“O Senhor o deu e o Senhor o tomou: bendito seja o nome do Senhor”

Referente a janeiro de 2004

O templo realmente fincou profundas raízes em mim. Fora o testemunho da divindade do Salvador Jesus Cristo, da veracidade do Livro de Mórmon e da Igreja, nunca nada penetrou tão profundamente meu coração quanto o testemunho da obra realizada naquele pedaço do reino celestial na terra.

Os dois dias que passei servindo nele, no primeiro por doze horas ininterruptas, foram tais que meu parco vocabulário não consegue descrever. Não vi anjos, não vi espíritos, nem a face do Salvador, mas vi que minha vida muda um pouco a cada vez que vou à Casa do Senhor, como se um elo inquebrantável entre ela e eu fosse forjado e fortalecido a cada visita, a cada serviço, no olhar de cada irmão e irmã que ajudo a servir ao Senhor como oficiante das sagradas ordenanças do templo.

O espírito do templo permaneceu em mim por vários dias depois que voltamos, deixando-me tremendamente sensível à beleza do evangelho restaurado de Jesus Cristo e fazendo com que me emocionasse com grande facilidade. Por esse motivo, tive “dificuldade” em dar as aulas daquele primeiro domingo e chorei por quase todo o tempo da sacramental. 90% dos testemunhos prestados naquela manhã não foram para falar de outra coisa senão de como a ida ao templo tinha marcado as vidas dos que estiveram nele naqueles dois maravilhosos dias. Eu estava tão emocionado que, pela primeira vez em um ano e meio, não subi ao púlpito para prestar meu testemunho. Eu simplesmente não conseguiria falar.

Inevitavelmente, contudo, a labuta diária pela vida não permitiu que esse magnífico espírito durasse mais tempo. Então vi-me novamente às voltas com minhas preocupações com a absoluta falta de resultados em meu trabalho e com minhas profundas reflexões sobre as possíveis causas disso. Nem por isso tenho deixado de pagar meu dízimo, nem tenho me queixado do Senhor.

Jó é meu exemplo. Não só de paciência e humildade, mas também de como o Senhor permite que Satanás nos aflija para que sejamos testados e provados em nossa fé e obediência. Estará sendo esse o caso? Tudo isso pode ser algo que o Senhor permitiu que Satanás me infligisse, dando-me oportunidade de, assim como Jó, dizer: “receberemos o bem de Deus, e não receberíamos o mal?” (Jó 2:10)

Mas há momentos em que me sinto cansado, em que gostaria de receber um alívio que me desse a chance de respirar um pouco para então recomeçar a batalha. Jó sentiu-se assim também, quando disse:

A minha alma tem tédio da minha vida; darei livre curso à minha queixa, falarei na amargura de minha alma. Direi a Deus: não me condenes; faze-me saber por que contendes comigo. (…) Bem sabes tu que eu não sou iníqüo; todavia ninguém há que me livre de tua mão. (…) Cessa, pois, e deixa-me, para que por um pouco eu tome alento. (Jó 10:1,2,7,20).

É exatamente assim que me sinto, como se Deus estivesse jogando Seus juízos sobre mim e me sentisse esgotado em minhas forças para resistir, rogando por uma trégua.

Em momentos como este não há como não lembrar-me das palavras do Senhor ao profeta Joseph Smith, a quem, no auge de seu sofrimento, o Senhor lembrou o exemplo de Jó ao dizer: “Ainda não estás como Jó” (D&C 121:10). E eu nem de longe estou como o profeta, portanto mais longe ainda estou de estar como Jó — o que não torna minha provação menos difícil de suportar, segundo minha capacidade. De qualquer forma, minha confiança no Senhor em nada diminuiu, nem meu desejo de perseverar na obediência a Seus mandamentos.

Tudo o que quero é que Ele me ajude a suportar minha provação pelo tempo que achar que deve durar e que me ajude a ter os meios e recursos para honrar meus compromissos. Mais uma vez, Jó é meu exemplo. Depois de ter perdido quase tudo o que tinha, ele disse: “Nu saí do ventre de minha mãe e nu tornarei para lá; o Senhor o deu e o Senhor o tomou: bendito seja o nome do Senhor”. (Jó 1:21)

 

(Visited 1.207 times, 1 visits today)

Artigos relacionados:

Publicado em Diário pessoal com a(s) tag(s) , , . Adicione o link permanente deste artigo a seus favoritos.

 

REGRAS PARA COMENTAR NOS ARTIGOS:

  1. Não use agressividade, provocações, insultos, ironias, deboches, maledicências, palavrões e coisas desse tipo, ou seu comentário será sumariamente apagado. Aceito críticas, sim, o que não aceito é falta de educação e de respeito.
  2. Não use e-mail falso ou seu comentário poderá ser apagado.

Deixe seu comentário - mas observe as regras acima!