Tempo de Escolher: mensagem do Presidente Thomas S. Monson em Brasília

Mensagem do Presidente Thomas S. Monson
Reunião com os Membros em Brasília, Brasil
Segunda-feira, 2 de junho de 2008

 

Tempo de Escolher

Pres_MonsonSou especialmente grato por estar com vocês esta noite, irmãos e irmãs, no encerramento de uma visita memorável que o casal Nelson e eu fizemos ao Brasil. No sábado à noite presenciamos o belo programa cultural apresentado pelos membros, em Curitiba, antes da dedicação do templo. Ontem, em quatro sessões inspiradoras, dedicamos o magnífico Templo de Curitiba. Esta tarde, tivemos o privilégio de nos reunir com o Vice-Presidente do Brasil, José Alencar. Levaremos conosco lembranças inestimáveis desta visita ao seu belíssimo país.

Tenho pensado ultimamente sobre as escolhas que fazemos na vida. Há um sábio conselho na Bíblia, em Eclesiastes, capítulo 3, versículos 1, 2, 4 e 6: “Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu. Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou; (…) tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de dançar; (…) tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de lançar fora”. E eu acrescento: “Tempo de escolher”.

Eu lhes pergunto: Que escolhas vocês farão na vida? Irmãos e irmãs, nós somos aquilo que escolhemos ser. Nossas escolhas determinam o nosso destino.

Sempre gostei muito da letra de um dos nossos hinos [nº 149]:

A alma é livre para agir
E seu destino decidir;
Suprema lei deixou-nos Deus
Não forçará os filhos Seus
Apenas faz-nos escolher
O bem ou o mal neste viver,
Conselhos dá-nos, com amor,
Cuidado, graças e favor.

Gostaria de sugerir-lhes quatro decisões, quatro escolhas, que nos ajudarão a determinar nosso destino.

Primeira: escolher ouvir.

Segunda: escolher aprender.

Terceira: escolher trabalhar.

E quarta: escolher amar.

No que se refere a ouvir, espero que vocês ouçam as pessoas que os amam e que desejam sinceramente o melhor para vocês. Vocês, jovens, ouçam sua mãe e ouçam seu pai, pois cada qual se ajoelha diariamente e ora por vocês, implorando ao Pai Celeste que proteja e oriente vocês nas escolhas que fazem.

Espero que possamos ouvir o conselho de nossos líderes, que são inspirados para nos guiar no caminho que devemos escolher. Que possamos também ouvir os sussurros do Espírito Santo. Prometo-lhes que, se ouvirmos o Espírito Santo, se houver um desejo justo em nosso coração e se nossa conduta refletir esse desejo, seremos guiados por esse Santo Espírito.

Certa noite, há muitos anos, eu dirigia para casa, depois de uma atividade. Seguia por uma rua que percorrera raras vezes. Ao tomar a direção leste, um pensamento me ocorreu: “Numa destas casas mora uma família que viveu em nossa ala quando eu era bispo, muitos anos atrás. Como a irmã Thomas e sua família estariam passando?” Mantive a velocidade, pois tinha um compromisso dali a pouco. Mas o Espírito parecia dizer-me que eu devia voltar e ir até a casa da irmã Thomas. Fiz a volta com o carro, localizei a casa, estacionei na entrada da garagem e bati à porta da frente. Ninguém respondeu. Bati novamente. Nada, ainda. Entrei novamente no carro e ia voltando para a rua, quando notei que alguém abrira a porta de entrada. Voltei a estacionar o carro no mesmo lugar, saí e caminhei em direção à porta. Ali estava a irmã Thomas, uma mulher amável, de cabelos prateados, que freqüentara minha ala muitos anos antes. “Irmã Thomas, que bom ver a senhora. Como vai?” Sua mão parecia tatear à procura da minha.

“Reconheço a voz, mas não posso vê-lo. Estou cega.”

Só então compreendi por que o Senhor havia-me guiado a fim de parar e ver a amiga querida de tempos atrás. Ao conversar com ela e com os membros da família, soube que nesse dia em especial era o aniversário de falecimento de sua filha mais velha. Ela, principalmente, carecia de consolo, e sentira o desejo de receber uma bênção de um portador do sacerdócio de Deus. Senti-me honrado por dar-lhe essa bênção.

É minha oração que cada um de nós leve uma vida digna, para receber a orientação de nosso Pai Celeste; que possamos ouvir os sussurros do Espírito Santo para termos a oportunidade de responder a esses sussurros e estar em sintonia com a influência orientadora de nosso Pai Celestial. Uma das mais doces experiências da mortalidade é servir de instrumento nas mãos de Deus para abençoar a vida de outras pessoas. Façamos a promessa de ouvir.

A [decisão] seguinte: que escolhamos aprender. Não é suficiente só ouvir, se não aprendemos. Conservemos no coração o conselho do Senhor que se encontra em Doutrina e Convênios: “Nos melhores livros buscai palavras de sabedoria; procurai conhecimento, sim, pelo estudo e também pela fé” (D&C 88:118).

Que livros seriam fontes mais excelentes e esclarecedoras para nosso aprendizado do que as escrituras — a Bíblia, o Livro de Mórmon, Doutrina & Convênios e A Pedra de Grande Valor? Estudando esses livros sagrados, aprendemos lições de valor eterno. Por exemplo, podemos aprender paciência ao estudar com afinco a vida de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo. Conseguem imaginar a decepção que Ele deve ter sentido — sabendo que tinha as chaves da vida eterna e que Ele era o detentor do caminho para que vocês e eu entrássemos no reino celestial de Deus — ao levar Seu evangelho ao povo que O rejeitou e recusou ouvir Sua mensagem? Mesmo assim, Ele teve paciência. Cumpriu Sua responsabilidade em vida, mesmo até a cruz do Calvário. Há muitas lições que podemos aprender quando estudamos a vida de nosso Salvador. A paciência é uma delas.

Também podemos aprender, estudando a vida dos líderes da Igreja. Aprendi muito estudando esses grandes homens, cuja amizade tive o privilégio de desfrutar em todos esses anos. O Presidente David O. McKay foi um exemplo vivo de bondade. Nunca o ouvi erguer a voz; falava com brandura a todos os que conhecia. O Presidente N. Eldon Tanner, que serviu como conselheiro na Primeira Presidência por muitos anos, foi um homem de autêntica integridade. O Presidente Kimball exemplificava a humildade. Além disso, era uma pessoa alegre, apesar dos problemas com a saúde. O Presidente Hinckley dedicou-se inteiramente à obra do Senhor e trabalhou incansavelmente para cumprir suas designações. Cada um desses grandes homens, ao lado de quem servi, me ensinaram lições que jamais esquecerei. Convido-os a juntar-se a mim no compromisso de aprender.

A decisão a seguir, que trabalhemos. Não é suficiente desejar, não é suficiente sonhar, não é suficiente prometer, não é suficiente se comprometer. Literalmente, precisamos fazer. O Senhor disse: “Aquele que lança a sua foice com vigor faz reserva, de modo que não perece” (D&C 4:4). E Néfi declarou: “Eu irei e cumprirei as ordens do Senhor” (1 Néfi 3:7). Foi Tiago, no Novo Testamento, quem resumiu para nós essa lição: “E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos” (Tiago 1:22).

Um dos grandes exemplos de trabalho na vinha de Deus foi o Élder LeGrand Richards, que serviu como membro do Quórum dos Doze Apóstolos por 31 anos. Foi amado pelos membros da Igreja no mundo inteiro. Não houve sequer um dia em sua vida no qual não padecesse com dores. Devido a um problema na bacia, foi-lhe permitido não se ajoelhar durante as orações, mas ele nunca usou esse privilégio. Ele se ajoelhava ao lado dos membros dos Doze, embora todos nós pudéssemos ver estampada em seu semblante a imensa dor física causada pelo ato de se ajoelhar. Todas as semanas, comparecia às conferências de estaca — e algumas ficavam bem longe de sua casa. Viveu para edificar e fortalecer os outros, sempre obediente ao conselho do Apóstolo Pedro: “Estai sempre preparados para responder (…) a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós” (I Pedro 3:15). O Élder Richards é o autor do livro Uma Obra Maravilhosa e um Assombro, que, desde sua publicação, é usado pelos missionários no mundo todo.

Há muitos anos, fui designado a estar, no mesmo fim de semana, em duas diferentes cidades da Califórnia, nos Estados Unidos. Fui à primeira, em São Francisco, e depois embarquei no avião que me levaria a Los Angeles, onde teria a oportunidade de reunir-me com a liderança dos jovens adultos da região sul da Califórnia. Ao acomodar-me na poltrona do avião, o assento ao meu lado estava vazio. O avião subiu e dirigiu-se para Los Angeles. Uma jovem e simpática comissária de bordo sentou-se no lugar ao meu lado. Percebi que ela estava lendo o livro Uma Obra Maravilhosa e um Assombro. Eu lhe disse: “Você deve ser membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

Ela respondeu: “Não, não. Por que a pergunta?”

“Bem, você está lendo um livro escrito por um membro muito importante dessa Igreja”.

Ela disse: “É mesmo? Ganhei o livro de uma amiga, mas não sei nada sobre ele. Fiquei curiosa e decidi lê-lo”.

Resolvi então prestar meu testemunho àquela moça. Disse-lhe também que eu tivera o privilégio, anos antes, de ajudar o Élder Richards na impressão do livro que agora ela lia. Falei-lhe sobre o Élder Richards e sobre muitos milhares de pessoas que aceitaram a verdade depois de ler esse mesmo livro. Passei o restante do tempo do vôo respondendo às perguntas que ela me fez. Ao término da viagem, perguntei-lhe se podia pedir aos missionários que a visitassem. Também perguntei se ela gostaria de visitar nosso ramo em São Francisco. Ela respondeu “sim” às duas perguntas. Seu nome era Yvonne Ramirez, e quando cheguei em casa, escrevi ao presidente da Estaca São Francisco e transmiti-lhe essa informação. Poucas semanas depois, recebi uma ligação daquele presidente de estaca, que disse: “Irmão Monson, acho que o senhor vai gostar de saber que hoje, Yvonne Ramirez, comissária de bordo da United Airlines, a jovem que se sentou ao seu lado no vôo de São Francisco a Los Angeles, tornou-se o mais novo membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”. Fiquei radiante.

Todos nós temos a responsabilidade de trabalhar. Que possamos cumprir essa responsabilidade.

Por fim, que possamos amar. Vocês se lembram da resposta que o Salvador deu ao doutor da lei, quando este perguntou: “Mestre, qual é o grande mandamento na lei?”

Ele respondeu: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mateus 22:36-39).

Que sempre nos lembremos do conselho do Senhor contido no Livro de Mórmon, em Terceiro Néfi, capítulo 11, versículos 28 a 30: “Não haverá disputas entre vós, (…) Pois em verdade, em verdade vos digo que aquele que tem o espírito de discórdia não é meu, mas é do diabo, que é o pai da discórdia e leva a cólera ao coração dos homens, para contenderem uns com os outros. Eis que esta não é minha doutrina, levar a cólera ao coração dos homens, uns contra os outros; esta, porém, é minha doutrina: que estas coisas devem cessar”.

Shakespeare escreveu: “Eles não amam aqueles que não demonstram ter seu amor”. Como podemos demonstrar nosso amor a Deus e nosso amor por nosso próximo? Por meio da obediência aos mandamentos de Deus e aos conselhos de Seus servos. Temos o privilégio de obedecer à lei do dízimo, obedecer ao código da moralidade e de obedecer, em todos os aspectos de nossa vida, à palavra de nosso Pai Celestial. Podemos saber o quanto nós O amamos pela maneira como nós O servimos e pela maneira como servimos ao nosso próximo.

Novamente, irmãos e irmãs, que possamos assumir o compromisso de ouvir, de aprender, de trabalhar e de amar. Ao cumprir esses compromissos, teremos a orientação de nosso Pai Celeste e sentiremos a verdadeira alegria em nossa vida. Isso não significa que devamos simplesmente fazer um pedido ou sonhar, mas sim, que devemos decidir fazer tudo para cumprir nosso compromisso. Se quisermos, nós o faremos.

Vamos, pois, prosseguir com nossas resoluções? Será que podemos mudar nossos hábitos, se isso for necessário? Declaro-lhes que sim. Por exemplo, gostaria de contar-lhes a experiência que um amigo compartilhou comigo, há anos. Ele falou sobre sua infância. “Meu irmão gêmeo e eu tivemos uma infância difícil. Tinhamos uma mãe adorável e um pai excelente, mas ele era dependente do álcool. Aos sábados, sempre tínhamos a tarefa de sair à noite para trazê-lo para casa. Certa ocasião, meu irmão e eu comemorávamos nosso 16º aniversário. Tínhamos convidado amigos para uma festinha lá em casa, e estávamos brincando e nos divertindo, quando nosso pai entrou, completamente bêbado. Nossos amigos, constrangidos, foram embora. Mamãe tinha uma expressão de dor marcando-lhe a face. Dissemos ao nosso pai coisas bem duras, como: ‘Não consegue ficar sóbrio, pai? Nem no nosso aniversário?'” Meu amigo prosseguiu relatando o ocorrido: “Meu pai voltou-se para nós dois e disse: ‘Rapazes, perdoem-me. Prometo que nunca mais vou tomar uma gota de álcool'”.

Aquela família já havia ouvido essa promessa várias vezes. Embora os dois jovens tivessem uma atitude áspera com o pai, a mãe sabiamente lhes disse: “Filhos, seu pai é portador do sacerdócio, e sei que um dia ele o honrará. Por isso, quero que honrem seu pai”.

Meu amigo declarou: “Meu pai foi fiel à promessa que fez. Nunca mais tocou na bebida. Tornou-se o pai mais bondoso e prestativo que um filho podia ter. Nossa mãe encheu-se de alegria.”

O pai desse meu amigo faleceu algum tempo depois. Mas aquela mãe, que teve a capacidade de acreditar que a palavra de um homem pode ser sua garantia, se for sincera, de acreditar que ele podia escolher mudar e cumprir sua palavra, viveu para ver seu marido mudar. Ela também viveu para ver os dois gêmeos serem chamados para servir como presidentes de missão na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Presto-lhes meu testemunho esta noite de que, quando o Salvador disse aquelas palavras registradas no livro do Apocalipse, Ele na verdade deu a vocês e a mim um conselho que nos ajudaria a ser fiéis ao que prometemos. Lembram quais foram as Suas palavras? “Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa” (Apocalipse 3:20).

É minha oração esta noite que tenhamos ouvidos para ouvir, que possamos escutar quando Ele bater à porta, que valorizemos o convite do nosso Senhor e tenhamos sabedoria para abrir de par em par a porta de nosso coração e os portais de nossa mente, para que Jesus Cristo entre e permaneça em nós. Será que abriremos espaço para Ele em nosso coração? Teremos tempo para Ele em nossa vida? Eu insisto, a escolha cabe a nós, de nos lembrar de que nossas escolhas e nossas decisões determinam nosso destino.

Irmãos e irmãs, eu lhes deixo o meu amor. Foi um privilégio poder estar aqui esta noite. Pude sentir o seu espírito e eu os elogio por seu testemunho da verdade.

Se viverem o evangelho, as outras pessoas verão o bem que se origina dele. Vocês vão servir de inspiração para que elas conheçam a Igreja e abracem a mensagem do evangelho. O número de membros da Igreja no Brasil está crescendo. Quando a irmã Monson e eu viemos para cá pela primeira vez, em 1969, havia somente duas estacas e uma missão. Na contagem mais recente, no final de 2007, havia 27 missões, 218 estacas e 50 distritos. Em 1940, havia menos de 200 membros no país como um todo. Quando o primeiro templo em São Paulo foi dedicado, em 1978, havia 54.000 membros. Hoje, há mais de um milhão de membros, e o crescimento é constante.

Deixo-lhes a minha bênção. Que nosso Pai Celeste continue sempre ao seu lado, e abençoe cada um todos os dias, é minha oração, em nome de Seu Filho Amado, nosso Salvador e Redentor — o próprio Jesus Cristo, nosso Senhor —, Amém.

(Visited 3.311 times, 1 visits today)

Artigos relacionados:

Publicado em Notícias da Igreja com a(s) tag(s) , , , , , . Adicione o link permanente deste artigo a seus favoritos.

9 comentários em Tempo de Escolher: mensagem do Presidente Thomas S. Monson em Brasília

  1. Paulo Oberon Hebert Dornelles Matzembacher disse:

    Sim maravilha ao escutar o espírito ,um dia q fazia Mestre Familiar .fui direcionado junto com meu companheiro a ir em uma família q não era nosso obrigação visitar.ao chegar lá fomos recebidos muito bem. Resultou q avia um parente lá de 21anos ao escutar se foi a nossa frente. Em fim de batizou fez missão é eu tô muito feliz.salvei alguém. Senhor adoro esta tua obra. E obrigado por termos um PROFETA

  2. carolaeny de paula pimenta disse:

    gostei mesmoo

  3. Jane Araújo disse:

    Marcelo Querido, a Paz do Senhor Jesus esteja contigo!
    Estou debaixo da cobertura do Evangelho do Senhor Jesus porém, em outra expressão. Pois, foi assim que o Senhor quis se revelar para mim mas, percebo a riquesa contida nos ensimanentos aqui apresentados, o poder de promover ganhos de Vida a todos que assim desejarem!
    Que o Senhor continue te usando como canal para ganhar muitas vidas para o Seu Reino.
    Grande Abraço.

  4. Thiago disse:

    oremos pelo Presidente Monson para que continuemos a receber as bençaos

  5. eliana a ala gudalajara disse:

    amo o evangelho; sei que todas essa palavras sao verdadeiras;
    que DEUS te proteja, meu profeta

  6. celso disse:

    oi vc tem orkut e msn presidente eu sou um irmao da sua igreja e quero lhe perdi um favor pelo meu pai !!!!!!!ele presisa ser batisar e presisa da sua autorizaçao pode me ajudar com esse favor ficaria grato abrigado irmao celsinho

    • Marcelo Todaro disse:

      Celso,

      Seu pai não precisa de autorização de ninguém para ser batizado. Quem decide sobre isso é ele mesmo. Espero que se batize. Você pode ajudá-lo convidando-o a frequentar as reuniões da Igreja, lendo as escrituras com ele e orando com ele e por ele.

      Um abraço!

  7. katiuscia disse:

    Maravilhoso,sinto um enorme desejo de mudar várias escolhas que faço diariamente,através do Espírito,mas depois deste conselho do Presidente Monson,sinto que preciso melhorar minha capacidade de praticar seus ensinamentos.

  8. MARCOS disse:

    MTO BOM!!! DEUS TE ABENÇOE…

 

REGRAS PARA COMENTAR NOS ARTIGOS:

  1. Não use agressividade, provocações, insultos, ironias, deboches, maledicências, palavrões e coisas desse tipo, ou seu comentário será sumariamente apagado. Aceito críticas, sim, o que não aceito é falta de educação e de respeito.
  2. Não use e-mail falso ou seu comentário poderá ser apagado.

Deixe seu comentário - mas observe as regras acima!