Santana do Livramento, junho de 1987

198706 (17K)
Nem o frio intenso impediu-me de entrar na água congelante para batizar aquele casal especial

Quando eu era um missionário novo, ouvi de outro em fim de missão: “A missão tem uma desvantagem: quando você está pronto para dar tudo de si, sabendo tudo o que tem direito, afiado em todas as técnicas, ou seja, sendo um missionário poderoso, é hora de voltar para casa”. Sinto diariamente o quanto estava certo. À medida em que o fim se aproxima, melhor missionário me torno. Queria poder voltar no tempo e começar a missão novamente sendo como sou hoje.

Temos terminado nossas semanas de trabalho satisfeitos com o sentimento de dever cumprido. Após terminar uma de nossas reuniões de planejamento semanal, testifiquei a meu companheiro: “A cada dia que passa, tenho uma certeza cada vez mais forte de que estamos fazendo um grande trabalho. É gratificante para mim estar em Livramento e ter você como companheiro. Você está me ajudando a crescer e espero estar te ajudando também. Sou muito feliz por tudo isso”.

Quando deitei na cama, naquela noite, nem parecia estar neste mundo. Dentro do meu peito se instalou um cálido sentimento de amor que eu não sabia determinar ao certo de onde vinha, mas que depois concluí que vinha dos céus. O Senhor certamente estava manifestando um pequeno pedaço de Seu infinito amor por mim. Então dormi como um bebê. Aquele sentimento funcionou como uma doce canção de ninar. Parecia que a eternidade estava a me embalar, fazendo-me sentir como numa nuvem que se vai com o vento. Creio que o véu que separa este mundo do celestial naquele momento tornou-se bem fino, fazendo-me sentir o calor do coração do Senhor bem próximo a mim. Realmente, não duvido que um anjo tivesse velado por mim em meu sono, possibilitando-me repousar no Senhor. E tudo porque tenho me esforçado ao máximo em guardar Seus mandamentos e servi-Lo de todo o coração. Portanto, quero fazer minhas as palavras do salmista: Louvai ao Senhor (Salmos 150).

A seqüência dos acontecimentos importantes do mês me reservaria um dia, no mínimo, incomum. Tínhamos o batismo de um casal marcado para aquele dia, mas, como viviam em concubinato, precisavam casar-se primeiro. O casamento no civil estava marcado para a manhã daquele dia e o batismo, à noite. Saímos de casa cedo para acompanhá-los na cerimônia no civil pela manhã.

No intervalo entre o casamento e o batismo, fomos visitar uma referência de membros (a primeira em meses!). A casinha de madeira ficava num bairro afastado e tinha apenas três cômodos. Suas paredes estavam enegrecidas pela sujeira e pelo tempo, mas ali encontramos uma família por meio da qual o Espírito me fez sentir coisas novas. Não lembro de outra ocasião na qual, logo ao primeiro contato com uma família, pelo Espírito eu já os visse de branco, prontos para o batismo. Esse sentimento era tão forte que, de algum modo que não sei explicar, não me deixou totalmente concentrado na palestra, tanto que algumas vezes me perdi no meio dela. Não havia meio de tirar da cabeça a imagem de todos eles vestidos de branco e de mim mesmo emocionado por ter participado da conversão de tais eleitos. Já estou acostumado a manifestações espirituais, mas, como essa, eu nunca havia tido. Quando a palestra terminou, aquela família especial nos “intimou” a voltar logo.

À noite, a hora por que todos esperávamos: o batismo do casal, que seria batizado junto com um rapaz ensinado pelas missionárias. A reunião estava marcada para às sete e meia da noite, mas começou com uma hora de atraso porque ficamos esperando pelo casal, que não apareceu. Já desconfiava que tal coisa pudesse ocorrer, pois o marido trabalha numa empresa que não é muito respeitadora de horários e obriga os empregados a fazer horas extras sem aviso prévio (a tal empresa é a Swift Armour, fabricante de alimentos enlatados). Resolvemos começar a reunião batismal sem eles.

Devido ao frio intenso, não adiantou aquecer a água da pia batismal, que logo ficou fria novamente. Até então, eu não estava me importando, pois achei que nosso casal não apareceria mais naquela noite. Assim, batizei o rapaz das missionárias e corri para o vestiário para tirar o macacão batismal molhado e vestir roupas secas e quentes.

Mas minha alegria durou pouco. Depois de terminada a reunião batismal do rapaz, o casal apareceu. Não querendo perder os batismos e fazer inútil seu esforço para chegar o quanto antes, recomecei a reunião batismal. Não poderia permitir que seu entusiasmo e alegria pela chegada de tão importante dia em suas vidas fosse anulado. Recomeçar a reunião não foi o problema, o problema foi vestir novamente o macacão batismal molhado com todo aquele frio! Ouvi alguém comentar: “Coitado daquele élder, veja como treme”. E foi assim que aquelas duas almas foram batizadas na água gelada.

Não seria o frio que me faria perder dois batismos!


 
Há pouco menos de um ano atrás, trabalhando em Pelotas, passei por um dos maiores sustos de minha missão. Naquela semana houve uma conferência de missionárias em Porto Alegre. Uma delas, ao retornar, contou-nos algumas novidades quanto ao que estaria por acontecer. Uma das notícias deixou-me chocado: ao invés de presentear nossos pesquisadores com um exemplar do Livro de Mórmon, como sempre fizemos, passaríamos a vendê-lo! Preferi crer que se tratava de um boato de mau gosto. A idéia foi recebida com repugnância pelos presentes. Até um líder de zona, com quem comentei o boato, protestou: “Eu não vendo!” Lembro-me que essa fofoca deixou-me “doente” por alguns dias. Não suportava a idéia de fazer o que outras igrejas fazem, especialmente depois de ouvir opiniões azedas de pesquisadores do tipo “fulano, da igreja tal, tentou me vender seus livros, acaso uma igreja que vende livros pode ser verdadeira?” Vender nossos livros sagrados parecia-me a maior apostasia do mundo!

O tempo passou e o assunto foi esquecido. Hoje em dia, quase um ano depois, numa divisão com nossos líderes de zona, fomos instruídos sobre algumas modificações em nosso trabalho. Citando D&C 19:26 (…te ordeno que não cobices a tua própria propriedade, mas contribuas livremente para a impressão do Livro de Mórmon, o qual contém a verdade e a palavras de Deus), ele disse que o Élder Melvin J. Ballard, do Quórum dos Doze Apóstolos, passou ao nosso presidente de missão a instrução de que os missionários daqui por diante deveriam vender o Livro de Mórmon a um preço simbólico, a fim de que o povo lhe desse mais valor. O motivo era esse mesmo: as pessoas não estavam dando ao livro sagrado o devido valor por receberem-no de graça. Disse também que algumas missões do Brasil já seguem essa instrução há algum tempo e que agora é chegada a nossa vez.

E aqui vem a parte interessante dessa história. Quando esse assunto chegou aos meus ouvidos pela primeira vez, travestido de boato, fiquei horrorizado. Hoje, vindo de modo oficial pelos canais competentes, notei que o Espírito claramente testificou quanto à veracidade da instrução passada por nosso líder de zona. Não fiquei chocado nem considerei o fato como uma apostasia absurda, como antes. Agora sei que a ordem partiu do Senhor e, como tal, por mim será cumprida.

Sei que o Senhor se compraz em mim, tanto que continua me abençoando com inspiração e revelações sobre meu trabalho. A última foi com relação a uma moça que estamos ensinando, cujo batismo estava marcado para o dia 28. Eu disse estava. A moça é casada, mas está separada do marido e vive sozinha, sem filhos. Algumas noites antes, tive um sonho onde meu companheiro e eu ensinávamos a ela os Dez Mandamentos, ao fim do que confessou estar quebrando o sétimo. Dias depois, percebi que o sonho era na verdade uma revelação. A moça tem um namorado, apesar de ainda estar casada. Não pôde, portanto, ser batizada na data marcada.

Mas se esse batismo caiu, outros dois aconteceram, os de um casal. O marido testificou que não éramos capazes de imaginar como se sentia feliz, atribuindo tal felicidade ao dom do Espírito Santo que recebeu.

Não é um milagre ver vidas mudando? Que maior testemunho posso querer? Sou eternamente grato ao Pai Celestial por ser Seu missionário neste trabalho de salvação. Estou embriagado de felicidade, não só pelos batismos especiais como também porque, recentemente, dois dos homens que ensinamos e batizamos receberam o Sacerdócio Aarônico.

Todas as pessoas que batizamos tinham algo em comum na última sacramental: um grande sorriso nos lábios. Eles estão felizes. Suas vidas mudaram e, com a deles, a minha também. Meus sentimentos neste momento são tão profundos que não posso descrevê-los.

Esta é a Minha obra e Minha glória: proporcionar imortalidade e vida eterna ao homem. (Moisés 1:39.)

Não poderia querer melhor lembrança de Santana do Livramento do que o sucesso missionário que tive aqui. Agora posso falar em lembranças e em saudade, pois acabo de receber nova transferência, de volta para Porto Alegre. Queria que essa transferência nunca chegasse.

Minha nova área em Porto Alegre será Nova Restinga. Sei que o trabalho lá não vai bem, tanto que a área quase foi fechada para os missionários. Mas sei também que o Senhor me leva para lá a fim de levantá-la e fazer dela uma grande área, pois quem faz as grandes áreas são os missionários que trabalham com os olhos fitos apenas na glória do Senhor, lançando a foice com toda sua força.

(Visited 42 times, 1 visits today)

Artigos relacionados:

  • Nenhum artigo relacionado
Publicado em Missão de tempo integral. Adicione o link permanente deste artigo a seus favoritos.

 

REGRAS PARA COMENTAR NOS ARTIGOS:

  1. Não use agressividade, provocações, insultos, ironias, deboches, maledicências, palavrões e coisas desse tipo, ou seu comentário será sumariamente apagado. Aceito críticas, sim, o que não aceito é falta de educação e de respeito.
  2. Não use e-mail falso ou seu comentário poderá ser apagado.

Deixe seu comentário - mas observe as regras acima!