Esses antimórmons são uma graça! (Parte II)

Publicado em 21 de maio de 2012 e atualizado em 13 de fevereiro de 2024

Recentemente fui contactado por um irmão da Igreja pedindo minha opinião a respeito da autenticidade dos textos publicados num blog de oposição à Igreja. Esse blog — cuja dona não se identifica alegando temer “perseguição” — traz logo na capa a seguinte advertência:

Meu trabalho não é adequado aos mórmons que são fiéis e que desejam permanecer em seu estado delirante. Qualquer um nessa categoria é aconselhado a NÃO PROSSEGUIR NESSE BLOG. Eu não assumo responsabilidade por quem optar por ler minhas traduções. Por favor, não envie quaisquer testemunhos ou argumentos abusivos à autora. Enquanto as pessoas desejarem que a Igreja seja verdadeira, mais do que quiserem enfrentar o fato de que ela não o é, elas não escutarão as evidências ou a razão. O delírio torna-se, assim, uma escolha.

O irmão conta ter ficado “remoendo algumas informações utilizadas em blogs” como esse, que alegam “esclarecer” a doutrina e a história mórmon, e pediu para conhecer minha opinião a respeito.

Já vi muito lixo antimórmon publicado em muitos lugares. Meu primeiro contato com esse tipo de literatura ocorreu quando a Internet ainda era coisa restrita a laboratórios militares e centros de pesquisa americanos e dela nem se ouvia falar no Brasil.

Em maio de 1984, quando completei 18 anos, eu frequentava uma igreja evangélica e participava de um curso bíblico por correspondência de uma conhecida denominação pentecostal. Então vivi a gratificante experiência de conversão ao evangelho restaurado de Jesus Cristo que descrevo em detalhes neste artigo.

Feliz da vida que estava em me tornar membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, em minha santa ingenuidade escrevi carta aos administradores do curso bíblico compartilhando com eles minha alegria, agradecendo a atenção e solicitando o cancelamento de minha inscrição no curso, já que dali por diante não me seria mais necessário participar dele pelo fato de a Igreja dispor de farto material de estudo do evangelho.

Poucas semanas depois, recebi do curso bíblico um envelope mais grosso e pesado do que de hábito. Estava repleto de literatura antimórmon denunciando o que chamavam de “falsidades” e “fraudes” do mormonismo, segundo o ponto de vista deles, junto com uma carta em que me alertavam para o “grande erro” que eu estava cometendo.

Curioso, li o material todo. Não preciso dizer que, recém converso que eu era, a leitura me causou náuseas. Meu conhecimento sobre a doutrina e a história da Igreja à qual me havia recém filiado sequer chegava perto de ser suficiente para identificar os erros de interpretação das escrituras e doutrinas da Igreja ou as perniciosas e preconceituosas maledicências tão comuns nas críticas contra a Igreja e que aqueles livretos meramente regurgitavam. Tudo que eu tinha era o recém obtido e ainda tenro testemunho do Espírito. Seria ele suficiente para resistir àqueles insidiosos e virulentos ataques?

Felizmente o Senhor não me dotou de inteligência à toa. Em momentos como esse é que ela pode e deve ser usada. Então usei-a para analisar toda a sucessão de eventos iniciados com os descritos no artigo do link acima até a leitura daquele material crítico à Igreja. O ápice daquelas experiências foi o momento em que o véu que separa este mundo do celestial se tornou fino o bastante para que, em atenção à minha súplica, eu pudesse receber diretamente de Deus Sua resposta sobre a Igreja e o Livro de Mórmon. Raciocinei que se Ele, o onisciente detentor de toda sabedoria e conhecimento do Universo, havia me dito de forma inequívoca que a Igreja e o Livro de Mórmon são verdadeiros e realmente provinham Dele, pela lógica quem quer que afirmasse o contrário só podia estar errado, não importa se eu sabia ou não onde estavam os buracos nas afirmações dos críticos.

Aquele foi o primeiro de uma longa série de testes que meu testemunho viria a enfrentar ao longo dos anos. Nesse período, no qual desenvolvi um estreito e afinado relacionamento pessoal e quase tangível com nosso Criador, em momento algum Ele me afirmou coisa diferente da que disse naquela primeira oportunidade em que, com fé e humildade, procurei-O para conhecer Sua opinião a respeito da Igreja. Eis porque meu testemunho não só tem resistido a esse tipo de ataque como também tem se fortalecido e solidificado. Tanto que, como costumo dizer aos críticos, não há rigorosamente nada que digam ou façam capaz de abalar esse testemunho, pois me foi dado por Deus. Só Ele é capaz de tirar de mim o que me deu. Então, se os críticos querem que eu me convença de suas “verdades”, devem pedir a Deus que o faça e esperar para ver se Ele o fará. Sugiro-lhes esperar sentados.

Por tudo isso, respondi ao irmão preocupado com a autenticidade daqueles textos:

Conheço aquele blog de longa data. A mim ele não faz nem cócegas. Não tenho o menor fiapo de dúvida quanto ao testemunho que recebi de Deus sobre a veracidade da Igreja, do Livro de Mórmon e de Joseph Smith, independente de a obscura dona do blog achar que isso é “delírio” ou coisa que o valha.

A mim não importa a opinião do mundo. A mim só importa a opinião de Deus.

Por isso, nunca procurei saber onde estão os buracos nas afirmações dos textos da blogueira. Isso não me interessa. Alguém querer saber a “verdade” pelo que diz um material desses é o mesmo que procurar a verdade sobre os judeus pelo que dizem os nazistas. Ou seja, coisa boa não pode ser.

Então, meu irmão, na minha opinião, mais importante do que saber se os documentos são autênticos é saber o que Deus tem a dizer. Se Ele lhe disser que a Igreja é verdadeira, pela lógica tudo que se diz contra ela não pode ser verdade, concorda? Esse é o racional que tem me mantido firme e ativo na única e verdadeira Igreja de Jesus Cristo há quase 30 anos.

Que venham os críticos. Não tô nem aí pra eles. 😉

Visitado 1.147 vezes, 1 visita(s) hoje

50 comentários em “Esses antimórmons são uma graça! (Parte II)

  1. Meu amigo a sua experiência é muito parecida com a minha
    Não tenho dúvidas que a igreja é verdadeira Deus me mostrou isso
    Ja estive fraco muitas vezes, mas os sentimentos de meu coração nunca findaram
    Sempre li artigos antimormons nenhum deles convincentes
    O que Deus dá o homem não pode tirar.

  2. Sou membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos dias, descobri que esses blogs anti – mórmons são antigos, pelo fato que sempre fiz questão de viver longe desse tipo de literatura, os conheci recentemente no último ano.
    Entendo o porque nossos líderes(Profeta, Apóstolos, 70…), sempre nos orienta a ficarmos longe dessa viagem triste aos textos de escarnecedores. Achei esse blog, exatamente procurando saber quem é a tal Investigadora.
    Sabe… essas pessoas contraditórias que usam meias verdades, e ofendem a verdadeira igreja, por algum motivo, bastante forte, nunca sairão da igreja, mesmo como perseguidores, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias está neles, é uma marca, esta no coração, mesmo sentindo ódio do evangelho por algum motivo, se eles realmente quisessem esquecer a igreja, simplesmente sairiam pela porta da frente, pediriam para riscar os seu nomes e viveriam muitos felizes como eles fazem questão de enfatizar em seus artigos. Toda iria, magoa, desejo de vingança… parece até que estou descrevendo quando Lúcifer declarou guerra aos céus, essas pessoas declaram na terra guerra ao evangelho. Esses supostos blogs só me entristeceram pelo fato de tantas mentiras, e sentimentos ruins que há nele.
    Sou grato pelo nosso Pai Celestial e por Ele ter estabelecido uma única igreja na terra para nos guiar através do Salvador, e por esse amor que nos cerca quando lutamos para vivermos o evangelho.

  3. O que esse povo do Vozes Mormons e blogs similares fazem e exatamente o que Lucifer fez no jardim com nossos pais, se disfarcar de irmao para poder se aproximar e enganar, como o irmao Marcelo disse, as baboseiras deles me fazem rir, ja bati boca com muitos deles, mas nunca recebi resposta nem tive meu comentario publicado, eles publicam o que querem. E outra: dissidentes sempre existiram e existirao, vide os lamanitas, amaliquias, Amoron, Caim e etc. Ser SUD no mundo de hoje e muito complicado! E duro!! Lutar contra suas fraquezas e ter forcas para ficar de pé e dificil, ainda mais com um monte de dissidentes, guias cegos enchendo o saco. O Vozes Mormons usa a pseudo historia e o sensacionalismo para chamar atencao, porque conhecimento escrituristico eles nao tem nenhum, Marcello Jun é um que utiliza seu conhecimento em linguistica para mascarar sua falta de conhecimento teologico e espiritual, alem de ser mal educado. Fora que nunca vi tanta gente que se diz hetero a favor do homossexualismo, ja falei pra eles sairem do armario. A igreja é verdadeira!!! E nada nem ninguem vai mudar isso!!!

  4. Excelente blog irmão, parabéns!! Também já bati boca com o pessoal do Vozes Mormons, são todos enrustidos de alguma coisa, nunca vi gente mais cega!

    Grato pelo trabalho excelente

  5. Olá Marcelo, faz tempo que não falo contigo !
    Sou Helloween também lembra ?
    O assunto da blogueira em chamou a atenção, eu troquei uma dezena de comentarios com ela, também ví os seus comentarios, achei show, nem chego perto da sua sabedoria, também ví voce aniquilar um chato que comenta até hoje naquele video idiota das 10 razoes.
    A blogueira se encheu dos meus comentarios e decidiu não publica-los mais pois estavam estragando o ar de justiceira dos mormons amargurados e era um antidoto do veneno que ela tentava fazer o povo engolir, digo “tentava” pois, como voce deve estar sabendo o blog da nobre amargurada (contrariada) acabou.
    Esses dias eu indiquei pra outro chato o “Evangelicos pedem desculpas aos mormons” e “Illinois pede desculpas e perdão aos mormons”, pra mim só esses dois exemplos ajudam bastante. Eu adoro o segundo exemplo pois lá está escrito que Joseph Smith foi um forte abolicionista, isso gela qualquer bobagem que os evangelicos gostam de jogar no ventilador dizendo que somos racistas.
    Outra alegria é relembrar os batistas sobre a ocasião em que eles iam supostamante varrer o mormonismo de Utah, sairam de lá quietinhos cada um com um Livro de Mormon debaixo do braço.
    São episodios que mostram a força do Evangelho Restaurado, as pessoas falam pelas costas mas muitos deles já provaram na pele a força dessa Igreja.
    Como dizem o jarjão:
    Vai encarar ?

    1. Obrigado, Márcia. A experiência e a vivência do evangelho, somadas à misericórdia e bondade do Senhor, ensinam muita coisa.

      Um abraço!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *