A fé é racional, senão não é fé, é fideísmo

Gosto muito do Programa do Jô, mas o horário em que é apresentado me costuma ser proibitivo. Também não tenho tempo de ficar assistindo os vídeos do programa no site. Por isso, acho bastante significativo o fato de que, numa das raras oportunidades que tenho de ir ao site do programa procurar alguma entrevista interessante para assistir, eu tenha me deparado justamente com a do arqueólogo Rodrigo Pereira da Silva.

Em 29 de novembro último o programa exibiu entrevista com ele, que é doutor em Teologia Bíblica e tem pós doutorado em arqueologia bíblica pela Andrews University (EUA), na qual mostrou alguns artefatos contemporâneos de Jesus Cristo e, do meio da entrevista, introduziu o assunto ressurreição de Jesus falando de vários dos muitos elementos históricos que comprovam esse fato.

Chamou-me a atenção a quase irracional teimosia do Jô em duvidar desses elementos históricos para sustentar que crer ou não na ressurreição de Jesus — e, portanto, no testemunho dos apóstolos e no de uma multidão de pessoas que estiveram com Ele após Sua ressurreição — é uma mera questão de fé, não um fato comprovável por qualquer meio. É o mesmo que dizer que daqui a 2 mil anos dependerá da fé acreditar no que hoje está escrito neste blog. Juro como eu queria estar no lugar de Rodrigo naquele momento para dizer ao Jô umas coisas. Mas isso foi antes de ouvir a estupenda resposta de Rodrigo, tão estupenda que deixou até o próprio Jô sem palavras.

Em resumo, Rodrigo concordou com ele sobre ser uma questão de fé, mas não deixou a coisa restrita ao vácuo factual em que a fé costuma ser compartimentalizada pelos que não a entendem (e não entendem porque não querem, diga-se de passagem). Nesse ponto, Rodrigo pronunciou a frase que, de tão abrangente e verdadeira, motivou até este artigo: “A fé é racional, senão não é fé, é fideísmo”.

A reação de rendida surpresa de Jô atiçou minha curiosidade sobre o termo do qual eu nunca havia ouvido falar. Imediatamente parei o vídeo da entrevista para procurar o significado de fideísmo. Segundo a Wikipédia, fideísmo é:

Doutrina religiosa que prega que as verdades metafísicas, morais e religiosas, como a existência de Deus, a justiça divina após a morte e a imortalidade, são inalcançáveis através da razão, e só serão compreendidas por intermédio da fé.

(…)

Os fideístas procuram se esquivar de qualquer tipo de argumentação para que possam apoiar sua fé em Deus sem qualquer tipo de racionalização. Porém, esta corrente teológica é flagrada em aparente contradição quando utiliza a própria razão para expor sua doutrina e depois negar seu emprego em questões de fé.

Não foi só o Jô que ficou de boca aberta com a conclusão de que fé irracional é fideísmo: eu também. Nunca tinha pensado nisso. Fiquei feliz em comprovar o que eu intuitivamente já sabia: não sou fideísta. Não creio por crer, meramente. Não lido bem com o que não tem racionalidade ou lógica. Eis porque sou fã do personagem Sr. Spock, da série Jornada nas Estrelas. Acho até que, se tivesse nascido no Séc. XXIII, eu seria um vulcano ideal.

Sou perfeitamente capaz de apresentar a quem quiser saber o bem definido racional de minha fé. Racionalidade e lógica têm a ver com inteligência. E sabemos que “a glória de Deus é inteligência” (D&C 93:36) e que “a inteligência apega-se à inteligência” (D&C 88:40). Portanto, quanto mais inteligente eu me tornar, mais atraído pela inteligência vou me sentir. E, como não há em todo o Universo ser mais inteligente que nosso Pai Celestial nem obra mais inteligente que a da Criação, isso explica meu instintivo apego a Ele e às Suas obras.

Mas essa é só parte da explicação do racional de minha fé. É preciso algo mais. Esse ingrediente especial surgiu quando comecei a agir de acordo com minha fé para saber Dele Sua opinião sobre certas coisas. Como nunca neguei a Ele o direito de Se expressar — com posturas soberbas ou presunçosas como a de que já sei o suficiente, ou Ele não fala, ou Ele não existe — e fui atrás de respostas por meio do estudo e da fé, obtive como magnífica recompensa Suas frequentes, confortadoras e orientadoras manifestações a mim. Em outras palavras, fui capaz de desenvolver um relacionamento íntimo e pessoal com nosso Pai. Tenho uma experiência pessoal e quase tangível com Ele. Não há como duvidar dessa relação de causa e efeito, tão bem explicada pelas leis da Física. Isso explica a rígida solidez de meu testemunho sobre Ele e sobre tudo que diz respeito à Sua obra.

Eis aí o racional de minha fé e o porquê não é fideísmo.

Convido o leitor a assistir abaixo a parte final da interessante entrevista do arqueólogo Rodrigo Pereira da Silva e a se deixar levar por sua intrigante proposição. No mínimo, você poderá ter algo em que pensar nesta virada de ano. (Recomendo assistir também a entrevista completa pelo rico valor histórico e cultural dos artefatos arqueológicos que Rodrigo levou ao programa.)

Caso deseje algo mais em que pensar, assista também o video abaixo (apenas 4 minutos):

 

(Visited 30.260 times, 2 visits today)

Artigos relacionados:

Publicado em Diário pessoal com a(s) tag(s) , , , . Adicione o link permanente deste artigo a seus favoritos.

197 comentários em A fé é racional, senão não é fé, é fideísmo

  1. Jeff Beck disse:

    Sensacional a maneira como ele o Rodrigo Silva se comportou ! Como um cristão, ele o Rodrigo sendo um homem de uma mente brilhante não deixou se levar pelas ironias e deboches num tom sutil mas negro de jô . Como a Bíblia diz : combater o mal com o bem .
    Fé !se tenho fé hoje em Deus e por que penso e raciocínio. Como iria saber o que é ter fé se não pensasse a respeito de tal .
    Por ex; um ateu ( acredita ) que tudo foi feito a partir de uma explosão. ..
    Agora raciocine comigo ‘acredito nisso exige ter muita fé.
    Logo prefiro eu pensar , raciocinar e ter fé que Deus criou tudo .

  2. Karina VASCONCELLOS disse:

    Muito bom fiz a mesma coisa achei seu artigo muito obrigada pelo esclarecimento !!!

  3. Tão curioso quanto interessante. Hoje 25 de junho de 2017,em plena madrugada, assistindo a mesma entrevista parei o vídeo no exato ponto em que você parou e fiz a mesma pesquisa chegando a mesma conclusão que você, não sou fideista.
    Depois disso encontrei nessa sua matéria.
    Agora finalizarei meu video.

  4. Elvio Arruda disse:

    A ciência sabe perfeitamente que tudo é fundamentado em Leis, a ciência e os cientistas não inventam leis, nem criam suas funções. O cientista Max Planck, cita. O cientista precisa de muita fé. Penso que misturam o conceito (vezes até a tradução do espanhol para o nosso idioma que não é bem português, é difícil), Há sim a verdadeira fé que Jesus pregou: O caminhar, o buscar, a reflexão (o caminhar da mente). Infelizmente muita gente pensa e prega que fé é apenas acreditar e aceitar, doutrinar. Quanto eu tiro conclusões definitivas sobre o não sei é apenas anulação do pensamento e “seita” – a seita do crer e do não crer.

  5. Wesley José Santos disse:

    Exemplo da possível racionalidade da fé: Observe o universo, e a forma como ele funciona. Existem leis que foram aparentemente formuladas, ou modeladas que regem tudo aquilo presente nele. É plausível presumir que essas leis seguem linhas de raciocínio, e apresentam padrões que aparentemente foram frutos de uma mente pensante. A harmonia dessas leis jamais poderiam ser fruto de mera casualidade. A crença em um ser, entidade ou energia, responsável por materializar o universo, pode não ser de cunho irracional. A fé pode então se tratar da abstração de um pensamento racional, sobe um aspecto ou fenômeno não comprovado fisicamente. Ou seja, fé não é coisa de idiota.

  6. THIAGO BRASIL disse:

    Fantástico o artigo! Como é maravilhoso saber que não sou fideísta!

  7. ROOSEVELT ALVES MOUSINHO JUNIOR disse:

    O Jô Soares é um ótimo comediante mas não passa disso. Ele não pode de forma alguma ser levado a sério. E eu ainda acho que o Arqueólogo pegou muito leve e foi muito elegante ao dizer que essa afirmação é fideísmo. O que mais me entristece é saber que milhares de pessoas que assistem essa entrevista, assim como o Jô, não fazem a menor ideia do que realmente significam conceitos como fé, razão, raciocinalidade. E as entendem simplesmente como conceitos pejorativos. Dizer que fé não é racional é de uma idiotice absurda.

    Ora, somos seres racionais, ou será que alguém tem duvida disso? Raciocinamos, pensamos, analisamos praticamento o tempo todo usando a nossa bendita razão. E graças a essas faculdades cognitivas podemos ter fé. Como é que se tem fé se não for através da razão? Não existe um botão que desliga o meu cérebro e eu deixo de raciocinar na hora que estou rezando. Eu tenho fé graças a minha razão. Alguns tem mais fé, outros tem menos fé. Mas se pra ter fé eu dependo do meu cérebro, da minha mente, da minha razão como é que ter fé é algo irracional? Por um acaso eu tenho fé com meu pé ou com meu braço? Santa Paciência!! Se a fé não é racional ela seria o que? Como se tem fé sem usar a razão, sem pensar. O ser humano é uma único ser que tem fé pq é o único ser racional.

  8. Claudemir Motta disse:

    Olá, tudo bem?

    Admiro muito as pessoas que tem fé.
    Sempre achei e continuo achando que preciso aumentar minha fé.
    Mas isso é possível?
    Existe fé pequena e fé grande, ou a pessoa tem ou nao tem fé?

    • Marcelo Todaro disse:

      Oi, Claudemir.

      A fé é um dom espiritual. Como qualquer dom (como tocar música, por exemplo), pode ser desenvolvido. Isso se dá por meio do mesmo princípio que o faz ir a uma academia para fortalecer os músculos. Ou seja, assim como o corpo pode ser fortalecido com exercício físico, a fé pode ser fortalecida com exercício espiritual.

      Acredito que esta leitura poderá ajudá-lo a compreender melhor o assunto.

      Espero ter ajudado.

      Um abraço!

  9. Paulo Kurdian disse:

    Eu gosto muito dessa definição. A fé é a clareza da certeza.

  10. Marcio Castro disse:

    “A reação de rendida surpresa de Jô atiçou minha curiosidade sobre o termo do qual eu nunca havia ouvido falar. Imediatamente parei o vídeo da entrevista para procurar o significado de fideísmo.”
    Foi exatamente por isso que eu vim parar aqui!

    • Marcelo Todaro disse:

      Que coincidência, Márcio. 🙂

      Um abraço!

    • Se me explicar com palavras humanas o que é fé, ai sim vou admitir que ela e racional.
      Fé não se explica se vive!!!

      • Marcelo Todaro disse:

        Oi, João.

        Como assim, “fé não se explica”? Você não tem explicação racional para suas atitudes? Age meramente por instinto, como os animais?

        Vou responder desafiando você a fazer o contrário: se acha que a fé não é racional, ou se a sua não é, então explique por que sua fé não é fideísmo. Será que consegue? 😉

        Aparentemente você não leu o artigo, ou não o entendeu, não é?

        A afirmação de que a fé é racional foi dada por alguém que você, como evangélico que é, pelo menos em tese deveria reverenciar: um dos maiores teólogos da atualidade.

        Se nem isso o convence, pense no seguinte: fé é um princípio de ação e poder que motiva nossas atividades diárias. Por exemplo, será que estudaríamos e aprenderíamos se não acreditássemos que poderíamos adquirir sabedoria e conhecimento? Será que trabalharíamos todos os dias se não tivéssemos esperança de que, ao fazê-lo, alcançaríamos algum resultado? Será que um lavrador plantaria se não esperasse colher? Todos os dias agimos com base naquilo que esperamos alcançar, uma vez que não podemos ver o resultado final. Isso é fé.

        Fé não é simplesmente crer em Deus. É muito mais que isso. Não foi Tiago que disse que a fé sem obras é morta e não salva ninguém (Tiago 2:14-17)? Se a fé fosse meramente crer, por que seria preciso ser acompanhada de obras? Eis aí o racional da fé: agir sem saber o resultado, na esperança de conseguir o que quer.

        Minha fé é racional porque não creio por crer, meramente. Ela é alimentada por uma relação de causa e efeito (e isso é bem racional). Ninguém precisa deixar a inteligência de lado para ter fé — e eu seguramente não deixei a minha. Eu planto com fé e colho resultados, o que só alimenta minha fé, que só traz mais resultados, e assim por diante. Nada mais racional.

        Espero ter ajudado.

        Um abraço!

      • Leda disse:

        Sim, vou explicar, fé é acreditar, qualquer ato de acreditar em qualquer coisa, simples assim. Agora o texto ao qual vc se refere está falado em fé (acreditar) em fatos que não vemos, ex: mundo espiritual, que ele existe, e a certeza de coisas que se esperam (acreditar que Deus concederá nosso pedido em oração, pq assim Jesus nos ensinou). O que seria fé além disso? A fé é racional, ou seja, temos que entender. Jesus nos ensinou isso: “amar a Deus de td coração e entendimento (raciocínio), ou seja, acreditar no que não se tem certeza é irracional, não acha?

  11. Gilvan Alves Anastácio disse:

    Sempre ouvi dizer que Deus é amor puro e perdão eterno. Mas li recentemente Levítico 26 (do meio pro fim, inclusive) e fiquei arerrorizado! Alguém poderia me explicar com argumentos lógicos que virtude há naquelas ameaças de Deus contra quem simplesmente não o adora, ajoelhado aos seus pés?
    Obrigado!

    • Marcelo Todaro disse:

      Oi, Gilvan.

      Deus é amoroso e compassivo, sim, mas, embora Seu amor seja incondicional, Seu perdão não é. Senão seria uma beleza, né? Todo mundo poderia pintar e bordar à vontade, depois seria perdoado e ficaria tudo bem. Num cenário desses, de que adiantaria obedecer aos mandamentos de Deus se quem os desobedece recebe as mesmas recompensas? Isso não seria coisa de um Deus justo.

      Felizmente, não é assim que funciona.

      A primeira coisa que precisamos ter em mente ao ler aqueles versículos é que não podemos cometer o erro do anacronismo, ou seja, atribuir a uma época ou a um personagem ideias e sentimentos que são de outra época.

      Aquelas palavras, ditas com aquele grau de rigor e severidade, foram dirigidas ao povo de Israel e a ele somente. Isso porque os israelitas daquela época eram um osso duro de roer. Falando no popular: eram tapados mesmo! Custavam para entender as coisas e geralmente era necessário usar palavras duras e advertências chocantes para que entendessem. E nem sempre funcionava.

      Hoje em dia o Senhor Se dirige ao seu povo usando palavras bem mais brandas. Ele chega mesmo a bater papo conosco. Por exemplo, ao esclarecer alguns eventos espirituais que ocorriam entre os primeiros membros da Igreja da era moderna, Ele disse:

      E agora vinde, diz o Senhor, pelo Espírito, aos élderes de sua igreja; e juntos arrazoemos para que compreendais; Arrazoemos assim como um homem arrazoa com outro, face a face. Ora, quando um homem arrazoa, é compreendido pelo homem, porque arrazoa como um homem; assim também eu, o Senhor, arrazoarei convosco para que compreendais. (D&C 50:10-12)

      Se Ele tivesse sido mansinho assim ao se dirigir aos antigos israelitas para adverti-los e discipliná-los, provavelmente não teria obtido resultado algum.

      Além do mais, é preciso ter em mente também que, ao ter dito aos israelitas coisas como “comereis a carne de vossos filhos e a carne de vossas filhas comereis” (Levítico 26:29), Ele não quis dizer que Ele próprio infligiria esse flagelo ao povo. Ao invés, advertia-o de que, se se tornasse rebelde e iníquo, o povo deixaria de ser protegido e favorecido, o que implicaria em consequências como guerras, doenças e fome que eles próprios atrairiam sobre si.

      O Senhor definiu tão claramente as alternativas que se achavam ao alcance de Israel que não poderia haver qualquer equívoco. Se os israelitas fossem obedientes, seriam abençoados com fartura, segurança, paz e proteção contra seus inimigos: “A minha alma de vós não se enfadará. E andarei no meio de vós, e eu vos serei por Deus, e vós me sereis por povo.” (versículos 11-12). Tais promessas poderiam ser resumidas numa única palavra: bênção. Caso Israel fosse obediente, alcançaria a condição de Sião.

      Mas se se recusasse a ouvir, as bênçãos seriam retiradas, sobrevindo em seu lugar aflição, penúria, guerra, enfermidade, exílio, tragédia e total abandono, tudo isso como consequência do fato de terem se afastado do Senhor e deixado de receber Seu cuidado e intervenção, e não porque Ele estivesse sendo rancoroso e vingativo.

      Quando fazemos as coisas à maneira de Deus, somos abençoados e favorecidos por Ele. Quando não, estamos entregues à própria sorte. Como Ele mesmo disse:

      “Eu, o Senhor, estou obrigado quando fazeis o que eu digo; mas quando não o fazeis, não tendes promessa alguma.” (D&C 82:10)

      Esclarecido? 😉

      Um abraço!

      • Reinaldo disse:

        O problema das religiões é que cada um diz uma coisa. E isso torna a religião irracional. Tudo se torna uma questão de ponto de vista. Se Deus é eternamente misericordioso então a tudo perdoa. Do contrário….não seria uma eterna misericórdia. Mas cada um fala uma coisa. E aí temos uma salada de frutas batida no liquidificador onde fica impossível distinguir banana de maçã, laranja de goiaba etc…. fui

        • Marcelo Todaro disse:

          Olá, Reinado.

          Não é verdade que Deus perdoa tudo. Segundo as escrituras, há dois pecados que Ele não pode perdoar: o assassinato (D&C 42:18) e a blasfêmia contra o Espírito Santo (Marcos 3:29, Alma 39:6).

          Os demais pecados Ele pode perdoar, mas Seu perdão não é incondicional. Está condicionado ao arrependimento sincero e ao abandono do pecado. Todas as pessoas responsáveis por suas ações pecam e precisam arrepender-se para progredir rumo à salvação. Somente pela Expiação de Jesus Cristo pode o nosso arrependimento ser eficaz e aceito por Deus.

          Um abraço!

        • Jeferson Santos disse:

          Reinaldo…eterna misericórdia não quer dizer que perdoa tudo, é porque através da morte de Jesus Cristo (plano eterno de salvação) todos podem ter acesso à vida eterna (misericórdia eterna) e essa misericórdia é realmente imensa, pois se formos pensar em tudo o que acontece no dia-a-dia (pais matam filhos, filhos matam pais, guerras, corrupção, prostituição) já podíamos ter sido eliminados como Sodoma e Gomorra, mas a misericórdia de Deus é que ainda nos sustenta vivos.
          “As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim;”
          Lamentações 3:22

    • DPM57 disse:

      Eu discordo do Marcelo Todaro.

      O deus que você viu em Levitico 26 é Jeová o deus das trevas. II Cr 6:1. Jeová “mora na escuridão”.
      Sl 18:11.Fez das trevas o seu lugar oculto; o pavilhão que o cercava era a escuridão das águas e as nuvens dos céus;
      Am 3:6. O profeta desesperado declara: Sucederá algum mau a cidade que não venha de Jeová;

      Jeová é um deus que se ira a todo instante e sua vingança nunca acaba.
      Veja o capitulo todo de 2Samuel 24. Jeová incita Davi a contar o povo para lhe fazer o mau. Davi obedece Jeová e coloca seu plano em pratica. Quando tudo esta pronto, Jeová tira do coração de Davi a vontade de fazer o mal, então Davi se arrepende, pois não sabia que aquele desejo mau vinha de Jeová, achava que veio dele. Dai Jeová o coloca na parede e o faz escolher entre três castigos. No final, o anjo de Jeová mata 70 mil pessoas. No fim, a ira de Jeova só acaba quando Davi faz uma macumba, digo, um holocausto.

      Você sendo um homem sincero percebeu a grande diferença entre o amor e o perdão que Jesus pregou com essa passagem antagônica de Levítico. Existem centenas de passagens bíblicas onde Jeová mostra que é o diabo, onde ele ordena matar crianças, permite a pedofilia, escravidão sexual etc.

      As religiões que vc conhece, provavelmente são judaico cristãs que nasceram em roma no seculo 2. Ali misturaram o judaismo com o cristianismo.

      Se fossemos somente Cristãos, nunca misturaríamos Jeová com o Pai (Abba) que Jesus veio nos apresentar. Jesus nos apresentou o verdadeiro Deus que nunca ninguem tinha visto ou ouvido falar. Veja:

      Joao1:18 Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou.

      Mas Jeová foi visto e ouvido muitas vezes por muitas pessoas.
      Porquanto no terceiro dia Jeová descerá DIANTE DOS OLHOS de todo o povo sobre o Monte Sinai; Ex 19:11. E o sonido da buzina ia crescendo cada vez mais; Moisés falava, e Jeová lhe respondia em voz alta; Ex 19:17-20 / Ex 19:17-20. E Jeová apareceu a Abraão, Isaque e Jacó; Ex 6:3. Jeová disse a Moisés que só veria pelas costas, então Moisés viu a forma de Jeová; Ex 33:22. E subiram Moisés… e VIRAM o deus de Israel, e debaixo de seus pés havia como que uma pavimentação de pedra de safira, que se parecia com o céu na sua claridade. Moisés e 70 anciões de Israel viram Jeová, e comeram e beberam; Ex 24:9-11. Moisés via a forma, a semelhança, e a face de Jeová.

      Isaías viu Jeová assentado no trono; Is 6:1.
      Falava Jeová a Moisés face a face; Ex 33:11.
      Boca a boca falava, claramente e não por enigmas; pois ele vê a semelhança de Jeová; Nm 12:8.
      O profeta viu Jeová assentado no trono rodeado de anjos tramando pra matar Acabe; I Reis 22:19.

      Sendo, pois, Abraão da idade de 99 anos, APARECEU Jeová com mais dois Elohins e eles estavam materializados; Gn 17:1 /12 / 18:1-2. Jeová aproveitou a viagem e passou na tenda de Abraão para fazer falsas promessas. Sara e seu moço que preparou o lanche, viram Jeová e dois anjos encarados debaixo de uma arvore; Gn 19:1 /22.

      De acordo com a minha fé, Jesus, o Pai e o Espirito Santo são um em essência, atitude. E Jesus veio para nos libertar do falso deus jeová, impostor, usurpador, tirando de nós o pecado imputado de Adão e o peso da lei que nada mais era do que o ministério da morte.
      Jesus fez uma nova aliança, o amor. Jesus pisou na lei, transgrediu de diversas formas, chamou jeová de diabo, de homicida, de mentiroso e de pai da mentira. JOAO 8:44

      Após ser morto e ressuscitar, Jesus enviou o consolador e nos promete vida eterna no reino dos ceus, coisa que nunca jeová prometeu, a não ser carnalidade e bens materiais.

      • Marcelo Todaro disse:

        Caríssimo “DPM57”,

        Para começar, o fato de você não se identificar não é um bom indicativo de sua índole e compromete sua credibilidade.

        Esse comprometimento fica ainda mais evidenciado no festival de interpretações equivocadas das escrituras que você desfilou em seu comentário. Não tenho tempo nem disposição para corrigir todas elas. Apenas digo-lhe que você está redondamente enganado a respeito de tudo o que disse e um dia saberá disso por si mesmo. Lamento não poder ajudá-lo agora a esclarecer essa confusão toda.

        Um abraço!

      • Jeferson Santos disse:

        Meu caro DPM57.. Não sei seu nome, mas você está equivocado nesta passagem de 2 Samuel 24, pois quem incitou Davi a numerar o povo foi um inimigo…Compare com o texto de 1 Crônicas 21 que é a mesma passagem. Quando li este texto tive a mesma dúvida, mas busquei resposta na própria palavra e obtive resposta…Precisamos buscar a palavra em seu idioma original pois algumas traduções nos fazem pensar coisas que não revelam a verdade sobre Deus. Abração!!

    • Leda disse:

      Hehehehehe Deus sempre foi amor e sempre será. Ele sempre nos avisa de antemão, Deus estabeleceu leis físicas no nosso mundo e no Dele, ex: vc pode pular do 10 andar de um prédio e sair ileso? Assim é com Deus: se desobedecê-Lo, é como dizer não à voz do amor e seguir a própria vontade cheia de engano. Se nós temos leis condicionais, imagina Deus? Ex: se vc for casado, aceitaria sua mulher com amante? Que seus filhos chamassem o outro homem de pai? Que vc, provendo td a eles, o que vc faria? Continuaria sustentando os filhos sem falar nada e querer nada em troca? Continuaria com sua mulher na boa? Sem irar-se? Pensa….

  12. Fernanda Argoud disse:

    Muito boa, muito abençoada e inspirada a sua reflexão, Marcelo Todaro!!! Sinto-me assim, tb! Busco a racionalidade dentro da fé, enquanto tento desenvolver uma intimidade cada vez maior com Nosso Pai Maravilhoso!

  13. Marco Antonio Felicio disse:

    Jô Soares é um mau exemplo, é anti-cristão. Tem um vídeo no Youtube em que ele afirma que Adão e Eva são mitos, fábulas, ou seja, nunca existiram!

    • Marcelo Todaro disse:

      Deixa ele. Quando os fatos lhe forem apresentados ele terá que reconhecer que se enganou.

      Espero que reconheça antes que seja tarde demais para fazer algo em favor de si mesmo.

    • Leonard disse:

      saci perere, papai noel, adao, amigunho imaginario, coelhinho da pascoa, eva, cuca, et de varginha, noe, bicho papao e etc….KKKKKKKKKKKKKKK

  14. Luanna disse:

    oi Marcelo, me lembro de ter assistido esse programa qdo passou na TV e tinha uma parte q o Rodrigo explicava sobre fé e fideismo q foi sensacional, so q essa parte nao esta nesse video q postou e eu tbm nao o encontro no youtube. vc sabe onde posso acha-lo? obrigada!

    • Marcelo Todaro disse:

      Oi, Luanna.

      Estou estranhando seu comentário, pois no video acima o Rodrigo explica isso, sim. Está aos 14:35″. Você consegue ver até esse ponto?

      • Luanna disse:

        Oi obrigada por responder! fiquei pesquisando aqui e ja sei oq aconteceu! Eu vi uma entrevista com ele no programa do Jo, mas foi mais antiga, calculei la pra 2003 mais ou menos. essa dai foi em 2010. acho q deve ter sido isso! Na outra ele aprofundou mais o tema…disse q a fé tinha q estar fundamentada em fatos conhecidos, ai o Jo perguntou sobre o centuriao que intercedeu a Jesus pelo seu servo…o Jo disse q ele nao conhecia Jesus e como ele teve tanta fé…. ai o Rodrigo explicou q ele nao conhecia, porem conhecia seus feitos e seus milagres…
        Enfim, obrigada de novo!
        Deus abençoe!

  15. CARLOS GERALDO SOBRAL DE MEDEIROS disse:

    A discussão sobre FIDEÍSMO abre duas possibilidades de entendimento: 1) a racionalização da Fé, argumentação anti-fideísta, elitiza -ou pode fazê-lo- o uso da razão a serviço do estudo de Deus e de Sua natureza, considerando apenas válidas as proposições de quem estiver preparado academicamente para tal, como filósofos, teólogos, etc. O contraponto é que Jesus manifestou-se aos iletrados, afirmando ser Sua Mensagem loucura para os sábios, ou seja, a Fé n’Ele era-nos bastante, intimando-os, naqueles tempos apostólicos a difundirem-na. É de se inferir, que eles compreenderem tudo o que deviam dizer e, principalmente fazer; 2) Por outro lado, a doutrina cobra-nos que creiamos na verdade revelada, verdade dogmática portanto, como substância da mesma, deixando subentendido o fideísmo como parte necessária de tal acreditação. Assim, o uso da razão, bem como sua não utilização encontram justificativas de aplicabilidades na dependência única e exclusiva da conveniência da argumentação? A Mensagem de Jesus afrontava o entendimento que os doutores da lei manifestavam sobre ela, acrescentando que o Seu Reino é tal, que apenas as crianças tinham a Ele livre acesso; a nós outros cabe nos tornar como elas! É, de fato, necessário tanto racionalismo para o entendimento e vivência da Mensagem de Jesus?

    • Sam Silvestre Morais disse:

      Quando Jesus se referiu a sermos como crianças, ele se referiu a situações como o saber perdoar, na pureza que uma criança tem e não necessariamente no conhecimento, pois o mesmo advertiu: sede simples como a pomba e prudentes como a serpente. O Fideísmo nunca foi mencionado nas escrituras como algo necessário, a bíblia fala de fé e não de fideísmo. Quando Cristo fala sobre a loucura da mensagem, ele fala de um raciocínio maior que os sacerdotes possuíam naquela época. Algo que hoje para nós é de fácil compreensão. A pregação é uma exposição racional dos acontecimentos e através da pregação do evangelho que alcançamos a graça de Deus.

  16. Jessica disse:

    Li a maioria dos comentários e algumas coisas me deixaram pensativa. Primeira é que conseguem criticar um livro pelo fato de que seres humanos cristãos o escreveram. Mas ai me pergunto: quem deveria escrever então? Peixes? Engraçado que quando alguém quer saber de algo, aonde vão procurar? Livros científicos? Quem os escreveu eles? Peixes ou humanos com suas vocações, estudos, vivência?

    Outra coisa, é sobre Deus mandar o homem pro inferno por não crer nele. Sinceramente, se vc, humano, construísse um lugar no qual trabalhou e gastou seu tempo dedicando-se a esse lugar, depois criou seres com os quais vc se preocupa em dar de comer e dar todo amor a eles e aí vem esse ser e diz pra ti palavras ofensivas e que não acredita em vc ou não gosta de nada que vc fez por ele, e simplesmente falaria pra todas as pessoas que acreditam nele que ele é uma coisa inventada. O que vc faria? Só que, como esse amor dele é perfeito, vai abraçar e mandar outras pessoas cuidarem desse ser pra explicar tudo e insistir por suas vidas, várias e várias vezes, e mesmo assim ainda não creem. Por quanto tempo vc conseguiria escutar tais palavras, tais blasfêmias? O que vc acha?

    Sinceramente, tenho pena, pena de não correrem atrás de algo tão sério, de algo que realmente pode mudar a vida de cada um deles. Provas? Quantas eles vão querer? Olhe ao redor e pense na vida solitárias que eles tem, olhe eles cercado de pessoas e nenhuma delas sabem se preocupar realmente. Sou evangelica e um dia me perguntaram da onde vinha minha confianca, minha felicidade, e como consigo não me preocupar com as coisas deste mundo, me perguntaram se isso era se sujeitar a se acomodar com o que a sociedade quer, ou dizem que esse Deus é comodismo. Sinceramente fiquei pensando seriamente sobre todas essas coisas, mas me lembrei de que nunca me senti sozinha, que quando tive problemas eu sentia que não estava sozinha, que quando estava triste eu pedia pra tirar a tristeza e meus lábios se encheram de sorriso, percebi que as coisas deste mundo são total futilidade, e pra que conquistar várias coisas sendo que não vou leva-las pra lugar nenhum? E vi que o que a sociedade quer é ter, ser, e poder. E eu vi que não fazia parte disso.

    Obrigada pela oportunidade, Deus o abençoe. E sinceramente, um conselho que dou: por mais que não saiba o que responder pros não crentes em Cristo Jesus, estude e os responda, pois cada semente plantada no coração se torna uma árvore de frutos valiosos. Tenho uma pessoa próxima a mim que é ateu e vejo o quanto sofre por isso, e oro pra que essa pessoa veja o qual suave e perfeito é nosso Deus, e tento sempre responder todas as perguntas, mesmo demorando as respostas. E eu sei como é estar cercado de perguntas que parecem impossíveis de responder, mas como disse, não responda de imediato, estude, ore, e responda.

    • Marcelo Todaro disse:

      Jéssica, você disse uma coisa valiosíssima:

      cada semente plantada no coração se torna uma árvore de frutos valiosos

      Eu mesmo sou testemunha disso. Um dia essa semente foi plantada em meu coração. Não germinou imediatamente, mas um dia germinou. Trinta anos depois estou aqui, prestando testemunho disso.

      Thomas S. Monson, atual presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, disse no discurso Permaneçam Firmes no Ofício que Lhes Foi Designado dado na Conferência Geral da Igreja de abril de 2003:

      “As sementes do testemunho frequentemente não se arraigam nem florescem imediatamente. Às vezes o que plantamos só dá frutos depois de muito tempo; mas sempre dá frutos.”

      Que o Senhor a abençoe também. 😉

  17. Carla disse:

    Parabéns pelo Post fé x fideismo, que Deus abençoe grandemente!

  18. Diego disse:

    Bom dia Marcelo, tudo na paz?
    Já que o espaço aqui é aberto e o nível da conversa está amigável, acho que seria seguro compartilhar minha opinião.
    Então vamos lá…..
    Acredito num criador, talvez não da mesma forma poética que os cristãos, judeus, muçulmanos, e outras religiões acreditem.
    Acredito que toda crença está atrelada a uma cultura e posição geográfica do praticante.
    O cristianismo (como religião organizada) é de origem europeia, portanto não é surpresa que todos os países colonizados por europeus sejam cristãos.
    Existem cristãos no oriente médio? Sim, mas não representam 5% da população.
    Apesar de existir, quando foi a última vez que você encontrou um praticante de hinduísmo no Brasil?
    Como também não consigo assimilar a teoria da evolução, escolhi acreditar num criador ou arquiteto do universo. Procuro ser uma pessoa boa dentro dos padrões de integridade e princípios estipulados pela sociedade.
    E assim vou vivendo….
    Abraço!

    • Marcelo Todaro disse:

      Olá, Diego.

      Obrigado por sua participação. Pelo uso da expressão “arquiteto do universo” deduzo que você é maçom, estou certo?

      Ser cristão é algo que me traz muita satisfação. Sou feliz e grato por isso.

      Um abraço!

  19. Marcelo Muricy disse:

    Boa noite!

    Marcelo Todaro,

    Deus continue usando a sua vida para nos abençoa, sinto-me encorajado para argumentar a respeito da minha convicção de Fé em Jesus Cristo.

    Fica na Paz do Senhor

  20. carlos disse:

    Não consegui pegar a diferença entre fé e fideismo , e não consigo ver lógica alguma do porquê vc crê baseado em seu texto é claro. Penso que é sim uma questão de fé acreditar na ressurreição. Penso , certeza não tenho nenhuma como bem disse o Jo , prefiro dar crédito a dúvida e acreditar em diversas possibilidades. O que vc fez é cravar uma verdade como absoluta , vejo isso como arrogância , mas é uma opinião pessoal e mais uma vez afirmo , não tenho a menor certeza , abraços.

    • Marcelo Todaro disse:

      Carlos disse:

      Não consegui pegar a diferença entre fé e fideismo , e não consigo ver lógica alguma do porquê vc crê baseado em seu texto é claro.

      Então vamos tentar novamente: segundo uma definição de fideísmo, é “doutrina religiosa que prega que as verdades metafísicas, morais e religiosas, como a existência de Deus, a justiça divina após a morte e a imortalidade, são inalcançáveis através da razão, e só serão compreendidas por intermédio da fé.”

      O que tento explicar no texto é que esse não é meu caso. Minha fé tem um racional bem definido, que é a comprovação tácita da existência de Deus. Já tive experiências em quantidade, conteúdo de relevância suficientes para saber disso. Então não preciso meramente crer por crer Nele, eu já sei que Ele existe e vive devido às já mencionadas comprovações tácitas que venho obtendo ao longo da vida.

      Eu nunca vi Deus nem Jesus, não O vi ressuscitar dos mortos nem realizar nenhum dos milagres descritos nas escrituras. Mas também nem preciso ver para crer. Há tanta coisa que sei que existe mesmo sem nunca tê-las visto…

      Creio que a imagem abaixo resume tudo o que quero dizer:

      Só que eu já passei da fase do mero sentir. Isso foi só o início. Estou num patamar bem mais adiantado.

      É claro que você não entendeu o que eu quis dizer. Mas um dia vai. 😉

      O que vc fez é cravar uma verdade como absoluta , vejo isso como arrogância

      Isso não me surpreende. Às vezes a convicção realmente parece arrogância. É um problema com o qual tenho me deparado desde sempre. Se você soubesse o que sei e se propusesse a prestar testemunho disso como me proponho, muito provavelmente enfrentaria o mesmo problema.

      Um abraço!

  21. Edi disse:

    Há cães espirituais neste mundo, ou seja, pessoas que simplesmente não apreciam o valor das coisas espirituais. Jesus disse que não se deve forçar o evangelho sobre tais pessoas. Por mais que queiramos guiar uma pessoa ao Senhor, não podemos obrigar ninguém a obedecer a Deus. Jesus usou uma linguagem mais clara para falar do mesmo assunto quando enviou os apóstolos para pregar: “Se alguém não vos receber, nem ouvir as vossas palavras, ao sairdes daquela casa ou daquela cidade, sacudi o pó dos vossos pés” (Mateus 10:14).

    Hoje em dia, precisamos fazer a mesma coisa quando ensinamos o evangelho. Para aqueles que estão famintos e sedentos de justiça, devemos dar todas as oportunidades para aprenderem a vontade de Deus. Mas aqueles que já mostraram sua falta de interesse nas coisas espirituais não devem e não podem ser forçados a obedecer. Admoestações constantes, mesmo bem intencionadas, não transformarão um cão em um cordeiro.

    Dennis Allan

  22. Karlyzian Gois disse:

    Deus não existe o que existiu foram profetas enviados por um ser que nunca deu o ar da graça.

    • Marcelo Todaro disse:

      Karlyzian, só porque VOCÊ nunca viu Deus não significa que ninguém nunca o tenha visto ou que Ele não exista. Senão teríamos que assumir a prerrogativa de que aquilo que você não vê não pode existir e, portanto, você só vê o que existe. Acha que está certo isso?

      Um abraço!

      • Karlyzian Gois disse:

        Não acho que estou certo, Ex. eu não vejo vírus nem uma bactérias e sei que existem. Agora não falo que estes criaram o Universo e tudo está contido nele. uma parte do oriente nem sabe da existência de Deus nem muito menos de Cristo (pois Jesus houveram vários). Entendo a importancia histórica da Bíblia e lá vejo ensinamentos fantásticos para vida prática porem acreditar em um ser superior (Deus ou outro nome dados ao grande criador) deu vida a tudo ai fica complicado. Você não acha que depositar tudo nessa conta não é um excelente refugio para nossos problemas existências?

        Abraço Forte e Parabéns pelos artigos e qualidade dos textos!!!

        • Marcelo Todaro disse:

          Você disse:

          Agora não falo que estes criaram o Universo e tudo está contido nele. uma parte do oriente nem sabe da existência de Deus nem muito menos de Cristo.

          Sim, e daí? O fato de haver quem não conheça seu Criador de forma alguma invalida Sua existência. Seria o mesmo que um cego de nascença negar a existência do sol só por nunca tê-lo visto.

          (pois Jesus houveram vários)

          Não sei a que você se refere. Jesus Cristo, Filho de Deus, o Salvador da humanidade, que ressuscitou dos mortos e nos oferece a chance de termos vida eterna e de sermos como Ele, há só um.

          Você não acha que depositar tudo nessa conta não é um excelente refugio para nossos problemas existências?

          Falando apenas por mim, não creio que eu tenha algum problema existencial. Sei muito bem quem sou, de onde vim e para onde posso e quero ir e como fazer para chegar lá. Esse conhecimento, aliás, obtive justamente com a ajuda de Deus. Problema existencial eu provavelmente teria sem a ajuda Dele.

          Obrigado por prestigiar meu blog.

          Um abraço!

          • Karlyzian Gois disse:

            É verdade não invalida sua existência nem a dos Deuses criados por eles para justificar a mesma criação do universo. Acredito que defende seu Deus como único e deve ignorar os outros Deuses, sei onde esta conversa termina, no velho mistério da fé. Jesus na época era um nome comum (filho de José) por isso Jesus tinha vários é o nome Cristo veio depois. Nasceu filho de José e depois recebeu esse titulo Cristo (ungido).
            Se não ofender pode me responder de onde o senhor veio e para onde pensa que pode e quer ir?

            Abraço!!!

            • Marcelo Todaro disse:

              Não vou responder porque senti um tom de provocação em suas palavras e não cairei nessa armadilha.

              Uma coisa é certa e você pode escrever para conferir depois: um dia todos saberemos quem tinha razão e para mim será um dia agradável e feliz, creia você nisso ou não. Espero que seja para você também.

              Um abraço!

              • Karlyzian Gois disse:

                Tem razão, tem um tom provocativo mesmo (mais não é armadilha, nem caçado eu sou). Respeito sua opinião e sua fé. apenas tenho opinião diferente e nada mais.

                Abraço e continue seu trabalho em defesa do que acredita, faz isso bem. (sem provocações agora fui sincero).

                • Marcelo Todaro disse:

                  Karlyzian, a diferença é que as coisas em que acredito não são meramente uma crença, algo em que escolhi acreditar por acreditar. Há muito já se foi a mera esperança de que essas coisas sejam verdadeiras. Agora eu SEI que são verdadeiras, tanto quanto sei que estou vivo. Justamente por isso é que defendo meu testemunho com tanto vigor, até minha última gota de sangue, se for preciso.

                  Sou filho de um Deus que me oferece a chance de me tornar como Ele é: um Deus também, tendo o mesmo poder e o mesmo conhecimento infinitos. Por que eu me contentaria com menos?

                  Detalhe: essa é a maior das recompensas que Ele oferece, mas está longe de ser a única. Muitas delas podemos receber já nesta vida mesmo. Falo por experiência própria.

                  Aqueles que não acreditam nisso terão a eternidade para se lamentarem pela chance que desperdiçaram de alcançar o mesmo privilégio. É só esperar para ver.

                  Como eu disse, para mim isso já não é mais uma mera esperança de que seja verdade: eu SEI que é. Não há rigorosamente nada que os céticos possam dizer ou fazer capaz de tirar de mim esse conhecimento. É baseado nele que dito meus passos e caminhos nesta vida visando conquistar a recompensa infinita prometida por meu Pai Celestial. Meu único lamento é ver tantos e tantos de meus irmãos desprezando essa oportunidade e julgando-a coisa sem valor. Um dia esses terão a chance de ver o que deixaram escorrer por entre os dedos — e a consciência de sua culpa e remorso será como um inferno em suas mentes.

                  Quem não acredita é só esperar pra ver. 😉

                  Um abraço!

          • Alessandro disse:

            Marcelo me desculpa meu intrometimento mas um cego não poderia negar a existência do sol pq ele não o ver pois ele o sente

        • Gel disse:

          Para provar a existência de Deus não precisamos procurar no passado, mas sim, no futuro. A Biblia está cheia de profecias para o fim dos tempos que podemos ver se cumprindo nos dias de hoje. Isso prova que a Biblia é a verdade (sem arrogância)

    • Dâmaris disse:

      Olá só porque nunca vimos a Deus não significa que ele não existe. Pense no seguinte: Você consegue ver o vento? Ninguém consegue. Mas dá pra ver as coisas que o vento faz. Podemos ver as folhas se mexendo quando o vento sopra entre os galhos das árvores. Por isso, acreditamos que o vento existe. Também podemos ver as coisas que Deus fez. Quando olhamos uma flor ou um pássaro, estamos vendo algo que Deus fez. As ondas elétricas nós vemos? Não, mas nós sabemos que existe devido ao que ela produz de resultado como ligar eletrodomésticos e assim por diante. As ondas sonoras nós vemos? Não, mas sabemos que existem por que podemos ouvir os seus efeitos. Só porque não vemos algo e a Deus não quer dizer que não existam. João 1:18 confirma que nunca ninguém viu a Deus e sabe porque? Êxodo 33: 20 responde: … porque homem algum pode ver-me e continuar vivo.Mas você também pode pensar: Se deus existe poque ele permite o sofrimento? Porque tantas coisas ruins acontecem? Se você quiser saber a resposta vá no site: http://www.jw.org lá você encontrará respostas. Espero ter ajudado um abraço!

  23. Pedrón disse:

    Olá pessoal também podemos encontrar a racionalidade no cristianismo apresentada nas Quinque Viae de São Tomás de Aquino: são 5 argumentos muito fortes, sendo 4 deles baseados na pura filosofia e escritos por Tomás de Aquino em plena Idade Média, onde era proibido o acesso a literaturas filosóficas greco-romanas por parte da Inquisição. Mesmo assim, Tomás de Aquino foi atrás desse material pois sabia que pela filosofia e pela razão ele conseguiria explicar a existência de Deus de um modo palpável. Sendo que alguns de seus principais argumentos são baseados na filosofia grega de Aristóteles que estuda o movimento e a causa: O argumento de que existe um ser que move e causa todas as coisas mas não é movido e nem causado. Pensemos assim ao olhar da cosmologia: Algumas coisas se movem e são causadas, mas algo para ser movido e causado necessita de alguém que o mova e o cause sendo que um infinito regresso de coisas que movam ou causem coisas seria impossível, portanto existe alguém que move e causa todas as coisas e não é movido nem causado por nada, sendo este a fonte de todo o movimento e causa. Ou seja: uma coisa tem que causar todas as outras, porque é impossível um infinito regresso de causadores. Essa “coisa” que move, muda e causa as coisas chama-se Deus.
    Espero ter dado uma luz! 🙂

    • Marcelo Todaro disse:

      Grato pela contribuição, Pedrón.

      • Pedrón disse:

        Opa estamos ai! Fé e Ciência precisam uma da outra pra sobreviver e coexistir, cada uma explica uma parte que complementa a outra, como acho que a ciência nunca conseguirá suprir o papel da fé diante da humanidade. Devemo-nos lembrar que figuras de peso na filosofia como René Descartes e Immanuel Kant acreditavam na existência de um Deus. Hoje esses dois filósofos são considerados os mais prestigiados da filosofia moderna. Existe de fato um certo conteúdo que nos separa dos macaquinhos e esse conteúdo está muito além da racionalidade, tendo em vista que a racionalidade também é um presente divino. É uma espécie de “luz”, uma espécie de amor que não se vê nos animais. Somos animais bons por natureza e pela graça de Deus evoluímos, aprendemos, amamos e vivemos; também nos socializamos nos unimos e aprendemos a viver numa comunidade, outro abismo que nos separa das animálias de Darwin. Não que eu abomine os Ateus, mas acho que o ateísmo é uma afirmação muito presunçosa e forte demais para ser afirmada. Hoje até mesmo na grande nata do mundo científico encontramos cientistas que acreditam em Deus, sendo que a grande maioria dos que não acreditam ou ainda não se convenceram preferem denominar-se agnósticos em vez de se render ao ateísmo. Deus escreve certo por linhas tortas, inclusive pelas cadeias de DNA.

        Enche-me de vida reler este texto: «O Senhor, teu Deus, está no meio de ti como poderoso salvador! Ele exulta de alegria por tua causa, pelo seu amor te renovará. Ele dança e grita de alegria por tua causa»

  24. Marcelo Todaro disse:

    O comentário do leitor José Filho (e-mail yoollei@h…) foi apagado por violar os termos do aviso sobre comentários. Ele pode tentar novamente se evitar palavrões, provocações, insultos, ironias e deboches e se dirigir a mim com a mesma educação e respeito com que certamente espera ser tratado por todos.

  25. George Luiz disse:

    É engraçado ver religiosos dizendo que ateus são arrogantes.Tendo os religiosos monoteístas como exemplo, quem dos dois 1- Acredita que o seu grupo é protegido 24h por dia pelo mestre de todas as galáxias, estrelas e planetas do universo? 2- Acredita que não há NENHUMA possibilidade da sua crença estar errada? 3- Acredita que é a luz do planeta Terra(nesse caso, para os cristãos)?

    Quanto as “provas” que vocês cristãos geralmente mostram sobre a ressurreição do seu mestre tem alguns detalhes que vocês deixam escapar.1 – O novo testamento foi escrito por cristãos;não há porque achar que eles iriam escrever algo de ruim ou negativo sobre a sua crença, muito pelo contrário.É nitidamente um livro parcial, digno de desconfiança de todas as pessoas que não são daquela crença.Coisas como “testemunhas” que foram descritas na bíblia só são levadas a sério por, vejam só, cristãos.

    Quanto a idéia de que se um grupo de pessoas está determinado a fazer tudo por um certa crença é a prova de que essa crença é verdadeira, podemos verificar com certa facilidade até, que os homens-bomba suicidas do islamismo estão comprovando que Alá existe hoje em dia…

    Só cristãos levam a sério a ressurreição do mestre de vocês.E aonde está escrito essa história?Vejam só:naquele livro que foi escrito por cristãos.Interessante né?

    • Marcelo Todaro disse:

      Interessante mesmo vai ser ver você diante de seu Mestre tendo que explicar a Ele por que optou por rejeitá-Lo. Aí quero ver você se dirigir a Ele com a mesma ironia e sarcasmo com que está se dirigindo a nós, julgando-se superior e esclarecido — e isso depois de ter lido o aviso para que não usasse de expedientes como ironias e provocações ao tecer seu comentário, razão pela qual eu poderia perfeitamente tê-lo apagado (talvez eu ainda o faça).

      Se não acredita que um dia terá que se prostrar perante Ele reconhecendo seu erro, então espere pra ver. Até lá, aproveite bem seu ceticismo, pois ele está com os dias contados.

      Novamente: não acredita? Então espere pra ver. 😉

      Pra você meditar:

      • Augusto disse:

        Não consigo entender um deus que supostamente me ama e que me conhece e sabe de todas as coisas (portanto já saberia como sou) pode me colocar no inferno pelo simples fato de não acreditar nele mesmo sabendo que minhas ações não merecem um lugar de tormento e agonia ETERNO, desculpe mas pra mim não faz sentido.

        Engraçado como vocês religiosos usam de ameaças pra tentar convencer as pessoas que é melhor acreditar no que você acredita mesmo sem nenhuma evidência

        “não acredita? Então espere pra ver”.

        • Marcelo Todaro disse:

          Augusto disse:

          Não consigo entender um deus que supostamente me ama e que me conhece e sabe de todas as coisas (portanto já saberia como sou) pode me colocar no inferno pelo simples fato de não acreditar nele mesmo sabendo que minhas ações não merecem um lugar de tormento e agonia ETERNO, desculpe mas pra mim não faz sentido.

          Nem pra mim, Augusto. Pra começar, onde foi que você viu escrito que eu disse (ou que alguém disse) que você iria para o inferno só por não crer em Deus? Não creio nisso, não concordo com isso.

          Não deixe seu preconceito impedi-lo de se informar melhor, Augusto. Pergunte mais e ataque menos.

          Engraçado como vocês religiosos usam de ameaças pra tentar convencer as pessoas que é melhor acreditar no que você acredita mesmo sem nenhuma evidência

          “não acredita? Então espere pra ver”.

          Não sei onde foi que você viu a tal “ameaça”. A única ameaça que reconheço ter dito é a de você poder vir a ter que reconhecer que está errado. Se é essa a “ameaça” a que se refere, tudo bem.

          Quanto à questão das evidências, não vou entrar no mérito dessa questão por ser um tópico espinhoso e controverso. Se houvesse consenso a respeito, o assunto não estaria desde sempre tão polarizado. Apenas tenha em mente isto: enquanto durar o período de nossa vida mortal, Deus é um Ser espiritual e como tal deve ser pesquisado e procurado. Quaisquer evidências de Sua existência devem ser buscadas no âmbito espiritual, no qual há uma abundância de evidências e provas.

          O problema para muitos ateus é que é muito difícil encontrar um argumento que os convença basicamente porque eles não querem ser convencidos. Geralmente se acham iluminados e esclarecidos demais para abrir a mente e o coração a essa possibilidade e o contrário disso seria se tornar um idiota. Não vão se sujeitar a essa “humilhação” a menos que a vida os obrigue. Então usam a desculpa da “falta de evidências” para deixar tudo como está. Isso é mais conveniente do que descobrirem-se enganados e terem que mudar algumas crenças e dogmas em decorrência disso.

          Obter provas da existência de Deus custa um preço (não material, diga-se de passagem) que muitos não estão dispostos a pagar. Mas os que estão, conseguem. Qualquer um pode, basta querer.

          De qualquer forma, dia virá (e isto não é nenhuma “ameaça”, por favor!) em que TODOS, indistintamente, serão confrontados com seus acertos e erros. Seremos conduzidos a esse escrutínio por Deus, pessoalmente. Então, os que achavam que Ele não existe serão forçados a confessar-se errados.

          Novamente: não acredita? Então espere pra ver. 🙂

        • Fabiana Machado disse:

          Augusto querido irmão queria que você soubesse o significado da palavra inferno e depois voltasse no que escreveu. Deus é tão bondoso que jamais deixaria alguém sofrendo eternamente. Por isso volto a te dizer para buscar o significado da palavra inferno no original.

          Fique com Jesus e que o Espírito Santo possa te esclarecer o que necessitas.

      • George Luiz disse:

        As ameaças de sua crença meu caro, só funcionam com as pessoas da sua crença.A velha história de que “quando você morrer você vai ver”, só funciona com vocês.

        Espero que no futuro, as pessoas sejam dependentes emocionais de crenças que não tragam consigo tanto machismo, anti-homossexualismo e preconceito contra todas as outras crenças, como as religiões abraãmicas trazem.

        • Marcelo Todaro disse:

          Você disse:

          As ameaças de sua crença meu caro, só funcionam com as pessoas da sua crença.A velha história de que “quando você morrer você vai ver”, só funciona com vocês.

          Isso é o que veremos. 😉

    • Diones disse:

      Infelizmente seus olhos ainda não foram abertos.
      A mentira tem pernas curtas e não subsistiria tanto tempo (cerca de 2000 anos).

    • Oliveira disse:

      O novo testamento foi escrito por cristãos;

      Claro que não filhão. O NT foi escrito por judeus convertidos ao cristianismo.

      não há porque achar que eles iriam escrever algo de ruim ou negativo sobre a sua crença, muito pelo contrário.

      De onde vc tirou isso? Veja bem: J-U-D-E-U-S convertidos escreveram o NT. A crença na ressurreição de Cristo tinha de tudo, mas de tudo mesmo para não florescer naquele ambiente.

      É nitidamente um livro parcial, digno de desconfiança de todas as pessoas que não são daquela crença.

      Discordo completamente. O NT deve ser lido como qualquer outro. Se vc quer verificar o valor de veracidade dele, vc precisa analisá-lo por evidências históricas.

      Coisas como “testemunhas” que foram descritas na bíblia só são levadas a sério por, vejam só, cristãos.

      Se só cristãos levassem a sério as testemunhas oculares de Cristo, Flávio Josefo (historiador judeu, NÃO-CRISTÃO) e estudiosos do NT não-cristãos não afirmariam o contrário.

      É… vc perdeu a chance de ficar calado.

      • Marcelo Todaro disse:

        O comentário do leitor George Luiz (e-mail glallemos@g…) em resposta ao leitor acima foi apagado por violar os termos do aviso sobre comentários. Ele pode tentar novamente se evitar agressividade, provocações, insultos, ironias e deboches e se dirigir a seu semelhante com a mesma educação e respeito com que certamente espera ser tratado por todos.

  26. Marcelo Todaro disse:

    O comentário do leitor Johannes (e-mail concludingpostscript@g…) foi apagado por violar os termos do aviso sobre comentários. Ele pode tentar novamente se evitar agressividade, provocações, insultos, ironias e deboches e se dirigir a mim com a mesma educação e respeito com que certamente espera ser tratado por todos.

  27. oliveira disse:

    Palavra para o ateu que quer ver Deus para acreditar que Ele existe : Se olhe no espelho. Vc é imagem e semelhança D’Ele. Respire, essa ar que te dá vida veio direto d’Ele, sua pessoa sendo formada no ventre da sua mãe formação de ossos e tudo o mais é pelo poder d’Dele, ou seja só de te ver eu sei que Ele existe. Não procure no exterior alguém que está no seu interior, somente busque colocá-Lo onde Ele deve estar, que é dentro de vc. Somente chame-O para morar em vc e a cada dia vc terá mais e mais percepção d’Ele em vc. E um dia desses vc dirá Deus existe e mora em mim!!!

    • Marcelo Todaro disse:

      Oliveira, você e eu entendemos e aceitamos esse argumento, mas um ateu não. É muito difícil encontrar um argumento que o convença basicamente porque ele não quer ser convencido. Geralmente os ateus se acham iluminados e esclarecidos demais para abrir a mente e o coração a essa possibilidade e o contrário disso seria se tornar um idiota. Não vão se sujeitar a essa “humilhação” a menos que a vida os obrigue.

      Tenho um amigo agnóstico, sobre quem falo neste artigo, que certa vez me disse que, se um dia acontecer de ter que se colocar diante de Deus e for forçado a reconhecer seu erro, assumirá alegremente as amargas consequências eternas de sua tola teimosia. É claro que ele não tem noção alguma do que está dizendo e, por isso, não creio que nosso Pai Celestial não fará com que, por meio das experiências de sua vida (muitas delas sofridas e dolorosas), ele tenha a chance de mudar de ideia antes que não haja mais tempo para fazê-lo. Ainda assim, o Pai respeitará a escolha dele se nem assim ele se convencer. Receio que com muitos ateus ocorrerá o mesmo.

      Palavras são fúteis, Oliveira. Mas dor e sofrimento não. Como eu tantas vezes disse ao meu amigo, “quem não aprende pelo amor, aprende pela dor”. E assim será.

      • AninhaTriste disse:

        Você ja tentou se colocar do outro lado? ja parou pra pensar que vcs crentes tb não querem ser convencidos do contrário? Vcs tem medo de se quer pensar na ideia de não existência de deus tem medo de serem castigados de alguma forma.

        • Marcelo Todaro disse:

          Aninha Triste,

          Então você está querendo insinuar que um dia posso descobrir que estou errado? Bem, tenho uma notícia pra você: a probabilidade de que isso aconteça é igual à de que eu descubra que não estou vivo neste momento, ou seja, zero!

          Isso por um motivo bem simples: sei que Deus existe porque tenho um relacionamento íntimo e pessoal com Ele. E, antes que você diga ou pense alguma bobagem, não é um mero crer ou desejo de acreditar: eu realmente SEI que Ele existe. E você jamais poderá dizer que não sei, ou que não tenho com Ele o relacionamento íntimo e pessoal que afirmo ter. O fato de você eventualmente duvidar disso não significa rigorosamente NADA diante da realidade de minha comprovação empírica de Sua existência, pois felizmente não dependo do racionalismo humano falível e limitado dos ateus para validar meu conhecimento espiritual.

          Não há rigorosamente nada que você diga ou faça capaz de me fazer duvidar do que sei por conhecimento tácito. E o fato de você não ser capaz de comprovar a existência Dele por si mesma não significa que ninguém mais seja.

          A dúvida é sua, Aninha Triste. Não minha. A tentativa de incutir em mim uma dúvida que é sua chega a ser engraçada. 😉

          Portanto, é por meu conhecimento tácito de Deus que sei que, de um modo ou de outro, por bem ou por mal, dia virá em que os ateus serão obrigados a reconhecer seu erro. Então serão convencidos pelos fatos quando lhes forem apresentados. E não importa se não acreditam nisso, o prejuízo que seu ceticismo lhes tará é problema de vocês, não meu.

          Não acredita? Então espere pra ver! 😉

      • Filipe disse:

        Conheço alguns ateus que certa feita amavam e tinham um relacionamento íntimo com Deus tanto quanto você. Você não acha que é prepotência e antecipação demais da sua parte insinuar que as pessoas que não acreditam Nele o são por “falta” de experiência com Ele?

        • Marcelo Todaro disse:

          Filipe, você escreveu seu comentário em resposta a um comentário meu que acabei de reler e reler de novo sem que eu tenha encontrado nele nenhuma evidência de ter dito algo como que o ceticismo de alguns decorre de “falta de experiência com Ele”. Eu nem poderia ter dito tal coisa, pois não concordo com isso e não creio nisso. Sei bem que alguns apostatam da fé após terem-na experimentado em grande medida, bem como outros nunca tiveram fé alguma, e em ambos os casos o resultado é o mesmo.

          Portanto, concordo que afirmar aquilo teria sido prepotência e antecipação demais de minha parte caso eu realmente o tivesse feito. 😉

          Um abraço!

    • silvio disse:

      Interessante que a formação uterina é comum a quase todos os mamíferos, (alguns botam ovo, outros tem bolsas), não há distinção alguma no processo desde a fecundação até o parto e obviamente a amamentação;
      Se você quer dizer que o poder de Deus, é o fato de como as células se dividem e se arranjam, ok. É até uma forma poética de imaginar todo esse processo. Mesmo porque algumas coisas dão errado, ou genes que estavam inativos, são ativados por algum erro na copia do dna ou interferências químicas e nucleares. Não é concebível falhas nesse processo se realmente fosse coordenador por um ser sobrenatural onisciente. Mas se não fossem essas “falhas” não haveria tanta diversidade de especies, para lá de 10.000.000; Fora as que já foram extintas.
      O fato de você achar que Deus está dentro de você é apenas uma forma de compreender a vida de forma simples e pratica. Não que na hora de estudar tudo isso e criar tratamentos genéticos com finalidade de curar doenças herdadas (que são muitas e graves) não terá que pedir licença para corrigir algumas cagadas de Deus.
      Quando eu olho para você vejo a maravilha da natureza se desenvolvendo e evoluindo a partir de leis muito simples. Não há sentido em acreditar em Deus para explicar o que nós somos. Ele só serve para você não se sentir um animal irracional (complexo) e findável.
      “O homem não sabe mais que os outros animais; sabe menos. Eles sabem o que precisam saber. Nós não.” F.Pessoa.
      Isso é humildade!

      • Marcelo Todaro disse:

        Viu o que eu disse, Oliveira? 😉

        • oliveira disse:

          Realmente essa questão é delicada apenas citei sobre a formação dos ossos no ventre e citaram dna e tal, da mesma forma que teístas (muitos) não se tornam ateus,pois não duvido que alguém deixe de crêr em Deus por alguma razão particular, compreendo que os ateus não se tornarão crentes em Deus por palavras apenas.
          Acho somente que essa teoria é muito fraca diante da vida. Pois para os ateus, tudo pelo que lutam nessa vida, tudo pelo que dão importância tudo pelo que pode até chegarem a dar a vida se dissipa (na visão deles) diante da morte. Afastar Deus por questões lógicas, e procurar sentido racional em tudo deixa a vida meio que sem sentido e tosca, Deus nunca faz cagadas nem erra, Ele é sempiterno, a sabedoria, o soberano, nós é que precisamos d’Ele não Ele de nós, porque quer acreditemos ou não Ele É, o que É: O Eterno.
          Penso eu que se quisermos acreditar que Ele não existe, temos o livre arbítrio pra isso, Ele mesmo nos deixa entregues a essa crença que a cada dia crescerá como raízes em nosso ser e pensamento.
          Cagadas faz o ser humano que enche o nariz de drogas a vida inteira e depois pode ter a possibilidade de ter um filho com problemas no dna ou outra falhas geneticas , há outras coisas que nos expomos e que podem causar falhas em nossas células e a gente nem ficar sabendo que foi algo a que nos expomos que causou tal problema que pode se tornar até hereditario. A vida é bem melhor quando se crê em Deus, pois Ele é o Autor da vida, acreditemos ou não essa é a verdade.

      • Jeferson Santos disse:

        Silvio, você mesmo respondeu que Deus é perfeito..até quando os genes estavam inativos por algum erro eles se ativam..eram inativos e viraram ativos? Porque será??

    • Olá Oliveira,Realmente as pessoas daquela época viram a ressureição de cristo,aliás naquela época acontecia de tudo que era evento metafisico, temos o ex: de maomé que ele recebeu do anjo gabrie Os muçulmanos acreditam que em 610 D.c, quando Maomé tinha quarenta anos, enquanto realizava um desses retiros espirituais numa das cavernas do Monte Hira, foi visitado pelo anjo Gabriel que lhe ordenou que recitasse uns versos enviados por Deus, e comunicou que Deus o havia escolhido como o último profeta enviado à humanidade. Maomé deu ouvidos à mensagem do anjo e, após sua morte, estes versos foram reunidos e integrados no Alcorão, durante o califado de Abu Bakr.lNão é considerado pelos muçulmanos como um ser divino, mas sim, um ser humano; contudo, entre os fiéis, ele é visto como um dos mais perfeitos seres humanos.e isso só dele eu poderia aqui falar de muitas outras estórias contadas antes durante e depoisde cristo,mas creio que se vc tiver um pouco de tempo irá ver isso nos livros de histórias antigas.Eu entendi o que vc e seus amigos estão dizendo sobre fé diferente de fideismo,vcs tem fé pois expressam , pregam e ensinam a verdade,enquanto outras religiões são apenas fideístas,pois não pregam e nem ensinam a verdade! enem conseguem respomder a determinadas perguntas, e vcs tem a marca da salvação que é a guarda do dia sabático(religião do Srº rodrigo Pereira da silva) e as outras religiões não!mas, deve se notar que as outras religiões pensam o mesmo de vcs,vc sabia? por ex:as testemunhas de jeová,cristão ortodoxos,presbiterianos,assebléia de deus, etc.. Acredito que vc até dira que a arca de noé existiu e arqueólogos ja acharam algumas partes dela,vc tenta explicar a contrução da humanidade através do relato do éden e as outras religiões tbm!sendo asim meu amigo ter jesus ressicitado terem pessoas ”visto” não é sinônimo de verdade vale lembrar que todas as sociedades tem suas estórias p/ explicar acontecimentos advinda segundo eles dos seus deuses e isso perdura até os dias como história e estórias,mas tomar isso como verdade é algo bem diferente,basta vc pensar por ex :será que daqui a 300 anos a sua explicação(blog,livros,escritos particulares ou ensinamentos) de mundo ou de sociedade ou de deus será interpretada como história ou como estória? será fonte de verdade ou de probabilidades ou imaginação ? será de fé ou de fideísmo? só o tempo e nós não estaremos vivos para isso, poderá dizer.sendo assim: fé p/ mim é apenas pensamento positivo em acreditar em algo que vc acha ser verdade, e;fideísmo é acreditar naquilo que dizem ser verdade sendo esta indiferente.

      • Jeferson Santos disse:

        Adriano…a fé vem de razão não pelo simples fato de lermos e crermos que Jesus ressuscitou, mas dele falar conosco através do seu Espírito Santo e sentirmos ele, como já foi dito aqui. E é necessário um contato com Ele para reconhecer a sua existência, porque Deus é cavalheiro, Ele não vai entrar onde não é convidado, se você abrir seu coração e buscá-lo você vai ouvi-lo e Ele vai te mostrar coisas que eram ocultas ao nosso olhar “normal”, porque Deus é espírito e para termos contato com Ele somente em espírito. O que é o espírito? Você tem três partes em você, corpo, alma e espírito. Quando você sujeita o teu corpo e alma (teus pensamentos, tua vontade de fazer as coisas por si só, tuas aflições, teus medos) e o busca em espírito, deixando todas as outras coisas menores (diminuir o teu eu, ego, vaidade, sofrimentos) vc vai perceber que há algo maior e sobrenatural e que controla todas as coisas, pois Ele vai falar com você. Como eu sei que Deus fala comigo?
        Porque Ele me pede para fazer coisas que eu em minha racionalidade nunca teria pensado em fazer e coisas que vi com meus próprios olhos que fogem do material (são espirituais), mas só quando estamos preparados para isso é que Ele nos mostra.
        A fé dos apóstolos e não apóstolos (os que escreveram os evangelhos: Marcos e Lucas) não vinha de uma mera estória, pois eles eram testemunhas oculares dos acontecimentos.
        Lucas era médico então quer dizer que não era nenhum indouto ou ignorante.
        Quantas testemunhas Maomé teve quando foi visitado pelo anjo???
        Todas as coisas que Jesus fez tinham mais de duas testemunhas, se você perceber ou ler sempre estavam com Ele (Pedro, Tiago e João).
        Testemunhas é uma prova viva de acontecimentos e não há como refutar. Outra coisa: Quais “deuses” existem que tem sua genealogia escrita? Isso se chama veracidade. Se vc me comprovar a genealogia de “Thor”, “Isis” ou qualquer “deus” inventado por mitologias, talvez eu venha a estudar.
        Abraço Adriano…vc precisa querer Deus para que Ele se mostre a você e então você O sentirá e não irá mais querer saber de outra coisa a não ser conhecê-lo cada vez mais. Porque o Deus que criou tudo quer intimidade com cada homem e mulher, mas Ele não invade o nosso coração, é necessário permissão, mas digo permissão mesmo, não aquela permissão negativa que já começa colocando o teu ponto de vista, se liberte daquilo que tu conhece como verdade e se proponha a ouvir Deus, pois Ele quer falar contigo e basta uma permissão tua. Sem sarcasmo (sem aquela arrogância dizendo: “então fala comigo Deus se tu existe”), como eu disse, liberte-se da arrogância de achar que sabe tudo e que não precisa que um ser superior dirija a sua vida, porque se você pensar assim realmente Ele não vai querer regê-la, porque Deus busca os humildes de coração.
        Fica na paz meu querido Adriano, Jesus te ama e morreu por ti também, mesmo que você não venha a aceitá-lo, Ele morreu por todos e não quer nada em troca a não ser o teu coração (se assim tu permitires).
        Abração!! Fica com Deus!!

        • Marcelo Todaro disse:

          Jeferson disse:

          Deus é cavalheiro, Ele não vai entrar onde não é convidado

          Gostei. 🙂

          Você tem três partes em você, corpo, alma e espírito

          Já disso não gostei. Não posso concordar com essa definição, mas também não acho que é o caso de entrar em detalhes. Deixemos assim por enquanto.

          Um abraço!

  28. André Fernandes disse:

    Gente, não adianta. A discussão entre “crentes” e ateus (grupo ao qual pertenço) é infinita: quem quer acreditar, faz de tudo para sustentar sua crença, ignorando a racionalidade; quem não quer, nega veementemente as ponderações do outro, simplesmente porque não há provas.

    Daí alguém pode me perguntar: porque um ateu assiste a tais vídeos, se não crê em Deus e em seus relatos históricos? Simples. Um ateu (por mais que a “corrente contrária” às vezes discorde) não é tão cabeça-dura quanto se prega. Falo por mim: sou ateu por não conhecer nenhuma evidência que prove a existência de Deus. Mas como o assunto é de interesse mundial (não é?), procuro as tais para me certificar de que sigo o caminho certo. Ora, se um dia eu tiver a certeza da existência Dele, não serei burro o bastante para questioná-la. Assumirei que estava errado, e servirei a Ele com fervor.

    Enquanto minha busca não me traz nenhum retorno palpável, não há como doutrinar minha vida de acordo com os preceitos estabelecidos. É simples, mas os cristãos não nos entendem.

    Como os cristãos podem afirmar que Deus existe? Não há provas! “Deus tem boca e fala”? Fala com quem? Conheço milhares de evangélicos que nunca disseram isso, apesar de também crer em supostas ações de Deus em suas vidas. Aí, o assunto pode se reverter: como os ateus podem afirmar que Deus não existe? Amigos, parem e pensem… nós não afirmamos. Nós apenas não acreditamos, pois não há provas! O ônus da prova cabe a quem, nesse caso? Confesso que não sei.

    De que adianta dizer “espere e verás”, ou “espero que gostem de surpresas”? E se a surpresa não for gasta conosco, os ateus? Já consideraram essa hipótese? Eu respondo: claro que não, pois Deus existe e pronto.

    Desculpem-me se a questão a seguir puder ser interpretada como um jogo infantil, mas gostaria de colocá-la em pauta: se os cristãos creem em Deus, logo, creem em milagres (muitos deles estão escritos na Bíblia Sagrada, e muitos idealizados por Jesus, correto?). Pois bem. Onde estão os milagres? Você conhece alguém que, por exemplo, foi curado de um enfermidade cientificamente irreversível por simples intermédio de Deus? Creio que alguém dirá que sim. Dessa forma, por que Deus não cura os AMPUTADOS? O que fizeram de tão grave os amputados (alguns deles, fiéis fervorosos) para não merecer a clemência de Deus? Diariamente vemos o circo de horrores ao qual a igreja foi transformada: cegos que voltam a enxergar, paraplégicos que se levantam, andam e correm, endividados que têm seus problemas resolvidos como mágica… então porque o Pai amoroso exclui esses indivíduos em suas benfeitorias?

    Durmam com esse barulho.

    • Marcelo Todaro disse:

      André,

      Se há algum barulho deve ser só pra você. Pra mim não.

      Se você tiver suficiente sensibilidade para alcançar a profundidade da mensagem contida na imagem abaixo talvez perceba que ela responde rigorosamente TODAS as suas objeções.

      O fato é que não vou ficar debatendo com você nem tentando te convencer de nada, já que aparentemente você não quer ser convencido. E isso não é porque eu não tenha resposta às suas objeções, e sim porque não creio que valha a pena tentar convencê-lo pelo motivo que expliquei. Tudo tem seu tempo e o seu virá um dia.

      Agora reflita sobre a imagem e tente captar a profundidade do que ela diz.

      Um abraço!

      • Silvio Cicoti disse:

        Essa é a questão: O sentir; Podemos sentir muitas coisas, que alguém nos ama, que iremos ser bem empregados, que amanhã acordaremos, e nem sempre isso se revela verdadeiro, veja, e são coisas plausíveis e evidentes. Imagine coisas sem a comunhão com a natureza dos fatos.

        • Marcelo Todaro disse:

          Diga-me uma coisa: você acha que o cego pode estar enganado sobre a existência do sol que ele sabe que existe? Que ele pode estar sentindo outra coisa que não o sol?

          É por aí.

          Quando você parar de procurar desculpas para seu ceticismo talvez compreenda.

          Um abraço!

          • Silvio Cicoti disse:

            Você sente a radiação do sol, porque está lá, é factual a todos!
            Ou a radiação de uma fogueira, a irradiação do calor de uma parede, de um objeto qualquer que seja uma fonte térmica. E isso independe de crença alguma!
            Como ele aprende a distinguir tudo isso?
            No caso de um deficiente visual de nascença, o conhecimento do mundo se dá obviamente pelas sensações, a necessidade da crença é maior, pois, a principio ele não poderá conhecer o mundo de outra forma a não ser pelos olhos dos outros. Até que consiga facultar-se de todo os seus outros sentidos e assim redescobrir o mundo por si só!

            Não são desculpas, isso é razão logica!

            O poder da fé dentro de possibilidades reais, seria até é relativamente valido. P.ex.: Acreditar que passou de ano, por ter se dedicado e estudado muito. É algo que traz uma certa certeza e uma alegria antecipada. Embora o sujeito deva estar ciente quanto a margem de erro, e se preparar para uma pequena mas possível decepção.

            Qualquer coisa além disso, como apostar em milagres do sobrenatural, a aplicação da fé nada mais é do que fideísmo!

            Não há necessidade de ver para acreditar.
            E sim, conhecer para saber!

            • Marcelo Todaro disse:

              É, eu já imaginava que você não conseguiria entender. Tudo bem, um dia você vai.

              O que não vou é ficar discutindo com você sobre algo que, cedo ou tarde, de um modo ou de outro, por bem ou por mal, você saberá por si mesmo. Só espero que, quando isso acontecer, não seja tarde demais para fazer algo a respeito.

              Tenha uma boa vida e um abraço!

              • Silvio Cicoti disse:

                Faço da sua resposta e minha resposta.
                Grande abraço.

                • Marcelo Todaro disse:

                  Só isso, Silvio? Sua melhor resposta é imitar a minha?

                  Então você está querendo insinuar que um dia posso descobrir que estou errado? Bem, tenho uma notícia pra você: a probabilidade de que isso aconteça é igual à de que eu descubra que não estou vivo neste momento, ou seja, zero!

                  Isso por um motivo bem simples: sei que Deus existe porque tenho um relacionamento íntimo e pessoal com Ele. E, antes que você diga ou pense essa bobagem, não é um mero crer ou desejo de acreditar: eu realmente SEI que Ele existe. E você não é nada nem ninguém para dizer que não sei, ou que não tenho o relacionamento íntimo e pessoal com Ele que afirmo ter. O fato de você eventualmente duvidar disso não significa rigorosamente NADA diante da realidade de minha comprovação empírica de Sua existência, pois felizmente não dependo do seu racionalismo humano falível e limitado para validar meu conhecimento espiritual.

                  Não há rigorosamente nada que você diga ou faça capaz de me fazer duvidar do que sei por conhecimento tácito. E o fato de você não ser capaz de comprovar a existência Dele por si mesmo não significa que ninguém mais seja.

                  A dúvida é sua, Silvio. Não minha. A tentativa de incutir em mim uma dúvida que é sua chega a ser risível.

                  Portanto, é por meu conhecimento tácito de Deus que sei que, de um modo ou de outro, por bem ou por mal, dia virá em que você será obrigado a reconhecer seu erro. Então você será convencido pelos fatos quando lhe forem apresentados. E não me interessa se você não acredita nisso, o prejuízo que seu ceticismo lhe tará é problema seu, não meu.

                  Não acredita? Então espere pra ver!

                  Esta é minha última palavra sobre este assunto.

                  Tenha uma boa vida e faça bom proveito do seu ceticismo, pois ele está com os dias contados.

                  E, novamente: não acredita? Então espere pra ver!

            • Jeferson Santos disse:

              Silvio, quem você acredita que fez o universo? Quer dizer..fez só a terra habitável ao homem sem precisar usar capacete, algo pra respirar? Quem você acha que fez o teu cérebro com bilhões de neurônios e cada um com sua função própria??
              Abraço!! Só é cego quem não quer ver!!

    • Luiz Roberto disse:

      “não terá que pedir licença para corrigir algumas ***** de Deus.”

      Silvio, você não é ateu!!!!

      Você está delegando a Deus a origem de doenças herdadas. Você está querendo dizer que ELE existe?

      “Ele só serve para você não se sentir um animal irracional (complexo) e findável.”

      Mais uma vez você está se referindo a ELE!!!! Está admitindo que ELE existe?

    • Douglas disse:

      Se você não tem certeza de que Deus existe, e, se nem tem certeza de que ele Não existe, você é Agnóstico.

      Ateu: Acredita com TODA CERTEZA que Deus Não existe.

      Teísta: Acredita com TODA CERTEZA que Deus existe.

      Agnóstico: Acredita que a existência de Deus é uma Possibilidade. Em geral, um Agnóstico acredita que Ninguém pode Provar que Deus existe, mas, também acredita que Ninguém pode provar que ele Não existe.

      Agnóstico Teísta: Não tem certeza que Deus Existe, mas acha que Provavelmente existe.

      Agnóstico Ateísta: Não tem certeza que Deus Não Existe, mas acha que Provavelmente ele Não existe.

      Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Agnosticismo

      Obs.: Nós evangélicos (principalmente pentecostais), acreditamos que Deus pode interagir diretamente com um divíduo, como, por exemplo, falar com ele. Se você duvida da existência de Deus, eu sugiro que você faça o seguinte:

      Entre no seu quarto, feche a porta, e, tendo Certeza absoluta que ninguém te escuta, faça uma oração a Jesus dizendo algo como: “Se você realmente existe, faça-me acreditar em você e eu irei seguí-lo, eu só não quero acreditar em um Conto de Fadas”.

      Feito isso, jamais conte a alguém que você fez essa oração, pois precisa ser uma busca pessoal.

      Se nada acontecer, siga sua vida normalmente, você estará mais certo de que ele Não existe e, caso ao morrer você descubra que ele existe, você poderá falar sobre essa oração (Deus não é injusto e levará isso em conta).

      Se, de alguma forma, Deus lhe fizer acreditar que ele existe, isso será ótimo para você.

      Tudo de bom pra você.

      • Marcelo Todaro disse:

        Eu gostaria de acrescentar alguns elementos a essa opinião, se me permitem.

        Em minha experiência de uma vida inteira de relacionamento íntimo e pessoal com nosso Pai Celestial aprendi que Ele não Se manifesta senão de acordo com nossa fé e de nosso humilde desejo de sermos ensinados por Ele. Como ensinou Tiago, devemos pedir “com fé, em nada duvidando; porque o que duvida é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento, e lançada de uma para outra parte. Não pense tal homem que receberá do Senhor alguma coisa.” (Tiago 1:6-7)

        Portanto, ao pedirmos a Ele um testemunho quanto a Si mesmo, devemos ter a iniciativa de nos colocarmos perante Ele como se fôssemos uma folha de papel em branco, permitindo ao Espírito Santo que escreva nessa folha o que quiser. Mas se o fizermos com essa folha já preenchida com nossas próprias ideias, conceitos e preconceitos, Ele não escreverá nada, pois com isso estaríamos demonstrando não estarmos dispostos a sermos ensinados. A palavra chave aqui é humildade.

        Pessoalmente, não acredito que seja o caso, com nenhum de nós, de Ele simplesmente não querer Se revelar a algum dos Seus filhos que Ele tanto ama (independente de Lhe prestarem louvor ou não, justos ou injustos, dignos ou pecadores). O que acontece é que nem sempre estamos dispostos a pagar o preço de fazer as coisas à maneira Dele. Não é Ele que tem que fazer as coisas como queremos, e sim justamente o contrário. Nós é que temos que nos adaptar a Ele, não Ele a nós.

        No caso de alguém achar que não recebeu resposta, deve praticar sua fé insistindo na busca pela resposta até recebê-la. Pode não ser suficiente (e geralmente não é) pedir uma vez só. Ao persistir no pedido, na ponderação e no estudo do assunto, a pessoa estará praticando e desenvolvendo a fé necessária para espiritualmente se colocar em condições de PERCEBER a resposta do Espírito quando for dada.

        Se porventura a pessoa pedir uma vez só, achar que não recebeu resposta e logo desistir e esquecer o assunto, não poderá cobrar nada do Senhor depois, pois não terá feito o necessário para recebê-la. E quando passar para a outra vida e for confrontado com a inexorável realidade da existência de Deus, provavelmente será tarde demais para fazer algo a respeito. Como disse um antigo profeta das Américas: “Pois eis que esta vida é o tempo para os homens prepararem-se para encontrar Deus; sim, eis que o dia desta vida é o dia para os homens executarem os seus labores.” (Alma 34:32)

        Nós só temos o direito de cobrar algo de Deus quando fazemos o que Ele manda. Como Ele mesmo disse: “Eu, o Senhor, estou obrigado quando fazeis o que eu digo; mas quando não o fazeis, não tendes promessa alguma.” (D&C 82:10)

        Um abraço!

  29. Luke disse:

    FIDEÍSMO: fé Doutrina religiosa que prega que as verdades metafísicas, morais e religiosas, como a existência de Deus, a justiça divina após a morte e a imortalidade, são inalcançáveis através da razão, E SÓ SERÃO COMPREENDIDAS POR INTERMÉDIO DA FÉ.

    FÉ: é a firme opinião de que algo é verdade, SEM QUALQUER TIPO DE PROVA ou critério OBJETIVO de verificação, pela absoluta confiança que depositamos nesta ideia ou fonte de transmissão.

    RAZÃO (racional): é a capacidade DA MENTE HUMANA que permite chegar a CONCLUSÕES A PARTIR DE SUPOSIÇÕES OU PREMISSAS. É, entre outros, um dos meios pelo qual os seres racionais propõem razões ou explicações para causa e efeito. A razão é particularmente associada à natureza humana, ao que é único e definidor do ser humano.

    De acordo com o tema e baseado nos conceitos acima (fonte Wikipédia), então:

    Todos estão com a RAZÃO e todos estão com a VERDADE, dos ateus aos fanáticos passando é claro pelos céticos, agnósticos, crentes, religiosos, etc.

    • Marcelo Todaro disse:

      Óbvio que há algo errado na sua lógica, Luke. Como é que crentes em Deus e ateus podem estar certos ao mesmo tempo?

      Um dos erros das definições acima é a afirmação de que não há provas para sustentar a fé. Isso vai depender de que tipo de prova estamos falando. Empíricas? Algumas há, outras não. Espirituais? Sempre! Umas não necessariamente eliminam as outras.

      O fato é que Deus tem boca e fala. Está em nós o poder para ouvi-Lo. Mas para isso é preciso estar disposto a pagar um preço que nem todos estão dispostos a pagar, daí afirmam que não é possível obter essas respostas (caso dos agnósticos) ou que Deus não existe (ateus). Ora, só porque conseguem essas respostas não significa que elas não existam, ou que Deus não existe. E eles saberão disso um dia. Para os que afirmam que Ele não existe, tenho só uma coisa a dizer: espero que gostem de surpresas. 😉

    • silvio cicoti disse:

      Pois não é possível que todas as religiões estejam certas. Mas é possível que todas estejam erradas!

      • Marcelo Todaro disse:

        Felizmente isso não é verdade. 🙂

        • silvio cicoti disse:

          A religião do seu vizinho nunca será melhor do que a sua! E isso é a verdade!
          Abraços. 🙂

          • Marcelo Todaro disse:

            Silvio, a verdade que me interessa é a de Deus. E a verdade Dele é que só pode haver uma verdadeira Igreja de Jesus Cristo. Essa esbórnia religiosa existente no mundo não é obra Dele. Ele não é Deus de confusão.

            Portanto, nossa parte é buscar e encontrar essa única Igreja verdadeira.

            A minha busca já acabou.

            Um abraço!

            • silvio cicoti disse:

              Essa esbornia religiosa sempre existiu, desde quanto havia o pré-cristianismo. Mesmo hoje ainda há dissidências entre igrejas por motivos teológicos, como dentro do Vaticano sobre a forma do movimento da libertação. No entanto mesmo não acreditando em deus, ou em religião alguma, acredito que é possível viver em paz na sua busca pessoal, sem a necessidade de recompensas por ser um “bom menino”. Coisa que não entendo em você. A impressão que tenho é que você espera que algo aconteça mundialmente, e em breve. Só espero que vc não esteja se apoiando naquelas bobagens dos “maias”, e “nibiru” e etc…
              🙂 Grande abraço.

              • Marcelo Todaro disse:

                Você disse:

                Essa esbornia religiosa sempre existiu, desde quanto havia o pré-cristianismo.

                Sim, mas não quer dizer que esteja certo só porque sempre existiu.

                Quando Adão e Eva foram expulsos do Jardim do Éden, receberam de Deus mandamentos aos quais foram obedientes. Aquela foi a primeira religião que existiu e deveria ter sido a única. Só não foi por causa da iniquidade de parte do povo que descendeu de Adão. Em virtude da desobediência, começaram a crer e pregar idéias e filosofias diferentes das dadas por Deus, donde se originaram as mais variadas religiões (ateísmo inclusive, que também não deixa de ser uma forma de crença — a de que Deus não existe).

                Foi por causa disso que Deus chamou e enviou profetas, ou homens autorizados por Ele para falar e agir em nome Dele, como se fossem Ele, a fim de chamar o povo iníquo ao arrependimento e manter viva a religião que Deus instituiu com Adão. Apesar disso e pelo respeito de Deus ao eterno princípio do livre-arbítrio que Ele mesmo deu ao homem, a iniquidade do povo manteve e ainda mantém vivas as mais variadas religiões e filosofias. Mas, novamente, o fato de sempre terem existido não significa que sejam algo bom ou correto. Sempre foi e continua sendo preciso haver uma — e só uma — verdadeira Igreja que Ele reconhece como sendo Dele, que em nenhum detalhe tenha se desviado dos preceitos e doutrinas Dele e que contenha TODA a verdade ensinada por Ele ao invés de só parte dela para que Seus propósitos eternos para o homem sejam cumpridos.

                No entanto mesmo não acreditando em deus, ou em religião alguma, acredito que é possível viver em paz na sua busca pessoal, sem a necessidade de recompensas por ser um “bom menino”.

                Claro que sim. Há muitos ateus dignos e honrados no mundo e creio que você é um deles.

                O detalhe é que, apesar disso, você está, digamos, perdendo o melhor da festa. É como se fosse a um baile optando por ignorar a possibilidade de conquistar a garota mais bonita, contentando-se com ficar dançando sozinho. A vida sem Deus é uma vida que, quando comparada à que você poderia ter, é vazia, com alegrias efêmeras, conquistas temporárias e recompensas passageiras. Pela perspectiva da eternidade, isso é como uma fumacinha levada pelo vento: uma vida sem origem nem destino e sem sentido mesmo pela perspectiva da mortalidade.

                Se você se contenta só com isso, tudo bem, vá em frente. É seu direito. Mas, quando chegar o dia em que for chamado por Deus para prestar contas da própria vida, verá o absurdo de possibilidades que perdeu.

                Não acredita? Então espere pra ver!

                Coisa que não entendo em você. A impressão que tenho é que você espera que algo aconteça mundialmente, e em breve. Só espero que vc não esteja se apoiando naquelas bobagens dos “maias”, e “nibiru” e etc…

                Sua impressão está correta: eu realmente acredito (ou melhor, acredito só não, eu efetivamente SEI, pois Deus tem boca e fala) que algo aconteça mundialmente e em breve. Esse algo é o retorno de Jesus Cristo. Quando isso acontecer, ao contrário de como foi quando Ele veio pela primeira vez, a iniquidade será varrida do mundo e ele será de novo como era no Jardim do Éden. Somente as pessoas dignas e honradas terão direito a viver no mundo a partir de então, privilégio que todos os dias me empenho em consquistar por meio de meu sacrifício e esforço para obedecer aos mandamentos de Deus. Desejo e oro que você seja digno disso também. Aí você me dirá “é, você tinha razão, Deus existe mesmo”.

                Não acredita? Então espere pra ver!

                Um abraço!

                • silvio cicoti disse:

                  Tá bom Marcelo, dá para sacar que vc é um cara bacana. Bem doidinho, mas isso é irrelevante.
                  Mas convenhamos, de certa forma até que gostaria de acreditar em algo confortável, mas não há sentido para mim. Se eu for parar no “inferno”, vou pensar em você. É… O Marcelão tava certo! Vai diabo, pois mais batata no caldeirão, e aumenta o fogo! Rssss…. De outra forma, se nada existir, nem eu, nem você saberemos.
                  Abraços.
                  Silvio.

                  • Marcelo Todaro disse:

                    De outra forma, se nada existir, nem eu, nem você saberemos.

                    Esse é um risco com o qual não estou minimamente preocupado, pois sei que essa possibilidade é menos que nula. E você verá isso por si mesmo.

                    E note que não falei em inferno, fogo, etc. em momento algum.

                    Um abraço!

                    • silvio cicoti disse:

                      Sim… É um risco!

                      Na minha concepção, o destino de todos é o mesmo. Independente da classe social, credo, ou raça. Nada que o homem criou ou esteja vivo na terra permanecerá eternamente. Até que seja efetivamente fulminada dq há uns bilhões de anos. E esse material cósmico servirá para nutrir outras singularidades, na criação de outros planetas, ou corpos celestes.

                      De qualquer forma o inferno que digo, é uma alegoria, acho que da mesma forma que o “Adão e Ava” que você diz.
                      Segundo entendo a sua forma de crer, o que haveria é a extinção dos que não creem na palavra de deus. Certo?

                      Abraços.
                      Silvio.

                    • Marcelo Todaro disse:

                      Sim… É um risco!

                      Talvez seja pra você. Pra mim, não.

                      Na minha concepção, o destino de todos é o mesmo. Independente da classe social, credo, ou raça.

                      A concepção que importa não é a sua, a minha ou a de quem quer que seja, e sim a de Deus. Só Ele sabe o que o futuro nos reserva. O detalhe é que parte desse futuro Ele já nos contou, então temos como saber de fonte segura como poderá ser essa parte, de acordo com as escolhas que fazemos no presente. Não seria justo de forma alguma se todos tivéssemos o mesmo “destino”, já que uns fizeram por merecer melhores recompensas e outros não.

                      Fazendo uma analogia simplista, é como uma aposentadoria: quem crê em Deus paga INSS porque espera se aposentar em condição melhor do que quem não crê e não paga. Já pensou se quem não paga pudesse se aposentar com os mesmos direitos e privilégios de quem paga? De que adianta o sacrifício de quem paga, então?

                      É por aí.

                      Segundo entendo a sua forma de crer, o que haveria é a extinção dos que não creem na palavra de deus. Certo?

                      Não. Os que não crêem em Deus hoje serão obrigados a reconhecer que estavam errados quando o corpo morrer e se derem conta de que a vida continua. Isso por si só já será um choque para esses, que passaram a mortalidade negando a realidade que agora estarão vivendo. Então deduzirão que se estavam errados a respeito da inexistência de vida após a morte, devem estar errados também a respeito de Deus. Isso aprenderão pelas próprias experiências a partir de quando se virem na condição de espíritos. Aí constatarão que aqueles que na mortalidade creram em Deus e se empenharam em ser-Lhe obedientes estarão em melhor condição dos que os que não se empenharam.

                      Portanto, os ateus não serão extintos. Só o que será extinto é seu ceticismo. E, como Deus é justo, os que viveram Seus mandamentos na mortalidade terão recompensas maiores e melhores do que os que não viveram. E para estes isso não significa condenação ao inferno ou algo assim.

                      Finalizo repetindo o que já disse algumas vezes: não acredita? Então espere pra ver!

                    • silvio cicoti disse:

                      Marcelo, valeu pela conversa.
                      Também penso assim, se houver algo além, com certeza meu ceticismo ira ruir, de resto será responsabilidade minha. Caso contrario, nunca saberemos. 🙂
                      Grande abraço.
                      Silvio.

          • Jeferson Santos disse:

            Silvio, vc fala de religião, mas só existe um erro nessa afirmação, Jesus não é religião. O cristão verdadeiro não precisa de religião, só precisa de Jesus porque Ele é a fonte da nossa fé. O dia que aprenderem que Deus não é religião e sim a fonte de tudo, aí sim serão libertos!!

            • Marcelo Todaro disse:

              Jeferson disse:

              O cristão verdadeiro não precisa de religião

              Não posso concordar com isso.

              No tempo de Jesus já existiam religiões das mais diversas. Se fosse verdade que religião não é necessária, Ele não teria organizado a Dele e incentivado os homens a permanecerem fiéis a Ele e ao conjunto de ensinamentos que chamamos de evangelho, que só Ele e a religião Dele possuíam.

              Para sermos salvos é necessário submetermo-nos a certos ritos e ordenanças, como batismo, dom do Espírito Santo, sacramento, etc., que só podem ser realizados pela devida autoridade do sacerdócio de Deus. Esse sacerdócio foi conferido por Jesus a Seus apóstolos antes de partir a fim de que tivessem autoridade para agir em nome Dele, como se fossem Ele, na Igreja (religião) Dele. Se fosse verdade que não se precisa de religião, os primeiros cristãos poderiam muito bem misturar-se aos fariseus, saduceus e outros religiosos da época e estaria tudo bem. Felizmente, as coisas não são assim.

              O sacerdócio e o evangelho foram restaurados por Deus no mundo por intermédio do Profeta Joseph Smith, no Século XIX. Aqueles mesmos dons espirituais que havia no tempo de Jesus estão de volta hoje. Isso é uma prerrogativa exclusiva da única e verdadeira religião — não mais uma fundada com a intenção de ser de Jesus Cristo, mas a única que Ele reconhece como sendo Sua (ver D&C 1:30), pois não foi organizada pelas mãos de homens, e sim do próprio Salvador em pessoa, coisa que Ele fez em Sua série de visitas a Joseph Smith.

              Portanto, não posso de forma alguma concordar com a presunção de que religião não é necessária. Só a verdadeira religião tem poder e autoridade para pregar o evangelho e ministrar suas ordenanças de salvação.

              Um abraço!

      • Jeferson Santos disse:

        Primeira proposição certa e a outra errada…Silvio vc acredita em bem ou mal? Que uma coisa é certa a fazer e a outra é errada? Pois bem…foi isso que Adão e Eva fizeram por nós…nos colocaram esse, vamos dizer: “conhecimento”. Você sabe como o primeiro ser humano sabia o que era certo e errado fazer se não houvesse aprendido de alguma forma?
        Todas as coisas são explicáveis nas escrituras sagradas, não há outro livro capaz de revelar como todas as coisas surgiram.

    • luiz roberto disse:

      Meu caro Luke (se é que você é você), mesmo que não seja vale para os demais céticos.

      Costuma-se dizer que os crentes se utilizam da FÉ para acreditar em algo que não se vê e que não se consegue provar cientificamente, através de comprovações repetitivas.

      Pois bem o foco principal deste blog é se a fé é racional, surgida em um programa, cujos personagens, um cristão, Dr. Rodrigo e outro, Jô Soares, sem definição religiosa, parece-me católico, às vezes agnóstico e outras, ateu e, que no vídeo, engoliu seco, sem capacidade de contra argumentar.

      A palavra FÉ, não é discutida e analisada, somente nos meios religiosos, está incorporada em todos os meios científicos, filosóficos, acadêmicos e todos os níveis sociais, ou seja, faz parte do pensamento humano, contudo, tem um sentido VITAL aos cristãos e, quando estudada ou analisada fora desse particular, perde totalmente sua essência.

      Podemos chegar uma conclusão: Não acreditar em Deus (INVISÍVEL) leva-nos a não acreditar no Espírito Santo (INVISÍVEL), consequentemente, não acreditar em Cristo carnal (VISÍVEL).

      Cristo é o personagem mais estudado e analisado em profundidade que qualquer outro ser humano em todos os tempos, até os dias atuais. Os métodos de estudos, históricos testemunhais foram e estão sendo publicados constantemente e, por esses métodos aceitos e válidos pelos historiadores, responsáveis por toda documentação histórica aceita e que fazem parte dos bancos escolares.

      Esses estudos confirmam com extrema clareza as profecias bíblicas, centenas de anos antes desse Personagem surgir, os acontecimentos e o fim de Seu peregrinar nesta Terra, culminando com as profecias ou REVELAÇÕES do próprio, de como será o fim dos tempos. Todos que tentaram negar ou refutar a existência Desse personagem, em pouco tempo desistiram manter suas posições.

      Ou seja CRISTO EXISTIU, TEVE INÚMERAS TESTEMUNHAS (maior prova nos tribunais), SEUS FEITOS SOBRENATURAIS, QUE ELE PRÓPRIO ATRIBUÍA AO PAI (DEUS) E QUE ELE ENVIARIA O ESPÍRITO SANTO, E O MAIS IMPORTANTE, RESSUSCITOU, POIS, NA ÉPOCA, SEUS ASSASSINOS SABIAM DESSA PROFECIA E SE ENCONTRASSEM SEU CORPO, SERIA O FRACASSO DO CRISTIANISMO.

      Concluindo, negar os fatos históricos testemunhais, inquestionáveis, é ser parcial, colocando apenas uma convicção pessoal, negando a existência de Jesus Cristo, É NEGAR A EXISTÊNCIA DA FÉ, levando a esses céticos a incapacidade de entender e discutir sobre o tema, como aconteceu pela resposta IRRACIONAL de Jô Soares.

  30. Jean Martins disse:

    Amados! É fato que uma assertiva como a do pastor e Dr. Rodrigo nos deixa irrequietos e pensantes. Mas devíamos estar preparados para concordar com ela. Para nossos amigos Ateus, devemos falar numa linguagem que eles entendam em vez de repetirmos tudo que eles ouviram milhares de vezes.
    Nossa fé é baseada em fatos pois temos um LIVRO que narra diversos acontecimentos históricos, comprovados científicamente, e que nos dão respaldo de sua veracidade.
    Alguém perguntou onde estão as provas do Éden, ou dilúvio? Essa pessoa não assiste National Geographic, ou não acompanha edições publicadas pela Super Interessante?
    Encontraram há décadas, fósseis de peixes nas montanhas do Nepal a mais de 5000 metros de altitude. Pergunto aos senhores racionais: Algum homem das cavernas viveria nesta altitude e temperatura, desceria para pescar, e escalaria toda a montanha novamente? Peixes voam?
    Nossa fé está baseada no que chamamos de PALAVRA, que é dia após dia, comprovada. Quem duvida, assista mais vídeos deste mesmo PHD em arqueologia Rodrigo Silva. Depois nos conteste.

    • Marcelo Todaro disse:

      Jean, o maior de todos os fatos da história da humanidade ainda não foi (e creio que nunca será) cientificamente comprovado: a ressurreição de Jesus e de muitas pessoas depois Dele.

      No entanto, sei que esse fato é verdadeiro tanto quanto sei que há um sol brilhando lá fora.

      E não é só porque quero crer que seja. Sei porque Deus tem boca e fala. E é Dele que ouço continuamente sobre a veracidade desse fato.

      Se o próprio Todo-Poderoso atesta a veracidade de um fato, por que eu precisaria que cientistas o comprovassem para que eu cresse nele? Será que eles sabem mais que Deus?

      O problema é que a maioria das pessoas não está disposta a pagar o preço (figurativamente falando) para obter respostas de Deus, ou acham que Ele tem que dá-las à maneira delas ao invés da Dele. Como não é assim que a coisa funciona, duvidam. Mas elas não tardam por esperar.

      Só espero que quando forem confrontadas com os próprios erros não seja tarde demais para repará-los.

      Um abraço!

      • Wagner disse:

        “E não é só porque quero crer que seja. Sei porque Deus tem boca e fala. E é Dele que ouço continuamente sobre a veracidade desse fato.”

        Dizendo isso, você essa assumindo que conversa diretamente com Deus, então meu caro você poderia ser a abertura para acabar com todos os que como eu são Ateus.
        Desculpe, você diz que se apoia em fatos, mas na verdade esta escolhendo quais fatos apoiam sua crença.
        Quanto ao embasamentos do Jean, desculpe mas primeiro a Super Interessante merece esse respeito.
        Segundo por favor me mostre o documentário da National Geographic que comprova, desculpe só para enfatizar a questão “COMPROVA!” a Arca de Nóe, existe varias mudanças geográficas acontecendo em nosso globo terrestre continuamente pelo movimento das placas tectônicas, que provam o surgimento de montanhas, e desaparecimento de lagos, desculpe mais é um fato comprovado!
        Por favor me provem, como um homem consegue colocar um macho e uma fêmea de cada animal em uma arca. E quanto aos animais de outros continentes ???

        • Marcelo Todaro disse:

          Wagner disse:

          Dizendo isso, você essa assumindo que conversa diretamente com Deus, então meu caro você poderia ser a abertura para acabar com todos os que como eu são Ateus.

          Nada a ver, Wagner. Você é ateu porque optou por ser, não porque não há quem fale com Deus. Falar com Ele e ouvi-Lo é um privilégio ao alcance de qualquer um, basta estar disposto a pagar o preço por isso.

          Então, quando você conseguir isso, todas as suas outras dúvidas se dissiparão como fumaça.

          O detalhe é que você já fez sua escolha, então não quer ser convencido de que pode estar equivocada. Por isso, vai viver com ela até quando mudar de ideia ou quando for forçado a isso por força dos fatos aos quais tanto se apega. E, acredite-me, você vai mudar de ideia. De um modo ou de outro, vai.

          Não acredita? Então espere para ver!

          Um abraço!

        • Jeferson Santos disse:

          Naquela época não existia “outros continentes” meu amado Wagner!!

  31. silvio cicoti disse:

    Amigo.
    Você tem fé que 2 + 2 = 4? Não! Vc sabe que é! E o melhor, vc prova demonstrando.
    Você tem fé que voltará da anestesia são e salvo. Sim…
    Mas mesmo assim há uma probabilidade <1% de você terminar morto!

    Fé não é certeza é uma probabilidade.

    Existe vida após a morte?
    Não sei!
    Não tenho evidencias concretas, ponderáveis. Pois nunca foi comprovado, ou demonstrado.
    Isso não é contra-fé, é realidade.

    Então dizer que vc acredita que Jesus ressuscitou baseado em testemunhos abre espaço para muita coisa:
    A principal, que vc tem fé na sua crença. Mas que isso não possa ser verdade.

    Mas vc também ressuscitaria após 3 dias morto?
    Quem ressuscita, o corpo, a alma/espirito/mente???
    Qual a natureza humana de Jesus, será que ele era supra-humano?
    Jesus pode ter sido apenas um homem do povo, para o povo, um contra-politico que a teve a crucificação com pena. E a partir de sua morte virou mártir por seus seguidores.

    Se vc tivesse nascido em uma família judaica, as coisas seriam diferentes para a sua compreensão do mundo.
    Mas é claro, isso se vc subentender que é um espirito reencarnando. Então essa proposição faria sentido.
    No mas, vc desenvolveu um conjunto de crenças a partir da assimilação e compreensão das coisas baseadas na formação intelectual de seu espaço e tempo.

    Dizer que Deus age de forma que não possamos entender, é a mesma coisa
    que dizer que seu pai (terreno) faz coisas para o seu bem, que por vc ser criança não consegue compreender
    agora, mas no futuro agradecerá.

    Por fim, no meu ver, cada um, cada religião interpreta e constrói o seu Deus.
    Certamente vc deve ser ateu em relação ao Deus cultuado na umbanda, e ainda vai dar mil motivos para dizer
    que eles estão em um estado atrasado em relação a compreensão divina.
    Básico. Cada um puxa a sardinha para sua brasa.

    Abraços.
    Silvio.

    • Marcelo Todaro disse:

      Amigo,

      Sua teoria é muito bonita, mas não passa disso (felizmente): teoria.

      Quando você se dispuser a exercer fé em Deus e pagar o preço para obter Dele uma resposta, entenderá o que estou querendo dizer. Aí você verá quão verdadeiras são as palavras de Paulo: “Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; pois está escrito: Ele apanha os sábios na sua própria astúcia. E outra vez: O Senhor conhece os pensamentos dos sábios, que são vãos” (1 Coríntios 3:19-20).

      Antes disso, só o que lhe fará sentido são esses racionais humanos.

      Não acredita? Então espere pra ver.

      Um abraço!

      • Até entendo o seu ponto de vista. Eu mesmo já pensei sobre isso. Mas acabei fortalecendo minha fé, porque o evangelho da graça é único, mas esse é outro assunto!

        http://averdadenaomuda.blogspot.com.br/2011/04/grande-mensagem-do-evangelho.html

        Eu entendo que a fé é de certa forma racional, uma “fé que pensa, razão que crê”.
        Entendo o que é dito na entrevista não são provas incontestáveis, mas são evidências(não sei se há muita diferença) “testemunhais” da ressurreição e falta de evidências contra essas testemunhas ajudam ter fé na ressurreição. Posso afirmar que a fé é bem complexa. a bíblia define fé como certeza e prova do que não se vê. Se é certeza e prova, logo exite pelo menos algumas gotas de razão. Deus nos fez seres pensantes. para ter fé é preciso pensar.

    • luiz roberto disse:

      Como temos conhecimento da história da humanidade? Como ensinamos nossos filhos? Como escolhemos nossos alimentos? Como escolhemos nossos caminhos? Porque ouvimos os testemunhos das pessoas que fizeram parte do passado. Todo aprendizado humano está baseado no passado, até os intuitivos, que já nascemos sabendo. Em função disso a palavra FÉ faz parte do vocabulário de todas as nações. A melhor definição está justamente na bíblia:
      Hebreus 11:1 “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem.”
      Todo ser humano age por fé, até os ateus!!!. Não fosse assim estaríamos estagnados sem planos ou propósitos para o futuro.
      Nós, evangélicos, entendemos melhor o sentido da fé porque somos testemunhos e comprovamos a definição de fé bíblica e, de geração em geração, também contribuímos ao acervo histórico para comprovar a segunda oração do apóstolo Paulo que diz: “prova das coisas que não se vêem.”
      Devido a essa “PROVA” e ao texto abaixo podemos afirmar que a nossa FÉ É RACIONAL.
      2 PEDRO CAPÍTULO 1:
      16 Porque não vos fizemos saber a virtude e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, seguindo fábulas ARTIFICIALMENTE COMPOSTAS; mas NÓS MESMOS VIMOS a sua majestade.
      17 Porquanto ele recebeu de Deus Pai honra e glória, quando da magnífica glória lhe FOI DIRIGIDA A SEGUINTE VOZ: Este é o meu Filho amado, em quem me tenho comprazido.
      18 E OUVIMOS ESTA VOZ dirigida do céu, estando NÓS COM ELE no monte santo;
      19 E temos, mui FIRME, a PALAVRA DOS PROFETAS, à qual bem fazeis em estar atentos, como a uma luz que alumia em lugar escuro, até que o dia amanheça, e a estrela da alva apareça em vossos corações.
      20 Sabendo primeiramente isto: que NENHUMA PROFECIA DA ESCRITURA É DE PARTICULAR INTERPRETAÇÃO.
      21 Porque a profecia NUNCA foi produzida por VONTADE DE HOMEM ALGUM, mas os homens santos de Deus FALARAM inspirados pelo Espírito Santo.

      • silvio cicoti disse:

        Amigo, nem ateus nem cientistas agem por fé.
        Não se acredita naquilo que não se prova.
        É simples.

        E dar meia duzia de frases abstratas, genéricas, ou esquivar-se das perguntas não é forma de provar nada.

        Fé no meu ver é uma possibilidade de algo dar certo ou ocorrer. Crer em algo fantasioso é fideísmos!
        E para mim isso é doença emocional…

        Exemplo: Eu tenho experiencias que só cabem a mim dar testemunho de fé, embora outras pessoas tenham presenciado, nada garante que o que houve não tenha sido uma alucinação coletiva. Mecanismos de auto-sugestão da mente, ou algum outro tipo de desfunção cerebral, como, ilusão de óptica.

        Por fim como disse um amigo nosso:
        “…Você até pode acreditar que é verdade, mas não significa que seja de fato. Uma coisa ou um fato não se torna verdadeiro só por crermos nele. Essa história é tão verdadeira quanto uma nota de 3 reais. Você também tem que ler mais….”

        Abraços.
        Silvio.

        • Marcelo Todaro disse:

          Sílvio, já que você é do tipo que só acredita vendo, não se preocupe: você verá. Não tarda por esperar.

          Só me lamento porque, no dia em que você for forçado a reconhecer seu erro, talvez seja tarde demais para repará-lo. É só isso que me incomoda na atitude dos céticos. Mas, também, isso é problema deles. No que me diz respeito, minha parte já fiz.

          Um abraço!

          • silvio cicoti disse:

            Olá Camarada.

            Na verdade só acredito no que faz sentido.
            E realmente Deus é uma ilusão, e nesse delírio, se ouve algo morreu no instante ZERO da criação desse universo.

            Teorias bem evidenciadas ainda estão sujeitas a serem complementadas e melhoradas pois ciência é evolução.

            “O homem dominou a natureza, mas não consegue dominar as suas paixões e interesses particulares.”
            João Francisco P. Cabral

            Essa frase explica a razão que é dada erroneamente a fé!

            Abraços.
            Silvio.

            • Marcelo Todaro disse:

              “Quem garante que a crença mais estranha de todas não seja o ateísmo, que nem explica os mistérios nem conforta os espíritos?” (Luís Fernando Veríssimo)

              Eu gostaria de lembrá-lo de que “Deus é uma ilusão”, “delírio”, “morreu no instante ZERO da criação” é apenas e somente a sua opinião. É meramente aquilo em que você acredita. É a sua fé. E o fato de você crer nessas coisas não as torna verdadeiras só por ser aquilo em que você acredita.

              Repetindo: já que você é do tipo que só acredita vendo, não se preocupe: você verá. Não tarda por esperar.

              Um abraço!

              • silvio cicoti disse:

                Não morreria por essa fé!
                Como disse. Fé são possibilidades. E dentro das possibilidades ninguém pode estar 100% certo.

                Mas acho que valeu o bate papo. Pena que vc não respondeu nenhuma das perguntas. Apenas martelou o fim do mundo.
                Então vamos combinar assim, se acontecer algo, ok. Abaixo a cabeça e aceito o que for… Caso não, nunca saberemos… Rsss…

                Grande abraço.
                Silvio.

                • Marcelo Todaro disse:

                  Pois é, Sílvio, você não morreria por essa fé porque ela não se sustenta em si mesma. Você não tem provas de que Deus não existe. Já eu tenho do contrário, por isso eu seria, sim, capaz de morrer pela minha fé, pois não posso negar o que sei, nem posso negar as provas que tenho. Você poderia te-las também, se quisesse.

                  E não martelei “fim de mundo” nenhum. O dia em que você estiver diante do seu Criador não será o fim do mundo, já que o mundo não terá fim (apenas será transformado).

                  Não acredita? Então espere pra ver.

                  A propósito, pode-se, sim, estar 100% certo. Mas só vou entrar no mérito dessa questão quando você estiver disposto a abrir a mente e aprender.

                  Um abraço!

                  • silvio cicoti disse:

                    Apenas um contra ponto.
                    Imagine você no Egito antigo ou na Grécia, adorando e cultuando divindades hoje reconhecidas como mitológicas. Rá ou Zeus. Certamente os crentes daquela época também tinham toda a fé, morreriam ou matariam por isto. Alias, hoje em dia, quantos não se matam por causa das promessas de paraísos…

                    E, contudo o ser humano continua o mesmo, fazendo as mesmas coisas buscando nos céus o que está em si próprio.
                    Não vivo por fé, em coisa alguma, não tenho uma imaginação tão mágica a esse ponto. Muito se baseia em conhecimento, e na demonstração evidente dos processos da criação do universo. E em seu desenrolar de 13.5bilhões de anos muita coisa aconteceu, embora o meu sentido de vida esteja no conhecimento e na busca pessoal do nosso eu. Livre das influencias mesquinhas e egoístas de anos da cultura superficial ocidental.

                    No meu ver, todas as religiões são importantes, todas trazem coisas ruins, e boas.
                    E certamente servem para alguma coisa: Afinal a “manada” precisa ser conduzida por alguém.

                    É claro que vc possui “evidencias”, mas chamo isso de efeito simpático. Quando você quer que uma coisa seja, ela será! Vc transforma os sinais de sua vida naquilo que lhe interessa. Ainda mais quando as “evidencias” são criadas a partir de uma subjetividade da qual só lhe pertence.
                    Já vi pessoas jurarem por qualquer coisa que o que estavam vendo era um milagre. E nada mais passava do que um simples ato da natureza, comum e corriqueiro que em determinadas circunstancias era incrível.
                    Já tive a cabeça bem aberta, e nesse tempo, o cérebro faltou-me a ponto de não questionar nada, até perceber que estava sendo vitima da ilusão do ser.

                    Traduzindo. Somos humanos, e não mais do que isto. Não melhores do que qualquer outro ser na face da terra. Apenas condicionados a uma situação evolutiva temporária.

                    Grande abraço.
                    Silvio.

                    • Marcelo Todaro disse:

                      É como tenho dito e repetido: você não tarda por esperar.

                      Um abraço!

                    • luiz roberto disse:

                      Caros amigos em especial ao Marcelo. Observemos as citações bíblicas:

                      Isaías 25:7
                      “E destruirá neste monte a coberta que cobre todos os povos, e o véu que está posto sobre todas as nações.

                      Ezequiel 36:26
                      “E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne”;

                      João 6:37
                      “Ninguém PODE vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer”;

                      Lucas 9;5
                      “E se em qualquer cidade vos não receberem, saindo vós dali, sacudi o pó dos vossos pés, em testemunho contra eles”;

                      O homem natural de maneira alguma tomará iniciativa de buscar a Deus porque é de sua natureza pecaminosa.

                      Observemos o ódio doentio e inexplicável em relação a Deus e a seus semelhantes.

                      Homem natural engloba também as crianças e até bebes. Basta observarmos as crianças que, precocemente, manifestam a maldade como parte de sua personalidade.

                      O véu foi colocado desde o início quando pecamos e só é tirado quando aceitamos Jesus, quando recebemos um novo coração e um novo espírito.
                      Mesmo os escolhidos por Deus, como ex. temos:

                      Ml 1:2 e Romanos 9:13
                      “Não era Esaú irmão de Jacó? disse o SENHOR; todavia amei a Jacó”, “Como está escrito: Amei a Jacó, porém aborreci a Esaú;

                      Jacó, escolhido ainda no ventre de sua mãe, sofreu nas mãos de Labão.

                      Todo ser humano tem um tempo que somente Deus conhece para aceitar a Cristo. Observemos que uns aceitam mais rapidamente!!! porque sabemos que quanto mais é prolongado o tempo, passamos ou passaremos por sofrimentos.

                      Todos nós, que aceitamos a Cristo, fomos chamados, até aqueles que nasceram em “lar cristão”, seus pais foram chamados antes.

                      Agora, quanto mais buscarmos a Cristo, quanto mais santificarmos, mais nos afastaremos da carne e mais nos aproximaremos do espírito, consequentemente de Cristo e mais sofreremos porque seremos condenados pelo homem natural.

                      Amados, sacudam a poeira de teus pés em testemunho contra eles.
                      Não joguem pérolas aos porcos.

                      Marcelo e outros; não replique aos comentários céticos e desastrosos, oremos todos os dias para que Deus tenha misericórdia de nossos irmãos e seja retirado o véu posto em seus olhos.

                    • silvio cicoti disse:

                      Caros.

                      Quanto uma criança diz não ter entendido algo, não adianta o professor pedir que leia novamente, ou ensinar da mesma forma que a anterior repetidamente. Carece outros meios para o qual o infante seja devidamente esclarecido.

                      E então: O que faz a fé ser algo racional?

                      No entanto até o momento o que vejo é isso, um jogo de palavras.

                      Mas se o seu pre-suposto para a fé racional, esteja no claro entendimento de que Deus/Jesus/Espirito Santo existem, então a conversa termina por aqui. É uma roda vida, um interminável questionamento do tipo: Quem veio primeiro??

                      Abraços.

                      Silvio.

                    • Marcelo Todaro disse:

                      Luiz Roberto, sugiro-lhe seguir o próprio conselho: “não replique aos comentários céticos e desastrosos”.

                      Como diz o velho ditado, “quem não aprende pelo amor, aprende pela dor”.

                      E também, como venho dizendo, ele não tarda por esperar.

                      Um abraço!

                    • silvio cicoti disse:

                      Ok Marcelo, fim de papo!
                      A unica pergunta que fiz não foi respondida.
                      O que faz a fé ser algo racional?
                      Depois, é isso mesmo, cada um na sua.

                      Podemos não nos entender nesse quesito, mas somos muito mais que opiniões sobre religião.

                      Um grande abraço.

                      Silvio

                    • Marcelo Todaro disse:

                      Silvio, a resposta a sua pergunta está no meu artigo. Sugiro lê-lo com calma e atenção, especialmente a partir do trecho que começa com “Sou perfeitamente capaz de apresentar a quem quiser saber o bem definido racional de minha fé”.

                      Já estou sabendo que você não vai aceitar o que escrevi lá. Mas também não é meu propósito convencê-lo de alguma coisa, já que você tem demonstrado não estar disposto a ser convencido, caso em que todos discursos do mundo seriam inúteis. Como tenho dito e repetido, você terá que ver por si mesmo. E verá. Escreva o que estou dizendo: verá.

                      Só lamento porque, como eu também já disse, quando você for forçado a reconhecer seu erro, talvez seja tarde demais para repará-lo. E aqui não importa se você não acredita que isso acontecerá. Aquilo em que você acredita ou deixa de acreditar não faz a menor diferença. Deus não precisa da sua fé para fazer o que deve ser feito.

                      E, mais uma vez: não acredita? Então espere pra ver. Você não tarda por esperar. Aí veremos quem tinha razão.

                      Neste ponto, a diferença entre você e eu é que você não sabe o que acontecerá, pois é da turma do “morreu, acabou”. Já eu sei o que acontecerá. E VOCÊ NÃO PODE DIZER QUE NÃO SEI!

                      Um abraço!

                    • silvio cicoti disse:

                      Tenho amigos de varias religiões inclusive um sócio meu é espirita e o outro evangélico! Loucura total! Mas nos entendemos bem. 😉
                      Suas experiencia para mim são de caráter subjetivo e valem unicamente para fortalecer sua fé. Por mais que eu explique com ‘n’ conceitos nada irá mudar. Também não é minha intenção. A discussão está unica e exclusivamente na questão de atribuir logica e razão a fé. E isso mais parece um entendimento Deísta do que outra coisa;
                      ” acreditar em Deus e estar disposto a ver o mundo e a vida dentro de uma perspectiva racional e científica”
                      http://pt.wikipedia.org/wiki/De%C3%ADsmo

                      Sim… Eu li seu texto!

                      Abraços.
                      Silvio.

    • Jeferson Santos disse:

      Silvio, você já leu a Bíblia toda?
      Se já, por favor leia novamente a história de Saulo de Tarso (Paulo) – Atos dos apóstolos capítulo 9 e me explica porque ele perseguia os cristãos e depois andava com eles…
      Com vc pode acontecer a mesma coisa, claro que não do modo como ele conheceu a Jesus, porque você não mata ninguém, mas digo pelo fato de duvidar de Deus.
      Tente encontrar livros que falem de Saulo de Tarso fora das escrituras e veja que depois de um certo tempo não existe mais nada sobre a sua vida secular (pois aceitou a Cristo e já não praticava mais aquilo que fazia antes de conhecê-lo).
      Existem muitos fatos que comprovam que aqueles que conhecem a Jesus verdadeiramente mudam suas vidas radicalmente (Já ouviu o testemunho do Rodolfo Abrantes – ex vocalista do Raimundos). Deus curou ele de tumores. Mas isso não importa não é..porque é um testemunho de um homem qualquer…ele tem a fé dele..vc vai dizer como outros que o corpo humano tem condições de se regenerar…só quem realmente tem um encontro com Jesus é que sabe o quão Ele é real.
      Abração Silvio…como disse o Marcelo..espero que não seja tarde quando vc encontre com Jesus!!!

  32. Jack disse:

    Existe prova da existência de algum deus seja ele qual for? Não! Logo fideísmo!
    E sinceramente “Provas existem, sim, mas você tem que estar disposto a pagar o preço para obtê-las.” kkkkk
    Sério cara, se existe prova, existe e ponto, se não existe não adianta querer enfeitar ^^.
    E cá pra nós se as religiões dependessem de provas, lógica e racionalidade pra “viver” hoje em dia já reinaria a paz da verdade, sem o incomodo das religiões a atrasar o progresso da humanidade!

    • Marcelo Todaro disse:

      Mantenho o que eu disse: provas existem, sim, mas você tem que estar disposto a pagar o preço para obtê-las.

      Não adianta achar engraçado. Você não achará graça nenhuma quando estiver diante do nosso Deus e for forçado a reconhecer seu erro. Só que aí talvez seja tarde demais para corrigi-lo.

      Não acredita? Então espere pra ver.

      Um abraço!

    • Esse é o erro das religiões (instituições)! Na verdade o maior erro está nos fieis às instituições religiosas. não pensam! Jesus, esse sim é a única religião ”
      http://frasesdolivro.tumblr.com/post/18092266826/untitled
      Jesus sendo a verdadeira religião usou a lógica, preparou todo um caminho, com significados, contou parábolas.
      Ele estava dizendo: Pensem!!
      E outra, não me desce esse negócio de preço a ser pago. Eu não tenho que pagar pela verdade, eu só tenho que querer a verdade!

      • Marcelo Todaro disse:

        Pois é, Adilson, mas querer é justamente o preço a pagar a que me refiro. E quem quer alguma coisa faz o que for preciso para obtê-la. Esse é o preço.

        O problema da maioria das pessoas é não se esforçar o suficiente para obter a resposta de Deus, achando que Ele tem que dá-la com pouco ou nenhum esforço. Não é assim que funciona. Por isso eu disse que é preciso pagar o preço para obtê-la.

        Um abraço!

  33. jOÃO RICARDO disse:

    Parabéns pelo artigo, infelizmente a ignorancia leva a irracionalidade e muitas pessoas saem do campo do diálogo para a agressão. O seu artigo foi tão show de bola quanto a simplicidade do Dr. Rodrigo e para os fideista de plantão se quando Cristo ressuscitou existisse televisão eles diriam que foi uma montagem. Vamos nos preocupar agora em pregar o evangelho, pois, breve Jesus que ascendeu aos céus voltará.

    João Ricardo

  34. luiz roberto disse:

    Caros amigos cristãos ou não, aconselho-os a assistir a mensagem do pastor Ungandense John Mulinde dirigida no Congresso de Mulheres das Assembléias de Deus: http://www.youtube.com/v/YFw3Z1u6g6s&hl. ou através do site: mulherescomsededejustiça.com e também ouvirem os sermões de um dos homens de Deus mais assediados em seu tempo: Charles Haddon Spurgeon, sobre “A incapacidade humana”, “Um Novo Coração”, “Como Entender a Doutrina da Eleição”, “Os Mistérios da Predestinação”, entre outros. TODAS AS MENSAGENS FIÉIS AO EVANGELHO.
    Prestem atenção, principalmente nós cristãos, que estamos debatendo com pessoas cegas e surdas espiritualmente, isso acontece até dentro das igrejas!!! (tente argumentar com membros da CCB!!) quanto mais com os descrentes, como lideranças de ateus (na verdade satanás) tipo Daniel Fraga, Richard Dawkins…
    Meu caro Marcelo e internautas atentemos e aprimoremos-nos aos assuntos de Deus e não joguemos pérolas aos porcos.
    Deixe os ateus postarem comentários, descarregando suas iras. Não somos capazes de antecipar o momento que Deus os chama para Cristo.
    Preparemo-nos para o momento que Deus nos convoca para a pregação.

  35. Jhonatas disse:

    Olá. Realmente, fiquei impressionado com a entrevista. Sou evangélico há alguns anos e esse artigo me ajudou a reafirmar mais ainda minha fé Racional. Parabéns pelo artigo. Abraços

  36. luiz roberto disse:

    Dr. Rodrigo Silva, cientista e cristão, haje sempre de maneira imparcial, mesmo informações pretensas cientificas, que geram dúvidas, é claramente explicada por ele. Jô quando entrevista cristãos, tenta impor suas convicções, muitas vezes sem polidez, como? tem acontecido em outros programas, para delírio dos ateus, felizmente (ou infelizmente) ele estava diante de um cientista sério e bem preparado e após várias tentativas frustadas se rendeu. Os cristãos em sinal de respeito não aplaudiram. Fosse o contrário??!!
    Como condutor do programa e, apoiado pelo público, o Jô sempre leva vantagem sobre os entrevistados, más, o Dr. Rodrigo, assim como Dr. Craig estão preparados para debates que envolvem o criacionismo e a Bíblia.
    Jô Soares engoliu seco e para amenizar faz elogio ao Dr. Rodrigo e o convida para outro programa, coisa que dificilmente irá acontecer já que o Jô, assim como Dawkins não têm como defender suas convicções perante a aos dois Doutores.

  37. Filipe Gomes disse:

    Queridão, só o fato de “crer em Deus” já é fideísmo, fé irracional. Você nasce ateu!

    • Marcelo Todaro disse:

      Está se dirigindo a quem? Se for a mim, convido-o a ler meu artigo, pois aparentemente você não o leu, ou não o entendeu.

      Um abraço!

  38. Roger disse:

    Quantos comentarios e discussoes!!!!

    Ninguem pode voltar dos mortos.
    morreu, acabou. Pra que polemizar tanta bobagem mistica?
    Fe e fideismo eh a mesma coisa.
    Crer sem provas eh irracional.
    Nao adianta discutir para tentar dar uma roupagem cientifica a ilusoes infantis.

    • Marcelo Todaro disse:

      Roger, teria sido bom se você tivesse ao menos lido o artigo ou assistido o vídeo antes de deixar seu comentário, que prova flagrantemente que você não o fez.

      Eu gostaria de lembrá-lo de que “morreu, acabou”, “bobagem mística” e “ilusões infantis” são apenas e somente a sua opinião. É meramente aquilo em que você acredita. É a sua fé.

      Provas existem, sim, mas você tem que estar disposto a pagar o preço para obtê-las. Nem todo mundo está, o que não lhes confere o direito de arvorarem-se como donos da verdade afirmando o que não sabem.

      E, se você acredita mesmo que “morreu, acabou”, espero que goste de surpresas. 😉

      Um abraço!

    • Jeferson Santos disse:

      Roger, se você tem internet pode buscar por reportagens que mostram pessoas que já estavam com certidão de óbito assinado pelos médicos e ressuscitaram…mas a tua “fé” vai dizer…isso é bobagem..os fatos existem, mas os ateus, gnósticos e demais não irão aceitar porque “não foi verdadeiro”.

  39. Gerson disse:

    Caro Marcelo, farei um breve resumo de nossas conversas: Tentei postar um vídeo que achei no youtube aonde cientistas mórmons falam que não acreditam mais no livro de mórmon devido a pesquisas feitas com o DNA sobre a origem dos habitantes das Américas, que comprovou que os 1º habitantes deste continente não vieram de Israel como afirma o livro de mórmon. Vc me disse que o vídeo não tinha nada haver com o tema deste post. Ao que respondi que tem tudo haver, vejamos: “Não foi só o Jô que ficou de boca aberta com a conclusão de que fé irracional é fideísmo: eu também. Nunca tinha pensado nisso. Fiquei feliz em comprovar o que eu intuitivamente já sabia: não sou fideísta. Não creio por crer, meramente. Não lido bem com o que não tem ‘racionalidade ou lógica’.” Essas são palavras suas, não minhas. Mais, “Sou perfeitamente capaz de apresentar a quem quiser saber o bem definido racional de minha fé. Racionalidade e lógica têm a ver com inteligência. E sabemos que “a glória de Deus é inteligência” (D&C 93:36) ” Não duvido da existência de Deus e, ainda mais, tenho certeza de que Deus não se esconde na ignorância, não é exatamente isso o que quer dizer a passagem de D&C?
    Ao repassar o vídeo a vc pedindo uma resposta ao que lá é dito vc me respondeu: “Se Deus em pessoa me disse que [o Livro de Mórmon] é verdadeiro, a
    única explicação lógica para o que os homens dizem é que só podem
    estar errados. Ou será que Deus estaria errado e os homens certos? Eis
    aí meu racional para permanecer onde estou já há 25 anos: ou Deus está
    certo ou os homens estão. Ambos não podem estar certos ao mesmo tempo.
    Se Deus é perfeito e não pode errar, então, pela lógica, quem está
    errado é o homem que diz o contrário do que Ele diz.
    “Não sei onde está o erro no que esses homens dizem e também não estou
    minimamente preocupado em saber, pois já tenho a resposta de que
    preciso. Se Deus diz que o livro é verdadeiro, quem sou eu pra
    duvidar?
    Marcelo e se Joseph Smith continuasse a crer no que todos criam na época dele, o que aconteceria? Resposta, NADA. Foi exatamente a dúvida que o levou a questionar e não uma postura de que já sei tudo. Por sinal é exatamente essa postura que a ciência tem.
    Depois vc prosseguiu em sua argumentação: Nenhum cientista ou “entendido” de qualquer área jamais encontrou
    evidências da existência do Jardim do Éden, de Adão e Eva, do dilúvio,
    da divisão do Mar Vermelho e tantas outras coisas. Por fim, a ciência
    diz ser impossível Jesus ter ressuscitado após três dias morto. Para a
    ciência, esses relatos não passam de lendas. E agora, vamos todos
    virar ateus por causa disso?

    “Tratam-se de fatos espirituais que devem ser comprovados
    espiritualmente, não materialmente.”
    Marcelo 1º quero te dizer que ha sim cientistas que são crentes e muitos que são cristãos sem com isso negarem a ciência ou Jesus, na vdd ha cientistas que estão fazendo apologia cristã de bom nível e explicando a coerência entre fé e razão. Gostaria de contestar quando vc diz que são fatos espirituais e que devem ser comprovados espiritualmente. Afinal são fatos ou crenças? Lembre-se que o post começa devido a entrevista de um arqueólogo que usa a ciência para provar que as narrativas bíblicas realmente aconteceram, ele não diz ter tido alguma revelação a respeito dos acontecimentos, ele vasculha os locais aonde a bíblia diz ter acontecido algo para poder provar que a bíblia não é mito mas narrativa histórica.
    Nos comentários acima vc diz: Quando afirmo que minha fé é racional, sei bem o que estou dizendo. E sei por experiência própria (prática), não porque li nalgum livro de algum “doutor” (teoria). Não preciso de filósofo nenhum para saber o que pensar e no que crer. Quão espiritualmente miserável seria eu se dependesse dos outros para sustentar minha fé!
    Pode até ser Marcelo, mas se vc tem uma experiência ela passa pela leitura do livro de mórmon, que é um livro que expressa o ponto de vista de alguém, pode até ser de Deus (digo isso por respeitar a crença alheia, mesmo não sendo a minha). Ou seja, mesmo que vc diga que o que te fixou foi uma experiência pessoal e direta com Deus, ela passou por leitura de algo novo que vc não conhecia e por essa leitura ter te instigado a ir em busca de algo novo p vc, certo? Ou será que vc teria deixado sua antiga igreja e entrado na atual sem ter tido contato com o livro de mórmon?

    Depois prosseguimos por email e em um deles vc diz o seguinte:
    “A investigação a que me referi é a da minha fé. Se ela fosse baseada
    apenas num esforço de autoconvencimento, não resistiria a décadas de
    duros testes e provas, perante os quais sem dúvida já teria sucumbido.
    Mas quando a semente é boa a árvore não morre tão fácil. Eis porque,
    27 anos depois, é impossível apagar o testemunho que tenho — e olha
    que ele já foi provado à exaustão.”

    Marcelo quanto ao seu testemunho, não o recrimino por ter sua opinião mas, gostaria de pensar um pouco a respeito. Conheço testemunhas de Jeová que já se expuseram a morte por suas crenças, tb conheço evangélicos que de fato morreram por sustentar o que criam e, assim tb católicos. Seria isto então suficiente para comprovar a verdade de uma doutrina?
    Um abraço, Gerson

    • Marcelo Todaro disse:

      Você disse:

      Marcelo e se Joseph Smith continuasse a crer no que todos criam na época dele, o que aconteceria? Resposta, NADA. Foi exatamente a dúvida que o levou a questionar e não uma postura de que já sei tudo. Por sinal é exatamente essa postura que a ciência tem.

      Parece que você ainda não entendeu.

      Se o Dono de todo conhecimento do universo me disse que as coisas são assim, por que eu deveria achar que ainda não é o suficiente? Que maior testemunho ou confirmação posso querer que o do Deus Todo-Poderoso?

      Se eu ainda me sentisse na necessidade de continuar pesquisando depois de o Criador de tudo que existe ter me dito o que disse, eu não estaria fazendo nada mais que demonstrando que não acredito Nele, ou talvez que acho que Ele pode estar errado, ou que Sua palavra não é digna de confiança. E quão tolo (pra não dizer burro) seria eu se achasse que, com minha limitada mente mortal, posso encontrar provas maiores que as Dele.

      Isto posto, compreenda que eu realmente não preciso de provas ou confirmações adicionais. É como eu disse: se um homem ou grupo de homens, por mais doutos e instruídos que sejam, dizem que o Livro de Mórmon é falso ou que contém falhas sendo que o único Ser onisciente do universo diz o contrário, entre a palavra de homens humanos limitados mortais e a Dele, fico com a Dele. Isso me basta.

      Por isso eu disse que não sei onde está o buraco nas alegações dos que criticam o Livro de Mórmon, nem me interesso em saber. O que eu realmente me interesso em saber, já sei. Não preciso de comprovação científica de nada para saber que os fatos narrados nas escrituras são verdadeiros e, por extensão, que o Livro de Mórmon também é. Um dia (que estou plenamente convicto de que estarei vivo para ver chegar), nosso Pai revelará toda a verdade ao mundo, então aqueles que viram fraude e engano onde não existe — e aqueles que deliberadamente mentiram sobre isso — terão a oportunidade de reconhecer a falsidade (intencional ou não) das próprias afirmações.

      ha sim cientistas que são crentes e muitos que são cristãos sem com isso negarem a ciência ou Jesus, na vdd ha cientistas que estão fazendo apologia cristã de bom nível e explicando a coerência entre fé e razão. Gostaria de contestar quando vc diz que são fatos espirituais e que devem ser comprovados espiritualmente. Afinal são fatos ou crenças?

      O que eu quis dizer é que a ciência não tem como provar empiricamente fatos como a ressurreição de Jesus, dentre outros. Então, muito embora haja cientistas cristãos, isso por si só não prova nada, cientificamente falando.

      Como eu disse, são fatos espirituais que só podem ser comprovados espiritualmente. Não há como contestar isso.

      Conheço testemunhas de Jeová que já se expuseram a morte por suas crenças, tb conheço evangélicos que de fato morreram por sustentar o que criam e, assim tb católicos. Seria isto então suficiente para comprovar a verdade de uma doutrina?

      De forma alguma. Os homens-bomba muçulmanos estão aí para provar.

      O que é suficiente para comprovar a veracidade de uma doutrina é o testemunho prestado por Deus, independente do que os homens digam.

      Se um homem aparece dizendo que um cabo de vassoura é o novo porta-voz de Deus na Terra, a coisa mais lógica e inteligente a fazer para comprovar a veracidade dessa afirmação é perguntar a Deus se isso é verdade. Se for, Ele confirmará. Se não for, não confirmará. Simples assim.

      Quer um exemplo? Este maluco afirma ser a reencarnação de Cristo. Será que o Pai confirma isso? Nem é preciso perguntar a Ele, basta ver o que as escrituras dizem sobre a volta de Cristo para sabermos que esse homem não pode ser quem afirma.

      Então não importa se há gente se matando pelo que acredita. Se o objeto da fé dessas pessoas não for confirmado por Deus como verdadeiro, essa fé é vã (e a morte também).

      Um abraço!

      (Caso queira responder, clique no link “Responder”, logo abaixo.)

  40. Lentrix minuano disse:

    a fé e a base de todas religião.
    Sempre que falo de budismo destaco os tres pontos;

    pratica
    estudo
    A fe necessita da razão.
    Em todos esse anos fiquei interessado para compreender a fé de inumeras religiao. o processo da fé. como ela e construido tanto individualmente como coletivamente. nesse momento estou fazendo a leitura do alcorão. Por nascer em uma familia catolica a fé a qual foi direcionada era o cristianismo contudo ela de fato se deu no budismo.
    A pontos do budismo que se pode compreender por meio da fé.
    contudo pode a fé nos cegar?

    • Marcelo Todaro disse:

      Pode sim, se tendermos ao fanatismo.

      • GERSON disse:

        Vc me deixou curioso Marcelo, e como podemos saber se nos tornamos fanáticos ou se temos uma fé saudável?

        • Marcelo Todaro disse:

          Uma das principais características do fanatismo é o zelo obsessivo, que não admite questionamentos e pode levar a extremos de intolerância.

          O Evangelho de Jesus Cristo nos ensina a sermos ponderados e equilibrados, portanto não há nele espaço para fanatismo. Uma autocrítica e as observações de pessoas ao nosso redor podem nos servir de parâmetro para saber se estamos tendendo ao fanatismo ou não.

          • GERSON disse:

            Seria algo do tipo, só nós estamos certos mais ninguém?

            • Marcelo Todaro disse:

              Nós quem? Depende de quem está falando.

              Via de regra, certo está aquele que Deus diz estar. Então temos que buscar essa resposta com Ele.

            • Waldomiro Junior disse:

              Gerson, tentando reponder ou apenas colocando meu ponto de vista, concordo com o marcelo o zelo obesessivo é perigoso e também acrescento que a partir do momento não que entendemos que uma pessoa mesmo sendo contra o que pensamos por motivos variados, ela esta sendo fiel no que ela entende e acredita, como nós estamos sendo com o que acreditamos, compreendendo isso teremos muito mais paciencia para com um saudavel estudo colocar o que pensamos a fim de que convensamos os outros ou a partir disso nos convensermos.

              E finalizando, o que diferencia o rémedio do veneno é a dosagem.

              Para tudo tem que ter equilibrio.

              Abraço a todos

              • GERSON disse:

                Waldomiro gostei da sua colocação. O respeito a forma diferente de outra pessoa pensar, assegura que não sou fanático, afinal, avalio que o outro tb pode estar certo. Com relação ao estudo, peço que vc leia mais acima o que disse sobre a minha experiência e, depois me dê a sua opinião.

                Um cordial abraço.

  41. sergio r. silva disse:

    olá pessoal gostaria da opniao de vcs sobre esse site (na mira da verdade) . http://novotempo.com/videos/namiradaverdade/?video=16

  42. Gerson disse:

    Achei muito interessante os comentários e gostaria de partilhar o que se passou comigo. Tenho amigos mormons que me falaram da igreja de mormom, do outro testamento de Jesus. Da viagem da palestina à América, da civilização construida aqui apartir de então ( que como o Marcelo bem disse, não tem nenhuma comprovação arqueológica ou genética [passou um ótimo documentário sobre a descoberta da América no history channel aonde foi falado sobre essa possibilidade]), sobre suas experiências e etc. Recebi a visita dos missionários, fiz os estudos e, como não conseguia ver a veracidade do livro de Mormon e os rapazes não conseguiam me dar explicações para certas coisas inexplicaveis como, por ex. em 1ne 4:9 aonde fala do arco de aço, sendo que o aço é uma liga de metais que só passou a ser fabricada muitos séculos depois. Ou pq não há evidências desta civilização tão grandiosa sendo que há evidências confiáveis até de pequenos grupos que estiveram na América muito antes ou depois da civilização descrita no livro de Mormon, por ex. os vikings, os japoneses, e até os povos europeus a 22 mil anos atrás. Então me disseram para orar e buscar a verdade diretamente de Deus, pois Ele não me deixaria sem resposta. Ok, me pus a orar e a pedir a Deus que me revelasse se a igreja de Mormon realmente é a igreja verdadeira. Pois bem após algum tempo recebi a resposta de Deus de que ela ‘não’ era a igreja verdadeira. Falei isso para os missionários que de cara não gostaram do que lhes disse, disseram-me que havia algo errado que, talvez eu não tivesse perseverado ao que disse que pelo contrário fui persistente até ter uma resposta de Deus. Então me disseram que eu tinha sido enganado pelo diabo, não gostei muito do que me disseram mas estava disposto a ir até o fundo disso p saber se realmente a igreja de Mormon está certa e tantas outras denominações estão sendo enganadas pelo diabo. Então pedi para que orassem comigo, nós oramos e não hove mudança em mim, então me disseram para que eu continuasse orando e perguntando a Deus sobre a verdade e que eles estariam me ajudando em oração também. Ok continuei orando e cada vez mais sentia a convicção de que a igreja de Mormon não estava certa em suas afirmações e sentia muita paz em meu coração sobre isso. Ao fim eles me disseram que eu estava errado e que deveria aceitar as escrituras da igreja como a verdade como eles faziam. Tenho certeza de que Deus falou comigo e, ninguém pode dizer que não foi Deus quem me respondeu. Deixo este comentário para passar a minha experiência e estou aberto a comentários que questionem o que aconteceu comigo. Um abraço a todos e parabéns Marcelo por esse site.

    • Marcelo Todaro disse:

      Gerson,

      Eu posso, sim, dizer que não foi Deus quem lhe deu essa resposta. Isso por um motivo muito simples: se Ele o fez, então ou mentiu pra você ou mentiu pra mim. Se assumimos que Ele é perfeito e não pode mentir, não pode ter dito uma coisa a você e outra a mim. Ele não é Deus de confusão.

      Então um de nós dois recebeu uma resposta da fonte errada. E eis aqui porque não fui eu:

      Quando eu era evangélico, antes de ser SUD, não sabia o que era um testemunho. Eu sabia que havia um Pai e que eu devia a Ele alguma devoção (leia sobre isso no artigo em que conto a história de minha conversão), mas eu não fazia ideia de que só poderia haver uma única verdadeira Igreja de Jesus Cristo. Até então, para mim todas eram válidas, o que me desobrigava da necessidade de procurar.

      Naquela época, o meio evangélico incutiu em mim um preconceito antimórmon que só se dissipou quando me dispus a buscar uma resposta de Deus. Até então eu achava que já a tinha, mas fui confrontado com uma situação que me fez ter que procurar.

      Creio ser essa a situação de muita gente nas outras igrejas, você inclusive.

      Já me convenci de muita coisa na vida, inclusive até já mudei de caligrafia três vezes (e qualquer um que já o tenha tentado sabe o quanto isso é difícil). Mas a autossugestão não dura para sempre. Qualquer coisa de que eu tivesse tentado convencer a mim mesmo não resistiria ao escrutínio de uma investigação mais apurada.

      Se meu testemunho tivesse sido autoinduzido ou inspirado pela fonte errada, não estaria resistindo a 26 anos de duros testes e provas que começaram com minha decisão de sair em missão (leia na sequência de artigos em meu blog a começar pelo do link acima). Não me mantive firme em minha fé por todos esses anos por uma questão de conveniência, hábito ou tradição. Pelo contrário, a quantidade de testes e provas pelas quais já tive que passar nesse período foram suficientes para reafirmar o caráter sagrado e divino da revelação que recebi em decorrência de minha pesquisa pela Igreja verdadeira. Se eu não tivesse recebido de Deus esse conhecimento e se ele fosse um engano ou engodo, a dureza dos desafios que já tive que enfrentar por causa dele já me teriam feito pular fora da Igreja há muito tempo. Mas não posso fazê-lo. Não tenho o menor fiapo de dúvida quando ao que sei e sou capaz de defender esse conhecimento até minha última gota de sangue, se for preciso, porque sei que ele não tem fonte humana, e sim divina. Não posso negar o testemunho que recebi de Deus e que tem sido reafirmado por Ele dia após dia nesses 26 anos.

      Para encerrar, quero que leia os seguintes artigos de meu blog:

      A razão da esperança que há em mim
      A alegria de ser membro da Igreja (parte IV)

      E também este artigo:

      “Eu Creio, Senhor! Ajuda a Minha Incredulidade”

      Por favor, não me responda antes de ler o conteúdo desses links com calma e atenção, em espírito de oração, com toda humildade em fé, pedindo ao Senhor uma confirmação de tudo que está escrito, sem achar que já sabe o que Ele tem a dizer ou que a suposta resposta recebida Dele já é suficiente.

      Preste bem atenção nisto: é IMPOSSÍVEL Ele ter lhe dito que a Igreja não é verdadeira. IMPOSSÍVEL, pois Ele não mente. Se você recebeu essa resposta, não foi Dele (e também não estou dizendo que foi do diabo).

      Um abraço!

    • Adilson Alcântara disse:

      Gerson,

      Eu já me questionei sobre isso, não em relação aos mórmons, mas sobre a igreja evangélica. Pensei comigo: EU acredito no que diz o evangelho, mas os mórmons também acreditam no que eles pregam, a mesma coisa os católicos, macumbeiros, e etc…
      Então veio essa duvida sobre mim.
      Pensei comigo: E se eu estiver errado!.
      Então pensei sobre as outras “religiões” e o que elas diziam sobre a salvação.
      Todas as outras tinham um porém.
      O católico tem o purgatório, que é o homem pagando pelo seu próprio pecado.
      O espiritismo diz que vc tem que fazer caridade e reencarnar até não precisar mais, isso me parece muito com o aluno que não vai bem no ano letivo, e então ele tem que tentar de novo.
      Agora o evangelho da graça é diferente de tudo o que conhecemos.
      Todas as outras religiões que eu conheço tem um padrão humano de agir, mas o a graça de Deus é totalmente diferente do jeito humano de ser, sempre como uma troca.
      A bíblia diz que não é por obra, mas é o dom gratuito de Deus!
      Deus separa bem a salvação das obras, a salvação está a disposição daqueles não são salvos, e o galardão está para os que já estão salvos.
      Então eu penso assim. Esse negócio de graça só pode vim de Deus.
      o Homem não tem essa capacidade, nos humanos sempre colocaremos um porém.
      Tanto que muitos dos evangélicos complicam a salvação, mas ela simples assim:
      Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado.

      Esse crer não é crer de acreditar que aconteceu, mas é crer na intensidade do FATO DA CRUZ
      E se um dia alguém se desviar desse caminho então nuca foi salvo, por que não creu na intensidade.
      Porque se entendermos na intensidade então nunca os desviaremos do caminho.
      Não há nada maior do que Esse amor, nem o próprio Deus é maior que esse amor!

      • Marcelo Todaro disse:

        Adilson,

        Você está tentando dizer que a salvação não é propriedade de nenhuma religião, com o que concordo. Quem pode nos prover a salvação é o Salvador Jesus Cristo e apenas Ele. Até aí, tudo bem.

        O que NÃO está tudo bem é a suposição de que não faz diferença qual religião seguimos.

        No tempo de Jesus já existiam religiões das mais diversas. Se fosse verdade que religião não faz diferença, Ele não teria organizado a Dele e incentivado os homens a permanecerem fiéis a Ele e ao conjunto de ensinamentos que chamamos de evangelho, que só Ele e a religião Dele possuíam.

        Para sermos salvos é necessário submetermo-nos a certos ritos e ordenanças, como batismo, dom do Espírito Santo, sacramento, etc., que só podem ser realizados pela devida autoridade do sacerdócio de Deus. Esse sacerdócio foi conferido por Jesus a Seus apóstolos antes de partir a fim de que tivessem autoridade para agir em nome Dele, como se fossem Ele. Se fosse verdade que qualquer religião serve (ou nenhuma serve), os primeiros cristãos poderiam muito bem misturar-se aos fariseus, saduceus e outros religiosos da época e estaria tudo bem. Felizmente, as coisas não são assim.

        O sacerdócio e o evangelho foram restaurados por Deus no mundo por intermédio do Profeta Joseph Smith, no Século XIX. Aqueles mesmos dons espirituais que havia no tempo de Jesus estão de volta hoje. Isso é uma prerrogativa exclusiva da única e verdadeira religião — não mais uma fundada com a intenção de ser de Jesus Cristo, mas a única que Ele reconhece como sendo Sua, pois não foi organizada pelas mãos de homens, e sim do próprio Salvador em pessoa, coisa que Ele fez em Sua série de visitas a Joseph Smith.

        Portanto, não posso de forma alguma concordar com a presunção de que qualquer religião (ou nenhuma) serve. Só a verdadeira religião tem poder e autoridade para pregar o evangelho e ministrar suas ordenanças de salvação.

        Um abraço!

        • Adilson Alcântara disse:

          Marcelo

          Eu não disse que qualquer religião. O que eu quero dizer é não podemos que só os evangélicos são salvos ou só os mómons e etc.
          Eu entendo que a “religião” certa é aquela que menos modifica a bíblia. A bíblia é o suficiente pra mim.
          Em relação ao que vc disse sobre o “profeta Joseph Smith.”
          Entendo se fosse parte do plano de salvação de Deus Ele nos avisaria na bíblia sobre um profeta que restauraria O sacerdócio e o evangelho por intermédio dele, como Deus pode esquecer de algo tão importante!
          Mas na bíblia diz que viriam muitos falsos profetas, mas essa é só a minha opinião.
          Abraço

          • Marcelo Todaro disse:

            Adilson,

            Antes de prosseguirmos, eu gostaria de alertar que estamos fugindo do tema do artigo. Portanto, caso queira prosseguir, por favor, faça-o em particular. Este será o último comentário desta sequência.

            Eu não disse que qualquer religião. O que eu quero dizer é não podemos que só os evangélicos são salvos ou só os mómons e etc.

            Se você vivesse no tempo de Jesus, diria que os fariseus, saduceus, judeus ou os romanos e egípcios adoradores de múltiplos deuses poderiam ser salvos se não se tornassem cristãos?

            Se a resposta for não, então porque hoje haveria de ser diferente?

            Abra sua mente, Adilson!

            A salvação depende da aceitação do evangelho e da submissão a suas ordenanças que só podem ser efetuadas mediante a devida autoridade do sacerdócio de Deus. Quem quer que queira ser salvo precisa submeter-se a isso, do contrário não poderá ser salvo (e também não estou dizendo que vai para o inferno ou algo assim).

            Eu entendo que a “religião” certa é aquela que menos modifica a bíblia. A bíblia é o suficiente pra mim.

            Eu gostaria de convidá-lo a ler este artigo do meu blog. Por favor, leia-o até o fim.

            Em relação ao que vc disse sobre o “profeta Joseph Smith.”
            Entendo se fosse parte do plano de salvação de Deus Ele nos avisaria na bíblia sobre um profeta que restauraria O sacerdócio e o evangelho por intermédio dele, como Deus pode esquecer de algo tão importante!
            Mas na bíblia diz que viriam muitos falsos profetas, mas essa é só a minha opinião.

            Ainda bem que é só sua opinião. 😉

            Pela sua lógica, se não podemos aceitar nada que não esteja na Bíblia, então também temos que rejeitar automaticamente os muitos escritos sagrados mencionados nas Bíblia que não possuímos hoje, entre os quais estão os seguintes livros e escritores: o livro do convênio (Êxodo 24:7), o livro das guerras do Senhor (Números 21:14), O livro de Jasher (Josué 10:13; II Samuel 1:18), livro dos atos de Salomão (I Reis 11:41 — olha Salomão aí de novo!), Samuel, o vidente (I Crônicas 29:29), Natã, o profeta (II Crônicas 9:29), Semaías, o Profeta (II Crônicas 12:15) Ido, o profeta (II Crônicas 13:22), Jeú (II Crônicas 20:34), os livros dos videntes (II Crônicas 33:19), Enoque (Judas 1:14); e cartas aos coríntios (I Coríntios 5:9), aos efésios (Efésios 3:3), aos da Laodicéia (Colossenses 4:16) e de Judas (Judas 1:3). Quem garante que o nome de Joseph Smith não constava em alguma dessas escrituras perdidas?

            Só porque algo não está na Bíblia não quer dizer que não pode ser verdade. Senão teríamos que supor que Deus se aposentou, passou um zíper na boca e não tem mais nada a nos dizer.

            Permita-me explicar-lhe como surgiu a Bíblia (= livros; plural do grego “Biblos” = livro). João Crisóstomos, por volta do século IV d.C., usou este termo para designar as escrituras canônicas (= “padrões”) judaicas junto com alguns dos escritos e cartas dos apóstolos e discípulos de Jesus Cristo. Mas sempre houve e continua havendo discussões entre os mais eruditos teólogos sobre a autenticidade destes escritos. Os atuais 66 livros da Bíblia hebraica são aceitos como únicos pelos protestantes cristãos desde a Reforma de Martinho Lutero (se bem que ele repudiou a autenticidade divina da Epístola de Tiago, uma vez que ela ia de encontro a sua doutrina da “Justificação pela Fé”, contradizendo o que é ensinado em Tiago 2:24 [História da Civilização, “As Reformas”, Vol. VI; Willian & Ariel Durant]). As igrejas católicas (romana e ortodoxa) também aceitam como doutrinários e inspirados livros comumente chamados de apócrifos (I e II Macabeus, Tobias, Judite, Sabedoria de Salomão, Eclesiástico de Sirac, etc.).

            A questão é: quem decidiu sobre a divina autenticidade desses livros: foram profetas de Deus ou concílios de homens? A história infelizmente nos leva à segunda opção. Então, para por fim ao assunto entre os leigos, os eruditos deslocaram o Apocalipse para o final da Bíblia e a maioria das igrejas cristãs aceitou como definitiva a declaração final de que nada mais poderia ser acrescentado ou retirado, sob pena de pragas ou excomunhão de Deus. Mas acrescentado ou tirado de quê? Da Bíblia? “Sim”, responde a ingenuidade de muitos. O problema é que é bastante óbvio que o Apocalipse é uma carta de João às 7 igrejas da Ásia e não foi o último livro da Bíblia a ter sido escrito (o evangelho de João e provavelmente a epístola de Judas são posteriores ao Apocalipse). Além disso, a Bíblia como a conhecemos hoje nem existia no tempo da revelação do Apocalipse, sendo ela compilada somente 3 séculos mais tarde.

            Fica portanto óbvio que, ao dizer que nada pode ser acrescentado, o Senhor está se referindo a alterar a revelação dada. Isso sempre foi um procedimento comum do Senhor, como podemos ver em Deuteronômio 4:2.

            Eu não ficaria surpreso se visse algum judeu acusando um cristão de anátema por acrescentar todo um Novo Testamento às revelações de Moisés e utilizar a passagem de Deuteronômio 4:2 como “prova”.

            Abra sua mente, Adilson! Não seja fanático.

            Um abraço!

  43. Adilson Alcântara disse:

    Se você for fideísta, então a sua fé corre perigo.
    Se for racional, então a sua fé é inabalável.

  44. Adilson Alcântara disse:

    O problema é que as pessoas pensam que a fé é um sentimento. A fé não é sentimento, a fé é pura razão.
    Há duas passagens na bíblia que diz o que é uma fé relacionada a emoções e a fé relacionada a razão.
    Pedro quando andou sobre as águas ele estava usando a fé emocional. Porque foi passageira, não durou muito tempo.
    Quantas vezes tomamos decisões pela emoção e nos arrependemos depois? Quantas pessoas deixam a fé porque não “sentem” mais a presença de Deus. Esse é o perigo da fé emocional!

    Mas teve um home na bíblia que entendeu o que a fé é racional
    Presta atenção no que ele disse.

    “Respondeu o centurião: “Senhor, não mereço receber-te debaixo do meu teto. Mas dize apenas uma palavra, e o meu servo será curado.
    Pois eu também sou homem sujeito à autoridade, com soldados sob o meu comando. Digo a um: ‘Vá’, e ele vai; e a outro: ‘Venha’, e ele vem. Digo a meu servo: ‘Faça isto’, e ele faz”. RM 8. v8.9

    Está bem claro que o centurião usou a razão, usou o que ele conhecia. Ele entendeu que Jesus é a maior autoridade do universo!
    E Jesus disse:

    Ao ouvir isso, Jesus admirou-se e disse aos que o seguiam: “Digo-lhes a verdade: Não encontrei em Israel ninguém com tamanha fé.
    Em outras palavras: ISSO SIM É FÉ!

    Veja a diferença na reação de Jesus. Para pedro ele diz: Homem de pouca fé.
    E pro centurião ele diz: Nunca vi tamanha fé em toda jerusalém

    É claro que dá pra explicar a fé com mecanismos racionais!
    Porque a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos.
    A razão fala do que é certo, firme. a fé não tem haver com sentir, e sim com entender.

  45. Achei muito interessante a discussão até certo ponto…. mas de certo ponto em diante vemos que não se adiciona nada de realmente novo a questão inicial proposta e se resume em que muitas vezes não estamos disposto a pagar o preço para saber a verdade.

    Compartilho da mesma crença do autor deste blog, até mesmo servi uma missão de tempo integral para a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos dias. Na missão compartilhei sobre o evangelho com muitas pessoas, mas logo no inicio já chegava ao ponto em que eu já sabia se a pessoa estava disposta a pagar o preço.

    Nossa religião esta baseada no Livro de Mórmon, cujo capitulo final contem uma promessa que após ler, ponderar, e orar a respeito dele poderá saber de sua veracidade pelo poder do espírito santo. A promessa é verdadeira pois foi através dela que obtive meu testemunho, mas infelizmente não posso transmitir meu testemunho para ninguém, o que não significa que cada um não possa obter o seu se estiver disposto a pagar o preço. Por exemplo me diga porque razão o Pai Celestial manifestaria a veracidade do Livro de Mormon para você se você mesmo sabendo a verdade não esta disposto a mudar ou seguir seus preceitos.

    Apesar de não poder provar quase nada posso dizer que minha fé não cega nem sou um fideista (razão inicial deste artigo), pois esta entre muitas outras evidencias alicerçam minha fé. A partir do ponto que uma pessoa continua argumentando contra mas não esta disposta a pagar o preço para saber a verdade, para mim acaba a razão de continuar a conversa.

    Obviamente na missão tive oportunidade de encontrar pessoas que me disseram que fizeram tudo como eu tinha explicado mas não receberam uma resposta afirmativa e portanto o livro é falso. Está é mais uma situação onde não vejo o porque continuar uma conversa que seria infrutífera, ao mesmo tempo que isso não invalida a minha resposta nem abala meu testemunho, eu só posso dizer que um dia todas as coisas serão reveladas e se esta pessoa estava fazendo isso apenas para dizer ou mostrar que livro não é verdadeiro o que seria razão de sobra para não receber uma resposta, eu diria para esta pessoa pensar duas vezes antes de ir por esse caminho…

    Uma das regras de fé de nossa igreja dita “Pretendemos o privilégio de adorar a Deus Todo-Poderoso de acordo com os ditames de nossa própria consciência; e concedemos a todos os homens o mesmo privilégio, deixando-os adorar como, onde ou o que desejarem. (Pérola de Grande Valor | Regras de Fé 1:11)” Desta forma poderia dizer que apenas providenciamos o queijo e a faca se a pessoa não quiser cortar o queijo é problema dela, não podemos e nem queremos forçar uma crença nos outros se pretendemos reter o privilégio de também adorarmos o que queremos.

    Se você quiser saber mais sobre estas coisas incluindo nossa religião, este site tem links de sobra para você encontrar mais informações. Queria também deixar meus cumprimentos ao autor do blog, pelas matérias e artigos.
    Marcelo Gameiro
    http://jupdpp.blogspot.com/

  46. Leonel D'Ávila disse:

    Caro Marcelo,

    Racional é aquilo que pode ser apreendido pelos mecanismos da razão, através do estudo, da observação, da dedução e da racionalização.

    Racionalizar é tornar comum, cognoscível, familiar, enfim, é tornar algo previsível.

    Racionalizar a fé se manifesta como a tentação de “sequestrar” Deus e trancafiá-lo numa caixa conceitual limite, engessá-lo num sistema estanque. Uma tentação quase tão antiga quanto o próprio “Cristianismo” – que pode ser remontada aos escritos de Agostinho e, de uma forma muito mais elaborada, com a Escolástica de Tomás de Aquino.

    Não há como escapar do desafio da fé, pois, como provar racional e inequivocamente coisas como o nascimento virginal, a ressurreição dentre os mortos, a ascenção corpórea de Cristo ao céus e mesmo seu iminente e literal regresso a Terra. Não são estes artigos de fé que não podem ser explicados e cridos senão pela fé?

    Fazer essa oposição entre fé e fideísmo me parece muito mais um jogo de palavras – um esforço intelectual para tornar menos absurdo o conteúdo de nossas crenças, não importam quais sejam – que um argumento válido em favor da crença.

    Deus é espírito (do grego: pneuma – fôlego, sopro, vento) e o espírito de Deus sopra onde quer. Assim como não podemos aprisionar o vento não podemos aprisionar Deus em nossos limites conceituais. Alguém já disse certa vez que um deus previsível não é deus algum. Quando chegamos a articular alguma coisa acerca de Deus o tornamos menor que nós mesmos. Pois, passamos a determinar sob que condições e com que resultados Deus atuará. Isso não é fé, é macumba. E todos os sistemas de barganha giram em torno dessa premissa, de que Deus agirá em meu favor se seguir esta ou aquela receita fórmula, pois assim o fez no passado.

    A fé, a verdadeira fé, tem muito mais haver com revelação do que com racionalização. E a revelação é quase sempre um processo individual, foi assim como Noé, Abraão, Moisés e Joseph Smith. Não foi através do estudo que Joseph Smith chegou à conclusão de que a igreja necessitava de uma restauração. Pelo contrário. O estudo pode até nos apontar o caminho a seguir, mas, é sempre Deus quem vem ao nosso encontro. Se a fé tivesse a ver com capacidade intectual apenas alguns poucos a alcançariam. Mesmo se olharmos para o ministério terreno de Cristo veremos que promover uma “fé racional” ou qualquer elocubração mais elaborada acerca do divino e dos mecanismo salvíficos nunca foi uma prioridade – mesmo sua missão específica era um mistério mesmo para os apóstolos mais chegados.

    “Jesus recusava-se a ensinar que a salvação estivesse relacionada a algum conhecimento específico sobre o mecanismo de Deus, do universo ou mesmo da salvação. Na verdade, parte essencial da originalidade do pensamento do Filho do Homem está na sua ênfase de que não há qualquer mérito no conhecimento intelectual, e que o acesso ao favor de Deus não depende de modo algum dele.” (BRABO, Paulo. Em 6 Passos O Que Faria Jesus, pg. 22)

    • Marcelo Todaro disse:

      Caro Leonel,

      Pelo jeito, você é um fideísta. 😉

      Se for esse o caso, então não me resta alternativa senão respeitar sua escolha por crer nas coisas que disse em seu comentário, assim como respeito quem crê em Buda, Maomé, duendes, vacas sagradas, deuses astronautas e até quem crê na inexistência de Deus. Todos somos livres para crermos no que quisermos e com você não é diferente.

      Mas, se você não é um fideísta, sou levado a concluir que, com esse seu discurso todo, não está provando outra coisa senão que não entendeu nada do que escrevi. Aliás, seus comentários estão tão desconectados de meu artigo que me pergunto se você realmente comentou o artigo certo. Não pude deixar de me lembrar das palavras de Festo a Paulo: “Estás louco, Paulo; as muitas letras te fazem delirar.” (Atos 26:24) 🙂

      Convido-o a lê-lo novamente, desta vez com calma e atenção, para notar que não estou tentando “aprisionar Deus em nossos limites conceituais”, até porque não expressei “limite conceitual” algum. Essa idéia é simplesmente absurda e não está contida em linha alguma do que escrevi.

      Quando ler novamente, por favor, faça-o em espírito de oração, buscando obter do Espírito do Senhor inspiração e testemunho a respeito do que estou tentando dizer.

      Aliás, se me permite um comentário, várias de suas afirmações carecem de embasamento escriturístico e doutrinário e me parecem muito mais filosofias humanas do que idéias divinamente inspiradas.

      Um abraço!

      • Leonel D'Ávila disse:

        Caro Marcelo,

        só estou dizendo que:

        1) Eu, você, o budista, o judeu, o islamita, o espírita, o umbandista somos todos fideístas. “Fé racional” é um oxímoro, apenas a combinação engenhosa de palavras contraditórias.

        2) A fé é absurda. Pois então vejamos: a fé pressupõe a crença em coisas que não se podem ver (Hebreus 11:1; 2 Coríntios 5:7), não é um conhecimento perfeito (Alma 32:26), não deve se apoiar em “palavras persuasivas de sabedoria humana” (I Coríntios 2:5) e nos convida à obediência sem explicações prévias. (Moisés 5:6)

        3) O esforço para tornar a fé racional não é novo e é uma influência direta da filosofia helenista.

        • Marcelo Todaro disse:

          Caro Leonel,

          Sabe de uma coisa? Tenho mais ou menos o dobro da sua idade. Você ainda nem tinha nascido quando eu já era influenciado e dirigido pelo Espírito do Senhor. Portanto, já tive e continuo tendo experiências espirituais em número e relevância suficientes para saber que suas afirmações sobre a fé e seus livros de filosofia estão tristemente errados.

          Até entendo sua necessidade de usar a filosofia como muleta para se apoiar, afinal, do pouco que o conheço e que já observei — tanto pessoalmente quanto virtualmente —, sua experiência espiritual, caso exista, é bem pouca. Não o estou criticando, estou apenas dizendo que sei um pouco mais sobre fé do que você. Você parece conhecer muito bem a teoria filosófica, mas eu conheço a prática. A teoria nem sempre se confirma na prática.

          Quero repetir algo que eu disse no artigo: tenho uma experiência íntima, pessoal e quase tangível com nosso Pai. É uma relação de causa e efeito da qual é impossível duvidar. Quando o assunto é Ele, sei bem o que é racional e o que não é. Há certas coisas sobre as quais não preciso mais da fé para acreditar, pois delas já tenho um conhecimento perfeito. Só cheguei a esse conhecimento exercendo uma fé racional, pensante, inquisidora, não meramente passiva e inerte.

          Quando afirmo que minha fé é racional, sei bem o que estou dizendo. E sei por experiência própria (prática), não porque li nalgum livro de algum “doutor” (teoria). Não preciso de filósofo nenhum para saber o que pensar e no que crer. Quão espiritualmente miserável seria eu se dependesse dos outros para sustentar minha fé!

          Portanto, novamente: não sou fideísta. Se você se considera assim e se acha incapaz de praticar uma fé racional, não tenho nada com isso. Fale apenas por si mesmo, sim? Querer que eu assuma a sua identidade espiritual e afirmar que as coisas só podem ser como está nos seus livros de filosofia humana — como se a mente de Deus estivesse contida neles — é de uma presunção ingênua e pouco inteligente, para dizer o mínimo.

          Não me importo se você acha que estou errado baseado no que aprendeu nos seus livros de filosofia. Se eu me importasse com o que os outros pensam, já teria abandonado minha fé e minha religião há muito tempo. Não sou maria-vai-com-as-outras. Não vivo para agradar aos homens, e sim a Deus. E você pode ter a mais plena e absoluta certeza de que, até onde me é possível dentro de minhas fraquezas e limitações, tenho sido bem sucedido nessa meta. E aguardo com grande ansiedade o dia em que todas as coisas dos céus e da Terra serão reveladas por Deus para que ninguém diga que as coisas são como os “filósofos” acham que são, quando então toda soberba e toda filosofia humana serão esmagadas sob os pés do único Ser onisciente do Universo e todos conhecerão a verdade como criada pelo próprio Criador. Aí você e os “filósofos” saberão quão racional a fé pode ser.

          Não acredita? Então espere pra ver!

          Um abraço!

          • Caio Victor disse:

            Marcelo, sabe o que acho mais engraçado? É que, com essa lenga-lenga toda, o Leonel nem percebeu que caiu na contradição dos fideístas: utiliza a razão para expor sua doutrina e depois nega seu emprego em questões de fé.

            E outra: o Leonel se define como fideísta, mas os fideístas pelo menos têm fé, enquanto o Leonel a considera absurda. Mais uma contradição.

            Que tolinho! 😉

            • Leonel D'Ávila disse:

              Caro Caio,

              primeiramente, quando utilizei o termo “absurdo” em relação à fé o fiz como adjetivo e não como substantitvo, ou seja, como algo “contrário ou repugnante à razão” (Dicionário Priberam da Língua Portuguesa). Nesse sentido a fé é absurda sim – não pode ser apreendida pelos mecanismos da razão nem pode deles se valer para sua legitimação. Haja visto os exemplos escriturísticos que citei.

              Segundo, perceba que utilizei o termo absurdo e não absurdidade – que significa asneira ou tolice. O que disse e reafirmo é que a fé não precisa ter um conteúdo lógico ou racional para que seja legítima (e de fato, convenhamos, não tem).

              O que precisa ficar claro é que não sou contra a razão, nem contra a fé. De fato, tudo que escrevi até o momento está inevitavelmente maculado por intelectualização. Qualquer tentativa de articular algo sobre o divino se dará obrigatoriamente em termos intelectuais – não há como fugir disso.

              Terceiro, não estou tentando estabelecer nenhuma “doutrina”. O que está posto até aqui são apenas percepções pessoais, reflexões mais ou menos elaboradas acerca do tema. E mais, em nenhum momento me defini como um fideísta. Quando Marcelo afirmou isso aventou a possibilidade devido ao que escrevi, deixando claro que se fosse esse o caso não cabia mais argumentação visto que “todos somos livres para crermos no que quisermos”. No caso contrário, eu era apenas um equivocado.

              Bem, não sou nem uma coisa nem outra. Se houver um caminho do meio nessa discussão polarizada é lá que quero estar.

          • Leonel D'Ávila disse:

            Caro Marcelo,

            em nenhum momento tentei impôr minhas crenças à você. Afinal, “[t]odos somos livres para crermos no que quisermos e com você não é diferente.” Apenas expus minha opinião sobre o tema, um direito que me dou simplesmente pelo fato de seu site possibilitar o envio de comentários.

            Se fui ofensivo em algum momento peço desculpas, não foi essa a intenção. Não cabe a mim avaliar a legitimidade das suas experiências espirituais.

            Porém, o fato de ser mais jovem (e nem é tanto assim porque já estou quase na casa dos 30) e menos “experimentado” que você não me torna menos apto para fazer comentários. Não duvido da sinceridade da sua fé nem da honestidade da sua crença numa “fé racional”. Mas, acredito que os pontos que levantei não são tão tolos assim (como Caio fez parecer). Então vejamos, cremos que uma civilização inteira originou-se no continente americano oriunda de umas poucas pessoas que vieram de Jerusalém no ano 600 a.C., num barco construído pelo “dom e poder de Deus”, utilizando uma bussóla acionada pela fé. Cremos que essa civilização tinha um cultura altamente elaborada, construiu cidades, templos magnifícos, cunhou moedas, produziu armamentos, escreveu livros, empreendeu guerras, desenvolveu atividades agropecuárias. Cremos que essa civilização recebeu uma visita do Cristo ressurreto e que ele estabeleceu sua Igreja aqui na América. Cremos que essa civilização inteira foi destruída. Porém, a arqueologia não corroba nenhuma dessas crenças. A genética muito menos. Cremos que Deus, o Pai, e seu filho Jesus Cristo aparecem a um jovem de catorze anos e o incubiram de traduzir um texto sagrado desses antigos habitantes das Américas “pelo dom e poder de Deus”. Cremos que esse antigo texto foi escrito num idioma que era uma mistura de aramaíco e egípcio, chamado de “egípcio reformado” (fato que a historiografia não corrobora). Cremos, por fim, que Deus chamou esse jovem como “profeta, vidente e revelador” e o incumbiu de restaurar Sua Igreja na face da terra. Cremos em profetas vivos que se comunicam pessoalmente com Deus atualmente. Porém, o fato de nenhuma dessas crenças poderem ser corroboradas pela ciência não as torna menos legítimas e dignas de crença para pelo menos 12 milhões de pessoas ao redor do mundo, incluíndo eu e você. Sinceramente elas sabem que essas coisas são verdadeiras simplesmente porque receberam um testemunho espiritual – um simples, porém inequívoco, ardor no peito foi suficiente para convencê-las.

            Eis o absurdo da fé. A fé tem muito mais a ver com experiência que com estudo e reflexão. Não cometerei novamente o erro de generalizar. Essa é uma percepção minha sobre o tema. Não quero polemizar, pelo contrário contribuir com a discussão de ideias – e exatamente no plano das ideias onde quero permanecer. Portanto, mais uma vez, se fui ofensivo peço desculpas.

            Estaria mentindo se alegasse originalidade acerca dessa abordagem da fé. Sou devedor de muitos filosófos, teológos, líderes religiosos de diversas correntes e livre-pensadores. Não me envergonho disso. Acho que faço justiça aos seus escritos, porém eles não são para mim, em nenhum sentido, “muletas”. Estou apenas cumprindo o mandamento “divinamente inspirado” de buscar conhecimento nos melhores livros (D&C 88:118; 109:7,14).

            • Marcelo Todaro disse:

              Cremos que uma civilização inteira originou-se no continente americano oriunda de umas poucas pessoas que vieram de Jerusalém no ano 600 a.C., num barco construído pelo “dom e poder de Deus”, utilizando uma bussóla acionada pela fé. Cremos que essa civilização tinha um cultura altamente elaborada, construiu cidades, templos magnifícos, cunhou moedas, produziu armamentos, escreveu livros, empreendeu guerras, desenvolveu atividades agropecuárias. Cremos que essa civilização recebeu uma visita do Cristo ressurreto e que ele estabeleceu sua Igreja aqui na América. Cremos que essa civilização inteira foi destruída. Porém, a arqueologia não corroba nenhuma dessas crenças. A genética muito menos. Cremos que Deus, o Pai, e seu filho Jesus Cristo aparecem a um jovem de catorze anos e o incubiram de traduzir um texto sagrado desses antigos habitantes das Américas “pelo dom e poder de Deus”. Cremos que esse antigo texto foi escrito num idioma que era uma mistura de aramaíco e egípcio, chamado de “egípcio reformado” (fato que a historiografia não corrobora).

              A resposta a essas questões está aqui:

              http://marcelotodaro.info/?p=406

              Ali está mais uma prova do quão racional a fé pode ser e de que, apesar de não haver prova material alguma (como se elas fossem necessárias), ninguém é obrigado a “crer por crer”.

              Cremos, por fim, que Deus chamou esse jovem como “profeta, vidente e revelador” e o incumbiu de restaurar Sua Igreja na face da terra. Cremos em profetas vivos que se comunicam pessoalmente com Deus atualmente. Porém, o fato de nenhuma dessas crenças poderem ser corroboradas pela ciência não as torna menos legítimas e dignas de crença para pelo menos 12 milhões de pessoas ao redor do mundo, incluíndo eu e você. Sinceramente elas sabem que essas coisas são verdadeiras simplesmente porque receberam um testemunho espiritual – um simples, porém inequívoco, ardor no peito foi suficiente para convencê-las.

              Você está relativizando esse “ardor do peito” como se fosse fruto de um mero entusiasmo fortuito. Está simplesmente ignorando Quem está por trás desse ardor, ou dessa confirmação espiritual desses fatos temporais. Isso é triste.

              Ciência nenhuma pode prestar testemunho maior que o Daquele que é o único Ser onisciente do Universo. Ainda assim, há homens que tolamente preferem acreditar mais na ciência do que Naquele que criou tudo que a ciência tem descoberto. Como Ele próprio disse: “Que maior testemunho podes ter que o de Deus?” (D&C 6:23)

              Ninguém precisa da ciência para corroborar a fé. Se assim não fosse, não se poderia saber que Deus existe, apesar dos inúmeros sinas que Ele dá de Sua existência, presença e proximidade.

              Estou apenas cumprindo o mandamento “divinamente inspirado” de buscar conhecimento nos melhores livros (D&C 88:118; 109:7,14).

              Então você deve fazer a coisa por completo, e não apenas a parte que lhe convém.

              Você disse em meu perfil no Facebook que admira a firmeza de meu testemunho. Se isso é verdade e se você deseja um testemunho igual ou mais firme que o meu, comece fazendo a lição de casa toda, e não só a parte que lhe parece mais interessante. Eis aqui a outra parte:

              Oh! A vaidade e a fraqueza e a insensatez dos homens! Quando são instruídos pensam que são sábios e não dão ouvidos aos conselhos de Deus, pondo-os de lado, supondo que sabem por si mesmos; portanto sua sabedoria é insensatez e não lhes traz proveito. E eles perecerão. Mas é bom ser instruído quando se dá ouvidos aos conselhos de Deus. (2 Néfi 9:28-29, destaque meu.)

              Um abraço!

        • Paula Beatriz disse:

          Primeiramente gostaría de dizer que todos os argumentos foram muito inteligentemente escritos, dá para perceber que você é uma pessoa muito inteligente por sua forma de escrever.
          Mas de certa forma você está tentando se convencer de que Deus nao é tao importante.
          Na verdade você está sem FÉ:
          Nao adianta tentar explicar, basta acreditar!!!
          Será que é tao difícil fechar os olhos e ver que Deus é MARAVILHOSO?!!!
          Tentar orar e sentir uma paz interior?!!.
          Até hoje sinceramente NUNCA fiquei sem resposta. Sim, pois antes de tomar decisoes sempre converso com Deus, sempre de alguma forma me vem a resposta.
          Claro que só dá para sentir, ver ou ouvir o que Deus fala se abrirmos realmente o coracao!!!
          Deus é para aceito e nao explicado!!
          É uma questao de aceitar ou nao!!
          Deus é maravilhoso e é fiel e nos ama.
          Isto é mais importante que tudo!!!
          Concordo com o Marcelo. Ser ciente da fé que sentimos é prova de que cremos NELE!!! ( Em Deus )
          Tenha um bom dia e que Deus o guarde!!

          • Paula Beatriz disse:

            Ah, desculpas.
            Nao esclarecí para quem foi o meu comentário.
            O meu comentário é para você Leonel.
            Vê se reflete um pouco e tenta sentir a presenca MARAVILHOSA de um Deus fiel , justo e presente.
            Basta somenteo convidarmos para caminhar conosco.

          • Marcelo Todaro disse:

            Oi, Paulinha.

            Quando você diz “nao adianta tentar explicar, basta acreditar”, é preciso ter em mente que a fé não é um mero desejo irracional de acreditar, como se fosse algo mágico que pode ir e vir com o estalar dos dedos. Se assim não fosse, eu poderia muito bem passar a ter fé num cabo de vassoura e tudo bem. Felizmente, as coisas não são assim.

            Ao descrever sua experiência de pedir a Deus e receber, você só está confirmando o que eu disse: o fato de haver um racional por trás da sua fé, explicado pela mesma relação de causa e efeito de que falei no artigo.

            Nosso Pai não requer de nós uma fé cega. Ele nos deu inteligência por um motivo.

            Um abraço!

            • santos disse:

              Oque os religiosos não conseguem explicar é que se os cristãos estiverem certos oque será dos muçulmanos, e se os muçulmanos estiverem corretos oque será dos judeus e assim vai muito longe, porque no mundo inteiro existem centenas de milhares de deuses todos nos sabemos disso é fato!!
              Não quero ofender ninguem mais todos vocês são de uma prepotencia sem tamanho!!!

              • Marcelo Todaro disse:

                Santos, o que os céticos não conseguem explicar é como podem pensar que não há resposta para essas perguntas e criticar os religiosos na convicção de que realmente não há. Acho que um pouco de pesquisa e estudo não faz mal a ninguém.

                O fato de ser necessário haver uma (e apenas uma) Igreja verdadeira NÃO significa que quem não for dela está automaticamente perdido. Afirmar isso é prova de falta de conhecimento dos ensinamentos de Deus.

                Há esperança para todos, mas nem todos se disporão a pagar o preço para chegar lá. E isso também NÃO significa que esses estarão condenados ao inferno ou algo assim.

                Entendeu agora?

                Não quero ofender você, mas sua postura é de uma prepotência sem tamanho!!!

 

REGRAS PARA COMENTAR NOS ARTIGOS:

  1. Não use agressividade, provocações, insultos, ironias, deboches, maledicências, palavrões e coisas desse tipo, ou seu comentário será sumariamente apagado. Aceito críticas, sim, o que não aceito é falta de educação e de respeito.
  2. Não use e-mail falso ou seu comentário poderá ser apagado.

Deixe seu comentário - mas observe as regras acima!