Há solução para o ódio contra a mulher?

Publicado em 8 de março de 2024 e atualizado em 11 de março de 2024

Sim, há. Mas é preciso primeiro entender por que ele existe, afinal, como os militares sabem muito bem, não se pode combater um inimigo que não se conhece.

Mencionei militares porque, realmente, estamos numa guerra e cada um de nós é um soldado. Mas precisamos estar do lado certo do campo de batalha.

Mesmo em menor número, o inimigo tem poder de causar grande estrago. Qualquer um que acompanha os noticiários sabe disso.

Se estamos do lado certo e somos em maior número, por que parece que estamos perdendo a guerra?

Porque realmente estamos.

Voltemos no tempo para entender como tudo começou. Convido o leitor a ler o excelente artigo A Rebelião de Satanás. Você poderá encontrar nele resposta a vários de seus questionamentos sobre por que o mundo chegou ao estado em que está.

Um terço das hostes dos filhos de Deus caiu no engodo de Lúcifer e decidiu acompanhá-lo em sua rebelição contra o Pai (ver D&C 29:36). Dentre os que seguiram Lúcifer havia bem poucas mulheres, se é que havia alguma. Elas sabiam que Lúcifer de forma alguma tinha como cumprir o que estava prometendo. A nobreza da natureza feminina não lhes permitiu serem enganadas. Elas são muito espertas e sagazes.

Todo o mal que se pratica contra a mulher desde então é, na realidade, a vingança de Lúcifer por tê-lo rejeitado. Ele tem feito tudo que pode para humilhá-la, desprezá-la, rebaixá-la, explorá-la, objetificá-la, erotizá-la, feri-la e matá-la. Dê uma olhada nas notícias relacionadas e veja se não combinam com essa tática.

Muito ironicamente, ele também inspira o ativismo feminista e o de igualdade de gênero para se rebelar contra a própria rebelião. Faz parecer que se luta por justiça, mas é uma causa perdida, pois as armas usadas nessa luta são as dele próprio. Que ninguém se iluda: quando se luta contra o inimigo usando suas próprias armas, não há chance alguma de vencer.

A misoginia é só mais uma das perversas e insolucionáveis mazelas sociais ao nosso redor, que por sua vez são o mais indiscutível indício de que o mundo está doente. Justamente para evitar que mergulhasse nesse estado de coisas é que, desde o princípio, o homem recebeu de Deus mandamentos. A sistemática violação deles torna a sociedade refém da colheita do que ela mesma semeia (“Quem semeia vento colhe tempestade”, diz o velho ditado). As mazelas sociais nada mais são do que o alto preço a pagar pela própria desobediência. É por isso que estamos perdendo a guerra.

Como escreveu o Élder Wilford W. Andersen no artigo Religião e Governo:

As únicas soluções reais para os muitos problemas graves que o mundo atual enfrenta são espirituais, e não políticas ou econômicas. O racismo, a violência e os crimes de ódio, por exemplo, são problemas espirituais, e sua única solução real é espiritual.

A misoginia e a guerra da qual faz parte só terão fim neste momento:

Um dia o Salvador vai voltar. É Seu direito governar e reinar como Rei dos reis e nosso grande Sumo Sacerdote. Então, o cetro do governo e o poder do sacerdócio se tornarão um só.

Quando isso acontecer, Ele assumirá o governo da Terra e consertará tudo que estiver errado em todas as esferas. O mundo será como na época do Jardim do Éden: todos os que habitarem o mundo na ocasião viverão em retidão (ver 2 Néfi 22:26). A lei que estará em vigor é a mesma lei celestial que o mundo secular sempre desprezou. Tudo que não estiver de acordo com essa lei será varrido da face da Terra.

O retorno de Jesus Cristo será o antibiótico injetado na veia para esterilizar o mundo da contaminação moral e espiritual que o tem infectado desde a Queda de Adão. A Terra será curada de suas doenças e por mil anos descansará em paz (ver Moisés 7:64).

Entende agora por que todo esse ativismo social e político não dará em nada?

Não que por isso tenhamos que cruzar os braços e assistir Lúcifer fazer a baderna que quiser, mas estar do lado certo da guerra implica em não usar as mesmas armas de quem declarou a guerra.

A arma que pode (e vai) acabar com a misoginia e com tudo que há de errado no mundo é a retidão pessoal advinda da obediência aos mandamentos de Deus. Então escolha se você prefere estar no lado que terminará perdedor ou no que será vencedor. Escolha sabiamente.

Visitado 64 vezes, 1 visita(s) hoje

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *