:
        “Entenda que o que importa aqui não é o que você ou eu ou quem quer que seja pensa. O que importa é o que Deus pensa. Será que Ele está de acordo com o seu raciocínio?”
        Ótima questão. Mas o fato é o seguinte: como saber se o que você pensa não passa de um raciocínio tão humano quanto o meu? Já sabemos que as respostas obtidas através da Bíblia não são totalmente seguras para estas generalizações. Você pode então me responder que através da inspiração do Espírito Santo ou da Revelação… Esta é uma forma muito eficiente de contornar a discussão e seria apenas satisfatória se estivéssemos falando de um universo regido unicamente por preceitos mórmons. Mas, o fato é que tanto eu quanto você não temos provas totalmente cabais para afirmar nenhum de nossos pontos de vistas com a máxima certeza. Pelo menos não através das fontes que cada um se ampara. E, tudo isto, permite a emergência do princípio da dúvida, para ambos os lados. Acredito que se você examinar com muita atenção a Bíblia, por ser a base da tradição cristã que permite um diálogo maior, notará que é muito difícil imputar todos os argumentos que você apresentou como sendo a “vontade de Deus”. Isto porque, a meu ver, em muitas partes você a interpreta de forma literal, mas em outras, constrói certas abstrações que fogem a literalidade. E, como isto, se poderia perguntar: qual o critério para se distinguir entre aquilo que deve ser interpretado de forma literal e aquilo que deve ser interpretado de modo figurado? Esta pergunta também oferece múltiplas respostas, eu suponho.

        Gostei muito de ler o artigo do Élder Jeffrey R. Holland, que você sugeriu. Achei maravilhosos todos os seus conselhos, ainda que os considere apenas uma medida tímida e paliativa para encobrir o problema.
        Em um dos parágrafos do artigo, ele afirmou: “Eu também afirmo que Deus ama a todos os Seus filhos e reconheço que muitas perguntas, inclusive algumas relacionadas à atração pelo mesmo sexo, precisam esperar uma resposta futura, talvez na próxima vida. Infelizmente, algumas pessoas pensam ter todas as respostas agora, e declaram sua opinião abertamente”.
        Certamente não temos todas as respostas, um fato necessário para mantermos a humildade e sentirmo-nos desafiados a buscar a perfeição. Mas, justamente a existência deste elementar fato, de não sabermos, pelo menos dentro do Evangelho, os motivos que condicionam uma pessoa a nascer ou a tornar-se homossexual, acaba também por tornar muitas das tentativas de condenação a esta condição em decisões unilaterais, destituídas de reflexão e equilíbrio. Se não sabemos explicar este fato, como podemos ter a plena certeza de que ele não faz parte dos Planos de Deus para os homens? Se as Escrituras não conseguem explicar a origem deste fenômeno, como podemos imputar em suas palavras o poder de sentenças de vigor eterno? E se as escrituras se posicionaram de forma lacunar ou contrária a priori, justamente por não haver uma resposta durante o tempo em que foram escritas? E se esta resposta estiver começando a ser esboçada em nosso tempo e exigir uma reformulação das formas tradicionais de interpretação? Restará sempre esta dúvida. E ela, por si só, pode servir tanto para condenar quanto para justificar.
        Acredito plenamente que ninguém deve deixar-se mover apenas pela satisfação física dos desejos, como o Élder Holland escreveu. Todavia, penso que não se trata de uma simples questão física. E aqui poderia lançar uma hipótese bastante simples e fraca (segundo a sua visão): e onde houver amor e as duas pessoas estiverem determinadas a estabelecer uma relação estável, como num casamento? Isto também seria quebrar a Lei da Castidade? Claro que sim, se continuarmos determinados a interpretá-la sem reconhecer as particularidades históricas que estão por trás desta imposição.
        Por fim, considero que as terríveis condições as quais muitos homossexuais se acham expostos em nossa sociedade não decorre apenas de uma simples questão de “desobediência a Deus”, mas sim, de uma desigualdade social que estimula a falta de informação e a falta de aconselhamento; dois fatores que, por si só, podem ser decisivos na escolha de uma conduta e de uma vida digna. É bastante simples culpar o pobre pela sua pobreza… Além disso, o reconhecimento da união estável entre pessoas do mesmo sexo é apenas um erro para aqueles que assim preferirem acreditar. E o mesmo vale para aqueles que defendem o contrário.
        Por isso, tenho pleno reconhecimento de que toda a discussão que você ou eu nos propomos está fadada a uma série ininterrupta de argumentos que, em nosso atual contexto social, apenas se prolongam sem qualquer solução. Há um longo caminho a ser percorrido tanto no sentido de uma investigação teológica mais refinada e séria da Bíblia quanto no esclarecimento a respeito do homossexualismo. Eu, por exemplo, em todas as partes de meus comentários, estava me referindo a um tipo de homossexualismo que é caracterizado pela atração entre pessoas do mesmo sexo, sem que ela altere a sua natureza de homem ou mulher e os respectivos comportamentos construídos para cada um destes sexos. Em outras palavras, acabei por deixar de lado o complexo caso da transsexualidade que certamente deve ser visto como totalmente distinto, por implicar uma mudança na própria natureza de homem e mulher.
        Mesmo assim, agradeço toda a sua cordialidade e respeito pelas opiniões expostas em seu blog. Isto, por si só, já é uma esperança para o diálogo.

        • Marcelo Todaro disse:

          hoje não tenho problemas em reconhecer que sou homossexual e nem, muito menos, de pagar o preço por isto.

          O Antenor também não. Você leu o testemunho dele, conforme lhe recomendei?

          Vivo uma vida que, se fosse possível ainda utilizar a linguagem da Igreja, está baseada em praticamente todos os preceitos do Evangelho, inclusive na lei da castidade.

          Isso é muito bom. Elogio-o por sua integridade. 🙂

          Mas faço tudo isto pela profunda fé que mantenho no Pai Celestial e, se não estiver enganado (como você certamente pensará), sinto-me feliz e em paz.

          Felicidade e paz são dois dos frutos do Espírito (veja Gálatas 5:22) dados aos que se empenham em obedecer aos mandamentos de Deus.

          Como disse anteriormente, ainda é possível notar o preconceito em muitas de suas palavras. Um exemplo está neste parágrafo que você escreveu:
          “Se os gays querem expressar toda sua homossexualidade, que o façam dentro de suas alcovas sem que toda a sociedade tenha que engolir isso como se fosse a coisa mais normal e natural do mundo — e, pior, na ilusão de que Deus é a favor disso!”
          As palavras utilizadas falam por si só. “Alcovas”, “engolir”, “ilusão” e “expressar toda a sua homossexualidade” são expressões no mínimo irônicas.

          Bem, não tive a intenção de ser irônico e lamento que tenha visto preconceito em minhas palavras, pois não era o que eu tinha em mente. Em momento algum eu estava me referindo a você, e sim aos que tentam nos empurrar goela abaixo a cultura gay (contra a qual você mesmo se manifestou) querendo que a aceitemos como algo normal e natural. É isso o que não aceito.

          Você também disse:
          “Então acredito que você pode ter decidido sair da Igreja por qualquer motivo, menos pelo alegado”.
          Apesar de não estarmos discutindo esta questão, posso afirmar que minha saída da Igreja não teve outro motivo senão o já exposto no comentário anterior. Isto porque sempre foram bastante claros para mim os dogmas que estruturam as suas doutrinas. Sei muito bem que as ordenanças do templo são centrais na vida de um mórmon e que o selamento e a geração de filhos é o elemento fundamental da fé. Desta forma, mesmo com a expiação, o mais alto grau de glória no mundo celestial está reservado, segundo a Fé da Igreja, para aqueles que nesta vida casaram-se e tiveram filhos e constituíram uma “família”. Eles serão como o Nosso Pai Celestial e terão o poder de também gerarem filhos espirituais… Neste sentido, a tentativa da Igreja de incluir os homossexuais em sua fé é, em muitos pontos, conflituosa. E eu não queria me tornar um membro de segunda ordem. Não era para isto que eu depositava toda a minha devoção.

          Note que há uma grande diferença entre o que você disse acima e o que havia dito antes: que saiu da Igreja porque não “[achou] justo condenar uma mulher a ficar com um homem frio ao seu lado”. Agora que você esmiuçou melhor o que quis dizer ficou mais fácil entender, mas só com o que havia dito antes era difícil de aceitar.

          Além disso, sabemos muito bem que, a despeito das recomendações da Igreja sobre este assunto, maioria das lideranças locais age com preconceito e desconfiança em relação aos membros que assim se declararem. Sim, a Igreja é formada por homens e estes têm suas falhas. Mas, trata-se de algo disseminado em todos os lugares…

          A razão disso é uma só: insegurança. Como disse o Élder Holland, “temos tão poucas informações confiáveis a respeito disso que os que desejam ajudar sentem-se um tanto inseguros”. Então nossa parte é perdoar as falhas dos outros assim como esperamos sermos perdoados pelas nossas.

          Você também diz:
          “O Plano de Salvação de nosso Pai prevê a criação e perpetuação das famílias. Homossexuais não podem gerar filhos, portanto entre eles seus órgãos reprodutores perdem a utilidade para a qual foram concebidos no sublime ato da Criação, donde é fácil concluir que esse modo de vida não pode estar de acordo com o planejado por Ele.”
          Este argumento da utilidade dos órgãos reprodutores é no mínimo estranho. Considero que não devemos justificar supostos preceitos de Deus tão somente por uma questão anatômica, pois a possibilidade de generalização desta afirmação poderia incorrer em sérios perigos para a humanidade.

          Daniel, releia meu artigo. Não justifiquei o caráter pecaminoso da prática homossexual baseado apenas no fator anatômico. O que eu disse é que o fator anatômico pode nos fornecer um indício de que nunca foi intenção do Criador que houvessem relações homossexuais ou homoafetivas. Além desse indício há uma ampla variedade de outros, a maioria dos quais baseados nas escrituras, nas palavras dos profetas e apóstolos do passado e do presente e também no testemunho do Espírito, este o mais importante de todos. Quem quer que queira saber o que Deus pensa a respeito deste e de outros assuntos pode procurá-Lo diretamente e, se o fizer com suficiente fé e humildade, receberá resposta. Eis porque tenho tanta segurança e firmeza no que defendo.

          As interpretações sobre as passagens da Bíblia que se referem ao homossexualismo não oferecem qualquer saída definitiva. Muitas Igrejas, como é o caso da Igreja Protestante da Alemanha, da Igreja da Inglaterra e da Igreja Protestante da Dinamarca, estão empenhadas em discutir este assunto de um ponto de vista mais sóbrio. E, neste caso, um dos fatores centrais está ligado ao tipo de hermenêutica que se deve assumir. De um lado, há a interpretação literal dos textos, que não considera particularidades como o contexto social e histórico. Neste caso, a tendência é equivaler ou dotar todas as passagens com o mesmo valor, não diferenciando entre o Evangelho como princípio e os contextos particulares de aplicação. Outra interpretação, no entanto, enfatiza justamente o contrário, reconhecendo as particularidades históricas do texto, as diferenças entre o todo e a parte, etc. E, se seguirmos esta última vertente, nos veremos na obrigação de se perguntar se as passagens bíblicas sobre o homossexualismo condenam a “condição propriamente dita” ou apenas casos específicos de fornicação, promiscuidade e/ou estupro.

          É justamente para acabar com a desculpa das diferentes interpretações, baseadas nas quais criou-se toda essa panacéia religiosa em que o mundo está mergulhado, que Deus restaurou Seu evangelho e Sua Igreja nos dias atuais e nos deu novamente profetas e apóstolos para serem Seus porta-vozes na Terra hoje em dia. Aí ninguém vai poder usar a desculpa das interpretações para dizer que Deus é a favor ou contra o homossexualismo, dentre uma infinidade de outros assuntos. O fato é que, segundo as declarações desses profetas e apóstolos da atualidade, o padrão que Deus estabeleceu no Jardim do Éden permanece em vigor: homem com mulher, sem variações. Qualquer coisa que fuja disso não está de acordo com os planos de Deus e, portanto, não pode contar com a bênção Dele.

          Então não há que se pensar em interpretações ou coisa parecida. Há que se pensar apenas e tão somente naquilo que Deus fala hoje em dia, seja por meio da boca de Seus representantes autorizados ou mesmo por meio da revelação pessoal e da inspiração do Espírito. Eis porque, neste blog ou em qualquer outro lugar, defendo tão vigorosamente a santidade do casamento entre homem e mulher como única forma aceitável de união conjugal para Deus. E por isso afirmo também que os que não aceitam isso e tentam adaptar o padrão de Deus aos seus próprios gostos e preferências estão fadados a uma vida de frustrações. Como citei em meu comentário anterior: “Lembra-te de que não é a obra de Deus que se frustra, mas a obra dos homens” (D&C 3:3).

          Pode até ser verdade que a Igreja não pretende transformar um homossexual em um heterossexual, mas, a meu ver, esta afirmação é mais uma tentativa de diplomacia do que uma prática efetiva. Eu conheço o princípio da lei da castidade e não estou dizendo para ninguém quebrá-la a priori. Porque, os heteros a guardarão até casarem-se, mas um homossexual terá que se tornar um celibatário, já que, ao contrário das outras pessoas, jamais, em toda a sua vida, poderá ter qualquer relação sexual. Por trás desta imposição é possível detectarmos certo juízo de valor que constrói uma hierarquia entre as pessoas devido a sua condição sexual.

          Bem, lamento que você não goste disso, não fui eu que quis que fossem assim. A Lei da Castidade é de Deus, não da Igreja ou minha. Se você acha que alguém deve ser responsabilizado por isso, deve responsabilizar o próprio Deus (caso tenha essa audácia), não a Igreja ou a mim.

          Além disso, espero não ser desrespeitoso com você, mas considerei muito injusta a relação que você estabeleceu em seus argumentos entre homossexualidade, infidelidade e instabilidade, como se os casamentos heterossexuais, por natureza, pudessem estar isentos destes problemas. Tenho plena consciência de que uma boa parte dos relacionamentos homossexuais está baseada em princípios deploráveis da poligamia, da infidelidade, da fornicação. Mas, a meu ver, não há nada que indique que este tipo de relacionamento, por natureza, esteja fadado à infidelidade.

          Ué, mas onde foi que eu disse isso? Eu sequer acredito nisso para ter dito ou dado a entender algo assim. Por favor, releia o que escrevi para tentar entender o que eu realmente quis dizer.

          O que eu efetivamente disse, tanto nos meus comentários quanto no artigo, é que a felicidade na vida familiar é mais provável de ser alcançada quando fundamentada nos ensinamentos de Jesus Cristo, os quais não prevêem a opção da união gay. Portanto, quem quer que deseje unir-se num tipo de matrimônio diferente do estabelecido por Ele não pode esperar que Ele abençoe essa união e está por conta e risco próprios. Pode ser bem sucedido, pode não ser. E é mais provável que não seja, pois só a obediência aos mandamentos de Deus é capaz de proporcionar alegria, paz e realização duradouras e eternas.

          Do mesmo modo, mantenho minha opinião sobre a possibilidade da construção de uma família saudável independente de estar baseada na união entre homem e mulher.

          O casamento entre homem e mulher foi ordenado por Deus. E, quando fazemos o que Ele manda, Ele se coloca na obrigação de nos abençoar. Quando não fazemos, estamos por conta própria (veja D&C 82:10).

          E isto também vale para a questão da reprodução. Muitas pessoas que se manifestam contrárias ao homossexualismo tendem a vê-lo como uma ameaça a família, como se eles pudessem seduzir todos os heterossexuais existentes. Isto é um profundo erro.

          Também acho. Os homossexuais sempre foram, são e sempre serão um grupo minoritário, portanto jamais terão força suficiente para representarem uma ameaça ao padrão heterossexual ordenado por Deus.

          Você também escreve:
          “Entenda que o que importa aqui não é o que você ou eu ou quem quer que seja pensa. O que importa é o que Deus pensa. Será que Ele está de acordo com o seu raciocínio?”
          Ótima questão. Mas o fato é o seguinte: como saber se o que você pensa não passa de um raciocínio tão humano quanto o meu?

          Você sabia que Deus tem boca e fala? Pronto, é assim que podemos saber se o que penso não passa de um raciocínio tão humano quanto o seu.

          Já sabemos que as respostas obtidas através da Bíblia não são totalmente seguras para estas generalizações.

          “Sabemos” quem? Não me inclua nisso. Para mim, a palavra de Deus dada por inspiração do Espírito Santo é absolutamente segura. Novamente, eis porque defendo meus pontos de vista com tanta segurança e firmeza.

          Você pode então me responder que através da inspiração do Espírito Santo ou da Revelação… Esta é uma forma muito eficiente de contornar a discussão e seria apenas satisfatória se estivéssemos falando de um universo regido unicamente por preceitos mórmons.

          Errado. Os preceitos não são mórmons, são de Deus. Você saberia disso se O procurasse com fé e humildade em busca de uma resposta.

          Mas, o fato é que tanto eu quanto você não temos provas totalmente cabais para afirmar nenhum de nossos pontos de vistas com a máxima certeza. Pelo menos não através das fontes que cada um se ampara. E, tudo isto, permite a emergência do princípio da dúvida, para ambos os lados.

          Fale por si mesmo, sim? As provas que tenho são tão cabais que sou capaz de dar até minha última gota de sangue em defesa delas, se for preciso. A dúvida é sua, não minha. Não tenho dúvida de rigorosamente nada sobre esse assunto.

          Acredito que se você examinar com muita atenção a Bíblia, por ser a base da tradição cristã que permite um diálogo maior, notará que é muito difícil imputar todos os argumentos que você apresentou como sendo a “vontade de Deus”. Isto porque, a meu ver, em muitas partes você a interpreta de forma literal, mas em outras, constrói certas abstrações que fogem a literalidade. E, como isto, se poderia perguntar: qual o critério para se distinguir entre aquilo que deve ser interpretado de forma literal e aquilo que deve ser interpretado de modo figurado? Esta pergunta também oferece múltiplas respostas, eu suponho.

          Se você não aceita a inspiração e a revelação de Deus como respostas válidas, então só me resta dizer-lhe uma coisa: quando estivermos diante do Salvador, saberemos quem tinha razão. Só quero ver se, naquele momento, você argumentará com Ele usando toda essa sua teia de raciocínios e questionamentos tentando convencê-Lo de que Ele tem que mudar de idéia, aceitar as práticas homossexuais como normais e naturais e abençoar o casamento gay dando a esses “casais” a mesma porção de recompensas eternas destinadas aos que viveram uma vida regrada pelos ensinamentos Dele — os quais, nunca é demais lembrar, não prevêem a opção do casamento gay.

          Certamente não temos todas as respostas, um fato necessário para mantermos a humildade e sentirmo-nos desafiados a buscar a perfeição. Mas, justamente a existência deste elementar fato, de não sabermos, pelo menos dentro do Evangelho, os motivos que condicionam uma pessoa a nascer ou a tornar-se homossexual, acaba também por tornar muitas das tentativas de condenação a esta condição em decisões unilaterais, destituídas de reflexão e equilíbrio. Se não sabemos explicar este fato, como podemos ter a plena certeza de que ele não faz parte dos Planos de Deus para os homens?

          Se fizessem, Deus seria um Ser mutável, parcial e contraditório, indo contra o padrão estabelecido por Ele próprio. Simples assim.

          Ninguém precisa conhecer a razão da existência do homossexualismo para saber o que Deus disse a respeito de Seu plano eterno. Ele disse e está dito, pronto, acabou. Ninguém tem que ficar duvidando do que Ele já disse e questionando Sua lei por causa da falta de resposta a outras questões. Não sei de ninguém que tenha sido bem sucedido nessa tentativa e você não será o primeiro.

          Se as Escrituras não conseguem explicar a origem deste fenômeno, como podemos imputar em suas palavras o poder de sentenças de vigor eterno? E se as escrituras se posicionaram de forma lacunar ou contrária a priori, justamente por não haver uma resposta durante o tempo em que foram escritas?

          Bela tentativa de desacreditar as escrituras. Você ignora que elas devem ser lidas e entendidas conforme inspiração do Espírito para que sejam proveitosas. Essas dúvidas todas não estão em conformidade com a inspiração Dele, pois, quando Ele presta Seu testemunho, não deixa margem a dúvida alguma. Portanto, talvez esteja na hora de você começar a buscar essa inspiração e orientação divinas quando ler as escrituras.

          Todo esse nhenhenhém serve apenas a um propósito: jogar uma cortina de fumaça no fato de que o homossexualismo é contra o Plano de Salvação. Você pode gritar e espernear à vontade, mas jamais conseguirá mudar isso. Está remando contra a maré numa canoa furada em noite de tempestade. Tarefa inglória essa sua.

          Seria tão mais fácil pra você se se conformasse e aceitasse o evangelho de todo seu coração! Mesmo não se unindo a mulher, pelo menos conseguiria viver em paz nesta vida e teria esperança de uma ressurreição numa condição bem melhor. Leia o testemunho do Antenor!

          E se esta resposta estiver começando a ser esboçada em nosso tempo e exigir uma reformulação das formas tradicionais de interpretação? Restará sempre esta dúvida. E ela, por si só, pode servir tanto para condenar quanto para justificar.

          A dúvida é sua, Daniel, não minha. Ou de Deus. Como tenho dito, esses questionamentos todos nada mais são que uma mera tentativa de justificar o injustificável. Não vi você em momento algum agindo como o Antenor, ou seja, buscando adaptar sua vida ao evangelho ao invés de tentar adaptar o evangelho à sua vida. Não é Deus que tem que se dobrar à sua vontade, e sim o contrário: você é que tem que se dobrar à vontade de Deus — isso, naturalmente, se quiser contar com a intercessão Dele em seu favor. A escolha é sua. Escolha sabiamente.

          Por fim, considero que as terríveis condições as quais muitos homossexuais se acham expostos em nossa sociedade não decorre apenas de uma simples questão de “desobediência a Deus”, mas sim, de uma desigualdade social que estimula a falta de informação e a falta de aconselhamento

          E essa desigualdade social é fruto de quê, Daniel? Justamente da desobediência a Deus. Se duvida disso, espere até o Milênio começar, quando o mundo viverá integralmente a lei de Deus, e veja se haverá alguma desigualdade social na ocasião.

          Não adianta tentar tapar o sol com a peneira com questões periféricas, Daniel. A iniquidade, ou desobediência a Deus, é o que ocasiona os males do mundo. A obediência é o que traz paz e felicidade duradouras. Não há como fugir disso.

          Se não acredita, espere pra ver.

          É bastante simples culpar o pobre pela sua pobreza… Além disso, o reconhecimento da união estável entre pessoas do mesmo sexo é apenas um erro para aqueles que assim preferirem acreditar. E o mesmo vale para aqueles que defendem o contrário.

          Se você prefere iludir-se dessa forma, lamento por você. Eu não iria querer estar na sua pele.

          Mas você não tarda por esperar, Daniel. Se não acredita em mim, nem nas escrituras, nem nos profetas, nem no próprio Espírito, terá que ouvir isso do próprio Salvador. Mas aí talvez seja tarde demais para fazer algo a respeito. A escolha é sua.

          Mesmo assim, agradeço toda a sua cordialidade e respeito pelas opiniões expostas em seu blog. Isto, por si só, já é uma esperança para o diálogo.

          Isso você pode sempre esperar de mim. Mas o que acho é que você está meramente obedecendo a parte do evangelho que lhe convém e tentando adaptar aos seus gostos e preferências o que não lhe convém, levantando aquelas dúvidas todas que não têm razão de existir. Simplesmente submeta-se à vontade de Deus e pronto, sem questionamentos, sem se isso ou se aquilo. Faça isso e será feliz e bem sucedido. Não faça, e viverá uma vida de incertezas e angústias, como aparentemente já vive, aliás. Você pode até dizer que é fácil pra mim dizer isso, já que não estou na sua pele, mas, mais uma vez, temos o testemunho do Antenor para provar que até para um homossexual como ele é possível submeter-se à vontade de Deus nessa condição, sem questionamentos nem tentativas de adaptar a mente de Deus às suas idéias, e viver em paz. Então por que não experimenta seguir o exemplo dele pra ver se não dá certo?

          Um abraço!

          • Daniel disse:

            Prezado Marcelo,
            Só me resta agradecer mais uma vez pelo seu comentário detalhado. Fiquei alguns dias refletindo sobre as suas palavras… Não quero que pense que eu estou tentando desafiar ou deslegitimar o que você escreveu. Meu propósito era apenas esboçar um tipo de discussão mais estruturada, menos “apaixonada” e mais objetiva sobre o tema.
            Não é o meu objetivo, no entanto, prolongar indefinidamente esta nossa discussão. Por um simplesmente motivo: meus argumentos são extremamente falhos para você, enquanto os seus também o são para mim. As questões que eu coloquei em meu comentário anterior, por mais descabidas que possam lhe parecer, não poderiam ficar de fora de uma discussão séria sobre este tema do homossexualismo e o casamento. Não sou teólogo, mas possuo um pouco de conhecimento sobre hermenêutica bíblica; por isso, posso lhe afirmar que a forma como você se utiliza desta Escritura para justificar os seus argumentos seria inconcebível numa discussão teológica mais profunda. Isto porque você apenas repete uma profissão de fé. E, uma profissão de fé, como o nome já diz, é impossível de ser utilizada, numa discussão mais racional, como um forte argumento quando se pretende criticar (no sentido literal: “separar” para julgar), discutir e analisar algo (no sentido original do termo analisar: “desfazer, jogar para o alto”). Além do mais, uma profissão de fé é sempre unilateral, pois sua função é sempre a da afirmação, a da defesa e, na maioria das vezes, não-dialógica. É por isso que a dúvida é impossível de ser levantada na sua visão. Ela inexiste em profissões de fé deste tipo.
            Mas gostaria de atentar para o mesmo ponto que tentei discutir em meu comentário anterior: parece-me que há uma grande distancia entre as suas justificativas e o próprio texto bíblico. Tudo o que você disse são profissões de fé, algumas mais próximas do texto bíblico, outras mais distantes, baseadas numa série de abstrações de diversas passagens. Por exemplo, num determinado momento de seu último comentário, você escreveu: “Ninguém precisa conhecer a razão da existência do homossexualismo para saber o que Deus disse a respeito de Seu plano eterno. Ele disse e está dito, pronto, acabou. Ninguém tem que ficar duvidando do que Ele já disse e questionando Sua lei por causa da falta de resposta a outras questões”.
            Isto é o que você crê e não necessariamente o que está escrito na Bíblia. Claro que há a passagem que diz que Ele é o mesmo ontem, hoje e sempre e que seus desígnios são eternos. Sim. Mas as passagens sobre o homossexualismo podem ser colocadas dentro da categoria “desígnios eternos”? As condenações pontuais a esta prática dentro da Bíblia podem ser alçadas a condição de uma lei imutável, como no caso dos mandamentos? E qual o próprio estatuto da palavra “imutável”?Estas são questões teológicas que precisam ser discutidas e, a meu ver, não me parece que seus argumentos ou os meus tenham sequer chegado perto de uma boa explanação.
            Na maioria de seus comentários sobre o que escrevi, você sempre respondeu não com uma análise, mas com uma simplesmente profissão de fé ou, em alguns casos, admoestações. Mas, esta sua abordagem é impossível de ser mantida numa discussão mais objetiva. E note: não estou propondo para que discutamos o assunto pelo viés científico. Contudo, mesmo uma discussão sobre a bíblia exige um mínimo de objetividade e de argumentação para se sustentar. Caso o contrário, é impossível qualquer tentativa de diálogo, pois a fé é sempre fechada, repleta de dogmas. E, quando discutimos teologia, não discutimos a fé, mas a validade ou as possibilidades de determinadas argumentações no texto bíblico. E isto inclui discutirmos as claves interpretativas deste tipo de reflexão. Há sempre um pressuposto que ampara qualquer pensamento; há sempre um conjunto de raciocínio e de ligações mentais que embasam uma determinada explicação; há sempre variações de grandeza dentro das próprias palavras escritas dentro da Bíblia; por isso, é necessário, a meu ver, buscar encontrar estes pressupostos para o caso do homossexualismo. E, até onde sei, são poucos os teólogos que se sentem confiantes para afirmar que há uma condenação absoluta ao homossexualismo enquanto condição nas páginas desta Escritura.
            Por outro lado, como espero que você tenha percebido, eu não deixei de mostrar os pontos cinzentos de minha própria posição analítica, atentando para o fato de que é necessário um empenho mais rigoroso para ambos os lados. Mas a culpa é totalmente minha quanto a todas as questões que levantei, pois você está apenas manifestando a sua fé e este é o seu blog. Por isso, sou extremante grato pela sua atenção. Igualmente, seus esclarecimentos me ajudaram a relembrar alguns dos pontos de vista da Igreja que eu havia esquecido.
            Quanto ao testemunho do Antenor, ele realmente é impressionante. Gostaria de cumprimentá-lo pela sua força, determinação e fé. Mas, a meu ver, trata-se de uma escolha de vida, entre tantas outras possíveis. E, certamente, nosso bondoso Pai Celestial lhe abençoará muito, pois provém de um coração sincero e disposto a fazer aquilo que é certo em prol de Seu Nome. Contudo, é apenas um caso e não podemos nunca generalizar um fenômeno sem antes saber se ele realmente oferece as condições necessárias para tornar-se geral (exceção ou regra?). Eu, por exemplo, escolhi seguir outro caminho, fruto também de muito tempo de oração. E, agora deixando todos os meus argumentos de lado e passando a também fazer uma profissão de fé, posso afirmar que não creio estar desrespeitando ao Pai Celestial nesta escolha.
            Mais uma vez, muito obrigado! E, com isso, encerro aqui as minhas manifestações sobre esta questão.

            • Marcelo Todaro disse:

              Não sou teólogo, mas possuo um pouco de conhecimento sobre hermenêutica bíblica; por isso, posso lhe afirmar que a forma como você se utiliza desta Escritura para justificar os seus argumentos seria inconcebível numa discussão teológica mais profunda.

              Acontece, Daniel, que você, como membro da Igreja que um dia foi, deveria lembrar-se de que não precisamos nos basear apenas na Bíblia para saber o que pensar e o que dizer a respeito do que Deus realmente pensa (e não do que as pessoas acham que Ele pensa). Temos outras escrituras sagradas e também a palavra dos profetas vivos, que são os porta-vozes da mente e da vontade de Deus nos nossos dias. É baseado em tudo isso que defendo o que defendo com tanto vigor e segurança.

              No meu artigo indico artigos de publicações da Igreja nos quais você encontrará a vontade de Deus para pessoas na sua situação. Você já os leu? Já procurou compreender e aceitar o que dizem? Ou prefere achar que os profetas e apóstolos também estão enganados e você é quem está certo?

              Pode gritar e espernear à vontade, mas você jamais conseguirá mudar o que Deus determinou desde antes de o mundo existir. Não sei de ninguém que tenha sido bem sucedido nessa tentativa. Pelo contrário, lutar contra isso tem apenas uma única e definitiva consequência: a infelicidade eterna. Se você se contenta com isso, vá em frente. Se não, trate de adaptar sua vida à vontade de Deus ao invés de querer que Ele se adapte a você.

              Isto porque você apenas repete uma profissão de fé. E, uma profissão de fé, como o nome já diz, é impossível de ser utilizada, numa discussão mais racional, como um forte argumento quando se pretende criticar (no sentido literal: “separar” para julgar), discutir e analisar algo (no sentido original do termo analisar: “desfazer, jogar para o alto”). Além do mais, uma profissão de fé é sempre unilateral, pois sua função é sempre a da afirmação, a da defesa e, na maioria das vezes, não-dialógica. É por isso que a dúvida é impossível de ser levantada na sua visão. Ela inexiste em profissões de fé deste tipo.

              Chame do que quiser, Daniel. A opinião que realmente importa pra mim é a de Deus, não a sua ou a de quem quer que seja. Quanto a isso, estou absolutamente em paz com minha consciência e com Ele, enquanto você continuará remando contra a maré numa canoa furada em noite de tempestade com esses seus racionalismos, críticas e discussões que tentam justificar o injustificável. Se acha que vai chegar a algum lugar com isso, é livre para tentar. Mas todos sabemos qual será o fim disso.

              Não acredita? Então espere pra ver!

              Não me conformo com atitudes como a sua, Daniel. Ao invés de ficar se debatendo com racionalidades humanas inúteis, por que não se humilha perante seu Criador e aceita as coisas como Ele as fez? Ele é capaz de ajudá-lo a experimentar uma paz e felicidade tais como você jamais imaginou ser possível, muito maiores do que qualquer fiapo de satisfação que sua racionalidade humana seja um dia capaz de lhe conferir. Mas, para conseguir isso, você tem que estar disposto a fazer as coisas à maneira Dele, não à sua. Do contrário, como Ele próprio disse, “não tendes promessa alguma” (D&C 82:10).

              Querido amigo e irmão Daniel, a vida não precisa ser assim!

              Como digo em meu artigo Por que sou contra o casamento gay, se, apesar de tudo, os homossexuais quiserem continuar agindo de forma diversa da vontade Dele, têm a liberdade de desejá-lo. Mas não podem esperar que Ele os abençoe. Se acham que podem viver assim, são livres para tentar. Mas não deve ser difícil imaginar que uma vida destituída das bênçãos e do favor de nosso Pai Celestial deve ser uma vida que, quando comparada à que poderiam ter, é vazia, com alegrias efêmeras, conquistas temporárias e recompensas que não satisfazem mais do que por um breve momento de sua existência mortal. Pela perspectiva da eternidade, isso é como uma fumacinha levada pelo vento para logo sumir na imensidão do céu.

              Se você se contenta com isso, vá em frente. Eu não me contentaria, mesmo se também fosse gay, sabendo que há muitíssimo mais à minha disposição a ser conquistado, tanto nesta quanto na próxima vida.

              Mas gostaria de atentar para o mesmo ponto que tentei discutir em meu comentário anterior: parece-me que há uma grande distancia entre as suas justificativas e o próprio texto bíblico. Tudo o que você disse são profissões de fé, algumas mais próximas do texto bíblico, outras mais distantes, baseadas numa série de abstrações de diversas passagens. Por exemplo, num determinado momento de seu último comentário, você escreveu: “Ninguém precisa conhecer a razão da existência do homossexualismo para saber o que Deus disse a respeito de Seu plano eterno. Ele disse e está dito, pronto, acabou. Ninguém tem que ficar duvidando do que Ele já disse e questionando Sua lei por causa da falta de resposta a outras questões”. Isto é o que você crê e não necessariamente o que está escrito na Bíblia.

              Novamente, de novo, mais uma vez, outra vez, repetindo: felizmente não me baseio só na Bíblia para saber o que Deus pensa a respeito. Temos escrituras sagradas adicionais e temos profetas e apóstolos, que também não se baseiam unicamente na Bíblia e são pessoas que vêem e falam com Deus pessoalmente, cara a cara. É por isso que defendo meu ponto de vista com tanto vigor e firmeza.

              Entendeu agora?

              Claro que há a passagem que diz que Ele é o mesmo ontem, hoje e sempre e que seus desígnios são eternos. Sim. Mas as passagens sobre o homossexualismo podem ser colocadas dentro da categoria “desígnios eternos”? As condenações pontuais a esta prática dentro da Bíblia podem ser alçadas a condição de uma lei imutável, como no caso dos mandamentos? E qual o próprio estatuto da palavra “imutável”? Estas são questões teológicas que precisam ser discutidas e, a meu ver, não me parece que seus argumentos ou os meus tenham sequer chegado perto de uma boa explanação. Na maioria de seus comentários sobre o que escrevi, você sempre respondeu não com uma análise, mas com uma simplesmente profissão de fé ou, em alguns casos, admoestações. Mas, esta sua abordagem é impossível de ser mantida numa discussão mais objetiva. E note: não estou propondo para que discutamos o assunto pelo viés científico. Contudo, mesmo uma discussão sobre a bíblia exige um mínimo de objetividade e de argumentação para se sustentar. Caso o contrário, é impossível qualquer tentativa de diálogo, pois a fé é sempre fechada, repleta de dogmas. E, quando discutimos teologia, não discutimos a fé, mas a validade ou as possibilidades de determinadas argumentações no texto bíblico. E isto inclui discutirmos as claves interpretativas deste tipo de reflexão. Há sempre um pressuposto que ampara qualquer pensamento; há sempre um conjunto de raciocínio e de ligações mentais que embasam uma determinada explicação; há sempre variações de grandeza dentro das próprias palavras escritas dentro da Bíblia; por isso, é necessário, a meu ver, buscar encontrar estes pressupostos para o caso do homossexualismo. E, até onde sei, são poucos os teólogos que se sentem confiantes para afirmar que há uma condenação absoluta ao homossexualismo enquanto condição nas páginas desta Escritura.

              Sabe o que acho? Que tudo isso é uma simples e reles tentativa de racionalizar a palavra de Deus, de buscar no racional humano consolo para suas frustrações por ser homossexual, de tentar adaptar as escrituras à sua vontade ao invés de adaptar a si mesmo à vontade de Deus. Isso deve ser muito frustrante. Eu realmente não queria estar na sua pele.

              Eu, por exemplo, escolhi seguir outro caminho, fruto também de muito tempo de oração. E, agora deixando todos os meus argumentos de lado e passando a também fazer uma profissão de fé, posso afirmar que não creio estar desrespeitando ao Pai Celestial nesta escolha.

              Na minha opinião, não é a Ele que você está desrespeitando, mas a si mesmo, ao optar por seguir um caminho diverso do estabelecido por Ele no Plano de Salvação.

              Não estou dizendo que você tem que virar hétero, mas que tem que se sujeitar aos mandamentos de Deus se quiser a porção maior de recompensas que Ele tem para dar.

              Quando você estiver diante do Salvador e tiver que prestar contas de sua vida, que dirá a Ele como justificativa para não ter seguido Sua vontade conforme Ele ordenou que Seus porta-vozes na Terra, os profetas, anunciassem ao mundo?

              Bem, só me resta desejar-lhe boa sorte.

              Um abraço!

    • luiz roberto disse:

      Caro Marcelo; Assisti parte de tua entrevista no programa da Luciana, confesso que fiquei incomodado com teu desempenho e desde o início percebi que você estava despreparado.
      No início você apresentou uma figura representando Cristo, achei que você defenderia suas convicções com citações bíblicas, representando o pensamento de Cristo e de outros profetas, como o próprio apóstolo Paulo.

      As perguntas e comentários dos debatedores eram óbvias e pertinentes à maioria dos cidadãos, “homens naturais” que questionam os fundamentos cristãos quando confrontados com a natureza humana.
      O que mais me estarrece é o excessivo número de comentários elogiosos a teu favor.

      Amado amigo, percebo que você tenta se explicar neste blog e mais uma vez é feliz, porquê: Em tuas convicções a mais difícil de aceitar é que ninguém nasce gay, principalmente baseado em estudos ditos científicos, muito difícil de dar crédito, quando não fundamentados no âmbito espiritual, quando a verdade é revelada pelo Espírito Santo, principalmente nas escrituras sagrada. Estudo científico é revelação do Espírito Santo? A teoria de Darwin sobre a evolução das espécies é ferrenhamente defendida por 2 motivos: Primeiro, justamente por ser considerado estudo científico (extremamente falho e cheio de suposições); segundo, devido a natureza humana que rejeita tudo que provém de Deus.

      Outro fato, você refere uma afirmação de um veterinário sobre o comportamento de teus 2 cães machos, num relacionamento “gay”, outro equívoco, pois, o mesmo comportamento é observado relação às pessoas, ou seja manifestação afetiva/sexual, às vezes culmina com ejaculação, não provando ser um comportamento em querer se impor sobre as pessoas.

      A principal passagem bíblica menciona: “Pelo que Deus os entregou a paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural no que é contrário à natureza; semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a devida RECOMPENSA do seu erro. ” (Rm.1:26­,27)

      Jeremias 17:5 Assim diz o SENHOR: Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do SENHOR! Esse versículo explica uma das maiores falhas humanas no tocante aos assuntos espirituais não mensuráveis em laboratórios ou instituto de pesquisas.

      Caro Marcelo e internautas quando não temos certeza nos assuntos pertinentes à alma humana. O apóstolo Paulo sabia diferençar entre sua própria opinião e o “mandamento do Senhor” (1 Co 7:25). Era humilde bastante para dizer “se­gundo minha opinião” sobre alguns assuntos (1 Co 7:40).

      Você tem que separar o teu entendimento como homem carnal do espiritual.

      É muito delicado discutirmos a sexualidade humana e seu comportamento. As menções bíblicas nesse assunto destacam a tragédia humana envolvendo muitos homens de Deus, não diferente de hoje em dia.

      Meu comentário tem 2 aspectos: O primeiro, exposto acima, quando se envolve a Palavra de Deus. Segundo a minha opinião pessoal: O versículo em Rm.1:26­,27 a palavra RECOMPENSA tem duplo sentido, ou seja a paga pelo bem ou pelo mal, no caso o mal. Como vivi em internatos, quando o agrupamento é do mesmo sexo, a natureza humana leva a um relacionamento homosexual em função do ambiente, observado, principalmente entre crianças e familiares infanto-juvenis. Fase essa que passa com o amadurecimento sexual. Na fase adulta a primeira condição em agrupamento do mesmo sexo, a tendencia é o relacionamento homosexual, principalmente em presídios, conventos. Eu passei por experiências nada agradáveis, com 9 anos fui extrupado várias vezes por um garoto de 15 e com 14 fui assediado por um padre. Esses fatos nunca afetaram a minha sexualidade!!!

      Devido a minha personalidade junto com minha experiência de vida (tenho 61) sempre respeitei, com dor no coração, essa, dentre outras aflições humanas. Tenho experiência recente, pois meu filho, hoje com 17, convive desde o período escolar com um colega homosexual também com 17. Há 2 semanas um de seus amigos de escola, também homosexual, da mesma idade, sofreu um acidente e faleceu, era músico na CCB (vai ser condenado ao fogo eterno?).

      Esse garoto, hoje na faculdade, frequenta muito minha casa, seu pai católico, sempre levei a observar a Palavra de Deus sem mostrar sua condição. Ele não gostaria de ter tido essa RECOMPENSA, ou seja, não foi em função do ambiente, ELE NASCEU COM ESSA CARACTERÍSTICA. Assim, quem pode explicar esses mistérios que Deus sabe de antemão antes mesmo de nascermos? Temos que ter o pensamento de Cristo e imaginar como agiríamos se fôssemos Ele.

      Amemo-os, respeitemo-os, convivamos com eles porque suas vidas perante à sociedade e PRINCIPALMENTE em relação aos LOUCOS evangélicos, encontram mais dificuldades.

      Nós, por acaso, somos santos? ICor. 6, 2= “Não sabeis que os Santos julgaram o mundo”.

      Amados, quando penso nas aflições humanas confesso que muitas vezes choro e não tenho nem coragem de manifestar publicamente minha gratidão a Deus para não aumentar mais ainda o sofrimento desses irmãos, apenas peço ao nosso Mestre Jesus que interceda e apresse através do Espírito Santo o resgate de nossos irmãozinhos.

      Amados internautas, principalmente os que estão nessa condição, indico a Palavra de Deus na boca de 2 pregadores: John Mulinde http://www.youtube.com/watch?v=YFw3Z1u6g6s e Charles Haden Spurgeon onde seus sermões dentre muitos falam sobre a incapacidade humana de ir a Cristo e sua submissão perante a ELEIÇÃO de Deus.

      Recebam meu carinho fraternal em Jesus Cristo e busque-O com todo teu coração. Use a oração mais curta de Pedro: SENHOR, SALVA-ME.

      • Marcelo Todaro disse:

        Caro Luiz Roberto,

        Vejamos alguns pontos de seu comentário:

        No início você apresentou uma figura representando Cristo, achei que você defenderia suas convicções com citações bíblicas, representando o pensamento de Cristo e de outros profetas, como o próprio apóstolo Paulo.

        Você deveria ter lido meu artigo Minha participação no Superpop de Luciana Gimenez antes de ter lido este. Naquele, explico que a produção do programa não estava interessada numa pregação religiosa, e sim na minha opinião. Por isso não li escrituras nem citações e simplesmente me limitei a dizer o que penso, que era o que realmente interessava ao programa. Isso não me torna “despreparado” de forma alguma.

        Estudo científico é revelação do Espírito Santo? A teoria de Darwin sobre a evolução das espécies é ferrenhamente defendida por 2 motivos: Primeiro, justamente por ser considerado estudo científico (extremamente falho e cheio de suposições); segundo, devido a natureza humana que rejeita tudo que provém de Deus.

        Você está citando apenas o caso da teoria de Darwin para dizer que toda ciência é apóstata. Não posso concordar com isso. Temos casos de muitos cientistas que se tornaram religiosos por conta de suas descobertas científicas, deixando-os admirados diante da perfeição da Criação. Cito alguns: Leonard da Vinci, Johann Kepler, Francis Bacon, Blaise Pascal, Robert Boyle, John Ray, Galileu Galilei, Robert Hooke, William Harvey, Isaac Newton, Michael Faraday, Samuel Morse, Charles Bell, James Joule, John Dalton, Louis Agassiz, John Dawson, Gregor Mendel, Luis Pasteur, Lord Kelvin, William Ramsay, John Fleming, dentre outros.

        Muitas das descobertas científicas são inspiradas pelo Espírito Santo, sim, afinal são coisas que vêm em benefício do homem e, portanto, abençoam nossas vidas. Pessoalmente, eu não gostaria de ter vivido numa época em que não me fosse possível escovar os dentes ou ter feito a cirurgia que corrigiu minha miopia, para citar só dois exemplos. Vai dizer que esses avanços científicos não foram inspirados por Deus?

        Como o próprio nome diz, a teoria de Darwin é apenas uma teoria. Até onde sei, não há comprovação científica nenhuma sobre ela, assim como sobre o Big Bang. São só hipóteses que, na falta de outras melhores, são aceitas como válidas. Mas isso só até quando aparecer algo melhor.

        Outro fato, você refere uma afirmação de um veterinário sobre o comportamento de teus 2 cães machos, num relacionamento “gay”, outro equívoco, pois, o mesmo comportamento é observado relação às pessoas, ou seja manifestação afetiva/sexual, às vezes culmina com ejaculação, não provando ser um comportamento em querer se impor sobre as pessoas.

        Acho que você não entendeu o que escrevi. Eu disse que o que meus cães fizeram não foi uma “transa gay”, contestando argumento de que relacionamentos homossexuais são naturais porque até na Natureza existem. Eu não disse que eles o fizeram com a mesma conotação afetiva que há entre os gays e que o propósito foi o de fazer uma afirmação de liderança de um sobre o outro, como não acontece entre humanos. Os animais agem por puro instinto, enquanto que os humanos não.

        Você tem que separar o teu entendimento como homem carnal do espiritual.

        Até o momento você não conseguiu explicar porquê eu não estaria sendo capaz disso.

        Ele não gostaria de ter tido essa RECOMPENSA, ou seja, não foi em função do ambiente, ELE NASCEU COM ESSA CARACTERÍSTICA.

        Não acredito nisso, pelos motivos que explico em meu artigo e acho que não preciso repetir aqui.

        Um abraço!

      • LENA LIMA disse:

        Caro Luiz Roberto,

        Eu li todo esse seu discurso que, confesso, no inicio parecia de uma pessoa conhecedora da palavra de Deus.

        Não vou usar de vã filosofia, de palavras dificeis, querendo mostrar minha intelectualidade, pois aprendi que o homem se perde e torna-se ignorante com muitas letras, pois está querendo mostrar inteligencia humana e não espiritual. Já imaginou Jesus falando com toda a intelectualidade para as pessoas SIMPLES E HUMILDES?

        Olha só, quem é homosexual não vai concordar NUNCA com Marcelo, é fato. Vai distorcer a palavra de Deus querendo justificar.

        Vou só comentar um trecho que li: QUE DEUS JÁ SABIA QUE ESSE RAPAZ IRIA NASCER ASSIM.

        Sabe porque Deus entregou as paixões infames? Porque o homem não obdeceu a Deus. Imagine, agora você tem um filho e ele insiste em teimar com você. Então você insiste em dizer que ele não deve fazer isso ou aquilo por varias vezes e ele insiste em achar que está certo e que você está errado. Do mesmo jeito é Deus, ele não quer nosso mal, mas às vezes permite para que a gente aprenda e volte até chorando aos seus braços.

        Amigo, nem tudo que acontece é da vontade de Deus, pode ser permissão por causa dos nossos pecados, mas tenha certeza que não é da vontade dele.

        • Daniel disse:

          Recebi o post de Lena Lima no meu e-mail hoje. Ele me assustou. Porque ela parece tomada pelo mesmo problema que critica na participação de Luiz Roberto. Nos meus posts aqui no Blog do Marcelo, pude defender a minha posição que, naturalmente, foi recusada e criticada pelo Marcelo. Isto porque cada um interpreta de forma distinta esta questão. Por outro lado, fiquei tentado a comentar duas frases de Lena. Peço desculpas, desde já, especialmente ao Marcelo, pela minha intromissão aqui novamente.
          Lena escreveu: “Não vou usar de vã filosofia, de palavras difíceis, querendo mostrar minha intelectualidade, pois aprendi que o homem se perde e torna-se ignorante com muitas letras, pois está querendo mostrar inteligência humana e não espiritual. Já imaginou Jesus falando com toda a intelectualidade para as pessoas SIMPLES E HUMILDES?”
          Preza Lena, não acredito que agir de uma forma cega e ignorante seja sinônimo de humildade. Isso entra em contradição com a própria condição humana criada por Deus, com o homem sendo um ser livre e criativo. Assim, tudo depende do seu conceito de humildade. Em doutrina e Convênios, por exemplo, o senhor fala da Glória que é a inteligência. Além disso, gostaria de lhe perguntar a respeito de seu grau de “inteligência espiritual”. A meu ver, você apenas manifestou inteligência humana em seu comentário. E, Independente de algo ser explicado com “palavras difíceis”, ele sempre se manterá enquanto inteligência humana sujeita ao erro e a falha. Igualmente, recorrer a preocupação de Jesus em relação aos simples e humildes para criticar os intelectuais é uma atitude estranha, já que sabemos que Cristo se referia ao espírito e a uma determinada forma de conduta humana. Além disso, muitas vezes, os clamores de humildade podem servir para esconder uma atitude reacionária e fechada ao diálogo e a crítica de idéias.
          Lena também escreveu: “Sabe porque Deus entregou as paixões infames? Porque o homem não obedeceu a Deus. Imagine, agora você tem um filho e ele insiste em teimar com você. Então você insiste em dizer que ele não deve fazer isso ou aquilo por varias vezes e ele insiste em achar que está certo e que você está errado. Do mesmo jeito é Deus, ele não quer nosso mal, mas às vezes permite para que a gente aprenda e volte até chorando aos seus braços”.
          Prezada Lena, fiquei muito espantado pela sua explicação e pela sua concepção de Deus. Você, com um raciocínio e com exemplos totalmente humanos, tenta colocar, literalmente, “palavras” na boca de Deus. E Eu tenho minhas dúvidas a respeito de ser este o motivo da existência de “paixões infames no mundo”. Além do mais, a senhora não pode afirmar que a homossexualidade se trata de “paixões infames”. Isto é simplificar as coisas e, pior ainda, é puro preconceito e discriminação. Como você pode imputar sentimentos a corações que desconhece? Como você pode julgar mentes que você não compreende? Como você pode dizer que é assim que Deus raciocina?

  19. Ana Carolina disse:

    Oi Marcelo, bom dia!

    Adorei seu blog, seus artigos estão maravilhosos. Este artigo que estou lendo, a respeito de casamento gay, é magnifico!

    “Um voto pode burlar as leis de Deus”. Votamos para governantes de nosso estado, cidade ou país pessoas cujas reais intenções em relação à lei de nosso Pai não sabemos quais são. Mesmo que eles tentem mudar, nada vai fazer com elas deixem de existir. As pessoas podem tentar fazer o que quiserem com suas vidas, mas no dia em que o Filho do Homem voltar, todo joelho se dobrará e toda língua confessará que Ele é o Cristo, que é o mesmo ontem, hoje e para sempre, que Suas leis não mudaram jamais.

    A familia composta de pai e mãe, homem e mulher, para gerarem filhos não mudou, este é o padrão de Deus. Aos poucos fazemos nossa parte proclamando ao mundo as leis de Deus!!

    Parabéns, amei seu blog!!!

  20. MariaA disse:

    olá, eu ja fiquei com mulheres, mas estou arrependida, meu arrependimento é todo o meu coração, eu não acho certo e pra mim foi só uma fase, já pedi perdão a Deus por isso, eu não frequento nem uma religião, sou batizada na igreja católica, porém nunca gostei muito de religião, embora eu leia a Bíblia frequentemente em casa mesmo, eu estou satisfeita com minha condição, e meu contato com Deus na minha casa, eu não pretendo frequentar igrejas, eu gostaria de saber desse meu perfil, o que você acha desse meu perfil?

    • Marcelo Todaro disse:

      Maria,

      Entendo o que está pensando e sentindo, pois houve fase de minha vida em que também agi assim. Felizmente, não durou muito.

      Quando Jesus esteve no mundo, organizou a Igreja dele e comissionou doze apóstolos para tomarem conta dela quando se fosse. Ele o fez por um motivo: a Igreja é onde Seus seguidores aprendem mais sobre Ele para que possam seguir Seu exemplo e recebem as ordenanças do sacerdócio necessárias à salvação.

      Quem quer que fique em casa sem aprender mais sobre Ele e sem receber as ordenanças do sacerdócio está perdendo a oportunidade de elevar sua estatura espiritual e conquistar recompensas terrenas e eternas que não se conquistam de outra forma.

      Eu gostaria de convidá-la a ler minha história neste artigo e a conhecer a Igreja de Jesus Cristo. Visite maps.lds.org e descubra onde fica a capela mais próxima de você.

      Um abraço!

      • MariaA disse:

        esqueci de lhe relatar um problema, eu não acredito nas Pessoas, pra mim as pessoas mentem o tempo todo, perdi meu encanto por religiões, devido a certos fatos costumeiros que não concordo que acontecem em todas as igrejas, eu vejo as pessoas usando nossa fé pra enriquecerem e isso me deixa muito desiludida.. eu vejo casos tristes que acontecem com quem frequenta a casa de oração que me deixa cada dia mais cética, eu gostaria de saber se eu posso conquistar minhas salvação sozinha na minha casa mesmo tipo autodidática, sabe?, seguindo os mandamentos de Deus e sem frequentar nenhuma Religião?

        • Marcelo Todaro disse:

          Maria,

          Como escrevi em meu comentário anterior, se Jesus organizou Sua Igreja é porque era necessário haver uma, do contrário Ele não o teria feito.

          Se você vai à Igreja preocupada com o que os outros fazem, lamento dizer, mas está indo com a atitude errada. Devemos ir à Igreja por causa do sacrifício que Cristo fez por nós. Não vamos à Igreja por causa das pessoas, mas por causa de Cristo. Vamos para aprender mais sobre o exemplo Dele para que possamos segui-lo. Vamos para receber as ordenanças do sacerdócio necessárias à nossa salvação.

          Então, se aceita um conselho, tire as pessoas da sua mente e concentre-se em Cristo. Não é a Igreja que precisa de você, e sim você que precisa dela. Novamente: Cristo organizou Sua Igreja por um motivo e não foi para que a ignorássemos achando que ficando em casa seríamos tão abençoados quanto. Dispa-se de seus preconceitos e vá à Igreja pelo motivo certo.

          Mais uma vez: eu gostaria de convidá-la a conhecer a Igreja de Jesus Cristo. Visite maps.lds.org e descubra onde fica a capela mais próxima de você.

          Um abraço!

  21. cristina disse:

    Boa noite, quero dar-lhe os parabéns pela forma como segurando um bisturi, vai analisar o tecido social, gostei imenso.
    A principal causa por que venho escrever-lhe é essencialmente pelo facto de, sempre que tento argumentar e persuadir, de certa forma, fico sem argumentos possíveis para justificar as provas da existência de Deus. Irritam-me as pessoas que não sabem nada do assunto, mas que mesmo assim, defendem uma posição contrária a Deus. Quero, assim, perguntar-lhe a melhor forma de encarar este tipo de pessoas, e o que poderei retorquir-lhes.
    Obrigada desde já, atenciosamente, Cristina. 😀

    • Marcelo Todaro disse:

      Cristina,

      Não há como convencer quem não quer ser convencido. Nem o próprio Deus faz isso (e não é porque não possa, e sim por respeito ao livre-arbítrio de cada um).

      Assim, só o que nos resta fazer diante desse tipo de situação é simplesmente prestar nosso testemunho quanto ao que sabemos ser verdade. Quando é comigo e se o interlocutor continua não acreditando, respondo: “Não acredita? Então espere para ver”. E encerro aí.

      Não vale a pena nos envolvermos nesse tipo de discussão. Cada um tem seu tempo. Os céticos de hoje podem ser os crentes de amanhã.

      Um abraço!

  22. Priciana disse:

    “O homossexualismo como pratica costumeira em detrimento do hetero é pernicioso porque contraria a lei natural dos seres vivos. Só as lesmas é que são bissexuadas; isso deve ser ponderado para analise. O porque do fato. Se homossexualismo, em si, devesse ser adotado, a própria Natureza nos dotaria simultaneamente de ambos os órgãos, como no caso das flores e dos hermafroditas”.

    texto copiado

  23. renato disse:

    Por que será que os gays sempre se fazem de coitadinhos ?

    A questão meu amigo é que eles não aceitam o fato de voce esta certo sobre tudo que vc postou. E como dizem; a verdade doi. E que também são os acontecimentos dos finais dos tempos..

    abraços marcelo e parabéns..

  24. thayane disse:

    misericordia cristo nao concordo com isso jamais. mas isso tudo é a biblia se cumprindo, se isso não acontecesse a biblia seria mentirosa. mas olha ai, tá se cumprindo e muito bem.

  25. Bruno disse:

    Bom dia!

    Quero primeiramente parabenizá-lo pelo artigo.

    Quero dizer que comungo da mesma opinião que a sua Marcelo porém quero adverti-lo para que você não venha perder a sua razão perante o que você defende, não perante a nós aqui humanos, mas perante ao nosso próprio Deus.

    Quando você diz “Há certas coisas que nem preciso mais da fé para saber que são verdadeiras, pois delas já tenho um conhecimento perfeito. Eu não teria escrito o artigo em questão se não estivesse absolutamente seguro do que afirmo pelo ponto de vista de nosso Pai.” (usei aspas pois não consegui quotar esse trecho do que você diz a Fernanda no dia 27 de abril de 2011)

    Ao dizer que não precisa da fé para saber que certas coisas são verdadeiras pois delas você já tem conhecimento perfeito você corre risco de incorrer em um erro fatal para nós que somos servos de Deus. O erro de acharmos que estamos atingindo a perfeição e de que nosso conhecimento é capaz nós permitir enxergar verdadeiramente as coisas como são.

    A Palavra nos adverte dizendo que nosso coração é enganoso e nunca devemos tentar fazer/enxergar as coisas por nossas próprias forças, mas devemos sempre clamar para que Deus nos permita enxergar as coisas com seus olhos tendo unidade com seu Filho que é a figura da Perfeição a qual devemos tentar chegar.

    Quando nos achamos fortes é quando estamos a beira da queda e súplico para que você não incorra nesse erro que nos faz perder tantos servos valorosos e que poderiam estar servindo a nosso Senhor de forma grandiosa servindo como colunas da Casa de Deus.

    Seu conhecimento é notável e mesmo na minha pequenez peço que julgue meu conselho e se lhe aprouver aproveite algo disso que eu disse.

    Que a paz de nosso Senhor esteja contigo e com todos nós!

    • Marcelo Todaro disse:

      Oi, Bruno.

      Você disse:

      Ao dizer que não precisa da fé para saber que certas coisas são verdadeiras pois delas você já tem conhecimento perfeito você corre risco de incorrer em um erro fatal para nós que somos servos de Deus. O erro de acharmos que estamos atingindo a perfeição e de que nosso conhecimento é capaz nós permitir enxergar verdadeiramente as coisas como são.

      Alguém que alcançou um conhecimento perfeito sobre alguma coisa não é alguém que já chegou ou está chegando à perfeição. Uma coisa nada tem a ver com outra.

      Por exemplo, já tenho um conhecimento perfeito da realidade da existência do Espírito Santo, pois já tive experiências com Ele em quantidade, conteúdo e relevância suficientes para não depender mais da fé para saber disso. E isso de forma alguma faz de mim alguém perfeito ou sequer perto disso.

      Compreendeu? 😉

      Um abraço!

      • Bruno disse:

        Entendi completamente, mas sugiro que mesmo os assuntos os quais você já domina amplamente pela vasta experiência que tu já teve e tem com nosso Mestre você continue ainda assim utilizando a fé para alcançar ainda uma compreensão ainda superior a que você já tem (que por sinal é digna de um grande respeito).

        Nunca subiremos tão alto alcançando um ponto o qual não se possa mais subir, pelo menos nessa vida. Quando conseguimos enxergar com os olhos de Cristo e pensar com a mente de nosso Mestre, alcançamos uma unidade com Ele, mas infelizmente por estarmos tão contaminados pelo pecado não conseguimos manter todo o tempo essa unidade.

        Peço inclusive desculpa por estar admoestando você sendo que quem deveria estar a aconselhar alguém aqui é você e quem deveria ser admoestado sou eu.

  26. Ola Marcelo,
    Existem princípios e leis que são imutáveis. Em diferentes épocas da história desse mundo quando sociedades viveram aquem sem importar com o cumprimento dessas leis e princípios simplismente deixaram de existir. Creio que estamos andando a passos largos onde a história se repetira, mas quem conhece o evangelho sabe que tempos difíceis virão antes da segunda vinda…onde tudo pode…e agora querem amparar pela leis dos homens…
    Parabéns pelo seu posicionamento tão verdadeiro por estar centrado na verdade!!!

    Gilmar,

  27. Gabriel MorettiDe disse:

    Olá..
    Recentemente defendi meu trabalho de conclusão de graduação em direito, intitulado a “Possibilidade jurídica da adoção por casais homoafetivos”.
    No mesmo, falei sobre o direito dos homossexuais adotarem, bem como casarem.
    Sou cristão, frequentador assíduo da igraja, porém não me deixo levar por tamanho preconceito. Tenho amigos gays, frequentadores assíduos da igreja (INCLUINDO EVANGÉLICO)
    Aprendi sempre “Amar uns aos outros, assim como eu vos amei”.
    A igreja é preconceituosa e usa Deus como seu escudo protetor.
    Deus ama qualquer cidadão, independente de sexo.
    Deus fez o homem a sua imagem e semelhaça.. (Aprendi de um evangélico, que Deus não é homem e nem mulher.. E ai?)

    • Marcelo Todaro disse:

      E aí que aparentemente você não leu meu artigo antes de comentá-lo. Se leu, não entendeu.

      Por favor, volte a ele e leia-o com calma e atenção, do começo ao fim.

      Depois disso, fique à vontade para comentar o que leu.

      Um abraço!

  28. RAQUEL disse:

    Marcelo li seu artigo ,alguns comentários e acordados com ele s enviei alguns tópicos ao STF.
    A palavra nos diz, que conhecereis a verdade e ela vos libertará. Não estou presa à dogmas ou religião , pois Jesus morreu na cruz por mim e por vc. O livre arbítrio, diz respeito a sua liberdade de escolha. Vc é o árbitro da sua vida, podendo escolher o “certo “”ou o “errado””. Agora isso nAò quer dizer que Deus compactua com suas escolhas e seus erros.

    A expressão “Direitos do Homem” refere-se ao universal, ao que todo homem é e tem por direito, independentemente do país em que vive ou da forma de governo ali adotada. Já “Direitos do Cidadão” diz respeito à relação do indivíduo com a sua nação. Assim, um indivíduo, em situações específicas, pode ter alguns de seus direitos de cidadão suspensos temporariamente, mas nunca perde os direitos do homem.

    Os discursos em torno da violência e da insegurança são apresentados apenas como suporte.
    Percebo que, as mudanças relacionadas aos conceitos de direitos e direitos humanos não acontecem de forma isolada. Estão relacionadas ao contexto socioeconômico e político, bem como ao contexto geográfico e cultural.

    Estão esquecendo que algumas mudanças promovem o rompimento do equilíbrio, e portanto, com a manutenção das maiorias .

    Que nossa voz também seja ouvida.

  29. Cris Andrade disse:

    O assunto casamento precisa ser muito abordado. Não só casamento gay.

    O homossexualismo por si só não pode ser lema de vida, não pode ser modelo, simplesmente porque o mundo não giraria se isso fosse modelo, o mundo deixaria de existir.

    Eu considero o homossexualismo um desvio, da mesma forma que aqueles que adoram pés ou bexigas. Já pensou casar alguém com um pé ou com uma bexiga? Não vou discriminar as mais diversas opções sexuais, desde que não vá contra as leis (como pedofilia).

    Mas, isso não quer dizer que eu vou tomar como modelo de vida, erguer uma bandeira, de forma alguma, isso sai dos parâmetros da normalidade. O modelo a ser seguido é pai, mãe e filhos (concordo contigo). Não se pode eliminar a figura do pai, nem da mãe, cada um tem a sua importância na educação dos filhos. Dois pais ou duas mães, não é modelo.

    O ser humano desde o nascimento é guiado pelo instinto e deve ser educado na sua conduta. Pelo instinto, ele é totalmente egoísta, tudo que importa é a própria satisfação em todos os níveis. Vai tomar o que quiser, como quiser, porque isto é instinto, animal. Se deixar levar pelo instinto, o ser humano vai deitar com pai, mãe, irmãos, avos, tios, cadáveres, pés, porcos, galinhas, cavalos, melancia, qualquer coisa que lhe traga prazer.

    Basta observar a criança, ela quer tudo pra si, mas vai aprendendo que o outro existe, aprende a compartilhar, a respeitar, a amar o próximo e não só a si mesma. Uma questão de evolução.

    A criança, sendo um ser em formação, vai carregar metralhadora no ombro e sair matando se este for o modelo que lhe ensinarem, como ocorre com a Al Qaeda, onde vemos crianças orgulhosas por matarem em nome do Deus deles.

    Não vou aderir ao dia do hetero porque estaria equiparando ao dia do gay. Não deveria existir o dia do gay, ninguém deveria portar essa bandeira, isso não é modelo a ser transmitido.

    Não vou julgar ou discriminar, mas não vou tomar como modelo. Não concordo que isso deva ser levado às escolas, às crianças, nem às ruas. Não acho normal ficar olhando casal gay se beijando, justamente porque esse não é o modelo de sociedade que eu quero compartilhar.

    Se eu tiver um filho gay, vou fazer de tudo pra tratá-lo e, se não tiver solução, vou ensiná-lo a guardar suas preferências pro seu meio, buscar um igual a ele com as mesmas convicções sem jamais se aproveitar de um momento de fraqueza de outro ser humano ou tentar induzir uma criança a isso ou a achar que isso é normal. Nada me impede de ter amizade com gays (eu tenho) e de tratá-los normalmente, isso é respeito ao próximo, mas não quer dizer que isto é modelo a ser seguido.

  30. Leonardo disse:

    Mas!…Mas!…Você escreveu o texto com argumentação baseada na Bíblia Sagrada, como se todos concordassem que Deus existe e merece nossa devoção.Grande parte das pessoas que defendem a causa gay são atéias então isso não surte efeito algum nelas.

    E como o estado é laico como você mesmo falou na reportagem é direito dos ateus se casarem com pessoas do mesmo sexo.

  31. Miqueias Ferreira da Silva disse:

    Tenho 17 anos. Eu estava fazendo um trabalho sobre casamento gay e encontrei esse site. Sou cristão.

    Não aguento mais ir para escola para ouvir sobre casamento gay. Sou 100% contra. Naci e aprendi com os meus pais que só existem dois sexos. Agora vou ter que dizer a meus filhos que existem três? Isso é o fim dos tempos!

    Quero dizer algo para os politicos e os gays: os cristão não são otários.

    Que pais é esse que as minorias (gays) mandam na democracia?

    Gay tem direito a tudo, um cidadão comum não.

    SENADORA MARTA SUPLICY, VC ESSE MEXENDO COM OS CRISTÃOS E SUA FÉ. NÃO SOMOS OTÁRIOS. AINDA VAI TER PROXIMA ELEIÇÃO. NINGUEM PODE TOCAR NA IGREJA DO SENHOR
    VIVO NUM PAIS EM QUE A MINORIA (gays) MANDA.

    • Marcelo Todaro disse:

      Console-se com isto, Miquéias: os dias deles estão contados. A alegria deles durará pouco.

      Mal posso esperar! 🙂

    • *** disse:

      Que direitos é que os homoxessuais têm e tu não? E para sua informação, só existem dois sexos: feminino e masculino. Já orientações, isso sim, existem três… o fim do mundo era se a sua tão certa e importante maioria o governasse.

  32. Marcelo Todaro disse:

    O comentário do leitor “Mz” foi rejeitado por ser grosseiro e por ter o autor usado e-mail falso para publicá-lo (sad@ig.com).

    Aliás, uma observação sobre isso: já apaguei inúmeros comentários de gente interessada apenas em provar a própria falta de educação escondida por trás de pseudônimos e e-mails falsos, atitude típica de quem não tem argumentos. Então, na falta destes, não lhes resta escolha senão usar de agressão e desrespeito para tentar impor sua opinião. Por isso se escondem. Além de tudo são covardes, do tipo que atira pedras da vidraça do vizinho e saem correndo.

    O que me consola é que essas atitudes estão com os dias contados no mundo. E quem não acredita é só esperar para ver. 😉

  33. Jairo disse:

    É MUITO ENGRAÇADO VER CRENTES FANÁTICOS FALANDO DE SEUS SERES IMAGINÁRIOS COMO SE SOUBESSEM DO QUE ESTÃO FALANDO, QUANDO QUALQUER UM PERCEBE QUE APENAS REPETEM, COMO UM GRAVADOR COM PERNAS, A LAVAGEM CEREBRAL QUE RECEBERAM NA IGREJA.

    TODA IGREJA É UM ANTRO DE MENTIRAS QUE PRECISAM SER ACEITAS DE OLHOS FECHADOS…

    • Marcelo Todaro disse:

      Sempre soube que casar fé e homossexualismo é algo complicado. Diante de tantos indícios escriturísticos de que nosso Pai e Criador condena as relações homoafetivas, os que preferem praticá-las não têm escolha senão desprezar e atacar Deus e Seus filhos. Como Ele não diz o que querem ouvir, preferem rebelar-se. Afinal, é bem mais fácil e conveniente desprezá-Lo do que testar o que Ele diz para ver se Suas promessas se cumprem.

      Azar o deles, oras. Sou testemunha de que as promessas do Mestre se cumprem, portanto sei o que e o quanto os rebeldes estão perdendo. Eles não. Muitos deles só saberão quando for tarde demais para fazer algo a respeito.

      Não acredita? Então espere pra ver. Só espere!

      • Anderson disse:

        manow tbm sou mórmom, tenho 12 anos (sou diácono), naum aguento + ver esses políticos dando todo o apoio para os gays, nós heterossexuais tbm mereciamos 1 terço dessas leis que os homossexuais tem, se o mundo fosse movido pelas ações homossexuais e Deus não existisse o mundo nem sequer existiria, e se existisse por uma explosãozinha (teoria cientifica) estaria vazio pq os homossexuais não podem gerar filhos, então me diga se eles não podem gerar filhos mas podem transformar o mundo em caos, quem está certo ??? (os heterossexuais é claro)

  34. marcilio leão disse:

    Caro Marcelo

    Sobre tua participação no programa Luciana Gimenez gostaria de aconselha-lo a não mais participar. O programa é de uma futilidade absurda e o formato não permite a imposição das evidências ou da lógica, pelo contrário, no final fica sempre vencedor o viés desbundante, o ativismo gay, a imoralidade, tanto que aqui no nordeste chamamos esse programa não de SUPERPOP, mas sim de SUPERPODRE

    • Marcelo Todaro disse:

      Obrigado pelo conselho. Mas, se o programa estivesse interessado em ouvir o que tenho a dizer, já teria me chamado de novo. Não chamou porque minha opinião não choca, não comove, não causa sensação e não está na moda. Ou seja, não dá ibope.

      Um abraço!

  35. flavio magalhaes disse:

    Numa sociedade heterossexista, a heterossexualidade é tida como normal e todas as pessoas são consideradas heterossexuais, salvo prova em contrário. A heterossexualidade é tida como “natural”, quer em termos de estar próxima do comportamento animal, quer em termos de ser algo inato, instintivo e que não necessita de ser ensinado ou aprendido”. E ainda acrescenta: “O heterossexismo está institucionalizado nas nossas leis, órgãos de comunicação social, religiões e línguas. Tentativas de impor a heterossexualidade como superior ou como única forma de sexualidade são uma violação dos direitos humanos, tal como o racismo e o sexismo, e devem ser desafiadas com igual determinação”.

    Em outras palavras, acatar o que é natural ou inerente à espécie humana, que é a heterossexualidade, torna-se um ato de “discriminação” e violação dos “direitos humanos”. Logo, quaisquer indivíduos poderão reivindicar “direitos” sexuais dos mais perversos e variados, em nome dos tais “direitos humanos”. Isso incluirá a zoofilia, a pedofilia, a necrofilia e outros comportamentos doentios pelo simples fato de não existir critérios de normalidade ou naturalidade das relações sexuais. Mesmo tal argumento implica contradição: a única conduta sexual que parece marginalizada nessa relação distorcida de “direitos humanos” é a heterossexualidade. Dentro dessa pregação esquizofrênica dos “direitos humanos”, os heterossexuais são os únicos que não terão o direito de escolher. A relação hetero implica necessariamente a abstenção, rejeição ou abominação a outros tipos de comportamento não-hetero. Todavia, os movimentos gays já estão preparando uma resposta: cadeia para eles!

    O conceito de “patologia” apregoado pelos psicólogos pró-gays é uma das outras armadilhas da campanha anti-homofobia. De fato, as suas descrições também são ralas e pecam pela falta de concisão. A “doença” da homofobia, na paródia dos seus militantes, tanto pode ser “psicológica” como “social”. Neste caso, eles recordam os métodos soviéticos utilizados para trancafiar dissidentes políticos acusados de alguma atividade “anti-social”. No final das contas, é a mesma coisa. Quando o cidadão soviético fugia da linha de pensamento do regime comunista, era mandado ao hospício. Os gays querem fazer o mesmo, com o agravante de a vítima ser a grande maioria da sociedade, que é heterossexual. Se a grande maioria for considerada “anti-social” e “doentia” por nutrir algum preconceito “heterossexista”, só restará ao movimento gay colocar quase todo mundo na cadeia, através de uma legislação lunática, pelo fato de não comungar dos seus próprios desejos sexuais. Resta saber se vai dar pra colocar tanta gente. Vão colocar quase toda a espécie humana num campo de concentração.

    Todavia, o movimento gay é mais ousado. Para este, não basta criminalizar a manifestação pública de aversão sexual. Deve-se criminalizar a “homofobia internalizada”. Ou seja, a homossexualidade deve ser imposta na consciência, por mais que ela não se manifeste, por mais que alguém, de forma consciente ou inconsciente, a rejeite. E para isso, à revelia dos pais e das famílias, os seus militantes querem impor cartilhas gays nas escolas para crianças de sete a dez anos de idade, manipulando e depravando suas consciências. Com a ajuda do governo federal e do Ministério da (Des)educação. O Estado será o instrumento de manipulação ideológica para coagir e constranger os sentimentos e escolhas sexuais das pessoas. Na prática, o que o movimento gay pretende fazer é tornar a homossexualidade um conceito padrão de sexualidade, enquanto a heterossexualidade será tratada como uma prática marginal. Daí o combate implacável ao cristianismo e a completa inversão das leis e do direito de família, com vistas à sua completa destruição.

    O caminho lógico que leva a pregação gayzista é a destruição completa dos fundamentos éticos e morais da sociedade e a lenta e completa legalização de perversões e crimes sexuais, como a pedofilia e outras parafilias sexuais muito mais abomináveis. Não há dúvidas de que o movimento gay deve ser motivos de intensas preocupações aos homens de bem neste país. É um movimento regido por gente sociopata, espiritualmente delinquente e criminosa e que em muitos casos, deveria estar na cadeia. Eles não poupam nem mesmo a liberdade sexual. Querem transformar a sociedade em legiões de gays e lésbicas por intimidação legal e educacional. E roubar o direito de cada cidadão de ter seus próprios desejos e aversões sexuais. O máximo que o movimento gay entende é a liberdade pra fazer o mal

    • Marcelo Todaro disse:

      Caro Flávio,

      Esse é um bom texto, mas infelizmente não é seu. Encontrei-o reproduzido nos mais variados sites e blogs. Você deveria ter citado a fonte.

      Um abraço!

      • marcilio leão disse:

        Caro marcelo

        O Flávio Magalhães não disse que o texto era dele, além do mais isso pouco importa, o fato é que o texto aponta, com toda propriedade possivel , a estratégia que esta por trás do gayzismo. Aproveito para fazer uma crítica construtiva: você de certa forma parece “acuado” em suas posições contra o homossexualismo, resumindo vossa posição à um aspecto teológico, obviamente não se trata apenas de teologia – a repulsa à expansão arrogante, totalitária, antinatural, opressora, cerceadora, antidemocrática, anticonstitucional, caótica, DOENTIA,desestruturante e deletéria do gayzismo esta amplamente amparda na ciência biológica, psíquica, social e jurídica. A ditadura do politicamente correto, o comunismo/socialismo ateu, a academia esquerdoíde/fanática e o lobby gay, infiltrado principalmente na mídia, é que tentam “tapar o sol com a peneira”.

        Quanto à teologia da sexualidade, todo esse ” background” tem uma orquestração, uma regência, um objetivo evidente mas mentiroso e satânico. Uma verdade que não pode ser dita . Um fato que não pode ser registrado. Uma obviedade que não pode ser concluída : ” ….. E OS HOMENS AMARAM MAIS AS TREVAS QUE A LUZ,PORQUE SUAS OBRAS ERAM MÁS..” (bíblia).

        • Marcelo Todaro disse:

          Oi, Marcílio.

          O Flávio Magalhães não disse que o texto era dele, além do mais isso pouco importa

          Eu acho que importa, sim. Independente da qualidade e propriedade do texto, passou como se fosse do Flávio sem ser. Isso se chama plágio. É uma prática que precisa ser denunciada e combatida.

          você de certa forma parece “acuado” em suas posições contra o homossexualismo, resumindo vossa posição à um aspecto teológico

          Mas foi exatamente desse aspecto que me propus a falar em meu artigo, pois para mim é o único aspecto que importa, ou que pelo menos é o que mais importa.

          Um abraço!

  36. Fábio Jr disse:

    Primeiramente queria deixar bem claro que o Estado (Brasil) no qual todos perante a constituição temos o mesmo DIREITO, Este mesmo estado é LAICO (ou seja todas as decisões que o estado toma INDEPENDENTE de crença ou religião), portanto os mesmos direitos que um casal heterossexual tem de se casar, o casal homoafetivo também possui, ou não?. O que não pode mais existir é as religiões continuarem a meter-se em decisões que é do estado. Os gays também pertecem a sociedade, tem direitos e deveres.
    Em pleno século XXI, as coisas ainda estão assim?
    Porém ainda falta a legalização do aborto, o fim do ensino religioso nas escolas públicas (que so beneficiam o cristianismo, discriminando as outras religiões e os não crentes), e o fim dos simbolos religioso em repartições publicAs!

    Viva a Laicidade do estado!!

    • Marcelo Todaro disse:

      Fábio Jr.,

      Seu posicionamento é típico de um ateu. Nenhum problema, afinal todos somos livres para crermos no que quisermos, inclusive que não há Deus.

      O problema é quando alguém se põe a comentar um artigo falando de um aspecto que de fato está abordado nele e fala-se no comentário como se não estivesse.

      Se você tivesse lido meu artigo, saberia que abordo essa questão e você não teria dito o que disse. Portanto, eu gostaria de convidá-lo a ler o artigo, com calma e atenção, do começo ao fim, para saber o que digo sobre a “laicidade” do Estado.

      Depois que o fizer, já que você gosta tanto do fato de o Estado ser (ou pretender ser) laico, então faça como eu e diga a nossos digníssimos parlamentares em Brasília para NÃO APROVAR O PLC 122/2006 TAL COMO ESTÁ (também conhecido como “Lei da Mordaça Gay”), pois ele é um atentado contra a liberdade de expressão religiosa. Se, e somente se, você o fizer, então vou acreditar que você realmente não está usando de dois pesos e duas medidas ao defender a suposta “laicidade” do Estado.

      Agora leia (ou releia) meu artigo acima pra saber por que termos um Estado laico é inútil.

      Um abraço!

  37. Barbara disse:

    Marcelo , bom dia!

    Gostei muito do artigo, eu adoro os gays e lésbicas , tenho muitos amigos…mas , eu tambem não concordo com o casamento, principalmente adoção de filhos entre eles.
    É difícil de algumas pessoas entenderem isso ,pois com o mundo que vivemos hoje, cada noticia que temos ao acordar, é quase impossivel fazer com que as pessoas aceitem o CORRETO!
    Parabens!

  38. Bianca Fidelis disse:

    Olá, irmão!
    Usei alguns de seus argumentos para meu trabalho de filosofia, espero que não se importe.
    Muito bom, parabéns!

    Que Deus abençoe.

  39. Zero disse:

    As impurezas devem ser varridas da terra, mesmo que por uma coivara gigante, e assim poderemos todos semear e renascer a civilização do solo.
    Qualquer grupo que queira firmar-se como classe é obstáculo a unidade dos indivíduos e povos. Deve, portanto, o coração e mente dos homens serem imunizados – através da Verdade que é a conduta racional (moral), e, assim, tornarem-se inerte às perturbações de um mundo de ilusões sedutoras.
    Assim como o Senhor destruiu o povo de Ló, assim como a glória d’Ele subjugou os lamanitas, devemo-nos voltar, enquanto instrumento do Verbo da Verdade, conforme e em harmonia com as leis que regem o universo, do movimento das estrelas ao deslocamento dos átomos, contra esses bárbaros inimigos da civilização.
    Nenhuma grande nação fundou-se sobre a imoralidade; não precisa ser cristão, judeu ou cristão para compreender isso. O próprio César Augusto, ao assumir o trono de Imperador, implementou larga reforma nas bases sociedade romana, combatendo a prostituição, orgias, adultério, desnaturezas como incesto.
    A família é a base da civilização, único meio para um progresso integral do ser humano.
    Por quanto tempo a humanidade sacrificará sua grandiosidade em prol do bel prazer de uma minoria artificial?

  40. Cleber disse:

    Vamos iniciar o movimento post com a no twitter #contracasamentogay vamos demonstrar sem preguiça a nossa opinião

  41. wew disse:

    UP VAMOS ACABAR COM ISSO

  42. Pingback: Por que sou contra o casamento gay – por Marcelo Todaro

  43. Well disse:

    http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=114049320

    temos que alertar as pessoas, o que está acontecendo no Brasil!
    Estão tentando liberar o casamento gay, não podemos ficar parados e deixar isso acontecer.
    entra na comu e indica outras pessoas,
    estou fazendo isso por preocupações,
    nem imagine nossos filhos passando pelas ruas e presenciando gays se relacionando, lamentável horrendo

    não tenho mais nada a dizer

    • Marcelo Todaro disse:

      Caro Well,

      A recente aprovação da união civil homossexual se deu no âmbito do Poder Judiciário. O STF decidiu que as uniões homoafetivas são legais e nada mais há que se possa fazer a respeito. Somente o próprio STF pode anular o que ele mesmo decidiu, coisa que sabemos que jamais ocorrerá. Infelizmente é um caminho sem volta.

      O próximo passo será legalizar o casamento gay.

      Se o que você quer é tentar impedir isso, use sua comunidade para incentivar os membros a fazer o que realmente deve ser feito: pressionar o Congresso Nacional. A igreja católica já está fazendo isso, mas precisa da ajuda de todos nós. É preciso enviar e-mails, cartas e faxes aos congressistas pressionando-os a jamais permitir que isso ocorra.

      Sucesso à comunidade e um abraço!

  44. gerlanio pina disse:

    olá, olha eu nao sou evangelico, e tb nao tenho nada contra pessoas do msm sexo se gostarem.
    mais tenho mt fé em deus pai, e pelo pouco q li na biblia deus nao aprova esse tipo de uniao,
    e se é assim q o pai quer, q ssim seja.
    tb nao podemos julgar nossos irmaos, tem mt evagélico por ai fazendo coisas bem parecidas.

  45. GERMANO disse:

    MARCELO. Saudações. Sou católico e achei a sua matéria excelente, brilhante artigo. Sei que todos estamos embutidos dos mais diversos preconceitos e com certeza este é um dos maiores que a sociedade moderna sofre. Eu por fazer parte desta sociedade tambem tenho este preconceito. A sociedade vai evoluir, dolorosamente, mais vai.

  46. Fernanda disse:

    Caro Marcelo, estou achando que Deus lhe passou uma procuração para tratar de seus interesses na terra. Nesse momento, fico pensando em quantas atrocidades ao longo de séculos já foram cometidas em nome Dele, por aqueles que se julgavam os “iluminados”, aqueles que “entendem” melhor as escrituras, aqueles que se julgam especiais por Lhe entenderem melhor, porque são uma espécie de casta superior que se comunica melhor e diretamente com Deus. Não seria essa soberba também um pecado aos olhos de Deus?
    Quando diz que homossexualidade não é criação de Deus, o estabelece por indícios encontrados aqui e ali, e pelas inferências que faz, que não necessariamente serão as mesmas do seu próximo. Você tenta fazê-lo com sua razão , porém a metafísica da fé ultrapassa a possibilidade de conhecer que não seja por si própria. Eu acredito que Deus criou homens maravilhosos, tal como Kant, para nos ajudar a entender isso, pra sermos pessoas melhores com nossos semelhantes. Talvez seja a homossexualidade parte da condição humana, se é que o senhor aceita tal conceito, portanto, nem não há porque discuti-la como criação divina, a não ser como argumento essencial à sua própria retórica.
    Na história da humanidade, muito antes de monoteísmo e de Cristo, os filófosos gregos já econselhavam aos homens criar deuses bondosos, e até hoje, para alguns, permance a idéia de que Deus é, na verdade, uma criação humana. A subjetividade da fé é a prova de que não cabe a mim ou a quem quer que seja escolher pelo outro, que muitas vezes não comunga das mesmas opiniões/fé que a minha. Argumento leviano, como diz Ana (comentários acima), comparar a união homessexual com crimes contra bens jurídicos protegidos pela lei, por assim serem aqueles essenciais para o equilíbrio da sociedade. O senhor não fala como uma cidadão, mas como um religioso, e acho plenamente louvável que todos participem do debate. Porém, não há como pleitear que sua própria noção de religiosidade, como experiência subjetiva, vá ditar os comportamentos de uma sociedade plural, dentro dos limites de seu ordenamento jurídico. Até mesmo porque, não nos afastamos de fazer o que é impróprio de acordo com a lei, pelos medo das sanções impostas, mas pela formação ética moral e/ou religiosa que possuímos. Se é contra, não pratique, eduque e reze, mas não imponha, diga não á hipocrisia do amor ao próximo. Que Deus lhe ilumine, meu caro!

    • Marcelo Todaro disse:

      Fernanda,

      Seu comentário demonstra flagrantemente que você não leu meu artigo. Se leu, não entendeu.

      Vamos lá:

      Caro Marcelo, estou achando que Deus lhe passou uma procuração para tratar de seus interesses na terra.

      De certa forma, você está certa. E você poderia saber disso se quisesse.

      Nesse momento, fico pensando em quantas atrocidades ao longo de séculos já foram cometidas em nome Dele

      O próprio Jesus Cristo já respondeu a você há mais de dois mil anos, quando disse:

      Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E em teu nome não expulsamos demônios? E em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade. (Mateus 7:22-23)

      Significa que o simples fato de alguém alegar agir em nome de Deus não lhe dá autoridade para tal. As atrocidades a que você se refere muito provavelmente não contaram com o aval Dele. Os que agem assim terão que responder por seus atos perante Ele.

      Quando diz que homossexualidade não é criação de Deus, o estabelece por indícios encontrados aqui e ali, e pelas inferências que faz, que não necessariamente serão as mesmas do seu próximo.

      “Indícios” e “inferências” na opinião de quem? Na sua?

      A opinião que importa é a do Criador, não a sua ou a minha ou a do próximo. Ele já se manifestou fartamente a esse respeito. Qualquer um que deseje pode saber o que Ele pensa sobre o assunto. Só não sabe quem não quer.

      E é justamente por saber o que Ele pensa a respeito que afirmo tão categoriamente, sem medo de errar, que o homossexualismo não é criação Dele e viola Sua lei. Sinto muito se você não gosta disso. Não fui eu quem quis que fosse assim. Se você acha que alguém deve ser responsabilizado por isso, deve responsabilizar o próprio Deus (caso tenha essa audácia), não a mim.

      a metafísica da fé ultrapassa a possibilidade de conhecer que não seja por si própria

      Mais uma vez, opinião pessoal sua.

      Há certas coisas que nem preciso mais da fé para saber que são verdadeiras, pois delas já tenho um conhecimento perfeito. Eu não teria escrito o artigo em questão se não estivesse absolutamente seguro do que afirmo pelo ponto de vista de nosso Pai.

      Argumento leviano, como diz Ana (comentários acima), comparar a união homessexual com crimes contra bens jurídicos protegidos pela lei, por assim serem aqueles essenciais para o equilíbrio da sociedade.

      Leviano apenas para quem não conhece ou não entende o plano da Criação e espera que Deus concorde com seu ponto de vista, como se fosse Ele quem tivesse que se adaptar ao homem e não o contrário. Parafraseando você mesma, não seria essa soberba também um pecado aos olhos de Deus?

      O que eu quis dizer com aquela afirmação — e tem gente que se recusa a entender — é que, PELO PONTO DE VISTA DA LEI DE DEUS, o homossexualismo é uma violação tanto quanto o que você chama de “crimes contra bens jurídicos protegidos pela lei”. Pelo ponto de vista da lei de Deus, entendeu? Não há nada de leviano nisso. A leviandade está na cabeça dos culpados, pois eles “consideram a verdade dura, porque penetra-lhes até o âmago. (…) Se fôsseis justos e estivésseis dispostos a ouvir a verdade e a segui-la, a fim de andar retamente diante de Deus, não iríeis murmurar por causa da verdade e afirmar: Tu dizes coisas duras contra nós” (1 Néfi 16:2-3).

      O “andar retamente” diante de Deus não é o que VOCÊ acha que é, e sim o que ELE acha. Não é a sua opinião ou a minha que importa, e sim a Dele.

      não há como pleitear que sua própria noção de religiosidade, como experiência subjetiva, vá ditar os comportamentos de uma sociedade plural, dentro dos limites de seu ordenamento jurídico

      Mais uma prova de que você não leu meu artigo. Se leu, não entendeu.

      Daqui a bem pouco tempo o mundo será governado por uma teocracia. Isso ocorrerá quando o Salvador Jesus Cristo voltar para governar o mundo pessoalmente, evento que dará início ao que chamamos de Milênio. Na ocasião, tudo o que for contra Seus mandamentos será varrido da face da terra. Isso inclui coisas como homossexualismo, casamento gay, adoção de crianças por casais gays, incesto, pedofilia, tráfico de drogas/mulheres/crianças/órgãos humanos etc., atitude que em mim você qualificou como leviana, mas que é exatamente o que vai ocorrer.

      Não acredita? Então espere pra ver!

      Nesse dia, vou querer ver você se colocar diante de seu Pai e Criador e dizer-Lhe que as atitudes Dele são levianas só porque você discorda delas. Ha!

      Agora, a posição dos defensores da causa gay é mesmo muito engraçada. Quem quer que se levante contra a ideologia gay está sendo ditador, enquanto que quem a empurra goela abaixo na sociedade não está. Que conveniente!

      Se é contra, não pratique, eduque e reze, mas não imponha

      Ah, tá. Então é pra eu ficar bem quietinho no meu canto enquanto assisto de camarote a ideologia gay tomar a sociedade de assalto. Ou seja, o que eu faço é imposição, mas o que eles fazem não é.

      Muito sensato…

      Que Deus lhe ilumine, meu caro!

      E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão. (Mateus 7:3-5, destaque meu)

  47. ERLI ALVES DA COSTA disse:

    Olá Marcelo, ainda bem que existe pessoas como você, iluminado pelo PAI para defender os nossos princípios e combater essa pouca vergonha. Se você não tem nada contra esses filhos do demônio eu tenho, você não vê um crente Gay porquê? Porque ele conhece o mínimo dos princípios básicos e bíblicos. Se esses pederastas fizessem a pouca vergonha escondido do povo (não de Deus) tudo bem, o problema é que além de fazer, ainda envolve outras coisas como drogas, alcoolismo, tabagismo e outras coisas mais. Eu sei que acabar com essa raça não é tarefa fácil, mais aos poucos com a ajuda Divina a gente vai conseguindo miná-los. Parabéns pelo seu ato de bravura indo até o programa SuperPop!!!

    • Marcelo Todaro disse:

      Erli,

      Embora você e eu comunguemos da mesma opinião quanto à natureza pecaminosa do homossexualismo, não posso concordar com você ao referir-se a nossos irmãos e irmãs homossexuais com termos como “filhos do demônio”, “essa raça”, etc.

      Se você se diz crente e conhecedor da Bíblia, deve saber que temos o mandamento de amar nosso próximo. Não me lembro de ter lido nela algo como “Amarás o teu próximo como a ti mesmo, exceto se for gay”. Desculpe a sinceridade, mas palavras como as suas demonstram tudo menos amor ao próximo.

      O homossexualismo sempre existiu na história da humanidade e Jesus certamente cruzou com eles também. No entanto, não há absolutamente nada nas escrituras indicando que Ele os tenha repudiado ou desrespeitado com termos rudes e vexatórios. Pelo contrário, Jesus demonstrou amor e consideração por todos, INCLUSIVE OS PECADORES. Ele procurava elevá-los, não rebaixá-los. Jesus condenava o pecado, mas amava o pecador. E, se Jesus é nosso exemplo, temos que agir da mesma forma. Amar o pecador de forma alguma significa aprovar o pecado que comete.

      Tenha sempre isso em mente quando pensar em nossos irmãos gays. Afinal, você também não é perfeito e merece ser tratado com dignidade e respeito independente de como seja sua vida pessoal, certo?

      Um abraço!

    • *** disse:

      Estou chocada. Fazes-me lembrar Hitler. Queres matar pessoas que não te fizeram mal nenhum, um genocídio em massa a inocentes. Se tens coração, é de gelo e não quero conhecê-lo NUNCA.

  48. Fabio Vargas disse:

    Caro irmão Marcelo. Também sou membro SUD e gostei muito do seu site. Não querendo “botar lenha na fogueira” mas só informando: Recebi hoje por e-mail um informativo de um site jurídico que, por coicidência, em um trecho derruba um argumento dos pró casamento gay – o dos direitos jurídicos:
    http://www.cursofmb.com.br/cursojuridico/informativo2011.asp
    (clicar no sinalzinho “+” verde).

    Veja o trecho:

    Maria Berenice Dias, árdua defensora do rol exemplificativo, apoiando-se na função instrumental da família, ou seja, na melhor realização dos interesses afetivos e existenciais da pessoa, considera como sendo família o vínculo afetivo que une as pessoas com identidade de projetos de vida e propósitos comuns, invocando, em apoio a sua tese, a Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006), que identifica como família qualquer relação de afeto.
    A ilustre civilista apresenta as seguintes formas de entidades familiares:
    a) Família matrimonial: é a que deriva do casamento.
    b) Família informal: é a derivada da união estável.
    c) Família homoafetiva: é a derivada da união de pessoas do mesmo sexo. Na jurisprudência, porém, essa união, à míngua de lei específica que a regulamente, não é considerada família, mas mera sociedade de fato, assegurando-se aos “sócios” a divisão dos aquestos, isto é, dos bens adquiridos com esforço comum, tramitando as ações judiciais em varas cíveis.

    Veja que a lei (acertadamente) não considera um casal do mesmo sexo como família e sim como uma “sociedade”, mas com direitos semelhantes ao de um casamento em relação aos bens adquiridos em conjunto. É tudo que a lei pode e deve fazer.

    A idéia de que devemos acrescentar o “Casamento Gay” as definições de família incluídas na lei, não é na verdade para permitir direitos (que já existem) e sim para nos forçar a aceitar a noção de que a união de um casal do mesmo sexo é uma família.

    • Marcelo Todaro disse:

      Fábio,

      Muito obrigado por sua valiosa contribuição!

      Um abraço!

      • Everlí Fiuza disse:

        Nossa!! q chato esse assunto, todo mundo quer ser o dono da verdade.
        sabe o que acho, a salvação esta nas boas obras praticadas de coração, vc sentir atração por pessoa do mesmo ou de sexo oposto não diz nada…
        Meu Deus…
        qnta gente falando mal das outras, deixem as pessoas viverem…
        vamos fazer caridade, é disso q as pessoas precisam e não ficar discutindo, Deus é qm sabe..
        gente, O ser humano é bom aos olhos de Deus pelas seuas ações, e não pelo prazer em deitar com alguém do mesmo sexo..

        • Marcelo Todaro disse:

          Eu queria que as coisas fossem fáceis assim, Everli. “Ah, vamos fazer o que quisermos, Deus não está nem aí para nossas escolhas, contanto que respeitemos uns aos outros e façamos caridade e boas ações está tudo bem”.

          Não está não, Everli. Respeitar os outros e fazer caridade e boas ações sem dúvida que é importante, mas está bem longe de ser suficiente.

          Se queremos saber o que Ele realmente pensa, devemos conhecer o que Ele já disse e continua dizendo. Esse conhecimento vem por meio do estudo das Escrituras e dos pronunciamentos dos profetas antigos e modernos. É baseado no que Ele já disse que afirmo com tanta firmeza e convicção que o homossexualismo é pecado. Eis porque podemos saber que deitar-se com alguém do mesmo sexo é uma abominação aos olhos Dele. Você só não sabe disso porque não procurou conhecer a opinião Dele a respeito. O que você disse acima é a sua opinião, não a Dele. E, pelo menos para mim, o que vale é a opinião Dele. Todo o meu artigo foi baseado nisso. Leia-o com calma e atenção.

          Um abraço!

        • *** disse:

          Excelente argumento Everlí! Sou ateia, respeito a religião e concordo plenamente!!!

  49. Bom não li todos mais li agun comentarios , e um dele me deixou indignada !
    Esse mundo está totalmente ao contrário… tudo inverso….

    Me dá vergonha agora ver tanta imundicie ao sair nas ruas… hoje já não levo mais meus filhos para passear no parque do Ibirapuera e evito lugares da cidade como Av. Paulista (Av. Gaylista).
    Imagina duas crianças uma de 6 e outra de sete anos tendo que ver toda vez ao sair homens se beijando e mulheres se beijando… Que vergonha.
    Isso não deveria ser permitido, deveriam acabar com essa pouca vergonha de parada gay, deviam proibi-los de se manisfestarem nas ruas.
    Isso devia dar cadeia.
    (…)
    Homem foi feito pra gostar de mulher e vice-versa.
    Homem com homem e mulher com mulher jamais terão a dadiva de ter filhos, de gerar-los e nem moral para criá-los.

    Espero que o mundo um dia acorde dessa maligna ilusão e acabe de vez com essa peste negra que assola os tempos de hoje.

    Tudo bem voce não concordar com isso , como eu digo ninguém e obrigado aceitar algo se não quiser !
    mas no minimo devemos respeitar , eu não concorod com isso , assim como não concordo com muitos outros pecados ; mas Deus nos deu o lvro harbitro e a pessoa faz de sua vida o que bem entender ;porque inves de julgar,voce nn tenta entender , comprreender, para tentar ajudar ;porque criticar e muito facil quero ver ta dentro da situação .não julgues para seres julgadas, Deus que é um ser perfeito , não nos deu esse direito de julgarmos ninguem , e porq voce que concerteza e cheia de fahas assim como eu , como qualquer outro ser humano , que se refeira a eles como “pest ” se voce sabe tanto assim sobre o que e errado , por julgas? as fezes muita pessoas com problemas , pesoas que estao no pecado tentão buscar a salvação indo buscar conhecimento dentro de uma igreja , não tem coragem de entrar nen na porta por causa de pesoas do tipo que nem voce , que irão julgar, falar mal , isso acabara os afastando mais aind DE DEUS , PORQUE NÃO SE sentirão bem em um liugar assim ; homosexualismo e pecado , assim como qualquer outro , e como qualquer outro pecado , pode ser liberto ! tudo bem não querer que seus filhos vejao tais coias , agora se referia a eles desa maneira não , eu nao aceito , e tenho certeza que Deus não se agrada de julgamentos como os seus , que não ajudão em nada ! antes de abrir a boca pensse que voce é Mae e tem filhos ! devemos amar o proximo seja la ele quem for , não julgarmos o proximo !

  50. Beatriz de souza disse:

    Bom eu partirculamente , não tenho nehun tipo de preconceito com nada e nen ninguém , mas como o assunto é homosexualismo , então é desse tipo de preconceito que eu vim falar , eu ja tive amigos gays, e ainda os amo muito, não concordo que as pessoas julgao as pessoas pela sua sexualidade, e sim pelo o seu caráter. não estou congregando em nehuma igreja no momento , mais sempre leio a Biblia frequentemente , Na Biblia condena sim o homosexualismo(levitico20:13)(romanos1:26-27) , como condena muitas outras coisas , e eu vejo que as igrejas fazem , por exemplo aplicar doutrinas , que não estão na Biblia , dentro de suas igrejas , dentro de muitas outras coisas , Não existe igreja perfeita , e nen pessoas perfeitas , por isso por mais que tentamos acerta, sempre deixamos uma falha , a verdadeira igreja é aquela que está dentro de nós , até porque jesus não seguia nehuma religião , e nen disse qual religiao era a certa , o maximo que encontraremos na Biblia e um templo que ele havião construido, somente para adora-lo .
    Voltando ao assunto , sou contra o casamento gay , não pelo fato dos homens terem preconceito , e sim porque está na Biblia , uma coisa é certo , voces não são proibidos de frequentar a igreja , onde conssidero não um lugar de doutrinas feitas pelos homens , e sim onde são pregadas as verdades biblicas, onde as pessoas adorão o unico Deus , e o glorifica ! não sigo religiao alguma apenas a biblia, os mandamento de Deus , era acostumada a congregar em igreja envangélicas , e pretendo voltar, porque e lá o templo que me sinto bem ! vou lá apenas porque é bom estar em comunhão , Deus não que saber em que igreja eu estou , e sim o que esta dentro de mim , no meu coração , áh pesoas na igreja , em qualquer igreja , que apesar de seguirem os mandamentos de Deus , tem preconceito com alguns irmãos, não só pelo fato do homesexualismo não , até mesmo por classe social, mas são eles quem prestarão contas com Deus não cábe eu o julgar , E de uma coisa eu sei , voce ai que pratica o homesexualismo, ou voce ai que pratica qualquer outro pecado , voce pode até não aceitar , mas no fundo voce sabe quando está certo e quando esta errado , mais não se sinta inferior a ninguém por isso , voce é um ser-humano
    e voce tem e sempre terá falhas , e nem por isso jesus deixará de amaar voce , o que ele não ama é o pecado , .Bom muitas pessoas dizem ” eu não concordo com o casamento gay , porque ta ná Biblia ” ” na verdade não sei como isso acontece ” Esse tipo de reposta pra mim eu não aceito , não é justo , pois é Muito facil não aceitar algo quando estamos de forá néh , eu quero ver voces ai se nascesem assim , ninguém é homesexual porque quér não, nen porque escolheu isso não ; tem pesoas que usão o argumento e diz , ninguém nasce homosexual , mas eu por mim mesmo eu digo , ja canssei de ver crianças des de pequena , menino com jeitinho affemeninado, menina com jeitinho de menino , os pais fazem de tudo pra tirar isso de seus filhos , uns consseguem parar porque é apenas uma fase de descoberta , e logo passa , outros ja não consseguem porque o que vinha com eles não era apenas uma fase , e sim a sua descoberta de si mesmo , a casos que os meninos se comportão com o tal, se vestem como tal , mas sente atração naturalmente , por homens , asim como nós que não somos homosexuais sentimos atração pelo sexo oposto naturalmente , então vamos fazer uma suposição , ao invez de ser correto pesoas casarem com o sexo oposto , fosse correto casar com pesoas do mesmo sexo , apenas uma suposição , pensa ai como seria dificil pra nós que nascemos assim , da noite pro dia gostar do mesmo sexo , se não é assim que nascemos , seria duro aceitar isso ! seria duro ser visto com preconceito por isso, Deus que é perfeito não enssina nós a julgarmos ninguém , a tratar ninguem com preconceito, e diferença , e porque nós que somos cheios de flahas queremos fazer isso ?
    Bom o homosexualismo pode acontecer de várias formas , atráves de maldições hereditária , atrávés de uma má criação , varias hipoteses pode levar o ser humano ao homosexualismo , não é culpa da pessoa nascer assim . mas se não é culpa deles , porque sou contra ao casamento gay? porque meus amores , voces podem ter nascido assim , assim como qualquer um pode ter crescido em qualquer outro pecado , mas depois que crescem , voces já consseguem entender o que é certo e o que é errado , Deus é um Deus justo , ele permiti tudo , da´o livre harbitro ao homen , para fazer suas próprias escolhas , então continuando , depois que sabemos o que é certo e errado só continuaremos no erro se quisermos permanecer nele , não é tão fácil se livras das coisas mundanias , ainda mais se isso vem com voces de de pequeninos ; é dificil , mas o que pode parecer impossivel pra voce , não é impossível pra Deus , alias apesar de não se alegrar com os nossos pecados ele nos ama de uma tal maneira que deu seu filho , para morrer por nós , então se buscar ao snehor de todo o coração , se voce acreditar , isso pode ser quebrado sim , pois ja vi muitos testemunhos de homosexualismo que hoje em dia tem uma vida normal ! voces não são obrigados a aceitar Jesus , a seguirem seus mandamentos , aliais ningue´m é , aceita se quiser! entao ja disse o bastante para voces , amados , agora a direçaõ que a sua vida vai tomar, cabe a voce ! por MAIS que debatemos com pessoas no fundo nos sabemos quando estamos no erro , e quando estamos no certo ! que Deus abençoes todos voces , ! não esqueça Jesus ama voces , e a hora que voces quiserem buscar a ele , ele ira receber todos voces de braços abertos , e se voces pedirem não há nada que ele não fará por voces ! Tenha fé , voce é capas de mudar a ua história , peça forças ao senhor ele os guiara, não deixe o mal e permanecer na vida de voces , sei o quanto sofrem por serme vistos com preconceito entre as pesoas, mas voce ó voce pode mudar isso se paroximando de Deus , vai ser uma caminhada longa , mais aos pouquinhos voces vão chegar ao ponto de não sentir mais interesse em alguem do mesmo sexo! voces não podem vencer , ser salvos se não tentarem ! agora pra quem não quer , pra quem inssiti permanecer no pecado , eu digo é a alma de voces , que está em jogo , e é voces que vão decidir par onde vão ! a vida está em suas mãos!

    • Marcelo Todaro disse:

      Oi, Beatriz.

      Obrigado por seu comentário. Em linhas gerais, concordo com o que você disse. Mas há alguns pontos com os quais não posso concordar, como os que cito a seguir:

      a verdadeira igreja é aquela que está dentro de nós , até porque jesus não seguia nehuma religião , e nen disse qual religiao era a certa , o maximo que encontraremos na Biblia e um templo que ele havião construido, somente para adora-lo

      Não é verdade que Jesus não seguia nenhuma religião e nem disse qual era a certa. Ele seguia a religião do Pai e convidava a todos a vir ao Pai através Dele. Não foi à toa que Ele organizou uma Igreja e comissionou doze apóstolos para cuidar dela. Se Jesus organizou uma Igreja — que era a Igreja de Jesus Cristo — então é porque deveria haver uma. Se deveria haver uma Igreja, o pensamento de que “a verdadeira igreja está dentro de nós” está errado. A verdadeira Igreja é aquela que detém o poder e autoridade do sacerdócio de Deus, que ministra as ordenanças de salvação (batismo, dom do Espírito Santo, sacramento, etc.) por meio desse sacerdócio, etc. A salvação requer esforço e sacrifício, é um dom que precisa ser conquistado e merecido. Ninguém será salvo ficando sentado em casa lendo a Bíblia.

      Deus não que saber em que igreja eu estou , e sim o que esta dentro de mim , no meu coração

      Você sabia que há igrejas dedicadas a Satanás? Se você estivesse numa dessas, acha que Deus não se importaria?

      Se Ele quer que você conquiste sua salvação, então Ele não pode estar indiferente à possibilidade de você estar numa Igreja que não a ajude a atingir essa meta e que não possua o poder e autoridade Dele para pregar Seu evangelho e administrar suas ordenanças. Não é qualquer igreja que serve. Só a única e verdadeira Igreja Dele é capaz disso.

      eu quero ver voces ai se nascesem assim , ninguém é homesexual porque quér não, nen porque escolheu isso não

      Não acredito que alguém nasça homossexual. E, como destaquei em meu artigo, há cientistas que afirmam que isso não é verdade. Leia entrevista de um deles publicada pela revista Época em 8 de maio de 2006.

      Mas essa discussão é irrelevante. Mais importante que saber se os gays já nascem gays é saber que eles podem, sim, ser fiéis aos mandamentos de Deus e manterem-se castos e moralmente limpos. Isso é o que importa. A maioria não consegue porque não quer.

      No mais, estou de acordo com tudo.

      Um abraço!

  51. francisco disse:

    eu li seu artigo e e vejo que só te usa de argumentos religiosos e fúteis para uma discussão política e jurídica.

    eu respeitos as outras religiões mais não acho que num estado laico devemos de debater questões usando-se apenas de argumentos religioso

    vivemos numa sociedade de variadas crenças idéias

    • Marcelo Todaro disse:

      Li seu comentário e vejo que você só usa argumentos humanos e fúteis em uma discussão religiosa. Afinal, como eu disse no artigo, o casamento não é uma instituição humana, mas divina.

      Também como escrevi no artigo, apelar para o caráter supostamente laico do Estado a fim de exigir a legalização do casamento gay poderá surtir efeito imediato, mas não permanente. Isso por um motivo bem simples: daqui a algum tempo o mundo será governado por uma teocracia. Isso ocorrerá quando o Salvador Jesus Cristo retornar para governar pessoalmente. Quando isso acontecer, tudo que não estiver de acordo com Suas leis será eliminado — o que inclui casamentos gays. Esse tipo de união sempre esteve e continua condenada à extinção. Portanto, para quê começar agora o que terá que ser desfeito depois?

  52. Ivan disse:

    Esse mundo está totalmente ao contrário… tudo inverso….

    Me dá vergonha agora ver tanta imundicie ao sair nas ruas… hoje já não levo mais meus filhos para passear no parque do Ibirapuera e evito lugares da cidade como Av. Paulista (Av. Gaylista).
    Imagina duas crianças uma de 6 e outra de sete anos tendo que ver toda vez ao sair homens se beijando e mulheres se beijando… Que vergonha.
    Isso não deveria ser permitido, deveriam acabar com essa pouca vergonha de parada gay, deviam proibi-los de se manisfestarem nas ruas.
    Isso devia dar cadeia.
    (…)
    Homem foi feito pra gostar de mulher e vice-versa.
    Homem com homem e mulher com mulher jamais terão a dadiva de ter filhos, de gerar-los e nem moral para criá-los.

    Espero que o mundo um dia acorde dessa maligna ilusão e acabe de vez com essa peste negra que assola os tempos de hoje.

  53. sidney disse:

    Marcelo e outros
    Gostei muito do blog. Gostei mais ainda da paciência e clareza com a qual as verdades foram mostradas.
    O tema é bastante polêmico e gosto de estudar muitos temas inclusive os polêmicos, não li os muitos artigos o que farei mais tarde.
    Sou Missionário retornado agora com 54 anos. Ao longo destes anos adquiri do Senhor 6 filhos com a mesma mulher. Esta ainda vive comigo.
    Dois destes meus filhos estão indo para a missão os outros já retornaram e alguns já casados.

    Minha primeira declaração é que os homosexuais que trabalham comigo ou estudam senten-se a vontade para declarar o que quiserem e sabem que eu concordo que eles tem o direito a tantas bençãos de Deus quanto eu, e claro, eles tem também o direito fundamental que consta na constituição federal brasileira desde 1988.

    Partindo do ponto em que eles tem o direito dado por Deus, por mim e pela constituição posso afirmar que a pratica não lhes garante outros benefícios.

    A polêmica está entre o casamento homosexual e a união civil.

    Penso, e continuarei pensando no seu bem estar, (deles e nossos). Quando minha mãe faleceu vítima de acidente em via pública deixou ela tres seguros que nos ajudaram com as despesas farônicas do enterro. (faraônicas pois nos cobram valores exorbitantes pelo que o estado nos daria gratuitamente).
    A união civil poderia assegurar uma pensão para quem provasse que vive junto, ou que possuem bens juntos ou alguma relação.

    O que não creio é rotular isto de casamento. Já foi bastante enfatizado a origem celestial do casamento e por isto não me detenho a este ponto.

    Penso que existe um desejo de tornar o casamento gay uma semelhança do casamento celestial e quem o faz está tentando mostrar isto para os heteros. Creio que isto é desnecessário.
    Nós heteros jamais aceitaremos, com religião ou sem religião. e penso que nós aceitarmos ou não, não deveria afetar quem deseja assim o fazer ou ser.

    Homem desejam viver juntos, vivam, mulheres desejam viver juntas vivam, não precisa de minha aprovação.
    precisam sim, serem bons profissionais, em suas escolhas, serem bons estudantes em seus cursos, buscarem o fruto do seu trabalho e ajudarem ao próximo.

    Se precisarem da aprovação de Deus procurem sua lei, seus representantes, e uma religião que aprove.
    Se não precisarem da aprovação de Deus, já estão liberados para viverem como acharem melhor.

    Infelizmente os empregadores a cada dia dão mais valor ao profissional casados (não sei se são melhores ou não, e não creio nisto, somente relato que é assim no mercado)

    Na hora de demitir demitem os solteiros, pois, dizem eles, os outros tem familia para cuidar. (não sei se concordo com isto, pois todos temos responsabilidade), mas é assim que vejo o mercado profissional.

    Particularmente conheço homosexuais que são melhores que os outros, profissionalmente.

    e penso que cabe a nós pregadores, ensinar a todos, homos e heteros a forma de viver melhor e dentro das leis de Deus.

    Cada um de nós, pregadores, abrimos mão de valores, tempo, disposição, bens, e de nossos talentos para pregar o que entendemos como verdade. Com um unico propósito. Servir.

    Não quero julgar este ou aquele. Até porque não sou juiz togado. Mas posso julgar as práticas que estejam na lei divina.

    Desde que casamos eu e minha esposa. Ela exerce a função de nutricionista em hospitais. Para isto e seis filhos tivemos o que chamamos de secretarias de meio expediente ou dia sim e dia não.

    Sempre tivemos alguem cuidando de nossas crianças quando Rosangela não estava em casa.
    Porque estou escrevendo isto?

    Era muito dificil encontrar alguem que cuidasse deles como nós quando não estávamos lá.
    Filhos criados por vó não são iguais aos criados por mães
    filhos adotados nem sempre são iguais aos criados por mães.

    O que quero dizer é que o sentimento de gerar um filho é divino e todos temos que participar com Deus.
    Saber que aquela moça bonita e eu inteligente, (ou seja qual for o dom que pensamos ter) será abençoado por Deus com uma alma e um corpo dados por Deus.

    E poderemos ser e sentir como Deus sente quando olha para um filho.
    Não posso ter mais filhos com minha esposa, mas gostaria de ter mais tres. então adotarei e tentarei fazer com estes tudo ou mais do que fiz pelos outros.

    Não creio que dois homens possam juntos educar uma menina
    Não creio que duas mulheres possam juntas educar um menino.

    Podem ajudar, podem tentar, mas eu sei que gerar e depois cuidar, colocar na escola, colocar em um emprego, é diferente quando é nosso filho suado, gerado e sofrido.

    Gostaria de parabenizar a todos que escreveram por dividirem seus sentimentos mais profundos e polêmicos e ficarei grato por qualquer comentário que fizerem sobre este texto ou por outros que venha a enriquecer meu conhecimento atual.

    um grande abraço para todos.

    • Marcelo Todaro disse:

      Olá, Sidney.

      Obrigado por suas considerações. Eu gostaria de comentar apenas o seguinte trecho:

      A polêmica está entre o casamento homosexual e a união civil.

      (…)

      A união civil poderia assegurar uma pensão para quem provasse que vive junto, ou que possuem bens juntos ou alguma relação.

      A legalização da união civil homossexual oneraria ainda mais a sociedade porque as empresas teriam de pagar pensão por morte, benefícios médicos, odontológicos, etc., no caso de um parceiro trabalhar e o outro não.

      Tudo bem que os gays teriam direito a pensão e herança de seus parceiros, mas, sem filhos (a maioria), o número de divórcios no meio gay será muito maior, o ônus e os ressentimentos causados por uma separação serão bem piores — sem falar nas famosas tramóias, premeditando-se a morte do parceiro rico para herdar-se sua herança, etc., etc…

      Se leis devem ser criadas a fim de proteger e desenvolver a vida em sociedade, ninguém sabe que consequências deletérias para nossa sociedade haveria quando os valores familiares — que são a base e célula de nossa sociedade — não forem mais considerados importantes. Ou seja, por que haveríamos de constituir famílias, gerar filhos, ser leais à esposa e filhos, etc., se nossa satisfação sexual deve ser mais importante que o desenvolvimento de nossa sociedade? Seria também aceitável por nós a pedofilia ou a zoofilia em nome da satisfação sexual de cada indivíduo?

      Romanos e gregos, que também aceitavam a pedofilia, aceitavam normalmente as uniões gays. Só que suas sociedades sucumbiram pela perda de seus próprios valores e foram substituídas pela moral cristã. A história já se incumbiu de mostrar que os valores gays não são sólidos o bastante para se autossustentar.

      Por fim, o direito à herança poderia ser mais adequadamente tratado numa lei similar à do concubinato.

      Um abraço!

  54. sandro guttemberg disse:

    Homossexualismo e controle de natalidade

    Você já parou para pensar como seria a terra desde o início da história da humanidade se não houvessem os homossexuais (femininos e masculinos)?. A maioria deles não reproduz.
    Você pode imaginar atualmente quantas bilhões de pessoas haveriam a mais hoje?.
    Você pode imaginar no quê isso implica?.
    De acordo com as pesquisas que fiz existiriam cerca de [50 ou mais] bilhões de pessoas hoje.
    [43] bilhões a mais, pois atualmente existem cerca de 6 a 7 bilhões.
    Você já vê o caos que é hoje a nossa sociedade, pense um pouco. O nosso país, lindo e maravilhoso não seria o que é, seria uma sociedade provavelmente igual ou pior que a Índia, pobreza absoluta.
    Emprego : Haveria escassez de emprego para tanta gente. Resumindo, alta taxa de desemprego. Não haveria esse negocio de querer se aposentar. O INSS não existia ou estaria totalmente quebrado.
    Moradia : a maioria das pessoas teriam que morar em casas de barro (isso se conseguisse um terreno para construir). Tudo seria caro para se fazer.
    Alimentação : Tanta gente para comer, tão poucos para plantar. O clima atual estaria mais elevado devido a uma destruição maior da natureza. Os alimentos (se houvessem e quando houvessem), seriam muito caro. Quanto você acha que custaria um pacote de trigo de 5 kg? 20, 30, 40 reais? Fome, muita fome passaria o povo. Desnutrição, muitos seriam desnutridos, e seus filhos também. A taxa de mortalidade infantil seria assustadora devido á desnutrição, pense, como você se sentiria vendo seu filhinho morrendo desnutrido em seus braços e você não podendo fazer nada. Que dor em meu coração…
    Natureza : estaria quase que totalmente destruída, tudo poluído, tudo feio, um mundo cinza e sem vida.
    Vioência : dez, vinte, trinta vezes mais violenta seria a sociedade, com tanta gente, muito homicídio, estrupo, abusos a menores, prostituição infantil, drogas, o fim da paz, você não poderia sair como sai para passear com tranqüilidade e segurança.
    Doenças : haveria tanto descontrole, tanta praga, tanta desgraça, tanto sofrimento.
    Seus corações seriam muito amargos, cheios de dor, sofrimento e sem esperança.
    Se não houvessem os homossexuais (que vocês tanto desprezam, humilham, massacram, olham com nojo, gracinhas e os marginalizam) vocês não estariam tendo essa vida boa e maravilhosa que vivem. Vocês vivem num paraíso e não sabem, vocês são felizes e não sabem. Tudo isso graças aos homossexuais, que sofrem para dar á vocês uma vida melhor, e aos seus filhos também. Se você não gosta deles, pelo menos tenha um pouco de respeito por esse povo que sofre na carne, o que não escolheu ser o que é. Sou homossexual, não pedi para ser assim. Quando era mais novo, eu via os jovens com suas namoradas, de mãos dadas na rua, eu ficava muito revoltado por não poder ser como eles. Eu sofri muito, não escolhi ser assim. Fui muito humilhado, destratado, desprezado, agredido, zuado, abandonado por ser isso. Apenas desejo que todos vocês sejam felizes e cresçam espiritualmente. Olhe para o próximo com amor e não com ódio.

    • Marcelo Todaro disse:

      Caro Sandro,

      Obrigado por seu comentário, mas, lamento dizer, ele está tão desconexo do que escrevi em meu artigo que você demonstra não ter entendido nada do que leu nele — se é que realmente o leu.

      Por favor, (re)leia meu artigo com calma e atenção, procurando extrair a mensagem contida nas entrelinhas, e depois fique à vontade para tentar novamente.

      Um abraço!

  55. Jair Gomes de Souza disse:

    Vamos falar agora sobre os bissexuais.
    Homens que são casados (na maioria dos casos) que multiplicaram (como diz a Bíblia), e que tem vida dupla.
    Têm sua casa, esposa e filhos e ainda assim vivem relacionamentos extraconjugais com outros homens, na condição de ativos ou passivos, sexualmete falando!
    Porque se não o assunto vai se esgotar! Se é que, em se tratando da sexualidade humana, isso seria possível!

    Depois vamos falar, também, a respeito de homossexuais que estão dentro da igreja (ou fora dela), e que prá preservar os seus queridos (pai, mãe, esposa e filhos), jamais se declararam homossexuais, ou “sairam do armário”, como dizem por ai, mas que continuam na presença de Deus e sendo sinceros com Ele, tentando de alguma sorte, alcançar essa libertação?

    Pelo que vemos, esse assunto vai bastante longe. Acho que teremos muita coisa para discutir por aqui!

    Grande abraço, e que Deus os abençoe a todos, com um Natal e Um Ano Novo repleto de Amor e Misericórdia (os melhores atributos divinos)!

    • Marcelo Todaro disse:

      Olá, Jair.

      Em primeiro lugar, é preciso compreender o que diz a Lei da Castidade dada pelo Senhor. Ela requer abstinência sexual antes do casamento e fidelidade ao cônjuge do sexo oposto depois, além de pureza de pensamento e expressão (inclusive corporal).

      Agora fica fácil definir quais são os pecados de natureza sexual: quaisquer atos que violarem essas diretrizes.

      Note que estamos falando de ATOS, não de sentimentos. O sentimento de atração pelo mesmo sexo em si não é pecado, mas ceder a esse sentimento é.

      Isto posto, aquelas pessoas que ocultam sentimentos bi ou homossexuais não cometem pecado enquanto não violarem a Lei da Castidade. Uma pessoa que não consiga sentir atração pelo sexo oposto (seja ou não membro da igreja) poderá manter-se moralmente limpa no aspecto sexual perante o Senhor se obedecer a essa lei.

      Um abraço!

  56. juleide andrade araujo disse:

    OLÁ MARCELO,

    FIQUEI ENCANTADA POR ENCONTRAR UM LUGAR ONDE POSSA ME MANISFESTAR SOBRE O HOMOSEXUALISMO.
    PENSO COMO VC, É TUDO TÃO SIMPLES É SÓ LER A BÍBLIA PRA SABER Q ESSA UNIÃO É UMA ABOMINAÇÃO,
    DEUS FEZ O HOMEM E A MULHER, ANTES DO DILÚVIO ELE DISSE A NOÉ PRA COLOCAR NA ARCA UM ”MACHO”” E UMA FÊMEA” DE CADA ESPÉCIE”. EU RESPEITO TODOS OS GAYS COMO PESSOA CONHEÇO ALGUNS, PESSOAS BEM EDUCADAS E BEM FORMADAS, MAS NÃO ACEITO A HOMOSSEXUALIDADE. E NEM SOU OBRIGADA A ACEITAR, É TERRÍVEL VER MEUS NETOS CRESCEREM TENDO Q TÁ DIZENDO PRA ELES Q DEVE RESPEITAR ESSAS PESSOAS MAS N PODEM SER COMO ELES PQ NÃO É NORMAL, PQ É CONTRA AS LEIS DE DEUS.
    GOSTARIA DE DEXAR UM RECADINHO PARA AQUELES Q ACHAM Q QUEREMOS FAZER O PAPEL DE DEUS, MAS SIM DIVULGAR A PALAVRA DE DEUS, PQ SÓ LÁ TEM A VERDADE. E NA PALAVRA DIZ ”CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ”.
    UM ABRAÇO MARCELO.

    O QUE OS HOMOSSEXUAIS ACHAM DA EXPRESSÃO ”CRESCEI E MULTIPLICAI-VOS”???

  57. Gonçalves disse:

    Olá Sr. Todaro! É bom o teu artigo, porém devo alertar que estás caindo em uma insídia subliminar.
    Os ativistas homossexuais suscitam certas discussões porém já envolta em termos já previamente escolhidos por eles e que mesmo os contrários ajudam a propagar sem querer.

    Por exemplo a palavra “gay” que em inglês significa alegre, passando a ideia de que ser heterossexual é ser triste e que só se encontra a alegria sendo homossexual.

    Outra que os ativistas usam é “casal homossexual” ou “casal gay”. A palavra “casal” traz em si a consideração de um par macho e fêmea e exclusão, por conseguinte, de um par do mesmo sexo. Todavia os ativistas distorcem a palavra dizendo que um par de mesmo sexo também é um casal, apenas para reivindicar para a dupla os mesmo direitos que já concedidos ao casal, caso a sociedade caia nesta artimanha.

    Outra palavra é o “casamento” que significa: unir casal.

    Eles vão incutindo suas ideias aos poucos. Eles próprio suscitam a discussão: “tu és contra ou a favor do casamento homossexual?”. Na discussão, tanto quem é contra como quem é a favor está ratificando que o “casamento homossexual” existe. Na verdade a discussão devia ser “de onde surgiu esse tema para discussão?”
    Desta forma eles conseguem que a união civil seja reconhecida sendo apenas mais uma opção.

  58. JEFFERSON DANILLO ARAUJO disse:

    Srº Marcelo,

    Decidi comentar apenas para lhe parabenizar por que o que precisamos e exatamente isso; explorar o nosso direito de expressão assim como eles o fazem, alias DEVEMOS FRIZAR QUE O QUE ACONTECE NESTE SITE E EXATAMENTE ISSO DIREITO DE EXPRESSÃO ASSIM COMO OS GAYS; querem se impor mas muitos não admitem assim ser chamados sabia.

    Marcelo parabéns pelo trabalho continuem assim. Tenho um filho de dois anos o qual está formando a sua personalidade e não gostaria de leva-lo ao shopping e ele ver dois homens se beijando, ele acharia normal logo que esta com sua personalidade em formação veja que confusão para ele de um lado o Pai diz não do outro(televisão, shopping, restaurantes) as pessoas dizem sim, por que é isso que dizemos quando nos calamos, um pedófilo ninguem aceita agora um gay as pessoas ficam calados para não serem taxadas de antiquados.

    To com Marcelo e não abro QUER SER GAY SEJA MAS NÃO NOS OBRIGUEM A ACEITAR O CASAMENTO DE VCS PQ VAI MANIPULAR A PERSONALIDADE DAS NOSSAS CRIANÇAS!!!

    Quem etendeu blza quem não entendeu e achou ruim o que eu disse que Deus o abençõe.

    ABRAÇOS!!!

  59. Karina disse:

    Marcelo, já tinha percebido sua paciência de Jó no post sobre o “Bradesquim, banquim nojentim”.

    Aqui, mais que paciência, que bonita perseverança nos ensinamentos bíblicos!

    Infelizmente, somos imperfeitos, e mais que isso, somos comodistas. Queremos criar um “deus” à nossa imagem e semelhança, quando vemos que nossas preferências e hábitos não encontram respaldo na Bíblia.

    Mas, como você lembrou, chegará o dia do Reinado de Jesus, e aí nós veremos se Ele está disposto a nos aceitar em Seu Reino sem nosso sincero arrependimento.

    • Marcelo Todaro disse:

      Karina disse:

      Queremos criar um “deus” à nossa imagem e semelhança, quando vemos que nossas preferências e hábitos não encontram respaldo na Bíblia.

      Perfeito, Karina. Perfeito! 😉

      Um abraço!

    • jair disse:

      Aí, Karina… foi na môsca! É exatamente isso o que acontece, quando queremos viver a vida á nossa maneira, exclusivamente!
      Rápida e objetiva no gatilho. “Como flecha que acerta o alvo!”

      Tá atirando bem.. hein!

      “A initimidade com o Senhor, requer o negar-se a sí mesmo” J.G. Souza

      Deus a abençoe um grande abraço!

  60. Nad disse:

    Acho engraçado esse povo que tem esse complexo de Messias e fica querendo julgar as pessoas por opção sexual ou o que quer que seja. Você realmente acha que essa m(*) toda vai te fazer ser “salvo”? Se preocupe mais em fazer caridade e coisas que importam do que um blog ridículo. Para de achar que pode fazer o papel de Deus e como eu já disse JULGAR as pessoas. E se alguém vier falar algo do tipo “uh, que pessoa do capeta” (porque é só isso que vocês, fanáticos da igreja, costumam fazer, julgar) eu digo: eu prefiro ser uma pessoa “do capeta” e ter uma mente aberta do que ser como vocês.

    • Marcelo Todaro disse:

      Aparentemente você não leu meu artigo antes de opinar sobre ele. Se leu, não entendeu. Por favor, (re)leia o artigo com calma, atenção e — sobretudo — cabeça fria. Quem sabe depois disso você seja capaz de perceber que eu não merecia a bronca. 😉

      Um abraço!

    • lena disse:

      gostaria de parabeniza-lo pela sua obediência a palavra do senhor quando diz: IDE E PREGAI, tem pessoas que não são evangelicas e são contra essa pratica, e o que eles dizem? os olhos do inimigo estão virados e perseguindo principalmente os servos do senhor… O que essa pessoa que se chama NAD escreveu é absolutamente prova do que eu escrevo primeiro ele chama os evangelicos de ESSE POVO gloria a Deus por isso pq automaticamente ele fez diferença de povo…essa pessoa nem sabe que a salvação não é pelas obras ou caridades como destacou…Não vejo jugamento senão o que está aí na vista de todos que os homosexuais fazem questão de mostrar.
      Se essa pessoa lesse a biblia e eu até aconselho a ler pra não comentar tantos absurdos nas suas respostas podemos dizer sim que é usado pelo capeta pq em base a palavra de Deus nós não podemos agradar a Deus e ao diabo é logico o raciocinio se essa pessoa é contra essa pratica é a favor de Deus.

      E digo mais uma coisa é tão sem noção que acha que ser do diabo é ter mente aberta…o diabo está aprisionado e Deus dar a liberdade.preferimos ser fanaticos por igreja que não é nada a mais do que a casa de Jesus do que está nesse mundo mal lutando por uma causa perdida,pertubada, sofrida,.

      leia mas a biblia vc precisa.

  61. Bárbara Rocha disse:

    Olá irmão !

    Tem ótimos príncipios , nossa o senhor não sabe a alegria em que fiquei quando começei a leitura e observei que o irmão pertencia a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias , da qual eu também faço parte ! Tenho 15 anos , sou de Aracaju-SE , minha professora de Redação me passou uma atividade (uma redação) para falar sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo , ou seja , o casamento Gay ! A sua redação me ajudou bastante , fico grata! Gostaria muitissimo de te-lo assistido na TV , mais não deu . Quando o senhor for aparecer , ou tiver alguma novidade por favor me manda um e-mail.

    • Marcelo Todaro disse:

      Olá, irmã Bárbara.

      Obrigado por seu comentário. Fico feliz em ter podido ajudá-la, ainda que involuntariamente.

      Você pode assistir o vídeo de minha ida à TV no artigo Minha participação no Superpop de Luciana Gimenez.

      Um abraço!

      • Bárbara Rocha disse:

        Irmaõ Marcelo estarei sempre visitanto o seu blog!

        Estou assistindo aos videos, nosso como é claro para nós que entendemos sobre o assunto, a Luciana distorcendo tudo, que coisa! Ótima participação, sempre fundamentando suas opiniões! Amo os sites da igreja e o seu blog agora é o meu predileto!

        Cheguei a me emocionar! O certo é o certo! Me sinto grata em te-lo como irmão! 🙂

        Atenciosamente, Bárbara

  62. jaison disse:

    Uma coisa que eu não acho certo é essa campanha dissimulada da mídia brasileira em favor dos homossexuais, eles tão querendo forçar o indivíduo a aceitar isso como se fosse normal. Não eu não aceito isso alem de não ser coisa de Deus isso não é normal, simplesmente uma aberração.
    Os veículos de comunicação, não todos, querem empurar goela abaixo a questão do homessexualismo, isso é que me deixa mais revoltado.

  63. Geovani disse:

    Olá,Marcelo todaro,respeito que você pense dessa maneira,mas no meu ponto de vista você está errado,falando sobre os animais existem sim animais como pinguim, golfinho, bisão, cisne, girafa e chimpanzé são apenas alguns exemplos de animais que praticam relações homossexuais.

    Isso derruba outro senso comum, de que os animais só fazem sexo para reprodução. O que ainda intriga os cientistas é o motivo. As teorias mais aceitas dizem que o relacionamento de animais do mesmo sexo ajuda a fortalecer laços sociais,você que se diz contra já amou alguém de verdade?com todo seu coração?

    Exemplo

    Imagina você querendo casar com a pessoa que você ama mas não pode,por que as pessoas e principalmente os pais dela é contra esse casamento,certamente você se sentiria mal!è assim que muitos Gays e lésbicas se sentem,se sentem mal e triste por que as pessoas não aceita o fato delas sentir um amor diferente.

    Exemplo 2

    Te proponho a tirar esse casaco da moralidade e sem idéias imagine como seria se você fosse “Gay”…Imagine você se descobrindo ser uma coisa que você não queria,lembre-se do mundo que vivemos,ele não está totalmente preparado para gente diferente,existem milhares de pessoas preconceituosas,tente se imaginar sentindo amor por outro ser humano,que infelismente não é o ser humano do tipo que sua mãe sonhou,vivendo escondido e com medo,vivendo uma vida de frustrações,e um dia você é descoberto,negado e escurraçado,você está sozinho no mundo e não entende por que tem que ser assim,se perguntando…será que amar é algo assim tão errado?Pense nisso e tente se imaginar nessa cituação.

    Os gays nunca quis um dia ser o que é,se fosse escolha eles não ia optar ser Gays e sofrer com o preconceito,falo isso Por que sinto um amor grande por uma pessoa,um amor lindo,um amor verdadeiro que muitos héteros o desconhece,sinto medo mas estou convicto do que eu quero,quero apenas viver…viver e me sentir realizado,viver com a pessoa que eu amo do meu lado,quero ser apenas feliz!!!da mesma maneira que todos querem!!!

    Obs: Me parece que você é envangélico,já fui envagélico,desde criança sabia que eu era diferente,pedia tanto pra Deus nunca deixar eu ser homosexual ,chorava e buscava Deus te todas as formas possiveis,você não tem noção do quanto eu pedia a Deus,não via resultados e comecei a entender que Deus me ama da maneira que eu sou!!!foi ele quem permetiu isso na minha vida,o que ele mas pregou foi o amor né?não vejo pecado você amar uma pessoa do mesmo sexo,seria pecado você casar com uma mulher,fazer ela infeliz e trair ela com homens,lutava por minha libertação hoje entendo que não existem homosexuais libertados ,não existe libertação para isso.

    Uma Vida cheia de felicidades a você!

    • Marcelo Todaro disse:

      Olá, Geovani.

      Obrigado pelo comentário. Creio que você não leu com atenção meu artigo, pois alguns dos seus questionamentos estão respondidos nele.

      Vejamos:

      falando sobre os animais existem sim animais como pinguim, golfinho, bisão, cisne, girafa e chimpanzé são apenas alguns exemplos de animais que praticam relações homossexuais.

      Isso derruba outro senso comum, de que os animais só fazem sexo para reprodução. O que ainda intriga os cientistas é o motivo. As teorias mais aceitas dizem que o relacionamento de animais do mesmo sexo ajuda a fortalecer laços sociais

      Os animais não são regidos pelas mesmas leis dadas por Deus ao homem. Se assim não fosse, seria preciso que os animais também tivessem capacidade de exercer fé em Deus, arrependerem-se de seus pecados, serem batizados, obedecer aos mandamentos, etc. Os animais pertecem a uma esfera diferente da Criação na qual as leis dadas ao homem não se aplicam e vice-versa.

      Exatamente por isso é que não podemos ver o que nos parece ser relações homossexuais entre os animais com os mesmos olhos com que vemos ato idêntico entre seres humanos. Tenho em casa dois cães, um maior e mais velho e outro menor e mais novo. Ocasionalmente o mais velho “pega” o mais novo para fazer o que a princípio pode parecer uma “transa gay”, mas um veterinário já me esclareceu que esse comportamento denota uma afirmação de liderança do maior sobre o menor, como quem diz “quem manda aqui sou eu”. Portanto, não se trata de uma atração homossexual ou satisfação de um desejo lascivo, e sim uma forma de comunicação entre seres dessa espécie. Usar o exemplo do reino animal para justificar o homossexualismo humano é o mesmo que rebaixar o homem à esfera das criaturas que agem por mero instinto, o que é simplesmente inaceitável, além de pouco inteligente.

      Imagine você se descobrindo ser uma coisa que você não queria, lembre-se do mundo que vivemos,ele não está totalmente preparado para gente diferente,existem milhares de pessoas preconceituosas,tente se imaginar sentindo amor por outro ser humano,que infelismente não é o ser humano do tipo que sua mãe sonhou,vivendo escondido e com medo,vivendo uma vida de frustrações,e um dia você é descoberto,negado e escurraçado,você está sozinho no mundo e não entende por que tem que ser assim,se perguntando…será que amar é algo assim tão errado?

      Você está colocando as coisas de maneira muito simplista. Não é uma mera questão de amar ou ser amado. O buraco é bem mais embaixo.

      Os dissabores descritos por você nada mais são que consequência da escolha que fizeram e terão que viver com isso. Deus nos deu o livre arbítrio para que ajamos segundo nossa vontade e façamos as escolhas que quisermos. Todavia, não temos o direito de escolher as CONSEQUÊNCIAS dessas escolhas. Preconceito, viver escondido e com medo, viver uma vida de frustrações, ser negado e escurraçado, estar sozinho no mundo, etc., são só alguns dos amargos frutos da escolha dos gays de não viver os mandamentos de Deus. Os gays que os vivem não sofrem nada disso. Simples assim.

      Os gays nunca quis um dia ser o que é,se fosse escolha eles não ia optar ser Gays e sofrer com o preconceito

      Não vou entrar no mérito da questão de saber se os gays nasceram como são (não acredito nisso e um conceituado cientista também não), mas isso não importa. O que importa é que os gays têm, sim, uma escolha a fazer: entregar-se à crueldade do destino e deixar que o sadismo do acaso os governe ou entregar sua vida nas mãos de Deus e deixar que Ele os governe. As consequências da primeira escolha são medo, preconceito, sofrimento, incompreensão, dor, frustrações, alegrias passageiras, etc. As consequências da segunda escolha podem ser paz, segurança, tranquilidade, confiança, esperança, alegria duradoura.

      Qual dos dois frutos você prefere? Escolha sabiamente.

      estou convicto do que eu quero,quero apenas viver…viver e me sentir realizado,viver com a pessoa que eu amo do meu lado,quero ser apenas feliz!!!

      O tipo de felicidade que você deseja é efêmero. Você tem todo direito de optar por isso, se quiser, mas não pode esperar que Deus o abençôe fazendo escolhas contrárias ao que Ele deseja para você. Se você acha que pode viver sem a bênção e a intercessão Dele em seu favor, é livre para tentar. Mas não deve ser difícil imaginar que uma vida destituída das bênçãos e do favor de nosso Pai Celestial deve ser uma vida que, quando comparada à que você poderia ter, é vazia, com alegrias efêmeras, conquistas temporárias e recompensas que não satisfazem mais do que por um momento de sua existência mortal.

      Sua vida não precisa ser assim!

      Mas a escolha é sua.

      Me parece que você é envangélico

      Não sou evangélico. Sou membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, mais conhecida pelo apelido de “igreja mórmon”.

      pedia tanto pra Deus nunca deixar eu ser homosexual ,chorava e buscava Deus te todas as formas possiveis,você não tem noção do quanto eu pedia a Deus,não via resultados e comecei a entender que Deus me ama da maneira que eu sou!!!foi ele quem permetiu isso na minha vida,o que ele mas pregou foi o amor né?

      Você é livre para crer no que quiser, Geovani. Mas, se sua crença for fundamentada em coisas que não podem ser provadas, sua fé é como aquela casa construída sobre a areia de que Jesus falou: quando vier a tempestade, ela ruirá por falta de fundamentos sólidos (veja Mateus 7:26-27).

      É verdade que Deus é amor, mas também é verdade que ELE NÃO É CONTRA SEUS PRÓPRIOS PRINCÍPIOS.

      Embora Ele ame o pecador (e também sou um deles), Ele não ama o pecado. Ele mesmo disse: “Pois eu, o Senhor, não posso encarar o pecado com o mínimo grau de tolerância” (D&C 1:31).

      Note que Ele está falando de pecado, não do pecador. Há uma clara distinção entre essas duas coisas.

      Ele ama o pecador, mas não pode abençoar o que Lhe é fiel e o que não Lhe é fiel indistintamente. Não seria justo, concorda?

      não vejo pecado você amar uma pessoa do mesmo sexo

      Desculpe a franqueza, mas o que você acha não é o que importa, e sim o que Ele acha. E o que Ele acha sobre o homossexualismo já foi claramente expresso nas seguintes passagens de escritura:

      — Com varão não te deitarás; abominação é (Levítico 18:22; 20:13)
      — Não haverá sodomita dentre os filhos de Israel (Deuteronômio 23:17)
      — Publicam os seus pecados como Sodoma: não os dissimulam (Isaías 3:9; 2 Néfi 13:9)
      — Os varões se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros (Romanos 1:27)
      — Os sodomitas não herdarão o reino de Deus (I Coríntios 6:9–10)
      — A lei não é feita para o justo, mas para os sodomitas (I Timóteo 1:9–10)
      — Os que se corromperam, indo após outra carne, foram postos por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno (Judas 1:7)

      Independente de tudo isso, aqueles e aquelas que sentem atração pelo mesmo sexo podem, se quiserem, ajustar-se aos mandamentos de Deus mantendo-se castos. Sem dúvida que é difícil, mas não impossível. Aqui mesmo, em meu blog, há um contundente exemplo de alguém com essa força de vontade. Sua motivação é a consciência da necessidade de sermos fiéis aos mandamentos de Deus a fim de termos o direito de receber Sua intercessão em nosso favor e a promessa de grandiosas recompensas atuais e futuras. Você pode ler suas palavras neste comentário e em vários outros comentários subsequentes àquele (recomendo a leitura de todos). O testemunho de Antenor Oliveira é a prova da veracidade de um importante ensinamento contido no Livro de Mórmon, que diz: “…o Senhor nunca dá ordens aos filhos dos homens sem antes preparar um caminho pelo qual suas ordens possam ser cumpridas.” (1 Néfi 3:7.)

      Então, se ele pode, qualquer gay pode. Basta querer.

      Um abraço!

  64. Hugo disse:

    Em primeiro lugar, quero parabenizá-lo pela capacidade de se expressar com tamanha clareza e estilo. Gostaria de dizer, também, antes de mais nada, que não sou defensor dos homossexuais. No entanto, não concordo com esta visão ultrapassada de que eles estão aí para destruir a instituição família. Quantas famílias convencionais não estão já destroçadas pela traição, alcoolismo, etc. Não existe modelo perfeito a ser seguido. Eu mesmo, vim de uma família completamente desestruturada. Sou filho de mãe solteira e meu pai nunca se importou com a minha existência. Preferiria um pai homossexual que me desse amor, do que um heterossexual como o meu, que me ignorou completamente. Em segundo lugar, tenho em mente que, se for a homossexualidade um desvio das Leis de Deus, que os gays se entendam com Ele. É um problema individual, espiritual de cada indivíduo. Quanto ao que teria acontecido nos Países Baixos (alegação de que já há grupos defendendo a Pedoifilia), é no mínimo exagero argumentar que isto decorre da aprovação da união civil homoafetiva. O direito de um pedófilo esbarra no direito de uma criança. E o direito de um homossexual amar outro igual, esbarra no direito de quem?

    Não pertenço a nenhum partido político ou igreja. Digo, sou apenas um internauta que, sem querer, chegou ao seu blog e leu seu artigo. Nem mesmo assisti ao programa Superpop, cuja polêmica só fiquei sabendo depois. Não tenho conhecimento aprofundado dos textos bíblicos, mas, como advogado que sou, tenho um modo bastante intuitivo de interpretar a Palavra de Deus. Não me consta, do pouco que já li, que Jesus tenha sido tão contundente com a prática homossexual, quanto tem sido os seus seguidores de hoje. Ele curou cegos, mancos, leprosos, mas não me consta haver relato bíblico sobre a cura de algum homossexual. O que me espanta, Marcelo, é que a sociedade brasileira é hipócrita ao ponto de fechar os olhos para o criminoso de punho de seda, preferindo hostilizar o “trombadinha”, o pivete que pede esmola no semáforo. Prefere repudiar um homessexual que “sai do armário” a condenar um heterossexual adúltero e promíscuo. O que a sociedade brasileira discute mais: o aborto ou a adoção por casais homossexuais? Enquanto ainda nos preocuparmos mais na manutenção de antigos valores apenas por uma questão de radicalismo religioso, nunca iremos evoluir enquanto povo. Como advogado, aprendi que as leis mudam, porque têm de acompanhar a evolução dos valores sociais ao longo do tempo. Tanto é que já no Brasil existem normas e jurisprudências que reconhecem direitos patrimoniais aos homossexuais, até mesmo para fins previdenciários e sucessórios. Claro que a Lei de Deus não é mutável. Ela é, foi e será sempre a mesma. No entanto, a interpretação que se faz das escrituras, não. Além disso, ao meu ver, um casal homossexual que vive em harmonia, com respeito mútuo, e que prega a bondade e exerce a caridade, a compaixão com os outros, enfim, que vive consoante o evangelho, ainda deve merecer a proteção do Espírito Santo, mais do que aquele casal heterossexual que vive imerso na promiscuidade, nas drogas, no alcoolismo, nas brigas e no descaso com os filhos.

    • Marcelo Todaro disse:

      Olá, Hugo.

      Obrigado por seu contato e por expressar sua opinião. Eu gostaria de comentar algumas coisas que você disse:

      não concordo com esta visão ultrapassada de que eles estão aí para destruir a instituição família.

      Nem eu. Mas não foi o que eu disse. O que eu disse é que a união civil homossexual, qualquer que seja seu propósito, quebra o modelo de família instituído por Deus, que é o de pai, mãe e filhos. Eu não quis dizer que, se a união civil homossexual for aprovada, a instituição da família será destruída.

      Quantas famílias convencionais não estão já destroçadas pela traição, alcoolismo, etc.

      Essas são apenas algumas das muitas mazelas sociais decorrentes da sistemática violação da lei de Deus. Se existem famílias destroçadas pela traição, alcoolismo, etc., é porque alguém nessas famílias deixou de cumprir essa lei. A solução para isso não é legalizar o casamento gay ou dar aos homossexuais tudo que querem, e sim fazer com que os transgressores se arrependam. Quando isso acontecer, não haverá mais famílias destroçadas por esses motivos — e até os homossexuais terão parte de suas reivindicações atendidas, como o fim do preconceito e da discriminação, por exemplo.

      A solução para todo esse estado de coisas parte do arrependimento e da obediência à lei de Deus. Então — e somente então — todos terão seus anseios e necessidades atendidos.

      Não existe modelo perfeito a ser seguido.

      Existe, sim: o modelo instituído por Deus, que é justamente o modelo que Ele próprio segue.

      Tenha em mente que as ações, idéias e planos de Deus são sempre perfeitos, sem falhas. Se Ele instituiu a família como o fez e disse que deve ser assim, algum bom motivo deve haver. É muita tolice do homem querer perverter as coisas de Deus achando que sabe mais que Ele.

      Sou filho de mãe solteira e meu pai nunca se importou com a minha existência. Preferiria um pai homossexual que me desse amor, do que um heterossexual como o meu, que me ignorou completamente.

      Pois é, Hugo, eis aí um exemplo de mazela social causada pela violação da lei de Deus a que me referi. Tivessem seus pais sido obedientes ao Criador, hoje você não teria do que se lamentar. (Por favor, não pense que estou julgando seus pais. Não sei por que motivo não agiram como deveriam, nem mesmo se tiveram a oportunidade de conhecer o evangelho de Jesus Cristo para que fossem fiéis a ele. Esse é um julgamento que só cabe a nosso Pai.)

      Então, se você teve esse exemplo e deseja evitar que as futuras gerações depois de você passem pelo que você passou, a melhor maneira de garanti-lo é vivendo o evangelho e ensinando seus filhos a fazerem o mesmo, e eles aos filhos deles e assim por diante. O evangelho contém tudo de que precisamos para vivermos em paz e termos felicidade duradoura nesta vida e na próxima. Falo por experiência própria.

      Quanto ao que teria acontecido nos Países Baixos (alegação de que já há grupos defendendo a Pedoifilia), é no mínimo exagero argumentar que isto decorre da aprovação da união civil homoafetiva.

      Eu não disse isso. O que eu disse é que gays e pedófilos baseiam suas reivindicações no mesmo argumento: o da “liberdade e diversidade”. Baseado nisso, os gays já conseguiram a aprovação do casamento gay na Holanda. Será que, também baseado nisso, os pedófilos conseguirão a legalização da pedofilia e da pornografia infantil? Se “liberdade e diversidade” é a base da argumentação de ambos, por que um pode e o outro não? Dois pesos e duas medidas?

      Mas acredito que a resposta você mesmo já deu no trecho a seguir.

      O direito de um pedófilo esbarra no direito de uma criança. E o direito de um homossexual amar outro igual, esbarra no direito de quem?

      Questionamento interessante e quero agradecer-lhe por tê-lo levantado, pois dá-me a chance de esclarecer um mal entendido comum a muitos que confrontam os defensores, como eu, da manutenção da definição de família como a união entre homem e mulher somente.

      No âmbito civil, até o momento não vi ninguém tentando impedir os homossexuais de amarem-se entre si. Eu mesmo não defendo essa tese. Nosso Pai Celestial nos deu o livre arbítrio para ser usado como quisermos, portanto gays e lésbicas têm todo direito de usá-lo para entregarem-se a uniões homoafetivas, se assim o desejarem.

      Aquilo contra o que levanto minha bandeira é a alteração da definição de casamento e família no âmbito jurídico. Não quero impedir que os que sentem atração pelo mesmo sexo se entreguem a essa atração, e sim que a definição legal de casamento seja alterada para incluir uniões homoafetivas. Meus motivos para isso estão amplamente explicados no artigo que estamos comentando, mas podem ser resumidos numa simples frase: é contra o modelo de família instituído por Deus e é contra Sua lei. E, como escrevi no artigo, não quero que a lei dos homens torne legal mais essa violação da lei de Deus. Acho que a sociedade já paga um preço suficientemente alto pela contínua violação dessa lei, violação essa que traz como inexorável consequência as mais diversas e perversas mazelas sociais. Não quero ver a sociedade pagando um preço ainda mais alto pela violação de mais uma das leis de Deus.

      Não me consta, do pouco que já li, que Jesus tenha sido tão contundente com a prática homossexual, quanto tem sido os seus seguidores de hoje. Ele curou cegos, mancos, leprosos, mas não me consta haver relato bíblico sobre a cura de algum homossexual.

      Isso é porque o homossexualismo não é doença para que se fale em cura. Do contrário, muito provavelmente Jesus teria feito essas curas também e hoje em dia haveria remédios ou tratamentos psiquiátricos contra essa “doença”. Não é por aí.

      O apóstolo João disse que Jesus fez muito mais coisas do que as contidas nos relatos dos evangelistas (veja João 21:25). Não sabemos se nessas muitas outras coisas estariam relatos da ministração Dele a homossexuais. Mesmo que não houvesse nenhum, e se aceitamos os apóstolos e profetas como servos inspirados e comissionados por Deus para agir em nome Dele e como se fossem Ele, então podemos ter uma boa medida do que Ele pensa a respeito do homossexualismo conforme citado nas seguintes passagens:

      Com varão não te deitarás; abominação é — Levítico 18:22; 20:13
      Não haverá sodomita dentre os filhos de Israel — Deuteronômio 23:17
      Publicam os seus pecados como Sodoma: não os dissimulam — Isaías 3:9; 2 Néfi 13:9
      Os varões se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros — Romanos 1:27
      Os sodomitas não herdarão o reino de Deus — I Coríntios 6:9–10
      A lei não é feita para o justo, mas para os sodomitas — I Timóteo 1:9–10
      Os que se corromperam, indo após outra carne, foram postos por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno — Judas 1:7

      Independente de tudo isso, aqueles e aquelas que sentem atração pelo mesmo sexo podem, se quiserem, ajustar-se aos mandamentos de Deus mantendo-se castos. Sem dúvida que é difícil, mas não impossível. Aqui mesmo, em meu blog, há um contundente exemplo de alguém com essa força de vontade. Sua motivação é a consciência da necessidade de sermos fiéis aos mandamentos de Deus a fim de termos o direito de receber Sua intercessão em nosso favor e a promessa de grandiosas recompensas atuais e futuras. Você pode ler suas palavras neste comentário e em vários outros comentários subsequentes àquele (recomendo a leitura de todos). O testemunho de Antenor Oliveira é a prova da veracidade de um importante ensinamento contido no Livro de Mórmon, que diz: “…o Senhor nunca dá ordens aos filhos dos homens sem antes preparar um caminho pelo qual suas ordens possam ser cumpridas.” (1 Néfi 3:7.)

      Então, se ele pode, qualquer gay pode. Basta querer.

      O que me espanta, Marcelo, é que a sociedade brasileira é hipócrita ao ponto de fechar os olhos para o criminoso de punho de seda, preferindo hostilizar o “trombadinha”, o pivete que pede esmola no semáforo. Prefere repudiar um homessexual que “sai do armário” a condenar um heterossexual adúltero e promíscuo. O que a sociedade brasileira discute mais: o aborto ou a adoção por casais homossexuais? Enquanto ainda nos preocuparmos mais na manutenção de antigos valores apenas por uma questão de radicalismo religioso, nunca iremos evoluir enquanto povo.

      Não pretendo discutir a atitude da sociedade diante dos problemas criados por ela própria. Tudo o que me limito a dizer é o que já disse neste comentário: a indiferença à lei de Deus produz as mais diversas e perversas mazelas sociais, algumas das quais citadas por você. A solução para isso não é ceder à vontade das minorias, e sim levar os transgressores ao arrependimento. Quando isso acontecer e todos viverem sob uma mesma lei justa e perfeita, todos — inclusive as minorias — serão satisfeitos.

      A esse respeito, aliás, como escrevi em meu artigo A controversa questão da adoção de crianças por casais gays:

      Não estou defendendo uma tirânica imposição da lei de Deus. Sei que não vivemos numa teocracia e que o Estado é laico. Mas seria bom se a sociedade já fosse se acostumando à idéia de que no grande Milênio, que está para começar, as coisas não serão como são hoje. Na ocasião, o mundo voltará a ser como era na época do Jardim do Éden e será governado por uma teocracia. A lei que estará em vigor é a mesma lei de Deus hoje desprezada pela sociedade. Tudo que for contrário a essa lei será eliminado, o que inclui casamentos gays e adoção de crianças por casais gays. Se houver crianças abandonadas na ocasião, elas não serão entregues para adoção por casais gays (se é que eles existirão). Então esse modelo que está na moda hoje está também com os dias contados.

      Como advogado, aprendi que as leis mudam, porque têm de acompanhar a evolução dos valores sociais ao longo do tempo. Tanto é que já no Brasil existem normas e jurisprudências que reconhecem direitos patrimoniais aos homossexuais, até mesmo para fins previdenciários e sucessórios. Claro que a Lei de Deus não é mutável. Ela é, foi e será sempre a mesma. No entanto, a interpretação que se faz das escrituras, não. Além disso, ao meu ver, um casal homossexual que vive em harmonia, com respeito mútuo, e que prega a bondade e exerce a caridade, a compaixão com os outros, enfim, que vive consoante o evangelho, ainda deve merecer a proteção do Espírito Santo, mais do que aquele casal heterossexual que vive imerso na promiscuidade, nas drogas, no alcoolismo, nas brigas e no descaso com os filhos.

      Há verdades profundas no que você disse. As escrituras ensinam: “Há uma lei, irrevogavelmente decretada no céu antes da fundação deste mundo, na qual todas as bênçãos se baseiam. E quando recebemos uma bênção de Deus, é por obediência à lei na qual ela se baseia.” (D&C 130:21-21.) Isso vale para todos, gays inclusive. Qualquer pessoa, independente de sua orientação sexual, que vive tão consoante o evangelho quanto possível receberá suas recompensas por isso.

      Mas não podemos confundir misericórdia com justiça.

      Não se trata de uma mera questão de interpretação da lei de Deus, Hugo. Não pode (ou não deveria) haver diferentes interpretações, cunhadas conforme a época ou o interesse de cada indivíduo ou grupo. Em qualquer época da história da humanidade, matar, roubar, adulterar, cobiçar, etc., nunca deixou de ser interpretado de forma diferente da de um pecado, uma transgressão da lei de Deus, que trará Seu juízo sobre a cabeça do transgressor se não houver arrependimento sincero e permanente.

      O grande detalhe é que simplesmente não podemos escolher, a nosso bel prazer, aquilo que sofrerá diferentes interpretações conforme a conveniência da época. Não é assim que Deus age. Qualquer coisa que era uma violação de Sua lei no tempo de Adão e Eva continua sendo uma violação hoje. Se matar, roubar, adulterar, cobiçar, etc., eram pecados naquela época, continuam sendo hoje. Se a fornicação era pecado naquela época, continua sendo hoje, por mais que a “modernidade” da sociedade ache absolutamente normal, natural e até desejável ter relações sexuais fora do casamento (e isso significa antes dele também).

      Hugo, não é Deus que tem que se adaptar à vontade do homem. É justamente o contrário. As mazelas sociais de que falei são a prova cabal de que a tentativa do homem de inverter esse processo — ou de interpretar as escrituras de acordo com a própria conveniência — resulta em ruína para si próprio. Aliás, creio que você pode dar testemunho dessa verdade por si mesmo por causa das atitudes de seus pais (e, novamente, não os estou julgando, estou apenas apontando o fato de que, embora sejamos livres para fazer nossas escolhas, não somos livres para escolher as CONSEQUÊNCIAS dessas escolhas). Portanto, temos que ser sábios e não tentar adaptar a vontade de Deus à nossa própria conveniência. Não sei de ninguém que tenha sido bem sucedido nessa tentativa.

      Um grande abraço!

  65. carlos disse:

    voce e contra por que voce nao gay se fosse nao teria

    • Marcelo Todaro disse:

      Você sabia que há gays que também são contra o casamento gay?

      Pois é…

      Se eu fosse gay e tivesse recebido de Deus o testemunho que tenho, minhas convicções não mudariam em rigorosamente nada, pois a lei de Deus continuaria sendo mais importante que meus próprios impulsos e desejos. Simples assim.

  66. jair disse:

    A palavra de Deus fala por sí própria. Creio que tanto prá católicos como para os protestantes, ela é o manual para a vida de todo aquele que crê num Deus Vivo, que o conhece e que com ele mantém uma profunda intimidade.
    Fiz questão de copiar do trecho de uma Biblia Católica, e que práticamente usa as mesmas palavras que a Biblia Protestante.
    Crer ou não crer. Essa é a grande questão!
    Jesus declarou: Aquele que crer será salvo. O que não crê, já está condenado!!!

    Romanos 1: 18 em diante…

    18. A ira de Deus se manifesta do alto do céu contra toda a impiedade e perversidade dos homens, que pela injustiça aprisionam a verdade.
    19. Porquanto o que se pode conhecer de Deus eles o lêem em si mesmos, pois Deus lho revelou com evidência.
    20. Desde a criação do mundo, as perfeições invisíveis de Deus, o seu sempiterno poder e divindade, se tornam visíveis à inteligência, por suas obras; de modo que não se podem escusar.
    21. Porque, conhecendo a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças. Pelo contrário, extraviaram-se em seus vãos pensamentos, e se lhes obscureceu o coração insensato.
    22. Pretendendo-se sábios, tornaram-se estultos.
    23. Mudaram a majestade de Deus incorruptível em representações e figuras de homem corruptível, de aves, quadrúpedes e répteis.
    24. Por isso, Deus os entregou aos desejos dos seus corações, à imundície, de modo que desonraram entre si os próprios corpos.
    25. Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram à criatura em vez do Criador, que é bendito pelos séculos. Amém!
    26. Por isso, Deus os entregou a paixões vergonhosas: as suas mulheres mudaram as relações naturais em relações contra a natureza.
    27. Do mesmo modo também os homens, deixando o uso natural da mulher, arderam em desejos uns para com os outros, cometendo homens com homens a torpeza, e recebendo em seus corpos a paga devida ao seu desvario.
    28. Como não se preocupassem em adquirir o conhecimento de Deus, Deus entregou-os aos sentimentos depravados, e daí o seu procedimento indigno.
    29. São repletos de toda espécie de malícia, perversidade, cobiça, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade.
    30. São difamadores, caluniadores, inimigos de Deus, insolentes, soberbos, altivos, inventores de maldades, rebeldes contra os pais.
    31. São insensatos, desleais, sem coração, sem misericórdia.
    32. Apesar de conhecerem o justo decreto de Deus que considera dignos de morte aqueles que fazem tais coisas, não somente as praticam, como também aplaudem os que as cometem.

    Bíblia Ave Maria – Todos os direitos reservados

  67. Alexandre disse:

    Por favor…

    cada um leva onde quer, come o que quer e anda com quem quer, ate ai tranquilo.
    Mas casamentos homosexuais e que não, pahh!

    E por muito que seja (eu proprio) contra a igreja, a unica coisa que ainda atinaram (se continuarem com a mesma opinião), é não permitir casamentos homosexuais!

    E pra quem falou mal do gajo “AH”, ele ate tinha umas ideias do caraças…
    … e não permitir isto era uma das ideias que ate eram porreiras, entre outras!

    Depois queixam-se que as pessoas são “brutas e mal criadas” quando os homosexuais levam tanga…
    … circo é mesmo pra rir!

  68. Sergio Sakai disse:

    Ola Marcelo !
    Passando aqui para reiterar meu total apoio a sua Ideia com relação ao casamento Gay, quanto ao comentario rancoroso do “Ever” devo dizer que galo não Cacareja e pões Ovos, não é normal é geneticamente criado para ser MACHO, se botar ôvo pode mandar o “gallo” pra panela e convidar o Ever pra festa ele vai adorar com certeza.

    Já eu não vou, rsrsrsrsrs eu gosto é de ver galo cantar não “Cacarejar e soltar penas”.

    Um fortissimo e fraterno abraço, meu Irmão em Cristo Jesus.

  69. Marcelo Todaro disse:

    Caro Rogério Di Paula,

    Como já deve ter notado, não sou gay, nem favorável ao casamento gay, nem à ampla popularização da agenda gay na sociedade. Mas seu comentário foi tão desgraçadamente infeliz que não há como permitir que fique publicado em meu blog.

    Para começar, não é verdade que TODOS os homossexuais “vivem de pornografia, pouca vergonha, safadeza e espalham a AIDS pelo mundo”. O percentual deles que vive disso é basicamente o mesmo dos héteros, ou seja, muito pouco.

    Também não é verdade que todos têm AIDS. Os que não são promíscuos e tomam as devidas precauções estão tão protegidos quanto os héteros que fazem o mesmo.

    Relações sexuais não são o único meio de contágio da AIDS, portanto “exterminar os gays” não impediria a disseminação da doença, até porque héteros também se contaminam mesmo não tendo relações com gays.

    É verdade que a Bíblia condena o homossexualismo, mas também é verdade que Deus nos mandou amar nossos semelhantes e não fez distinção de opção sexual na aplicação desse mandamento. Lamento dizer, mas a deprimente manifestação de ódio e preconceito escancarado em seu comentário demonstrou tudo menos amor ao próximo.

    Por favor, para seu próprio bem, procure crescer. Se você acredita em Deus e tem esperança de ser favorecido por Ele, tem que mudar de atitude. Do contrário, sua recompensa seguramente virá de baixo e não de cima.

    Um abraço!

  70. Rodrigo disse:

    Parabens.

    E eu te peço irmão, voce é mais conhecedor da palavra que eu, lute pela alma da bruna, senti uma vontade muito forte dela se manter firme em Jesus.
    E lembra daquela palavra. ”Por causa de mim muitos serão perseguidos” sinta-se honrado de ser um dos tais.

    Que a Paz do senhor esteja contigo sempre!!!! Um abraço.

  71. José Cristiano disse:

    Ola Marcelo Todaro
    Seus comentarios são fantasticos e cheio de conhecimento, obrigado. Quero comentar o tema encontrado em seu website: porque sou contra o casamento gay, este, gostei deste e por ora o comentarei dando tambem meu ponto de vista sobre o assunto:

    Eu assumo uma posição semelhante a sua com base em princípios, então digo o mesmo que você: … Sou contra o casamento gay. Escrevendo esta declaração, não tenho a intenção de difamar ou menos prezar ninguém. Não sou movido pelo ódio pessoal contra nenhum indivíduo. Opondo-me intelectualmente a pessoas ou organizações que promovem a agenda homossexual, meu único objetivo é a defesa do casamento tradicional, da família e dos preciosos restos da Civilização Cristã. A legalização das uniões homossexuais solapa o casamento e a família.

    As uniões homossexuais carecem totalmente dos elementos biológicos e antropológicos do casamento e da família, que constituiriam a base, em nível da razão, para lhes conceder reconhecimento legal. Tais uniões não são capazes de contribuir adequadamente com a procriação e a sobrevivência da raça humana.

    Nas últimas décadas, os EUA assistiram a uma maré crescente de leis, decretos, regulamentos e decisões judiciais, favorecendo de um lado o homossexualismo, e de outro dificultando e castigando os que se opõem a ele por razões de fé, consciência e outras. Se você e eu e morássemos no EUA seriamos punidos, judicialmente falando.

    Não há absolutamente nenhum fundamento para se considerar as uniões homossexuais similares em qualquer forma ou até remotamente análogas ao plano de Deus para o casamento e a família. O casamento é sagrado, enquanto os atos homossexuais vão contra a lei moral natural. Os atos homossexuais fecham o ato sexual para o dom da vida.

    O Estado parece esperar que os cristãos e todas as pessoas de boa vontade traiam suas consciências, consentindo através do silêncio ou do ato num ataque à lei divina e à ordem natural. Enquanto a intolerância da revolução homossexual anticristã avança através de medidas cada vez mais persecutórias, um terrível problema de consciência se levanta para quem resiste: Devemos seguir nossas consciências? Devemos ceder?Para mórmons como nós, a aceitação do “casamento” entre pessoas do mesmo sexo equivaleria a uma renúncia da Fé. Pois a aceitação moral do “casamento” homossexual equivale à negação da Revelação divina.

    Às vezes me resta compaixão e oro por aqueles que lutam contra a tentação implacável e violenta do pecado de homossexualismo. Oro por aqueles que caem nesse pecado em decorrência da fraqueza humana, a fim de que Deus possa assisti-los com Sua graça. Sou cônscio da enorme diferença entre aquelas pessoas que lutam contra sua fraqueza e procuram sobrepujá-la, e outros que transformam seus pecados em motivo de orgulho e procuram impor seu modo de vida à sociedade como um todo, em flagrante oposição à moralidade cristã tradicional e à lei natural. Contudo, às vezes me ponho a oro também por estes. “Oro ainda pelos juízes, legisladores e funcionários do governo que de um modo ou de outro tomam atitudes favorecedoras do homossexualismo e do casamento” entre pessoas do mesmo sexo.

  72. Eurofig disse:

    Todos que gritaram contra o casamento gay, que não é uma coisa decente, e agora? A Igreja Católica é acusada de abusos sexuais contra menores. Onde estão os moralistas? Gritem agora… Que hipocrisia, fico por aqui.

    • Marcelo Todaro disse:

      Não temos nada a ver com o que os outros fazem. Isso é problema deles.

      Na Igreja de Jesus Cristo, um caso desses dá excomunhão no ato, sem conversa.

      Só espero que você não nivele todos por baixo achando que é tudo farinha do mesmo saco. Não é.

      Vamos continuar levantando nossa bandeira em defesa da família e dos valores tradicionais, pois cremos ser isso o que Deus espera de nós. Se os outros erram, terão que responder por isso perante Ele. Não temos nada a ver com isso.

      Um abraço!

    • jair disse:

      Creio que não deve ter o menor conhecimento a respeito dos assuntos que aqui estão sendo tratados.
      Demonstra total desconhecimento com relação á Palavra de Deus, bem como, com relação ao homossexualismo.
      Os hipócritas têm, por tendência natural, o falar sem conhecimento de causa!

  73. Israel disse:

    Meu nome é Israel. Minhas sinceras saudações a todos que compõem o PROVIDAFAMÍLIA. Serei breve e objetivo.
    O assunto é sobre SSA (Same Sex Attraction, denominação criada pela Igreja Mórmon em referência ao problema “homossexualismo” como a anormal atração física e afetiva entre indivíduos do mesmo sexo), mais precisamente uma sugestão à terapia e uma pergunta. Inclusive, a própria Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias também conta com terapia de correção para esse problema, e, como ambas as igrejas, cristãs, Igreja Católica Apostólica Romana e A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, desenvolveram um programa de ajuda, ficam interrogações no ar depois que se toma conhecimento desse programa.

    É sabido e entendido por todo cristão que a abstinência sexual durante o celibato e a atividade sexual (procriativa) somente após o casamento são um mandamento instituído não meramente mas sob lógica como estilo de vida defendido por Nosso Senhor Jesus Cristo e demais homens santos que à luz divina ajudaram a escrever o mais completo guia espiritual para as vidas humanas: a Bíblia. Admitindo que a SSA, em seu processo degenerativo, causa maiores e terríveis danos ao homem do que à mulher, a urgência de cura para os seres humanos do sexo masculino é em todas as situações e condições gritante e desesperadora. Entretanto, como administrar doses moderadas de um narcótico para a correção do vício de um outro narcótico até sua suspensão, não seria mais eficaz permitir ao indivíduo masculino que carrega SSA no psíquico a prática da atividade sexual com indivíduos do sexo oposto (a fornicação, que constitue um grave pecado, como remédio, controladamente, sem promiscuidade, com segurança e, obviamente, por um determinado tempo) enquanto (e se tratando de, claro!) cristãos celibatários masculinos com SSA?

    Uma outra questão tem a ver com a seguinte dúvida: a intervenção de outros seres humanos como orientadores no programa de cura para SSA de ambas as igrejas (Igreja Católica Apostólica Romana e A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias) não sugere uma ponta de impotência da parte de um Deus há milênios cultuado como “Onipotente”? “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”, abrindo o entendimento do indivíduo e com a iluminação do Consolador não deveria ser tudo para encorajar e curar infalivelmente, sem volta, o ser humano com problema de SSA?

    A todos que compõem o PROVIDAFAMÍLIA, antecipadamente, meus sinceros agradecimentos por uma satisfatória resposta que aqui aguardo humildemente, e que Deus esteja sempre à testa da vida de todos nós.

    Acréscimo: sou mórmon por batismo, porém não mais praticante por decepção (tem a ver com SSA). Li uma entrevista com o Élder Oaks a respeito de SSA que a meu ver em nada ajuda homens com esse problema. O Élder aborda a questão como um problema praticamente impossível de ser solucionado quando o Élder Spencer W. Kimball trata do mesmo problema em seu livro O Milagre do Perdão como um mal totalmente curável, o único que lança esperança às almas desesperadas que se debatem com este problema tão incomodativo ao psíquico do homem e sua saúde espiritual (suícidio e distorções na personalidade e mal-humor são alguns efeitos colaterais, para não mencionar a imensa lista de problemas que afligem o psíquico de quem se debate com SSA diariamente). Por favor, pelo amor de Cristo, respondam-me com uma resposta muitíssimo satisfatória e comentem os parágrafos 3° e 4° do e-mail ao PROVIDAFAMÍLIA que não chegou a receber a mensagem.
    Na verdade, a entrevista com os Élderes Oaks e Wickman tinha a ver mais precisdamente com a polêmica do casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas comentam freqüentemente a respeito de homossexualidade (supostas causas e efeitos). Falaram de suscetibilidade ao problema em alguns seres humanos, como comprovam os números reais desde a antigüidade. Entretanto, por que existe essa suscetibilidade em determinados seres humanos? O defeito tem a ver com uma falha na onisciência de Deus? Se sim, então, tem Deus o dever e obrigação de se afligir com o problema e por seu poder e graça inteiramente pôr fim ao problema indivíduo por indivíduo mesmo não sendo batizados e confirmados SUD’s e mesmo querendo esses ou não a cura, não acham? E não deixar esses seres humanos em estado de aflição pela gravidade e incômodo próprios da SSA que comumente perturbam o espírito de quem se debate com problema de SSA. A questão é muito complexa, mas tem que haver solução; melhor, dir-se-ia uma desmistificação definitiva e infalível que torne a todos que sofrem desse problema onipotentes contra ele em qualquer situação, lugar e tempo. Por favor, respondam-me satisfatoriamente, porque a questão tem a ver com vidas. Antecipadamente, muito obrigado!
    Por favor, comente isso! Daqui a uns doias torno a acessar seu blog para verificar sua resposta.

    • Marcelo Todaro disse:

      Caro Israel,

      Obrigado por seu comentário. Antes de tecer os meus, por favor, tenha em mente que não estou falando em nome da Igreja (até porque não estou autorizado a isso), e sim falando por mim mesmo.

      Não sei se seria correto dizer que o programa de ajuda da Igreja aos homossexuais oferece “correção” ou “cura” para esse problema. Falar em “cura” implica em admitir que o homossexualismo é uma doença, pressuposto com o qual não concordo.

      Estou aqui com meu exemplar do livro O Milagre do Perdão e acabo de reler o capítulo em que o Pres. Kimball toca no assunto. Concordo que a redação do texto pode dar a entender que ele quis dizer que os homossexuais podem ser “curados”. Há de se ter em mente, porém, que a redação original do Pres. Kimball é de 1969. Até 1970, o homossexualismo era tratado como doença e fazia parte do Manual Diagnóstico e Estatístico dos Distúrbios Mentais (DSM), elaborado pela Associação Americana de Psiquiatria e referência para médicos de todo o mundo. Isto posto, não creio que o Pres. Kimball sentisse necessidade de escolher melhor as palavras para não soar antagônico ao que se considera normal 40 anos depois.

      Qualquer que seja o caso, contudo, os programas da Igreja de ajuda aos homossexuais não têm a intenção de “convertê-los” do homossexualismo ao heterossexualismo, e sim de ajudar essas pessoas a viverem o Evangelho. Se elas o fizerem, espontaneamente tomarão a decisão de obedecer à Lei da Castidade, que requer abstinência sexual antes do casamento e fidelidade ao cônjuge do sexo oposto depois. Mesmo que essas pessoas eventualmente não consigam sentir atração pelo sexo oposto e não se casem por conta disso, ainda assim podem manter-se castas e dignas de todas as bênçãos e privilégios dos demais membros da Igreja.

      Estou supondo que você não leu meu artigo ‘Mórmon gay’: uma contradição de palavras. Nele, explico esse ponto em mais detalhes. Eu também gostaria de chamar sua atenção nesse artigo para o comentário número 41, de Antenor Oliveira, que se assume como membro da Igreja que sente atração pelo mesmo sexo (leia também os comentários subsequentes). Veja como ele testifica ser possível manter a atração homossexual sob controle em favor da plena vivência do Evangelho.

      O fato é que a posição da Igreja quanto ao homossexualismo está expressa nas seguintes publicações oficiais (as quais também convido-o a ler):

      — Livreto Deus Ama Seus Filhos, que pode ser baixado neste PDF, dirigido aos membros que sentem atração por pessoas do mesmo sexo e aos líderes incumbidos de ajudar essas pessoas;

      — Artigo Compaixão Pelos que Enfrentam Dificuldades, A Liahona, setembro de 2004 — escrito por um membro da Igreja que sente atração pelo mesmo sexo e descreve como consegue conviver com o problema e, ao mesmo tempo, manter a dignidade requerida pelo Evangelho;

      — Artigo Ajudar Os Que Lutam Contra a Atração pelo Mesmo Sexo, A Liahona, outubro de 2007, de autoria do Élder Jeffrey R. Holland, do Quórum dos Doze Apóstolos.

      Tudo que você precisa saber sobre a posição oficial da Igreja e a orientação que ela dá aos membros sobre como lidar com o assunto está nesses documentos.

      Espero ter ajudado.

      Um abraço!

  74. Aaron disse:

    E quanto à I Coríntios 7:1? O que acham? Já que seguem direitinho, conseguem?

  75. maria edite matos da costa disse:

    Olá Marcelo:
    Sou católica praticante e também estou contra os casamentos de pessoas do mesmo sexo
    Há um brasileiro evangélico chamado Júlio Severo que também luta com todas as forças para abrir os olhos das pessoas que ainda não viram o erro da homossexualidade ,de tal forma que o expulsaram do Brasil.Se os homossexuais lessem a Bíblia bastava que reparassem bem na parte que se refere a Noé e o dilúvio e também a Sodoma e Gomorra, duas cidades onde a homossexualidade atingia o máximo da depravação sexual.Resultado?
    Tanto num caso como no outro Deus já não suportava tanta imoralidade e destruiu o mal pela raíz
    Sou portuguesa e estou muito triste pois acabou de ser aprovada pelo nosso governo(QUE EU NÂO ESCOLHI),uma lei que aceita totalmente o casamento entre pessoas do mesmo sexo.Não admira porque é um governo laico e estão-se marimbando para as ofensas a Deus
    Os Bispos e padres católicos tentaram fazer valer a ideia de um referendo onde seria o povo a decidir sobre esse assunto mas não conseguiram fazer valer aquela que seria a opinião do povo porque neste governo há três partidos de esquerda, a maior parte ateus e dois que são defensores dos valores cristãos Claro que na votação ganharam aqueles que trabalham consciente ou incoscientemente para satanás
    Estive a ver o seu perfil e comparei a sua busca da verdade com a minha,só que chegamos a conclusões totalmente diferentes ,pois decobri o (motivo subtil e disfarçado) que fez afastar tanta gente da igreja e leva-los para outras confissões
    Não estou aqui a fazer comparações ,pois acho que quem ama Jesus está com Deus ,mas como católica senti necessidade de prevenir as pessoas que se tinham afastado da igreja ,de tudo o que se estava a passar e que tinha como objetivo destruir o catolicismo .Depois que tomaram conhecimento de todas as informações que lhes dei constactaram que há realmente uma força poderosissima que está infiltrada em todas as áreas importantes da sociedade para lançarem a confusão e desunião da humanidade e assim poderem implantar a NOVA ORDEM MUNDIAL
    Se estiver interessado em saber como tudo se passou basta dizer-me através do meu emael editecosta2@gmail.com
    Costuma dizer-se que o saber não ocupa lugar por isso quanto mais não seja pode comunicar comigo (por curiosidade)

    Deus o abençoe EDITE COSTA PORTUGAL

    • Marcelo Todaro disse:

      Oi, Edite.

      Obrigado por seu comentário. Eu não sabia do caso desse Júlio Severo. Fui pesquisar sobre ele e descobri que não foi expulso do Brasil (isso nem existe na legislação brasileira), e sim exilou-se voluntariamente no exterior temendo ser processado pelo Ministério Público. E a coisa só chegou a esse ponto porque andou usando de truculência e incentivo à discriminação contra os gays em seu blog. Estava claro que, cedo ou tarde, a coisa ia voltar-se contra ele.

      Note que há uma grande diferença entre a postura dele e a minha, por exemplo. Em lugar algum de meus artigos você encontrará palavras que incitam o ódio ou a discriminação contra os homossexuais. Portanto, embora ele e eu estejamos pregando basicamente a mesma coisa, a diferença está no MODO como isso é feito. Ninguém precisa ser ofensivo ou truculento para passar sua mensagem. Temos que praticar a tolerância.

      Fiquei sabendo ontem da aprovação do casamento gay em Portugal. Lamento por vocês. Minha posição contrária a isso continua e está expressa no artigo que estamos comentando.

      Meu consolo é que tudo isso terá fim, queiram eles ou não.

      Já andei lendo bastante coisas sobre essa “nova ordem mundial”. Não tenho medo disso, pois, como disse o Senhor: “se estiverdes preparados, não temereis” (D&C 38:30, veja também este discurso do Pres. Gordon B. Hinckley).

      Um abraço!

  76. Lucas disse:

    boa tarde a todos
    galera oque mais me chama atenção nesse assunto em pauta é que justamente dentro da maioria das igrejas senao em todas grande parte de seus membros ja se envolveram ou se envolvem em ctos homossexuais!!! sao padres, pastores, membros e outros que frequentam e fazem parte dela que secretamente ou nao se envolvem com homossexuais ou tem atos homossexuais!!! eu ja vi varios casos, conheço varias pessoas religiosas assim e ja participei em grupos de ajuda a pessoas com tal envolvimento quando eu mesmo era lider de uma igreja!!! NÃO PENSEM QUE ESTOU FALANDO SEM CONHECIMENTO DE CAUSA OU SEM RESPALDO: O MAIOR CALDEIRÃO DO HOMOSSEXUALISMO ESTA FERVENDO NOS PORÕES DAS IGREJAS NO MUNDO! E NAO SÓ O HOMOSSEXUALISMO MAS TAMBEM VARIAS OUTRAS PRATICAS CITADAS PELO ILUSTRE DONO DESTE BLOG!
    PORTANTO ACHO DE BOM TOM ANTES DO SR TENTAR “SALVAR A ALMA” DESSES QUE O SR CHAMA DE PECADORES, COMECE ANTES A LIMPAR DENTRO DE SUA PROPRIA IGREJA… FAÇA ESSE TRABALHO LA DENTRO COM OS PASTORES E LIDERES E MEMBROS… TENHO CERTEZA QUE VAI TER TRABALHO POR UM BOM TEMPO.

    • Marcelo Todaro disse:

      Lucas,

      Acho que você está misturando as bolas. O fato de haver homossexuais nas igrejas nada tem a ver com uma eventual necessidade de parar de anunciar ao mundo que o homossexualismo é pecado. Se assim não fosse, os antigos apóstolos de Cristo não o teriam feito durante o ministério deles. Veja o que Paulo disse à Igreja de Jesus Cristo da época:

      “Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, NEM OS EFEMINADOS, NEM OS SODOMITAS, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus.” (1 Cotíntios 6:10)

      “Sabendo isto, que a lei não é feita para o justo, mas para os injustos e obstinados, para os ímpios e pecadores, para os profanos e irreligiosos, para os parricidas e matricidas, para os homicidas, para os devassos, PARA OS SODOMITAS, para os roubadores de homens, para os mentirosos, para os perjuros, e para o que for contrário à sã doutrina” (1 Timóteo 1:9-10).

      Além do mais, ninguém nunca disse que os homossexuais devem ser proibidos de pisar na Igreja. Eles são tão bemvindos para congregar conosco quanto qualquer outra pessoa. Saiba mais sobre isso no meu artigo ‘Mórmon gay’: uma contradição de palavras.

      Agora, afirmações como “grande parte de seus membros já se envolveram ou se envolvem em contatos homossexuais” e “o maior caldeirão do homossexualismo está fervendo nos porões das igrejas do mundo” são de um exagero sem tamanho. O fato de você ter tido contato com religiosos envolvidos em práticas homossexuais não faz deles “maioria” ou “maior caldeirão”, como diz. Prova disso é que, estatisticamente falando, a maioria dos homossexuais declara-se ateu. Se é assim, como pode “o maior caldeirão do homossexualismo [estar] fervendo nos porões das igrejas do mundo”?

      Generalizações sempre são uma coisa perigosa, Lucas. Cuidado com isso.

      Um abraço!

    • freitas disse:

      Suas palavras soam como de um lobista!

  77. Victor disse:

    Olá!

    Vivemos em um mundo onde cada vez mais as ordens naturais das coisas estão sendo invertidas. Não vou ficar aqui dizendo que não tenho preconceito e tal, pois eu realmente tenho… Uma coisa que realmente me deixa mais revoltado com relação aos gays é o fato da maioria ser pervertido.

    DEUS criou o homem e a mulher… qualquer coisa diferente disso, para mim não tem que ser aceito. Sem violência e sem perseguição… Mas sem apoio!

  78. Driele Souza disse:

    DEUS não criou três sexos….Não concordo com esse tipo de ato na igreja evangelica temos que respeitar nossas igrejas….E ponto final….

  79. Bruna disse:

    Marcelo..
    Concordo muito com todo seu tema relatado aki, Também concordo q Deus deu a cada um o direito de fazer o q quizer.Mas daí Colocar Deus de acordo com seu erro é d+, Também sou Homosexual, não me aceito Pois conheço a palvra e sei q Deus cobrará um dia de cada um de nós,” Sodoma e Gomorra foram destruidas prq havia muito pecado naquele lugar, Homems davam-se à homens e mulheres á mulheres..É uma questão muito complicada a ser descutida sim, é como vc diz as pessoas leêm e interpetam da sua forma particular ou da forma q os convém…Adorei ter lido tudo isso, me esclareceu muito mais; Sem falar q você se assim me permitir lhe chamar, há de convir q As pessoas leêm Tanto q acabam desacreditando no q lhes foi ensinado ou quem não foi ensindo acaba nunca crendo no q é ou não verdade, Uma vez meu professor de antropologia disse em sala q na verdade um dia alguém inventou um carro e todos o conheceu por carro e um dia alguém disse q Deus existia e todos assim creram, rs ele quiz dizer q Deus não existia era apenas uma forma das pessoas terem no q crer entende como se fosse fantasia uma criação do homem, me senti extremamente ofendida porém, percebi como as pessoas q não conhecem. “Erreis por não conheceres as escrituras” Eu sei q estou enquadrada em tudo q foi dito, Mas estou me esforssando para acertar vc entende né…Te desejo tudo de bom e q ore por mim quando poder…Um abraço e q Deus seja contigo…

    • Marcelo Todaro disse:

      Cara Bruna (meu nome feminino predileto),

      Muito obrigado por seu comentário. Admiro sua fé e sua determinação em agradar nosso Pai.

      Acredito que você gostará de ler os comentários de um membro da Igreja que, tal como você, também sente atração pelo mesmo sexo. Ele fala sobre como, apesar dessa atração, consegue manter-se digno perante nosso Pai. Os comentários dele e os demais subsequentes (que também são importantes) podem ser lidos aqui.

      Também recomendo as seguintes leituras:

      — Livreto Deus Ama Seus Filhos (PDF), escrito pela Igreja e dirigido aos que sentem atração pelo mesmo sexo;
      — Artigo Compaixão Pelos que Enfrentam Dificuldades, A Liahona, setembro de 2004 — escrito por um membro da Igreja que sente atração pelo mesmo sexo e descreve como consegue conviver com o problema e, ao mesmo tempo, manter a dignidade requerida pelo evangelho;
      — Artigo Ajudar Os Que Lutam Contra a Atração pelo Mesmo Sexo, A Liahona, outubro de 2007.

      Espero que aprecie e que lhe sejam de alguma ajuda.

      Por favor, mantenha contato! 🙂

      Um abraço!

      • Bruna disse:

        Marcelo

        Muito obrigada por ter respondido, acordei hj anciosa por uma resposta sua, Adorei, pode estar certo q estarei lendo e abrindo mais meu entendimento sobre esse assunto e me mantendo firme no propósito de agradar a Deus nosso pai, Q Deus te abençõe muito de verdade pois só ele sabe o quanto foi grande meu refrigério ao ler tudo isso, e ainda encontrar a resposta do meu comentário hj…Estou muito feliz mesmo. DEUS SEJA CONTIGO..

        • Marcelo Todaro disse:

          Oi, Bruna.

          Fico feliz em ter podido ajudar você.

          Por favor, leia mesmo o material que lhe recomendei. Acredito que você poderá encontrar muitas respostas gratificantes nele.

          Testifico-lhe que, apesar de sua tendência homossexual, se você fizer por merecer a confiança e a intercessão de nosso Pai em seu favor mediante sua estrita obediência a Seus mandamentos, Ele lhe dará alegria e paz nesta vida e não se afastará de você. O preço que temos a pagar por isso é, como eu disse, a obediência a Seus mandamentos. Faça isso e verá que não terá o que temer.

          Grande abraço!

  80. Pedro Cardoso disse:

    O négocio é o seguinte!!!!

    Vamos viver q nem a lei da Selva. Só se manifesta quando se sentir ameaçado. Se ñ, cada um vive sua vida do seu jeito. Da forma q vc se sentir feliz. Ja sou membro da igreja a 8 anos tentando encontra a suposta cura do homossexualismo. Mas vi q Deus ñ me curava – pois vi q ele ñ é contra o homossexualismo – decidi ser feliz. Estou namorando com meu amigo q me pediu em namoro um dia e estou me sentindo muito feliz e aliviado. Marcelo pode até ser q Deus me mande pro inferno ou reino telestial e blá blá blá. Mas sinceramente eu ñ sinto isso. Ainda me sinto como filho de Deus, Assim como todos os homossexuais são e heteros tb. Estamos no mesmo mundo nossos corações batem como um só apesar das diferenças. A lei civil é para todos ñ só para os heteros. tudo bem q em algumas religiões façam o casamento da maneira q quiserem mas ñ devem tirar o direito q é nosso.

    E mas uma coisa

    Depois de adão e eva; irmão com irmã tiveram q transar para procriar. Se Deus usou o incesto – q eu acho um ato mais repugnante doq o homossexualismo – para a procriação. Pq ele ñ usaria os homossexuais para diminuição da taxa de natalidade q está altíssima. Pq ñ usaria os homossexuais para adotar crianças abandonadas de hetero para dá-las uma vida melhor. E ñ veia me dizer q a propalidade da criança q vive com homosexuais ser homossexual é grande pq, eu convivi em um habiente totalmente heterossexual e sou homossexual. e conheço um casal de lesbicas q criaram um rapaz e o cara é mulherengo pra caramba.

    Abraço

    • Marcelo Todaro disse:

      Mas vi q Deus ñ me curava – pois vi q ele ñ é contra o homossexualismo

      Por essa mesma lógica, podemos deduzir que Ele não é contra a pedofilia porque não cura os pedófilos, ou o homicídio porque não cura os homicidas, ou o adultério porque não cura os adúlteros, e assim por diante.

      Você é livre para crer no que quiser, Pedro. Mas não venha tentar justificar suas escolhas colocando a culpa em Deus. Não cola.

      Ainda me sinto como filho de Deus, Assim como todos os homossexuais são e heteros tb.

      Ninguém nunca disse que homossexuais não são filhos de Deus, Pedro. Como eu disse no artigo, é verdade que Ele é amor, mas também é verdade que Ele não é contra Seus próprios princípios. Não há qualquer evidência escriturística ou doutrinária que apóie sua crença de que Ele não é contra o homossexualismo. Você preferiu crer nisso porque quis, não porque seja algo respaldado pelas escrituras ou pelos profetas.

      Se Deus usou o incesto – q eu acho um ato mais repugnante doq o homossexualismo – para a procriação. Pq ele ñ usaria os homossexuais para diminuição da taxa de natalidade q está altíssima. Pq ñ usaria os homossexuais para adotar crianças abandonadas de hetero para dá-las uma vida melhor.

      Se um dia Ele decidir que deve fazer isso, cumprirá o que disse o profeta Amós: “Certamente o Senhor Deus não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas” (Amós 3:7). Até o momento Ele não o fez. Portanto, não há qualquer indício de que Ele esteja usando os homossexuais para os propósitos especulados por você.

      Não adianta remar contra a maré, Pedro. Não irá a lugar algum. Você é livre para escolher viver a vida que quiser, mas não é livre para escolher as consequências de suas escolhas. Espero que não esteja disposto a pagar para ver onde suas escolhas o levarão e que, caso contrário, esteja preparado para isso.

      Um abraço!

    • jair disse:

      Meu querido… seja íntegro e declare…
      “NÃO QUERO DEIXAR A HOMOSSEXUALIDADE”
      Esse tipo de discurso lhe cairia muito melhor… e também, mais aceitável! Deixe as desculpas esfarrapadas para os hipócritas!

  81. Nicolle disse:

    Marcelo,
    Como te disse hoje, continuo com minha opinião.
    É legal conhecer os fundamentos que te levam a tal crença, porém fiquei bastante surpreendida ao te ver comparar homossexuais com bandidos, traficantes, pedófilos, enfim criminosos, acho isso absurdo esses grupos que vc citou, não são minorias como vc chama, e sim criminosos e isso nunca deve ser comparado com pessoas que se amam, apenas por ser do mesmo sexo, enfim nem vou me dar o trabalho de exaurir esse tópico.
    Sobre a sua defesa do Evangelho, é bom entender que essa é a Verdade que Você Crê, do mesmo modo que as outras pessoas podem optar por crer em outras escrituras e buscarem sua felicidade, e aí eu enquadro os homossexuais, não vejo isso como desvio de conduta e muito menos algo a ser punido e combatido para que não se torne o mal da sociedade, como legalização de pedofilia e isesto… Enfim, do mesmo modo que vc acha errado, pessoas que se orientam por outras vertentes também gostariam que as pessoas vissem o mundo por sua ótica e nem por isso saem banindo as outras religiões.
    Uma curiosidade: Quando vc diz que em um determinado tempo o mundo será governado por Jesus, e Ele banirá tudo aquilo que não é de acordo com suas leis, qual a sua opinião sobre quem segue outro tipo de religião (ou doutrina ou crença, como queira chamar), que não o Cristianismo, como é o caso dos Islãs, esses serão também banidos? Se sua resposta for positiva, não é pretencioso ou até limitado pensar dessa forma?

    Para finalizar, continuo com minha opinião de hoje cedo, isso pra mim é uma forma disfarçada de preconceito, é apenas embasada teologicamente, porém prega a filosofia que os fins justificam os meios. Respeito sua opinião e espero que vc respeite a minha.

    • Marcelo Todaro disse:

      Olá, Nicolle.

      Obrigado por seu comentário, que eu também gostaria de comentar.

      É legal conhecer os fundamentos que te levam a tal crença, porém fiquei bastante surpreendida ao te ver comparar homossexuais com bandidos, traficantes, pedófilos, enfim criminosos, acho isso absurdo esses grupos que vc citou, não são minorias como vc chama, e sim criminosos e isso nunca deve ser comparado com pessoas que se amam, apenas por ser do mesmo sexo, enfim nem vou me dar o trabalho de exaurir esse tópico.

      Essa objeção é comum entre quem deixa escapar um importante detalhe do que escrevi nesse trecho do artigo: homossexuais praticantes, bandidos, pedófilos, etc. estão todos violando a lei de Deus. Não há o que discutir. Portanto, enquadrei-os nesse critério e apenas nele. Essas pessoas estão violando a lei de Deus. Não fui eu quem quis que as coisas fossem assim e não tenho que me desculpar por isso.

      Sobre a sua defesa do Evangelho, é bom entender que essa é a Verdade que Você Crê, do mesmo modo que as outras pessoas podem optar por crer em outras escrituras e buscarem sua felicidade, e aí eu enquadro os homossexuais, não vejo isso como desvio de conduta e muito menos algo a ser punido e combatido para que não se torne o mal da sociedade, como legalização de pedofilia e isesto… Enfim, do mesmo modo que vc acha errado, pessoas que se orientam por outras vertentes também gostariam que as pessoas vissem o mundo por sua ótica e nem por isso saem banindo as outras religiões.

      Pois é, Nicolle, esse é o dilema sobre o qual o mundo se debate: quem está com a razão? Será que todos os caminhos levam a Deus? Será que Ele aceita tudo?

      Para quem não aceita que Deus não é um Deus de confusão e que não pode ser o autor e/ou inspirador de todas as correntes religiosas, filosóficas, sociais, etc. que existem no mundo, só tenho uma coisa a dizer: no último dia, veremos quem tinha razão. E quem não acredita nisso é só esperar para ver.

      Então não precisamos discutir sobre isso. Vivamos nossas vidas e, no fim, saberemos onde estava a verdade (não a minha ou a sua, mas a única que pode existir).

      Uma curiosidade: Quando vc diz que em um determinado tempo o mundo será governado por Jesus, e Ele banirá tudo aquilo que não é de acordo com suas leis, qual a sua opinião sobre quem segue outro tipo de religião (ou doutrina ou crença, como queira chamar), que não o Cristianismo, como é o caso dos Islãs, esses serão também banidos? Se sua resposta for positiva, não é pretencioso ou até limitado pensar dessa forma?

      Como eu disse acima, simplesmente não é possível que todas essas religiões sejam inspiradas pelo mesmo Deus, já que Ele não é Deus de confusão.

      Então, quando Ele vier, mostrará o que aceita e o que não aceita (isso não necessariamente significa um “banimento”). Vamos esperar para ver? 😉

      Para finalizar, continuo com minha opinião de hoje cedo, isso pra mim é uma forma disfarçada de preconceito, é apenas embasada teologicamente, porém prega a filosofia que os fins justificam os meios. Respeito sua opinião e espero que vc respeite a minha.

      Sem dúvida. Respeito é muito importante. Só quero que saiba que não concordo com “sua verdade” ou “minha verdade”. A verdade é uma só e só quem a conhece é Deus. O detalhe é que Ele não guarda essa verdade para Si e a revela a quem a buscar à maneira Dele. Você também pode conhecê-la, se quiser.

      Um abraço!

      • Nicolle disse:

        Engraçado quando você fala na Verdade de Deus, também creio que essa sim é única, o problema é a diversidade de óticas com que a Verdade Dele é interpretada e vivenciada, passando a ser desse fato a Verdade de cada indivíduo ou agrupamentos destes.

        Quando me referi à suas comparações (a meu ver absurdas), você mesmo reitera o que diz nesse trecho:
        “Também não desejo que a sociedade encare como normal e legal (mais) essa violação da lei de Deus. Às vezes me pergunto que critérios a sociedade usa para decidir qual dessas violações deverá tornar-se legal só porque uma minoria assim o quer ”

        Você volta a comparar os homossexuais às minorias que vc citou acima, então…

        Quando vc me perguntou acima se: Será que Deus aceita tudo? Eu creio que não, porém Suas leis são interpretadas por homens que escolhem suas vertentes sob sua ótica.

        Já que você me convidou a conhecer a Verdade de Deus, eu também te faço um convite, venha conhecê-la e vivenciá-la só que sob a ótica da Igreja que Jesus delegou a designação de fundar, a seu Apóstolo: Pedro (Igreja Católica Apostólica Romana), e não apenas pela ótima que você conhece. Que tal?

        • Marcelo Todaro disse:

          Engraçado quando você fala na Verdade de Deus, também creio que essa sim é única, o problema é a diversidade de óticas com que a Verdade Dele é interpretada e vivenciada, passando a ser desse fato a Verdade de cada indivíduo ou agrupamentos destes.

          Quando vc me perguntou acima se: Será que Deus aceita tudo? Eu creio que não, porém Suas leis são interpretadas por homens que escolhem suas vertentes sob sua ótica.

          Justamente! Em meio a toda essa diversidade de óticas, como saber onde está a verdade Dele, que é a única que vale?

          Quando eu disse que só Ele é quem tem essa resposta, eu disse também que Ele não a guarda para si e a revela a quem buscá-la à maneira Dele. O problema é que nem todos estão dispostos a pagar o preço necessário para isso e esperam que Deus aja segundo os critérios dessas pessoas, quando o que ocorre é justamente o contrário: nós é que temos que nos moldar aos critérios de Deus, não Ele ao nossos. A dificuldade que as pessoas têm de compreender isso é que as impede de receber a resposta Dele. Discorro um pouco sobre isso em meu artigo Fé para obter de Deus uma resposta.

          Quando me referi à suas comparações (a meu ver absurdas), você mesmo reitera o que diz nesse trecho:
          “Também não desejo que a sociedade encare como normal e legal (mais) essa violação da lei de Deus. Às vezes me pergunto que critérios a sociedade usa para decidir qual dessas violações deverá tornar-se legal só porque uma minoria assim o quer ”

          Você volta a comparar os homossexuais às minorias que vc citou acima, então…

          Como eu disse antes, essas minorias estão violando a lei de Deus. É apenas NESSE CRITÉRIO (o de quem viola os mandamentos de Deus) que as unifico. Creio não haver dificuldade alguma em entender isso.

          Já que você me convidou a conhecer a Verdade de Deus, eu também te faço um convite, venha conhecê-la e vivenciá-la só que sob a ótica da Igreja que Jesus delegou a designação de fundar, a seu Apóstolo: Pedro (Igreja Católica Apostólica Romana), e não apenas pela ótima que você conhece. Que tal?

          Talvez você não saiba, mas minha mulher era católica quando me casei com ela. Não só por isso, mas conheço o catolicismo melhor do que imagina.

          Justamente por isso é que discordo da afirmação de que o catolicismo é a religião instituída por Jesus. É verdade que Ele designou Pedro para ser o líder de Sua Igreja primitiva, mas também é verdade que aquela Igreja caiu em apostasia com a inclemente perseguição romana e a morte dos apóstolos. Quando o imperador romano Constantino convocou o Concílio de Nicéia, em 325 d.C., a Igreja fundada por Jesus já não era nem sombra daquela que Ele instituiu. Só para você ter uma idéia: o Concílio de Nicéia se reuniu para abordar, entre outras coisas, a questão cada vez mais discutida da suposta “trindade em unidade” de Deus. A conclusão desses inflamados debates entre clérigos, filósofos e dignitários eclesiásticos passou a ser chamada, após 125 anos e mais três concílios importantes (Constantinopla, 381 d.C.; Éfeso, 431 d.C.; Calcedônia, 451 d.C.), de Credo de Nicéia, tendo havido reformulações posteriores, como no Credo Atanasiano. As várias evoluções e versões desse credo e de outros, que viriam a surgir no transcorrer dos séculos, declaravam que o Pai, o Filho e o Espírito Santo eram seres abstratos, absolutos, transcendentes, onipresentes, consubstanciais, coeternos e incognoscíveis, sem corpo, partes ou paixões, que habitavam fora do espaço e do tempo. Nesses credos, todos os três membros são pessoas distintas, mas constituem um único ser: o frequentemente citado “mistério da Trindade”. São três pessoas distintas, contudo, não são três Deuses, mas apenas um. As três pessoas são incompreensíveis e formam um único Deus, que é incompreensível.

          Com uma definição tão confusa de Deus imposta à igreja da época (definição essa que, note, foi imposta pelo império romano, não por discípulos de Jesus), não admira que um monge do século IV tenha exclamado: “Ai de mim! Tiraram de mim o meu Deus (…) e não sei mais a quem adorar ou dirigir minhas súplicas” (citado em Owen Chadwick, Western Asceticism, 1958, p. 235). Como podemos dedicar fé, amor e adoração — sem dizer o esforço para ser semelhantes — a um Ser que é incompreensível e incognoscível? Como seguir Seu exemplo? Como compreender a oração de Jesus a Seu Pai Celestial, de que “a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem [Tu] enviaste”? (João 17:3; destaques meus.) Não é um escárnio pensar que, nessa e em outras orações que Jesus fez ao Pai, Ele na verdade estava falando consigo mesmo?

          Não tenho a intenção de menosprezar as crenças ou doutrinas alheias. Tenho por sua doutrina o mesmo respeito que peço que tenha pela minha (isso também está em nossas Regras de Fé). Mas se alguém disser que um conceito tão confuso e incompreensível de Deus concebido no Século IV ou V foi o que Jesus ensinou a Seus discípulos, o que dizer, então, dos primeiros cristãos — muitos dos quais foram testemunhas oculares do Cristo vivo — que tãopouco tinham essa crença?

          (Para uma discussão mais completa deste assunto, leia Stephen E. Robinson, Are Mormons Christian?, pp. 71–89; leia também Robert Millet, Getting at the Truth, 2004, pp. 106–122.)

          Então, minha cara amiga, veja que não podemos nos basear em idéias humanas para tentar descobrir a verdade de Deus. Em meio a esse caos religioso, só Ele é capaz de nos dizer onde está Sua verdade.

          Um abraço!

  82. Pingback: Minha participação no programa Geraldo Brasil, da Rede Record » Diário de Marcelo Todaro

  83. Silvio Roberto disse:

    Caro Marcelo,

    Assisti ao programa SuperPop e me surpreendi com sua calma e dignidade na discussão de assunto tão polêmico. Infelizmente muitos religiosos se descontrolam nestas horas para justificar o injustificável.
    Ao ler seu artigo hoje, vi que você alega os ensinamentos de Jesus para ser contra o casamento gay. porém ao ser confrontado com passagens bíblicas, você se esquiva dizendo que não vai discutir a bíblia, que pode ter várias interpretações (os homossexuais a interpretam como querem). Mas será que é a SUA interpretação A CORRETA?
    Em sua entrevista você fala em “expiação”, ou seja, os homossexuais devem fazer o sacrifício de não serem felizes na Terra, para ganharem a eternidade de recompensa. Não acredito que Deus tenha criado pessoas de dupla categoria: os que podem ser felizes na Terra e, ainda assim, ganharem o reino dos céus, e os que devem sofrer aqui para atingir este objetivo! Será que Ele estaria sendo JUSTO?
    Um outro argumento usado é que você diz que há um modelo melhor: o que você experimentou. Marcelo, você acha o SEU modelo melhor porque você não é gay. Eu achava que era bissexual, pois sentia prazer com mulheres, mesmo tendo desejos homossexuais. Cheguei a me casar, mas acabei me separando. Hoje sinto-me gay e sou plenamente feliz com meu namorado. Por que Deus quer só um modelo? Há duzentas bilhões de estrelas no universo e nenhuma igual à outra, por que Deus só aceitaria o casamento heterossexual?
    Certamente você poderia responder: “está em meu artigo”. Foi estabelecido no Gênesis com Adão e Eva. Apesar de não acreditar nas passagens bíblicas como sendo vontade de Deus, vamos ainda assim argumentar. Deus criou Adão e Eva, o primeiro casal heterossexual para se multiplicar e gerar a humanidade, sua imagem e semelhança. Claro! Precisaria haver relações heterossexuais para que se reproduzissem. Ele não estabelece que este é o padrão. Atualmente, com a reprodução in vitro, e com os milhões de órfãos existentes, não se pode mais alegar que o casamento homossexual é uma “ameaça à espécie”, nem nunca foi, a não ser que todos os heterossexuais fossem homossexuais incubados, reprimidos pela sociedade, o que é totalmente improvável.
    Um outro argumento seu é que o casamento válido é o que garante a família por toda a eternidade. Pois o casamento gay duraria somente até a morte, já que no Juízo, Deus condenaria tal união. Aí você está pré julgando. Como você pode saber, antes de Deus, o veredicto que Ele dará no Juízo final a alguém? Não é o próprio Evangelho que diz: “Não queirais julgar, para que não sejais julgados. Pois com o juízo com que julgardes, sereis julgados: e com a medida com que medirdes, vos medirão também a vós. Por que vês tu pois a aresta no olho do teu irmão: e não vês a trave no teu olho?” (Sermão da Montanha – Mateus, 7, 1-3)!
    Um outro argumento seu é que você segue os ensinamentos de Jesus.
    Jesus de Nazaré, o Cristo dos cristãos, ao contrário do que muitos pensam, não foi o fundador do cristianismo. Em sua vida, Jesus não deixou nada escrito. Os relatos evangélicos de sua vida datam aproximadamente de 40 anos após sua morte. Imaginem como sua vida deve ter sido modificada por aqueles que a relataram 40 anos após sua morte! Jesus não era cristão, mas judeu. No entanto, mesmo os relatos mais ufanistas de sua vida mostram um homem que aceitava o diferente como ele era, sem nunca ter julgado ou condenado alguém por suas atitudes, porque caberia apenas a Deus tal julgamento. O episódio relatado na Bíblia da adúltera, chamada Maria Madalena (não é a mesma que seguiria Jesus depois que este teria expulsado 7 demônios de seu corpo), em que Jesus a salva do apedrejamento, exemplifica bem sua postura. Suas palavras são claras para aqueles que o testavam, querendo saber se ele desobedeceria às leis dos judeus (baseadas nos mandamentos de Moisés): “Atire a primeira pedra, aquele que nunca pecou!”. Não sobrou ninguém!
    Jesus foi um dos poucos pensadores da antiguidade, assim como Sócrates, que considerava as mulheres tão capazes quanto os homens, tanto que um de seus principais seguidores era Maria Madalena, de quem Jesus teria expulsado 7 demônios. Relatos dos Evangelhos Apócrifos (não aceitos pela Igreja Católica, nem pelas evangélicas em geral) de Felipe e da própria Maria Madalena colocam-na como a principal apóstola de Jesus. Em nenhum dos Evangelhos, sejam Canônicos ou Apócrifos existe qualquer condenação expressa de Jesus à homossexualidade. Mas muitas palavras deles estão dedicadas a condenar os chamados “doutores da lei”, aqueles sacerdotes responsáveis pelo cumprimento das leis de Moisés entre o seu povo!
    Os primeiros documentos sobre o cristianismo foram elaborados por alguém que sequer viveu com Jesus, Paulo de Tarso, que convertera-se ao cristianismo em episódio controverso em que afirmava ter tido uma visão de Jesus. Eram as Cartas Paulinas. O absurdo é tão grande, que a Igreja Católica posteriormente chamará Paulo de Tarso de São Paulo Apóstolo, como se este tivesse sido um dos 12 apóstolos oficiais de Jesus (Maria Madalena não encontra-se nessa lista), uma criação ideológica para facilitar a adoção do cristianismo como a religião pregada pelo “filho de Deus”, o “messias”, que seria Jesus Cristo.
    Foi também Paulo de Tarso o responsável por tornar o cristianismo uma religião cosmopolita, já que foi ele quem levou sua pregação ao Império Romano. Os primeiros cristãos defendiam a divisão dos bens de uso entre os que faziam parte da religião (hoje chamado de “socialismo cristão”), o que impedia, por exemplo, seus adeptos de passarem fome, impulsionando a religião entre os mais oprimidos da população do Império Romano; no entanto, garantiam a manutenção da propriedade privada dos bens de produção, como a terra.
    Em alguns escritos de Paulo de Tarso, como a Epístola aos Romanos, vemos trechos altamente homofóbicos, que posteriormente serão usados pela Igreja Católica durante a Idade Média para perseguir e matar os homossexuais:

    “24 Pelo que os entregou Deus aos desejos dos seus corações, à imundície: de modo que desonram seus corpos em si mesmos. 25 Os quais mudaram a verdade de Deus em mentira, e adoraram e serviram à criatura antes que ao Criador, que é bendito por todos os séculos. Amém. 26 Por isso os entregou Deus a paixões de ignomínia. Porque as suas mulheres mudaram o natural uso em outro uso, que é contra a natureza. 27 E assim mesmo também os homens, deixado o natural uso das mulheres, arderam nos seus desejos mutuamente, cometendo homens com homens a torpeza, e recebendo em si mesmos a paga que era devida ao seu pecado. 28 E assim como eles não deram provas de que tivessem o conhecimento de Deus, assim os entregou Deus a um sentimento depravado, para que fizessem coisas que não convém, 29 cheios de toda a iniqüidade, de malícia, de desonestidade, de avareza, de maldade, cheios de inveja, de homicídios, de contendas, de engano, de malignidade, mexeriqueiros, 30 murmuradores, aborrecidos de Deus, contumeliosos, soberbos, altivos, inventores de males, desobedientes a seus pais, 31 insipientes, imodestos, sem benevolência, sem palavras, sem misericórdia. 32 Os quais tendo conhecido a justiça de Deus, não compreenderam que os que fazem semelhantes coisas, são dignos de morte: não somente os que estas coisas fazem, senão também os que consentem aos que as fazem.” (BÍBLIA SAGRADA, Epístola de São Paulo Apóstolo aos Romanos, 1: 24-32).

    Falando dos gentios que não reconheciam a Deus, adorando, figuras humanas ou de animais como se fossem deuses, Paulo de Tarso escreve estas linhas como sendo o “castigo dos gentios”. Vemos acima uma série de defeitos atribuídos aos homossexuais de forma absoluta como se todos fossem iguais. Estes mesmos defeitos nós poderíamos apontar para a maioria da humanidade hoje, inclusive para os heterossexuais. São Paulo defendia o sexo somente para a reprodução, ou que os cristãos abdicassem dele, como ele próprio passou a fazê-lo. Na verdade, esta era uma forma clara de diferenciar os cristãos dos romanos ricos (patrícios), que praticavam orgias sexuais em festas intermináveis, como parte do desperdício no já decadente império.
    O avanço do cristianismo acaba influenciando o Estado romano. O imperador Alexandre Severo, cuja mãe havia se convertido ao cristianismo, é o primeiro a adotar uma postura claramente homofóbica, ordenando, logo no começo de seu governo, no início do século II, a prisão massiva de prostitutos masculinos e a deportação de muitos homossexuais participantes da vida pública.
    Em 342, o imperador Constantino reconhece a religião cristã, tornando-se o primeiro imperador declaradamente cristão. Ora, o império romano decadente estava sofrendo com várias tentativas de invasões dos chamados “povos bárbaros” e era ameaçado constantemente por uma revolta de escravos, maioria absoluta de sua população, que tinham se convertido ao cristianismo. Como diz o ditado popular: “Se você não pode com o seu inimigo, junte-se a ele!”. Dessa forma é que o cristianismo, antes pregado nas catacumbas de Roma e perseguido por décadas e décadas, torna-se gradativamente a religião oficial do Estado (instituída pelo imperador Teodósio), havendo para isso uma série de mudanças nos rituais comunistas cristãos para adaptar-se aos costumes romanos (sincretismo), como a criação das imagens de santos, de Jesus crucificado etc. para serem adoradas.
    Outro argumento que me chamou a atenção em sua entrevista foi você dizer que Deus não muda de opinião. E ainda completou dizendo: “Eu não creria num Deus que muda de idéia”. Acontece que se nós lermos o antigo testamento e o novo testamento, veremos posições diferentes de um mesmo Deus.
    No Êxodo, Deus fala a Moisés uma série de regras a serem seguidas: “Todo o que matar de caso pensado um homem, será também morto” (21, 12); “Aquele que furtar um homem hebreu, e o vender para escravo, convencido que for deste crime, morra.” (21, 16); “Se dois homens brigarem um com outro, e um deles ferir uma mulher pejada, que veio a parir sua criança morta, ficando ela viva; será condenado a pagar o quanto o marido da mulher quiser, e quanto ordenarem os árbitros. Mas se a mãe morreu da ferida, dará vida por vida, olho por olho, dente por dentemão por mão, pé por pé, queimadura por queimadura, ferida por ferida, nódoa negra por nódoa negra.” (21, 22-25).
    No entanto, Jesus, no Sermão da Montanha, segundo Mateus, diria: “Vós tendes ouvido o que se disse: olho por olho, e dente por dente. Eu porém digo-vos, que não resistais aos que vos fizer mal: mas se alguém te ferir na tua face direita, oferece-lhe também a outra.” (Mateus, 5, 38-39).
    Se Jesus faz parte da santíssima trindade, que representa um mesmo Deus cristão, e o que está escrito na bíblia são palavras de Deus, então Deus mudou de idéia sim!
    Entre os judeus, a escravidão era algo comum, sendo também um tema abordado em vários momentos da Bíblia:

    “44 Os escravos e escravas que tiverdes sejam das nações, que estão à roda de vós.45 Tereis também por escravos os estrangeiros que vieram viver convosco, ou que nasceram deles no vosso país. 46 Vós os deixareis à vossa posteridade por um direito hereditário, e vós sereis os seus donos para sempre: mas não oprimais pelo poder os filhos de Israel, que são vossos irmãos.” (Levítico, 25: 44-46).
    “Eis aqui as ordenações de justiça que tu proporás ao povo. 2 Se tu comprares um escravo hebreu, ele te servirá seis anos, e ao sétimo sairá forro de graça. 3 Ele se irá de tua casa com o mesmo vestido com que tinha entrado nela. Se tiver mulher, também a mulher sairá com ele. 4 Mas se o senhor lhe deu mulher, e ele teve dela filhos, e filhas; a mulher, e os filhos, serão de seu senhor, e ele escravo sairá com seu vestido. 5 Se o escravo disser: eu tenho amor ao meu senhor, a minha mulher e a meus filhos; não quero sair a troco de ficar forro, 6 seu senhor o fará comparecer diante dos deuses; e depois tendo-o chegado à porta, e às umbreiras, lhe furará a orelha com uma sovela, e ele ficará seu escravo para sempre.
    7 Se alguém vender sua filha para ser criada de servir, esta não sairá, como costumam sair as escravas.” (Êxodo, 21: 1-7).
    “20 Se algum ferir o seu escravo, ou a sua escrava com uma vara e eles lhe morrerem nas mãos, será tratado como culpável deste crime. 21 Mas se eles sobreviverem um, ou dois dias, não ficará sujeito à pena, porque o seu escravo é preço do seu dinheiro.” (Êxodo, 21: 20-21).

    Muitos religiosos cristãos insistem em combater os homossexuais através de citações bíblicas. É bom lembrar a esses que também através de citações bíblicas podemos defender a escravidão, ou a opressão feminina como vimos acima (onde até a filha podia ser vendida como escrava!), ou que não podemos comer lagosta, camarão ou ostras (Levítico, 11: 9-12)! A bíblia, como todos os livros históricos, expressam os costumes, pensamentos e religiões de determinado povo, em determinada época, o que vai se modificando com o tempo. Por isso, não podemos aceitar que haja cristãos, por mais fanáticos que sejam, que ainda queiram seguir a bíblia ao pé da letra!
    Na sociedade hebraica, o marido era considerado dono da esposa, dos filhos, das casas e outros bens da família. Ao se casar, o homem comprava a mulher, que ao enviuvar podia casar-se com um dos cunhados ou, na falta destes, do parente mais próximo do marido. O homem rico podia ter várias esposas e concubinas, sendo-lhe também facilitado a obtenção do divórcio. Ou seja, na sociedade do “povo eleito por Deus” (como os judeus se julgam até hoje), tudo girava em torno da propriedade privada. Por isso, o adultério também era punido severamente, porque além da falta moral, violava o direito de propriedade do marido que comprou a sua esposa. A mulher deveria ser trabalhadora e contribuir para o crescimento da população, que em geral era pequena, tendo passado por muitas guerras e sido dominada por vários povos na época, até a diáspora no ano 70 d.C. imposta pelo Império Romano.
    No reinado de Salomão, foi construído o templo de Jerusalém às custas de duros impostos pagos por sua população e miséria de outros povos conquistados. O luxo da corte era tanto, que o rei possuía 700 mulheres e 300 concubinas!

    “Mas o rei Salomão amou apaixonadamente a muitas mulheres estrangeiras, também à filha de Faraó, e a mulheres moabitas, amonitas, iduméias, e sidônias, e hetéias: 2 das nações de quem o Senhor tinha dito aos filhos de Israel: Não tomeis as suas mulheres, nem eles as vossas: porque elas certissimamente vos perverterão os vossos corações para seguirdes os seus ídolos. A estas pois se uniu Salomão com um amor ardentíssimo. 3 E ele teve setecentas mulheres, que eram como rainhas, e trezentas concubinas, e as mulheres lhe perverteram o coração.” (Terceiro Livro dos Reis (Primeiro dos Reis), 11:1-3).

    Cada mulher recebia um dote! Essa quantidade imensa de mulheres era uma verdadeira ostentação de riqueza e poder. Mas o problema, segundo a Bíblia, não era a ostentação de luxo, ou o fato de Salomão ter 1.000 (mil) mulheres! O problema foi ele ter desposado mulheres estrangeiras, que supostamente o fizeram construir templos para outros deuses aos quais elas adoravam. Na verdade, Jerusalém era, na época, uma cidade que recebia muitos estrangeiros devido ao grande comércio desenvolvido. Para abrigar bem estes estrangeiros e atrair novos comerciantes é que foram construídos tais templos. É impensável que as mulheres de Salomão pudessem exercer tanta influência sobre ele. Qual era o tempo que elas tinham para ficar com ele e convencê-lo? Como ele podia dar atenção a 1.000 mulheres? E não era Salomão o rei considerado o sábio dos sábios? Por que cairia na conversa de mulheres, consideradas pelos hebreus como inferiores?
    E Salomão era o representante de Deus na Terra! Como Deus era diferente! Hoje em dia, Marcelo, Deus só aceita a união de um homem e uma mulher. Até Deus na Bíblia muda. No Antigo Testamento vemos um Deus que aceita o casamento de um homem com várias mulheres, a escravidão, mas ao mesmo tempo é menos tolerante: como na passagem da destruição das cidades de Sodoma e Gomorra pelos pecados nelas cometidos, dentre eles a prática de sodomia. No Novo Testamento, Deus parece mais benevolente, é o Deus do perdão. Mas que continua condenando, segundo Paulo de Tarso, a homossexualidade. Percebemos claramente que até o Deus cristão é também uma construção cultural dos homens.
    Porém, como você mesmo diz, a bíblia tem várias interpretações. No entanto, a grande luta dos homossexuais hoje não é pelo casamento religioso, mas para que possam realizar suas uniões civis. Há casos de gays que convivem com o parceiro por décadas e este, ao morrer, não tem direito a nenhum dos bens do parceiro. Não estou aqui defendendo a apropriação pura e simples de bens, mas a estabilidade necessária para aqueles que ajudaram o seu parceiro a construir seu patrimônio, que viveram histórias felizes de amor juntos. As religiões que interpretem a bíblia como queiram e condenem, de antemão, os gays ao fogo do inferno, mas não neguem os direitos deles serem cidadãos. Não neguem o direito de serem iguais a qualquer outro ser humano, ou então, estarão atestando que existem pessoas (filhos de Deus) de qualidades superiores e inferiores.
    Desde as primeiras famílias na pré história existe a homossexualidade, que inicialmente era até venerada. Os homossexuais ocupavam cargos chaves nas tribos, como a de pajé, pois acreditava-se que possuíam poderes divinos, por serem ao mesmo tempo homem e mulher. Será que Deus é homem? Será que é mulher? Será que é homem e mulher ao mesmo tempo? A religião judaica criou um arcabouço ideológico espiritual para a nova sociedade patriarcal e escravista surgida no início das “civilizações”, com um Deus monoteísta masculino, sendo a primeira a discriminar claramente o homossexual. Até hoje, padres e pastores cristãos, seguem estas regras milenares absurdas da bíblia e continuam repetindo que os homossexuais são uma abominação, são pervertidos, etc. (Não é o seu caso, Marcelo).
    É preciso combater as religiões homofóbicas ou a homofobia em diversas religiões. Aqueles que pregam o amor, ao mesmo tempo estão pregando o ódio sem justificativa. Precisaria apenas de um “mandamento” para a humanidade – Não faça com o outro o que não gostaria que fizesse com você. Um exercício de raciocínio e pensamento simples é colocar-se no lugar de um homossexual, com sua família e sua mãe dizendo que detesta homossexuais, com o padre ou pastor na igreja que freqüenta dizendo que são todos pecadores etc. Por mais que você tente, aqueles desejos não o deixam. Você se apaixona por um amigo, ama-o verdadeiramente, mas não pode declarar-se a ele (“O que vão dizer?” – você pensa). Colocou-se no lugar? Você gostaria? Por causa desse tipo de perseguição, muitos homossexuais já se suicidaram. Está mais do que na hora de parar. Por causa desse tipo de colocação, os homossexuais sofrem todo tipo de discriminação, de ofensas e crimes de ódio, a maioria deles sequer veiculados. E ainda tem aqueles que dizem que a homossexualidade é uma OPÇÃO! Balela!
    Está mais do que na hora do Congresso brasileiro aprovar leis que punam a discriminação contra os homossexuais e garanta a união civil entre homossexuais.
    Desculpe o tamanho do texto, Marcelo. É que o tema é muito importante para mim.
    Desculpe qualquer colocação mais enfática. Em nenhum momento quis dizer que você tem preconceitos homofóbicos. Mas acredito que seu pensamento religioso leva a muitos terem esse tipo de preconceito.
    Um fratenal abraço,
    Silvio Roberto.

    • Marcelo Todaro disse:

      Putz, Sílvio! Quanta coisa! 😛

      Eu precisaria de muito tempo para responder cada um dos pontos levantados por você (e, acredite, todos têm resposta). E são todos importantes, por isso acho que seria injusto escolher uns e deixar outros de fora.

      Bom, que posso dizer? Talvez apenas isto: o conhecimento que tenho sobre o assunto foi obtido por meio de um relacionamento pessoal e direto com nosso Pai — além, claro, do estudo e da fé. Se você quiser saber se o que digo é verdade, terá que percorrer o mesmo caminho. Minhas respostas não servem para você. Você terá que obtê-las por si mesmo diretamente de Deus. Quando isso acontecer — e considerando que Deus não pode mentir e não dirá a você algo diferente do que diz a mim, já que Ele não é Deus de confusão —, então você será capaz de compreender o que quero dizer em meu artigo.

      Retribuo seu abraço fraternal! 🙂

    • Marcilio leão disse:

      Caro Marcelo

      Para os teístas e cristãos o aspecto teológico é o mais importante, mas para os demais não é. uma sociedade sodômica é deletéria, independente da teologia praticada nela. nãos se pode invocar um argumento bíblico para um ateu ou praticante de outra religião não cristã, pode-se ilustra-lo com a Bíblia, mas a argumentação deve ser generalista e existem várias.

      afetuosamente, marcilio

      Caro Silvio

      Parabens, isso é que é uma argumentação respeitavel, inteligente, fundamentada, apesar de discordar totalmente da sua posição, tua argumentação é robusta e merece ser analisada. você é o tipo de oponente que vale apena ter

      atenciosamente, marcilio

      • Marcelo Todaro disse:

        Oi, Marcílio.

        Compreendo o que quer dizer. Mas é como digo em meu artigo:

        Se pararmos para pensar, fora do Evangelho de Jesus Cristo realmente não há motivos convincentes para nos opormos ao casamento gay. Não fosse pelo Evangelho, muito provavelmente eu também estaria levantando uma bandeira a favor da causa gay e teria ido ao programa da Luciana Gimenez para aplaudi-los. É justamente isso o que faz quem desconhece o Evangelho (se conhece, não o entende; se entende, não o vive). Por isso, todo o barulho feito pela comunidade gay acaba ocupando dentro das pessoas o espaço que deveria estar preenchido pelo Evangelho. Eis porquê a ideologia gay conquista mais e mais a simpatia da sociedade.

        Ou seja, meu único motivo é de cunho espiritual. E não posso abrir mão dele. Por isso, continuarei me opondo e expondo esse como meu motivo, mesmo que isso desagrade os ateus.

        Por outro lado, o mesmo argumento de que o evangelho só vale para os que crêem nele, o secularismo também, principalmente considerando que os ateus são um grupo minoritário da população mundial. Por que a opinião deles deveria ter mais importância do que a dos teístas?

        Um abraço!

  84. Andre Giovani disse:

    Continue firme meu amigo, salvando almas para o SENHOR Deus !!!!
    Que o Pai Celeste te abençõe, realmente isto é uma obra maravilhosa e um assombro!!!

  85. Caro Marcos:
    Navegando na internet li seu artigo, não vi o programa embora creio que foi bem interessante. Admiro a sua forma tratar do assunto embora contra você demonstra amor e compaixão com as pessoas e isso fica claro tanto no texto quanto no video.
    Porém gostaria de levantar alguns pontos que tenho certeza que vc sendo maior conhecedor dos ensinamentos de cristo do que eu poderia me esclarecer… cerrto?
    Durante muito tempo pessoas como vc usou a passagem de 1 pedro 2,18 para condenar os negros a escravatura e mante-los escravos, porém hoje muitos dos que o condenaram entendem que nada mais é do que um preconceito humano e não Divino.
    A religião tbm usou cartas Biblícas como as de Corintios, Efesios, Timoteo entre outras para proibir as mulheres de algumas vaidades, de lutar pelo seu espaço e defender suas idéias. o que hoje a propia religião já admite pregadoras e até pastoras mulheres.
    Hoje, infelismente o odio religioso cai sobre o amor entre iguais ( do mesmo sexo).
    Porém creio que texto sem contexto é pretexto, enquanto alguns nos condena com passagens como as escritas no Livros de Romanos e Leviticos, temos um contexto daquelas situações que quando estudada sem nenhum, tipo de conviniência encontramos diversos motivos pelo qual foi escrito aquilo naquele momento. e na maioria das vezes está relacionada a sexualidade e a promiscuidade, mas se tratando de amor temos at´o exemplo de Davi que em 2 Samuel 1;26 ele assume que seu amor por jhonatas é superior ao amor de mulheres. isso não impediu que ele fosse considerado pelo propio Deus um homém segundo o coração de Deus.
    Depois já no evangelho do propio cristo ele diz em Mateus:19 que o homem deixará seu pai e sua mãe par se unir a sua mulher… e complementa no versiculo 11 e 12 que nem todos podem receber esta palavra porque: há eunucos que assim naceram no ventre de sua mãe, outros foram castrados pelos homéns e outros se fizeram por opção…
    Isso não nos leva a refletir que Jesus admitia as diferenças e que sabia que esses não se relacionariam com mulheres?
    Creio eu diante dessa afirmação ele como autoridade maxima poderia ter incluido nos verciculos seguintes a proibição com relação a outros relacionamentos que não o modelo de adão e eva… mas se continuar a lermos não encontraremos tal condenação.
    Só para terminar minhas dúvidas gostaria de relatar a passagem no livro de Galatas 3,28 e 29 onde ali para mim a passagem é extremamente clara e não deixa nem uma dúvida. “Nisto não há judeu nemk grego;não servo nem livre; não há macho nem femea; por que todos vós sois um em Cristo Jesus. e sois de Cristo, então sois decendencia de abrão e herdeiros conforme a promessa.
    Amado irmão quero deixar claro que não estou contextando sua crença ou opinião apenas colocando um pouco de meus conhecimentos em choque com o seu para esclarecer muitas Dúvida que pairam sobre os homosexuais que graças a Deus não faz parte de sua realidade…mas faz parte da minha.
    E por acreditar em odios religiosos,preconceito pagãs e condenação de Deus a sua condição homosexual. Eu, já perdir muitos amigos para o suicidio,para as drogas e para a prostituição tendo como consequencias várias doenças entre elas a Aids.
    portanto clamo a Deus todos os dias para que Deus salve os meus amigos pois aqueles que no mundo estão seguindo ao mestre estão na maioria das vezes empurrando eles para a destruição…
    Não precisamos conhecer muito dew Jesus para saber que tudo que ele sofreu foi para nos da liberde, vida e não condenaçõ ou morte.
    Um grande abraço!
    Divino fernandes

    • Marcelo Todaro disse:

      Caro Divino,

      Obrigado por seu comentário. Fico feliz que tenha percebido meu esforço em demonstrar amor a meu próximo neste que é um assunto espinhoso.

      Não sei se notou, mas em momento algum de meu artigo citei passagens de escritura para justificar meus argumentos. Isso foi intencional. Quero fugir justamente do que você me trouxe: debates sobre escrituras. O mundo está cheio de igrejas justamente por causa da diversidade de interpretações das escrituras.

      Embora cada uma das passagens citadas por você tenha explicação dentro de seu contexto (algumas bem óbvias), qualquer que fosse a passagem que eu citasse em resposta poderia ser interpretada de forma diversa e, portanto, levar a mais discussão. Se debates escriturísticos levassem a algum lugar, não haveria uma infinidade de igrejas no mundo.

      A maioria dos pontos levantados por você já está respondida em meu artigo. Peço-lhe o especial obséquio de relê-lo com calma e atenção. Peço-lhe também que leia o livreto Deus Ama Seus Filhos neste PDF, no qual a Igreja fala aos que sentem atração pelo mesmo sexo.

      Depois disso, sinta-se à vontade para trazer-me eventuais dúvidas e opiniões.

      Grande abraço!

  86. Rafael disse:

    Caro Marcelo,
    Vejo que você é contra o casamento homossexual, porém qual a sua soluçao para isso? Deixar-nos eternamente desamparados juridicamente? O casamento é um instituto que garante direitos a duas pessoas que se amam e querem compartilhar uma vida juntas.
    O grande problema é que quando se fala em casamento se remete a algo religioso e nao tão somente jurídico. O casamento religioso é algo completamente diferente, concorda?
    Bom, você como um grande religioso que imagino que seja deve seber que Deus gostaria que todos nós aqui vivessemos uma vida mais harmonica e sem julgamentos por parte uns dos outros, pois somente a Ele caberá este julgamento, e ao mesmo tempo em que se proíbe que tal instituto, repito, jurídico, seja liberado como se poderá harmonizar a sociedade neste aspecto? Podes dizer que “através da religião”, porém cada palavra que está sendo deturpada em muitas igrejas fazem com que as pessoas se tornem fanáticas(algo de que Deus nao necessita) e não devotos. Temos um grande problema aqui na Terra de muita intolerância onde umas pessoas querem se meter na vida das outras, quando o que as outras querem na verdade é somente viver a vida delas em paz.
    Não sou católico ou evangélico, ACAREDITO em Jesus e acima de tudo sou devoto de Deus, nao acho que por ser homossexual estou condenado ao inferno, apenas acho que a minha missao nesta vida(também nao sou espirita) foi passar por isto porque de alguma forma necessito desta experiencia para obter um crescimento espiritual, se nao fosse por este motivo nao existiriam homossexuais desde os primórdios da sociedade em todos os cantos do mundo. Se não foi Deus o criador de tudo e de todos porque nao seria ele tembém o criador dos pecados? Você pode falar que foi o satã, mas entao Deus também o criou? Não acredito em demonio(o mau maior) e acho que quem tem tais crenças nao sabe realmente o que é Deus.
    Para concluir, creio que seja da vontade de Deus que, pelo que quer que seja, tenhamos uma vida em que possamos fazer o bem tanto para nós quanto para os outros e não ficar-mos nos martirizando por algo que nao tem cura, assim como nao recriminar, reprimir e excluir uma pessoa por ela nao ser “aceita por Deus”.

    SENHORAS E SENHORES, SOMOS TODOS FILHOS DO PAI E TODOS SOMOS IGUAIS, NAO SE ACHEM “MAIS” DO QUE NINGUEM, NUNCA.
    Um grande abraço
    Rafael

    • Marcelo Todaro disse:

      Olá, Rafael.

      Obrigado por seu comentário. A maior parte de seus questionamentos já está respondida em meu artigo, mesmo assim vou destacar os trechos relevantes:

      Vejo que você é contra o casamento homossexual, porém qual a sua soluçao para isso? Deixar-nos eternamente desamparados juridicamente? O casamento é um instituto que garante direitos a duas pessoas que se amam e querem compartilhar uma vida juntas.

      A resposta a esse questionamento está no trecho “Mas o que você tem a ver com isso?” de meu artigo.

      O grande problema é que quando se fala em casamento se remete a algo religioso e nao tão somente jurídico. O casamento religioso é algo completamente diferente, concorda?

      Na minha visão, é ao contrário: o civil é que é algo completamente diferente do religioso, já que, como eu disse no artigo, o casamento não é uma instituição humana, mas divina. Não foi o homem que inventou o casamento e a família, e sim Deus. Portanto, as coisas deveriam funcionar segundo as regras Dele, e não do homem. Se o homem quer desvirtuá-las, não pode esperar que Deus os abençôe.

      Bom, você como um grande religioso que imagino que seja deve seber que Deus gostaria que todos nós aqui vivessemos uma vida mais harmonica e sem julgamentos por parte uns dos outros, pois somente a Ele caberá este julgamento, e ao mesmo tempo em que se proíbe que tal instituto, repito, jurídico, seja liberado como se poderá harmonizar a sociedade neste aspecto? Podes dizer que “através da religião”, porém cada palavra que está sendo deturpada em muitas igrejas fazem com que as pessoas se tornem fanáticas (algo de que Deus nao necessita) e não devotos. Temos um grande problema aqui na Terra de muita intolerância onde umas pessoas querem se meter na vida das outras, quando o que as outras querem na verdade é somente viver a vida delas em paz.

      Também como eu disse no artigo, estou apenas exercendo o mesmo direito à liberdade de expressão que você. E, novamente, o que tenho a ver com isso está escrito no trecho “Mas o que você tem a ver com isso?”.

      Não sou católico ou evangélico, ACAREDITO em Jesus e acima de tudo sou devoto de Deus, nao acho que por ser homossexual estou condenado ao inferno, apenas acho que a minha missao nesta vida (também nao sou espirita) foi passar por isto porque de alguma forma necessito desta experiencia para obter um crescimento espiritual, se nao fosse por este motivo nao existiriam homossexuais desde os primórdios da sociedade em todos os cantos do mundo.

      De novo, voltamos ao artigo: nele eu disse que não sabemos porquê o homossexualismo existe e talvez não venhamos a saber nesta vida. Só o que sabemos é que Deus não é contra Seus próprios princípios. Isso seria incoerência e não se pode dizer que Ele seja incoerente.

      Reconheço que o homossexualismo pode representar uma severa provação para quem sofre com ele, mas talvez o propósito seja esse mesmo: ser uma provação. Se for isso, o que faremos a respeito: deixaremos que a provação nos vença ou seremos mais fortes que ela?

      Sei que nosso Pai Celestial quer que vivamos segundo Seus mandamentos, os quais não prevêem a hipótese do homossexualismo. Acredito que o desafios dos homossexuais seja justamente vencer essa tendência ou, pelo menos, mantê-la sob controle. A atração homossexual em si não é pecado, pecado é ceder a ela.

      Se não foi Deus o criador de tudo e de todos porque nao seria ele tembém o criador dos pecados? Você pode falar que foi o satã, mas entao Deus também o criou? Não acredito em demonio (o mau maior) e acho que quem tem tais crenças nao sabe realmente o que é Deus.

      E você sabe, Rafael?

      O que você realmente conhece sobre Ele? O que você sabe sobre o que Ele já disse e continua dizendo a respeito de tudo que precisamos saber e fazer nesta vida para termos o direito de voltarmos a viver com Ele e, melhor ainda, sermos como Ele?

      Se você tivesse esse conhecimento, saberia que o pecado não é criação Dele. Aliás, saberia qual é a definição exata de pecado: agir contra a vontade de Deus. Portanto, para evitarmos agir contra Sua vontade é preciso conhecê-la. Ela pode ser conhecida por meio do estudo das Escrituras, da oração, do jejum e das palavras dos servos Dele quando falam inspirados pelo Espírito Santo. É daí que você saberia, sem a menor sombra de dúvida, que o homossexualismo não foi criado por Ele.

      Então, o que os homossexuais devem fazer? Simples: devem manter suas tendências sob controle. Se o fizerem, não estarão em pecado.

      Para concluir, creio que seja da vontade de Deus que, pelo que quer que seja, tenhamos uma vida em que possamos fazer o bem tanto para nós quanto para os outros e não ficar-mos nos martirizando por algo que nao tem cura, assim como nao recriminar, reprimir e excluir uma pessoa por ela nao ser “aceita por Deus”.

      Eu nunca disse que os homossexuais não são aceitos por Deus. O que eu disse é que o homossexualismo é pecado. Deus ama o pecador, mas odeia o pecado. O desafio dos homossexuais é viver uma vida digna da ajuda Dele para que possam manter suas tendências sob controle. Isso exige sacrifícios que muitos não estão dispostos a fazer (e não é só o caso dos gays, e sim de todos os filhos de Deus).

      Um abraço!!

  87. Ralffer disse:

    Olá, Marcelo.

    Vasculhando a Web à procura de discussões acerca deste tema tão polêmico, encontrei este Blog escrito por V. Sa, por sinal, muito bem escrito.
    Não acompanhei sua participação no programa Super Pop, mas imagino que enfrentou um desafio e tanto. Parabéns pela coragem!

    Sou evangélico, membro da Igreja Metodista do Brasil desde criança, e desde que tive contato com este tema (na adolescência), enfrentei vários embates com amigos, professores, parentes, colegas de sala e até mesmo com desconhecidos, em virtude de meu posicionamento -tido pela maioria como conservador – não só em virtude do conhecimento da Palavra de Deus, mas também pela criação de ‘pai e mãe’ que tive o privilégio de poder ter.

    Não conheço bem a doutrina de sua igreja, mas pelo pouco que pude ler aqui e em outras fontes de informação, se assemelha em alguns aspectos com o entendimento da minha igreja e sua doutrina, minha fé, etc.

    Independentemente de quem está do outro lado da conversa, há uma certa tendência por parte de quem defende a “causa gay”, de um modo geral. É a mistura, o embaralhamento dos argumentos e dos exemplos que ajudam a sustentar a respectiva tese defensora tanto da relação homossexual como da união civil entre pessoas do mesmo sexo.

    A bagunça argumentativa é um fator que os ajuda a justificar a forma como pensam e vivem. A mistura de vários argumentos destoados uns dos outros, formam um entendimento muitas vezes “capenga” e “extremamente direcionado e tendencioso”, sob o aspecto da continuidade e seqüência racionais.

    Como pude perceber acima, defendes a idéia de que as pessoas têm ‘adequado as escrituras à sua própria necessidade e modo de viver’ em detrimento da ‘adequação humana aos preceitos bíblicos’ (que é o correto). Tem-se aceitado a Bíblia naquilo que vai ao encontro da forma como se deseja viver, e rejeitado naquilo que vai de encontro ao que se quer.

    Tenho visto muitos defensores, por exemplo, os da união civil entre pessoas do mesmo sexo (ou simplesmente, do casamento gay) lançar em debates, posicionamentos isolados e, quase sempre, sem muita conexão lógica uma com a outra.

    A exemplo disso:

    – “o que importa é o amor de um pelo outro” (mas como fica a questão dos mandamentos e princípios bíblios básicos?);
    – “Deus é amor” (além de existirem alguns tipos diferentes de amor – nesse caso o Ágape -, o dEle é incondicional; algo aceito, mas incompreensível para o ser humano);
    – “Todos somos livres para estar com quem quisermos” (um raciocínio simplista e um tanto tendencioso quanto ao aspecto da orientação sexual);
    – “a Bíblia Sagrada não fala especificamente da proibição do casamento ou do relacionamento entre pessoas do mesmo sexo” (é preciso ter mais fé pra não enxergar a vedação à prática homossexual que para entender o contrário. Somente um interesse direto para se argumentar pela falta de previsão bíblica sobre o assunto);
    – “me mostre na Bíblia que a prática homossexual é errada” (não é preciso estudar muito para saber de que se trata a ‘Sodomia’, a ‘efeminação’ à qual se referem as escrituras)
    – “a teoria mais aceita pela ciência é a de que o homossexualismo decorre de um fator genético” (estamos falando de uma liberdade de escolha ou de uma falta de opção? Se for falta de escolha, isso precisa ser tratado!);
    – “ir contra os interesses tendentes a defender a homossexualidade é uma forma de preconceito” (a tendência, hoje em dia, é sempre levar as opiniões contrárias a algum grupo social ao status de preconceito, a fim de que se abafe a opinião contrária);
    – “Deus nos fez iguais e nos ama igualmente” (de fato nos ama igualmente, porém, a conseqüência do que fazemos contra a sua Palavra não é de responsabilidade dEle, mas nossa! Afinal, Ele ama o pecador mas abomina o pecado.

    Enfim, todos esses e outros argumentos, somam-se ao que chamo de “maçaroca argumentativa” tendente a confundir cada vez mais a opinião dos menos esclarecidos.

    E isso tudo, defendido e divulgado pela maioria esmagadora da imprensa atual, praticamente impede as pessoas de ter acesso a informações que as permitam raciocinar de forma diferente. As novelas, os filmes, as revistas, reportagens, etc, não perdem tempo em tratar do assunto de forma liberal, normal, extremamente aceitável, sem qualquer opinião contrária. Enfim…

    Hoje, tenho dois argumentos básicos contrários à prática da homossexialidade:
    1. A homossexualidade, caso se tornasse a regra, seria o fim da humanidade em termos de procriação, não somente por causa dos dizeres bíblicos, mas também, pelo ponto de vista da continuidade da raça humana que seria impossível com pessoas que não podem conceber por falta de possibilidade;

    2. “Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne” (Gênesis 2:24) – tal versículo bastante coerente com a defesa da heterossexualidade deve ser visto não apenas sob o aspecto de mandamento ou orientação bíblica, mas também, sob o aspecto da aliança de sangue intentada por Deus e celebrado no primeiro ato sexual entre homem e mulher, o que não é possível entre HOMEM E HOMEM OU MULHER E MULHER. Deus celebra aliança conosco a partir do momento em que o aceitamos como Pai e acreditamos na sua Palavra, e o mesmo Ele quis para o homem e a mulher ao se aceitarem como esposo e esposa.

    Pra mim, esses dois argumentos servem de escopo não somente para a formação da opinião de uma pessoa, como também para o tratamento que o Estado deve dar à possibilidade de união civil entre pessoas do mesmo sexo. Inclusive, isso tem refletido e complicado em algumas situações, o instituto jurídico da adoção de crianças por casais homossexuais, que é um outro assunto a se debater.

    Por fim, agradeço a coragem e a disposição em manter sua opinião firmemente, mesmo diante da pressão que nós, partidários da mesma opinião, temos sofrido, tendo em vista que já houve uma inversão de valores nos últimos anos. É preciso tratar este assunto com a maior seriedade, jamais ofendendo os homossexuais (que são pessoas dignas de respeito), mas não abrindo mão da opinião contrária à prática da homossexualidade.

    Deus nos abençoe!

    • Marcelo Todaro disse:

      Olá, Ralffer.

      Obrigado por seus comentários, sobre os quais eu gostaria de dizer algo referente aos seguintes trechos:

      A homossexualidade, caso se tornasse a regra, seria o fim da humanidade em termos de procriação, não somente por causa dos dizeres bíblicos, mas também, pelo ponto de vista da continuidade da raça humana que seria impossível com pessoas que não podem conceber por falta de possibilidade.

      A homossexualidade JAMAIS se tornará regra simplesmente porque homossexuais são minoria no mundo e nada indica que seu número esteja crescendo. Ainda que, na pior das hipóteses, todos os países do mundo legalizem a união gay e isso com o tempo acabe sendo incorporado à cultura das nações e aceito como algo tão normal e natural quanto a heterossexualidade, ainda assim é algo que ficará restrito ao nicho gay. A sociedade até poderá aceitar a união gay, mas isso está bem longe de significar o fim da humanidade simplesmente porque o número de heterossexuais SEMPRE será muito maior.

      “Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne” (Gênesis 2:24) – tal versículo bastante coerente com a defesa da heterossexualidade deve ser visto não apenas sob o aspecto de mandamento ou orientação bíblica, mas também, sob o aspecto da aliança de sangue intentada por Deus e celebrado no primeiro ato sexual entre homem e mulher, o que não é possível entre HOMEM E HOMEM OU MULHER E MULHER. Deus celebra aliança conosco a partir do momento em que o aceitamos como Pai e acreditamos na sua Palavra, e o mesmo Ele quis para o homem e a mulher ao se aceitarem como esposo e esposa.

      Em geral, os gays não estão nem aí para isso. A maioria tem consciência de que o homossexualismo é contrário aos mandamentos de Deus, por isso preferem ignorá-Lo a sujeitar-se a Ele. São poucos os gays que professam fé em Deus — e, mesmo os que o fazem, consideram apenas os trechos do Evangelho que lhes interessa.

      Como eu disse em meu artigo, quem desconhece o Evangelho (se conhece, não o entende; se entende, não o vive) geralmente torma partido a favor da causa gay porque todo o barulho feito pela comunidade gay acaba ocupando dentro das pessoas o espaço que deveria estar preenchido pelo Evangelho. Eis porquê a ideologia gay conquista mais e mais a simpatia da sociedade.

      Um abraço!!

  88. Michael DS (Austrália) disse:

    Tenho acompanhado este blog do irmão Marcelo desde 11 de março de 2009 (domingo passado) quando, por acaso, eu o encontrei na Internet. Ainda bem que encontrei. Talvez tenha sido por inspiração, pois eu estava à procura de algo que me trouxesse alegria. Não conheco Marcelo pessoalmente, mas tenho total confianca em sua inspiração e dedicação em divulgar o evangelho e o admiro por sua fé e determinação em defender o Plano de Salvação de nosso Pai Celestial, mais especificamente a Lei da Castidade, de acordo com as Escrituras da Igreja SUD.

    Segundo a Igreja, o fato de alguém se sentir atraído sexualmente pelo mesmo sexo não é pecado e a pessoa pode participar de todas as ordenancas sagradas do evangelho, incluindo as do templo. Desde de que não haja nenhum contato físico com um parceiro, o membro é considerado digno de todos os direitos e privilégios da Igreja.

    Enfaticamente afirmo que Deus não criou o homossexualismo. Nunca foi o proposito Dele e nunca será.

    Nos comentários do artigo Diga não ao casamento gay, do Marcelo, notei que alguns participantes disseram que sao gays e estão felizes. Mas como assim? Oxalá eu pudesse ingerir certo volume de areia e depois dizer que estou feliz também. Eu até poderia dizer que estou feliz, pelo menos por algumas horas, mas na verdade eu estaria na miséria. Ainda assim eu disse que estava feliz, mas certamente que eu estava só me enganando. Creio ser esse o mesmo caso de alguém que diz estar feliz por ser gay. Isso é absolutamente impossivel!

    Tenho uma teoria: essas pessoas nunca se sentiram felizes de fato, pois não sabem o que é felicidade. Elas simplesmente dizem “sou feliz” sem saber o que é isso.

    Todo gay argumenta que nasceu gay. Não acredito nisso tanto quanto não acredito que alguém nasça ladrão, pedófilo, víciado, etc.

    Se você pratica o homossexualismo ou lesbianismo é porque optou por isso. Sim, a fantasia pode até estar bem na frente de seu nariz, como também podem estar as drogas, o álcool, o(a) garoto(a) de programa, a pornografia infantil… E daí? Basta simplesmente dizer não!

    Meus amigos, a vida é uma provação. Temos que ser testados. Atração por alguém do mesmo sexo não é uma provação para mim, mas certamente tenho meus desejos, apetites e paixões. Para que eu os supere, opto por dizer não. Sua provação pode ser a atração pelo mesmo sexo. E daí? Se você pretende superar a provação, diga não. Cada um de nós tem um ponto fraco, e daí? Temos que dizer não.

    Nós os amamos. Eu também. Contudo, quanto à sua campanha pela legalização do casamento gay, acho isso um absurdo e chego até a ter repugnância só de pensar. Não espere pelo meu voto, pois não o darei.

    Após ter lido tudo isso e assumindo que entendeu o que leu, se você optar por continuar praticando o homossexualismo, amém para você. AMÉM e AMÉM.

  89. Michael DS disse:

    Irmão Marcelo,

    Admiro-o por sua fé, determinação, paciência (de Jó, do Velho Testamento), clareza, sabedoria e firmeza. Você é um exemplo para mim. Muito obrigado.

    Que Deus continue abençoando-o em defesa dos princípios fundamentais da Igreja SUD.

    Um abraço,

    Michael
    Sydney, Austrália

  90. juliana disse:

    oie, pois e so queria te parabenizar pela coragem, tava aqui na net preparando um descurso sobre alma 41:10 que fala q iniquidade nunca foi felicidade (vc ja deve saber srsrr) mas enfim tava aqui procurando algo e encontrei vc e fiquei adimirada com sua coragem…. e queria dizer q a igreja deveria ter mais menbros como vc que estao dispostos a mostrar pras pessoas que existem um plano de alegria bem maior do que momentanea e sim eterna … emais uma vez parabens..

    • Marcelo Todaro disse:

      Caro Everson,

      O comentário seu que havia aqui foi apagado porque ele não tinha outro propósito senão o de ser injurioso. Não precisamos disso.

      Leia o que escrevi em resposta a seu primeiro comentário, mais acima.

  91. Pingback: Diário de Marcelo Todaro » Se uma gerra não pode ser evitada, que seja de idéias, não de pedras

  92. Sergio R Sakai disse:

    Caro Daniel !
    Complementado oque o Marcelo Todaro Falou ai, quando vamos a primeira vez a um destino o mais seguro e consultar os mapas e os manuais de instrucoes, a destino que so tem uma estrada por exemplo que mora em Sao Paulo e deseja ir ao Rio de Janeiro, qual o melhor Caminho e mais pratico muitos preferem a Via Dutra, se alguem quiser pegar a Via Regis Bitencourt, que fique a vontade mais acho que esta opcao nao leva ao Rio de Janeiro, talvez a outro Rio…o Rio Grande do Sul por exemplo…nem todas estradas levam ao mesmo destino e a placas indicativas tem que ser confiaveis, como as leis na duvida siga o manual de instrucoes…inventar pode ser perigoso demais e quando se perceber pode ser tarde demais….Mas com certeza nosso mestre ama a todos, independente de nossas escolhas por isto avisa antes…Sorte pra voce irmao !

  93. daniel disse:

    independente do que cada um pensa eu acho que todos devem respeitar a decissão do outro,e eu acho que quaisquer forma de amor é valida dede que haja amor verdadeiro……deus amam seus filhos como eles são…se não ama não é deus…do amor…do carinho…etc….e tanto a justiça divina como a justiça do homem diz que todos somos iguais diante de deus-jutiça divina…diante da constituição-justiça do homem…o que importa é amar…..

    • Marcelo Todaro disse:

      Olá, Daniel.

      O fato de Deus amar o pecador não significa que Ele ame o pecado. Como escrevi no artigo, Deus é amor, mas não é contra os próprios princípios.

      Quer amar alguém do mesmo sexo? Você é livre para fazê-lo, mas não pode esperar que Deus abençoe uma relação dessas.

      Um abraço!

      • Gonçalves disse:

        Olá Sr. Tadoro. Muitos confundem a palavra “amor” com “ato sexual”. Deus disse que devemos amar uns aos outros não disse que devemos fazer sexo uns com os outros.
        Uma pessoa pode amar seus pais sem fazer sexo com eles. Pode-se amar os irmãos sem fazer sexo com eles. Pode-se amar os amigos sem fazer sexo com eles. Pode-se amar o filho sem fazer sexo com ele, etc.
        Acho que as pessoas confundem as duas cousas.

  94. Sergio R Sakai disse:

    Caro Irmao Marcelo !
    Parabens pela sua perseveranca e paciencia.!!
    Desculpe mas nem todo mundo e tao civilizado assim pelo que eu vi, sera que alguem ja pensou o seguinte, quem sao meus pais ? Ora meus pais…. “O Carlao e o Pedrinho” viviam felizes e ai resolveram me “gerar” de que jeito ?
    Ou entao “Mariazinha e Maria quebra barraco” resolveram que a felicidade so seria completa com a minha presenca em sua vida e ai…foram ate o Banco de reproducao humana e tiraram no palitinho…o resto vcs sabem ne ?
    Mas mesmo assim eles iram tentar te convencer do contrario, dizeno que nao se trata so de Genetica, terceiro sexo etc e tal e que o que eles mais se preocupam e com a questao da legalidade (e pode crer ta sendo aprovada a uniao de Homosexuais mundo afora – ainda bem que sao Leis de Homens tendenciosos que aprovam por mais interesses pessoais do que das causas ) Eu ainda prefiro as boas leis nas quais a maioria sao inspiradas as leis divinas…nao se preocupe nao ainda vem chumbo …segure firme Marcelo to contigo ! se essas coisas novas como dizem fosse verdade, nosso pai Celestial nao teria destruido Sodoma e Gomorra, so muda a data e o local agora sao mais e organizados…so os costumes e o estilista e que sao os mesmo (Capeta) me engana nao que eu nao gosto…..!

    • Ever disse:

      Ola Sergio R. Sakai, mais preconceituoso impossivel né?
      e o Marcelo que diz issu e aquilo não respondeu criticando ou analizando
      nenhum de seus comentarios infelizes … acredito que passivamente o concordou com todos
      isso sim que são irmãos sem preconceito, cheio de amor pra dá com os outros irmãos
      sai daqui com preconceito e opnião suja

      • Marcelo Todaro disse:

        Caro Everson,

        A questão de definir o que é preconceituoso ou não é deveras subjetiva e depende a interpretação de cada um. Você viu preconceito no comentário do Sérgio, mas eu não. Quem é que vai decidir se é ou não é?

        Quem sabe um bom dicionário possa nos ajudar. Segundo o Houaiss, uma das possíveis acepções do verbete preconceito é:

        “atitude, sentimento ou parecer insensato, esp. de natureza hostil, assumido em conseqüência da generalização apressada de uma experiência pessoal ou imposta pelo meio; intolerância”

        Isto posto, note que você também pode perfeitamente ser taxado de preconceituoso nos seus comentários. E agora?

        Mesmo à luz da definição do Houaiss, quem pode definir o que é ou não “atitude, sentimento ou parecer INSENSATO“? Olha a subjetividade aí de novo!

        No caso do Sérgio e eu, nossa opinião baseia-se no Evangelho de Jesus Cristo. Na interpretação de alguns, Ele foi o ser mais preconceituoso a pisar na face da Terra. Quem acha isso geralmente é quem tenta adaptar o Evangelho à vontade do homem (e não o contrário, como deve ser) e, como isso não pode acontecer, taxam-no disso e de outras coisas.

        Então sabia que seu “elogio” não nos causa nem cócegas. Desde sempre os fiéis seguidores de Cristo foram difamados e caluniados, tal como você está fazendo. Nenhuma novidade. O fato é que, para continuarmos fiéis a Ele, não podemos mudar nossa opinião e postura mediante a vontade de quem nos difama e calunia. Entre agradar a certas pessoas e agradar a Deus, prefiro a segunda opção, nem que isso eventualmente signifique que eu seja crucificado pelos caluniadores tal como Cristo foi.

        Um abraço!

  95. caio disse:

    Olá marcelo,
    entendo as suas crenças e as respeito.
    Mas eu gostaria de algumas respostas se possivel.
    1-Porque afinal criaria gays e lesbicas (porque eu posso dizer que issu é sim desde o nascimento) se ele mesmo nos julgaria erroneos, difamadores de suas crenças e ordens? Será que Ele seria tão cruel ao ponto de recriminar o desejo de estarmos com a pessoa que amamos (pelo que li, so estamos eternamente com elas pelo casamento).

    2-E quanto aos animais, nos quais ja foram provados de que exite sim, homosexualismo entre eles? Sera que deus condena ate mesmo os animais?

    Ao meu ver, o que acontece é que é muito mais facil jogar a culpa em Deus e dizer que é proibido do que tentar entender o novo! A ver o exemplo de Joana d’Arc que chegou ate mesmo ser chamada de bruxa, e hoje é santa padroeira da França!
    O medo do novo, do desconhecido é natural! Mas evitalo é burrice.

    Grato pelas suas opiniões sobre o assunto.

    • Marcelo Todaro disse:

      Olá, Caio.

      Obrigado por seu comentário.

      1-Porque afinal criaria gays e lesbicas (porque eu posso dizer que issu é sim desde o nascimento) se ele mesmo nos julgaria erroneos, difamadores de suas crenças e ordens? Será que Ele seria tão cruel ao ponto de recriminar o desejo de estarmos com a pessoa que amamos (pelo que li, so estamos eternamente com elas pelo casamento).

      A resposta a esse questionamento encontra-se no próprio artigo, mas vamos lá:

      Não acredito em hipótese alguma que o homossexualismo seja criação Dele por um motivo bem simples: homossexuais não podem gerar filhos. A geração de filhos é um dos alicerces do grande plano de salvação estabelecido por Ele para nossa felicidade eterna. O homossexualismo simplesmente não se encaixa nesse modelo pelo fato de não permitir a perpetuação das famílias e a da própria espécie.

      2-E quanto aos animais, nos quais ja foram provados de que exite sim, homosexualismo entre eles? Sera que deus condena ate mesmo os animais?

      Os animais não são regidos pelas mesmas leis dadas por Deus ao homem. Se assim não fosse, seria preciso que os animais também tivessem capacidade de exercer fé em Deus, arrependerem-se de seus pecados, serem batizados, obedecer aos mandamentos, etc. Os animais pertecem a uma esfera diferente da Criação na qual as leis dadas ao homem não se aplicam e vice-versa.

      Exatamente por isso é que não podemos ver o que nos parece ser relações homossexuais entre os animais com os mesmos olhos com que vemos ato idêntico entre seres humanos. Tenho em casa dois cães, um maior e mais velho e outro menor e mais novo. Ocasionalmente o mais velho “pega” o mais novo para fazer o que a princípio pode parecer uma “transa gay”, mas um veterinário já me esclareceu que esse comportamento denota uma afirmação de liderança do maior sobre o menor, como quem diz “quem manda aqui sou eu”. Portanto, não se trata de uma atração homossexual ou satisfação de um desejo lascivo, e sim uma forma de comunicação entre seres dessa espécie. Usar o exemplo do reino animal para justificar o homossexualismo humano é o mesmo que rebaixar o homem à esfera das criaturas que agem por mero instinto, o que é simplesmente inaceitável, além de pouco inteligente.

      Ao meu ver, o que acontece é que é muito mais facil jogar a culpa em Deus e dizer que é proibido do que tentar entender o novo! A ver o exemplo de Joana d’Arc que chegou ate mesmo ser chamada de bruxa, e hoje é santa padroeira da França! O medo do novo, do desconhecido é natural! Mas evitalo é burrice.

      O homossexualismo não é novo, Caio. Ele já existia nos tempos do Velho Testamento. Segundo ele, as cidades de Sodoma e Gomorra foram destruídas por Deus justamente porque nelas imperava a iniquidade entre seus habitantes e não se podia achar um único justo entre eles, cujo principal dos pecados era o homossexualismo. Em meu comentário nº 9, acima, ofereço citações de algumas escrituras mencionando a sodomia (homossexualismo) como um dos pecados que impedirá seus praticantes de entrar no Reino de Deus.

      Veja bem: falo em prática, não no sentimento de atração pelo mesmo sexo. Ter esse sentimento é uma coisa, praticá-lo é outra. O pecado consiste no ato contrário aos mandamentos de Deus. Se. por desejo de viver de acordo com os mandamentos, alguém que sente essa atração conseguir mantê-la sob controle e viver uma vida casta e moralmente limpa, seguramente herdará de Deus mais recompensas do que aquele que simplesmente ignorou Seus mandamentos em função da mera satisfação dos próprios desejos, apetites e paixões.

      Um abraço!!

      • Gonçalves disse:

        Sr. Tadoro, corroborando tua assertiva, a questão toda é o controle das paixões o que não se aplica apenas aos homossexuais mas também aos heterossexuais. Ainda que um homem sinta desejo, por exemplo, por uma mulher casada, não significa que ele deva dar vazão a essa paixão contrariando o que Deus determinou: “não cometerás adultério”.

  96. Pingback: Hoje é Emo Day. Não sei se dou risada ou se choro… « E eu respondi: Não sei (1 Néfi 13:22)

  97. Pingback: Diário de Marcelo Todaro » “Que nossa voz seja ouvida”

  98. Pingback: Diário de Marcelo Todaro » “Mórmon gay”: uma contradição de palavras

  99. Letícia disse:

    Também não desejo que a sociedade encare como normal e legal (mais) essa violação da lei de Deus. Às vezes me pergunto que critérios a sociedade usa para decidir qual dessas violações deverá tornar-se legal só porque uma minoria assim o quer (”minoria” não no sentido pejorativo, por favor!).

    Mas não deve ser difícil imaginar que uma vida destituída das bênçãos e do favor de nosso Pai Celestial deve ser uma vida que, quando comparada à que poderiam ter, é vazia, com alegrias efêmeras, conquistas temporárias e recompensas que não satisfazem mais do que por um momento de sua existência mortal.

    Você realmente se esforça para deixar claro que respeita todas as crenças, mas não parece realmente considerá-las.
    EXISTEM outras crenças, e isso significa que o seu Deus não é o mesmo Deus que o de todos. Simplesmente, o critério que a sociedade usa para decidir qual dessas “violações” deve tornar-se legal é o de que não é a sociedade inteira que acredita no SEU Deus. Para VOCÊ, ele pode ser o Deus de todos. Mas para mim, não é. Principalmente se ele realmente pensar da forma que você prega no artigo.

    Com todo o respeito, são esses tipos de “leis sagradas” que me fazem querer NÃO acreditar nele. Para acreditar em Deus, EU preciso acreditar que ele é tolerante o suficiente para não punir alguém que nasceu gostando de pessoas do mesmo sexo. (Pode haver polêmica quanto as causas da homossexualidade, mas a teoria mais bem aceita hoje é a de que ela é genética. Todos os estudos levam a essa certeza)

    Eu penso assim, e como você pensa já está claro no artigo. E a sociedade não está dividida entre pessoas que pensem como eu ou você, existem DIVERSAS opiniões. E a lei diz que TODAS elas têm direitos.

    Portanto, é ERRADO que o direito de se casar seja dado a apenas algumas dessas pessoas. É errado porque a sociedade não é toda regida pelo mesmo Deus. Você tem o direito de achar que seu Deus é contra a união de duas pessoas do mesmo sexo, eu tenho o direito de achar que o meu deus é a favor, e qualquer outra pessoa tem o direito de acreditar que não existem deus algum. A partir do momento em que o Estado se declara laico e afirma que todas as pessoas tem direitos iguais, ele tem a obrigação de OFERECER A OPÇÃO de todos serem iguais.

    • Marcelo Todaro disse:

      Oi, Letícia.

      Obrigado por seu comentário — apesar de eu achar que não merecia aquela bronca.

      É verdade que cada um de nós tem o direito de crer no que quiser. Essa liberdade nos foi dada por Deus e Ele não interfere em nosso livre-arbítrio. Os hindus, por exemplo, crêem que vacas são sagradas. Há tribos indígenas que cultuam (ou cultuavam, não sei ao certo) o sol como um deus. Os ateus crêem que não há Deus. E por aí vai.

      A questão é: onde é que nossas crenças nos levarão? Qual será nossa recompensa (presente e futura) por adotar a crença que hoje temos?

      Se você crê que temos um Criador e que esse Criador tem boca e fala, já tentou ouvir o que Ele tem a dizer?

      Eu já. E é por isso que sustento com veemência que Ele não aprova a união entre pessoas do mesmo sexo. E sou capaz de dar até minha última gota de sangue em defesa dessa certeza, pois não posso negar o que ouvi Dele — e eu nem ousaria fazê-lo.

      É como eu disse no artigo: meus motivos para ser contrário ao casamento gay são puramente espirituais. Não fosse por isso, talvez eu também estivesse levantando uma bandeira colorida em favor deles. Mas não posso fazê-lo. Não tenho dúvidas quanto a qual é a opinião de Deus a esse respeito. E, entre estar do lado Dele e do lado da sociedade, prefiro estar ao lado Dele, nem que isso signifique ser crucificado pela sociedade da mesma forma que a sociedade crucificou o Filho de Deus.

      Um abraço!

  100. anna disse:

    Prezado sr.,

    Tive a oportunidade de ler seu artigo e gostaria, na condição de homossexual, de fazer alguns comentários a respeito.

    Há uma diferença básica entre ser um hetero contrário à prática homossexual e que expressa isso num artigo, como o sr. fez, e ser um gay que vai, por exemplo, a uma parada gay. No primeiro caso, trata-se de uma pessoa ditando regras para uma outra No segundo caso, trata-se de uma pessoa pleitear o direito de ser aquilo que é.

    Acredito que seja o bastante para cada ser humano decidir o caminho para sua própria vida. Não me cabe decidir sobre a vida do meu semelhante, já que o modo como ele vive é uma escolha tão pessoal qto a minha própria escolha.

    Seria muito interessante se cada heterossexual que levanta sua voz para se manifestar contrário ao homossexualismo percebesse que, em contrapartida, os homossexuais levantam apenas a bandeira da liberdade de ocupar um espaço que é seu, nunca se trata te uma tentativa de converter os heterossexuais em homossexuais. A isto chama-se respeito. Isto sim seria um comportamento não preconceituoso.

    É absolutamente desnecessário dizer que Deus não criou um terceiro sexo, isso é bastante óbvio para qualquer pessoa, gay ou não. Nunca se tratou de um terceiro sexo. Deus criou seres humanos, deu-lhes capacidade de discernimento e afeto. Não somos animais comuns, o que nos rege é o conjunto daquilo que sentimos, vivemos ou, em alguns casos, escolhemos. Apoiar seu discurso na “teoria” da inexistência de um terceiro sexo, o torna carente de fundamentos que poderiam justificar seu ponto de vista.

    Aquilo que o sr. chama de “convênios” para uniões que poderiam então perdurar para além da morte é uma idéia bastante frágil tb. Poderiam os seres humanos estabelecerem esse vínculo entre sí apenas no casamento celebrado por um outro ser humano? O que tornaria essa celebração especial não seria a presença de Deus? O que me impede de ter a bênção de Deus através do matrimônio celebrado por um representante da Igreja é uma determinação humana e é no mínimo questionável se ela é uma vontade divina. Se Deus me permite amar um ser do mesmo sexo, posto que isto não é uma vontade deliberada mas um sentimento que nasce espontâneo, tanto quanto o amor entre um home e uma mulher, qual ser humano pode apostar o dedo pra mim e dizer que o próprio Deus já não me abençoou?
    Podem me impedir de celebrar minha união dentro de uma Igreja, mas não podem me impedir de celebrar o amor que sinto em comunhão com o meu Deus. Não tenho dúvidas de que Ele anda sempre comigo e abençoa a minha vida. Sinto-me profundamente acolhida e amada por Deus.

    A sociedade pode não concordar comigo mas tenho o direito de exercer minha fé e viver segundo o meu coração, segundo aquilo em que acredito. Mais uma vez ressalto que o objetivo aqui não é mudar quem pensa diferente mas fazer com que o meu direito sobre a minha vida e a minha escolha, sejam respeitados como sendo algo genuinamente meus onde não cabe, portanto, a tentativa de fazer-mer se alguém de orientação sexual diferente daquela que possuo.

    Tentar juntar na mesma condição homossexuais, pedófilos, incestuosos, homicidas e outros citados no seu texto tb é um forma leviana de tratar o assunto. Pedofilia é aberração. Incesto é uma quebra do respeito inerente aos laços de sangue. Homicídio é o desrespeito à vida em sua expressão maxima. Não há como juntar comportamentos tão doentes com o comportamento homossexual, que não é uma doença. Isso é, possivelmente, falta de argumentos da sua parte e estimula uma parcela de pessoas que se acham no direito de discriminar o homossexual como se ele fosse um perigo para a sociedade. Isso dissemina o ódio. Exatamente o oposto do que precisamos hoje em dia e do que vamos precisar cada vez mais nesse mundo já tão em desarmonia.

    Por último, vale ressaltar que a união civil entre homossexuais não pretende, pelo menos neste momento, ser um casamento celebrado dentro da Igreja mas sim um instrumento legal para garantir os direitos de pessoas que resolveram construir uma vida juntas. É um instrumento de proteção para essas pessoas. Hoje em dia já é possivel que casais homossexuais façam declarações de união estável em cartórios, porém não sei se isso já acontece em todo Brasil ou apenas em alguma áreas. Eu mesma tenho conhecimento de pessoas que já o fizeram.

    • Marcelo Todaro disse:

      Olá, Anna.

      Obrigado por seu comentário e pela oportunidade de esclarecer alguns pontos que, aparentemente, ainda não ficaram bem compreendidos.

      Há uma diferença básica entre ser um hetero contrário à prática homossexual e que expressa isso num artigo, como o sr. fez, e ser um gay que vai, por exemplo, a uma parada gay. No primeiro caso, trata-se de uma pessoa ditando regras para uma outra No segundo caso, trata-se de uma pessoa pleitear o direito de ser aquilo que é.

      Eis aí o primeiro equívoco: não escrevi o artigo advogando contra a prática homossexual. Isso não está escrito em lugar algum dele. O que sou contra, isso sim, é a legalização da união civil homossexual, o que é bem diferente.

      Seria muito interessante se cada heterossexual que levanta sua voz para se manifestar contrário ao homossexualismo percebesse que, em contrapartida, os homossexuais levantam apenas a bandeira da liberdade de ocupar um espaço que é seu, nunca se trata te uma tentativa de converter os heterossexuais em homossexuais. A isto chama-se respeito. Isto sim seria um comportamento não preconceituoso.

      Novamente o mesmo equívoco: com o artigo acima não estou me manifestando contra o homossexualismo, e sim contra a união civil homossexual.

      Aquilo que o sr. chama de “convênios” para uniões que poderiam então perdurar para além da morte é uma idéia bastante frágil tb. Poderiam os seres humanos estabelecerem esse vínculo entre sí apenas no casamento celebrado por um outro ser humano?

      Se esse ser humano for portador do sacerdócio de Deus e estiver autorizado por Ele a agir em nome e lugar Dele, poderiam, sim.

      O que tornaria essa celebração especial não seria a presença de Deus?

      Asseguro-lhe que Ele não estará presente em nada que represente uma violação de Seus mandamentos. Ele mesmo disse: “Pois eu, o Senhor, não posso encarar o pecado com o mínimo grau de tolerância” (D&C 1:31).

      O que me impede de ter a bênção de Deus através do matrimônio celebrado por um representante da Igreja é uma determinação humana e é no mínimo questionável se ela é uma vontade divina. Se Deus me permite amar um ser do mesmo sexo, posto que isto não é uma vontade deliberada mas um sentimento que nasce espontâneo, tanto quanto o amor entre um home e uma mulher, qual ser humano pode apostar o dedo pra mim e dizer que o próprio Deus já não me abençoou?

      Não é preciso alguém “apontar o dedo”. O próprio Deus pode fazê-lo, direta ou indiretamente.

      Mas aí entraríamos no terreno da fé e da obediência, o que desviaria a discussão para um tópico que nada tem a ver com o artigo que estamos comentando, por isso deixarei essa outra discussão para outra oportunidade.

      Podem me impedir de celebrar minha união dentro de uma Igreja, mas não podem me impedir de celebrar o amor que sinto em comunhão com o meu Deus. Não tenho dúvidas de que Ele anda sempre comigo e abençoa a minha vida. Sinto-me profundamente acolhida e amada por Deus.

      Acredito em você. Sério! Creio firmemente que você possa mesmo sentir-se profundamente acolhida e amada por Deus.

      Mas isso de forma alguma significa que Ele valide certas ações contrárias à Sua vontade só porque demonstra amor pelo que as viola. Deus pode amar o pecador, mas odeia o pecado. Ele não seria um Deus justo se fechasse os olhos para a violação de Seus mandamentos. Novamente: “Pois eu, o Senhor, não posso encarar o pecado com o mínimo grau de tolerância” (D&C 1:31).

      Afirmo e reafirmo que a união entre pessoas do mesmo sexo não é uma união aprovada por Ele. Qualquer um que esteja disposto a exercer fé Nele — não uma fé que se limita a dizer “eu creio”, mas a que move a pessoa a agir de acordo com a vontade Dele e cumprir Seus mandamentos — será capaz de ouvir Sua voz e saber qual é Sua vontade, inclusive no que diz respeito à união entre pessoas do mesmo sexo.

      Tentar juntar na mesma condição homossexuais, pedófilos, incestuosos, homicidas e outros citados no seu texto tb é um forma leviana de tratar o assunto. Pedofilia é aberração. Incesto é uma quebra do respeito inerente aos laços de sangue. Homicídio é o desrespeito à vida em sua expressão maxima. Não há como juntar comportamentos tão doentes com o comportamento homossexual, que não é uma doença. Isso é, possivelmente, falta de argumentos da sua parte e estimula uma parcela de pessoas que se acham no direito de discriminar o homossexual como se ele fosse um perigo para a sociedade. Isso dissemina o ódio. Exatamente o oposto do que precisamos hoje em dia e do que vamos precisar cada vez mais nesse mundo já tão em desarmonia.

      Anna, juntei o homossexualismo, a pedofilia, o incesto, o homicídio, etc. (note que estou citando ações, e não pessoas) porque tudo isso representa violações dos mandamentos de Deus. Neste caso, não faz a menor diferença a maneira como a sociedade encara essas violações, ou seja, se acha umas aceitáveis e outras abomináveis. Meu artigo trata do ponto de vista de Deus, conforme expresso por Ele próprio, e não do ponto de vista da sociedade.

      Como frisei enfaticamente em meu artigo: meus motivos para ser contrário ao casamento gay são puramente espirituais. Não fosse por isso, eu também estaria freqüentando as paradas gays e levantando a bandeira deles. Mas não posso fazê-lo. Não tenho dúvidas quanto ao que Deus pensa a respeito. Se devo escolher entre estar com Deus e estar com a sociedade (já que não é possível agradar a ambos ao mesmo tempo), prefiro estar com Deus, nem que isso signifique ser crucificado pela sociedade da mesma forma que a sociedade crucificou Jesus.

      Um abraço!!

      • anna disse:

        Obrigada pela sua resposta.
        Só gostaria de dizer, ainda, que a exemplo de uma quantidade imensa de homossexuais acredito que não estou violando os preceitos de Deus. Acredito que o que Deus condena, nesse campo, é a promiscuidade e o abuso sexual, independente da orientação sexual das pessoas que os praticam. Tb sei que o sr. não concorda comigo. Questão de interpretação bíblica, cada um interpreta de uma forma, a verdade é essa.
        Posso lhe assegurar que a minha convicção não é apenas uma vontade de que seja dessa forma mas fruto de muita reflexão, muita leitura, muita conversa e muitas noites de sono perdidas. Sei que muitas pessoas sofrem hj o mesmo processo de culpa e dúvida pelo qual passei pq as Igrejas, de modo geral, condenam os homossexuais sem evidentemente viverem e sentirem aquilo que nós vivemos e sentimos. Pecado é escolha. Vc opta entre o bem e o mal e, por opção, escolhe o mal. Não considero a homossexualidade uma opção mas uma condição.
        Não pretendo me estender mais nas nossas conversas. Meu objetivo qdo lhe escrevi era apenas o de dar às pessoas que entram aqui a oportunidade de ler uma opinião vinda de uma pessoa que vive no outro lado dessa história. É possível sim ser homossexual e viver com Deus. Um dia o sr. tb descobrirá isso.
        Abraço!

        • Marcelo Todaro disse:

          Oi, Anna.

          Só gostaria de dizer, ainda, que a exemplo de uma quantidade imensa de homossexuais acredito que não estou violando os preceitos de Deus. Acredito que o que Deus condena, nesse campo, é a promiscuidade e o abuso sexual, independente da orientação sexual das pessoas que os praticam. Tb sei que o sr. não concorda comigo. Questão de interpretação bíblica, cada um interpreta de uma forma, a verdade é essa.

          É mais que uma questão de mera interpretação bíblica, Anna. Bem mais que isso.

          Vou repetir agora o que eu já disse em respostas anteriores, mais acima: não dependo unicamente da Bíblia para saber o que Deus pensa. Por exemplo, a Bíblia não fala nada sobre pedofilia, pornografia, tabaco, drogas, etc., etc., nem por isso deixo de ter como saber que tudo isso é contra a vontade de Deus tanto quanto o homossexualismo. A Palavra de Deus não se resume só à Bíblia. Deus tem boca e fala e continua falando hoje em dia. Se você quiser, também pode ouvir Sua voz e saber por si mesma o que Ele pensa sobre isso e sobre tudo mais. Mas, para isso, é preciso estar disposta a fazer as coisas à maneira Dele. Além do estudo, a maneira dele requer também fé — não aquele tipo de fé limitada, baseada em mera crença, mas a fé que impele a pessoa a buscar respostas diretamente com Deus. A Seu próprio tempo e a Seu próprio modo, Ele responde pedidos justos e sinceros. Falo com conhecimento de causa.

          Posso lhe assegurar que a minha convicção não é apenas uma vontade de que seja dessa forma mas fruto de muita reflexão, muita leitura, muita conversa e muitas noites de sono perdidas.

          Tudo isso que você fez é importante, Anna. Mas será o suficiente?

          Você já procurou receber revelação pessoal Dele a esse respeito? Já procurou saber o que Ele pensa, ouvindo Sua própria voz?

          Quem quer que não faça isso, pode passar a vida inteira estudando, meditando e conversando e, ainda assim, não conseguirá alcançar a mente de Deus (e isso é possível, sim!).

          Sei que muitas pessoas sofrem hj o mesmo processo de culpa e dúvida pelo qual passei pq as Igrejas, de modo geral, condenam os homossexuais sem evidentemente viverem e sentirem aquilo que nós vivemos e sentimos. Pecado é escolha. Vc opta entre o bem e o mal e, por opção, escolhe o mal. Não considero a homossexualidade uma opção mas uma condição.

          É como eu disse no artigo: não sabemos porquê o homossexualismo existe e talvez não venhamos a saber nesta vida. O que sabemos é que ele não está de acordo com a Criação.

          A Igreja de Jesus Cristo não condena os homossexuais. Ela os acolhe e procura ajudá-los a se encontrar com Cristo (desde que, claro, queiram ser ajudados). O detalhe é esse encontro tem um preço que nem todos os homossexuais (nem todas as pessoas de modo geral) estão dispostos a pagar. Quem se dispuser, vai encontrar na Igreja e no Evangelho Restaurado a força e a motivação necessárias para manter suas tendências homossexuais sob controle (e não estou me referindo a virar hetero). Aquele que consegue fazê-lo, desfrutará de todas as bênçâos e privilégios de qualquer membro da Igreja. Quem não conseguir, mas quiser estar entre nós, é bem-vindo da mesma forma.

          Sugiro que leia o artigo Ajudar Os Que Lutam Contra a Atração pelo Mesmo Sexo, publicado na revista A Liahona de outubro de 2007 (versão em PDF da revista pode ser baixada aqui) para que tenha uma idéia do que a Igreja ensina a respeito de como deve ser o relacionamento dos membros com os homossexuais.

          Não pretendo me estender mais nas nossas conversas. Meu objetivo qdo lhe escrevi era apenas o de dar às pessoas que entram aqui a oportunidade de ler uma opinião vinda de uma pessoa que vive no outro lado dessa história. É possível sim ser homossexual e viver com Deus. Um dia o sr. tb descobrirá isso.

          Anna, a questão nunca foi ser ou não possível viver com Deus sendo gay. A questão sempre foi e continua sendo obter Dele TUDO que Ele tem a oferecer. Os homossexuais praticantes não têm direito a esse tudo, pois, ao praticarem o homossexualismo, não vivem todos os mandamentos de Deus e, por isso, deixam de receber a porção de bênçãos baseadas nos mandamentos que não vivem. Eu nunca disse, seja aqui ou em qualquer lugar, que os gays estão condenados. O que digo, aqui e em todo lugar, é que eles podem receber mais de Deus se decidirem viver os mandamentos que hoje não vivem. Eles, você, eu, todo mundo, podemos vir a ser como Deus é se vivermos Seus mandamentos até o fim. Os mandamentos nos foram dados para isso. Portanto, se não nos empenharmos nessa meta, o que podemos perder é simplesmente a chance se sermos como Ele. Quero isso para mim e não desejo que meus irmãos e irmãs homossexuais percam essa chance.

          Um abraço!!

        • Antonio Carlos disse:

          anna: é simples, homossexualidade é um desvio de comportamento, de conduta. A pessoa com essa conduta tem que se vigiar, orar muito pedindo a Deus para iluminar essa condição em que se encontra. mas todos esses comentários não adiantam em nada, o mundo esta caminhando prara o abismo, esta escrito quando questionaram Jesus sobre sinais que indicariam o final dos tempos, e (Jesus respodeu; não percebes quando olhando para o céu quando vai chover?) então basta hoje em dia observar as coisas que estão acontecendo! mães jogando seus filhos no lixo, filhos matando seus pais, pais matando seus filhos, homens se relacionando com homens(afetivamente e sexualmente) e mulheres tambem, esse é o mundo que esta prestes a desmonorar.

          obs. costumam pregar um adesivo no vidro de traz dos carros….( Deus é fiél )….quando deveria ser:( Eu sou Fiél a Deus ).

  101. Marcelo Todaro disse:

    Caro WALTER K. Y. JUNIOR,

    Não aprovei seu comentário (na verdade um verdadeiro compêndio sobre o ponto de vista evangélico do divórcio) para publicação nos comentários deste artigo porque você desvirtuou totalmente o assunto. O artigo versa sobre casamento gay, não sobre divórcio. Não seria correto começar um debate nos comentários de um artigo que nada tem a ver com o assunto debatido.

    Eu teria respondido em particular se você tivesse tivesse fornecido um e-mail válido para contato. O endereço declarado por você — wkyunior@uol.com.br — não existe.

    Caso esteja sinceramente interessado em conhecer a posição da Igreja de Jesus Cristo sobre o divórcio, sugiro a leitura do seguinte artigo:

    http://www.lds.org/conference/talk/display/0,5232,49-2-692-25,00.html

    Nele, o Élder Dallin H. Oaks (membro do Quórum dos Doze Apóstolos) fala também de algumas situações em que não poder se divorciar pode ser uma maldição na vida de um filho de Deus. Leia o artigo para compreender.

    Agora, voltemos ao assunto do artigo.

    Um abraço

  102. Marcos Herculano de Mello disse:

    Normalidade????????
    É normalidade estar jugando coisas que nao estao escrita em nenhum e em qualquer evangelio deste mundo???? Veja as escrituras originais escritas em ebraico nao vais achar nada que seja contra ou à favor do homoxesualidade;apropor nao se fala em casamento pois isto nao existia.
    As proibiçoes seja elas qual forem, sao necessarias para uma sociedade primitiva.Neste caso da homoxesualidade deve ser muito mais normal pra sua tese o que os NASISTAS fizeram com os Judeus e com os Homoxesuais tambem!!!!!! CAMARA DE GAZ PARA TUDO QUE NAO É NORMAL!!!!!!
    É isto que è normalidade???????????

    • Marcelo Todaro disse:

      Caro Marcos,

      Obrigado por sua visita a meu site e por seu comentário.

      Não entendi sua estranheza quanto à tal “normalidade”. Essa palavra não está escrita em lugar algum do artigo nem dos comentários.

      Quanto a estar ou não escrito no Evangelho algo sobre o homossexualismo, não preciso que esteja (embora realmente esteja!) para saber que isso é contra a vontade de Deus.

      Um abraço!

      • Marcos Herculano de Mello disse:

        Caro Marcelo,

        A normalidade foi falada atravez que vc usa Adao e Eva(masculino e feminino)como normal!!!!!

        E todo os outros como anormalias,seu mundo è infelismente muito pequeno onde so existe uma eva e um adao e eles com certeza eram brancos pois tudo que nao passe neste quadro nao è permetido por Deus.Nao eu nao sei se Deus nao quer nao esta escrito entao eu nao acredito que seja proibido(e nao esta escrito nao, me prove!!!!!)no velho ou no nove testamento da versao original.Ou voce tem ligaçao direta com Deus pra disser isto que vc me escreveu?????

        Alem de tudo de que lado vc esta???? Do lado de quem esta com a pedra nao mao pra jogar em madalena ou do lado de Jesus????? Que protegeu esta pessoa de julgamentos de uma sociedade Hipoctra?????

        Pense Marcelo existe coisas muito mais importantes no mundo como a conservaçao do clima ,instinçao de raças animais(como do urso polar),fome,gente como eu e vc que vivem ainda em uma escravidao,e o preconceito,tanta tristeza neste mundo onde talvez vc possa usar esta energia que vc esta usando neste caso para ajudar,como Jesus fez.Use esta enegia para mudar este mundo para um mundo melhor nos precisamos de pessoas assim e nao pessoas que acha tao importante lutar por batalhas tao pequenas como o homosexualismo,vamos sim lutar por este mundo que foi criado por ele e que è a nossa obrigaçao conserva-lo e continuar com a mensage mais importante que existe o AMOR.

        • Marcelo Todaro disse:

          Olá, Marcos.

          A normalidade foi falada atravez que vc usa Adao e Eva(masculino e feminino)como normal!!!!!
          E todo os outros como anormalias,seu mundo è infelismente muito pequeno onde so existe uma eva e um adao e eles com certeza eram brancos pois tudo que nao passe neste quadro nao è permetido por Deus.Nao eu nao sei se Deus nao quer nao esta escrito entao eu nao acredito que seja proibido(e nao esta escrito nao, me prove!!!!!)no velho ou no nove testamento da versao original.

          Marcos, cabe ao acusador o ônus da prova. Eu não tenho que provar nada. Não leio a Bíblia em hebraico, leio-a em português e inglês e em ambas o homossexualismo é condenado. Sei que é assim que o Senhor pensa. Isso me basta.

          Me parece que você está tentando procurar desculpas para justificar o homossexualismo. Os gays costumam tentar descaracterizar a condenação bíblica contra o homossexualismo dizendo que era algo válido apenas para aquela época, uma vez que hoje comemos coisas proibidas pela Lei de Moisés, plantamos diferente, etc. Tentam dizer que o apóstolo Paulo não quis dizer o que disse e que “afeminado” deveria querer dizer “mole”, não afeminado, etc. — um jogo de palavras para tentar justificar o homossexualismo mesmo com as condenações bíblicas.

          Eu diria que isto é um claro exemplo de tentativa de tirar da Bíblia apenas aquilo que lhes interessa, menosprezando as partes contrárias a seus interesses e interpretando-a ao gosto do freguês. Será que era assim que os antigos liam os textos? Será que Josefo, Filo ou os patriarcas cristãos liam assim o texto Bíblico ou para eles era clara a condenação ao homossexualismo?

          Vejamos a história:

          “Por este tempo, os sodomitas se tornaram arrogantes em virtude de suas riquezas e grande fartura; eles se tornaram injustos para os homens, e ímpios perante Deus, a tal ponto que não se recordavam dos benefícios que receberam Dele: eles não gostavam dos estrangeiros e abusavam um dos outros com práticas sodomitas.” (Obras Completas de Josefo, Capítulo 11).

          “Abusavam uns aos outros com práticas sodomitas” é uma clara referência ao pecado homossexual. Na tradução grega para o português foi usada a correta expressão “práticas sodomitas”, que os gays procuram reinventar no dicionário tentando fazer crer que isso nada tem a ver com eles.

          Caso você deseje aprofundar-se mais no assunto, há um bom artigo na Wikipedia que trata das diferentes visões sobre os pecados de Sodoma e Gomorra:

          en.wikipedia.org/wiki/Sodom_and_Gomorrah

          A tradicional visão cristã parece ter respaldo na passagem de Judas 1:7:

          “Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se prostituído como aqueles anjos, e ido após carne estranha, foram postas como exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.”

          Esta visão Cristã ficou consagrada após os comentários que o historiador romano Philo deu sobre os pecados de Sodoma e Gomorra em 50 AD.

          Agora, Marcos, independente de qualquer coisa, é como eu disse em minha resposta anterior: não dependo da Bíblia para dirigir todos os meus passos. A Bíblia também não fala nada a respeito de pedofilia, pornografia, tráfico e consumo de drogas, etc., etc., nem por isso deixo de ter como saber que tudo isso é contra os mandamentos de Deus tanto quanto o homossexualismo. A Palavra de Deus não se resume só à Bíblia, Marcos. Deus tem boca e fala e continua falando hoje em dia. Se você quiser, também pode ouvir Sua voz e saber por si mesmo o que Ele pensa sobre isso e sobre tudo mais. Mas, para isso, tem que estar disposto a fazer as coisas à maneira Dele, não à sua.

          Ou voce tem ligaçao direta com Deus pra disser isto que vc me escreveu?????

          Tenho sim. Qualquer um pode ter, desde que, como eu disse, esteja disposto a fazer as coisas à maneira Dele — coisa que nem todo mundo quer.

          Alem de tudo de que lado vc esta???? Do lado de quem esta com a pedra nao mao pra jogar em madalena ou do lado de Jesus????? Que protegeu esta pessoa de julgamentos de uma sociedade Hipoctra?????

          Jesus ama o pecador, mas condena o pecado. Foi exatamente isso o que demonstrei em meu artigo. Se você o leu direito, deve ter lido que eu disse que não tenho nada contra os gays enquanto irmãos meus. Aliás, deixei isso muito bem claro em outro de meus artigos, o que fala sobre minha ida ao Superpop de Luciana Gimenez. Eu disse ao vivo em rede nacional no programa dela que não tenho qualquer preconceito contra os gays. Provei isso despedindo-me do Beto Sato (que é gay) com um abraço fraternal — não porque eu estivesse querendo fazer pose, e sim porque sinceramente gostei dele como pessoa. Acha que eu teria feito isso se estivesse do lado de quem está com as pedras?

          Pense Marcelo existe coisas muito mais importantes no mundo como a conservaçao do clima ,instinçao de raças animais(como do urso polar),fome,gente como eu e vc que vivem ainda em uma escravidao,e o preconceito,tanta tristeza neste mundo onde talvez vc possa usar esta energia que vc esta usando neste caso para ajudar,como Jesus fez.Use esta enegia para mudar este mundo para um mundo melhor nos precisamos de pessoas assim e nao pessoas que acha tao importante lutar por batalhas tao pequenas como o homosexualismo,vamos sim lutar por este mundo que foi criado por ele e que è a nossa obrigaçao conserva-lo e continuar com a mensage mais importante que existe o AMOR.

          Sim sim, concordo com tudo que você disse. Mas não concordo em fechar os olhos para o resto. Eis o que eu quis dizer quando digo que os gays interpretam as escrituras a seu bel prazer, apegando-se ao que lhes interessa e desprezando o resto. Se é para viver os mandamentos de Deus, é preciso vivê-los na íntegra, e não só a parte que convém.

          Por favor, releia com calma e atenção meu artigo sobre o casamento gay, acima. Quem sabe depois disso você seja mais capaz de compreender o espírito de minhas palavras.

          Um abraço!

          • Marcos Herculano de Mello disse:

            Marcos, cabe ao acusador o ônus da prova. Eu não tenho que provar nada.
            Não leio a Bíblia em hebraico, leio-a em português e inglês e em ambas o
            homossexualismo é condenado. Sei que é assim que o Senhor pensa. Isso me
            basta.

            Me parece que você está tentando procurar desculpas para justificar o
            homossexualismo. Os gays costumam tentar descaracterizar a condenação
            bíblica contra o homossexualismo dizendo que era algo válido apenas para
            aquela época, uma vez que hoje comemos coisas proibidas pela Lei de
            Moisés, plantamos diferente, etc. Tentam dizer que o apóstolo Paulo não
            quis dizer o que disse e que “afeminado” deveria querer dizer “mole”,
            não afeminado, etc. — um jogo de palavras para tentar justificar o
            homossexualismo mesmo com as condenações bíblicas.

            Eu diria que isto é um claro exemplo de tentativa de tirar da Bíblia
            apenas aquilo que lhes interessa, menosprezando as partes contrárias a
            seus interesses e interpretando-a ao gosto do freguês. Será que era
            assim que os antigos liam os textos? Será que Josefo, Filo ou os
            Patriarcas Cristãos liam assim o texto Bíblico, ou para eles era clara a
            condenação ao homossexualismo?

            Por isto te falei sobre a traduçao original,deverias ler-la e quer te falou quer o homosexualismo tem have com ser femenino??????
            Voce ja deve tido a experiencia de ter se encontrado na sua existencia gays que nao tem nada haver com Afeminado ao contrario muito mais masculino quer varios jovens adptos ao METROSEXUALIDADE voce sabe o quer è isto,alem de tudo os homoxesuais sao pedra fixas em na sociedade internacionais , academicos ,pessoas que estao em todas as areas do marcineiro ao diplomata,engenheiroa e medicos sim como eu terapeuta que decidi dedicar minha vida a melhorar a qualidade da vida do proximo tentando atravez da (minha inteligencia) que Deus me deu e os atributos do homens (a esxperiencia e a ciencia)com a medicina ajudar o proximo sem precisar julga-lo.Pois participamos do mesmo pao.(palavra do senhor)

            Vejamos a história:

            “Por este tempo, os sodomitas se tornaram arrogantes em virtude de suas
            riquezas e grande fartura; eles se tornaram injustos para os homens, e
            ímpios perante Deus, a tal ponto que não se recordavam dos benefícios
            que receberam Dele: eles não gostavam dos estrangeiros e abusavam um dos
            outros com práticas sodomitas.” (Obras Completas de Josefo, Capítulo 11).

            “Abusavam uns aos outros com práticas sodomitas” é uma clara referência
            ao pecado homossexual. Na tradução grega para o português foi usada a
            correta expressão “práticas sodomitas”, que os gays procuram reinventar
            no dicionário tentando fazer crer que isso nada tem a ver com eles.

            Caso você deseje aprofundar-se mais no assunto, há um bom artigo na
            Wikipedia que trata das diferentes visões sobre os pecados de Sodoma e
            Gomorra:

            http://en.wikipedia.org/wiki/Sodom_and_Gomorrah

            A tradicional visão cristã parece ter respaldo na passagem de Judas 1:7:

            “Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que,
            havendo-se prostituído como aqueles anjos, e ido após carne estranha,
            foram postas como exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.”

            Esta visão Cristã ficou consagrada após os comentários que o historiador
            romano Philo deu sobre os pecados de Sodoma e Gomorrah em 50 AD.

            Agora, Marcos, independente de qualquer coisa, é como eu disse em minha
            resposta anterior: não dependo da Bíblia para dirigir todos os meus
            passos. A Bíblia também não fala nada a respeito de pedofilia,
            pornografia, tráfico e consumo de drogas, etc., etc., nem por isso deixo
            de ter como saber que tudo isso é contra os mandamentos de Deus tanto
            quanto o homossexualismo. A Palavra de Deus não se resume só à Bíblia,
            Marcos. Deus tem boca e fala e continua falando hoje em dia. Se você
            quiser, também pode ouvir Sua voz e saber por si mesmo o que Ele pensa
            sobre isso e sobre tudo mais. Mas, para isso, tem que estar disposto a
            fazer as coisas à maneira Dele, não à sua.

            O mais engraçado é que vc gastou um tempo enosme sobre o artigo sodoma,gomorra
            mas nao me coloucou nada que esteja nas escrituras especificado contra o homosexualismo.
            Uma religiao basei-se nas suas escrituras,todo outro nao vale nao tem base è descriminaçao,
            logico que concordo e sou contra os crimes que estao a ser ocorrido no mundo mas por praticar
            o homosexualismo sou automaticamente criminal.

            Ai vai mas Historia Marcelo!!!!!

            Alguns estudiosos[carece de fontes?] bíblicos argumentam que o trecho desencadeador da “ira divina” é fruto de um grande mal entendido. O termo conhecer, presente em traduções mais antigas (e traduzido por ter relações sexuais em algumas traduções modernas), não indicaria necessariamente o ato sexual. Indica, de acordo com esses estudiosos, o abuso sexual e a intenção de fazer o mal ao próximo. Esses estudos, claramente a favor do homossexualismo pregam a partir daí que os sodomitas, que eram todos os habitantes de Sodoma (homens, mulheres, velhos e crianças), eram tão perversos que desejavam humilhar os forasteiros, abusando-os pela simples razão de serem estrangeiros, mascarando assim a clara alusão á prática homossexual. E dizem ainda que a intenção dos habitantes pode ser entendida apenas como vontade de fazer o mal.
            O texto bíblico é claro em indicar que não havia um “uníco habitante justo” na cidade de Sodoma e por isso foram destruídos por Deus. É inconcebível imaginar que todos, inclusive crianças ou mulheres idosas fizessem o mesmo clamor: o de ter relações sexuais.

            [editar] Ezequiel, capítulo 16, versículos 48 a 50
            (48) Vivo eu, diz o Senhor Deus, não fez Sodoma, tua irmã, nem ela nem suas filhas, como fizeste tu e tuas filhas. (49) Eis que esta foi a iniqüidade de Sodoma, tua irmã: soberba, fartura de pão, e próspera ociosidade teve ela e suas filhas; mas nunca fortaleceu a mão do pobre e do necessitado. (50) Também elas se ensoberbeceram, e fizeram abominação diante de mim; pelo que, ao ver isso, as tirei do seu lugar.
            No versículo cinqüenta é empregado o termo “abominação”, não explicando exatamente o que seria, deixando a passagem ambígua e não de todo clara para que se entenda o que ocorreu em Sodoma e Gomorra.
            Segundo alguns religiosos, a palavra abominação é usada apenas para pecados “mais graves”, como idolatria e adultério. No entanto a palavra abominação é repetida dezenas de vezes no Levítico por penas “mais triviais” como comer certo tipo de alimentos (marisco, polvo…) ou fazer tatuagens. Outros religiosos alegam que no conceito do deus hebraico não existem diferentes tipos de pecados, todos têm a mesma condenação.

            [editar] Evangelho de Mateus, capítulo 10, versículos 5 a 15
            (14) E, se ninguém vos receber, nem ouvir as vossas palavras, saindo daquela casa ou daquela cidade, sacudi o pó dos vossos pés. (15) Em verdade vos digo que, no dia do juízo, haverá menos rigor para a terra de Sodoma e Gomorra do que para aquela cidade.
            Novamente a clara ausência em relação a atividades sexuais reforça a opinião de que a ocorrência foi a falta de hospitalidade e o desrespeito aos estrangeiros (xenofobia).
            Genesis, capítulo 19, versículos 6,7,8 Então saiu Ló a porta, e fechou a porta atrás de si, e disse: Meus irmãos rogo-vos que não façais mal; Eis aqui, duas filhas tenho, que ainda não conheceram varão; fora vo-las trarei, e farei delas como for bom aos seus olhos; somente nada façais a estes varões, porque por isso vieram a sombra do meu telhado.
            Este trecho deixa a pergunta sobre o que esses homens desejavam para que Ló oferecesse as filhas como maneira de acalmar esse desejo.
            Judas 1.7
            (7)Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.
            Aqui está bem explicíta a conotação que o apóstolo Judas, irmão de Jesus, fazia do trecho. Esse ir atrás de outra carne não pode ter outro sentido

            Sim sim, concordo com tudo que você disse. Mas não concordo em fechar os
            olhos para o resto. Eis o que eu quis dizer quando digo que os gays
            interpretam as escrituras a seu bel prazer, apegando-se ao que lhes
            interessa e desprezando o resto. Se é para viver os mandamentos de Deus,
            é preciso vivê-los na íntegra, e não só a parte que convém

            Ai vai uma coisa super importantepara todos nos Homo ou Hetero.Isto è nao feixar os olhos.

            Amor a DEUS (primeira tábua)
            Não tendo outro deus diante Dele (primeiro mandamento no Êxodo 20)
            Não fazer imagens de ídolos, não se prostrando diante deles e nem os cultuando. (segundo mandamento no Êxodo 20)
            Não pronunciando o Seu Nome em vão (terceiro mandamento no Êxodo 20)
            Não esquecer de santificar o dia de Sábado e, consagrar o dia de Sábado para honra do Senhor: “Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o Senhor o dia do Sábado, e o santificou.” (quarto mandamento no Êxodo 20)
            “Amar a Deus sobre todas as coisas” é o maior e o primeiro dos mandamentos (Na Lei de Deus do 1 ao 4 mandamento). E o segundo é semelhante ao primeiro: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Na Lei de Deus do 5 ao 10 mandamento). Destes dois mandamentos (primeira e segunda tábuas) depende toda a Lei e os Profetas» (Mateus 22: 40).

            [editar] Amor ao próximo (segunda tábua)
            Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que YHWH, teu Deus, te dá (quinto mandamento no Êxodo 20)
            Não matarás (sexto mandamento no Êxodo 20)
            Não adulterarás (sétimo mandamento no Êxodo 20)
            Não furtarás (oitavo mandamento no Êxodo 20)
            Não dirás falso testemunho contra o teu próximo. (nono mandamento no Êxodo 20)
            Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo. (décimo mandamento no Êxodo 20)

            [editar] Versão católica
            No catecismo católico consta:
            Adorar a Deus e amá-lo sobre todas as coisas.
            Não invocar o Seu santo nome em vão.
            Guardar os domingos e festas.
            Honrar pai e mãe (e os outros legítimos superiores).
            Não matar (nem causar outro dano, no corpo ou na alma, a si mesmo ou ao próximo).
            Não pecar contra a castidade (em palavras ou em obras).
            Não furtar (nem injustamente reter ou danificar os bens do próximo).
            Não levantar falsos testemunhos (nem de qualquer outro modo faltar à verdade ou difamar o próximo)
            Não desejar a mulher do próximo.
            Não cobiçar as coisas alheias.

            “Eu sou o teu proximo= “o distante, o que nao conheço”, Marcelo te amo como es,e te respeito porque es meu
            mesmo dando-me beijos de demostrçoes como Judas o fez,sim Marcelo te amo porque fazes parte deste Pão”

            Sou super feliz no meu relacionamento de 25 anos e a dois anos oficialmente casado logico que na Suiça e nao o fiz
            so pra dizer que sou casado perante a sociedade,nao Marcelo o fiz por motivos burocraticos como varios bens
            adquiridos atravez dos anos tanto no Brasil com na Europa o casamento gay tem haver com burocracia e diplomacia.
            No ano 2008 a uno ira criar uma nova lei nos direitos humanos onde proibirar internacionalmente a descriminaçao contra o gay.

            Jesus ama o pecador, mas condena o pecado. Foi exatamente isso o que
            demonstrei em meu artigo. Se você o leu direito, deve ter lido que eu
            disse que não tenho nada contra os gays enquanto irmãos meus. Aliás,
            deixei isso muito bem claro em outro de meus artigos, o que fala sobre
            minha ida ao Superpop de Luciana Gimenez:

            Pecado???????E voce nao peca nao??????Ao nascer somos pecadores.Alem de tudo quem fora espulsos do paraiso
            foram Eva e Adao,com os pecados heteroxesuais deles nao foi??????

            Eu disse ao vivo em rede nacional no programa dela que não tenho
            qualquer preconceito contra os gays. Provei isso despedindo-me do Beto
            Sato (que é gay) com um abraço fraternal — não porque eu estivesse
            querendo fazer pose, e sim porque sinceramente gostei dele como pessoa.
            Acha que eu teria feito isso se estivesse do lado de quem está com as
            pedras?

            Sim Marcelo acho!!!!!
            Porque Judas beijou a face de Jesus e depois o vendeu!!!!!!!
            Pois e voce começa o teu mail com:”cabe ao acusador o ônus da prova”.quem
            acusa nao sou eu!!!!!!

            Um grande abraço
            Toda a pesquisa foi feito na Wikipédia como vc fez.

            • Marcelo Todaro disse:

              Marcos,

              Parece que você continua tentando buscar subsídios históricos e escriturísticos que justifiquem o homossexualismo. Não vou cair na armadilha de me aprofundar nisso. Não sou historiador nem pesquisador do assunto — e nem preciso ser, pois Deus não requer de ninguém ser formado em teologia, filosofia e história para ser capaz de obedecer Seus mandamentos e receber revelação pessoal Dele. Os únicos pré-requisitos exigidos por Ele são ter “um coração quebrantado e um espírito contrito” (3 Néfi 9:20).

              Vou resumir minha resposta dizendo-lhe o seguinte, sem medo de errar: quando você e eu nos encontrarmos no grande tribunal de nosso Pai, você terá a oportunidade de ouvir de Sua própria boca que Ele não aprova o homossexualismo. Então você se convencerá.

              O detalhe é que não é preciso esperar até então para ouvir o que Ele tem a dizer. Qualquer um pode ouvir agora mesmo! Basta estar disposto a fazer as coisas à maneira Dele, como eu já lhe disse antes.

              É justamente por isso que tenho tanta certeza do que afirmo.

              Como eu também já lhe disse antes (duas vezes, e vou dizer pela terceira), não dependo unicamente da Bíblia ou de outros documentos históricos para saber o que Ele pensa. Por exemplo, a Bíblia não fala nada sobre pedofilia, pornografia, tabaco, drogas, etc., etc., nem por isso deixo de ter como saber que tudo isso é contra a vontade de Deus tanto quanto o homossexualismo. A Palavra de Deus não se resume só à Bíblia, Marcos. Deus tem boca e fala e continua falando hoje em dia. Se você quiser, também pode ouvir Sua voz e saber por si mesmo o que Ele pensa sobre isso e sobre tudo mais. Mas, novamente: para isso é preciso estar disposto a fazer as coisas à maneira Dele, não à sua.

              Isto posto, eu gostaria de comentar alguns de seus comentários:

              O mais engraçado é que vc gastou um tempo enosme sobre o artigo sodoma,gomorra mas nao me coloucou nada que esteja nas escrituras especificado contra o homosexualismo.

              Coloquei sim, Marcos. O problema é que você prefere interpretar as Escrituras de sua maneira particular, por isso acha que não coloquei nada. E nem adiantaria citar mais:

              • “Traze-os fora a nós, para que os conheçamos” (Gênesis 19:1–11, Moisés 5:51–53)
              • “Com varão não te deitarás; abominação é” (Levítico 18:22, 20:13)
              • “Não haverá sodomita dentre os filhos de Israel” (Deut. 23:17)
              • “Publicam os seus pecados como Sodoma: não os dissimulam” (Isaías 3:9, 2 Néfi 13:9)
              • “Os varões se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros” (Romanos 1:27)
              • “Os sodomitas não herdarão o reino de Deus” (I Coríntios 6:9–10)
              • “A lei não é feita para o justo, mas para os sodomitas” (I Timóteo 1:9–10)
              • “Os que se corromperam, indo após outra carne, foram postos por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno” (Judas 1:7)

              Agora, é como eu disse: os homossexuais interpretam tudo isso da maneira que melhor lhes convém, por isso afirmam que nada disso tem a ver com eles. O que querem mesmo é continuar crendo que Deus aceita sua homossexualidade como se tivesse sido algo criado por Ele próprio. Espero que as pessoas que pensam assim gostem de surpresas. 😉

              Alguns estudiosos[carece de fontes?] bíblicos argumentam que o trecho desencadeador da “ira divina” é fruto de um grande mal entendido. O termo conhecer, presente em traduções mais antigas (e traduzido por ter relações sexuais em algumas traduções modernas), não indicaria necessariamente o ato sexual. Indica, de acordo com esses estudiosos, o abuso sexual e a intenção de fazer o mal ao próximo. Esses estudos, claramente a favor do homossexualismo pregam a partir daí que os sodomitas, que eram todos os habitantes de Sodoma (homens, mulheres, velhos e crianças), eram tão perversos que desejavam humilhar os forasteiros, abusando-os pela simples razão de serem estrangeiros, mascarando assim a clara alusão á prática homossexual. E dizem ainda que a intenção dos habitantes pode ser entendida apenas como vontade de fazer o mal. O texto bíblico é claro em indicar que não havia um “uníco habitante justo” na cidade de Sodoma e por isso foram destruídos por Deus. É inconcebível imaginar que todos, inclusive crianças ou mulheres idosas fizessem o mesmo clamor: o de ter relações sexuais.

              Tudo bem, essa é uma possível acepção. Mas será que é a acepção de Deus?

              Não estou minimamente interessado no que dizem os “estudiosos” sobre o tema. Só me interessa o que Ele diz. Eis porque, mais uma vez, afirmo com tanta segurança e veemência que Ele não aprova o homossexualismo. Não acredita? Então espere para ver.

              No ano 2008 a uno ira criar uma nova lei nos direitos humanos onde proibirar internacionalmente a descriminaçao contra o gay.

              Ótimo! Sou plenamente favorável a essa nova lei. Releia o que escrevi sobre discriminação em meu artigo.

              Agora, isso não significa que ser contrário ao casamento gay significa ser discriminatório. Eu estaria sendo discriminatório se pregasse o ódio aos gays, por exemplo. Não é isso o que faço. O que faço é pregar a negação da mudança da lei em favor da minoria homossexual que quer institucionalizar a violação (mais uma) de um mandamento de Deus. Releia isso em meu artigo.

              Pecado???????E voce nao peca nao??????Ao nascer somos pecadores.Alem de tudo quem fora espulsos do paraiso foram Eva e Adao,com os pecados heteroxesuais deles nao foi??????

              Marcos, não misture as bolas.

              Em primeiro lugar, nunca me declarei perfeito.

              Em segundo lugar, repudio veementemente a idéia de que nascemos pecadores. Essa idéia é fruto de uma compreensão totalmente torta das Escrituras. Se você prefere crer que nasceu pecador, é direito seu, mas isso definitivamente não se aplica a mim!

              Em terceiro lugar, há muito mais para ser compreendido no que fizeram Adão e Eva do que parece.

              Não vou entrar no mérito dessas questões, até porque com esse comentário você deu uma belíssima desviada no rumo da conversa.

              Sim Marcelo acho!!!!!
              Porque Judas beijou a face de Jesus e depois o vendeu!!!!!!!

              Então tenho uma novidade pra você: não sou Judas. 🙂

              Um abraço!

        • Rafaella disse:

          Marcos vc deveria ler a Palavra de Deus, para depois falar o que Deus abomina ou não.
          Seja em grego, hebraico ou aramaico, a bíblia menciona sim que não é da vontade de Deus o casamento entre pessoas do mesmo sexo. No livro de Apocalipse fala que NENHUM sodomita entraria no reino de Deus…Dentre vários outros textos. Leia a Bíblia, ela mostrará a vc todas as respostas de que precisa sobre o assunto. E lembre-se: Deus não ama o homossexualismo, mas ama o homossexual

          • Marcelo Todaro disse:

            Rafaella,

            Infelizmente, gays e os defensores/simpatizantes da causa gay de modo geral não estão nem aí para o que Deus pensa ou para o que Ele disse nas escrituras. Importa-lhes mais o que eles próprios pensam. Se o que dizem as escrituras estiver de acordo com o que pensam, então acham certo e seguem. Se não, simplesmente ignoram. Ou seja, quando dizem seguir o evangelho, fazem-no apenas na parte que lhes convém. Eis porque a maioria dos gays e de seus simpatizantes são ateus ou tentam moldar Deus ou Seu evangelho de acordo com seus desejos e caprichos.

            Felizmente, porém, há pessoas que sentem atração pelo mesmo sexo e, ainda assim, estão dispostas a submeter-se aos mandamentos de Deus com fé e humildade. Aqui em meu blog há um caso exemplar. Convido você e todos a ler o testemunho dessa pessoa expresso neste comentário e nos subsequentes a ele. Ele é a prova viva de que gays podem, sim, serem moralmente limpos e dignos da intercessão do Pai em favor deles apesar de sua atração pelo mesmo sexo. Infelizmente, contudo, esses são raras exceções.

  103. Luis Filipe Ferreira disse:

    Estimado irmão Marcelo,
    Tive conhecimento do seu artigo e da sua entrevista acerca dos “casamentos gays” na TV.
    Sou membro da Igreja, em Portugal, tendo-me baptizado em 1 MAIO 1983. Sou muito feliz pelo Evangelho de Jesus Cristo na minha vida e na vida da minha família. Tenho um filho e uma filha, ambos casados, e que também fizeram uma Missão de Tempo Integral na Igreja. Também sou um orgulhoso avô de 2 netinhas muito queridas, pois já tenho 61 anos de idade.
    Quero dar-lhe os parabéns pelo seu excelente artigo “Porque Sou Contra o Casamento Gay”. Considero ser uma opinião sincera, honesta, repleta de talento e inspiração divina.
    O irº Marcelo levantou bem alto o estandarte da luz e da rectidão do Evangelho de Cristo. Muitas pessoas que leram o seu artigo e o viram na TV tiveram oportunidade para meditar e, certamente alguns mudaram de direcção na vida, optando por uma vida mais recta e com sentido divino.
    Para si e para toda a sua família desejo as maiores felicidades e que o Senhor o continue a proteger e abençoar com a necessária inspiração para prosseguir com o seu valioso contributo neste mundo, para que haja mais paz e amor entre todas as pessoas.
    Com um sincero abraço de amizade e consideração,
    Luis Filipe Ferreira

  104. Por falar em incesto… você soube de um caso na Austrália que pai e filha tem um caso e também tem uma filhinha pequena? No entanto, é o segundo deles, porque o primeiro morreu com problemas na formação cardiaca. Se quiser ver, tá neste artigo do Terra.

    E, ontem (domingo), uma moça, membro da Ala de Vila Matilde (onde frequento) falou que assistiu o programa e comentou sobre você. Uma pena que perdi o programa.

    Um abraço!

  105. Ana Cardoso de Oliveira e Silva disse:

    Olá irmão Marcelo,
    Assisti ao programa e senti que o irmão não teve tempo pra expor claramente nossas crenças e doutrinas , só queriam saber se era contra a união gay, até entendo, pois temas como esse dao pontos pra midia e assim se tornam interessante para alguns canais de comunicações, como disse o irmão tambem tenho conhecidos e amigos gays, gosto deles mas não acho correto a vida que levam, quem sou eu pra julgar, desejo o melhor pra todos.
    É estranho pra nós, Santos dos Ultimos Dias, estas evoluções do mundo (se posso chamar esse evento de evolução) sinto-me abençoada por estar neste mundo e não ser deste mundo, sou grata ao Pai Celestial por ter uma familia à qual sou selada e termos a promesssa de sermos uma familia eterna.
    Gostaria de dizer que te admiro muito, desejo tudo de bom a voce e sua familia.
    Sou membro da igreja há muitos anos, sou esposa, mãe e avó e para mim familia é sagrada.
    Obrigada por sua coragem, parabéns meu irmão de fé.
    Que Deus te guarde com poder.
    Ana

 

REGRAS PARA COMENTAR NOS ARTIGOS:

  1. Não use agressividade, provocações, insultos, ironias, deboches, maledicências, palavrões e coisas desse tipo, ou seu comentário será sumariamente apagado. Aceito críticas, sim, o que não aceito é falta de educação e de respeito.
  2. Não use e-mail falso ou seu comentário poderá ser apagado.

Deixe seu comentário - mas observe as regras acima!